Artigos do Portal:
#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Artigo ou Artigos Indicados da Semana:#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada

(ainda em organização)

Mulheres nas religiões

Mulheres no Hinduismo

Os textos hindus apresentam visões diversas e conflitantes sobre a posição das mulheres, que vão desde a liderança feminina como a mais alta deusa, a limitar seu papel a uma filha, dona de casa e mãe obedientes. O hino Devi Sukta de Rigveda , uma escritura do hinduísmo , declara a energia feminina como a essência do universo, aquele que cria toda a matéria e consciência, a eterna e infinita, a realidade metafísica e empírica (Brahman), a alma (suprema auto) de tudo. [1] [2] A mulher é celebrada como a força mais poderosa e poderosa em alguns Upanishads hindus, Sastras e Puranas, particularmente Devi Upanishad , Devi Mahatmya eDevi-Bhagavata Purana . [3] [4] [5]

Em Smritis , como o Manusmriti , a posição das mulheres no hinduísmo é mista e contraditória. Manusmriti afirma que “como uma menina, ela deve obedecer e buscar a proteção de seu pai, como uma jovem mulher seu marido e como viúva seu filho”. [6] Na verdade, as Filhas não são totalmente aceitas nas famílias do marido até que tenham produzido um filho próprio. Os filhos sozinhos podem continuar a linha familiar. No entanto, em outras seções, o mesmo texto afirma que “as mulheres devem ser honradas e adornadas”, e “onde as mulheres são reverenciadas, os deuses se regozijam, mas onde não estão, nenhum ritual sagrado tem qualquer fruta”. [7]As mulheres que são mães de um filho, com seus maridos ainda vivos, são os membros mais auspiciosos da sociedade. É quando e se seus maridos morrem, que uma mulher pode perder seu status na sociedade. No entanto, os estudiosos questionaram a autenticidade e corrupção do texto ao longo do tempo, dada a inútil versão inconsistente dos manuscritos Smriti que foram descobertos. [8]

Os textos hindus da era antiga e medieval apresentam uma imagem diversificada dos deveres e direitos das mulheres no hinduísmo. Os textos reconhecem oito tipos de casamento, que vão desde o pai encontrando um parceiro de casamento para sua filha e buscando seu consentimento (casamento Brahma), para que os noivos se encontrem sem a participação dos pais (casamento de Gandharva). [9] [10] Os estudiosos afirmam que os textos hindus da era védica e os registros deixados pelos viajantes para a Índia antiga e medieval, sugerem que a sociedade hindu antiga e precoce medieval não praticava Dowry ou Sati . [11] [12] Essas práticas provavelmente se tornaram generalizadas em algum momento no segundo milênio CE de desenvolvimentos sociopolíticos no subcontinente indiano.[13] [14]

O hinduísmo, afirma Bryant, tem a presença mais forte do feminino divino entre as principais religiões do mundo, desde os tempos antigos até o presente. [15] A deusa é vista como central nas tradições hinduitas Shakti e Saiva. [16] [17]

Literatura védica 

Os textos antigos do hinduísmo mostram uma reverência para o feminino. O capítulo 10 da Rigveda , por exemplo, afirma o feminino para ser o princípio supremo por trás de todas cosmos, na seguinte hino chamado como Devi Sukta , [1] [2]

Eu sou a Rainha, o coletor de tesouros, mais pensativo, primeiro daqueles que merecem adoração.
Assim, os deuses me estabeleceram em muitos lugares com muitas casas para entrar e permanecer dentro.
Por mim sozinho, todos comem a comida que os alimenta, – todo homem que vê, respira, ouve a palavra franco.
Eles não sabem, mas eu residi no essência do universo. Ouça, a todos, a verdade como eu declaro.

Eu, em verdade, eu mesmo anuncio e pronunciar a palavra que os deuses e os homens serão bem vindos.
Eu faço que o homem que eu amo seja muito poderoso, faça-o nutrir, um sábio e aquele que conhece Brahman.
Inclino o arco para Rudra que sua flecha pode atacar e matar o detestor da devoção.
Desperto e ordeno batalha pelas pessoas, criei Terra e Céu e reside como seu controlador interno.

Na cúpula do mundo, dou o Pai: minha casa está nas águas, no oceano.
Daí eu dirijo todas as criaturas existentes, como o Eu Supremo Interno, e as manifestai com meu corpo.
Eu criei todos os mundos à minha vontade, sem qualquer ser superior, e permeio e habito dentro deles.
A consciência eterna e infinita é eu, é minha grandeza habitando em tudo.

-  Rigveda 10.125.3 – 10.125.8, [1] [18]
Upanishads

As ideias de Devi Sukta do Rigveda estão mais desenvolvidas no Shakta Upanishads , relativamente posto em breve , afirma McDaniel, onde Devi afirma que ela é Brahman , de sua origem Prakṛti (matéria) e Purusha (consciência), ela é felicidade e não felicidade , os Vedas e o que é diferente dele, os nascidos e os não nascidos, e o feminino é, portanto, todo o universo. [3] Ela é apresentada como todos os cinco elementos, bem como tudo o que é diferente desses elementos, o que está acima, o que está abaixo, o que está ao redor e, portanto, o universo na sua totalidade. [19] Esta filosofia também é encontrada noTripuratapani Upanishad e a Bahvricha Upanishad . [1]

Os primeiros Upanishads são, no entanto, geralmente silenciosos sobre mulheres e homens, e se concentram predominantemente em Brahman sem gênero e sua relação com Atman (Soul, Self). Existem exceções ocasionais. Brihadaranyaka Upanishad , composto por cerca de 800 aC, por exemplo, no último capítulo detalhando a educação de um aluno, inclui aulas para seu estágio de vida de Grihastha . [20] Lá, o aluno é ensinado que, como marido, ele deveria cozinhar arroz para a esposa, e eles juntos comem a comida de certa forma, dependendo se desejam o nascimento de uma filha ou filho, como se segue, [20]

E se um homem deseja que uma filha instruída devesse nascer para ele, e que ela devesse viver até a maioridade, depois, depois de ter preparado arroz fervido com sesão e manteiga, eles deveriam comer, estar aptos a ter descendência.

E se um homem deseja que um filho erudito devesse nascer para ele e que ele devesse viver a maioridade dele, depois de ter preparado arroz fervido com carne e manteiga, eles deveriam comer, estar aptos a ter descendência.

-  Brihadaranyaka Upanishad 6.4.17 – 6.4.18, traduzido por Max Muller [21]

As mulheres são mencionadas e participam dos debates filosóficos dos Upanishads, bem como de estudiosos, professores e sacerdotisas durante a era védica e do início da era budista. [22] Entre as mulheres reconhecidas nos Upanishads estão Gargi e Maitreyi . [22] Em sânscrito , a palavra acharyāsignifica uma “professora” (versus acharya que significa “professor”) e um acharyini é esposa de um professor, indicando que algumas mulheres eram conhecidas como gurus . citação necessária ]

Personagens femininas aparecem em peças e poemas épicos. O poeta do século 8, Bhavabhuti descreve em sua peça, Uttararamacharita (verso 2 – 3), como o personagem, Atreyi, viajou para o sul da Índia, onde estudou os Vedas e a filosofia indiana. Em Madhava ‘s Shankaradigvijaya , Shankara debate com o filósofo do sexo feminino, Ubhaya Bharati e nos versículos 9 – 63, é mencionado que ela estava bem versado nos Vedas . Tirukkoneri Dasyai, um estudioso do século XV, escreveu um comentário sobre o Tiruvaayamoli de Nammalvar , com referência a textos védicos como o Taittiriya Yajurveda .

O Epico 

O Mahabharata é uma épica hindu lendária que reflete as crenças e a cultura social na Índia antiga. Em seu primeiro livro, Dushmanta pede a Sakuntala (acima) se casar com ele por amor, no casamento estilo Gandharva , sem o consentimento de seus pais. [23] Os textos também descrevem outras sete formas de casamento e quando eram apropriadas ou inapropriadas. [23]

Nos dois épicos hindus, Ramayana e Mahabharata , o papel das mulheres é misto. O principal personagem feminino no Mahabharata, Draupadi é casado com todos os cinco Pandavas, assim tem cinco maridos. Ela é insultada por Duryodhana, um dos desencadeantes da grande guerra. No Ramayana composto na segunda metade do primeiro milênio aC, Sita é respeitada, honrada e vista como inseparável amada, mas apresentada como uma dona de casa, a esposa ideal e parceira de Rama. Na tradição hindu, a maioria dos relatos orais das mulheres do Ramayana retratam a autonomia como a regra e não a exceção, mas afirma que Sugirtharajah, essas versões são de origens recentes. [24]

As épicas são histórias, mas carregam preceitos do dharma encaixadas, sugerindo noções percebidas sobre as mulheres no hinduísmo no momento em que os Epics foram compostos. O Mahabharata, no Livro 1, por exemplo, afirma:

Nenhum homem, mesmo com raiva, deve fazer qualquer coisa que seja desagradável para sua esposa; Para alegria, alegria, virtude e tudo depende da esposa. A esposa é o solo sagrado em que o marido nasceu de novo, mesmo os Rishis não podem criar homens sem mulheres.

-  Adi Parva , Mahabharata Book, 1.74.50-51 [25]

O Anushasana Parva do Mahabharata épico hindu tem vários capítulos dedicados à discussão sobre deveres e direito das mulheres. Dá uma imagem mista. No capítulo 11, a deusa da riqueza e da prosperidade que Lakshmi afirma, que vive nas mulheres verdadeiras, sinceras, modestas, organizadas, dedicadas ao marido e aos filhos, conscientes da saúde, doente e gentil aos convidados. [26] A deusa afirma que ela não reside em uma mulher pecadora, impura, sempre discordando de seu marido, não tem paciência ou fortaleza, é preguiçosa, querida com seus vizinhos e parentes. [26]

No capítulo 47, como Yudhishthira busca orientações sobre o Dharma de Bhishma , Anushasana Parva compara o valor da filha com um filho, como segue,

A filha, ó rei, foi ordenada nas escrituras para ser igual ao filho.

-  Bhishma , Anushasana Parva, Mahabharata 13,47,26 [27]

Os deveres das mulheres são novamente recitados no Capítulo 146, como uma conversa entre Deus Shiva e sua esposa deusa Uma , onde Shiva pergunta quais são os deveres das mulheres. Uma (Parvati) passa a encontrar todos os rios, que são todas deusas que nutrem e criam vales férteis. [28]Uma sugere que os deveres das mulheres incluem ser de boa disposição, com um discurso doce, uma conduta doce e características delicadas. Para uma mulher, afirma Uma, seu marido é seu deus, seu marido é seu amigo e seu marido é seu alto refúgio. Os deveres de uma mulher incluem alimentação física e emocional, reverência e satisfação de seu marido e seus filhos. Sua felicidade é sua felicidade, ela observa os mesmos votos que aqueles que são observados por seu marido, seu dever é ser alegre mesmo quando seu marido ou seus filhos estão bravos, seja lá para eles na adversidade ou na doença, é considerado verdadeiramente justo na sua conduta. [28]Além de seu marido e família, seu dever é ser alegre do coração e humilde com amigos e parentes, fazer o melhor que pode para amigos e convidados. Sua vida familiar e sua casa é seu paraíso, diz a deusa Parvati para Shiva. [28]

Anushasana Parva serviu de fonte para os textos da era moderna sobre as mulheres no hinduísmo. Por exemplo, Tryambakayajvan de Thanjavur , no CE do século 18, publicou Strīdharmapaddhati (às vezes referido como Stri Dharma Paddhati , ou “Guia para uma mulher Dharmic”). Tryambaka, de acordo com Julia Leslie, [29] seletivamente extrai versos de muitos capítulos de Anushasana parva. Ele extrai de forma seletiva versos de outros livros do Mahabharata e outros textos indianos antigos, para Strīdharmapaddhati , escolhendo aqueles que ele preferiu, omitindo versos do Mahabharata que o representam estilo característico de apresentar muitas vozes e contra-argumentos. [30]

Shastras e Smritis 

Os Vedas e Shastras do Hinduísmo mencionam Brahmacharini (mulheres) estudando os Vedas. [31] A palavra Brahmacharini também é reverenciada no hinduísmo como uma deusa (acima).

A caracterização e o tratamento das mulheres são misturados nos textos de Shastras e Smriti do hinduísmo. Os estudiosos questionaram as inserções, a corrupção e a autenticidade da data posterior dos textos, conforme foram encontradas dezenas de versões significativamente diferentes dos textos de Smriti. Patrick Olivelle, por exemplo, que é creditado com uma tradução de 2005 de Manusmriti, publicada pela Oxford University Press, afirma as preocupações em estudos pós- modernos sobre a presumida autenticidade e confiabilidade dos manuscritos Manusmriti. [8] Ele escreve (abreviado)

MDh [Manusmriti] foi o primeiro texto jurídico indiano introduzido no mundo ocidental através da tradução de Sir William Jones em 1794. (…) Todas as edições do MDh , exceto o de Jolly, reproduzem o texto como encontrado no [ Calcutta] manuscrito contendo o comentário de Kulluka. Liguei para isso como a ” versão vulgate “. Foi a versão de Kulluka que foi traduzida repetidamente: Jones (1794), Burnell (1884), Buhler (1886) e Doniger (1991). (…)

A crença na autenticidade do texto de Kulluka foi abertamente articulada por Burnell (1884, xxix): “Não há dúvida de que o textus receptus, a saber, o de Kulluka Bhatta, adotado na Índia e por estudiosos europeus, é muito próximo em geral para o texto original “. Isso está longe da verdade. Na verdade, uma das grandes surpresas do meu trabalho editorial foi descobrir como alguns dos mais de cinquenta manuscritos que eu coloquei na verdade seguem a vulgate em leituras-chave.

-  Patrick Olivelle , Código de Direito de Manu (2005) [8]

Arthashastra , no capítulo 1.21, descreve as mulheres que receberam educação militar e serviram para proteger o rei; O texto também menciona artesãs femininas, mendicantes e mulheres que estavam vagando por ascéticas. [32] [33]

Um dos mais estudados sobre a posição das mulheres na sociedade hindu medieval foi um manuscrito de Calcuta, agora contestado, de Manusmriti . O texto prega a castidade às viúvas, como nos versículos 5.158-5.160. [34] Nos versículos 2.67-2.69 e 5.148-5.155, Manusmriti prega que, como uma menina, ela deve obedecer e buscar a proteção de seu pai, como uma jovem mulher, seu marido e, como viúva, seu filho; e que uma mulher sempre deve adorar o marido como deus. [6] [35]

Em outros versos, Manusmriti respeita e protege os direitos das mulheres. Manusmriti nos versículos 3.55-3.56, por exemplo, declara que “as mulheres devem ser honradas e adornadas”, e “onde as mulheres são reverenciadas, os deuses se regozijam, mas, onde não estão, nenhum rito sagrado tem qualquer fruta”. [7] [36] Em outros lugares, nos versículos 5.147-5.148, afirma Olivelle, o texto declara: “uma mulher nunca deve procurar viver de forma independente”. [37]

Divórcio 

O texto declara que um casamento não pode ser dissolvido por uma mulher ou um homem, no versículo 8.101-8.102. [38] No entanto, o texto, em outras seções, permite dissolver o casamento. Por exemplo, os versículos 9.72-9.81 permitem que o homem ou a mulher saem de um casamento fraudulento ou um casamento abusivo e se casar novamente; O texto também fornece meios legais para uma mulher se casar novamente quando o marido dele faltou ou a abandonou. [39]

Varna 

O texto em uma seção se opõe a uma mulher casando com alguém fora de sua própria classe social ( varna ) como nos versículos 3.13-3.14. [34] Simultaneamente, afirma Olivelle, o texto pressupõe inúmeras práticas como casamentos fora de varna, como entre um brahman e uma mulher Shudra nos versículos 9.149-9.157, uma viúva ficando grávida com um filho de um homem com quem ela não é casada nos versículos 9.57-9.62, o casamento onde uma mulher apaixonada se opõe ao seu homem e, em seguida, concede direitos legais nesses casos, como os direitos de herança de propriedade nos versículos 9.143-9.157, e os direitos legais das crianças nasceram assim. [40]O texto também pressupõe que uma mulher casada pode engravidar por um homem além do marido e dedica versos 8.31-8.56 para concluir que a custódia da criança pertence à mulher e seu marido legal, e não ao homem com quem engravidou. [41] [42]

Direitos de propriedade 

Manusmriti fornece uma mulher com direitos de propriedade de seis tipos de propriedade nos versículos 9.192-9.200. Estes incluem aqueles que recebeu em seu casamento, ou como presente quando ela fugiu ou quando foi levada, ou como sinal de amor antes do casamento, ou como presentes de sua família biológica, ou como recebeu de seu marido após o casamento, e também da herança de parentes falecidos. [43]

Problemas de inconsistência e autenticidade 

Os estudiosos afirmam que menos de metade, ou apenas 1.214 dos 2.685 versos em Manusmriti, podem ser autênticos. [44] Além disso, os versos são internamente inconsistentes. [45] Versos como 3.55-3.62 de Manusmriti , por exemplo, glorificam a posição das mulheres, enquanto versos como 9.3 e 9.17 fazem o contrário. [44] Mahatma Gandhi , quando perguntado sobre sua visão sobre o Smriti, declarou que “há tantas contradições no volume impresso que, se você aceitar uma parte, você é obrigado a rejeitar essas partes que são totalmente inconsistentes com ela. (…) Ninguém está em posse do texto original [de Manusmriti]. [46]

Flavia Agnes afirma que Manusmriti é um comentário complexo da perspectiva dos direitos das mulheres, e a codificação da era colonial britânica dos direitos das mulheres com base nela para os hindus e dos textos islâmicos para muçulmanos, escolheu e enfatizou certos aspectos enquanto ignorava outras seções. [47] Esta construção do direito pessoal durante a era colonial criou uma ficção legal em torno do papel histórico de Manusmriti como escritura nas questões relativas às mulheres no sul da Ásia. [47] [48]

Puranas 

Devi Mahatmya, um manuscrito em sânscrito hindu do Nepal do século 11 (acima), ajudou a cristalizar a tradição da deusa onde o Deus criador é uma fêmea, mas nem feminino nem masculino, sim, espiritual e uma força de bem. [49]

Os Puranas, particularmente o Devi Mahatmya encontrado em Markandeya Maha-Purana, e o Devi-Bhagavata Purana têm uma discussão mais dedicada de Devi e feminina sagrada na era antiga e precoce da Hinduísmo. [3] [4] [5] No entanto, a discussão não se limita a estes dois principais textos relacionados à religião da deusa Hindu. As mulheres são encontradas em discussões filosóficas em vários outros textos de Puranas e era existente. Por exemplo, Parvati em uma discussão com o marido Shiva , observa:

Você deve considerar quem você é, e quem é a natureza … como você poderia transcender a natureza? O que você ouve, o que você come, o que você vê – é tudo da natureza. Como você poderia estar além da natureza? Você está envolvido na natureza, mesmo que não o conheça.

-  Skanda Purana 1.1.21.22, traduzido por Nicholas Gier [50]

O simbolismo feminino como sagrado e por reverência estava presente em textos hindus antigos, mas esses eram estados fragmentários Brown, e era ao redor do século VI dC, [51] possivelmente no noroeste da Índia, que o conceito de Maha-Devi se juntou como o Grande Deusa, que aparece no texto de Devi Mahatmya de Markandeya Purana. [52] Este desenvolvimento da mulher divina não era teórico, de acordo com Brown, mas impactou “auto compreensão dos hindus até o presente” e “o que significa ser humano em um universo infinito e ainda é permeado pelo Qualidade muito humana do cuidado e raiva de uma mulher “. [52] Devi Mahatmya, também chamado Durga Saptasati (ou 700 versos para Durga), tem sido extremamente popular entre os hindus através dos séculos, afirma Coburn. [53] Devi Mahatmya não tenta provar que a mulher é suprema, mas assume como uma dada e sua premissa. Essa idéia influenciou o papel das mulheres no hinduísmo nos textos puranicos que se seguiram durante séculos, onde aparecem pares dominados pelos homens e dominados por mulheres, em várias lendas, no mesmo texto religioso e na imaginação hindu. [54]

O Devi Mahatmya apresenta a idéia, afirma McDaniel, de uma divina que cria este universo, é o conhecimento supremo, que se ajuda e os homens alcançam a libertação final, ela é multitarefa que em tempos de prosperidade é Lakshmi traz riqueza e felicidade para casas humanas , no entanto, em tempos de adversidade, alimenta e combate a batalha como a mulher irritada destruindo demônios e maldades no universo depois de metamorfosear em Durga, Chandika, Ambika, Bhadrakali, Ishvari, Bhagvati, Sri ou Devi. [55] [56]No entanto, as anotações de Brown, a celebração da deusa como supremo em Devi Mahatmya não é universal nos textos hindus do 1º milênio CE, e outros textos puranicos celebram o deus como supremo, enquanto reconhece a deusa suprema em vários capítulos e apresenta a fêmea como a ” poder efetivo por trás de qualquer macho “no sentido mitológico ou no sentido teológico ou ambos. [54]

As idéias do Devi Mahatmya, do século 6, são adotadas no texto do século 11 de Devi-Bhagavata Purana, [51] outro texto clássico da deusa da tradição shakti do hinduísmo. No entanto, este texto enfatiza a devoção e o amor como o caminho para a sua natureza suprema como deusa. [57] No último texto, Devi aparece como uma deusa guerreira destruindo demônios, uma mãe do mundo que nutre o bem, como o criador, o sustentador e o destruidor como diferentes aspectos dela, o supremo. [58]

Gênero de Deus

No hinduísmo, o Absoluto impessoal (Brahman) não tem gênero. Tanto os deuses masculinos (Deva) quanto os deuses femininos (Devi) são encontrados no hinduísmo. Algumas tradições hindus concebem Deus como andrógino (feminino e masculino), ou como masculino ou feminino, enquanto apreciam o henoteísmo de gênero, isto é, sem negar a existência de outros deuses em ambos os sexos.

As tradições bhakti do hinduísmo têm deuses e deusas. Na mitologia indiana antiga e medieval, cada deva masculino do panteão hindu é associado a um devi feminino. Seguidores do Shaktism, adorem a deusa Devi como a personificação do Shakti (força ou poder feminino).

Existe uma percepção popular de que existem milhões de divindades hindus. No entanto, a maioria, de longe, são deusas, afirmam Foulston e Abbott, sugerindo “quão importantes e populares são as deusas” na cultura hindu. Ninguém tem uma lista dos milhões de deusas e deuses, mas todas as divindades, estudiosos do estado, são tipicamente vistas no hinduísmo como “emanações ou manifestação de um princípio sem gênero chamado Brahman, representando as muitas facetas da Realidade Suprema”. No hinduísmo, “Deus, o universo, todos os seres [masculinos, femininos] e tudo o mais é essencialmente uma coisa” e tudo está ligado à unidade, o mesmo deus está em todos os seres que Atman, o Eu eterno.

A literatura hindu antiga e medieval, estudiosos do estado, é ricamente dotada de deuses, deusas e representações andróginas de Deus. Isso, afirma Gross, contrasta com várias religiões monoteístas, nas quais Deus é frequentemente sinônimo de “Ele” e o teísmo está repleto de antropomorfismos masculinos. No hinduísmo, as imagens das deusas não significam perda do deus dos homens, mas a literatura antiga apresenta os dois gêneros como equilibradores entre si e complementares. As deusas do hinduísmo, afirma Gross, são fortes, bonitas e confiantes, simbolizando sua vitalidade no ciclo da vida. Enquanto os deuses masculinos são representados simbolicamente como aqueles que agem, as deusas femininas são simbolicamente retratadas como aqueles que inspiram ação. Deusas no hinduísmo são vistas como patronos das artes, cultura, educação, aprendizado, artes, alegrias,

Casamento

O texto do hinduísmo Asvalayana Grhyasutra identifica oito formas de casamento. Desses quatro primeiros – Brahma, Daiva, Arsha e Prajapatya – são declarados apropriados e recomendados pelo texto, os dois seguintes – Gandharva e Asura – são declarados inapropriados, mas aceitáveis, e os dois últimos – Rakshasa e Paishacha – são declarados maus e inaceitáveis ​​( mas qualquer criança resultante recebeu direitos legais).

  1. Casamento Brahma – considerado o casamento religioso mais apropriado, onde o pai encontra um homem educado, propõe o casamento de sua filha para ele. O noivo, a noiva e as famílias concordam de bom grado com a proposta. As duas famílias e parentes se encontram, a garota é cerimoniosamente decorada, o pai entrega sua filha no noivado e uma cerimônia de casamento védica é realizada. Este tipo de casamento é agora mais prevalente entre os hindus na Índia moderna.
  2. Casamento Daiva – nesse tipo de casamento, o pai entrega a filha junto com os ornamentos a um padre.
  3. Casamento Arsha – nesse tipo de casamento, o noivo dá uma vaca e um touro ao pai da noiva e o pai troca sua filha em casamento. O noivo jurou cumprir suas obrigações com a vida da noiva e da família (Grihasthashram).
  4. Casamento Prajapatya – nesse tipo de casamento, um casal concorda em se casar trocando alguns mantras em sânscrito (votos entre si). Essa forma de casamento era semelhante a uma cerimônia civil.
  5. Casamento Gandharva – nesse tipo de casamento, o casal simplesmente vive junto por amor, por consentimento mútuo, consensualmente consumando seu relacionamento. Esse casamento é celebrado sem cerimônias religiosas e era semelhante ao conceito ocidental de casamento de direito comum. Kama Sutra, assim como Rishi Kanva – o pai adotivo de Shakuntala – no Mahabharata, alegou que esse tipo de casamento era o ideal.
  6. Casamento Asura – nesse tipo de casamento, o noivo ofereceu um dote ao pai da noiva e da noiva, ambos aceitaram o dote por vontade própria e ele recebeu a noiva em troca. Era como casar uma filha por dinheiro. Esse casamento foi considerado inadequado pelos escritores hindus da Smriti, porque a ganância, não o que é melhor para a menina, pode corromper o processo de seleção. Os versos 3.51 e 3.52 de Manusmriti, por exemplo, afirmam que um pai ou parentes nunca devem aceitar nenhum preço de noiva, porque isso equivale ao tráfico da filha.
  7. Casamento Rakshasa – onde o noivo seqüestrou à força a garota contra ela e a vontade de sua família. A palavra Rakshasa significa diabo.
  8. Casamento Paishacha – onde o homem se força a uma mulher quando ela é insentiente, drogada, bêbada ou inconsciente.

James Lochtefeld descobre que as duas últimas formas de casamento foram proibidas e ainda reconhecidas nas sociedades hindus antigas, não para incentivar esses atos, mas para fornecer à mulher e a qualquer criança proteção legal na sociedade.

“Uma mulher pode escolher seu próprio marido depois de atingir a maturidade. Se seus pais são incapazes de escolher um noivo digno, ela mesma pode escolher seu marido.” (Manu Smriti IX 90-91)

Dote

O conceito e a prática de dote na sociedade hindu antiga e medieval não são claros. Alguns estudiosos acreditam que o dote foi praticado na histórica sociedade hindu, mas outros não. Relatos históricos de testemunhas oculares (discutidas abaixo) sugerem que o dote na sociedade hindu do século 11 dC era insignificante, e as filhas tinham direitos de herança, que por costume eram exercidos na época de seu casamento.

Stanley J. Tambiah declara que o antigo Código de Manu sancionava dote e bridewealth na Índia antiga, mas o dote era a forma de maior prestígio e associada à casta bramânica (sacerdotal). Bridewealth estava restrito às castas inferiores, que não tinham permissão para dar dote. Ele cita dois estudos do início do século XX com dados que sugerem que esse padrão de dote nas castas superiores e de pontes nas castas inferiores persistiu na primeira metade do século XX.

Michael Witzel, por outro lado, afirma que a literatura indiana antiga sugere que as práticas de dote não foram significativas durante o período védico. Witzel também observa que as mulheres na Índia antiga tinham direitos de herança por nomeação ou quando não tinham irmãos. Kane afirma que a literatura antiga sugere que a noiva era paga apenas no tipo de casamento asura que era considerado repreensível e proibido por Manu e outros escribas indianos antigos. Lochtefeld sugere que os deveres religiosos listados por Manu e outros, como “a noiva seja ricamente adornada para celebrar o casamento”, eram roupas e jóias cerimoniais, além de presentes que eram propriedade dela, não propriedade exigida ou destinada ao noivo; Lochtefeld observa ainda que o adorno de noiva não é atualmente considerado dote na mente da maioria das pessoas.

Evidências históricas e epigráficas da Índia antiga sugerem que o dote não era a prática padrão na sociedade hindu antiga. Arrian da era de conquista de Alexandre, o Grande, em seu primeiro livro menciona uma falta de dote, ou pouco frequente para ser notado por Arrian.

Eles (esses antigos indianos) fazem seus casamentos de acordo com esse princípio, pois, ao escolher uma noiva, eles não se importam se ela tem um dote e uma bela fortuna, mas olham apenas para sua beleza e outras vantagens da pessoa externa.

O segundo livro de Arrian também observa,

Eles (índios) casam sem dar ou receber dotes, mas as mulheres assim que casam são trazidas adiante pelos pais em público, para serem escolhidas pelo vencedor na luta livre ou no boxe ou na corrida ou alguém que se sobressaia em qualquer outro tipo de homem. exercício.

Cerca de 1200 anos após a visita de Arrian, Al-Biruni, um estudioso persa que viveu na Índia por 16 anos no século 11 EC, escreveu:

Os implementos das alegrias do casamento são antecipados. Nenhum presente (dote ou dote) é estabelecido entre eles. O homem dá apenas um presente para a esposa, como achar conveniente, e um presente de casamento com antecedência, que ele não tem o direito de reivindicar de volta, mas a esposa (proposta) pode devolvê-lo por sua própria vontade (se ela não quer se casar).

Viuvez e novo casamento

Tradicionalmente, esperava-se que as viúvas seguissem uma vida espiritual ascética, particularmente as castas mais altas, como os brâmanes. Também havia restrições ao novo casamento. Tais restrições são agora estritamente observadas apenas por uma pequena minoria de viúvas, mas continua a crença de que “uma boa esposa precede o marido”.

Durante o debate antes da aprovação do ato de novo casamento da viúva hindu de 1856, algumas comunidades afirmaram que era seu costume antigo que proibia o novo casamento de viúvas. Estudiosos hindus e autoridades britânicas coloniais rejeitaram esse argumento, afirma Lucy Carroll, porque o alegado costume de proibir o novo casamento de viúvas estava “longe de ser antigo” e já estava em prática entre as comunidades hindus como o Rajbansi.cujos membros haviam pedido a proibição do novo casamento da viúva. Assim, fracassou nas proteções do “direito consuetudinário” sob as leis da era colonial britânica. No entanto, essa questão permaneceu nos tribunais coloniais por décadas, devido à questão relacionada à propriedade deixada pelo marido falecido, e se a viúva mantém ou perde todos os direitos à propriedade do marido hindu falecido e, assim, transfere a propriedade do marido falecido para seu novo marido. marido. Embora a comunidade hindu não tenha se oposto ao novo casamento da viúva, ela contestou os direitos de propriedade e a transferência da propriedade da família do marido anterior para a família do marido posterior, particularmente após a morte da viúva casada novamente, no século XX.

Sati

Sati é um costume funerário indiano obsoleto, em que uma viúva se imolou na pira do marido ou cometeu suicídio de outra maneira logo após a morte do marido. Michael Witzel afirma que não há evidências da prática de Sati na literatura indiana antiga durante o período védico.

David Brick, em sua revisão de 2010 da literatura indiana antiga, declara

Não há menção a Sahagamana (Sati), seja qual for a literatura védica ou qualquer um dos primeiros Dharmasutras ou Dharmasastras. Por “primeiros Dharmasutras ou Dharmasastras”, refiro-me especificamente aos primeiros Dharmasutras de Apastamba, Hiranyakesin, Gautama, Baudhayana e Vasistha, e os posteriores Dharmasastras de Manu, Narada e Yajnavalkya.

A primeira discussão acadêmica de Sati, seja certa ou errada, é encontrada na literatura sânscrita datada do século 10 ao 12. O comentário mais antigo conhecido sobre Sati por Medhatithi da Caxemira argumenta que Sati é uma forma de suicídio, o que é proibido pela tradição védica. Vijnanesvara, da corte de Chalukya do século XII e Madhvacharya do século XIII, argumentam que o sati não deve ser considerado suicídio, que de outra forma era proibido ou desencorajado pelas escrituras. Eles oferecem uma combinação de razões, a favor e contra sati.

Outra prática histórica observada entre as mulheres no hinduísmo, foi a prática de Rajput de Jauhar, particularmente em Rajasthan e Madhya Pradesh, onde elas coletivamente se suicidaram durante a guerra. Eles preferiram a morte a serem capturados vivos e desonrados por soldados muçulmanos vitoriosos em uma guerra. Segundo Bose, a prática jauhar cresceu nos séculos 14 e 15 com as guerras hindu-muçulmanas do noroeste da Índia, onde as mulheres hindus preferiam a morte do que a escravidão ou estupro que enfrentavam se capturadas. O costume jauhar no estilo Sati entre as mulheres hindus foi observado apenas durante as guerras hindu-muçulmanas na Índia medieval, mas não durante as guerras internas hindu-hindus entre os Rajputs.

Considera-se que a prática de Sati se originou dentro da aristocracia guerreira na sociedade hindu, ganhando popularidade gradualmente a partir do século 10 dC e se espalhando para outros grupos dos séculos 12 a 18 dC. As primeiras invasões islâmicas do sul da Ásia foram registradas desde o início do século 8 dC, como com os ataques a Muhammad bin Qasim e as grandes guerras de expansão islâmica após o século 10. Essa cronologia levou à teoria de que o aumento da prática de sati na Índia pode estar relacionado aos séculos de invasão islâmica e sua expansão no sul da Ásia. Daniel Gray afirma que a compreensão das origens e a disseminação de sati foram distorcidas na era colonial, devido a um esforço conjunto para empurrar as teorias dos “problemas hindus” nos séculos XIX e XX.

Educação 

Os Vedas e Upanishads mencionam meninas poderiam ser um Brahmacharini , que é obter uma educação. [98] Atharva Veda, por exemplo, afirma [98] [99]

ब्रह्मचर्येण कन्या युवानं विन्दते पतिम् |

Uma jovem Kanya (कन्या, menina) que se gradua de Brahmacharya , obtém um marido adequado.

-  Atharva Veda , 11.5.18 [99]

Harita Dharmasutra , uma época posterior do texto hindu afirma que existem dois tipos de mulheres: sadhyavadhu que se casam sem ir à escola, e os brahmavadini que vão à escola primeiro para estudar os Vedas e falar de Brahman. Os Sastras Hindu e Smritis descrevem o número variável de Sanskara (rito de passagem) . O rito de passagem de Upanayana simbolizou o início do processo de educação. Como os Vedas, os antigos Sutras e Shastra textos sânscritos ampliam a educação para as mulheres, e as meninas que passaram por este rito de passagem, então os estudos foram chamados de Brahmavadini . [100][101] Aqueles que não fizeram, realizaram acerimônia de Upanayana no momento do casamento. Em vez de um fio sagrado, as meninas usariam sua túnica (agora chamada sari ou saree) à maneira do fio sagrado, que está sobre seu ombro esquerdo durante este rito de passagem. [100] [102]

Sexo e relações 

Kāma , que é amor erótico e realização emocional, é considerado saudável e um dos quatro objetivos adequados da vida. É celebrado em templos hindus , como Khajuraho e o Templo de Konark (acima). [103]

Os textos Smriti do hinduísmo fornecem uma visão conflitante sobre o sexo fora do casamento. A maioria dos textos deixa questões sexuais para o julgamento da mulher e do homem, mas discute quais os direitos que as crianças têm que resultam dessa união sexual. [104] [105] [106] Por exemplo,

Se um homem tiver relações sexuais com uma mulher solteira, que consente com isso, não é ofensa, mas ele deve acomodá-la com ornamentos, adorá-la, e assim levá-la para sua casa como sua noiva.

-  Nāradasmṛti 13.71 – 13.72, [105] [106]

O adultério de uma pessoa casada é condenado em textos hindus, mas os textos permitem exceções. Por exemplo,

Se um homem tem relações sexuais com uma mulher anexada, em algum outro lugar que não seja a sua própria casa, é conhecido como adultério pelos especialistas, mas não se ela veio para sua casa por conta própria. Não é um crime punível quando alguém tem relações sexuais com a esposa de um homem que a abandonou porque é perversa, ou com a esposa de um eunuco ou de um homem que não se importa, desde que a esposa o tenha iniciado, dela vontade própria.

-  Nāradasmṛti 13.60 – 61, [105]

O termo “mulher anexada” no versículo acima, afirma Richard Lariviere, inclui uma mulher casada e protegida por seu marido, ou uma mulher não é casada e protegida por seu pai. [105] Manusmriti afirma que o adultério é uma fonte de trauma e desordem para todos os afetados, mas dedica muitos versos comentando os direitos adequados de descendentes produzidos a partir do sexo fora do casamento. [107] Marco Polo , depois de visitar os reinos hindus na Índia do século 13, escreveu em suas memórias, de acordo com a tradução de Ronald Latham, que “eles [hindus] consideram o sexo no casamento como proprio e virtuoso, mas não consideram qualquer outra gratificação sexual para ser um pecado “. [108]

Vestido 

O Sari em diferentes estilos (mostrado) foi atribuído às antigas tradições hindus . Nos tempos modernos, Sari também é encontrado entre as mulheres não-hindus do sul da Ásia .

Information on ancient and medieval era dressing traditions of women in Hinduism is unclear. Textiles are commonly mentioned in ancient Indian texts.[109] The Arthashastra (~200 BCE to 300 CE) mentions a range of clothing and plant-based, muslin-based, wool-based textiles that are partially or fully dyed, knitted and woven.[110][111] It is, however, uncertain how women wore these clothing, and scholars have attempted to discern the dress from study of murti (statues), wall reliefs, and ancient literature.[112] In ancient and medieval Hindu traditions, covering the head or face was neither mandated nor common, but Ushnisha – a regional ceremonial occasion head dress is mentioned, as is Dupatta in colder, drier northern parts of Indian subcontinent.[111]

Regardless of economic status, the costume of ancient Hindu women was formed of two separate sheets of cloth, one wrapping the lower part of the body, below the waist, and another larger wrap around piece called Dhoti (modern day Saree) in texts.[111] Some Murti and relief carvings suggest that pleats were used, probably to ease movement, but the pleats were tucked to reveal the contour of the body. However, where the pleats were tucked, front or side or back varied regionally.[113] The predominant style observed in the ancient texts and art work is the wrapping of the excess of the Dhoti from right waist over the left shoulder, in the Vedic Upanayana style.[100][113] The breasts were covered with a stitched, tight fitting bodice named Kurpasaka (Sanskrit: कूर्पासक)[114] or Stanamsuka (Sanskrit: स्तनांशुक),[115] but this was not common in extreme south India or in eastern states such as Orissa and Bengal.[116] Regional variations were great, to suit local weather and traditions, in terms of the length, number of pleats, placement of pleats, style of bodice used for bosom, and the dimension or wrapping of the upper excess length of the Dhoti.[116] Greek records left by those who came to India with Alexander the Greatmencionar que os ornamentos de cabeça e pescoço, anéis de orelha, ornamentos de pulso e tornozelo eram normalmente usados ​​pelas mulheres. [117]

Uma mulher hindu, com Sindur nos cabelos e Bindi na testa, costumes também encontrados entre as mulheres no Jainismo . [118]

Geralmente, o sari consiste em um pedaço de pano de cerca de 6 metros de comprimento, envolvido de forma distinta com base nos fatores mencionados anteriormente. [119] A escolha da qualidade e sofisticação do tecido depende da renda e acessibilidade. As mulheres em grupos econômicos na era colonial, por exemplo, usavam um único pedaço de pano em bengala quente e úmida. [120] Foi chamado de Kapod pelas mulheres mais pobres, enquanto a versão mais ornamentada do mesmo era chamada de Saree . [120] O material eo custo variaram, mas a natureza era igual em toda a renda e grupos sociais (casta / classe) das mulheres hindus. [120]

Sindoor ou Kumkum tem sido um marcador para as mulheres no hinduísmo, desde os primeiros tempos. [121] Uma mulher hindu casada tipicamente usa um pigmento vermelho (vermelhão) na separação de seus cabelos, enquanto uma mulher nunca casada, divorciada ou viúva não. [121] [122] Uma mulher hindu pode usar um Bindi (também chamado de Dica , Bindiya , Tilaka ou Bottu ) em sua testa. [123] Isso representa o lugar do olho interno, e significa que ela é espiritualmente virada para dentro. [123]No passado, isso era usado por mulheres casadas, mas na era moderna é um acessório de moda e não tem relação com o estado civil das mulheres no hinduísmo. [123]

Uma escultura indiana do século I de BCE que mostra o vestido feminino Yakshi (à esquerda). Brincos da Índia, século I aC (direita). [124] Os textos gregos sugerem que as antigas mulheres hindus usavam ornamentos.

Costumes culturais como Sindoor são semelhantes ao anel de casamento em outras culturas. Regionalmente, as mulheres hindus podem usar flores frescas sazonais em seus cabelos, durante festivais, visitas ao templo ou outras ocasiões formais. Saree de cor branca é comum com as viúvas em envelhecimento, enquanto cores vermelhas ou outras cores festivas com bordados são mais comuns em festivais ou cerimônias sociais, como casamentos. [125] Estas práticas hindus são práticas culturais e não são exigidas por seus textos religiosos. [126] O hinduismo é um modo de vida, é diverso, não tem um livro vinculativo de regras de sua fé, nem qualquer mandato que confie às mulheres hindus. A escolha é deixada à discrição individual. [126]

Outros ornamentos usados ​​por mulheres hindus às vezes são conhecidos como solah singar (dezesseis decorações): “bindi, colares, brincos, flores nos cabelos, anéis, braceletes, braceletes (para o braço), cintura, tornozelo, kohl (ou kajal – rímel), toe rings, henna, perfume, pasta de sândalo, o vestuário superior e a roupa inferior “. [127] [ fonte não confiável? melhor fonte necessária ]

Bernard Cohn (2001) afirma que a roupa na Índia, durante a era colonial britânica, era uma forma de autoridade exercida para destacar padrões hierárquicos, subordinação e relações autoritárias. Os hindus na Índia estavam sujeitos a regra sob uma série de outros reinos religiosos, influenciando as escolhas de roupas. Isso foi exemplificado por uma mudança no vestuário como resultado da influência Mughal e depois da influência européia resultante do domínio britânico. [128]

Artes: dança, drama, música 

Muitas danças indianas clássicas, como Bharathanatyam e Kathak, foram desenvolvidas por mulheres no hinduísmo.

Uma mulher hindu numa pose de dança Bali Indonésia

A arte religiosa hindu engloba as artes do desempenho, bem como a arte visual, e as mulheres foram expressas em artes hindus tão proeminentes quanto os homens. [129] A literatura sânscrita contribuiu para a expressão religiosa e espiritual das mulheres, pela sua reverência pelas deusas. A deidade das artes, música, poesia, fala, cultura e aprendizagem é a deusa Saraswati na tradição hindu. [130] Baumer afirma que o teatro sânscrito resultante tem suas origens nos Vedas, decorrentes de três princípios: “O homem cósmico (purusha), o self (atman) e o ser universal (brahman)”. [131] Alguns dos as primeiras referências às mulheres que atuam na dança, música e performance artística em textos hindus são encontradas no primeiro milênio aC TaittiriyaSamhita capítulo 6.1 e século VIII aC Shatapatha Brahmana capítulo 3.2.4. [132] Nas cerimônias religiosas, como os antigos rituais de Shrauta e Grihya sutras , textos de Panini , Patanjali , Gobhila e outros afirmam que as mulheres cantavam hinos ou proferiam mantras juntamente com homens durante os yajnas . [132]

A música e a dança, afirmam Tracy Pintchman, estão “entrelaçadas nas tradições hindus”, e as mulheres no hinduísmo tiveram um papel ativo e criativo nesta tradição. [133] Embora os aspectos das tradições hindus reduzissem as liberdades das mulheres, eles também deram oportunidades para criar e expressar artes. [133]A evidência histórica, afirma Pintchman, sugere que as oportunidades para criar e participar de artes estão disponíveis para as mulheres, independentemente da sua casta ou classe. [133] A música vocal clássica era mais prevalente entre as mulheres das classes superiores, enquanto as performances públicas das artes, como a dança, eram mais prevalentes entre as mulheres nas tradições matrilineiras hindus, particularmente o Devadasi . [134] [135]

A tradição Devadasi praticava suas artes em um contexto religioso. [134] As jovens mulheres Devadasi foram treinadas nas artes da música, teatro e dança, e suas vidas giravam em torno de templos hindus. No sul da Índia, algumas dessas mulheres eram cortesãs, enquanto outras castavam. [134] Em 1909, o governo colonial aprovou a primeira lei que proíbe a prática de Devadasis no estado de Mysore; no entanto, uma tentativa de proibir a tradição de Devadasis em templos hindus de Tamil Nadu falhou na presidência de Madras em 1927. [136] Em 1947, o governo de Madras aprovou uma lei que proíbe as práticas de Devadasi sob a pressão de ativistas de que essa era uma tradição de “prostituição”. [137]No entanto, a tradição foi revivida por aqueles que consideram que é uma tradição de “freiras” em que um Devadasi era uma mulher casta que se considerava casada com Deus e usava a tradição da dança do templo para levantar fundos, além de ajudar a continuar as artes. [137]

Na poesia, o Andal do século IX tornou-se uma poetisa do movimento Bhakti bem conhecida , afirma Pintchman, e registros históricos sugerem que, no século 12, ela foi uma grande inspiração para as mulheres hindus no sul da Índia e em outros lugares. [134] Andal continua a inspirar centenas de dançarinas clássicas nos tempos modernos coreografando e dançando canções de Andal. [138] Andal também é chamado Goda , e suas contribuições para as artes criaram Goda Mandali (círculo de Andal) na tradição Vaishnava . [138]Muitas outras mulheres, como Nagaatnammal, Balasaraswati e Rukmini, declararam Pintchman, foram fundamentais para levar “Carnatic music e Bharat Natyam ao palco público e tornar as artes do espectáculo acessíveis pelo público em geral” no século 12. [138] Gathasaptasati é uma antologia do gênero de poesia Subhashita , desde a primeira metade do primeiro milênio CE, muitos dos quais são atribuídos a mulheres hindus na Índia central e ocidental. [139]

Contexto: desenvolvimentos históricos e modernos 

O papel das mulheres no hinduísmo remonta a 3000 anos de história, diz Pechelis, incorporando idéias da filosofia hindu , que é Prakrti (matéria, femalidade) e Purusha(consciência, masculinidade), juntando-se para interagir e produzir o estado atual da universo. [140] O hinduísmo considera a conexão, a interdependência e a natureza complementar desses dois conceitos – Prakriti e Purusha, feminino e masculino – como base de toda existência, que é um ponto de partida da posição das mulheres nas tradições hindus. [140]

Embora esses textos antigos sejam o fundamento sobre o qual a posição das mulheres no hinduísmo seja fundada, as mulheres hindus participaram e foram afetadas pelas tradições e celebrações culturais, como festivais, dança, artes, música e outros aspectos da vida cotidiana. Apesar destas liberais tensões emergentes que emergem em seu contexto histórico, Sugirtharajah afirma que existe alguma relutância em usar o termo “feminismo” para descrever desenvolvimentos históricos no hinduísmo. [24]

Na era colonial de 1800, as mulheres hindus foram descritas pelos estudiosos europeus como “naturalmente casta” e “mais virtuosas” do que outras mulheres. [141]

No contexto da história do século XX, a posição das mulheres no hinduísmo e, mais geralmente, na Índia, tem muitas contradições. [142] As tradições regionais hindus são organizadas como sociedades matriarcais (como no sul da Índia e no nordeste da Índia), onde a mulher é a cabeça da família e herda a riqueza; ainda, outras tradições hindus são patriarcais. [143] Deus como mulher, e as idéias da deusa mãe são reverenciadas no hinduísmo, mas há rituais que tratam a mulher em um papel subordinado. [144]

O movimento dos direitos das mulheres na Índia, afirma Sharma, tem sido conduzido por dois conceitos fundamentais hindus: lokasangraha e satyagraha. [145] Lokasangraha é definido como “agir para o bem-estar do mundo” e satyagraha “insistindo na verdade”. Esses ideais foram usados ​​para justificar e estimular os movimentos entre as mulheres para os direitos das mulheres e a mudança social através de um processo político e jurídico. [145] Fane observa, em seu artigo publicado em 1975, que é a crença Hindu subjacente de “as mulheres são honradas, consideradas mais capazes de responsabilidade, fortes” que tornaram Indira Gandhi culturalmente aceitável como o primeiro ministro da Índia [142]No entanto, no século passado, o país testemunhou o desenvolvimento de diversas ideologias, tanto hindus quanto não-hindu, que afetaram a posição das mulheres na Índia. [146] Os esforços do movimento de direitos das mulheres, Estados Jovens, foram impedidos pela “intensidade crescente da política separatista muçulmana”, as posições divergentes das mulheres hindus indianas que procuram a separação da religião e os direitos das mulheres, leis seculares universais (código civil uniforme) aplicáveis independentemente da religião, enquanto a comunidade muçulmana indiana procura preservar a lei da Sharia em domínios pessoais, familiares e outros. [147]

Bolsa de estudos ocidental 

Houve uma crença penetrante e profunda na erudição ocidental da era moderna , afirma Kathleen Erndl, que “no hinduísmo, as mulheres são universalmente subjugadas e que o feminismo, no entanto, pode ser definido, é um artefato do Ocidente”. [148] [149] Os estudiosos pós-modernos questionam se eles “aceitaram involuntariamente” esse estereótipo colonial e sua suposição de longa data [148] [150], particularmente devido à compreensão emergente dos textos relacionados à tradição hindu Shakti e estudos empíricos das mulheres nas zonas rurais Índia, que não tiveram exposição ao pensamento ou educação ocidental, mas afirmam o seu feminismo hindu (ou budista) inspirado na deusa. [148] [151]

O feminismo ocidental, afirma Vasudha Narayanan, centrou-se na negociação de “questões de submissão e poder, na medida em que busca nivelar os terrenos da oportunidade” e usa uma linguagem de “direitos”. [152] No hinduísmo, a palavra contextual e cultural foi Dharma , que é sobre “deveres” para si mesmo, para outros, entre outras coisas. [152] Houve uma lacuna entre os livros ocidentais que descrevem o hinduísmo e a luta das mulheres dentro da tradição hindu, com base em textos que a era colonial britânica deu notoriedade, contra a realidade das tradições e costumes hindus que não seguiram esses textos. [150] [153] Narayanan descreve-o da seguinte forma (abreviado)

Muitos estudiosos [ocidentais] apontam muito corretamente que as mulheres recebem um status bastante baixo nos textos hindus que lidam com a lei e a ética ( dharma shastra ), o que geralmente não é mencionado é que esses textos não eram bem conhecidos e utilizados em muitas partes da Índia Hindu. O costume e a prática eram muito mais importantes do que os ditames desses textos legais. Havia muitos textos legais e não estavam em competição uns com os outros; Eles foram escritos em diferentes momentos em diferentes partes do país, mas todos foram substituídos pelo costume local. (…) Existe uma sensação de dissonância entre a escritura e a prática em certas áreas do dharma e o papel das mulheres e Sudrasàs vezes cai nesta categoria. Manu pode ter negado a independência das mulheres, mas havia mulheres de algumas castas e algumas classes econômicas que dão dinheiro aos templos. É importante notar que não há correlação direta que se possa generalizar entre esses textos e o status, direitos ou comportamento das mulheres.

-  Vasudha Narayanan, feminismo e religiões mundiais [153]

Os textos hindus da época antiga e medieval e os épicos discutem a posição e o papel da mulher na sociedade em um espectro, como alguém que é uma deusa poderosa auto-suficiente, que evita o casamento, a quem é subordinado e cuja identidade é definida pelos homens em vez de ela, e a quem se vê como um ser humano e uma pessoa espiritual enquanto não é feminino nem masculino. [154] [155] O texto de Devi Mahatmya do século VI, por exemplo, afirma Cynthia Humes, na verdade compartilha “a exaltação pós – moderna de encarnação, divinizando-a como faz grande parte do movimento da espiritualidade feminista ocidental”. [156]Esses textos não são teóricos nem desconectados das vidas das mulheres na sociedade hindu histórica, mas os versículos afirmaram que todas as “mulheres são porções da deusa divina”, afirma Humes. [157] A tradição da deusa hindu inspirada por esses textos foi, observa Pintchman, uma das tradições mais ricas e convincentes do mundo, e seus seguidores rebanham aldeias, cidades e cidades em toda a Índia. [158] No entanto, acrescenta Humes, outros textos descrevem seu potencial criativo não em seus termos, mas usando as palavras de virilidade masculina e dicotomia de gênero, possivelmente encorajando a mulher heróica a abandonar sua personalidade feminina e a representar o homem. [157]

A erudição empírica pós-moderna sobre a sociedade hindu, afirma Rita Gross, faz uma questão de saber se e em que medida existe o genero do patriarcado no hinduísmo. [159] Ocontrole patriarcal é real, e a sociedade hindu admite isso por si mesmo, afirma Gross, mas a cultura hindu distingue a autoridade – que os homens detêm e o poder – que os homens e as mulheres mantêm. [159] As mulheres na tradição hindu têm o poder, e exercem esse poder para assumir o controle de situações que são importantes para eles. [159]A teologia da Deusa e a humanidade nos textos hindus são um fundamento desses valores, uma forma que não é feminista pela definição ocidental, mas é feminista, no entanto, uma com uma estrutura de valor capacitadora e auto-libertadora com uma dimensão espiritual adicional que ressoa com Deusas hindus (e budistas). [159] [160]

Kathleen Erndl afirma que textos como Manusmriti não retratam necessariamente o que as mulheres no hinduísmo eram ou são, mas representa uma ideologia e que “a tarefa das feministas hindus é resgatar Shakti da prisão patriarcal”[161] Sua metáfora, explica Erndl, não significa que Shakti nunca foi livre nem que ela está muito trancada agora, porque o patriarcado não é nem monolítico nem ossificado na cultura hindu. [161] O conceito de Shakti e a filosofia extensiva associada em textos hindus fornecem uma base para a libertação espiritual e social. [162]

Por que os heróis masculinos eram ‘mestres’ de mulheres e natureza na mitologia hindu?

A subordinação das mulheres encontra expressão nos antigos mitos hindus que fizeram parte das histórias de nossa infância. Essas histórias morais usam a natureza como uma metáfora para as mulheres e usam essa relação como uma justificativa para seu controle. O patriarcado, portanto, também consegue se infiltrar em histórias de amor, devoção e lealdade.

A floresta tem sido destaque nos mitos hindus. Foi a “selva” que serviu de palco para os conflitos entre os deuses e asuras. A floresta sempre foi a arena em que as pessoas tinham que refletir sobre suas ações, arrepender-se de seus pecados, cumprir seus castigos e, finalmente, alcançar moksha . A natureza era vista como separada da civilização e cultura da mitologia hindu. Espreitava em segundo plano, como uma força imprevisível e como um espaço para quem vive fora da sociedade. Nunca esteve em primeiro plano no pensamento humano.

Os ritos místicos mencionados nos Aranyakas e a instituição dos gurukul denotam a posição especial, mas distinta da floresta. Isso também traz à luz a associação entre natureza e cultura. Nas histórias hindus, exilados sempre eram realizados na selva, os demônios sempre emergiam da floresta e ir para o deserto não era nada menos que suicídio. Essa concepção da natureza como uma força intransponível e como uma entidade que atenderia às necessidades é dominante. Isso, na minha opinião, não é diferente da posição das mulheres na mitologia hindu.

Leia também: Resenha de ‘The Liberation Of Sita’: um envolvimento feminista com o Ramayana 

Sherry Ortner em É mulher para homem, assim como a Natureza é para a cultura, traz ao nosso conhecimento a sobreposição da natureza-binária da cultura nos papéis femininos e masculinos. A suposta proximidade das mulheres com a natureza se deve à sua capacidade de se reproduzir. A capacidade de engravidar de uma mulher e seu contato íntimo com uma criança (que ainda não faz parte da sociedade) a aproxima da natureza e a afasta ainda mais da cultura criada artificialmente. A cultura, por outro lado, é tudo o que controla e permite que a sociedade funcione. A natureza é tempestuosa e imprevisível e deve ser aproveitada para ter qualquer utilidade. Os mitos usam esse andaime para dar às parcelas uma dimensão de gênero.

A MULHER DOS MITOS HINDUS NUNCA É ACEITÁVEL EM SUA INDIVIDUALIDADE, MAS APENAS COMO PROPRIEDADE DE SEU MARIDO. A NATUREZA TAMBÉM É DESEJADA APENAS COMO UM RECURSO NATURAL.

O Ramayana – a história familiar de um homem perfeito e sua esposa piedosa – representa a associação das mulheres com a natureza. No hinduísmo, Sita foi amarrada com mais fervor na representação errônea da natureza feminina. Uma vez que vários kandas do Ramayana estão situados na floresta, isso oferece uma ampla oportunidade para Sita ser retratada como uma deusa que ama a natureza.

Considerada uma filha da terra ou Bhumija , Sita é facilmente colocada na categoria natural. Seu próprio ser surgiu sem ação humana. Ela era a natureza em seu estado puro. Na Sita de Devdutt Pattanaik, ele afirma que quando Ram a deixa por causa de perguntas sobre sua pureza, ela se sente mais livre na selva do que no palácio. Ela também se sente livre no Dandakaranya e decide ficar no Ashok Vatika , longe das riquezas do palácio de Ravana.

Em justaposição a essa tradução de Sita, Ram é um excelente exemplo de masculinidade contida. Ele é maryada purushottam  ou aquele que sempre cumpre as regras. Nesse caso, as regras são as sanções sociais que são a base da sociedade. É a capacidade de distinguir o certo do errado e impor a ética aos outros que nos torna humanos. Ram, ao aceitar as palavras de Dashrath e governar o livro, mantém essa noção.

O par Ram-Sita é uma manifestação da dicotomia natureza-cultura. Eles são perfeitamente equilibrados apenas quando são casados. A mulher dos mitos hindus nunca é aceitável em sua individualidade, mas apenas como propriedade de seu marido. A natureza também é desejada apenas como um recurso natural. No Uttara Kanda , quando Ram realiza o Ashwamedha Yagna , ele é convidado a colocar uma imitação de ouro de Sita ao lado dele, a fim de completar o ritual, reduzindo essencialmente sua esposa apenas à sua função. O controle implícito sobre a agência de Sita não é diferente do controle da natureza pelo homem.

TAMBÉM EXISTEM CASOS EM QUE PERSONAGENS FEMININAS FORTES SÃO DELIBERADAMENTE IGNORADAS OU MENCIONADAS APENAS BREVEMENTE.

A lenda que cerca a descida do rio Ganges na Terra é surpreendentemente direta em seu ensino de controle. O rei Bhagirath queria que seus ancestrais fossem libertados do ciclo de nascimento e renascimento imergindo suas cinzas no rio Ganga. Através de imensa piedade, ele é capaz de convencer a deusa a descer na terra. Mas a força do poderoso rio, ao fazer a jornada dos céus, teria destruído todas as criaturas vivas. Então, para conter seu poder, Shiva concorda em deixá-la fluir através de seus cachos emaranhados e deixar o cabelo dele agir como uma represa para suas águas. O rio, somente através da intervenção de Shiva, mostra-se útil para Bhagirath e a humanidade. A canalização da natureza pelo homem é um processo de mão única. A personificação da natureza como deusa Ganga, mais uma vez, coloca os holofotes sobre o que exatamente a natureza significa para o hinduísmo.

Também existem casos em que personagens femininas fortes são deliberadamente ignoradas ou mencionadas apenas brevemente. O foco dos mitos hindus permanece constantemente nas façanhas do herói masculino. No Mahabharata, Hidimba, o rakshasni que os Pandavas encontram no exílio, prova ser uma boa esposa para Bhima. Mas sua residência na floresta a torna indigna de confiança.

Da mesma forma, os Nagas mencionados no Mahabharata são sempre mulheres más tentando atrair homens inocentes. Ao contrário dessa imagem, os Nagas eram realmente considerados como planejadores e arquitetos. Sua existência mestiça os torna indignos de atenção. No caso de Sita, sua rejeição a Ram no final do Uttara kanda é negligenciada como um exemplo de caráter exemplar. Em vez disso, o agnipariksha é glorificado.

Leia também: Traçando as origens da cultura do estupro na mitologia 

O culto aos gramdevi  também teme a deusa da aldeia, que causa estragos nas plantações do agricultor e causa calamidades naturais se irritada. Ela deve ser aplacada e sua agressão deve ser mantida sob controle. A divindade da aldeia local é geralmente feminina e geralmente temida, em vez de reverenciada. As deusas “selvagens” – Kali e Durga – só podem ser levadas a juízo por deidades masculinas ou quando a sede de destruição é saciada. Por que a divindade feminina não pode ser respeitada como seus colegas masculinos? Por que ela deve estar associada à violência? A mulher é persistentemente um personagem de fundo nas histórias masculinas de coragem. O papel subordinado da mulher quando transmitido através de histórias é extremamente influente. A mitologia hindu falhou em reconhecer a simbiose entre natureza e cultura, entre homem e mulher.

Referências

  1. É mulher para homem como natureza é cultura  por Sherry B.Ortner
  2. Sita by Pattanaik
  3. Jaya by Pattanaik

 

Mulheres no Islã

As experiências das muçulmanas variam muito entre e dentro de diferentes sociedades. [1] Ao mesmo tempo, a sua adesão ao Islã é um fator compartilhado que afeta suas vidas em um grau variável e lhes dá uma identidade comum que pode servir para colmatar as amplas diferenças culturais, sociais e econômicas entre eles. [1]

Entre as influências que desempenharam um papel importante na definição do status social, espiritual e cosmológico das mulheres no curso da história islâmica, estão o texto sagrado do Islã, o Alcorão ; os Ḥadīths , que são tradições relativas aos atos e aforismos do Profeta Muḥammad islâmico ; [2] ijmā ‘, que é um consenso, expresso ou tácito, em uma questão de lei; [3] qiyās, o princípio pelo qual as leis do Alcorão e da Sunnah ou do costume profético são aplicadas a situações que não são explicitamente cobertas por essas duas fontes de legislação; [4]e fatwas, opiniões ou decisões publicadas não vinculativas sobre doutrina religiosa ou pontos jurídicos. As influências adicionais incluem tradições culturais pré-islâmicas; leis seculares, que são plenamente aceitas no Islã, desde que não contradizem diretamente os preceitos islâmicos; [5] autoridades religiosas, incluindo agências controladas pelo governo, como o Conselho Indonésio de Ulema e Diyanet de Turquia ; [6] e professores espirituais, que são particularmente proeminentes no misticismo islâmico ou no sufismo . Muitos desses últimos – incluindo talvez o mais famoso, Ibn al-‘Arabī – produziram textos que elucidaram o simbolismo metafísico do princípio feminino no Islã. [7]

Há uma variação considerável quanto ao modo como as orações conhecidas são interpretadas pelos muçulmanos ortodoxos, sunitas e xiitas – aproximadamente 90% da população muçulmana do mundo – e fundamentalistas ideológicos, principalmente os que se inscrevem no wahhabismo ou no salafismo , que compõem cerca de 9% do total. [8] Em particular, os wahhabis e os salafistas tendem a rejeitar o misticismo e a teologia; Isso tem implicações profundas para a forma como as mulheres são percebidas dentro dessas seitas ideológicas. [9] Por outro lado, dentro da ortodoxia islâmica, tanto as escolas teológicas estabelecidas quanto o sufismo são pelo menos um pouco influentes. [10]

Fontes de influência 

Existem quatro fontes de influência sob o Islã para as mulheres muçulmanas. Os dois primeiros, o Alcorão e os Hadiths, são considerados fontes primárias, enquanto os outros dois são fontes secundárias e derivadas que diferem entre várias seitas muçulmanas e escolas da jurisprudência islâmica . As fontes secundárias de influência incluem ijma , qiyase, em formas como fatwa , ijtihad . [11] [12] [13]

Primary 

Um fragmento de Sūrat an-Nisā’  – um capítulo do texto sagrado do Islã intitulado “Mulheres” – com os scripts persa, árabe e Kufic. O Islam vê homens e mulheres como iguais perante Deus e o Alcorão sublinhou que homens e mulheres foram “criados de uma única alma” ( 4: 1 , 39: 6 e em outros lugares). [14]

As mulheres no islamismo são fornecidas uma série de diretrizes sob o Alcorão e os hadiths , conforme entendido por fiqh (jurisprudência islâmica), bem como das interpretações derivadas do hadith que foram acordadas pela maioria dos estudiosos sunitas como autênticos, sem duvida, com base em estudos hadith . [15] [16] Essas interpretações e sua aplicação foram moldadas pelo contexto histórico do mundo muçulmano no momento em que foram escritas. [15]

Durante sua vida, Muhammad casou-se com nove ou onze mulheres, dependendo das diferentes contas de quem eram suas esposas. Na cultura árabe , o casamento geralmente foi contratado de acordo com as necessidades maiores da tribo e foi baseado na necessidade de formar alianças dentro da tribo e com outras tribos. A virgindade no momento do casamento foi enfatizada como uma honra tribal. [17]William Montgomery Watt afirma que todos os casamentos de Muhammad tiveram o aspecto político do fortalecimento de relacionamentos amigáveis ​​e foram baseados no costume árabe. [18]

An-Nisa 

Mulheres ou Sūrat an-Nisā’ [19] é o quarto capítulo do Alcorão. O título da sura deriva das inúmeras referências a mulheres durante todo o capítulo, incluindo os versículos 3-4 e 127-130. [20]

Secundário 

As principais fontes primárias de influência sobre as mulheres do Islã não tratam de todas as situações possíveis ao longo do tempo. Isso levou ao desenvolvimento de jurisprudências e escolas religiosas com estudiosos islâmicos que se referiam a recursos como identificar documentos autênticos, discussões internas e estabelecer um consenso para encontrar o curso de ação corretamente aprovado pelos muçulmanos. [11] [12] Estes formaram as fontes secundárias de influência para as mulheres. Entre eles estão ijma , qiya , ijtihad e outros, dependendo da seita e da escola da lei islâmica. Incluídas em fontes secundárias são fatwas, que muitas vezes são amplamente distribuídos, oralmente ou por escrito pelos clérigos muçulmanos, para as massas, na língua local e descrevem o comportamento, os papéis e os direitos das mulheres que estão em conformidade com os requisitos religiosos. Fatwas são teoricamente não vinculativos, mas considerados seriamente e muitas vezes foram praticados pela maioria dos crentes muçulmanos. As fontes secundárias tipicamente se enquadram em cinco tipos de influência: o papel ou comportamento declarado para muçulmanos, tanto mulheres como masculinas, é considerado obrigatório, louvável, permitido, desprezado ou proibido. Há controvérsias consideráveis, mudança ao longo do tempo e conflito entre as fontes secundárias. [21] [22] [23]

Papéis de gênero 

Uma miniatura persa do século XV, que mostrava a Batalha do Camelo, um encontro decisivo entre as tropas do quarto califa ‘Alī e um exército opositor reunido pela esposa do profeta Muḥammad, Š’a. [24] [25] Após a vitoria de Alī, Ā’isha se retirou da política. Os tradicionalistas usaram esse episódio para argumentar que as mulheres não devem desempenhar um papel político ativo, enquanto os modernistas mantiveram o legado de Ā’isha ao defender a equidade de gênero na tradição islâmica. [26]

Os papéis de gênero no Islã são simultaneamente coloridos por dois preceitos do Alcorão: (i) igualdade espiritual entre mulheres e homens; e (ii) a idéia de que as mulheres devem exemplificar a feminilidade e a masculinidade masculina. [27]

A igualdade espiritual entre mulheres e homens é detalhada em Sūrat al-Aḥzāb (33:35):

Em verdade, homens que se entregam a Deus e mulheres que se rendem, e homens que crêem e mulheres que crêem, e homens que obedecem e mulheres que obedecem, e homens que falam a verdade e mulheres que falam a verdade … e homens que dão esmolas e mulheres que dão esmola e homens que são rápidos e mulheres que jejuam, e homens que protegem a modéstia e as mulheres que protegem (a modéstia) e os homens que se lembram muito de Deus e as mulheres que se lembram – Deus preparou para eles o perdão e um grande recompensa.

-  Versículo 33 do Alcorão, ‘ The Coalition ‘ link morto ] [28]

A visão básica do islamismo sobre mulheres e homens postula uma complementaridade de funções: como todo o resto do universo, a humanidade foi criada em um par (Sūrat al- Dhāriyāt , 51:49 ) – nem pode ser completa sem a outra. [29] No pensamento cosmológico islâmico, o universo é percebido como um equilíbrio construído em relações polares harmoniosas entre os pares que compõem todas as coisas. [29] Além disso, todos os fenômenos externos são reflexos de noumena interior e, finalmente, de Deus. [29]

A ênfase que o Islam coloca na polaridade feminina / masculina (e, portanto, a complementaridade) resulta, logicamente, na separação das funções sociais. [30] Em geral, a esfera de atuação da mulher é o lar em que ela é a figura dominante – e a esfera correspondente de um homem é o mundo exterior. [31] [ melhor fonte necessária ] No entanto, esta separação não é, na prática, tão rígida quanto parece. [30] Há muitos exemplos – tanto na história inicial do islamismo como no mundo contemporâneo – de mulheres muçulmanas que desempenharam papéis proeminentes na vida pública, incluindo serultores , rainhas , chefes de Estado eleitos eMulheres de negócios ricas Além disso, é importante reconhecer que no Islã, o lar e a família estão firmemente situados no centro da vida neste mundo e na sociedade: o trabalho de um homem não pode prevalecer sobre o domínio privado. [31]

O Alcorão dedica inúmeros versos às muçulmanas, seu papel, deveres e direitos, além da Sura 4 com 176 versos denominados “An-Nisa” (“Mulheres”). [32]

O islamismo diferencia o papel de gênero das mulheres que acreditam no Islã e aqueles que não o fazem. citação necessária ] O direito do homem muçulmano a possuir mulheres escravas, apreendido durante campanhas militares e jihad contra pagãos e infiantes não crentes do sul da Europa para a África para a Índia para a Ásia Central, era considerado natural. [33] [34] As mulheres escravas poderiam ser vendidas sem o seu consentimento, que esperavam fornecer concubinação , exigiam permissão de seu dono para se casar; e os filhos que nasceram para eles foram automaticamente considerados muçulmanos sob a lei islâmica se o pai fosse muçulmano. [35] [36] [37]

Educação feminina

A Universidade de Al-Qarawiyyin(Universidade Al Quaraouiyine) na cidade marroquina de Fes foi fundada como um complexo madrasa-mesquita por uma mulher muçulmana – Fatima al-Fihri , filha educada de um rico comerciante – em 859. Segundo a UNESCO, É a universidade mais antiga do mundo, que ainda está operacional. [38] Foi incorporado ao moderno sistema universitário estadual de Marrocos em 1963.

A posição clássica 

Tanto o texto sagrado do Alcorão como o Islã – e o exemplo falado ou agido do Profeta Muḥammad (Sunnah) defendem os direitos das mulheres e dos homens igualmente para buscar o conhecimento. [39] O Alcorão exige que todos os muçulmanos exerçam esforços na busca do conhecimento, independentemente do seu sexo biológico: encoraja constantemente os muçulmanos a ler, pensar, contemplar e aprender com os sinais de Deus na natureza. [39] Além disso, Muḥammad incentivou a educação tanto para homens quanto para mulheres: ele declarou que buscar conhecimento era um dever religioso vinculativo para todos os homens e mulheres muçulmanos. [40]Como sua contraparte masculina, cada mulher tem uma obrigação moral e religiosa de buscar conhecimento, desenvolver seu intelecto, ampliar sua visão, cultivar seus talentos e, em seguida, utilizar seu potencial em benefício de sua alma e de sua sociedade. [41]

O interesse do Profeta Muḥammad na educação feminina se manifestou no fato de que ele próprio costumava ensinar mulheres junto com homens. [41] Os ensinamentos de Muḥammad foram amplamente procurados por ambos os sexos e, consequentemente, no momento da morte, foi relatado que havia muitas estudiosas do Islã. [40] Além disso, as esposas do Profeta Muḥammad – particularmente Aisha – também ensinaram mulheres e homens; muitos dos companheiros e seguidores de Muḥammad aprenderam o Alcorão, ḥadīth e a jurisprudência islâmica (fiqh) de Aisha. [42] Notavelmente, não houve restrição no tipo de conhecimento adquirido: uma mulher era livre para escolher qualquer campo de conhecimento que a interessasse. [43]Porque o islamismo reconhece que as mulheres são, em princípio, esposas e mães, a aquisição de conhecimento em áreas que são complementares desses papéis sociais foi especialmente enfatizada. [44]

História da educação das mulheres 

Escolas paquistanesas em Khyber Pakhtunkhwa .

O Islã incentivou a educação religiosa das mulheres muçulmanas. [45] De acordo com um hadith no Sahih Muslim variadamente atribuída a ‘A’isha e Muhammad , as mulheres da Ansar eram louvável porque a vergonha não impedi-los de fazer perguntas detalhadas sobre a lei islâmica. [45] [46]

Embora não fosse comum que as mulheres se matriculassem como estudantes em escolas religiosas formais, era comum que as mulheres participassem de palestras informais e sessões de estudo em mesquitas, madrasas e outros lugares públicos. Por exemplo, a presença de mulheres no Califado fatímida ‘sessões de sabedoria’ ‘s ( majalis al-Hikma ) foi observado por vários historiadores, incluindo Ibn al-Tuwayr, al-Muṣabbiḥī e Imam . [47] Historicamente, algumas mulheres muçulmanas desempenharam um papel importante na fundação de muitas instituições educacionais religiosas, como a fundação de Fatima al-Fihri da Universidade de Al-Karaouine em 859 CE. [48] : 274De acordo com o estudioso sunita do século XII Ibn ‘Asakir , havia várias oportunidades para a educação feminina no que é conhecido como a Era de Ouro Islâmica . Ele escreve que as mulheres poderiam estudar, ganhar ijazah (graus religiosos) e qualificar-se como ulama e professores islâmicos. [48] : 196, 198 Da mesma forma, al-Sakhawi dedica um dos doze volumes de seu dicionário biográfico Daw al-Lami a estudiosos religiosos entre 700 e 1800 CE, dando informações sobre 1.075 deles. [49]As mulheres de famílias urbanas proeminentes eram educadas em ambientes privados e muitas delas receberam e posteriormente emitiram ijazas em estudos hadith, caligrafia e recitação de poesia. [50] [51] As mulheres que trabalharam aprenderam textos religiosos e habilidades práticas principalmente entre si, embora também tenham recebido alguma instrução junto com homens em mesquitas e casas particulares. [50]

Durante a era colonial, até o início do século 20, houve uma luta de gênero entre os muçulmanos no império britânico; educar as mulheres era visto como um prelúdio para o caos social, uma ameaça para a ordem moral, e o mundo dos homens era visto como uma fonte de identidade muçulmana. [52] As mulheres muçulmanas na Índia britânica, no entanto, pressionaram por seus direitos independentes dos homens; na década de 1930, 2,5 milhões de meninas entraram em escolas, das quais 0,5 milhões eram muçulmanos. [52]

Situação atual 

As meninas da escola jordania naretrataram a leitura em uma escola pública. A taxa de alfabetização feminina da Jordânia foi de 92,9% em 2015, de acordo com o CIA World Factbook. [53]

Alfabetização

Em uma declaração de 2013, a Organização de Cooperação Islâmica observou que o acesso restrito à educação é um dos desafios enfrentados pelas meninas e mulheres no mundo em desenvolvimento, incluindo os Estados membros da OCI. [54] A UNICEF observa que, de 24 países com menos de 60% das taxas de matrícula primária feminina, 17 eram nações islâmicas; mais de metade da população adulta é analfabeta em vários países islâmicos, e a proporção atinge 70% entre as mulheres muçulmanas. [55] A UNESCO estima que a taxa de alfabetização entre as mulheres adultas foi de cerca de 50% ou menos em vários países de maioria muçulmana, incluindo Marrocos, Iêmen, Bangladesh, Paquistão, Níger, Mali, Gâmbia, Guiné, Guiné-Bissau e República do Tchad . [56]O Egito teve uma taxa de alfabetização feminina de 64% em 2010, o Iraque de 71% e a Indonésia de 90%. [56] Enquanto a alfabetização vem melhorando na Arábia Saudita desde a década de 1970, a taxa geral de alfabetização feminina em 2005 foi de 50%, em comparação com a alfabetização masculina de 72%. [57]

Gênero e participação na educação

Alguns estudiosos [58] [59] afirmam que as nações islâmicas têm a maior diferença de gênero no mundo em educação. O estudo anual sobre o fosso de gênero do Fórum Econômico Mundial de 2012 encontra que 17 dos 18 países com o melhor desempenho, de um total de 135 nações, são os seguintes membros da Organização de Cooperação Islâmica (OIC): Argélia , Jordânia , Líbano ( Nepal [60 ] ), Turquia , Omã , Egito , Irã , Mali , Marrocos , Costa do Marfim , Arábia Saudita ,Síria , Chade , Paquistão e Iêmen . [61]

Uma cena de uma classe de maioria feminina no Departamento de Psicologia da Universidade Uludağ em Bursa, Turquia. Na Turquia, 47,5% das equipes das cinco principais universidades são femininas, uma proporção maior do que os equivalentes nos Estados Unidos (35,9%), Dinamarca (31%) e Japão (12,7%). [62]

Em contraste, a UNESCO observa que em 37% a proporção de pesquisadoras em estados árabes se compara bem com outras regiões. [63] Na Turquia, a proporção de pesquisadores universitários femininos é ligeiramente maior (36%) do que a média para a União Européia de 27 membros a partir de 2012 (33%). [64] No Irã, as mulheres representam mais de 60% dos estudantes universitários. [65] Da mesma forma, na Malásia, [66] Argélia, [67] e na Arábia Saudita [68], a maioria dos estudantes universitários tem sido feminino nos últimos anos, enquanto em 2016 as mulheres de Emirati constituíam 76,8% das pessoas matriculadas em universidades em os Emirados Árabes Unidos. [69]Na Universidade da Jordânia, que é a maior e mais antiga universidade da Jordânia, 65% dos estudantes eram do sexo feminino em 2013. [70]

Em vários estados membros da OCI, a proporção de mulheres para homens no ensino superior é excepcionalmente alta. Qatar leva o mundo a este respeito, tendo 6,66 fêmeas no ensino superior para todos os homens a partir de 2015. [71] Outros estados de maioria muçulmana com notavelmente mais mulheres estudantes universitários do que os homens incluem Kuwait, onde 41% das mulheres frequentar a universidade em comparação com 18 % de machos; [71] Bahrein, onde a proporção de mulheres para homens no ensino superior é de 2,18: 1; [71] Brunei Darussalam, onde 33% das mulheres se matriculam na universidade em relação a 18% dos homens; [71]Tunísia, que tem uma proporção entre homens e mulheres de 1,62 no ensino superior; e no Quirguistão, onde a razão equivalente é 1,61. [71]Além disso, no Cazaquistão, em 1999, havia 115 estudantes do sexo feminino por cada 100 estudantes do ensino médio; De acordo com o Banco Mundial, esse índice aumentou para 144: 100 até 2008. [72]

Emprego feminino 

Alguns estudiosos [73] [74] referem-se ao versículo 28:23 no Alcorão e Khadijah , a primeira esposa de Muhammad, um comerciante antes e depois de se converterem ao Islã, como indícios de que as mulheres muçulmanas possam empreender emprego fora de suas casas.

E quando ele chegou à água de Madyan, ele encontrou nela um grupo de homens regando, e ele encontrou além deles duas mulheres mantendo de volta (seus rebanhos). Ele disse: Qual é o problema com você? Eles disseram: Não podemos aguentar até que os pastores retirem (as ovelhas) da água, e nosso pai é um homem muito velho.

-  Alcorão , [ Alcorão  28:23 ]

As interpretações tradicionais do islamismo exigem que uma mulher tenha a permissão de seu marido para deixar a casa e assumir emprego. [75] [76] [77] , embora estudiosos como o Grande Mufti Ali Gomaa [78] e o Grande Ayatollah Mohammad Ebrahim Jannaati [79] disseram que as mulheres não exigem permissão de um marido para deixar a casa e trabalhar.

História 

Durante a época medieval, a força de trabalho no califa espanhol incluiu mulheres em diversas ocupações e atividades econômicas, como agricultores, trabalhadores da construção civil, trabalhadores da indústria têxtil, gestores de escravas, cobrando tributos de prostitutas, presidentes de guildas , credores e estudiosos religiosos. [80]

No século 12, Ibn Rushd , afirmou que as mulheres eram iguais aos homens em todos os aspectos e possuíam capacidades iguais para brilhar, citando exemplos de guerreiras entre os árabes , gregos e africanos para sustentar seu caso. [81] Na história inicial do Islã , exemplos de mulheres muçulmanas notáveis ​​que lutaram durante as conquistas muçulmanas e Fitna (guerras civis) como soldados ou generais incluíram Nusaybah bint Ka’ab [82] aka Umm Amarah, Aisha, [83] Kahula e Wafeira. [84]

O bimarestan medieval ou os hospitais incluíram pessoal feminino como enfermeiras. Os hospitais muçulmanos também foram os primeiros a empregar médicos do sexo feminino, como a família de Banu Zuhr, que serviu o governante almohade , Abu Yusuf Yaqub al-Mansur, no século 12. [85] Isto foi necessário devido à segregação de pacientes do sexo masculino e feminino em hospitais islâmicos. Mais tarde, no século 15, do sexo feminino cirurgiões estavam empregados na Şerafeddin Sabuncuoğlu ‘s Cerrahiyyetu’l-Haniyye(Cirurgia de Imperial). [86]

Recém-formados parteiras em Indonésia , maior país muçulmano do mundo

Mulheres islâmicas no trabalho em uma fábrica de vestuário em Bangladesh . A maioria dos trabalhadores de vestuário são mulheres em Bangladesh, e é o segundo maior exportador de vestuário do mundo. [87] [88] [89]

Era moderna 

Os padrões do emprego das mulheres variam em todo o mundo muçulmano: a partir de 2005, 16% das mulheres paquistanesas eram “economicamente ativas” (empregadas ou desempregadas, mas disponíveis para fornecer mão-de-obra), enquanto que 52% das mulheres indonésias eram. [90] De acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial de 2012 [91] e outros relatórios recentes, [92]As nações islâmicas na região do Oriente Médio e da África do Norte estão aumentando a criação de oportunidades econômicas e de emprego para as mulheres; comparado, no entanto, a todas as outras regiões do mundo, a região do Oriente Médio e do Norte da África é a mais baixa na participação econômica, na oportunidade de emprego e na capacitação política das mulheres. Dez países com a menor participação das mulheres na força de trabalho no mundo – Jordânia, Omã, Marrocos, Irã, Turquia, Argélia, Iêmen, Arábia Saudita, Paquistão e Síria – são países islâmicos, assim como os quatro países que não têm parlamentares femininas . [91]

As mulheres têm permissão para trabalhar no Islã, sujeito a certas condições, como se uma mulher está em necessidade financeira e seu emprego não faz com que ela negligencie seu papel importante como mãe e esposa. [73] [93] Foi alegado que é responsabilidade da comunidade muçulmana organizar o trabalho para as mulheres, para que ela possa fazê-lo numa atmosfera cultural muçulmana, onde seus direitos (conforme estabelecido no Alcorão) são respeitados . [73] A lei islâmica, no entanto, permite que as mulheres trabalhem em condições islâmicas [73] , como o trabalho que não exige que a mulher viole a lei islâmica (por exemplo, servindo álcool) e que ela mantenha sua modéstia enquanto executa qualquer trabalho fora dela casa.

Em alguns casos, quando as mulheres têm direito ao trabalho e são educadas, as oportunidades de emprego das mulheres podem, na prática, ser desiguais para as pessoas. No Egito, por exemplo, as mulheres têm oportunidades limitadas de trabalhar no setor privado,porque as mulheres ainda esperam colocar seu papel na família em primeiro lugar, o que faz com que os homens sejam vistos como mais confiáveis ​​a longo prazo. [94] [ página necessária ] Na Arábia Saudita, é ilegal que as mulheres sauditas dirigam, sirvam em militares e outras profissões com homens. [95] [ página necessária ] É cada vez mais comum que as mulheres da Arábia Saudita obtenham licenças de condução do outro Conselho de Cooperação do GolfoEstados como os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein. [96]

De acordo com o International Business Report (2014), publicado pela rede global de contabilidade Grant Thornton, a Indonésia – que é o maior país muçulmano do mundo por população – tem ≥40% dos cargos de alto nível de negócios ocupados pelas mulheres, uma proporção maior do que os Estados Unidos ( 22%) e Dinamarca (14%). [97] Entre os principais empresários do mundo islâmico estão Güler Sabanci , o CEO do conglomerado industrial e financeiro Sabanci Holding ; [98] Ümit Boyner, diretor não executivo da Boyner Holding, que era a presidente da TÜSİAD , Associação Turca de Industriais e Empresários, de 2010 a 2013; [99]Bernadette Ruth Irawati Setiady, CEO da PT Kalbe Farma Tbk., A maior empresa farmacêutica do bloco comercial da ASEAN; [100] Atiek Nur Wahyuni, diretora da Trans TV, uma grande estação de televisão gratuita na Indonésia; [101] e Elissa Freiha, sócia fundadora da plataforma de investimentos WOMEN, baseada nos Emirados Árabes Unidos. [102] [103]

Assuntos financeiros e legais 

Use, por país, da Sharia para questões legais relacionadas com mulheres:

  A Sharia não desempenha nenhum papel no sistema judicial
  A Sharia aplica aos muçulmanos apenas em questões de status pessoal
  A Sharia também é usada no direito penal
  Variações regionais na aplicação da sharia

De acordo com todas as escolas da lei islâmica, as injunções da sharī’ah do Islã aplicam-se a todos os muçulmanos, homens e mulheres, que atingiram a idade de maturidade – e apenas a eles. [28] Todos os muçulmanos são, em princípio, iguais perante a lei. [104] O Alcorão enfatiza especialmente que suas injunções dizem respeito a homens e mulheres em vários versículos, onde ambos são abordados de forma clara e distinta, como em Sūrat al-Aḥzāb às 33:35 (“Verdadeiramente, homens que se renderam a Deus e mulheres que se rendem … “).

A maioria dos países de maioria muçulmana e alguns países minoritários muçulmanos seguem um sistema jurídico misto, com leis positivas e tribunais estaduais, bem como leis religiosas baseadas em sharia e tribunais religiosos. [105] Os países que utilizam a Sharia para assuntos legais envolvendo mulheres, adotam-na principalmente para o direito pessoal; No entanto, alguns países islâmicos, como Arábia Saudita, Irã, Afeganistão, Paquistão e Iêmen também têm leis criminais baseadas na sharia. [106]

De acordo com Jan Michiel Otto, “[a] pesquisa ntrópica mostra que as pessoas nas comunidades locais muitas vezes não distinguem claramente se e em que medida suas normas e práticas são baseadas na tradição local, no costume tribal ou na religião”. [107] Em algumas áreas, práticas tribais como vani , Baad e “homenagem”continuam a ser parte integrante dos processos legais habituais envolvendo mulheres muçulmanas. [108] [109] Por sua vez, o artigo 340 do Código Penal da Jordânia, que reduz as sentenças por matar parentes do sexo feminino em relação ao adultério, e comumente acredita ser derivado da lei islâmica, foi de fato emprestado do direito penal francês durante a era otomana . [110]

Além das leis aplicáveis ​​às mulheres muçulmanas, há variação baseada no gênero no processo de testemunho e formas aceitáveis ​​de evidência em assuntos legais. [111] [112]Alguns juristas islâmicos consideraram que certos tipos de testemunho de mulheres não podem ser aceitos. Em outros casos, o testemunho de duas mulheres é igual ao de um homem. [111] [112]

Agência financeira e jurídica: a posição clássica 

De acordo com o versículo 4:32 do texto sagrado do Islã, homens e mulheres têm uma posição econômica independente: “Para os homens é uma parcela do que ganham, e para as mulheres é parte do que ganham. Peça a Deus a Sua graça. Deus tem conhecimento de todas as coisas. [113] As mulheres, portanto, têm liberdade para comprar, vender, hipotecar, arrendar, emprestar ou emprestar e assinar contratos e documentos legais. [113] Além disso, as mulheres podem doar dinheiro, atuar como curadores e criar uma empresa ou empresa. [113] Estes direitos não podem ser alterados, independentemente do estado civil. [113] Quando uma mulher é casada, ela legalmente tem controle total sobre o dower – o mahrou presente de noiva, geralmente de natureza financeira, enquanto o noivo paga a noiva após o casamento – e mantém esse controle em caso de divórcio. [113] [114]

Os princípios do Alcorão, especialmente o ensino de zakāh ou a purificação da riqueza, encorajam as mulheres a possuir, investir, salvar e distribuir seus ganhos e economias de acordo com sua discrição. [113] [ página necessária ] Estes também reconhecem e aplicam o direito das mulheres a participar de várias atividades econômicas. [113] [ página necessária ]

Em contraste com muitas outras culturas, uma mulher no Islã sempre foi autorizada de acordo com a lei sharī’ah a manter seu nome de família e não levar o nome de seu marido. [115] Portanto, uma mulher muçulmana tradicionalmente sempre foi conhecida pelo nome de sua família como uma indicação de sua individualidade e sua própria identidade jurídica: não há processo historicamente praticado de mudar os nomes das mulheres, casados, divorciados ou viúvos . [115] Com a disseminação de burocracias modernas e de estilo ocidental em todo o mundo islâmico a partir do século XIX, esta última convenção passou por uma crescente pressão, e agora é comum que as mulheres muçulmanas mudem seus nomes após o casamento.

Direitos de propriedade 

Uma cerimônia de casamento cazaque numa mesquita

O Alcorão afirma:

“Para os homens é uma parcela do que os parentes e parentes parentes partem, e para as mulheres é uma parcela do que os pais e parentes parentes partem de menos ou mais, uma parcela legal”.

(Al-Quran 4: 7)

Bernard Lewis diz que a civilização islâmica clássica concedeu às mulheres muçulmanas livres relativamente mais direitos de propriedade do que as mulheres no Ocidente, mesmo que santificasse três desigualdades básicas entre mestre e escravo, homem e mulher, crentes e incrédulos. [116] Mesmo nos casos em que os direitos de propriedade foram concedidos no Ocidente, eles eram muito limitados e abrangiam apenas as mulheres da classe alta. [117] Ao longo do tempo, enquanto os direitos das mulheres melhoraram em outros lugares, os de muitos países dominados pelos muçulmanos permaneceram relativamente restritos. [118] [119]

Os direitos de propriedade das mulheres no Alcorão são de pais e parentes próximos. Uma mulher, de acordo com a tradição islâmica, não tem que dar as suas posses pré-casamento ao marido e receber um mahr (dower) que ela possui. [120] Além disso, todos os ganhos que uma mulher recebe por meio de emprego ou negócios, após o casamento, é dela para manter e não precisa contribuir para despesas familiares. Isso ocorre porque, uma vez que o casamento é consumado, em troca de tamkin (submissão sexual), uma mulher tem direito a nafaqa  – ou seja, a responsabilidade financeira por habitações razoáveis, alimentos e outras despesas domésticas para a família, incluindo o cônjuge, cai inteiramente sobre o marido. [75] [76]Na lei tradicional islâmica, uma mulher também não é responsável pela manutenção do lar e pode exigir o pagamento de qualquer trabalho que ela faça na esfera doméstica. [121]

Os direitos de propriedade permitiram que algumas mulheres muçulmanas possuíssem ativos substanciais e financiassem doações de caridade. Em meados do século XVI, Istambul, 36,8% das doações de caridade (awqāf) foram fundadas por mulheres. [122] No século XVIII, o Cairo, 126 das 496 fundações de caridade (25,4%) foram dotados por mulheres. [123] Entre 1770 e 1840, 241 de 468 ou 51% de doações de caridade em Aleppo foram fundadas por mulheres. [124]

O Alcorão concede direitos de herança à esposa, filha e irmãs do falecido. [125] No entanto, os direitos de herança das mulheres sobre a propriedade de seu pai são desiguais para seus irmãos e variam de acordo com o número de irmãs, irmãs e irmãs, se a mãe está sobrevivendo e outros requerentes. As regras de herança são especificadas por vários versos do Alcorão, incluindo Surah “Baqarah” (capítulo 2) versículos 180 e 240; Surah “Nisa (h)” (capítulo 4) versículos 7-11, 19 e 33; e Surah “Maidah” ​​(capítulo 5), versículos 106-108. Três versos em Surah“Nisah” (capítulo 4), versículos 11, 12 e 176, descrevem a parcela de parentes próximos. As leis de herança religiosa para as mulheres no Islã são diferentes das leis de herança para mulheres não-muçulmanas de acordo com leis comuns. [126]

Violação, adultério e fornicação 

Zina 

Jurisprudência tradicional

Zina é um termo legal islâmico que se refere a relações sexuais ilegais. [127] De acordo com a jurisprudência tradicional , zina pode incluir adultério (de casados), fornicação (de partidos não casados), prostituição , bestialidade e, segundo alguns estudiosos, estupro. [127] O Alcorão desaprovou a promiscuidade que prevaleceu na Arábia no momento, e vários versos referem-se a relações sexuais ilegais, incluindo uma que prescreve a punição de 100 cílios para fornicadores. [128] Zina pertence à classe de crimes hadd (pl. Hudud ) que têm punições punidas pelo Alcorão.[128]

Embora o apedrejamento de zina não seja mencionado no Alcorão, todas as escolas de jurisprudência tradicional concordaram com a base de hadith que é punido por lapidação se o infrator for muhsan (adulto, livre, muçulmano e casado), com alguns estendendo essa punição a certos outros casos e castigos mais leves prescritos em outros cenários. [128] [127] Os infratores devem ter agido de sua própria vontade. [128] De acordo com a jurisprudência tradicional, a zina deve ser comprovada por testemunho de quatro quatro testemunhas oculares masculinas adultas ao ato de penetração real, ou uma confissão repetida quatro vezes e não retraída mais tarde. [128] [127]Qualquer muçulmano que acusa outro muçulmano de zina, mas não produz as testemunhas requeridas comete o crime de acusação falsa (qadhf, القذف). [129] [130] [131] Alguns afirmam que este requisito de escravidão de quatro testemunhas oculares limita severamente a capacidade de um homem para provar acusações de zina contra mulheres, um crime que muitas vezes cometeu sem testemunhas oculares. [129] [132] [133] A escola jurídica de Maliki também permite que a gravidez de uma mulher solteira seja usada como evidência, mas a punição pode ser evitada por uma série de “aparências” legais ( shubuhat ), como a existência de um casamento inválido contrato. [128]Esses requisitos tornaram praticamente impossível provar Zina. [127]

História

Além de “alguns casos raros e isolados” da era pré-moderna e de vários casos recentes, não há registro histórico de lapidação para que a zina seja legalmente realizada. [127] Zina tornou-se uma questão mais urgente nos tempos modernos, já que movimentos e governos islâmicos empregavam polêmicas contra a imoralidade pública. [127] Depois que as leis criminais baseadas na sharia foram amplamente substituídas por estatutos de inspiração europeia na era moderna, nas últimas décadas vários países aprovaram reformas legais que incorporaram elementos de leis hudud em seus códigos legais. [134] O Irã testemunhou vários apedrejamentos altamente publicitados para zina após a revolução islâmica . [127]Na Nigéria, os tribunais locais passaram várias sentenças de lapidação, todas as quais foram revogadas em recurso ou deixadas sem garantia. [135] Embora as penas mais severas das Ordenanças Hudood nunca tenham sido aplicadas no Paquistão [136], em 2005, a Human Rights Watch relatou que mais de 200 mil casos zina contra mulheres estavam em andamento em vários níveis no sistema jurídico do Paquistão. [137]

Violação 

Jurisprudência tradicional

A violação é considerada um crime sexual grave no Islã e pode ser definida na lei islâmica como: “Força de relações sexuais ilegais por um homem com uma mulher que não está legalmente casada com ele, sem seu livre arbítrio e consentimento”. [138] A lei de Sharī’ah faz uma distinção entre adultério e estupro e aplica regras diferentes. [139] De acordo com o professor Oliver Leaman , o testemunho exigido de quatro testemunhas masculinas tendo visto a penetração real se aplica às relações sexuais ilícitas (ou seja, adultério e fornicação), e não a violação. [140] Os requisitos para prova de estupro são menos rigorosos:

As acusações de violação podem ser trazidas e um caso comprovado com base no único testemunho da vítima, desde que essas provas circunstanciais apóiem ​​as alegações. São esses rigorosos critérios de prova que levam à observação freqüente de que, quando a injustiça contra as mulheres ocorre, não é por causa da lei islâmica. Isso ocorre devido a uma interpretação errada das complexidades das leis da Sharia que regem esses assuntos, ou tradições culturais; ou devido a corrupção e flagrante desrespeito da lei, ou mesmo uma combinação desses fenômenos. [140]

No caso de estupro, o agressor masculino adulto (ou seja, o estuprador) de um tal acto é receber o ḥadd zinā, mas a mulher não consentida ou invalidamente consentindo (por exemplo, vítima de estupro) deve ser considerada inocente de zinā e aliviada de o “castigo adulterado”. [141]

Leis penais modernas

As leis de violação em vários países de maioria muçulmana têm sido objeto de controvérsia. Em alguns desses países, como o Marrocos, o código penal não está baseado na lei islâmica nem influenciado significativamente por ele, [142], enquanto que em outros casos, como as Ordenanças Hudood do Paquistão , o código incorpora elementos da lei islâmica.

No Afeganistão, Dubai, Marrocos e Paquistão, algumas mulheres que fizeram acusações de estupro foram acusadas de prostituição ou adultério. [143] [144] [145] [146] Esta lei foi alterada no Paquistão em 2006. [147]

Em vários países, incluindo Marrocos (- 2014), Jordânia (- 2017), Líbano, Argélia, Afeganistão e Paquistão, os estupradores foram autorizados a evitar processos penais se se casaram com a vítima . [148] [149] [150] Existe um desentendimento se esta prática é sancionada pelo islamismo ou parte do costume local. [151] [ Precisa de cotação para verificar ] [152] [ Precisa de cotação para verificar ]

Testemunha de mulher 

No Alcorão, sura 2: 182 equivale a duas mulheres como substituto de um homem, em questões que exigem testemunhas. [153]

Ó vós que crêem! Quando você contrata dívidas entre si por um período de tempo fixo, reduza-as para a escrita. Deixe um escriba escrever fielmente entre as partes: não deixe o escriba se recusar a escrever: como Deus o ensinou, então deixe-o escrever. Que o que incorrer na responsabilidade dite, mas deixe ele temer o Senhor Deus, e não diminua nada do que deve. Se a parte responsável é mentalmente deficiente, ou fraca, ou incapaz de ditar, deixe seu guardião ditar fielmente, e obter duas testemunhas, de seus próprios homens, e se não houver dois homens, então um homem e duas mulheres, como como você escolhe, para testemunhas, para que, se um deles errar, o outro pode lembrá-la. As testemunhas não devem recusar quando são convocadas (para evidências). Despreza não reduzir a escrita (seu contrato) para um período futuro, seja pequeno ou grande: é mais justo à vista de Deus, mais adequado como evidência e mais conveniente para evitar dúvidas entre vocês, mas se for uma transação que você realiza no local entre vocês mesmos, não há culpa em você, se você não reduzir a escrita.

-  Alcorão , [ Alcorão  2: 282 ]

Narrado Abu Sa’id Al-Khudri:

O profeta disse: “Não é o testemunho de uma mulher igual à metade do de um homem?” As mulheres disseram: “Sim”. Ele disse: “Esta é uma deficiência de sua mente”.

(Sahih Bukhari: Livro das Testemunhas de Jeová: Capítulo testemunho das mulheres: Hadith nº 2658)

Na lei islâmica, o testemunho ( shahada ) é definido como atestado de conhecimento em relação ao direito de um segundo partido contra um terceiro. Ele existe junto com outras formas de evidência, como o juramento, a confissão e a evidência circunstancial. [154]

Na lei penal clássica da Shari, os homens e as mulheres são tratados de maneira diferente em relação à evidência e ao sangue . O testemunho de um homem tem o dobro da força da de uma mulher. No entanto, no que diz respeito às infrações e retaliação de hadd , os depoimentos de testemunhas não são admitidos. [112] Numerosos países de maioria muçulmana, particularmente no mundo árabe, atualmente tratam o testemunho de uma mulher como metade de um homem em certos casos, principalmente em disputas familiares julgadas com base na lei islâmica. [155]

Os comentaristas clássicos geralmente explicaram o tratamento desigual dos depoimentos afirmando que a natureza das mulheres os tornou mais propensos a erros do que os homens. Os modernistas muçulmanos seguiram o reformador egípcio Muhammad Abduh ao considerar as passagens escriturísticas relevantes como condicionadas aos diferentes papéis de gênero e experiências de vida que prevaleceram no momento em vez de capacidades mentais inatamente inferiores das mulheres, tornando a regra não geralmente aplicável em todos os momentos e lugares. [156]

Violência doméstica 

Aceitação da violência doméstica por mulheres em alguns países islâmicos, de acordo com a UNICEF (2013). [157]

Os homens têm autoridade sobre as mulheres por [direito de] o que Alá deu um sobre o outro e o que eles gastam [para manutenção] de suas riquezas. Portanto, as mulheres justas são devotadamente obedientes, guardando na ausência [do marido] o que Allah os faria proteger. Mas essas [esposas] de quem teme a arrogância – [primeiro] aconselham-nas; [então, se persistirem], abandone-os na cama; e [finalmente], acerte-os. Mas se eles te obedecerem [mais uma vez], não buscam nenhum meio contra eles. Na verdade, Allah é sempre exaltado e grande. Se você tem medo de uma violação entre eles, então, designar um árbitro de seus amigos e um árbitro de seus pais; Se desejam a reconciliação, Deus afetará entre eles; de fato, Deus é o Todo-Sabedor Conhecido (Al-Quran, An-Nisa, 34-35)

A palavra “greve” neste versículo que é entendido como “batendo” ou “batendo” em inglês – w’aḍribūhunna – é derivada da palavra de raiz árabe ḍaraba, que tem mais de cinquenta derivações e definições, incluindo “separar”, ” para oscilar “e” tocar música “. [158] Mesmo dentro do próprio Alcorão, o uso mais comum onde? ] desta palavra não é com a definição” para vencer “, mas como frases verbais que fornecem um número de outros significados, incluindo vários que são mais plausíveis no contexto de 4:34, como “deixar [sua esposa em caso de deslealdade]” e “para atraí-los amoros para você [seguindo temporariamente não dormindo com eles em protesto contra seu comportamento desleal] “. [159]

A lei de Sharī’ah aborda a violência doméstica através do conceito de darar ou dano que abrange vários tipos de abuso contra um cônjuge, incluindo abuso físico. As leis relativas a darar afirmam que, se uma mulher está sendo prejudicada em seu casamento, ela pode aniquilar: assaltar fisicamente uma esposa viola o contrato de casamento e é motivo de divórcio imediato. [160] [ fonte não confiável? ]

Os registros judiciais de Sharī’ah do período otomano ilustram a capacidade das mulheres de procurarem justiça quando sujeitas a abuso físico: como demonstram um caso notável de 1687 de Aleppo, os tribunais deram penas como o castigo corporal a maridos abusivos. [160]

Uma fatwa do século XVI emitida pelo Şeyhülislam ( Shaykh al-Islamismo , a mais alta autoridade religiosa da jurisdição) do Império Otomano afirmou que, no caso de um juiz ter conhecimento de um grave abuso conjugal, ele tem a autoridade legal para prevenir a O marido machucou sua esposa “por qualquer meio possível”, inclusive ordenando sua separação (a pedido da esposa). [160]

Nos últimos anos, inúmeros estudiosos proeminentes na tradição do Islam ortodoxo emitiram fatwas (opiniões legais) contra a violência doméstica. Estes incluem o estudioso xiita Mohammed Hussein Fadlallah, que promulgou uma fatwa por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher em 2007, que afirma que o Islã proíbe os homens de exercer qualquer forma de violência contra as mulheres; [161] Shakyh Muhammad Hisham Kabbani, presidente do Conselho Supremo Islâmico da América, que co-autor de The Prohibition of Domestic Violence in Islam (2011) com o Dr. Homayra Ziad; [162]e Cemalnur Sargut, presidente da Associação Cultural da Mulher Turca (TÜRKKAD), que afirmou que os homens que se envolvem em violência doméstica “de certa forma comprometem o politeísmo ( shirk )”: “Essas pessoas nunca seguem uma dieta para conter os desejos de o seu ego … [Inversamente] Em seu Mathnawi Rumi diz que o amor pelas mulheres é por ter testemunhado a Alá como refletido no espelho do seu ser. De acordo com tasawwuf , a mulher é a luz da beleza de Deus lançada nesta terra. Mais uma vez na [ ] Mathanawi Rumi diz que um homem sábio e refinado é compreensivo e compassivo com uma mulher, e nunca quer machucá-la ou feri-la “. [163]

Alguns estudiosos [164] [165] afirmam que a lei islâmica, como o verso 4:34 do Alcorão, permite e incentiva a violência doméstica contra as mulheres, quando um marido suspeita de nushuz (desobediência, deslealdade, rebelião, má conduta) em sua esposa. [166] Outros estudiosos afirmam que a esposa batendo, por nashizah , não é consistente com as perspectivas modernas do Alcorão. [167]

Algumas traduções conservadoras sugerem que maridos muçulmanos são autorizados a usar força leve em suas esposas, e outros afirmam permissibilidade para atacar, bater, castigar ou vencer. [168] [169] A relação entre o Islã e a violência doméstica é contestada por alguns estudiosos islâmicos. [168] [170]

O educador libanês e jornalista ‘Abd al-Qadir al-Maghribi argumentou que a perpetração de atos de violência doméstica vai contra o próprio exemplo de Muḥammad e liminar. Em seu ensaio de 1928, Muḥammad e Woman , al-Maghribi disse: “Ele [Muḥammad] proibiu um homem de vencer sua esposa e notou que bater não era apropriado para o relacionamento conjugal entre eles”. [171] Muḥammad sublinhou a inconsistência moral e lógica em derrotar a esposa durante o dia e depois louvá-la à noite como um prelúdio para as relações conjugais. [171] O erudito austríaco e tradutor do Qur’an Muhammad Asad(Leopold Weiss) disse: É evidente por muitas tradições autênticas que o próprio Profeta detestou intensamente a idéia de vencer a própria esposa … De acordo com outra tradição, ele proibiu o espancamento de qualquer mulher com as palavras: “Nunca venças as servas de Deus. “‘ [172]

Na prática, a doutrina legal de muitas nações islâmicas, em deferência à lei da Sharia, se recusou a incluir, considerar ou processar casos de violência doméstica, limitando as proteções legais à disposição das mulheres muçulmanas. [173] [174] [175] [176] Em 2010, por exemplo, o tribunal mais alto dos Emirados Árabes Unidos (Supremo Tribunal Federal) considerou a decisão de um tribunal inferior e confirmou o direito do marido de “castigar” sua esposa e filhos com violência física. O artigo 53 do Código Penal dos Emirados Árabes Unidos reconhece o direito de um “castigo por um marido a sua esposa e o castigo de menores”, desde que o assalto não exceda os limites prescritos pela Sharia. [177]No Líbano, cerca de três quartos de todas as mulheres libanesas sofreram abuso físico nas mãos de maridos ou parentes do sexo masculino em algum momento de suas vidas. [178] [179] No Afeganistão, mais de 85% das mulheres relatam violência doméstica; [180] outras nações com taxas muito altas de violência doméstica e direitos legais limitados incluem Síria, Paquistão, Egito, Marrocos, Irã, Iêmen e Arábia Saudita. [181] Em alguns países islâmicos como a Turquia, onde as proteções legais contra a violência doméstica foram promulgadas, a violência doméstica em série por marido e outros membros masculinos de sua família é ignorada em geral por testemunhas e aceita por mulheres sem que ela obtenha ajuda legal, de acordo com um relatório do Governo da Turquia. [182]

Turquia foi o primeiro país na Europa a ratificar (em 14 de março de 2012) do Conselho da Europa Convenção sobre prevenção e combate à violência contra as mulheres ea violência doméstica , [183] que é conhecido como a Convenção de Istambul porque foi aberto pela primeira vez para assinatura na Turquia de maior cidade (em 11 de maio de 2011). [184] Três outros países europeus com uma população muçulmana significativa (≥c.20%) – Albânia, Bósnia e Herzegovina e Montenegro – também ratificaram a convenção, enquanto a Macedônia é signatária do documento. [185] O objetivo da convenção é criar uma Europa livre de violência contra as mulheres e violência doméstica. [186] Em 10 de dezembro de 2014, a estrela pop serbia-turca Emina Jahovićlançou um videoclipe intitulado Ne plašim se (“Não tenho medo”) para ajudar a conscientizar a violência doméstica nos Balcãs. Ne plašim se destacou a ligação entre o consumo de álcool eo abuso doméstico. A data de lançamento do filme foi cronometrada para coincidir com o Dia dos Direitos Humanos das Nações Unidas. [187]

Amor 

Entre os autores muçulmanos clássicos, a noção de amor foi desenvolvida ao longo de três linhas conceituais, concebidas em ordem ascendente hierárquica: amor natural, amor intelectual e amor divino. [188]

Amor romântico 

O Taj Mahal, perto de Agra, na Índia, foi encomendado pelo imperadorMoghul Shah Jahan (1628-1658) em memória de sua esposa Mumtaz Mahal e completado em 1648. [189]Está cheio de inúmeras inscrições, quase todas das quais são da Qur’an. [190] Os estudiosos sugeriram que o complexo Taj Mahal é uma representação do paraíso. [190]

Nas sociedades islâmicas tradicionais, o amor entre homens e mulheres foi amplamente celebrado, [191] e tanto a literatura popular como a clássica do mundo muçulmano estão repletas de obras sobre esse tema. Ao longo da história islâmica, intelectuais, teólogos e místicos discutiram extensivamente a natureza e as características do amor romântico (‘ ishq ). [188] Na sua interpretação intelectual mais comum da Era de Ouro islâmica , isqq refere-se a um desejo irresistível de obter a posse do amado, expressando uma deficiência que o amante deve remediar para atingir a perfeição. [188]Como as perfeições da alma e do corpo, o amor assim admite graus hierárquicos, mas sua realidade subjacente é a aspiração à beleza que Deus manifestou no mundo quando criou Adão em sua própria imagem. [188]

A história de amor árabe de Lila e Majnūn era provavelmente mais conhecida entre os muçulmanos do que a de Romeu e Julieta na Europa do Norte [191], enquanto a narração de Jāmī da história de Yusuf (Joseph) e Zulaykhā – baseada na narrativa de Surat Yusuf no Alcorão – é um texto seminal nos cânones literários persa, urdu e bengali. O crescimento do carinho ( mawadda ) no amor apaixonado ( ishq ) recebeu a análise mais aprofundada e realista em The Ring of the Dove pelo estudioso andaluz Ibn Hazm . [188]O tema do amor romântico continua a ser desenvolvido na ficção moderna e até pós-moderna do mundo islâmico: The Black Book (1990) pelo vencedor do Prêmio Nobel Orhan Pamuk é uma história de detetive nominal com extensas meditações sobre misticismo e amor obsessivo, enquanto outra O escritor turco, Elif Şafak , entrelaça o amor romântico e o sufismo em seu livro de 2010, The Forty Rules of Love: A Novel of Rumi . [192]

No misticismo islâmico ou no sufismo, o amor romântico é visto como uma metáfora metafísica para o amor de Deus. No entanto, a importância do amor se estende para além da metafórica: ibn’Arabī , que é amplamente reconhecido como o “maior dos mestres espirituais [do sufismo]”, postulou que, para um homem, o sexo com uma mulher é a ocasião para experimentar a “melhor auto- divulgação “(a posição é similar, vice-versa): [193]

A contemplação mais intensa e perfeita de Deus é através das mulheres, e a união mais intensa é o ato conjugal “. [194]

Essa ênfase na sublimidade do ato conjugal é verdadeira tanto para este mundo como para o próximo: o fato de que o Islã considera as relações sexuais é um dos melhores prazeres do paraíso; Além disso, não há nenhuma sugestão de que isso seja por causa da produção de crianças. [195] Por conseguinte, (e em comum com civilizações como chineses, índios e japoneses), o mundo islâmico gerou historicamente trabalhos significativos de literatura e técnica erótica e muitos séculos antes de tal gênero se tornar culturalmente aceitável no Ocidente: Richard Burton’s substancialmente ersatz 1886 tradução de The Perfumed Garden of Sensual Delight, um manual de sexo do século XV, criado por Muḥammad ibn Muḥammad al-Nafzawi, foi rotulado como “apenas para circulação privada” devido aos costumes puritanos e às correspondentes leis de censura da Inglaterra vitoriana. [196]

Amor de mulheres 

Particularmente no contexto da religião – um domínio freqüentemente associado ao ascetismo sexual – Muḥammad é notável por enfatizar a importância de amar mulheres. De acordo com um famoso ḥadīth, Muḥammad afirmou: “Três coisas deste mundo seu foram feitas adoráveis ​​para mim: mulheres, perfumes – e a frieza dos meus olhos foi colocada na oração ritual”. [197] Isto é extremamente significativo porque, na fé islâmica, Muḥammad é, por definição, o ser humano mais perfeito e o homem mais perfeito: o amor pelas mulheres mostra que a perfeição do estado humano está ligada ao amor por outros seres humanos, não simplesmente com amor a Deus. [197] Mais especificamente, ilustra a perfeição masculina nas mulheres e, por implicação, a perfeição feminina nos homens. [197]Conseqüentemente, o amor que Muḥammad teve para as mulheres é obrigatório para todos os homens, pois ele é o modelo de perfeição que deve ser imitado. [198]

Há um Hadith citando,

“Não há nada melhor para quem se ama do casamento”. [199]

Figuras proeminentes no misticismo islâmico elaboraram este tema. Ibn ‘Arabī refletiu sobre o ḥadīth acima da seguinte maneira: “…. [Muḥammad] mencionou as mulheres [como uma das três coisas do mundo de Deus feito adorável para ele]. Você acha que o que o levaria longe de seu Senhor foi feito adorável para ele? Claro que não. O que o aproximaria de seu Senhor foi feito adorável para ele.

“Aquele que conhece a medida das mulheres e o seu mistério não renunciará ao amor por elas. Pelo contrário, uma das perfeições do gnóstico é o amor para elas, pois esta é uma herança profética e um amor divino. Por o Profeta disse: “[as mulheres] foram feitas adorável para mim”. Por isso, ele atribuiu seu amor por eles apenas a Deus. Reflexione sobre este capítulo – você verá maravilhas! ” [198]

Ibn ‘Arabī considerou que testemunhar a Deus na forma humana feminina é o modo mais perfeito de testemunhar: se o Profeta Muamam foi feito para amar as mulheres, é porque as mulheres refletem Deus. [200] Rūmī chegou a uma conclusão semelhante: “Ela [mulher] é o resplendor de Deus, ela não é sua amada. Ela é o Criador – você poderia dizer que ela não foi criada”. [200] [201]

De acordo com Gai Eaton , há vários outros ḥadīths sobre o mesmo tema que sublinham o ensinamento de Muḥammad sobre a importância das mulheres amorosas:

  • “Você deve apreciar sua mulher do perfume de seu cabelo até as pontas dos dedos dos pés”. [202]
  • “O melhor de vocês é o melhor para sua esposa”. [203]
  • “O mundo inteiro deve ser apreciado, mas a melhor coisa do mundo é uma boa mulher”. [204]

Casamento 

Uma noiva que assina o contrato de casamento Nikah , muçulmano. No Islã, não existe um conceito legal de propriedade conjugal. Mahr define o direito da mulher em caso de divórcio ou morte de seu marido.

Significado metafísico e cosmológico do casamento 

O significado metafísico e cosmológico do casamento dentro do Islã – particularmente no sofismo ou na misticismo islâmica – é difícil de exagerar. O relacionamento e a interação entre homens e mulheres são vistos como nada menos do que o céu (representado pelo marido) e a Terra (simbolizada pela esposa). [205] [ citações adicionais ] Por causa de sua beleza e virtude, a terra é eminentemente amável: o céu se casa com ela não simplesmente fora do dever, mas por prazer e alegria. [205]O casamento e as relações sexuais não são apenas fenômenos humanos, mas o poder universal da produtividade que se encontra em todos os níveis da existência: o sexo dentro do casamento é o exemplo supremo de testemunhar a Deus no pleno esplendor de Sua auto-divulgação. [206] [ citações adicionais necessárias ]

Estrutura legal 

O casamento é a instituição central da vida e da sociedade familiar e, portanto, a instituição central do islamismo. [207] A nível técnico, é realizado através de um contrato que é confirmado pela recepção da noiva de um dote ou mahr , e pelo testemunho do consentimento da noiva para o casamento. [208] Uma mulher tem a liberdade de propor a um homem de seu agrado, oralmente ou por escrito. [209] O próprio Profeta Muḥammad foi o assunto de uma proposta de casamento falado de uma senhora muçulmana que estava redigida “Eu me apresento a você”, embora, em última instância, Muḥammad solistiu seu casamento com outro homem. [210]

Dentro do próprio contrato de casamento, a noiva tem o direito de estipular suas próprias condições. [211] Essas condições geralmente pertencem a questões como os termos de casamento (por exemplo, que o marido não pode ter outra esposa) e os termos de divórcio (por exemplo, que ela possa dissolver o sindicato por iniciativa própria, se julgar necessário). [211] Além disso, os dotes – um sobre o casamento e outro diferido em caso de divórcio – devem ser especificados e anotados; eles também devem ser de substância. [211] O dote é propriedade exclusiva da esposa e não deve ser entregue, nem a família nem seus parentes. [211] De acordo com o Alcorão (às 4: 2 ), a esposa pode optar livremente por dar parte do dote ao marido.[211] A doutrina do Fiqh diz que a propriedade de uma mulher, realizada exclusivamente em seu nome, não pode ser apropriada por seu marido, irmão ou pai. [212] Durante muitos séculos, isso contrastava com os direitos de propriedade mais limitados das mulheres na Europa (cristã). [212] Por conseguinte, as mulheres muçulmanas na América contemporânea às vezes ficam chocadas ao descobrir que, mesmo que tenham cuidado de listar seus ativos como separados, estes podem ser considerados ativos conjuntos após o casamento. [212]

Cerimônia de casamento e celebrações

Quando o acordo ao casamento foi expressado e testemunhado, os presentes recitam a oração de fātiḥah (o capítulo de abertura do Alcorão). [208] Normalmente, os casamentos não são contratados em mesquitas, mas em casas particulares ou nos escritórios de um juiz ( qāḍi ). [208] O formato e o conteúdo da cerimônia (se houver) são muitas vezes definidos pelos costumes nacionais ou tribais, assim como as celebrações ( ‘urs ) que o acompanham. [208]Em algumas partes do mundo islâmico, estas podem incluir procissões em que o presente da noiva é exibido; recepções onde a noiva é vista adornada em elaborados trajes e jóias; e instalação cerimonial da noiva na nova casa para a qual ela pode ser carregada em uma ninhada (um tipo de carruagem). [208] O noivo pode andar pelas ruas a cavalo, seguido por seus amigos e simpatizantes, e sempre há uma festa chamada walīmah . [208]

Conflito histórico de divórcio 

Em contraste com o mundo ocidental e o mundo onde o divórcio era relativamente incomum até os tempos modernos, o divórcio era uma ocorrência mais comum em certas partes do mundo muçulmano medieval tardio . No Sultanato Mameluco e no Império Otomano , a taxa de divórcio era alta. [213] [214] O trabalho do erudito e historiador Al-Sakhawi (1428-1497) sobre a vida das mulheres mostra que o padrão de casamento da sociedade urbana egípcia e síria no século quinquenal foi grandemente influenciado pelo simples divórcio e praticamente intocado pela poligamia. [215] [216]Documentos egípcios anteriores dos séculos XI a XIII também mostraram um padrão similar, porém mais extremo: em uma amostra de 273 mulheres, 118 (45%) casaram uma segunda ou terceira vez. [216] A observação cuidadosa de Edward Lane do Egito urbano no início do século XIX sugere que o mesmo regime de divórcio freqüente e poligamia rara ainda era aplicável nestes últimos dias da sociedade tradicional. [216] No início do século 20, algumas aldeias no oeste de Java e a península malaiense tinham taxas de divórcio de até 70%. [213]

Poligamia 

Os costumes de casamento variam em países dominados por muçulmanos. A lei islâmica permite a poligamia onde um muçulmano pode casar-se com quatro esposas ao mesmo tempo, em condições restritas [217], mas não é generalizada. [218] Como a Sharia exige que os homens polígamos tratem igualmente todas as mulheres, os estudiosos islâmicos clássicos opinaram que é preferível evitar completamente a poligamia , de modo que nem sequer se aproxima da chance de cometer a ação proibida de negociar injustamente entre as esposas. [219] A maioria dos muçulmanos modernos vê a prática da poligamia como permitido, mas incomum e não recomendado. [220] Em alguns países, a poligamia é restrita por novos códigos de família, por exemplo, aMoudawwana em Marrocos. [221] Alguns países permitem que os homens muçulmanos entrem em casamentos temporários adicionais, além dos quatro casamentos permitidos, como a prática de casamentos sigheh no Irã [222] e Nikah Mut’ah em outros países de alguns países do Oriente Médio. [223] [224]

Um casamento de prazer, onde um homem paga uma quantia de dinheiro a uma mulher ou a sua família em troca de uma relação temporária de cônjuge, é encontrado e considerado legal entre a seita xiita do Islã, por exemplo no Irã após 1979. Os casamentos temporários são proibidos entre Seita sunita do Islã. [225] Entre os xiitas, o número de casamentos temporários pode ser ilimitado, por uma duração inferior a uma hora a poucos meses, reconhecido com um certificado de casamento temporário oficial, e o divórcio é desnecessário porque o casamento temporário expira automaticamente na data e tempo especificado no certificado. [226] O pagamento à mulher pelo homem é obrigatório, em cada casamento temporário e considerado como mahr . [227] [228]Seus praticantes citam a lei da sharia como permitindo a prática. Grupos de direitos da mulher condenaram-no como uma forma de prostituição legalizada. [229] [230]

Poliandria 

Polandria, a prática de uma mulher com mais de um marido (mesmo temporariamente, após o pagamento de uma quantia de dinheiro para o homem ou a família do homem), em contraste, não é permitida. [231] [232]

Endogamia 

Os casamentos endogâmicos consangüíneos são comuns para as mulheres no Islã. [233] Mais de 250 milhões de mulheres de fé islâmica estão em casamentos consanguíneos endogâmicos, tipicamente com casamentos de primos . [234] [235] Mais de 65% de todos os casamentos na Arábia Saudita e no Paquistão são casamentos endogâmicos e consangüíneos; mais de 40% de todos os casamentos são endogâmicos e consanguíneos na Mauritânia, Líbia, Sudão, Iraque, Irã, Jordânia, Síria, Iêmen, Kuwait, Emirados Árabes Unidos e Omã. [234] [236]

A endogamia é comum nos países islâmicos. A endogamia observada é principalmente casamentos consanguíneos , onde a noiva e o noivo compartilham um avô biológico ou outro antepassado próximo. [237] [238] Os casamentos observados mais comuns são os casamentos do primo primeiro, seguidos dos casamentos do segundo primo. Os casamentos endogâmicos consanguíneos são mais comuns para as mulheres nas comunidades muçulmanas no Oriente Médio, África do Norte e Ásia Central Islâmica. [239] [240] Cerca de 1 em 3 de todos os casamentos na Arábia Saudita, Irã e Paquistão são casamentos de primos; enquanto os casamentos endogâmicos consanguíneos globais excedem 65 a 80% em várias populações islâmicas do Oriente Médio, África do Norte e Ásia Central Islâmica. [238] [241]

Casamentos proibidos 

Não se casem com mulheres com quem seus pais casaram, exceto que tenha passado; Na verdade, era laciva, desobediência e mau jeito. Proibida a você são suas mães, suas filhas, suas irmãs, suas tias paternas, suas tias maternas, as filhas do irmão, as filhas da irmã, suas mães amamentando, suas irmãs de amamentação, mães de suas mulheres, suas pastagens em sua guarda de suas mulheres você entrou neles, mas se você não entrou neles, não há culpa em você, mulheres de seus filhos de seus lombos e que você adiciona duas irmãs (em um casamento) exceto que passou; certamente Deus é todo perdoador e misericordioso.

-  Alcorão , [ Alcorão  4:22 ]

Alguns casamentos são proibidos entre mulheres muçulmanas e homens muçulmanos, de acordo com a sharia. [242] No Alcorão, Surah An-Nisa dá uma lista de casamentos proibidos. [ Alcorão  4:22 ] Os exemplos incluem se casar com o enteado de um, filho biológico, pai biológico, irmão biológico, filho do irmão biológico, tio biológico, filho do leite ou irmão do leite que ela cuidou, marido de sua filha biológica e padrasto que teve sexo Relações com sua mãe biológica e sogro. [243] [244] Existem disputas entre Hanafis, As escolas Malikis, Shafi’is e Hanabalis da jurisprudência islâmica sunita sobre se e quais tais casamentos são irregulares, mas não são anulados, se já estão no lugar ( fasid ) e que são aniquilados ( batil ) casamentos. [245]

Idade do casamento 

O casamento infantil, que já foi um fenômeno globalmente aceito, passou a ser desencorajado na maioria dos países, mas persiste até certo ponto na maioria das partes do mundo muçulmano. [246] O Islã é uma das várias religiões principais cujos ensinamentos têm sido usados ​​para justificar o casamento das meninas. [247]

A idade do casamento no Islã para mulheres varia de acordo com o país. Tradicionalmente, o Islã permitiu o casamento de meninas com menos de 10 anos, porque a Shariaconsidera práticas de Muhammad como base para a lei islâmica. De acordo com Sahih Bukhari e Sahih Muslim , os dois hadiths sunitas , Muhammed casou-se com Aisha , sua terceira esposa quando tinha 6 anos e consumou o casamento quando atingiu a idade de 9 ou 10. (Esta versão dos eventos é rejeitada pelos muçulmanos xiitas . ) [248] [249]

Narrado ‘Aisha: que o Profeta se casou com ela quando tinha seis anos e ele consumou seu casamento quando tinha nove anos, e então permaneceu com ele por nove anos (ou seja, até sua morte).

-  Sahih al-Bukhari , 7:62:64

Alguns estudiosos islâmicos sugerem que não é a idade do calendário que importa, mas é a idade biológica da menina que determina quando ela pode se casar de acordo com a lei islâmica. De acordo com esses estudiosos islâmicos, a idade casada no Islã é quando uma garota alcançou a maturidade sexual , conforme determinado por seu guardião masculino mais próximo; essa idade pode ser, reivindicar esses estudiosos islâmicos, menos de 10 anos, ou 12, ou outra idade dependendo de cada garota. [246] [250]

Alguns clérigos e elementos conservadores das comunidades muçulmanas no Iêmen, [251] [252] Arábia Saudita, [253] Índia, [254] [255] Bangladesh, Paquistão, [256] Indonésia, [257]Egito, [258] Nigéria [ 259] e em outros lugares insistiram que é o direito islâmico de se casar com meninas menores de 15 anos [260].

Casamentos inter-religiosos e mulheres muçulmanas 

De acordo com a lei sharī’ah, é legal que um homem muçulmano case com uma mulher cristã ou judaica ou com uma mulher de qualquer das religiões divinamente reveladas. [208]Uma mulher não precisa se converter do cristianismo ou do judaísmo ao islã para se casar com um homem muçulmano. [261] Embora a lei sharī’ah não permita que uma mulher muçulmana se case com a religião, [208], um número significativo de homens não-muçulmanos entraram na fé islâmica para satisfazer este aspecto da lei religiosa onde é À força. [208] Com o aprofundamento da globalização, tornou-se mais comum que as mulheres muçulmanas se casem com homens não muçulmanos que permanecem fora do Islã. [208] [262]Estes casamentos se encontram com diferentes graus de aprovação social, dependendo do meio. [208] No entanto, as conversões de homens não-muçulmanos para o Islã para o fim do casamento ainda são numerosas, em parte porque o procedimento para a conversão para o Islã é relativamente expedito. [263]

Comportamento e direitos dentro do casamento 

A lei e a prática islâmica reconhecem a disparidade de gênero, em parte, atribuindo direitos e obrigações separados a uma mulher na vida conjugal. O espaço de uma mulher está no esfera privada da casa, e o homem está na esfera pública . [264] [265] As mulheres devem cumprir primariamente as responsabilidades conjugais e maternas [266], enquanto os homens são administradores administrativos e financeiros de suas famílias. [264] [267] De acordo com Sayyid Qutb, o Qur’an “dá ao homem o direito de tutela ou superioridade sobre a estrutura familiar, a fim de evitar a dissensão e fricção entre os cônjuges. A equidade deste sistema reside no fato de que Deus favoreceu o homem com as qualidades necessárias e habilidades para a “tutela” e também o acusou do dever de providenciar a manutenção da estrutura “. [268]

O Alcorão considera o amor entre homens e mulheres como um Sinal de Deus . [ Alcorão  30:21 ] Dito isto, o Alcorão também permite que os homens amoleçam primeiro, depois toque ou empurre levemente, e até a espancam, se ele suspeita de nushuz (desobediência, deslealdade, rebelião, má conduta) em sua esposa. [166] [ Alcorão  4:34 ] [269]

No Islã, não há cobertura , uma idéia central no direito comum asiático, americano e não islâmico, e a base jurídica para o princípio da propriedade conjugal. Um casamento islâmico é um contrato entre um homem e uma mulher. Um homem e mulher muçulmanos não fundem sua identidade legal após o casamento e não têm direitos sobre nenhuma propriedade conjugal compartilhada. Os bens do homem antes do casamento, e obtidos por ele após o casamento, permanecem durante o casamento e em caso de divórcio. [270]O divórcio de acordo com a lei islâmica não requer redistribuição de propriedade. Em vez disso, cada esposa se afasta do casamento com sua propriedade individual. O divorciamento das mulheres muçulmanas que não trabalhavam fora de sua casa após o casamento não tem direito à riqueza coletiva do casal de acordo com a lei islâmica, com exceção do mahr diferido – uma quantia de dinheiro ou propriedade que o homem concorda em pagar antes que a mulher assine o contrato de casamento. [93] [271]

Estados do Alcorão

E para você é metade do que suas esposas deixaram, se não tiverem filhos; e se eles têm o seu filho é um quarto do que eles deixaram; Após a vontade, eles receberam dívidas. E para eles é um quarto do que você sai, se você não tiver filhos; mas se você tiver um filho deles é um oitavo; Depois da vontade, você terá uma dívida ou uma dívida. E se o homem ou a mulher, herdados, é Kalalah (sem filhos) e; Ele tem irmão ou irmã, pois cada um deles é um sexto; E se eles são mais do que eles, eles compartilharão um terço; Depois da vontade, ele dirá ou diminui a dívida. É ordiante de Deus; e Deus é todo-sabedor e abençoado.

{Al-Quran 4:12}

Em caso de morte do marido, uma parte de sua propriedade é herdada por suas esposas de acordo com uma combinação de leis da sharia. Se o homem não deixou filhos, suas esposas recebem uma quarta parte da propriedade e os três quartos restantes são compartilhados pelos parentes de sangue do marido (por exemplo, pais e irmãos). [272] Se ele tivesse filhos de alguma de suas esposas, suas esposas recebem um oitavo da propriedade e o resto é para seus filhos e pais sobreviventes. [272] As esposas compartilhar como herança uma parte dos bens móveis do seu falecido marido, mas eles não compartilham qualquer coisa de bens imóveis carece de fontes? ] , Como terrenos, imóveis, fazenda ou tal valor. Um mahr diferido da mulher e as dívidas pendentes do marido morto são pagas antes de qualquer herança ser aplicada. [273] A Sharia exige que a herança inclua parentes masculinos da pessoa morta, que uma filha recebe metade da herança como filho e uma viúva recebe menos do que suas filhas. [273][274] [ melhor fonte necessária ]

Sexualidade

No Islã, uma mulher muçulmana só pode fazer sexo depois do ” nikah ” – um contrato de casamento adequado – com um homem muçulmano; O sexo é permitido a ela apenas com o marido. [129] [275] [276] O marido da mulher, no entanto, pode se casar e fazer sexo com mais de uma mulher muçulmana, além de ter relações sexuais com escravos não-muçulmanos. [130] [275] [277] Segundo o Alcorão e Sahih Muslim , duas fontes primárias da Sharia, o Islã só permite sexo vaginal. [278]

(…) “Se ele gosta que ele possa (ter relações sexuais) estar nas costas ou na frente dela, mas deve ser através de uma abertura (vagina)”.

-  Sahih Muslim , 8: 3365

Existe um desacordo entre os estudiosos islâmicos sobre a interpretação adequada da lei islâmica sobre o sexo admissível entre marido e mulher, com alegações de que o sexo não vaginal dentro de um casamento é reprovado, mas não está proibido. [278] [279] [280] É proibida a relação sexual e sexo durante a menstruação, assim como a violência e a força contra a vontade de um parceiro. [281] No entanto, estas são as únicas restrições; como diz o Alcorão em 2: 223 (Sūratu l-Baqarah): “Suas mulheres são seus campos; vá às suas mulheres como quiser “. [281]

Após o sexo, bem como a menstruação, o Islã exige que homens e mulheres façam ghusl (lavagem ritual principal com água, abluções) e em algumas comunidades islâmicas xoslay (orações buscando perdão e purificação), como sexo e menstruação são consideradas algumas das causas Isso torna os homens e as mulheres religiosamente impuros ( najis ). [282] [283] Alguns juristas islâmicos sugerem que o toque e as preliminares, sem qualquer penetração, podem qualificar wudu (lavagem ritual menor) como forma suficiente de ablução religiosa. [284]Um homem e uma mulher muçulmanas também devem se abster do sexo durante um ritual rápido e, durante todos os tempos, em uma peregrinação a Meca, como ato sexual, o contato de partes sexuais e a emissão de fluidos corporais sexuais são considerados ritualmente sujos. [285]

A relação sexual não é permitida a uma mulher muçulmana durante a menstruação , período pós-parto , durante o jejum e certas atividades religiosas, deficiência e em iddah após o divórcio ou a viuvez. As relações homossexuais e os casamentos do mesmo sexo são proibidos às mulheres no Islã. [279] A fertilização in vitro (FIV) é aceitável no Islã; mas a doação de óvulos juntamente com a doação de esperma, a doação de embriões e a adoção infantil são proibidas pelo islamismo. [278] Estes casamentos se reúnem com diferentes graus de aprovação social, dependendo do meio. /> [286] [287] Alguns fatwas debatidos da seita xiita do islamismo, no entanto, permitem a participação de terceiros. [289][288]

O islamismo exige que o marido e a esposa / esposas atinjam seus deveres conjugais. Os qadis religiosos (juízes) admoestaram o homem ou as mulheres que não cumprem esses deveres. [290]

Um alto valor é colocado sobre a castidade feminina e o exibicionismo é proibido. [291]

Mutilação genital feminina 

Um cartaz para uma campanha contra a mutilação genital feminina(‘FGM’) na maioria cristã do Uganda. Nos estados africanos da Tanzânia, Nigéria e Níger, a MGF é mais prevalente entre os cristãos do que os muçulmanos. [292] [293]

A posição clássica 

Não há menção à circuncisão feminina – e muito menos a outras formas de mutilação genital feminina – no Alcorão. Além disso, Muḥammad não submeteu nenhuma das suas filhas a esta prática, que é de real importância, pois não faz parte de seu exemplo falado ou agido. [294]Além disso, as origens da circuncisão feminina não são islâmicas: primeiro se pensava ter sido praticado no antigo Egito. [295]Alternativamente, sugeriu-se que a prática pode ser um antigo rito da puberdade africana que foi transmitido ao Egito por difusão cultural. [296]

Não obstante esses fatos, há uma crença entre alguns muçulmanos – particularmente, embora não inteiramente exclusivamente na África (sub-saariana) – que a circuncisão feminina (especificamente o corte do prepúcio ou capuz do clitóris) é reivindicada religiosamente pela existência de um punhado de ḥadīths que, aparentemente, o recomendam. [295] No entanto, estes ḥadīths são geralmente considerados inautênticos, não confiáveis ​​e fracos, e, portanto, não têm fundamento legislativo e / ou aplicação prática. [297]

Perspectivas islâmicas notáveis ​​sobre FGM 

Ao responder a questão de como a circuncisão feminina “islâmica” é, Haifaa A. Jawad – um acadêmico especializado no pensamento islâmico e autor dos Direitos das Mulheres no Islã: uma Abordagem Autêntica – concluiu que “a prática não tem fundamento islâmico qualquer . Não é mais do que um antigo costume que foi falsamente assimilado à tradição islâmica e, com o passar do tempo, foi apresentado e aceito (em alguns países muçulmanos) como uma injunção islâmica “. [298] Jawad observa que o argumento que afirma que existe uma correlação indireta entre o Islã ea circuncisão feminina não explica por que a circuncisão feminina não é praticada em grande parte do mundo islâmico e, inversamente, é praticada nos países latino-americanos como o Brasil,[299] [300]

O intelectual, jornalista e tradutor francês Renée Saurel observou que a circuncisão feminina e as MGF geralmente contradizem o texto sagrado do Islã, de forma mais geral: “O Corão, ao contrário do cristianismo e do judaísmo, permite e recomenda que a mulher tenha prazer físico e psicológico, o prazer encontrado por ambos parceiros durante o ato de amor. Os tecidos forçados, divididos e cortados não são propícios à sensualidade nem ao sentimento abençoado dado e compartilhado quando participam da busca do prazer e da fuga da dor “. [301]

A feminista egípcia Nawal El-Saadawirazões que a criação do clitóris per se é um argumento islâmico direto contra a circuncisão feminina: “Se a religião vem de Deus, como pode ordenar ao homem cortar um órgão criado por Ele, desde que esse órgão não esteja doente ou deforme? Deus não cria os órgãos do corpo ao acaso sem um plano. Não é possível que ele tenha criado o clitóris no corpo da mulher apenas para que seja cortado em um estágio inicial da vida. Esta é uma contradição na qual nem verdade A religião, nem o Criador poderiam cair. Se Deus criou o clitóris como um órgão sexualmente sensível, cuja única função parece ser a aquisição de prazeres sexuais para as mulheres, segue-se que Ele também considera esse prazer para as mulheres como normal e legítimo, e portanto, como parte integrante da saúde mental “.[302]

Sheikh Abbas el Hocine Bencheikh , diplomata e reitor do L’Institute Musulman na Grande Mesquita de Paris, apontou a falta total de justificação teológica islâmica para a circuncisão feminina: “Se a circuncisão para o homem (embora não obrigatória) tenha uma estética e propósito higiênico, não existe um texto islâmico religioso existente para ser considerado a favor da excisão feminina, como comprovado pelo fato de que esta prática é totalmente inexistente na maioria dos países islâmicos “. [297]

Mahmud Shaltut , o ex-xeque de Al-Azhar no Cairo – um dos mais importantes escritórios religiosos do islamismo sunita – também afirmou que a circuncisão feminina não tem base teológica: “A legislação islâmica fornece um princípio geral, a saber, que deve ser minucioso e cuidadoso exame de certas questões demonstram que é definitivamente prejudicial ou imoral, então deve ser legitimamente interrompido para pôr fim a esse dano ou imoralidade. Portanto, como o mal da excisão foi estabelecido, a excisão do clitóris das mulheres não é uma obrigação obrigatória, nem é uma Sunnah “. [302]

Iniciativas para finalizar o FGM na OIC 

No século XXI, vários escritórios religiosos de alto nível dentro da OIC pediram a cessação de todas as formas de MGF:

  1. Uma conferência internacional de 2006 convocada pelo Dar al ifta do Egito – um órgão influente que emite opiniões legais sobre a lei e jurisprudência islâmica – concluiu que “a mutilação [feminina genital] atualmente praticada em algumas partes do Egito, África e outros lugares representa um costume deplorável que se encontra nenhuma justificativa nas fontes autorizadas do Islã, o Alcorão e a prática do Profeta Muḥammad … todas as medidas devem ser tomadas para pôr termo a esta tradição inaceitável “. [303]
  2. Uma conferência de novembro de 2006 na Universidade Al-Azhar no Cairo realizada sob os auspícios do Grande Mufti do Egito aprovou uma resolução – com o mesmo peso legal que a fatwa – que a MGF deveria ser considerada uma ofensa punível, porque constitui “um ato de agressão e crime contra a humanidade “. [304]
  3. Em 2007, o Conselho Supremo de Investigação Islâmica Al-Azhar, com sede no Cairo, uma entidade pertencente ao que geralmente é considerado uma das universidades teologas mais importantes da OCI, determinou que a mutilação genital feminina não tem base na lei islâmica. [305]
  4. Em 2012, o professor Dr. Ekmeleddin İhsanoğlu – o então secretário-geral da Organização de Cooperação Islâmica – exortou os países a abolir a mutilação genital feminina (MGF), dizendo que a prática era contra o islamismo e os direitos humanos: “Esta prática é um ritual que tem sobreviveu ao longo de séculos e deve ser interrompido, já que o Islã não o apoia “. [306]
  5. Em 2016, a Missão de Observação Permanente da OCI das Nações Unidas reafirmou a sua determinação em eliminar a MGF / C até 2030 [307] , de acordo com um objectivo global estabelecido pela ONU no contexto dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável .

Prevalência registrada de MGF na OIC 

De acordo com o UNICEF (2014), vinte e seis dos vinte e nove países em que a mutilação genital feminina é classificada como “concentrada” estão na África subsaariana: não há prevalência registrada em nenhum país não africano membro da OCI fora do Iêmen ( 19% de prevalência) e do Iraque (8%). [308]

Contracepção 

Desde os tempos muito antigos, vários métodos de contracepção foram praticados no Islã, [281] e os juristas muçulmanos das duas principais seitas do Islã, dos sunitas e dos xiitas, geralmente concordam que a contração e o planejamento familiar não são proibidos pela Sharia; O uso de dispositivos contraceptivos é permitido se os parceiros conjugais concordarem. [281] [309] Todas as escolas de direito islâmicas do décimo ao século XIX deram à contracepção sua consideração séria. [310] Eles lidavam principalmente com o coitus interruptus, o método mais comum, e concordou por unanimidade que era lícito desde que a esposa livre lhe dava permissão, porque ela tinha direitos sobre as crianças e a realização sexual que a retirada acreditava diminuir.[310]Dos escritos dos juristas, emergiu que outros métodos de controle de natalidade – principalmente tampões intravaginais – também eram usados ​​por mulheres pré-modernas e a visão mais comum era que isso só deveria ser empregado se o marido também concordasse. [310]

Dada a era e o fato de que a tradição cristã e judaica proscrito a contracepção, a atitude dos muçulmanos em relação ao controle de natalidade caracterizou-se como extremamente pragmática; eles também possuíam um conhecimento sofisticado de possíveis métodos anticoncepcionais. [310] Médicos medievais como Ibn Sina (Avicena) consideraram o controle de natalidade como uma parte normal da medicina e capítulos dedicados à contracepção e ao aborto em seus livros didáticos (embora seja de notar que a permissibilidade do aborto dentro do pensamento islâmico varia de acordo com um número de fatores, o Islam vê a família como sagrada e infantil como um presente de Deus). [310] [311]Segundo os muçulmanos medievais, o controle de natalidade foi empregado para evitar um grande número de dependentes; para proteger a propriedade; para garantir a educação de uma criança; para proteger uma mulher dos riscos de parto, especialmente se ela fosse jovem ou doente; ou simplesmente para preservar sua saúde e beleza. [310]

Infanticide feminino 

O Islam condena o infanticídio feminino. [312]

Quando a fêmea (infantil), enterrada viva, é questionada – Por que crime ela foi morta?

-  Alcorão , [ Alcorão  81: 8 ]

Em algumas populações islâmicas, o infanticídio feminino seletivo por sexo é motivo de preocupação devido a proporções anormalmente altas de garoto a menina no nascimento. [313] No Azerbaijão islâmico , por exemplo, a proporção sexual de nascimentos estava na faixa de 105 a 108, antes do colapso da União Soviética no início da década de 1990. Após o colapso, os índices de natalidade do nascimento no Azerbaijão subiram fortemente para mais de 115 e permaneceram altos nos últimos 20 anos. [313] Os 115 garotos persistentemente observados por cada 100 meninas nascidas sugerem o aborto seletivo por sexo das mulheres no Azerbaijão nos últimos 20 anos. [314] [315] [316] Outros países de maioria muçulmana com alto índice de sexos, implicando [317] [318]aborto feminino seletivo, incluem a Albânia (112) [319] e o Paquistão (111). [320] [321]

Divórcio 

No Islã, uma mulher só pode se divorciar do marido sob certas condições. Estes são muitos e incluem negligência, não sendo apoiado financeiramente, a impotência do marido, a apostasia, a loucura, a doença perigosa ou algum outro defeito no casamento. [322] [323] O divórcio por consentimento mútuo só deve ser acordado por ambas as partes para se tornarem efetivas. [323] Se uma mulher muçulmana deseja se divorciar de seu marido, ela tem duas opções de acordo com a lei da Sharia : procure um tafriq ou procure um khul . Um tafriq é um divórcio por certos motivos permitidos. Este divórcio é concedido por um qadi , um juiz religioso, nos casos em que o qadiaceita suas reivindicações de abuso ou abandono. Se um tafriq é negado pelo qadi , ela não pode se divorciar. Se um tafriq for concedido, o casamento é dissolvido e o marido é obrigado a pagar-lhe o mahr diferido em seu contrato de casamento. O segundo método, muito mais comum em divorcios iniciados pela esposa, khul é um divórcio sem causa, por consentimento mútuo. Este divórcio exige o consentimento de um marido e deve ser apoiado por uma consideração que passa da esposa para o marido. Muitas vezes, essa consideração quase sempre consiste na esposa renunciando a sua reivindicação ao mahr diferido. Na prática real e fora da teoria judicial islâmica, o direito de uma mulher ao divórcio é frequentemente extremamente limitado em comparação com o dos homens no Oriente Médio. [324]

Em contraste com os métodos comparativamente limitados de divórcio disponíveis para uma mulher, o Islã permite que um marido muçulmano divorcie unilateralmente sua esposa, como talaq , sem necessidade de mostrar causa; no entanto, na prática há variação por país quanto à existência de processos legais adicionais quando um marido se divorcia da esposa por este método. Por exemplo, a Lei Tunísia do Estatuto Pessoal (1957) torna inválido o repúdio por um marido até que tenha sido ratificado por um tribunal e prevê uma compensação financeira adicional para a esposa. [323] Foram promulgadas leis semelhantes em outros lugares, tanto dentro de um quadro interpretativo da lei tradicional sharī’ah, quanto através da operação de códigos civis não baseados na sharī’ah.[323]No entanto, com o talaq, o marido deve pagar a esposa seu mahr diferido. [325] Alguns países de maioria muçulmana exigem contribuições financeiras adicionais para serem feitas à esposa em cima do mahr: por exemplo, a Lei Síria do Estatuto Pessoal (1953) torna obrigatório o pagamento da manutenção à esposa pelo marido ano após o divórcio, que é, portanto, um recurso legal da esposa contra o marido. [323] O marido é livre para se casar novamente imediatamente após um divórcio, mas a mulher deve observar iddah , que é esperar por 3 meses lunares [326] antes que ela possa voltar a casar após o divórcio, para estabelecer a paternidade, no caso de ela descobrir que está grávida . Em caso de morte de seu marido, o iddahO período é de 4 meses lunares e 10 dias antes de poder iniciar relações conjugais com outro homem muçulmano. [327] [328] [329]

Obrigações durante o divórcio 

Um versículo-chave relativo à obrigação das mulheres durante o divórcio é 2: 228: [330]

As mulheres divorciadas permanecem em espera de três períodos, e não é lícito que eles ocultem o que Deus criou nos seus ventos se eles acreditam em Deus e no Último Dia. E seus maridos têm mais direito de levá-los de volta neste [período] se quiserem reconciliação. E devido às esposas é semelhante ao que se espera deles, de acordo com o que é razoável. Mas os homens têm um grau sobre eles [em responsabilidade e autoridade]. E Allah é Exaltado em Poder e Sábio.

(Al-Quran 2: 228)

Este versículo não explica apenas os direitos de divórcio das mulheres no Islã, que estabelece a iddah para impedir a guarda ilegal do filho divorciado por uma mulher, especifica que cada gênero tem direitos de divórcio e que os homens são um grau acima das mulheres. [330] [331] [332]

Movimento e viagem 

Mulheres indonésias em Hong Kong

Embora não seja mencionada nenhuma limitação ou proibição contra a viagem das mulheres sozinha no Alcorão, há um debate em algumas seitas islâmicas, especialmente Salafis, sobre se as mulheres podem viajar sem um mahram (parente não casado). [333] Alguns estudiosos afirmam que uma mulher não pode viajar sozinha em uma viagem que leva mais de três dias (equivalente a 77 quilômetros ou 48 milhas no islamismo medieval). [334] De acordo com o Conselho Europeu da Fatwa e da Investigação , esta proibição surgiu dos medos para a segurança das mulheres quando as viagens eram mais perigosas. [333]Alguns estudiosos relaxam esta proibição para viagens que possam ser seguras, como viajar com um grupo confiável de homens ou homens e mulheres, ou viajar através de um trem ou avião moderno quando a mulher será encontrada na chegada. [333]

Proibição de condução saudita 

A Arábia Saudita é atualmente o único país muçulmano que proíbe as mulheres de dirigir conforme uma fatwa de 1990 (decisão religiosa). [335] [336] Sheikh Ayed Al-Qarni, um estudioso islâmico saudita, disse que nem o Alcorão nem a Sunnah proíbem as mulheres de dirigir e que é melhor para uma mulher dirigir-se do que ser conduzida por um estranho sem uma escolta legal. [337] Ele também declarou, no entanto, que ele “pessoalmente não permitirá que [sua] esposa, filhas ou irmãs dirigem”. [337] John Esposito , professor de Assuntos Internacionais e Estudos Islâmicos da Universidade de Georgetown, argumentou que essas restrições são originárias dos costumes culturais e não do Islã. [338]

Limpeza e restrições de viagem 

Uma mulher muçulmana pode não se mover em uma mesquita, ou executar salat , enquanto ela está menstruada ou durante o período pós-parto, porque os fluidos corporais são considerados rituais impuros no Islã. Alguns estudiosos muçulmanos sugerem que a mulher deve ficar em sua casa, ou perto de sua casa, durante esse estado. [285] [339] [340]Alguns juristas islâmicos afirmam que esta é uma interpretação incorreta da sharia e sugerem que a intenção islâmica era sobre higiene, e não sobre a limpeza ritual religiosa. [285]

Código de vestimenta 

Trajes precoce de mulheres árabes.

A modéstia é uma prescrição religiosa no Islã: o Alcorão exige que homens e mulheres se vestem modestamente e não exibam seus corpos, e Muḥammad afirmou que a modéstia é uma característica central do Islam. [341]

No contexto específico das mulheres, o Alcorão às 24:31 fala de cobrir os “ornamentos” das mulheres de estranhos fora da família. [342]Este último verso do Alcorão representa a instituição de uma nova modéstia pública: quando os árabes pré-islâmicos foram à batalha, as mulheres árabes que viram os homens em guerra deram os peitos para encorajá-los a lutar; ou eles fariam isso na batalha em si, como no caso das mulheres de Meca lideradas por Hind na Batalha de Uḥud. [342] Este tipo de comportamento é comumente visto por estudiosos islâmicos e o público muçulmano mais amplo como emblemático de um estado de ignorância espiritual ( al-Jāhiliyyah ).

Todas as escolas ortodoxas da lei sharī’ah prescrevem cobrindo o corpo em público: especificamente, no pescoço, nos tornozelos e abaixo do cotovelo. [342] No entanto, deve notar-se que nenhum dos sistemas legais tradicionais prevê que as mulheres devem usar um véu: [342]são apenas as esposas de Muḥammad que são instruídas a vestir este artigo ( 33:59 ). [342]

Com base na injunção de ser modesto, várias formas de vestimenta foram desenvolvidas em diferentes partes do mundo islâmico, mas algumas formas de vestimenta eram transições de sociedades primitivas pré-islâmicas anteriores: a prática das mulheres que cobrem o cabelo era a norma nas comunidades anteriores de judeus e cristãos. [341] A iconografia da Virgem Maria na arte cristã sempre a mostra com o cabelo coberto, e esta convenção foi seguida na era moderna por cristãos georgianos e armênios, além das mulheres judias orientais ; As mulheres católicas não iriam para a igreja sem cobrir as cabeças até o século XX.[341]A cobertura do cabelo foi tomada pelas mulheres para ser uma parte natural da vida como um sinal de modéstia e especialmente como um sinal de respeito diante de Deus. [341]

No século XXI, continua a existir uma tremenda variação no modo de vestir-se das mulheres muçulmanas, sobretudo porque o mundo islâmico é tão diversificado geograficamente e culturalmente. As leis aprovadas nos estados (como a Turquia laicista e a Tunísia ) com as campanhas de ocidentalização do século XX – que exigiam que as mulheres usassem “modernas” roupas de estilo ocidental – tenham sido relaxadas nos últimos anos; [343] [344] do mesmo modo, o fim do comunismo na Albânia e as repúblicas jugoslavas também significava um fim de uma legislação de vestuário secular altamente restritiva.[345]Como resultado, agora é legal que as mulheres nesses países usem roupas que sugerem uma identidade islâmica (pós-moderna) – como o lenço de rosto coloquialmente conhecido como ḥijāb – em público, embora não necessariamente em todas as instituições públicas ou escritórios de estado . [346] [347]

Por outro lado, em um punhado de estados – notadamente o Irã e a Arábia Saudita – com regimes fundamentalistas modernistas, códigos de vestimenta estipulando que as mulheres usam roupas exclusivas “religiosas” (em oposição a “seculares”) em público que se tornaram obrigatórias na última parte da vigésimo século ainda estão em vigor. [348]No entanto, esses países são teologicamente e culturalmente atípicos no mundo islâmico: o Irã é o único estado revolucionário do mundo shī’a, enquanto a Arábia Saudita é um dos poucos países Wahhabi; [349]Em nenhum dos outros, as mesmas restrições à roupa feminina em público são aplicáveis. A esmagadora maioria dos países de maioria muçulmana não tem leis que exigem que o público use vestígios seculares ou religiosos e o espectro completo de roupas femininas – desde biquínis até os véus – pode ser visto em países como Albânia, Líbano e Marrocos. [350] [351] [352]

Materiais de vestuário 

Seda 

De acordo com todas as escolas da lei islâmica, apenas as mulheres são autorizadas a usar roupas de seda pura ao lado da pele, embora as escolas de direito diferem sobre quase todos os outros detalhes relativos à seda (como a permissibilidade de homens com seda misturada com outras fibras). [353] Na tradição islâmica, a seda está fortemente associada ao Céu. [353] O Alcorão fala em vários lugares dos sumptuosos tecidos a serem apreciados pelos virtuosos no Paraíso: as suas vestes serão feitas de seda ( 22:23 e 35:33 ), e eles se reclinarão em tapetes alinhados com ricos brocado ( 55:54 ). [353]

Ouro

Da mesma forma, a lei sharī’ah postula que apenas as mulheres podem usar ornamentos de ouro, como jóias. [354] A intenção por trás desta distinção é ajudar os homens a manter um estado de sobriedade, reserva, concentração e pobreza espiritual (as “perfeições do centro”). [354] Por outro lado, as mulheres, que simbolizam o desdobramento, a infinitude e a manifestação, não estão vinculadas pelas mesmas restrições. [354]

Aparência pública versus privada 

Vestuário como ḥijābs , chādors e burqas normalmente são usados ​​em público. Em particular, é comum que as mulheres usem roupas de estilo ocidental . Cadeias mundiais de varejo de moda, incluindo Zara e Victoria’s Secret, têm filiais em estados membros da OCI como a Arábia Saudita . [355] [356]

Objeções religiosas para o moderno ḥijāb 

Desde a década de 1920 até a década de 1970, o uso do que é muitas vezes referido como o “véu” – esse termo poderia significar qualquer coisa de um véu de rosto para um xale frouxamente coberto pela cabeça – declinou até que apenas uma minoria de mulheres muçulmanas fora do conservador As sociedades da península arabe ainda o usavam. [357]No entanto, nas últimas décadas tem havido um aumento no número de mulheres muçulmanas que usam novos tipos de revestimentos de cabeça que são conhecidos pela denominação genérica “ḥijāb”.

Este desenvolvimento foi criticado por motivos religiosos de vários ângulos:

1. Falta de validade bíblica . O academico franco-bósnio educado pela Sorbonne Jasna Šamić postulou que o termo “ḥijāb” não tem nenhuma conexão com o substantivo ou conceito de “lenço de cabeça”: “A expressão hijab no Alcorão significa” o véu que se esconde de Deus “. Em outras palavras, nunca se pode ver e conhecer a Deus, porque nosso intelecto é muito fraco [para compreendê-lo completamente] “. [358] Outros analistas apontaram que o verso Qu’rānic mais citado em defesa do ḥijāb (Sūrat al-Aḥzāb, 33:59 ) não menciona esse artigo de roupa; em vez disso, ele faz referência a um “vestido longo e transbordante”, que era o vestido tradicional no momento desta revelação. [359]

2. Falta de autenticidade histórica . Da mesma forma, observou-se que o ḥijāb como usado hoje é historicamente estranho ao mundo islâmico. citação necessária ] Isto é ilustrado por um incidente envolvendo Gamal Abdel Nasser . Durante seu governo como o 2º presidente do Egito (1956-1970), Nasser recebeu uma lista de demandas do líder supremo da Irmandade [muçulmana] como parte de um processo de reconciliação política. Esta lista incluiu “impor ḥijāb às mulheres muçulmanas”: “Os membros do público não entendiam o que significava a palavra” ḥijāb “. Quando Nasser explicou que a Irmandade queria que as mulheres egípcias usassem um lenço de cabeça, os membros da audiência explodiram a rir. ” [359] [ precisão necessária ]

3. Superficialidade . O surgimento do ḥijāb no final do século XX e início do século XXI tem sido criticado como “objetivação reversa”, pelo qual as mulheres são julgadas principalmente pelo que usam em oposição à sua conduta mais ampla como seres humanos, apesar de seu vestido ostensivamente modesto. A escritora singeense Sya Taha expressou o seguinte: “Em qualquer revista comercial dirigida a mulheres muçulmanas, compare o número de páginas dedicadas ao estilo hijab ou maquiagem com esporte, arte, música, trabalho humanitário ou ciência … Em contraste, muçulmanos as mulheres que não usam hijab são muitas vezes enquadradas como se devessem justificar e reconciliar como elas podem se identificar como mulheres muçulmanas “. [360]

4. Consumismo . Shelina Zahra Janmohamed , autor e vice-presidente da consultoria de marca Ogilvy Noor, advertiu que o surgimento da moda islâmica contemporânea, como exemplificado pelo ḥijāb, pode ser dominado pelo “consumismo e objetivação” da indústria da moda: “a moda muçulmana é balançando entre afirmar o direito de uma mulher muçulmana de ser belo e bem-sucedido, e comprar mais coisas do que você precisa e ser julgado pelas suas roupas – ambas são o oposto dos valores islâmicos “. [361]

5. Comercialismo e exploração . Finalmente, a preocupação de que o ḥijāb seja promovido por razões comerciais e não religiosas é viva. Por exemplo, o promotor do ” Dia Mundial do Hijab ” – um evento que começou em 2013 e que encoraja as mulheres não muçulmanas a experimentar ḥijābs – é um dono de uma empresa do lenço de cabeça de Bangladesh, que tipifica os problemas de conflito de interesse prevalentes . [359] Da mesma forma, a popularização do tudung ḥijāb na Malásia caracterizou-se como um exercício de “encaixar” em uma tendência que faz parte de uma indústria de vários bilhões de dólares. [362]Além disso, o fato de muitas dessas roupas de ḥijāb serem feitas por mulheres mal pagas (muitas vezes muçulmanas) em países em desenvolvimento contravem os preceitos de Qu’rānic de consumir sem abuso ( 2:60 ) ou oprimir outros ( 20:81 ). [360]

Efeito da globalização na costura das mulheres muçulmanas 

O aprofundamento da globalização resultou em uma série de desenvolvimentos relacionados com costumes de vestuário em países de maioria muçulmana. Em primeiro lugar, os pontos de venda a varejo para rótulos de moda ocidentais agora são comumente encontrados nos Estados membros da OCI: para dar apenas um exemplo, Calvin Klein tem lojas do centro comercial Citypark em Tirana, Albânia, para o shopping da Plaza Indonesia , em Jacarta. Em segundo lugar, marcas de moda especializadas em roupas modestas (particularmente, mas não exclusivamente, o hijab ou lenço de cabeça usado por algumas mulheres muçulmanas) surgiram em vários países da OCI e países observadores.

Em terceiro lugar, além das muitas escolas de moda já existentes no mundo islâmico, filiais de escolas internacionais de moda abriram em toda a OIC: mais notavelmente, a École supérieure des arts et techniques de mode ou ESMOD, com sede em Paris, tem roteiros em Beirute ( estabelecido em 1999), [363] Damascus (1995), [364] Dubai (2006), [365]Istambul (2010), [366] Kuala Lumpur (2012), [367] Jacarta (1996), [368] Sousse (1989) e Tunis (1989). [369] [370] Em quarto lugar, inúmeras semanas de moda foram inauguradas em muitos países com maioria muçulmana.

Em quinto lugar, o setor de mídia de moda dentro do mundo muçulmano, tanto da moda ocidental quanto islâmica, cresceu tremendamente a partir da década de 1990. As edições locais de revistas de Marie Claire para Cosmopolitan são agora publicadas em uma ampla gama de Estados membros da OCI, incluindo a Turquia, os Emirados Árabes Unidos, a Arábia Saudita, a Malásia e a Indonésia, enquanto as revistas de moda direcionadas especificamente a demogramas abertamente religiosos estão florescendo: o título turco Âlâ é supostamente superando tanto a Vogue quanto a Elle no mercado interno [371], enquanto o estilo Aquila tem uma suposta circulação total de 30.000 em três estados da ASEAN . [372]

O relatório 2014-15 da Thomson Reuters do Relatório da Economia Islâmica Global [373] prevê que as despesas com vestuário nos Estados membros da OCI chegarão a US $ 484 bilhões até 2019. [374]

Santuários e mesquitas 

Desde os primeiros séculos do Islã, os muçulmanos visitaram santuários e mesquitas para orar, meditar, pedir perdão, buscar curas de doenças e buscar graça – uma benção ou influência espiritual ( barakah ) enviada por Deus. [375] Algumas dessas estruturas têm o nome de mulheres.

A Virgem Maria

Meryemana ou parede de desejo na Casa da Virgem Maria em Éfeso, Turquia. Os desejos mais freqüentes dos peregrinos incluem aqueles para boa saúde, paz e felicidade. [376] Este site devocional é um dos muitos que é sagrado para cristãos e muçulmanos. [377]

A Virgem Maria (‘Maryam’ em árabe) tem uma posição particularmente exaltada dentro da tradição islâmica, exaltada como ela é por ser a mãe de Jesus, que os muçulmanos reverenciam como profeta. [378] Maryam é a única mulher mencionada pelo nome no texto sagrado do Islã; um capítulo inteiro ou sūra do Alcorão – o décimo nono, Sūrat Maryam – leva seu nome.

Conseqüentemente, a Virgem Maria é sinônimo de inúmeros locais sagrados na fé islâmica:

  1. A Casa da Virgem Maria perto de Selçuk, na Turquia. Este é um santuário freqüentado por cristãos e muçulmanos. É conhecido como Panaya Kapulu (“The Doorway to the Virgin”) em turco. Os peregrinos bebem água de uma mola sob a sua casa, que se acredita ter propriedades curativas. Talvez a característica mais distintiva do santuário seja a Mereyemana ou a parede de desejos em que os visitantes depositam seus desejos escritos; porque a Casa da Virgem Maria é cada vez mais famosa internacionalmente, essas mensagens são compostas em inglês, italiano, japonês, chinês, francês e espanhol, bem como turco. [379] [380]Uma estátua gigante da Virgem Maria – similar em dimensões à de Cristo Redentor no Rio de Janeiro – deve ser erguida nas imediações do santuário. [381] [382] [383]
  2. O Mosteiro da Virgem Maria na província de Giresun, na Turquia. Este é um dos mosteiros mais antigos da região e atua desde o século IV dC [384] [385]
  3. A Mesquita da Virgem Maria em Tartous, Síria. Isto foi inaugurado oficialmente em junho de 2015 como símbolo da paz e da tolerância religiosa. Antoine Deeb – o representante do Patriarcado Tartous e Lattakia – afirmou que nomear a mesquita após a Virgem Maria ‘mostra que o Islã e o Cristianismo compartilham as mensagens de paz e amor’. [386]
  4. A Mesquita da Virgem Maria em Melbourne, Austrália. [387]
  5. Medjugorje, Bósnia e Herzegovina. Este site está associado a uma série de aparições marianas previstas por um místico muçulmano com o nome de Hasan Shushud que foram relatados no final do século XX pelos católicos locais. [388]
  6. A Capela de Santa Cruz em Oran, Argélia. A torre da capela contém uma grande estátua da Virgem Maria, que é denominada Notre Dame du Salut de Santa Cruz . O historiador James McDougall observa em sua aclamada A History of Algeria (2017) que, até hoje, as mulheres de Oran “ainda escalam até a igreja, os colonos [franceses] construíram … em 1959, em Santa Cruz, para acender velas para lalla Maryam , a Virgem cuja estátua ainda parece benignamente sobre a sua cidade a partir do topo da montanha. ” [389]

Hala Sultan 

Hala Sultan Tekke , Larnaca, Chipre. Este site antigo é reverenciado porque contém o local de enterro da tia paterna do Profeta Muamam Hala Sultan (Umm Haram em árabe), embora outros estudiosos acreditassem que ela era de fato a enfermeira mojada de Muḥammad. [390] [391]

Segundo a lenda, o Sultão de Hala morreu depois de cair de sua mula e quebrando o pescoço durante as primeiras incursões árabes em Chipre em torno de 647 dC. Na mesma noite, um poder divino supostamente colocou três pedras gigantes onde ela estava deitada. Em 1760, o túmulo de Hala Sultan foi descoberto pelo xeque Hasan; Ele começou a espalhar a palavra sobre seus poderes de cura, e um túmulo foi construído lá. [390] O complexo – que compreende uma mesquita, um mausoléu, um minarete, um cemitério e uma habitação para homens e mulheres – foi construído em sua forma atual, enquanto a ilha ainda estava sob o domínio otomano e completou em 1816. [390]

De acordo com o arqueólogo Tuncer Bağışkan, durante o período otomano em Chipre, os navios com bandeira otomana costumavam voar suas bandeiras a meio mastro quando nas margens de Larnaca e saudar Hala Sultan com tiros de canhão. [392]

Este tekke também é notável por ser o sepultamento da avó do falecido rei Hussein da Jordânia. [390]

Sayeda Zainab 

A neta de Muḥammad é a padroeira do Cairo, a maior cidade do mundo árabe e um centro cultural regional. Ela também tem as seguintes mesquitas nomeadas para ela:

  1. A mesquita de Sayeda Zainab no Cairo, no Egito. A estrutura original foi construída em 1549; a mesquita moderna remonta a 1884. [393] Em 1898, a praça em frente à mesquita também tomou o nome dela. [394] A mesquita foi expandida em 1942 e renovada em 1999 após um terremoto sete anos antes. [395] Há uma festa anual dedicada a Sayeda Zainab que celebra seu nascimento; A celebração caracteriza o turbilhão místico extático dentro do santuário, enquanto lá fora, há atrações do recinto de feiras, como os passeios de gaúchas. [395] [396] Historicamente, os cafés em torno da praça e da mesquita eram lugares onde alguns escritores e jornalistas mais notáveis ​​do Egito se encontraram e trocaram ideias. [395]Há um santuário de prata notável dentro da mesquita. [397] De acordo com a tradição muçulmana sunita, esta mesquita abriga o túmulo de Sayeda Zainab.
  2. A Mesquita Sayeda Zainab na cidade de Sayeda Zainab, um subúrbio do sul de Damasco, na Síria. De acordo com a tradição muçulmana xiita, é de fato essa mesquita que contém o túmulo da neta de Muḥammad. Tem sido um destino de peregrinação em massa para muçulmanos desde a década de 1980. A cúpula é dourada.

Fātimah al-Ma’sūmah 

Fātimah al-Ma’sūmah era a irmã do oitavo Imam e a filha do sétimo Imam no Shī’ism “Twelver”. Seu santuário – localizado em Qom, uma cidade que é um dos mais importantes centros de teologia Shī’ah. Durante a dinastia Safavid , as mulheres desta família foram muito ativas em embellecer o Santuário de Fátima Masumeh. Em tempos de guerra, as mulheres reais de Safavid encontraram refúgio em Qom, e provavelmente compararam sua situação com a de Fátima Masumeh. [398]

Rabi’āh al-‘Adawiyyah 

Um dos santos mais famosos do Islã, Rabi’āh al-‘Adawiyyah (‘Rabi’āh’) exaltava o caminho de maḥabbah (‘amor divino’) e uns (‘Intimidade com Deus’). Seus ditos místicos são conhecidos por sua dureza e clareza; alguns se tornaram provérbios em todo o mundo islâmico. A famosa mesquita no Cairo, no Egito, que é nomeada na honra de Rabi’hh, é notável por ser o funeral do ex-presidente egípcio Anwar Sadat. A mesquita foi gravemente danificada durante o conflito pós-militar de 2013 no Egito. [399] Desde então foi reconstruído.

Ruqayyah bint Ali 

Ruqayyah bint Ali era a nora do primo e do genro do Profeta Muḥammad ‘Alī ibn Abī Ṭālib. A lenda diz que o mausoléu de Bibi Pak Daman (que é “o artista casto”), localizado em Lahore, no Paquistão, com o nome dela não contém apenas a sua sepultura, mas as de outras cinco mulheres da casa de Muḥammad. Essas mulheres estavam entre as mulheres mais importantes que levaram o Islã ao sul da Ásia. Dizem que essas senhoras vieram aqui após o evento da batalha de Karbala no dia 10 do mês de Muharramem 61 AH (10 de outubro, CE 680). Bibi Pak Daman, que significa a “dama casta”, é o nome coletivo das seis damas que se acredita enterrar neste mausoléu, embora também seja (erroneamente) popularmente usado para se referir à personagem de Ruqayyah bint Ali sozinho. Eles estavam entre as mulheres que levaram o Islã ao sul da Ásia , pregando e participando de atividades missionárias nos arredores de Lahore. Diz-se que Data Ganj Bakhsh , considerado um grande sátiro sufí do sul da Ásia , foi ele mesmo um devoto do santuário de Bibi Pak Daman e recebeu o conhecimento sagrado desse santuário auspicioso. [400]

Vida religiosa 

Uma mesquita somente para mulheres em Byblos , no Líbano .

De acordo com um ditado atribuído a Muhammad no hadith Sahih Bukhari, as mulheres podem ir às mesquitas. [401] No entanto, à medida que o Islã se espalhou, as autoridades muçulmanas enfatizaram os receios da falta de fraqueza da interação entre os sexos fora de sua casa, incluindo a mesquita. No período pré-moderno, era incomum que as mulheres orassem em uma mesquita. [402] No final da década de 1960, as mulheres nas áreas urbanas do Oriente Médio começaram cada vez mais a orar na mesquita, mas homens e mulheres geralmente adoram separadamente. [403] (Os muçulmanos explicam isso citando a necessidade de evitar a distração durante as prostrações de oração que elevam as nádegas enquanto a testa toca o chão. [404]) A separação entre os sexos varia entre homens e mulheres em lados opostos de um corredor, para homens na frente das mulheres (como era o caso em Muhammad), para mulheres em varandas do segundo andar ou salas separadas acessíveis por uma porta para mulheres só. [404] As mulheres no estado de impureza ritual, como a menstruação, são proibidas de entrar na sala de oração da mesquita. [405]

Os estudiosos religiosos femininos eram relativamente comuns da história islâmica no início do século XVI. [406] Mohammad Akram Nadwi , um erudito religioso sunita, listou 8 mil juristas e o orientalista Ignaz Goldziher estima que 15% dos eruditos do hadith medieval eram mulheres. [407] As mulheres, durante a história inicial do Islã, obtiveram principalmente seus conhecimentos através de grupos de estudo comunitários, retiros de ribat e durante hajjquando as restrições usuais impostas à educação feminina eram mais indulgentes. [408] No entanto, após o século 16, as feministas se tornaram menos. [407]Na era moderna, enquanto mulheres activistas e escritoras são relativamente comuns, não existe um jurista feminino significativo em mais de 200 anos. [409] Existem oportunidades para a educação religiosa das mulheres, mas as barreiras culturais geralmente impedem as mulheres de perseguirem essa vocação. [407]

O direito das mulheres de se tornar imã , no entanto, é disputado por muitos. Um papel fundamental de um imam (líder religioso) em uma mesquita é liderar o salat (orações congregacionais). Geralmente, as mulheres não têm permissão para liderar orações misturadas. No entanto, alguns argumentam que Muhammad deu permissão a Ume Warqa para liderar uma oração mista na mesquita de Dar. [410] [411]

As mulheres de Hui são conscientes de sua relativa liberdade como mulheres chinesas em contraste com o status de mulheres árabes em países como a Arábia Saudita, onde as mulheres árabes são restritas e forçadas a usar roupas abrangentes. As mulheres de Hui ressaltam essas restrições como “status baixo” e se sentem melhores para serem chineses do que serem árabes, alegando que é o conhecimento avançado das mulheres chinesas sobre o Alcorão, o que lhes permite ter igualdade entre homens e mulheres. [412]

Místicos feministas sufis 

O Islam Sufi ensina a doutrina do tariqa , o que significa seguir um caminho espiritual nos hábitos de vida diária. Para apoiar os seguidores deste conceito, foram criadas instituições separadas para homens ( ta’ifa, hizb, rabita ) e mulheres ( khanqa, rabita, derga ). Os iniciados a estes grupos prosseguiram uma progressão de sete estágios de disciplina espiritual, chamados makamat (estações) ou ahwal (estados espirituais). [413]

Rabiah al-Basri é uma figura importante no misticismo islâmico chamado Sufismo . Ela manteve a doutrina do “amor desinteressado de Deus”. [414]

Estudantes religiosos femininos atuais 

Há uma série de estudiosos islâmicos femininos proeminentes. Eles geralmente se concentram em questionar interpretações baseadas no gênero do Alcorão , as tradições de Muhammad e a história islâmica primitiva. Algumas estudiosas notáveis ​​das muçulmanas são: Azizah al-Hibri , Amina Wadud , Fátima Mernissi , Riffat Hassan , Laila Ahmad, Amatul Rahman Omar, [415] Farhat Hashmi , Aisha Abdul-Rahman e Merryl Wyn Davies . [416]

Política 

Uma colagem de eleitores de mulheres muçulmanas nos anos 2010de diferentes países, como Argélia, Síria, Paquistão, Jordânia, Egito e Irã.

Benazir Bhutto foi a primeira eleita chefe de Estado em um país de maioria muçulmana, servindo como primeiro ministro do Paquistão duas vezes (1988-1990, 1993-1996). Apesar de liderar o Partido do Povo do Paquistão de centro-esquerda , seu segundo mandato foi associado a políticas neoliberais. Um líder carismático que foi apelidado de “Iron Lady”, [417], seu assassinato em dezembro de 2007 foi simbólico da descida do início do século XXI no Paquistão em instabilidade crônica. [418] Numerosas estruturas paquistanesas – incluindo o primeiro aeroporto internacional em Islamabade universidades múltiplas – foram nomeadas em sua homenagem.

Khaleda Zia . 2ª chefe de governo feminina no mundo muçulmano que assumiu o cargo em 1991, iniciou a cadeia de sucessoras que tornaria Bangladesh o país que teve a mais longa liderança do governo feminino contínuo.

As moedas emitidas durante a regra de Razia Sultana . Ela herdou e governou o Sultanato de Deli por 3 anos no início do século 13. [419]

Muitos estudiosos islâmicos clássicos, como al-Tabari , apoiaram a liderança feminina. [420] No início da história islâmica, mulheres, incluindo Aisha, Ume Warqa e Samra Binte Wahaib participaram de atividades políticas. [410] Abdurrahman ibn ‘Awf consultou mulheres em seus aposentos quando ele foi acusado de escolher’ Uthman ou Ali como o terceiro califado depois da morte de Umar . [421] O califa Umar nomeou Samra Bint Nuhayk Al-Asadiyya como inspetor de mercado em Mecca e Ash-Shifa bint Abdullah como administrador em Medina. Ash-Shifa mais tarde se tornaria o chefe de Saúde e Segurança em Basra , no Iraque. [422] Outras líderes muçulmanas muçulmanas históricas incluem Shajarat ad-Durr , que governou o Egito de 1250 a 1257, [423] Razia Sultana , que governou o Sultanato de Deli de 1236 a 1239, [419] [424] e Taj ul-Alam , que governou Aceh Sultanate de 1641 a 1675.

Este recorde histórico contrasta marcadamente com a das nações de maioria chinesa (predominantemente taoísta e budista), onde não havia mulheres governantes no período entre o reinado da feroz imperatriz Wu Zetian na virada do século VIII (690-705), e a inauguração de Tsai Ing-wen como presidente da República da China em 2016. [425]

Dar al-Ifta al-Misriyyah , um instituto islâmico que aconselha o ministério da Justiça do Egito, disse que as mulheres podem ser governantes e juízes em um estado islâmico. [426]

Chefe de Estado em países muçulmanos da maioria durante a era moderna 

Na era moderna, o Paquistão tornou-se o primeiro estado muçulmano com um chefe de governo eleito (1988). [427] Atualmente, Bangladesh é o país que teve as mulheres como chefe de governo continuamente o mais longo começando com Khaleda Zia em 1991.

Nas últimas décadas, vários países em que os muçulmanos são maioria, incluindo a Indonésia (Presidente Megawati Sukarnoputri , 2001), [428] Kosovo (Presidente Atifete Jahjaga , 2011), [429] Paquistão, [430] Bangladesh (principal Ministros Begum Khaleda Zia (1991-1996, 2001-2009) e Sheikh Hasina (1996-2001, 2009-presente) e Líder da Oposição Rowshan Ershad e Presidente da Câmara Shirin Sharmin Chaudhury (2013-presente) e Vice-Líder da Casa Syeda Sajeda Chowdhury (2009-presente)), [431] Turquia(Primeiro Ministro Tansu Çiller , 1993), [432] e Quirguistão (Presidente Roza Otunbayeva , 2010) foram liderados por mulheres; [433] A Maurícia, que tem uma importante minoria muçulmana, elegeu uma muçulmana feminina como presidente ( Ameenah Gurib ) em 2015. [434] Em um estágio na década de 1990, mais de 300 milhões de muçulmanos – naquele momento, entre um terço e um um quarto da população islâmica inteira do mundo – foram simultaneamente governados por mulheres quando os chefes de estado eleitos Tansu Çiller (o 22o primeiro-ministro da Turquia), Khaleda Zia (o primeiro-ministro do Bangladesh) e Benazir Bhutto (11o primeiro ministro do Paquistão) lideraram seus respectivos países. [435]

Legisladores femininos em países de maioria muçulmana no século 21 

Além dos chefes de Estado eleitos, vários outros políticos femininos eleitos alcançaram níveis excepcionais de notabilidade dentro da OCI no século XXI. Estes incluem Louisa Hanoune , chefe do Partido dos Trabalhadores da Argélia e a primeira mulher a ser candidata presidencial em um país árabe (2004; Hanoune também postou o mesmo cargo em 2009 e 2014); [436] [437] Susi Pudjiastuti , Ministro dos Assuntos Marítimos e Pescas da Indonésia (2014-2019), que também é um empreendedor de frutos do mar e de transporte bem sucedido, que foi perfilado no Financial Times; [438] e Meral Akşener, um veterano político nacionalista conservador turco que é visto como um possível futuro desafiante para o presidente Recep Tayyip Erdoğan. [439]

Vários países de maioria muçulmana aprovaram leis para incorporar mais mulheres nos seus parlamentos e processos políticos. Por exemplo, a Indonésia aprovou uma lei em 2013 que exigia que os partidos políticos ocupassem pelo menos 30% das mulheres candidatas nas eleições ou pagassem uma penalidade financeira, uma lei que foi posteriormente modificada para estipular que pelo menos um em cada três candidatos na lista eleitoral de cada partido deve ser feminino e as partes que não cumprem este critério serão impedidas de contestar a eleição; [440] [441] [442] As listas eleitorais mandatadas pela Tunísia compõem 50% de mulheres nas eleições legislativas de 2011 e 2014; [443] [444] e em 2012, a Argélia estabeleceu um requisito mínimo de adesão feminina parlamentar de 30%.[445]Após as eleições legislativas de maio de 2012, as mulheres constituem 31,6% dos deputados argelinos. [445] No Senegal, 50% das listas eleitorais locais e nacionais devem ser femininas a partir de 2012. [446] [447] O Kosovo teve uma quota feminina para a sua montagem já em 2001, quando foi de jureparte de a República Federativa da Jugoslávia; [448], a maioria muçulmana (95,6%) da república dos Bálcãs garante às mulheres 30% dos assentos parlamentares a partir de 2016. [449]

Em 2012, entre todas as regiões do mundo, a região árabe do Golfo apresentou a percentagem global mais baixa de mulheres no parlamento e nenhuma mulher nos parlamentos da Arábia Saudita e do Catar. [450] No entanto, desde 2012, as mulheres sauditas têm permissão para votar em algumas eleições. [451] [452] O Conselho Shura da Arábia Saudita inclui agora membros femininos após um decreto de janeiro de 2013 pelo rei saudita que criou assentos parlamentares reservados para as mulheres. [453] O Kuwait concedeu às mulheres o direito de voto na primeira metade da década de 1980; [454] este direito foi rescindido e reintroduzido em 2005. [455] Além disso, os Emirados Árabes Unidos atribuíram 30% dos seus principais cargos governamentais às mulheres;[456]Em fevereiro de 2016, as mulheres representavam 27,5% do gabinete dos Emirados Árabes Unidos. [457]

De acordo com Sheikh Zoubir Bouchikhi, Imam da Sociedade Islâmica da Mesquita do Sudeste do Grande Houston, nada no Islã especificamente permite ou não permite o voto das mulheres. [458] Até recentemente, a maioria das nações muçulmanas não era democrática, mas a maioria hoje permite que seus cidadãos tenham algum nível de votação e controle sobre seu governo. No entanto, alguns países muçulmanos deram o sufragio feminino no início do século XX. Por exemplo, o Azerbaijão alargou os direitos de voto às mulheres em 1918, [459] dois anos antes de se tornar parte da União Soviética. As mulheres na Turquia ganharam similarmente o direito de voto nas eleições municipais e parlamentares em 1930 e 1934, respectivamente. [460] [461]

Esporte 

Medalhistas de Taekwondo nos Jogos Olímpicos de 2016, incluindo duas mulheres muçulmanas hijabi.

Na concepção islâmica, todo ser humano tem uma responsabilidade em relação a si mesmo. Uma vez que a vida humana é sagrada e inicialmente criada por uma agência divina e não humana, as pessoas são responsáveis ​​por tentar manter seus corpos e almas saudáveis ​​e não causar danos físicos ou espirituais. [462] Conseqüentemente, o esporte tem atrações óbvias no Islã: as tradições registram que Muḥammad correu com sua esposa ‘ā’ishah, e que incentivou os pais a ensinar seus filhos a nadar, cavalgar e tiro ao arco. [463] As miniaturas persas mostram as mulheres muçulmanas jogando polo junto com homens no mesmo campo. [463] No século XXI, alguns sociólogos muçulmanos ainda argumentam que deveria ser obrigatório que mulheres muçulmanas participassem de algum tipo de esporte. [464]

Jogador de voleibol turco Hatice Gizem Örge

As mulheres muçulmanas alcançaram um sucesso significativo nas arenas atléticas. Na segunda década do século XXI, o voleibol do clube feminino passou a ser dominado por equipes do estado membro da OCI, Turquia, que venceu cinco das sete edições da Liga dos Campeões Femininos da CEV de 2010 a 2011 até 2016-2017 . [465] A equipe turca de voleibol feminino feminino também teve um sucesso significativo no século XXI, conquistando a medalha de ouro nos Jogos inaugural da Europa em 2015. [466] Nobres jogadores de tenis femininos da OCI e seus países observadores e candidatos incluem Dinara Safina, que alcançou o codiciado ranking mundial número um em 2009 e (com Marat Safin) é metade do único par irmão-irmão para ambos alcançar o ranking número 1; Sania Mirza , a primeira embaixadora da ONU para a Boa Vontade das Nações Unidas para o Sul da Ásia, que foi o melhor jogador de singles feminino da Índia há dez anos (2003-2013); e o indonésio Yayuk Basuki , que ganhou quatro medalhas de ouro nos Jogos Asiáticos nos anos 1980 e 1990. O futebol feminino aumentou significativamente o seu perfil no bloco OIC no século XXI. Um número de futebolistas muçulmanos tem sido ou são jogadores atualmente proeminentes para várias equipes nacionais da UEFA na Europa Ocidental, incluindo Fatmire Alushi , Louisa Nécib e Kosovare Asllani .

Ao mesmo tempo, muitas mulheres muçulmanas experimentam barreiras significativas à participação nos esportes. Essas barreiras incluem proibições no lenço islâmico, comumente conhecido como o hijab, barreiras culturais e familiares, e a falta de programas e instalações esportivas adequadas. [467] Muitas atletas femininas muçulmanas superaram esses obstáculos e usaram esportes para fortalecer a si próprios e outros, como por meio da educação, saúde e bem-estar, e um impulso para os direitos das mulheres. [468] [469] [470]

Comparação com outras religiões 

Desde o início, o islamismo teve contato e convivência com outras religiões mundiais importantes, e esse fenômeno se intensificou à medida que a religião transcendia suas origens árabes para se espalhar por uma ampla área geográfica: da região adriática, onde o catolicismo e o cristianismo ortodoxo oriental, ao hinduísmo – e massas de terra dominadas pelo budismo da Índia e do Sudeste Asiático, as populações muçulmanas influenciaram e foram influenciadas pelas tradições espirituais preexistentes que encontraram. Exemplos proeminentes desses processos incluem a filosofia sincretista de dīn-i-ilāhī (“religião de Deus”), uma amálgama de várias religiões inventadas pelo imperador Akbar (1542-1605) que foi praticada no tribunal mogol na Índia;[471]o cripto-cristianismo do Kosovo, um sistema de crenças que criou uma tradição de famílias católicas e muçulmanas conjuntas que persistiram no século XX; [472] e Pancasila , a filosofia fundacional oficial do estado indonésio moderno, que se baseia nas crenças indígenas, bem como nas tradições hindu, cristãs e islâmicas.

No século XXI, uma série de novos fatores facilitaram a comparação das tradições espirituais – e o lugar das mulheres dentro delas – a um nível sem precedentes. Estes incluem: (i) uma nova onda de globalização tecnológica, que eliminou as fronteiras comunicacionais; (ii) o advento da viagem aérea internacional de massa barata, que aumentou enormemente a exposição das pessoas a outras culturas; e (iii) a internacionalização do ensino superior, pelo qual estudantes e estudiosos estão gastando cada vez mais tempo em países com diferentes composições demográficas religiosas.

Não obstante estes desenvolvimentos, comparar a posição das mulheres no islamismo com a das mulheres em outras tradições de fé é complicada pelos seguintes determinantes:

  1. Extensão geográfica e cultural . Dado que o mundo muçulmano engloba estados tão diversos quanto a Albânia, Mali e Cazaquistão, diversas interpretações de textos como o Alcorão são inevitáveis, embora haja também grandes áreas de concordância entre as escolas ortodoxas do pensamento islâmico, tanto sunitas quanto shi ‘ uma. A prevalência de costumes culturais, às vezes atribuídos ao islamismo, que, na melhor das hipóteses, tem uma base bíblica tênue (e, de fato, pode ser diametralmente oposta aos ensinamentos da religião) é outro elemento que precisa ser reconhecido.
  2. Diferenças acadêmicas . Ao analisar o Islã em geral e o tema das mulheres no Islã em particular, as opiniões de estudiosos e comentaristas são profundamente moldadas por certas lentes culturais. Aqueles que vêm de uma base ocidental, como o escritor nascido na Suíça Charles le Gai Eaton , tendem a comparar e contrastar o Islã com o cristianismo; Eaton concluiu que o islamismo, com certas qualificações importantes, era “essencialmente patriarcal”. Por outro lado, aqueles que vêm de um aspecto do Leste Asiático tendem a enfatizar as semelhanças entre o islamismo e as religiões, como o taoísmo, que destacam a complementaridade entre os sexos: de acordo com o estudioso japonês Sachiko Murata, era obrigatório para ela usar o I Chingcomo um meio de “[conceitualizar] ensinamentos islâmicos sobre o princípio feminino sem violentar os textos originais”. [473]
  3. Distorções políticas . A força histórica de várias políticas lideradas pelos muçulmanos – que, ao contrário de outras entidades não-ocidentais comparáveis, como a China e o Japão, eram adjacentes à Europa “cristã” e / ou percebidas como concorrentes com as potências ocidentais – significava que a questão das mulheres No Islã nem sempre foi abordado objetivamente por aqueles que professam experiência no assunto. Isso pode ser visto como parte do discurso acadêmico ” orientalista ” (conforme definido por Edward Said ) que cria uma rígida dicotomia leste-oeste em que valores dinâmicos e positivos são atribuídos à civilização ocidental; em contraste, as sociedades “orientais” (incluindo, entre outras, não limitadas a islâmicas) são retratadas como “estacionárias” e precisam de “modernização”[474]

O papel de Eve no Outono 

Em contraste com o relato bíblico da Queda , na tradição islâmica Eve (Ḥawwā) não tentou Adam (Ādam) a comer o fruto proibido; Em vez disso, eles foram tentados juntos pelo Diabo. Isso significa que Eve não foi a causa da expulsão de Adão do paraíso: ele também era responsável e, portanto, homens e mulheres são confrontados igualmente com suas conseqüências. Isso tem uma série de implicações importantes para a compreensão islâmica da feminilidade e dos papéis das mulheres na vida religiosa e social. [475] Por um lado, no Islã, as mulheres não são vistas como uma fonte do mal como resultado da queda. [476]

Além disso, a declaração bíblica de que Eve foi criada a partir da costela de Adam (a famosa “terceira costela”) não encontra eco no relato do Alcorão: homens e mulheres foram criados “de uma alma” ( Srara 4: 1 ). [476] Do mesmo modo, o conceito de que (conforme Gênesis 3:16 ) as dores do parto são um castigo pelo pecado de Eva é estranho ao Alcorão. [476]

A Virgem Maria 

A Virgem Maria (Maryām) é considerada pelo Alcorão para manter a posição espiritual mais exaltada entre as mulheres. Um capítulo do Qur’an ( Sūrat Maryam , o décimo nono sura) é nomeado após ela, e ela é a única mulher mencionada pelo nome da sagrada escritura do Islã; Maryām é mencionado mais vezes no Alcorão do que no Novo Testamento. [477] Além disso, o nascimento milagroso de Cristo de uma mãe virgem é reconhecido no Alcorão. [478]

Poligamia 

No mundo ocidental, a poligamia tem sido associada ao islamismo há muito tempo. A idéia do Islã como – para citar o Professor Akbar S. Ahmed – algum tipo de “paraíso do homem”, com cada homem que possui pelo menos quatro esposas, permanece poderoso. [479]

Mulheres nobres no Islã 

Santos, estudiosos e professores espirituais 

As mulheres desempenharam um papel fundamental no desenvolvimento e na vida espiritual do Islã desde o início da civilização islâmica no século VII dC. Khadijah , uma empresária que se tornou empregadora de Muhammad e primeira esposa [480] também foi a primeira muçulmana. [481] Houve um grande número de mulheres santos em todo o mundo islâmico abrangendo as mais altas classes sociais (um exemplo famoso sendo a Princesa Jahānārā, a filha do imperador Moghul Shāh Jahān) e a mais baixa (como Lallā Mīmūna em Marrocos); [482] alguns deles, como Rābi’a de Basra (que é citado reverentemente no clássico de Muḥammad al-Ghazālī The Revival of Religious Sciences) e Fāṭima de Córdoba (que influenciaram profundamente o jovem Ibn ‘Arabī) foram fundamentais para a conceptualização do misticismo islâmico. [482]

Hoje, algumas personalidades notáveis ​​do mundo islâmico incluem a professora sueca turca Cemalnur Sargut – um discípulo do romancista e místico Samiha Ayverdi (1905-1993), [483] Amatul Rahman Omar, a primeira mulher a traduzir o Alcorão para o inglês , [484] e Shaykha Fariha al Jerrahi, o guia da Ordem Sufi Nur Ashki Jerrahi. [485]

Conversas femininas para o Islã 

Conversas femininas recentes recentes para o Islã incluem o ex- veterano alemão MTV VJ e autor Kristiane Backer , [486] cantor americano e ícone cultural Janet Jackson, [487]modelo malaio Felixia Yeap , [488] malaio VJ Marion Caunter, modelo checo Markéta Kořínková, [ 489], o modelo belga e a ex-candidata da Miss Bélgica, Lindsey van Gele, [490] e a atriz Karina ‘Kerry’ Demirci, do modelo lituano; [491] o modelo sérvio e designer de moda Ivana Sert declarou sua intenção de se tornar muçulmano em 2014 depois que ela leu o Alcorão em inglês. [492]Novas mulheres recentes nascidas em uma família muçulmana que se tornaram ateas ou convertidas em outra religião incluem a feminista holandesa Ayaan Hirsi Ali , [493] a escritora de Bangladesh Taslima Nasrin , [494] A atriz indiana Nakhat Khan e o ativista direito das mulheres iranianas e americanas Parvin Darabi . [495] [496] A atriz turca, autor e modelo (Miss Turquia 2001) Tuğçe Kazaz converteu-se do Islã para o cristianismo ortodoxo oriental em 2005 e depois converteu-se para o Islã em 2008. [497]

As mulheres constituem uma proporção desproporcionalmente grande ou crescente de convertidos para o Islã em vários países ocidentais. De acordo com pesquisadores da Universidade de Swansea, das aproximadamente 100 mil pessoas que entraram na fé muçulmana no Reino Unido entre 2001 e 2011, 75% eram mulheres. [498] Nos Estados Unidos, mais mulheres hispânicas se convertem ao islamismo do que homens hispânicos; [499] a participação das conversas femininas no Islã nos EUA subiu de 32% em 2000 para 41% em 2011. [500] As mulheres jovens constituem cerca de 80% dos convertidos para o Islã na Lituânia. [501]De acordo com Susanne Leuenberger, do Instituto de Estudos Avançados em Ciências Humanas e Ciências Sociais da Universidade de Berna, as mulheres representam cerca de 60 a 70% das conversões ao islamismo na Europa. [502]

Moderno debate sobre o status das mulheres no Islã 

Dentro da comunidade muçulmana, os conservadores e as feministas islâmicas usaram a doutrina islâmica como base para a discussão dos direitos das mulheres, recorrendo ao Quran , ao hadith e à vida de mulheres proeminentes no período inicial da história muçulmana como evidência. [503] Onde os conservadores viram evidências de que as assimetrias de gênero existentes são divinamente ordenadas, as feministas viram ideais mais igualitários no Islão primitivo. [503] Ainda outros argumentaram que este discurso é essencialista e ahistórico, e pediu que a doutrina islâmica não seja a única estrutura dentro da qual a discussão ocorre. [503]

Conservadores e o movimento islâmico 

Os conservadores rejeitam a afirmação de que leis diferentes prescritas para homens e mulheres implicam que os homens são mais valiosos que as mulheres. Ali ibn Musa Al-reza argumentou que, no momento do casamento, um homem tem que pagar algo à sua futura noiva e que os homens são responsáveis ​​tanto pelas suas esposas quanto pelas suas próprias despesas, mas as mulheres não têm essa responsabilidade. [504]

O nebuloso movimento revivalista denominado islamismo é um dos movimentos mais dinâmicos do islamismo nos séculos XX e XXI. A experiência das mulheres nos estados islâmicos tem variado. As mulheres no Afeganistão controlado pelo Taliban enfrentaram tratamento condenado pela comunidade internacional. [505] [506] As mulheres foram forçadas a usar a burqa em público, [507] não conseguiram trabalhar, [508] não podem ser educadas após a idade de oito anos [509] e enfrentaram flagelação pública e execução por violações de as leis do Taliban. [510] [511] A posição das mulheres no Irã, que tem sido teocraciaDesde a sua revolução de 1979 , é mais complexo. Os islâmicos iranianos são ideologicamente a favor de permitir que as legisladoras femininas no parlamento iraniano [512] e 60% dos estudantes universitários sejam mulheres. [513]

Islã liberal, feminismo islâmico e outras críticas progressivas 

Os muçulmanos liberais pediram que ijtihad , uma forma de pensamento crítico, seja usado para desenvolver uma forma mais progressiva do islamismo em relação ao status das mulheres. [514] Além disso, as feministas islâmicas defenderam os direitos das mulheres , a igualdade de gênero e a justiça social fundamentada em um quadro islâmico. Embora enraizados no islamismo, os pioneiros do feminismo islâmico também usaram discursos feministas seculares e ocidentais e procuraram incluir o feminismo islâmico no movimento feminista global maior. As feministas islâmicas procuram destacar os ensinamentos da igualdade no Islã para questionar as interpretações patriarcais dos ensinamentos islâmicos. [515]Outros destacam a incrível quantidade de flexibilidade da lei da sharia , que pode oferecer maiores proteções para as mulheres se a vontade política de fazê-lo estiver presente. [516] [517]

Após os ataques de 11 de setembro de 2001, a atenção internacional foi focada na condição de mulheres no mundo muçulmano. [518] [519] Os críticos afirmam que as mulheres não são tratadas como membros iguais das sociedades muçulmanas [520] [521] e criticaram as sociedades muçulmanas por tolerarem esse tratamento. [520] Alguns críticos chegaram a fazer alegações de apartheid de gênero devido ao status das mulheres. [522] [523] Phyllis Chesler alegou que os acadêmicos ocidentais, especialmente as feministas, ignoraram o sofrimento das mulheres muçulmanas para serem considerados politicamente corretos . [524]No entanto, uma pesquisa em 2006 descobriu que a maioria das mulheres muçulmanas não se vêem oprimidas. [525]

O professor islâmico indonésio, Nasaruddin Umar, está na vanguarda de um movimento de reforma dentro do Islã que visa dar às mulheres o mesmo status. Entre os seus trabalhos está um livro The Qur’an for Women , que oferece uma nova interpretação feminista. citação necessária ]

Algumas mulheres muçulmanas expostas ao crescimento dos direitos civis acessíveis a mulheres seculares ou não muçulmanas protestaram para fortalecer seus próprios direitos nas comunidades islâmicas. Um exemplo é a Malásia, onde 60% da população é muçulmana e onde existem sistemas jurídicos paralelos separados para a lei secular e a lei da sharia . Em 2006, Marina Mahathir, filha do ex-primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad , publicou um editorial na Malásia Estrela jornal para denunciar o que ela chamou de “uma forma crescente de apartheid” para as mulheres muçulmanas da Malásia:

As mulheres não-muçulmanas da Malásia se beneficiaram de leis mais progressivas ao longo dos anos, enquanto o contrário aconteceu para as mulheres muçulmanas.

Ela ressaltou que a poligamia era ilegal na Malásia para os não-muçulmanos, mas não para os muçulmanos, e que os arranjos de custódia da criança para os muçulmanos eram tendenciosos em relação aos pais em oposição aos arranjos de custódia compartilhada dos pais não muçulmanos. [526] Os grupos de mulheres na Malásia começou a fazer campanha na década de 1990 para ter sexo feminino sharia juízes nomeados para o sharia sistema legal no país, e em 2010 duas juízas foram nomeados. [527]

Em março de 2016, um tribunal australiano determinou que os arranjos de assentos masculinos e femininos separados violavam a seção 33 da Lei antidiscriminação NSW. O Tribunal ordenou que todos os materiais de publicidade futuros para eventos públicos organizados por Hizb ut-Tahrir devem informar claramente os participantes que segregar os arranjos de assentos não são obrigatórios. [528] [529] [530]

Mulheres no Budismo

O Guan Yin do Mar do Sul de Sanya é a maior estátua de uma mulher do mundo.

As mulheres no budismo são um tópico que pode ser abordado a partir de variadas perspectivas, incluindo a teologia , a história , a antropologia e o feminismo . Os interesses tópicos incluem o status teológico das mulheres, o tratamento das mulheres nas sociedades budistas em casa e em público, a história das mulheres no budismo e uma comparação das experiências das mulheres em diferentes formas de budismo. Como em outras religiões , as experiências das mulheres budistas variaram consideravelmente.

Estudiosos como Bernard Faure e Miranda Shaw estão de acordo em que os estudos budistas estão em sua infância em termos de questões de gênero . Shaw deu uma visão geral da situação em 1994:

No caso do budismo indo-tibetano, alguns progressos foram feitos nas áreas das mulheres no início do budismo, monaquismo e Budismo Mahayana. Dois artigos abordaram seriamente o assunto das mulheres no budismo tantrico indiano, enquanto um pouco mais de atenção foi dada às freiras tibetanas e lay ioginis. [1]

No entanto, Khandro Rinpoche , uma lama feminina no budismo tibetano , minimiza o significado de uma crescente atenção ao tema:

Quando há uma conversa sobre mulheres e budismo, percebi que as pessoas muitas vezes consideram o tema como algo novo e diferente. Eles acreditam que as mulheres no budismo se tornaram um assunto importante porque vivemos nos tempos modernos e tantas mulheres estão praticando o Dharma agora. No entanto, este não é o caso. A sangha feminina esteve aqui há séculos. Não estamos trazendo algo novo para uma tradição de 2.500 anos. As raízes estão lá, e nós simplesmente estamos re-energizando-os. [2]

Mulheres no Budismo Antigo 

O fundador do budismo, Gautama Buda , permitiu que as mulheres se juntassem a sua comunidade monástica e participassem plenamente, embora existisse certos privilégios ou garudhammas . Como Susan Murcott comenta: “A sangha da freira foi uma experiência radical para o seu tempo”. [3] Dr. Mettanando Bhikkhu diz do primeiro conselho budista :

Talvez Mahakassappa e os bhikkhus daquela época estivessem com ciúmes dos bhikkhunis sendo mais populares e fazendo mais ensinamentos e trabalho social do que os bhikkhus. Seu preconceito anti-mulher tornou-se institucionalizado naquela época com os oito garudhammas, as oito restrições de peso. Devemos interromper esse preconceito. [4]

Segundo Ajahn Sujato, “de fato, como acredito que a situação histórica deixa claro, os garudhammas foram impostas pelos monges às freiras, exatamente pelas mesmas razões que os Cinco Pontos : controlar as freiras”. [5]

De acordo com Diana Paul, a visão tradicional das mulheres no Budismo primitivo é que elas são inferiores. [6] Rita Gross concorda que “uma cepa misógina é encontrada no início do budismo indiano. Mas a presença de algumas doutrinas claramente misóginas não significa que todo o budismo indiano antigo fosse misógino”. [7] A mistura de atitudes positivas com a feminilidade com um sentimento descaradamente negativo levou muitos escritores a caracterizar a atitude do budismo anterior às mulheres como profundamente ambivalente. [8]

Alguns comentaristas sobre o Aganna-Sutta do Canon Pāli , um registro dos ensinamentos de Gautama Buddha, interpretam isso como mostrando as mulheres como responsáveis ​​pela queda da raça humana. No entanto, a interpretação budista é geralmente que mostra luxúria em geral, ao invés de mulheres, como causando a queda. [9]

No entanto, apesar de algumas imagens menos positivas de mulheres no Budismo primitivo , também existem exemplos no Theravada Sutta Pitaka que sugerem que o próprio conceito de diferenciação de gênero pode servir como um obstáculo para alcançar o nirvana ou o esclarecimento . Por exemplo, na Bhikkhuni-samyutta , [10] encontrados no Sagatha-vagga do Samyutta Nikaya , a discriminação de gênero é indicado para ser o trabalho de Mara , a personificação da tentação do caminho espiritual budista. No Soma Sutta, o bhikkhuniSoma afirma: “Quem pensa” eu sou uma mulher “ou” um homem “ou” Eu sou alguma coisa? ” – é isso que Mara se encaixa “, [11] ligando a neutralidade de gênero ao conceito budista de anatta , ou” não-eu “, uma estratégia que o Buda ensinou para a libertação do sofrimento. [12] Em um sutta intitulado “Bondage”, o Buda afirma que, quando um homem ou uma mulher se apega à identidade de gênero, essa pessoa está presa. [13]

Capacidade espiritual das mulheres 

As várias escolas e tradições dentro do budismo possuem opiniões diferentes sobre as possibilidades de realização espiritual das mulheres . [14] Os estudiosos feministas também observaram que mesmo quando o potencial de uma mulher para a realização espiritual é reconhecido, os registros de tais conquistas podem não ser mantidos – ou podem ser obscurecidos por linguagem neutra em termos de gênero ou falsa tradução de fontes originais por estudiosos ocidentais.

Limitações sobre as conquistas das mulheres no budismo 

De acordo com Bernard Faure, “Como a maioria dos discursos clericais , o budismo é, de fato, implacavelmente misógino , mas, no que diz respeito aos discursos misóginos, é um dos mais flexíveis e abertos à multiplicidade e à contradição”. [15]

Na tradição budista, as posições do poder aparentemente mundano são muitas vezes um reflexo das conquistas espirituais do indivíduo. Por exemplo, qualquer deus está vivendo em reinos superiores do que um ser humano e, portanto, tem um certo nível de realização espiritual. Cakravartins e Budas também são mais espiritualmente avançados do que um ser humano comum. No entanto, como a religiosa taiwanesa Heng-Ching Shih afirma, as mulheres no budismo devem ter cinco obstáculos, ou seja, ser incapaz de se tornar um rei Brahma, Sakra , Mara , Cakravartin ou Buda. [14] Isto é baseado na afirmação de Gautama Buddha noBahudhātuka-sutta do Majjhima Nikaya no Canon Pali que é impossível que uma mulher seja “o perfeitamente legítimo Iluminado”, “o Monarca Universal”, “o Rei dos Deuses”, “o Rei da Morte” ou “Brahmaa” “. [16] No entanto, é importante notar que o texto correspondente no Madhyama Agama não inclui essas linhas, levando alguns estudiosos a especular se as linhas foram uma revisão posterior. [17] Limitações anteriores sobre a conquista da Budeidade por mulheres foram abolidas no Sutra do Lótus, que abriram o caminho direto para o esclarecimento das mulheres igualmente para os homens.Nichiren “” Somente no Sutra do Ló, nós lemos que uma mulher que abraça esse sutra não só supera todas as outras mulheres, mas supera todos os homens “. [19]

Mulheres e Budeidade 

Embora os primeiros textos budistas , como a seção Cullavagga do Vinaya Pitaka do Canon Pali, contenham declarações de Gautama Buddha , fundador do budismo, falando ao fato de que uma mulher pode alcançar a iluminação [20] , também está claramente indicado na Bahudhātuka -sutta que nunca poderia haver uma Buda feminina .

No budismo Theravada , a escola moderna baseada na filosofia budista dos primeiros textos datados, a Budeidade é um evento raro. O foco da prática é principalmente alcançar Arhatship e o Canon Pali tem exemplos de Arhats masculinos e femininos que alcançaram o nirvana . Yasodharā , a ex-esposa de Buddha Shakyamuni , mãe de seu filho Rahula , teria se tornado um arhat depois de ter se juntado à ordem Bhikkhuni das freiras budistas. Nas escolas do Mahayana , a Budeidade é o objetivo universal para os praticantes de Mahayana. oMahayana sutras sustenta que uma mulher pode se tornar esclarecida, apenas não na forma feminina. Por exemplo, o Bodhisattvabhūmi , datado do século IV, afirma que uma mulher próxima a alcançar a iluminação renascerá na forma masculina. Segundo Miranda Shaw, “essa crença teve implicações negativas para as mulheres na medida em que comunicou a insuficiência do corpo feminino como um lugar de iluminação”. [21]

No budismo Theravada, é impossível que uma mulher seja um bodhisattva, que é alguém a caminho da Budeidade. Bodhisattva pode ser humano, animal, serpente ou um deus, mas nunca é uma mulher. A Theravada não nega que as mulheres se despertem, mas não conseguem liderar uma comunidade budista. Se a aspiração à Budeidade foi feita e um Buda do tempo o confirma, é impossível renascer como mulher. Um objetivo apropriado é que as mulheres aspirem a renascer como homens. Eles podem se tornar um homem por ações morais e aspiração sincera à masculinidade. Nascer de uma mulher é resultado de um mau carma. [22]

No entanto, na iconografia tântrica do caminho de prática Vajrayana do budismo, as budas femininas aparecem. Às vezes, eles são os consortes do principal yidam de uma mandala de meditação, mas Budas como Vajrayogini , Tara e Simhamukha aparecem como as figuras centrais do sadhana tântrico por direito próprio. [21] O Budismo Vajrayana também reconhece muitos praticantes de iogini feminino como a realização da plena iluminação de um Buda , Miranda Shaw, como exemplo, cita fontes referentes a “Entre os estudantes do adepto Naropa, Supostamente duzentos homens e mil mulheres alcançou a iluminação completa”. [21] Yeshe Tsogyal , um dos cinco tântricos consortes [23] de Padmasambhava é um exemplo de uma mulher ( Yogini ) reconhecido como um Buda feminino na tradição Vajrayana. De acordo com a linhagem Karmapa, porém, Tsogyel atingiu a Budeidade naquela mesma vida. No site do Karmapa , chefe da escola Karma Kagyu do budismo tibetano , afirma-se que Yeshe Tsogyal – cerca de trinta anos antes de transcender a existência mundana – finalmente surgiu de um isoladoretiro de meditação , (c.796-805 dC), como “um Buda plenamente esclarecido” [24] (samyak-saṃbuddha) citação necessária ] .

Há predições do Buda Sakyamuni para ser encontrado no capítulo treze do Sutra do Líbano Mahayana , [25] referindo-se a futuras realizações de Mahapajapati e Yasodharā .

No século 20, Tenzin Palmo , uma freira budista tibetana na linhagem Drukpa da escola de Kagyu , declarou: “fiz um voto de alcançar o Iluminismo na forma feminina, independentemente de quantas vidas demore”. [26]

Feminino Tulku Lineages 

No século XV dC, a Princesa Chokyi-dronme (Wylie: Chos-kyi sgron-me ) foi reconhecida como a encarnação da divindade da meditação e do Buda feminino na tradição Vajrayana , Vajravarahi . Chokyi-dronme tornou-se conhecido como Samding DorjePhagmo (Wylie: bSam-lding rDo-rje phag-mo ) e começou uma linha de tulkus feminino , remascaram lamas . Atualmente, o duodécimo desta linha vive no Tibete.

Outra linhagem de tulku feminina, a de Shugseb Jetsun Rinpoche (Wylie: Shug-gseb rJe-btsun Rin-po-che ) (1865 – 1951), [27]começou no final do século XIX CE. [28] Enquanto ela recebeu ensinamentos de todas as escolas tibetanas, Shugseb Jetsun Rinpoche era particularmente conhecido por ter uma linhagem de Chöd , a prática de meditação de oferecer o próprio corpo para o benefício dos outros. [29] No início do século XX, Shugsheb Jetsun Rinpoche – também chamado Ani Lochen Chönyi Zangmo – fundou o convento de Shuksep ou Shugsep (Wylie: shug gseb ) localizado a trinta milhas de Lhasa nas encostas do Monte Gangri Thökar. [30] [31]Tornou-se um dos maiores e mais famosos convumes do Tibete. [27] Shugsep Nunnery, parte da escola Nyingma , foi restabelecido no exílio em Gambhir Ganj, na Índia. As freiras de Shugsep continuam suas práticas, incluindo Longchen Nyingtig e Chöd . [29]

Ordenação Budista das Mulheres 

Gautama Buda primeiro ordenou mulheres como freiras cinco anos depois de sua iluminação e cinco anos depois de ordenar os homens para a sangha . A primeira freira budista foi sua tia e mãe adotiva Mahapajapati Gotami . Bhikkhunis tem que seguir as oito regras de respeito, que são votos chamados The Oight Garudhammas . De acordo com Peter Harvey “A aparente hesitação do Buda sobre este assunto é uma reminiscência de sua hesitação sobre se ensinar,” algo que ele faz somente após a persuasão de vários devas . [32]A ordenação das mulheres no budismo é e sempre foi praticada em algumas regiões budistas, como a Ásia Oriental, está sendo revivida em alguns países, como o Sri Lanka , e está começando recentemente em alguns países ocidentais para os quais o budismo se espalhou recentemente, como os Estados Unidos.

Vida familiar no budismo 

No Anguttara Nikaya (5:33), Buda diz às futuras esposas que devem ser obedientes aos seus maridos, por favor, e não as irritar por seus próprios desejos. Além disso, o Buda oferece conselhos às mulheres casadas no Anguttara Nikaya (7:59; IV 91-94), do canon Pali (Theravada), onde ele conta sete tipos de esposas – os três primeiros tipos são destinados à infelicidade, enquanto os últimos quatro, como estão imbuídos de autocontrole a longo prazo, estão destinados a ser felizes. Estas últimas esposas são caracterizadas como cuidadoras (esposa maternal), companheiros (amiga-esposa) e submissas (esposa-irmã e escrava) – o Buda endossou assim uma variedade de tipos de esposas dentro do casamento.

De acordo com Diana Paul, o budismo herdou uma visão das mulheres, pelo que, se elas não são representadas como mães, elas são retratadas como sedutoras ou como encarnadas pelo mal. [6]

Maternidade 

O status da maternidade no budismo também refletiu tradicionalmente a perspectiva budista de que dukkha , ou sofrimento, é uma característica principal da existência humana. Em seu livro sobre a coleção Therigatha de histórias de mulheres arhats do Canon Pali , Susan Murcott afirma: “Embora este capítulo seja sobre maternidade, todas as histórias e poemas compartilham outro tema – tristeza. As mães deste capítulo foram motivadas para se tornar Freiras budistas por tristeza sobre a morte de seus filhos “. [33]

No entanto, a maternidade no Budismo Antigo também poderia ser uma atividade valorizada por direito próprio. A rainha Maya , a mãe de Gautama Buda , fundadora do budismo, teve um certo seguimento, especialmente em Lumbini , onde ela deu à luz. [34] Desde que Maya morreu alguns dias após seu nascimento, Gautama Buda foi criado por uma mãe adotiva , a irmã de sua mãe, Mahapajapati , que também tinha dois filhos. Ela se tornou a primeira freira budista. Ambos os filhos, o filho Nanda e a filha Sundari Nanda juntaram-se à sangha budista dos monásticos. A esposa de Gautama Buddha, Yasodhara, era a mãe de um filho chamado Rahula , que significa “fetter”, que se tornou um monge budista aos sete anos de idade e Yasodhara também se tornou uma freira.

Uma das atrações para as mulheres no Budismo Vajrayana de seguir o caminho de um yogini em vez de uma freira bhikkhuni foi a oportunidade de praticar em meio à vida familiar com marido ou consorte espiritual e possivelmente ter filhos. Além disso, as senhoras de Yoginis não eram obrigadas a raspar os cabelos. Machig Labdrön seguiu esse caminho, morando em um mosteiro por um tempo, mas depois deixou para se unir com Topabhadra como consorte. De acordo com o namthar de Machig, ele cuidava das crianças enquanto ela praticava e ensinava. Alguns dos filhos de Machig a seguiram no caminho espiritual, tornando-se os próprios yogas realizados. Tsultrim Allione, uma emanação reconhecida de Machig Labdron, ela mesma era uma freira por quatro anos, mas deixou casar e ter filhos. Ela falou sobre a contribuição que a maternidade fez para sua prática:

… no budismo, a imagem da mãe como personagem de compaixão é muito usada. Ela fará qualquer coisa pelas crianças. Como mãe, senti aquela profundidade de amor e compromisso e com alguém para quem eu realmente daria minha própria vida – era muito poderoso ter esse tipo de relacionamento. Eu também senti que na verdade não cresci até ter filhos. Havia formas em que a maturidade era exigida de mim e ter filhos trouxeram essa maturidade. Então, eu não diria que meus filhos eram uma inspiração no sentido do que eu pensava que teria sido uma inspiração espiritual antes de ter filhos. Mais, então, acho que cumprir os desafios da maternidade com o que aprendi tornou minha prática muito rica. [35]

Amor Romântico, Conduta Sexual e Casamento 

Em geral, “enquanto o budismo considera a vida monástica celibatária como o ideal superior, também reconhece a importância do casamento como instituição social”. [36] Algumas diretrizes para casamento são oferecidas. Embora a prática budista varie consideravelmente entre as suas várias escolas, o casamento é um dos poucos conceitos especificamente mencionados no contexto de Śīla , a formulação budista de facetas fundamentais da disciplina espiritual . O código fundamental da ética budista , The Five Precepts, contém uma advertência contra a má conduta sexual , embora o que constitui uma falta de conduta na perspectiva de um particularA escola do budismo varia muito dependendo da cultura local .

No Budismo Antigo , o Sigalovada Sutta do Digha Nikaya no Canon Pali descreve o respeito que se espera que dê ao seu cônjuge. No entanto, uma vez que o ideal do Budismo Antigo é a renúncia , pode ser visto a partir de exemplos como a história do monge Nanda e sua esposa Janapada Kalyāni de que lutar pela felicidade do Nirvana é valorizada acima do amor romântico e do casamento. Apesar de ter se casado com ela naquele dia, encorajada por seu primo Gautama Buddha , Nanda deixou sua esposa para se tornar um bhikkhu na Sangha Budista. Em histórias como esta do Canon Pali, o amor romântico é geralmente percebido como parte do apego ao samsara , o ciclo interminável do renascimento . [37] Susan Murcott apontou que as primeiras atitudes budistas contra o amor e o casamento romântico geralmente refletem os ideais brahmanes da Índia na época … incluindo o recente aumento do ideal da renúncia e o declínio associado ao status de amor e casamento romântico . [38]

No Budismo Vajrayana , uma relação sexual com um consorte é vista de forma técnica como sendo uma prática espiritual em anuttarayoga tantra destinada a permitir que os praticantes obtenham realizações e obtenham esclarecimentos . A união de consórcios tântricos é retratada na iconografia yab-yum de deidades de meditação .

Vistas de líderes religiosos 

Dalai Lama 

O Dalai Lama falou em uma conferência sobre Mulheres no Budismo na Universidade de Hamburgo em 2007:

A guerra tem sido tradicionalmente realizada principalmente por homens, pois eles parecem estar melhor equipados fisicamente para um comportamento agressivo. As mulheres, por outro lado, tendem a ser mais carinhosas e mais sensíveis ao desconforto e à dor dos outros. Embora homens e mulheres tenham os mesmos potenciais de agressão e calor, eles diferem em qual dos dois se manifesta mais facilmente. Assim, se a maioria dos líderes mundiais fossem mulheres, talvez haja menos perigo de guerra e mais cooperação com base na preocupação global – embora, é claro, algumas mulheres possam ser difíceis! Eu simpatizo com feministas, mas eles não devem meramente gritar. Eles devem exercer esforços para fazer contribuições positivas para a sociedade. [39]

Em 2009, no Museu Nacional de Direitos Civis em Memphis, Tennessee, ele disse: “Eu me chamo de feminista . Não é isso o que você chama de alguém que luta pelos direitos das mulheres ?” [40]

Ele também disse que, por natureza, as mulheres são mais compassivas “com base em sua biologia e habilidade para nutrir e nascer filhos”. Ele pediu às mulheres que “liderem e criem um mundo mais compassivo”, citando as boas obras de enfermeiras e mães. [41]

Em 2007, ele disse que o próximo Dalai Lama poderia ser uma mulher, observando: “Se uma mulher se revela como mais útil, o lama poderia muito bem ser reencarnado dessa forma”. [42]

Em 2010, ele declarou que “vinte ou trinta anos atrás”, ao discutir se uma mulher poderia ser um Dalai Lama no futuro, ele disse que sim, mas “eu também disse meio brincadeira que se a reencarnação do Dalai Lama for feminina, ela deve ser muito atraente. A razão é para que ela tenha mais influência sobre os outros. Se ela é uma fêmea feia, ela não será muito eficaz, será? ” [43]

Durante uma entrevista de 2014 com Larry King quando perguntado se ele pensava que nunca veríamos uma mulher do Dalai Lama, ele declarou “Sim! Isso é muito possível”. ele lembrou-se de contar um repórter em Paris há muitos anos que é possível mencionar que há algumas mulheres Lama na história namorando “… seis ou sete séculos atrás, então não é novidade”. Ele então se lembrou de brincadeira com o repórter: “Se a mulher do Dalai Lama vem, essa fêmea deve ser muito, muito atraente. [É] Mais útil” [44] [45]

Em 2015, ele repetiu essa anedota durante uma entrevista com a BBCsobre os refugiados. Quando perguntado se o Dalai Lama poderia ser uma mulher, ele responde “Sim”. Lembrando novamente uma entrevista em Paris sobre a possibilidade “Eu mencionei, Por que não? A fêmea biologicamente [tem] mais potencial para demonstrar carinho e compaixão … portanto, acho que as mulheres deveriam assumir um papel mais importante e então – eu disse à Repórter – se uma mulher virá, seu rosto deve ser muito, muito atraente “. O entrevistador, Clive Myrie, perguntou então se uma dama do sexo feminino Dalai Lama deve ser atraente, ele seguiu: “Quero dizer. Se a mulher do Dalai Lama vem, então essa fêmea deve ser atraente. Caso contrário, não há muito uso”. Myrie respondeu: “Você está brincando, estou assumindo. Ou você não está brincando?” para o qual o Dalai Lama insistiu: “Não é verdade!”. O Dalai Lama então apontou para o seu próprio rosto, afirmando que algumas pessoas acham que ele é muito atraente e continuou a rir. [46][47]

Feminismo budista 

O feminismo budista é um movimento que procura melhorar o status religioso, jurídico e social das mulheres dentro do budismo. É um aspecto da teologia feminista que procura avançar e compreender a igualdade dos homens e das mulheres de forma moralmente, social, espiritual e de liderança a partir de uma perspectiva budista. A feminista budista Rita Gross descreve o feminismo budista como “a prática radical da co-humanidade das mulheres e dos homens”. [48]

Budistas femininos bem conhecidos 

Celebridades 

  • Cheryl Boone Isaacs
  • Belinda Carlisle
  • Sabina Guzzanti
  • kd lang
  • Tina Turner

Theravadins 

  • Dipa Ma
  • Upasika Kee Nanayon
  • Chandra Khonnokyoong
  • Sharon Salzberg
  • Mya Thwin
  • Ilaichidevi Goenka

Tulkus budista tibetano e Emanações 

  • Dorje Pakmo
  • Khandro Rinpoche [49]
  • Tsultrim Allione
  • Jetsunma Ahkon Lhamo – mulher do oeste

Bolsistas budistas tibetanos 

  • Sarah Harding (lama)
  • Judith Simmer-Brown
  • Jan Willis
  • Vicki Mackenzie

Monjas budistas notáveis 

Jetsunma Tenzin Palmo na Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém, setembro de 2006.

Dhammananda Bhikkhuni .

Pema Chodron no Omega Institute, maio de 2007.

  • Buddhamitrā era uma religiosa budista que vivia na Índia durante o século I, que é lembrada por imagens do Buda que ela ergueu em três cidades perto do rio Ganges .
  • Cheng Yen é uma religião budista taiwanesa (bhikkhuni), professora e filantropo. Cheng Yen fundou a Fundação Tzu Chi do Alívio da Compaixão Budista, comumente conhecida como Tzu Chi.
  • Dhammananda Bhikkhuni , a primeira mulher tailandesa moderna a receber a ordenação completa como Theravada bhikkhuni e abadesa do Mosteiro Songdhammakalyani , o único templo na Tailândia, onde há bhikkhunis.
  • Jetsunma Tenzin Palmo é uma freira budista tibetana, autora, professora e fundadora do Nunnery Dongyu Gatsal Ling em Himachal Pradesh, na Índia. Ela passou doze anos vivendo em uma remota caverna no Himalaia, três daqueles anos em retiro de meditação rigoroso.
  • Pema Chödrön é uma religião budista tibetana ordenada, autor e professora. Realizou workshops, seminários e retiros de meditação na Europa, Austrália e em toda a América do Norte. Ela é residente e professora da Gampo Abbey, um mosteiro no rural Cape Breton, Nova Escócia, no Canadá.
  • Thubten Chodron é uma freira budista tibetana americana e uma figura central na restauração da ordenação tibetana Bhikshuni (Gelongma) das mulheres. Ela é estudante de HH XIV Dalai Lama, Tsenzhap Serkong Rinpoche, Thubten Zopa Rinpoche e outros mestres tibetanos.
  • Robina Courtin é uma freira budista australiana na tradição budista tibetana Gelugpa e linhagem de Lama Thubten Yeshe e Lama Zopa Rinpoche . Em 1996, ela fundou Liberation Prison Project, que funcionou até 2009. [50] [51]
  • Ani Choying Drolma é uma freira budista nepalês e músico do convento de Nagi Gompa no Nepal. Ela é conhecida no Nepal e em todo o mundo por trazer muitos cantos budistas tibetanos e músicas de festa para o público principal. Ela foi nomeada recentemente como embaixadora da Boa vontade da UNICEF no Nepal.
  • Ven. Yeshe Khadro trabalhou em funções de gerenciamento e ensino para muitos centros FPMT em todo o mundo. Nos últimos 15 anos, ela foi diretora da Karuna Hospice em Brisbane, Austrália . Em 2012, Yeshe Khadro foi nomeado um Companheiro Paul Harrispelo Rotary International “em apreciação da promoção de uma melhor compreensão e relações amigáveis ​​entre os povos do mundo”. [52]
  • Ayya ​​Khema era uma professora budista americana alemã e a primeira mulher ocidental a se tornar uma freira budista Theravadin . Ela era muito ativa no fornecimento de oportunidades para as mulheres praticarem o budismo fundando vários centros budistas em todo o mundo e coordenando a primeira Associação Internacional Sakyadhita de Mulheres Budistas . Mais de duas dúzias de livros de suas conversas de dhamma transcritas foram publicadas em várias línguas, e ela também publicou sua autobiografia I Give You My Life em 1997. [53]
  • Houn Jiyu-Kennett era um roshi britânico mais famoso por ter sido a primeira mulher a ser sancionada pela Escola Soto do Japão para ensinar no Ocidente. Ela fundou Shasta Abbey em Mt. Shasta, Califórnia.

Ordenação de mulheres

https://en.wikipedia.org/

Katharine Jefferts Schori foi eleita em 2006 como a primeira Bispo Presidente da história da Igreja Episcopal e também a primeira primaz do sexo feminino na Comunhão Anglicana. [1]

ordenação de mulheres para cargos ministeriais ou sacerdotais é uma prática cada vez mais comum entre alguns dos principais grupos religiosos da atualidade. Continua sendo uma questão controversa em certas denominações cristãs em que a ” ordenação ” (o processo pelo qual uma pessoa é entendida como consagrada e separada por Deus para a administração de vários ritos religiosos ) há quase 2.000 anos se limita apenas aos homens.

Em alguns casos, as mulheres foram autorizadas a ser ordenadas, mas não a ocupar cargos mais altos, como (até julho de 2014) a de bispo na Igreja da Inglaterra . [2] Onde as leis proíbem a discriminação sexual no emprego , muitas vezes são feitas exceções ao clero (por exemplo, nos Estados Unidos).

Antigas religiões pagãs 

Sumerios e Akkadia

Selo do cilindro (c. 2100 aC) representando deusas conduzindo machos mortais através de um rito religioso

  • Sumerian e Akkadian EN eram sacerdotisas de alto escalão, distinguidas por trajes cerimoniais especiais e com status igual aos sumos sacerdotes. Eles possuíam propriedades, negociavam negócios e iniciaram a cerimônia de hieros gamos com padres e reis. [3] Enheduanna (2285-2250 aC), uma princesa acadiana, foi o primeiro detentor conhecido do título “EN Sacerdotisa”. [4]
  • Ishtaritu eram prostitutas do templo, especializadas nas artes da dança, música e canto, e serviam nos templos de Ishtar . [5]
  • Puabi era um NIN , uma sacerdotisa acadiana de Ur no século 26 aC.
  • Nadītu serviu como sacerdotisa nos templos de Inanna, na antiga cidade de Uruk . Eles foram recrutados das famílias mais altas da terra e deveriam permanecer sem filhos; eles possuíam propriedades e negociavam negócios.
  • Nos textos épicos sumérios, como Enmerkar e o Senhor de Aratta , Nu-Gig eram sacerdotisas em templos dedicados a Inanna , ou podem ser uma referência à própria deusa . [6]
  • Qadishtu , hebraico Qedesha (קדשה) ou Kedeshah , [7] derivado da raiz QD-Š , [8] [9] são mencionados na Bíblia Hebraica como prostitutas sagradas geralmente associadas à deusa Asherah .

Egito antigo 

Sarcófago da sacerdotisa egípcia Iset-en-Kheb, dia 25 – 26ª dinastia (7o-6o século aC)

Na religião egípcia antiga , a esposa de Amon de Deus era a sacerdotisa de mais alto escalão ; este título foi mantido por uma filha do Sumo Sacerdote de Amon , durante o reinado de Hatshepsut , enquanto a capital do Egito esteve em Tebas durante o segundo milênio aC (cerca de 2160 aC).

Mais tarde, a Adoradora Divina de Amon foi um título criado para a sacerdotisa principal de Amon . Durante o primeiro milênio aC, quando o titular deste cargo exerceu sua maior medida de influência, sua posição era um compromisso importante, facilitando a transferência de poder de um faraó para o próximo, quando sua filha foi adotada para preenchê-lo pelo titular. . A Adoradora Divina dominava os extensos deveres e domínios do templo, controlando uma parte significativa da antiga economia egípcia.

Sacerdotisas egípcias antigas:

  • Gautseshen
  • Henutmehyt
  • Henuttawy
  • Hui
  • Eu coloco
  • Karomama Meritmut
  • Maatkare Mutemhat
  • Meritamen
  • Neferhetepes é a sacerdotisa mais antiga e atestada de Hathor . [10]
  • Neferure
  • Tabekenamun, uma sacerdotisa de Hathor , bem como uma sacerdotisa de Neith .

Grécia Antiga 

Figura feminina carregando uma tocha e um leitão para celebrar os ritos de Deméter e Perséfone (de Ática , 140–130 AEC)

Na religião grega antiga , algumas observações importantes, como a Thesmophoria , foram feitas por mulheres. As sacerdotisas tiveram um papel importante nos mistérios eleusinos . Os Gerarai eram sacerdotisas de Dionísio que presidiam festivais e rituais associados ao deus. Um corpo de sacerdotisas também pode manter o culto em um local sagrado em particular, como os Peleiades no oráculo de Dodona . Os Arrephoroi eram jovens de sete a doze anos que trabalhavam como servas de Athena Polias na Acrópole de Atenas e eram encarregadas de realizar rituais únicos.

Em vários locais, as sacerdotisas serviram como oráculos , o mais famoso dos quais é o Oráculo de Delfos . A sacerdotisa do templo de Apolo em Delfos era a Pitia , creditada em todo o mundo greco-romano por suas profecias , o que lhe dava um destaque incomum para uma mulher na Grécia antiga dominada por homens . A Sibila Frígia presidiu um oráculo de Apolo na Frígia da Anatólia . O discurso inspirado de adivinhar as mulheres, no entanto, foi interpretado por padres do sexo masculino; uma mulher pode ser uma louca (louva-a-deus)que se tornou o porta-voz de uma divindade através da possessão, mas a “profecia da interpretação” exigia conhecimento especializado e era considerada um processo racional adequado apenas ao “profeta” masculino ( profhētēs ). [11] [12]

Roma Antiga 

Virgo Vestalis Maxima , o mais alto ranking das Virgens Vestais

A palavra latina sacerdos , “padre”, é a mesma para os dois gêneros gramaticais . Na religião estatal romana , o sacerdócio das vestais era responsável pela continuidade e segurança de Roma, encarnada pelo fogo sagrado que eles não podiam deixar sair. As vestais eram um colégio de seis sacerdotes (plural) dedicado a Vesta , deusa da lareira, tanto o foco de uma casa particular ( domus ) quanto a lareira do estado que era o centro da religião comunitária . Livres das obrigações sociais habituais de casar e criar filhos, os Vestais fizeram um voto decastidade , a fim de dedicar-se ao estudo e à correta observância de rituais estatais que eram proibidos para as faculdades masculinas de padres. [13] Eles mantiveram sua autoridade religiosa até que o imperador cristão Graciano confiscou suas receitas [14] e seu sucessor Teodósio I fechou o Templo de Vesta permanentemente. [15]

The Romans also had at least two priesthoods that were each held jointly by a married couple, the rex and regina sacrorum, and the flamen and flaminica Dialis. The regina sacrorum (“queen of the sacred rites”) and the flaminica Dialis (high priestess of Jupiter) each had her own distinct duties and presided over public sacrifices, the regina on the first day of every month, and the flaminica every nundinal cycle (the Roman equivalent of a week). The highly public nature of these sacrifices, like the role of the Vestals, indicates that women’s religious activities in ancient Rome were not restricted to the private or domestic sphere.[16] So essential was the gender complement to these priesthoods that if the wife died, the husband had to give up his office. This is true of the flaminate, and probably true of the rex and regina.[16]

The title sacerdos was often specified in relation to a deity or temple,[16][17] such as a sacerdos Cereris or Cerealis, “priestess of Ceres”, an office never held by men.[18] Female sacerdotes played a leading role in the sanctuaries of Ceres and Proserpina in Rome and throughout Italy that observed so-called “Greek rite” (ritus graecus). This form of worship had spread from Sicily under Greek influence, and the Aventine cult of Ceres in Rome was headed by male priests.[19] Only women celebrated the rites of the Bona Dea(“Boa Deusa”), para quem os sacerdotes são registrados. [20]

Dedicação latina à deusa Isis Augusta de Lucretia Fida, sacerdos (sacerdote), da Roman Iberia [21]

A partir da República Central, a diversidade religiosa tornou-se cada vez mais característica da cidade de Roma. Muitas religiões que não faziam parte da religião estatal mais antiga de Roma ofereciam papéis de liderança como sacerdotes para mulheres, entre elas o culto importado de Ísis e a Magna Mater (“Grande Mãe”, ou Cibele ). Um epitáfio preserva o título sacerdos maxima para uma mulher que possuía o sacerdócio mais alto do templo de Magna Mater perto do local atual da Basílica de São Pedro . [22] Inscrições para as sacerdotisas imperiais de Juno Populonae de mulheres deificadas da família imperial . [16]

Sob algumas circunstâncias, quando cultos como as religiões de mistério eram introduzidos aos romanos, era preferível que fossem mantidos pelas mulheres. Embora fosse prática romana incorporar outras religiões em vez de tentar erradicá-las, [23] o sigilo de alguns cultos misteriosos era considerado com suspeita. Em 189 aC, o Senado tentou suprimir os Bacanal , alegando que os ritos secretos corromperam a moralidade e constituíam um centro de conspiração política. Uma disposição do decreto senatorial era que apenas as mulheres deviam servir como sacerdotes da religião dionisíaca , talvez para se proteger contra a politização do culto, [24] já que atéAs mulheres romanas que eram cidadãs não tinham o direito de votar ou ocupar cargos políticos. As sacerdotisas de Liber , o deus romano identificado com Dionísio , são mencionadas pelo estudioso do século I aC Varro , além de indicadas por evidências epigráficas. [16]

Outros títulos religiosos para as mulheres romanas incluem magistra , uma alta sacerdotisa, especialista em mulheres ou professora; e ministra , uma assistente do sexo feminino, particularmente uma que presta serviço a uma divindade. Uma magistra ou ministra teria sido responsável pela manutenção regular de um culto. Os epitáfios fornecem a principal evidência para esses sacerdócios, e a mulher geralmente não é identificada em termos de seu estado civil. [16] [17]

Hinduísmo 

Gargi Vachaknavi é uma das primeiras mulheres sábias conhecidas do período védico. Gargi compôs vários hinos que questionavam a origem de toda a existência. [25] [26] Ela é mencionada no sexto e oitavo brahmana de Brihadaranyaka Upanishad , onde o brahmayajna , um congresso filosófico organizado pelo rei Janaka de Videha é descrito, ela desafiou o sábio Yajnavalkya com perguntas perturbadoras sobre o atman (alma). . [27]

Bhairavi Brahmani é um guru de Sri Ramakrishna . Ela iniciou Ramakrishna no Tantra. Sob sua orientação, Ramakrishna passou por sessenta e quatro sadhanas tântricas principais, que foram concluídas em 1863. [28]

Em 2014, uma akhada só feminina (grupo de sadhus ) foi formada; acredita-se ser o primeiro grupo desse tipo na Índia. [29]

A missão Ramakrishna Sarada é a ordem monástica moderna do século XXI para as mulheres. A ordem foi conduzida sob a orientação dos monges Ramakrishna até 1959, quando se tornou totalmente independente. Atualmente, possui centros em várias partes da Índia e também em Sydney, na Austrália.

Existem dois tipos de sacerdotes hindus , purohits e pujaris . Tanto mulheres quanto homens são ordenados como puros e pujaris. [30] [31] Chanda Vyas , nascida no Quênia, foi a primeira sacerdote hindu da Grã-Bretanha. [32]

Além disso, homens e mulheres são gurus hindus . [33] Shakti Durga, anteriormente conhecida como Kim Fraser, foi a primeira guru da Austrália. [34]

Budismo 

Ani Pema Chodron , uma mulher americana que foi ordenada como bhikkhuni (uma freira budista totalmente ordenada) em uma linhagem do budismo tibetano em 1981. Pema Chödrön foi a primeira mulher americana a ser ordenada como monja budista na tradição budista tibetana. [35] [36]

A tradição da comunidade monástica ordenada no budismo (a sangha ) começou com o Buda, que estabeleceu uma ordem de monges. [37] Segundo as escrituras, [38] depois, após uma relutância inicial, ele também estabeleceu uma ordem de freiras. Freiras budistas totalmente ordenadas são chamadas bhikkhunis . [39] [40] Mahapajapati Gotami , tia e mãe adotiva de Buda, foi o primeiro bhikkhuni; ela foi ordenada no sexto século AEC [41] [41] [42]

Prajñādhara é o vigésimo sétimo patriarca indiano do budismo zen e acredita-se ter sido uma mulher. [43]

Na tradição mahayana durante o século XIII, os japoneses Mugai Nyodai se tornaram a primeira abadessa e, portanto, a primeira mestre zen ordenada . [44]

No entanto, a ordenação bhikkhuni, uma vez existente nos países onde o Theravada é mais difundido, desapareceu por volta do século 10, e a ordenação iniciante também desapareceu nesses países. Portanto, as mulheres que desejam viver como freiras nesses países devem fazê-lo seguindo oito ou dez preceitos. Nem leigas nem ordenadas formalmente, essas mulheres não recebem o reconhecimento, educação, apoio financeiro ou status de que os homens budistas desfrutam em seus países. Esses “detentores de preceitos” vivem na Birmânia, Camboja, Laos, Nepal e Tailândia. Em particular, o conselho de governo do budismo birmanês decidiu que não pode haver ordenação válida de mulheres nos tempos modernos, embora alguns monges birmaneses discordem. No entanto, em 2003, Saccavadi e Gunasari foram ordenados como bhikkhunis no Sri Lanka, tornando-se assim as primeiras novatas birmanesas nos tempos modernos a receber maior ordenação no Sri Lanka. [45] [46] O Japão é um caso especial, pois, embora não possua as ordenações bhikkhuni e iniciantes, as freiras portadoras de preceitos que moram lá desfrutam de um status mais alto e melhor educação do que suas irmãs portadoras de preceitos em outros lugares, e podem até tornar-se sacerdotes zen. [47] No Tibete, atualmente não existe uma ordenação bhikkhuni, mas o Dalai Lama autorizou os seguidores da tradição tibetana a serem ordenados freiras em tradições que possuem essa ordenação.

A ordenação bhikkhuni de freiras budistas sempre foi praticada no leste da Ásia. [48] Em 1996, pelos esforços da Sakyadhita , uma Associação Internacional de Mulheres Budistas, dez mulheres do Sri Lanka foram ordenadas como bhikkhunis em Sarnath, na Índia. [49] Além disso, a ordenação bhikkhuni de freiras budistas começou novamente no Sri Lanka em 1998, após um lapso de 900 anos. [50] Em 2003, Ayya Sudhamma se tornou a primeira mulher nascida nos EUA a receber a ordenação bhikkhuni no Sri Lanka. [40] Além disso, em 28 de fevereiro de 2003, Dhammananda Bhikkhuni , anteriormente conhecido como Chatsumarn Kabilsingh, tornou-se a primeira mulher tailandesa a receber a ordenação de bhikkhuni como Theravada.Freira (Theravada é uma escola de budismo). [51] Dhammananda Bhikkhuni foi ordenado no Sri Lanka. [52] A Venerável Voramai, mãe de Dhammananda Bhikkhuni , também chamada Ta Tao Fa Tzu, tornou-se a primeira mulher tailandesa totalmente ordenada na linhagem Mahayana em Taiwan em 1971. [53] [54]

Uma freira maechee de 8 preceitos budistas tailandeses de 55 anos de idade, Varanggana Vanavichayen, tornou-se a primeira mulher ordenada monge na Tailândia em 2002. [55] Desde então, o Senado tailandês revisou e revogou a lei secular. foi aprovada em 1928, proibindo a ordenação total das mulheres no budismo como inconstitucional por ser contrária às leis que protegem a liberdade de religião. No entanto, as duas principais ordens budistas Theravada da Tailândia, a Mahanikaya e a Dhammayutika Nikaya, ainda não aceitaram oficialmente mulheres totalmente ordenadas em suas fileiras.

Em 2009, na Austrália, quatro mulheres receberam a ordenação bhikkhuni como monjas Theravada, a primeira vez que essa ordenação ocorreu na Austrália. [56] Foi realizada em Perth, Austrália, em 22 de outubro de 2009 no mosteiro Bodhinyana. A abadessa Vayama, juntamente com os veneráveis ​​Nirodha, Seri e Hasapanna, foi ordenada como Bhikkhunis por um duplo ato sangha de Bhikkhus e Bhikkhunis, em total conformidade com o Pali Vinaya. [57]

Em 1997, o Dhamma Cetiya Vihara em Boston foi fundado pelo Ven. Gotami da Tailândia, então uma freira de 10 preceitos; quando recebeu a ordenação completa em 2000, sua residência se tornou o primeiro bhikkhuni vihara budista Theravada da América. Em 1998, Sherry Chayat, nascida no Brooklyn, tornou-se a primeira mulher americana a receber transmissão na escola de budismo Rinzai. [58] [59] [60] Em 2006, Merle Kodo Boyd , nascido no Texas, tornou-se a primeira mulher afro-americana a receber a transmissão do Dharma no zen-budismo. [61] Também em 2006, pela primeira vez na história americana, foi realizada uma ordenação budista onde uma mulher americana (irmã Khanti-Khema) fez os votos samaneri (iniciante) com um monge americano ( Bhante Vimalaramsi).) presidindo. Isso foi feito para a Tradição Florestal Budista Americana no Centro de Meditação Dhamma Sukha, no Missouri. [62] Em 2010, o primeiro convento budista tibetano na América (Vajra Dakini Nunnery em Vermont) foi oficialmente consagrado. Oferece ordenação iniciante e segue a linhagem Drikung Kagyu do budismo. O abade do convento Vajra Dakini é Khenmo Drolma, uma mulher americana, que é o primeiro bhikkhuni na Drikung Kagyu linhagem do budismo, tendo sido ordenado em Taiwan em 2002. [63] [64] Ela é também o primeiro ocidental, do sexo masculino ou fêmea, para ser instalado como abade na linhagem do budismo Drikung Kagyu , tendo sido instalado como abade do convento Vajra Dakini em 2004.[63] O convento de Vajra Dakini não segue Os Oito Garudhammas . [65] Também em 2010, no norte da Califórnia, quatro freiras novatas receberam a ordenação bhikkhuni completa na tradição tailandesa Theravada , que incluiu a cerimônia de dupla ordenação. Bhante Gunaratana e outros monges e freiras estavam presentes. Foi a primeira ordenação desse tipo no hemisfério ocidental. [66]No mês seguinte, mais ordenações bhikkhuni foram concluídas no sul da Califórnia, lideradas por Walpola Piyananda e outros monges e monjas. Os bhikkhunis ordenados no sul da Califórnia foram Lakshapathiye Samadhi (nascido no Sri Lanka), Cariyapanna, Susila, Sammasati (todos os três nascidos no Vietnã) e Uttamanyana (nascida em Mianmar). [67]

A primeira ordenação bhikkhuni na Alemanha, a ordenação Theravada bhikkhuni da freira alemã Samaneri Dhira, ocorreu em 21 de junho de 2015 em Anenja Vihara. [68]

A primeira ordenação Theravada de bhikkhunis na Indonésia após mais de mil anos ocorreu em 2015 em Wisma Kusalayani em Lembang, Bandung. [69] Entre os ordenados estavam Vajiradevi Sadhika Bhikkhuni da Indonésia, Medha Bhikkhuni do Sri Lanka, Anula Bhikkhuni do Japão, Santasukha Santamana Bhikkhuni do Vietnã, Sukhi Bhikkhuni e Sumangala Bhikkhuni da Malásia e Jenti Bhikkhuni da Austrália. [69]

Cristianismo 

Nas tradições litúrgicas do cristianismo , incluindo a Igreja Católica Romana , Leste e Oriental ortodoxia , o luteranismo e anglicanismo , o termo refere-se a ordenação mais estreitamente com os meios pelos quais uma pessoa está incluído em uma das ordens de bispos , padres ou diáconos . Isso se distingue do processo de consagração às ordens religiosas , como freiras e monges , abertas a mulheres e homens. Algumas denominações protestantes entendem a ordenação de maneira mais geral como a aceitação de uma pessoa para o trabalho pastoral.

Os historiadores Gary Macy, Kevin Madigan e Carolyn Osiek afirmam ter identificado casos documentados de mulheres ordenadas na Igreja Primitiva . [70] [71] A carta de Paulo aos romanos , escrita no primeiro século dC, menciona uma mulher diácona:

Recomendo a você nossa irmã Phoebe, diácono da igreja em Cenchreae.

-  Rom 16: 1, [72]

Como Clemente de Alexandria fez menção à referência de Paulo às diaconisas em 1 Timóteo 3:11, assim Orígenes comentou sobre Febe, o diácono que Paulo menciona em Romanos 16: 1-2:

“Este texto ensina com a autoridade do apóstolo que até as mulheres são diáconos instituídos na Igreja. Esta é a função que foi exercida na igreja de Cenchreae por Phoebe, que foi objeto de elogios e recomendações de Paulo… assim, este texto ensina ao mesmo tempo duas coisas: que existem, como já dissemos, mulheres diáconas na Igreja, e que mulheres que, por suas boas obras, merecem ser elogiadas pelo apóstolo, devem ser aceitas na Igreja. diaconato “. [73]

O Gregório Capadócio de Nazianzus escreveu a Gregório de Nissa, sobre Teosebia : “o orgulho da igreja, o ornamento de Cristo, o melhor de nossa geração, a liberdade de expressão das mulheres, Theosebia , a mais ilustre entre os irmãos, destacada em beleza de alma. Theosebia , verdadeiramente um personagem sacerdotal, colega de um sacerdote, igualmente honrado e digno dos grandes sacramentos. ” [74]

Em 494 dC, em resposta aos relatos de que as mulheres estavam servindo no altar no sul da Itália, o papa Gelasius I escreveu uma carta condenando a participação feminina na celebração da Eucaristia , um papel que ele acreditava ser reservado aos homens. [71]

A Reforma Protestante introduziu o dogma de que a autoridade da Bíblia excede a dos papas e de outras figuras da igreja. Uma vez que a hierarquia católica romana não era mais aceita como a única autoridade, algumas denominações permitiam que as mulheres pregassem. Por exemplo, George Fox fundou o movimento Quaker depois de descobrir, em 1646, a “luz interior” de Cristo vivendo no crente. [75] Ele acreditava que a luz interior funcionava tanto nas mulheres quanto nos homens, e disse:

E alguns homens podem dizer: o homem deve ter poder e superioridade sobre a mulher, porque Deus diz: “O homem deve governar sua esposa [Gn 3:16]; e esse homem não é da mulher, mas a mulher é de Deus. o homem [1 Cor 11: 8]. ” De fato, depois que o homem caiu, esse comando foi; mas antes que o homem caísse, não havia tal comando; pois ambos eram ajudantes [Gen 2: 18,20], e ambos deveriam ter domínio sobre tudo o que Deus criou [Gen 1: 26,28]. E como diz o apóstolo, “pois como a mulher é do homem”, suas próximas palavras são: “o mesmo se passa com a mulher; mas todas as coisas são de Deus [1 Cor 11:12]”. E assim o apóstolo limpa suas próprias palavras; e assim como o homem e a mulher são restaurados novamente, por Cristo à imagem de Deus [Col 3:10], ambos têm domínio novamente na justiça e santidade [Ef 4:24], e são ajudados a encontrar, como antes eles caíram.

-  George Fox, [76]

A ordenação de mulheres voltou a ser uma questão controversa nos últimos anos, com foco social nos movimentos de justiça social. Ainda assim, alguns cristãos quem? ] acreditam que, embora homens e mulheres sejam iguais, eles não são idênticos e, como as escrituras do Novo Testamento dividem a divisão entre papéis de homens e mulheres na igreja, seria inapropriado atribuir às mulheres o papel ou as responsabilidades de um pastor em uma igreja. igreja do novo testamento. Por exemplo, em referência ao anglicanismo , alguns anglo-católicos ou evangélicos , embora sejam teologicamente muito diferentes, podem compartilhar oposição à ordenação feminina. [77] Cristãos evangélicos que enfatizam oA infalibilidade da Bíblia baseia sua oposição à ordenação das mulheres, em parte nos escritos do apóstolo Paulo , como Efésios 5:23 , 1 Timóteo 2: 11-15 e 1 Timóteo 3: 1-7, que parece exigir liderança masculina na Igreja. Igreja. [78] Os católicos romanos e ortodoxos tradicionalistas podem aludir à escolha dos discípulos de Jesus Cristo como evidência de sua intenção de uma sucessão apostólica exclusivamente masculina , conforme estabelecido por escritores cristãos primitivos como Tertuliano e reiterado na Declaração do Vaticano de 1976 sobre a questão. da Admissão de Mulheres ao Sacerdócio Ministerial .[79]

Supporters of women’s ordination may point to the role of notable female figures in the Bible such as Phoebe, Junia (considered an apostle by Paul) and others in Romans 16:1, the female disciples of Jesus, and the women at the crucifixion who were the first witnesses to the Resurrection of Christ, as supporting evidence of the importance of women as leaders in the Early Church. They may also rely on exegetical interpretations of scriptural language related to gender.[78][80][81][82]

Comunidade de Cristo

A Comunidade de Cristo adotou a prática da ordenação de mulheres em 1984 [83], que foi uma das razões para o cisma entre a Comunidade de Cristo e o recém-formado movimento dos Ramos de Restauração , composto em grande parte por membros da igreja da Comunidade de Cristo. (então conhecida como igreja RLDS) que se recusou a aceitar esse desenvolvimento e outras mudanças doutrinárias que ocorreram durante esse mesmo período. Por exemplo, a Comunidade de Cristo também mudou o nome de um de seus escritórios do sacerdócio de evangelista-patriarca para evangelista, e seu sacramento associado, a bênção patriarcal, para a bênção do evangelista. Em 1998, Gail E. Mengel e Linda L. Booth se tornaram as duas primeiras apóstolas na Comunidade de Cristo.[84] Na Conferência Mundial da igreja de 2007, Becky L. Savage foi ordenada como a primeira mulher a servir na Primeira Presidência . [85] [86] Em 2013, Linda L. Booth se tornou a primeira mulher eleita para servir como presidente do Conselho dos Doze. [87]

Iglesia Filipina Independiente 

A Iglesia Filipina Independiente ou IFI ou a Igreja Independente das Filipinas é a Igreja Católica independente nas Filipinas fundada em 1902, que aprovou a ordenação de mulheres em 1996. Em 1997, ordenou sua primeira sacerdotisa na pessoa da Rev. Rosalina Rabaria. A partir de 2017, tinha 30 sacerdotes e 9 diáconas. Em 5 de maio de 2019, a IFI consagrou sua primeira bispo na pessoa da reverenda direita Emelyn G. Dacuycuy e a instalou como diocese de Batac, Ilocos Norte.

Segundo o Obispo Máximo XIII Rhee Timbang, a ordenação de mulheres permitiu que a igreja se tornasse mais relevante para o seu tempo e para a sociedade.

Testemunhas de Jeová 

As Testemunhas de Jeová consideram o batismo público qualificado para representar a ordenação do batizado , após o que ele ou ela é imediatamente considerado um ministro ordenado . Em 1941, a Suprema Corte de Vermont reconheceu a validade dessa ordenação para uma ministra das Testemunhas de Jeová. [88] A maioria das Testemunhas de Jeová que pregam ativamente de porta em porta é do sexo feminino. [89] [ precisa ser atualizada ] As mulheres são geralmente designadas como ministras de tempo integral, para evangelizar como ” pioneiras ” ou missionárias, ou para servir em seus escritórios . [90]

No entanto, os diáconos das Testemunhas de Jeová (” servos ministeriais “) e os anciãos devem ser homens, e somente um homem adulto batizado pode realizar o batismo, o funeral ou o casamento das Testemunhas de Jeová . [91] Dentro da congregação, uma ministra das Testemunhas de Jeová só pode liderar oração e ensino quando houver uma necessidade especial, e deve fazê-lo usando uma cobertura de cabeça . [92] [93] [94]

Santos dos Últimos Dias 

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias não ordena mulheres. [95] Alguns (principalmente ex-membros SUD D. Michael Quinn e Margaret Toscano ) argumentaram que a igreja ordenou mulheres no passado e que, portanto, a igreja atualmente tem o poder de ordenar mulheres e deve fazê-lo; [96] [97] no entanto, não há registros conhecidos de mulheres ordenadas ao sacerdócio. [98] As mulheres ocupam um lugar de destaque na igreja, incluindo seu trabalho na Sociedade de Socorro, que é uma das maiores e mais duradouras organizações de mulheres do mundo. [99]As mulheres servem, assim como os homens, em cargos não remunerados, envolvendo ensino, administração, serviço missionário, esforços humanitários e outras capacidades. [100] As mulheres costumam fazer orações e sermões durante os cultos de domingo. Ordain Women , um grupo ativista formado principalmente pela feminista Kate Kelly em março de 2013, apoia a extensão das ordenações do sacerdócio às mulheres. [101]

Liberal Católica 

De todas as igrejas do movimento católico liberal, apenas a igreja original, a Igreja Católica Liberal sob o bispo Graham Wale, não ordena mulheres. A posição mantida pela Igreja Católica Liberal é que a Igreja, mesmo que quisesse ordenar mulheres, não tem autoridade para fazê-lo e que não seria possível que uma mulher se tornasse sacerdote, mesmo que ela passasse pela ordenação. cerimônia. O raciocínio por trás dessa crença é que o corpo feminino não canaliza efetivamente as energias masculinas de Cristo, o verdadeiro ministro de todos os sacramentos. O sacerdote deve ser capaz de canalizar as energias de Cristo para confeccionar validamente o sacramento; portanto, o sexo do sacerdote é uma parte central da cerimônia, portanto todos os sacerdotes devem ser do sexo masculino. Ao discutir o sacramento das Ordens Sagradas em seu livroCiência dos Sacramentos . O segundo Bispo Presidente Leadbeater também opinou que as mulheres não podiam ser ordenadas; ele observou que Cristo não deixou indicação de que as mulheres podem se tornar sacerdotes e que somente Cristo pode mudar esse arranjo.

Ortodoxo 

A Igreja Ortodoxa segue uma linha de raciocínio semelhante à da Igreja Católica Romana com respeito à ordenação de bispos e padres, e não permite a ordenação de mulheres a essas ordens. [102]

Thomas Hopko e Evangelos Theodorou alegaram que as diáconas eram totalmente ordenadas na antiguidade. [103] KK Fitzgerald seguiu e ampliou a pesquisa de Theodorou. O Metropolitan Kallistos Ware escreveu: [104]

A ordem das diaconisas parece definitivamente ter sido considerada um ministério “ordenado” durante os primeiros séculos, pelo menos no Oriente cristão. … Alguns escritores ortodoxos consideram as diaconisas como tendo sido um ministério “leigo”. Existem fortes razões para rejeitar essa visão. No rito bizantino, o ofício litúrgico para imposição de mãos para a diaconisa é exatamente paralelo ao do diácono; e assim por diante lex orandi, lex credendi – a prática de adoração da Igreja é uma indicação certa de sua fé – segue-se que as diaconisas recebem, como o diácono, uma genuína ordenação sacramental: não apenas uma χειροθεσια (quirotésia), mas uma χειροθοσια (quirotonia).

Em 8 de outubro de 2004, o Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa da Grécia votou para permitir a nomeação de diaconisas monásticas, ou seja, mulheres para ministrar e ajudar na liturgia dentro de seus próprios mosteiros. O documento, no entanto, não usa o termo χειροτονία (ordenação), embora os ritos a serem usados ​​sejam ritos de ordenação do clero. [105] [106] [107] [108] Há uma forte tradição monástica, seguida por homens e mulheres na Igreja Ortodoxa, onde monges e freiras levam vidas espirituais idênticas. Diferentemente da vida religiosa católica de rito latino , que tem inúmeras tradições, tanto contemplativas quanto ativas (ver monges beneditinos e cistercienses , frades dominicanos ,Frades Franciscanos , Jesuítas ), o da Ortodoxia e do Oriente Cristão geralmente permaneceu exclusivamente ascético e monástico , confiando principalmente na tradição siríaca primitiva , nos Pais do Deserto e no Estado de São Bento de Núrsia.

Protestante

A key theological doctrine for Reformed and most other Protestants is the priesthood of all believers—a doctrine considered by them so important that it has been dubbed by some as “a clarion truth of Scripture”.[109]

Essa doutrina restaura a verdadeira dignidade e verdadeira integridade de todos os crentes, uma vez que ensina que todos os crentes são sacerdotes e que, como sacerdotes, devem servir a Deus – independentemente da vocação legítima que perseguem. Assim, não há vocação que seja mais “sagrada” que qualquer outra. Porque Cristo é o Senhor em todas as áreas da vida, e porque Sua palavra se aplica a todas as áreas da vida, em nenhum lugar Sua Palavra nem remotamente sugere que o ministério é “sagrado”, enquanto todas as outras vocações são “seculares”. As escrituras não conhecem distinção sagrado-secular. Toda a vida pertence a Deus. Toda a vida é sagrada. Todos os crentes são sacerdotes.

-  David Hagopian. Locais de Negociação: O Sacerdócio de Todos os Crentes . [109]

A maioria das denominações protestantes exige que pastores, ministros, diáconos e anciãos sejam formalmente ordenados. O primeiro reformador protestante Martin Bucer , por exemplo, citou Efésios 4 [Ef. 4: 11–13] e outras cartas paulinas em apoio a isso. [110] Embora o processo de ordenação varie entre as denominações e o escritório específico da igreja a ser realizado, pode ser necessário treinamento preparatório, como seminário ou faculdade bíblica, eleição pela congregação ou nomeação por uma autoridade superior e expectativas de um estilo de vida que requer um padrão mais alto. Por exemplo, a Tradução das Boas Novas de Tiago 3: 1diz: “Meus amigos, muitos de vocês não devem se tornar professores. Como você sabe, nós professores seremos julgados com maior rigor do que outros”. [111]

Uma pregadora Quaker e sua congregação.

Geralmente, esses papéis eram conservas masculinas. No entanto, os quakers ordenaram mulheres desde a sua fundação em meados do século XVII. [112] e o ministério das mulheres faz parte da tradição metodista na Grã-Bretanha há mais de 200 anos. No final do século XVIII, na Inglaterra, John Wesley permitia que mulheres ocupassem cargos e pregadoras. [113] O Exército da Salvação permitiu a ordenação de mulheres desde o início em 1865, embora tenha sido um assunto muito disputado entre William e Catherine Booth. [114] Os quarto, décimo terceiro e décimo nono generais do Exército de Salvação eram mulheres. [115]

Muitas denominações protestantes, como os batistas de livre arbítrio , estão comprometidas com o governo congregacional e reservam o poder de ordenar ministros às congregações locais. Por esse motivo, se não houver proibição em toda a denominação de ordenar mulheres, as congregações podem fazê-lo, enquanto outras congregações da mesma denominação podem não considerar fazer o mesmo. Uma pregadora notável da denominação Batista do Livre Arbítrio foi Clarissa Danforth , que se tornou a pastora do Batista Livre em Burrillville em 1817, após a morte de John Colby . [116]

No último século, um número crescente de denominações começou a ordenar mulheres. A Igreja da Inglaterra nomeou leitoras leigas durante a Primeira Guerra Mundial. Mais tarde, a Igreja Unida do Canadá em 1936 ( Lydia Emelie Gruchy ) e a Igreja Metodista Unida Americana em 1956 também começaram a ordenar mulheres. [117] [118] A primeira Moderadora do sexo feminino da Igreja Unida do Canadá – uma posição aberta a ministros e leigos – foi a Rev. Lois Miriam Wilson , que serviu de 1980 a 1982.

Em 1918, Alma Bridwell White , chefe da Igreja da Coluna de Fogo , tornou-se a primeira mulher a ser ordenada bispo nos Estados Unidos. [119] [120]

Hoje, mais da metade de todas as denominações protestantes americanas ordenam mulheres, [121] mas algumas restringem as posições oficiais que uma mulher pode ocupar. Por exemplo, algumas ordenam mulheres para a capelania militar ou hospitalar, mas as proíbem de servir em funções congregacionais. Mais de um terço de todos os alunos do seminário (e em alguns seminários quase a metade) são do sexo feminino. [122] [123]

As denominações protestantes que se recusam a ordenar mulheres geralmente o fazem com base nas escrituras do Novo Testamento que elas interpretam como proibindo as mulheres de cumprirem os papéis da igreja que exigem ordenação. [124] Uma consideração especialmente importante aqui é a maneira como 1 Timóteo 2:12 é traduzido e interpretado no Novo Testamento. [124] O debate sobre como melhor interpretar o versículo de 1 Timóteo é intenso e contínuo. Argumentos a respeito do contexto e das palavras gregas foram usados ​​contra a interpretação literal de alguns. [125] Um artigo do Christian Post usa interpretação literal e exegese para denunciar a ordenação de mulheres. [82]

Luteranismo 

A Igreja da Dinamarca se tornou o primeiro corpo luterano a ordenar mulheres em 1948. As maiores igrejas luteranas dos Estados Unidos e Canadá, a Igreja Evangélica Luterana da América (ELCA) e a Igreja Evangélica Luterana do Canadá (ELCIC), têm ordenado mulheres desde 1970. O Sínodo da Igreja Luterana do Missouri , que também abrange a Igreja Luterana do Canadá, não ordena mulheres; nem o Sínodo Evangélico Luterano de Wisconsin ou o Sínodo Evangélico Luterano .

Anglicana 

Em 1917, a Igreja da Inglaterra licenciou mulheres como leigas chamadas de mensageiros do bispo , muitas das quais administravam igrejas, mas não foram tão longe quanto para ordená-las.

De 1930 a 1978, o Grupo Anglicano de Ordenação de Mulheres ao Ministério Histórico promoveu a ordenação de mulheres na Igreja da Inglaterra . [126]

No anglicanismo, a maioria das províncias ordena as mulheres como diáconos e sacerdotes. [127]

As três primeiras mulheres ordenadas como sacerdotes na Comunhão Anglicana foram em Hong Kong : Li Tim-Oi em 1944 e Jane Hwang e Joyce M. Bennett em 1971.

Em 29 de julho de 1974, os bispos Daniel Corrigan , Robert L. DeWitt e Edward R. Welles, da Igreja Episcopal dos EUA , com o bispo Antonio Ramos, da Costa Rica, ordenaram onze mulheres como sacerdotes em uma cerimônia amplamente considerada “irregular” porque as mulheres careciam de “recomendação do comitê permanente”, um pré-requisito canônico para a ordenação. Os ” Philadelphia Eleven “, como ficaram conhecidos, foram Merrill Bittner, Alison Cheek , Alla Bozarth (Campell), Emily C. Hewitt , Carter Heyward , Suzanne R. Hiatt (d. 2002), Marie Moorefield, Jeannette Piccard (d. 1981), Betty Bone Schiess, Katrina Welles Swanson (m. 2006) e Nancy Hatch Wittig. [128] Inicialmente contra a Casa dos Bispos, as ordenações receberam aprovação da Convenção Geral da Igreja Episcopal em setembro de 1976. Esta Convenção Geral aprovou a ordenação de mulheres tanto para o sacerdócio quanto para o episcopado.

Reagindo à ação da Convenção Geral, clérigos e leigos que se opunham à ordenação de mulheres ao sacerdócio se reuniram em uma convenção no Congresso de St. Louis e tentaram formar uma igreja anglicana rival nos EUA e no Canadá. Apesar dos planos para uma igreja norte-americana unida, o resultado foi a divisão em várias igrejas anglicanas contínuas, que agora fazem parte do movimento anglicano continuado .

A primeira mulher a se tornar bispo na Comunhão Anglicana foi Barbara Harris , que foi eleita bispo sufragista na Diocese Episcopal de Massachusetts em 1988 e ordenada em 11 de fevereiro de 1989. A maioria das províncias anglicanas agora permite a ordenação de mulheres como bispos , [127] [129] e a partir de 2014, as mulheres serviram ou estão servindo como bispos nos Estados Unidos , Canadá , Nova Zelândia , Austrália , Irlanda , África do Sul , Índia do Sul , País de Gales e na Igreja Episcopal extra-provincial de Cuba .Libby Lane se tornou a primeira mulher a consagrar um bispo da Igreja da Inglaterra em 2015. [130] Ordenou 32 mulheres como suas primeiras sacerdotes em março de 1994. [131] Em 2015, Rachel Treweek foi consagrada como a primeira bispo diocesana em a Igreja da Inglaterra (diocese de Gloucester). [132] Ela e Sarah Mullally , bispo de Crediton, foram as primeiras mulheres a serem consagradas e ordenadas bispos na Catedral de Canterbury . [132] Também naquele ano, Treweek se tornou a primeira mulher a sentar-se na Câmara dos Lordes como Senhor Espiritual., tornando-a na época a mulher mais graduada da Igreja da Inglaterra. [133]

Em 18 de junho de 2006, a Igreja Episcopal tornou-se a primeira província anglicana a eleger uma mulher, a Rev. Rev. Katharine Jefferts Schori , como primata (líder de uma província anglicana), chamada de “Bispo Presidente” nos Estados Unidos. [134]

Metodismo 

As opiniões metodistas sobre a ordenação de mulheres no rito das ordens sagradas são diversas.

Hoje, algumas denominações metodistas praticam a ordenação de mulheres, como na Igreja Metodista Unida (UMC), na qual a ordenação de mulheres ocorre desde a sua criação em 1968, bem como na Igreja Metodista Livre (FMC), que ordenou sua primeira mulher idosa em 1911, [135] na Igreja Metodista da Grã-Bretanha , que ordenou sua primeira diácona em 1890 e ordenou suas primeiras anciãs (ou seja, presbíteros ) em 1974 [136] e na Conexão Metodista Wesleyana Allegheny , que ordenou sua primeira anciã em 1853 [137] , bem como aConexão Metodista Bíblica das Igrejas , que sempre ordenou mulheres ao presbiterado e ao diaconado. [138]

Outras denominações metodistas não ordenam mulheres, como a Igreja Metodista do Sul (SMC), Igreja Evangélica Metodista da América , Conferência Metodista Fundamental , Evangelical Wesleyan Church (EWC), e Primitive Methodist Church (PMC), os dois últimos dos quais não ordenar mulheres como anciãs nem as licenciar como pastoras ou pregadoras locais ; [139] [140] o EWC e o PMC, no entanto, consagram as mulheres como diaconisas . [139] [140] Paróquias metodistas independentes registradas na Associação de Metodistas Independentes não permita a ordenação de mulheres para ordens sagradas.

Sociedade Religiosa de Amigos 

Desde a sua fundação em meados do século XVII, os quakers permitiram que as mulheres pregassem. [141] Eles acreditavam que ambos os sexos são igualmente capazes de inspiração pelo Espírito Santo e, portanto, há uma tradição de mulheres pregadoras nas reuniões dos quacres desde seus primeiros dias. [142] Para ser um pregador, um Amigo tinha que obter reconhecimento por uma Reunião Quaking. No século dezoito, os ministros costumavam sentar-se na frente da casa de reuniões, com mulheres de um lado e homens do outro, todos na mesma plataforma elevada. [142]

As ministras eram ativas desde os primeiros dias. Em 1657, Mary Howgill , uma das Valiant Sixty (um dos primeiros grupos de pregadores quacres), repreendeu Oliver Cromwell por perseguir quacres, dizendo: “Quando você dá conta de todas essas ações que foram executadas por você, … como minha alma vive, essas coisas serão impostas à tua responsabilidade. ” [143] Mais tarde, em 1704, Esther Palmer, de Flushing, Long Island, e Susanna Freeborn, de Newport, Rhode Island, iniciaram uma jornada de 3.230 milhas por oito colônias da América do Norte, incluindo visitas para pregar na Pensilvânia, Maryland, Virgínia, e Carolina do Norte.

Outras pregadoras Quaker conhecidas foram Mary Lawson da Filadélfia, Mary Bannister de Londres, Inglaterra, Mary Ellerton de York, Inglaterra, Rachel Wilson da Virgínia, Catharine Payton da Pensilvânia, Ann Moore de Nova York, Susanna Hatton de Delaware e Mary Tintureiro de Boston. [142]

Católica Romana 

O ensino da Igreja Católica Romana , como enfatizado pelo Papa João Paulo II na carta apostólica Ordinatio sacerdotalis , é “que a Igreja não tem autoridade alguma para conferir a ordenação sacerdotal às mulheres e que esse julgamento deve ser definitivamente mantido por todas as igrejas da Igreja”. fiel”. [144] Este ensinamento está incorporado na atual lei canônica 1024 [145] ) e no Catecismo da Igreja Católica (1992), pela afirmação canônica: “Somente um homem batizado ( latino : vir ) recebe validamente a ordenação sagrada”. [146]No que diz respeito à ordenação sacerdotal e episcopal, a Igreja Católica Romana ensina que esse requisito é uma questão de lei divina; pertence ao depósito da fé e é imutável. [147] [148] [149]

Em 2007, a Santa Sé emitiu um decreto declarando que a tentativa de ordenação de uma mulher resultaria em excomunhão automática para as mulheres e bispos que tentassem ordená-las, [150] e em 2010, que a tentativa de ordenação de mulheres é um “grave delito”. [151]

Uma Comissão Papal oficial ordenada pelo Papa Francisco em 2016 é encarregada de determinar se a prática antiga de ter diáconas ( diaconisas ) é possível, desde que não sejam ordenadas e que certas funções reservadas de diáconos permanentes ou de transição sejam ordenadas – proclamando o Evangelho na missa, fazendo homilia e realizando batismos não emergenciais – não seria permitido para o diaconado feminino discutido.

Em outubro de 2019, a maioria dos bispos de Amazonassynod disse que as diáconas devem ser permitidas na igreja católica romana. [152]

Mariavitas 

Inspirado por uma freira mística, Feliksa Kozłowska , o movimento mariavita começou originalmente como uma resposta à corrupção percebida pela Igreja Católica Romana na partição russa da Polônia do século XIX. Os Mariavitas, assim chamados por sua devoção à Virgem Maria, atraíram numerosas paróquias em Mazovia e na região ao redor de Łódź e no seu auge eram cerca de 300.000 pessoas. Temendo um cisma , as autoridades estabelecidas da igreja pediram a intervenção do Vaticano . Os mariavitas acabaram sendo excomungados pela bula papal em 1905 e 1906. Seu clero, solto da sucessão apostólica, encontrou um santuário na Antiga Igreja Católica e, em 1909, o primeiro bispo mariavita, Michael Kowalski , foi consagrado em Utrecht. Vinte anos depois, a agora constituída Igreja Mariavite foi dominada por diferenças de políticas e uma luta de liderança. No entanto, o arcebispo Kowalski ordenou as primeiras 12 monjas como sacerdotes em 1929. Ele também introduziu o casamento sacerdotal. A divisão na igreja teve efeito, em parte, sobre o lugar do feminino na teologia e o papel das mulheres na vida da igreja. Em 1935, Kowalski havia introduzido um “sacerdócio universal” que estendia o ofício sacerdotal a membros selecionados dos leigos. As duas igrejas mariavitas sobrevivem até hoje. Os sucessores de Kowalski, conhecida como Igreja Católica Mariavitae estão sediados na cidade de Felicjanów, na região de Płock , na Polônia, e são chefiados por um bispo que é mulher, embora seus números sejam diminuídos pelos adeptos das mariavitas mais convencionalmente patriarcais de Płock. [153]

Dissidentes 

Vários católicos escreveram a favor da ordenação de mulheres. [154] Grupos dissidentes que advogam a ordenação de mulheres em oposição ao ensino católico [155] incluem Ordenação de Mulheres em Todo o Mundo, Ordenação de Mulheres Católicas, [156] Sacerdotisas de Mulheres Católicas Romanas , [157] e Conferência de Ordenação de Mulheres . [158] Alguns citam a alegada ordenação de Ludmila Javorová na Checoslováquia comunista em 1970 pelo bispo Felix Davídek (1921–1988), ele próprio clandestinamente consagrado devido à escassez de padres causada pela perseguição estatal, como precedente. [159]A Igreja Católica trata as tentativas de ordenação de mulheres como inválidas e excomunga automaticamente todos os participantes. [160]

Adventista do Sétimo Dia 

De acordo com sua Política de Trabalho, a Igreja Adventista do Sétimo Diarestringe certas posições de serviço e responsabilidade àqueles que foram ordenados ao ministério do evangelho e a sessão da Associação Geral (GC), que é o mais alto órgão de tomada de decisões da igreja, nunca aprovou a ordenação de mulheres como ministras. Os adventistas não encontraram mandato claro ou precedente para a prática de ordenar mulheres nas Escrituras ou nos escritos de Ellen G. White. Nos últimos anos, a ordenação de mulheres tem sido objeto de intenso debate, principalmente na América do Norte e na Europa. Na igreja adventista, os candidatos à ordenação são recomendados pelas conferências locais (que geralmente administram cerca de 50–150 congregações locais) e aprovados pelos sindicatos (que servem cerca de 6–12 conferências). As crenças fundamentais da igreja e sua prática mundial, conforme estabelecidas em seu manual da igreja,

Em 1990, a sessão do GC votou contra uma medida para estabelecer uma política mundial que permita a ordenação de mulheres. [161] Em 1995, os delegados da CG votaram não autorizar nenhuma das 13 divisões mundiais a estabelecer políticas para a ordenação de mulheres em seu território. [161] Em 2011, a Divisão Norte-Americana ignorou a política da CG e, sem a aprovação da CG, votou para permitir que as mulheres atuassem como presidentes da conferência, uma posição que requer ordenação. No início de 2012, o GC respondeu à ação do NAD com uma análise da história e das políticas da igreja, demonstrando que as divisões não têm autoridade para estabelecer políticas diferentes das políticas do GC. [162]A NAD rescindiu posteriormente sua ação. Porém, em sua análise, o GC indicou que a “responsabilidade e autoridade finais” pela aprovação de candidatos à ordenação residem no nível sindical. Isso levou a decisões de vários sindicatos para aprovar ordenações sem levar em consideração o gênero.

Em 23 de abril de 2012, a União da Alemanha do Norte votou na ordenação de mulheres como ministras, [163] mas no final de 2013 ainda não havia ordenado uma mulher. Em 29 de julho de 2012, a Columbia Union Conference votou a favor de “autorizar a ordenação sem respeito ao gênero”. [164] Em 19 de agosto de 2012, a Conferência da União do Pacífico também votou pela ordenação sem considerar o gênero. [165] Ambos os sindicatos começaram imediatamente a aprovar ordenações de mulheres. [166]Em meados de 2013, cerca de 25 mulheres haviam sido ordenadas para o ministério na Conferência da União do Pacífico, além de várias na União da Colômbia. Em 12 de maio de 2013, a União Dinamarquesa votou para tratar os ministros de homens e mulheres da mesma forma e suspender todas as ordenações até que o tópico seja considerado na próxima sessão do GC em 2015. Em 30 de maio de 2013, a União Holandesa votou para ordenar pastoras, reconhecendo-as como iguais aos colegas do sexo masculino. [167] Em 1º de setembro de 2013, uma mulher foi ordenada na União Holandesa. [168]

Em 2012–2013, a Conferência Geral estabeleceu o Comitê de Estudo da Teologia da Ordenação, que incluía representantes de cada um dos seus 13 comitês de pesquisa bíblica da divisão mundial, para estudar a questão e fazer uma recomendação para ser votada na sessão mundial do GC de 2015. [169]

Em 27 de outubro de 2013, Sandra Roberts se tornou a primeira mulher a liderar uma conferência adventista do sétimo dia quando foi eleita presidente da Conferência Sudeste da Califórnia. [170] No entanto, a igreja adventista do sétimo dia mundial não reconhece sua eleição. [170]

Na 60ª Sessão da Associação Geral em San Antonio, em 8 de julho de 2015, [171] os adventistas do sétimo dia votaram a favor de não permitir que seus órgãos regionais da igreja ordenassem mulheres pastoras. [172] O Presidente da Conferência Geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia , Ted NC Wilson, abriu a sessão da manhã com um apelo a todos os membros da igreja para que respeitassem o resultado da votação e enfatizou, tanto depois quanto depois da votação, que as decisões tomadas pela Conferência Geral em sessão têm a mais alta autoridade na Igreja Adventista. Por uma margem de 1.381 a 977, com cinco abstenções, os delegados por votação secreta encerraram um processo de estudo de cinco anos caracterizado por um debate aberto, vigoroso e, às vezes, acrimonioso. [173]

Antes da votação do GC, dezenas de delegados expressaram opiniões a favor e contra a pergunta: “Após seu estudo em oração sobre a ordenação da Bíblia, os escritos de Ellen G. White e os relatórios das comissões de estudo; e após sua cuidadosa consideração de o que é melhor para a igreja e para o cumprimento de sua missão, é aceitável que os comitês executivos da divisão, conforme considerem apropriado em seus territórios, providenciem a ordenação de mulheres para o ministério evangélico? ” [173]

A votação e a discussão, que refletiram longas diferenças de opinião, ocorreram em uma Sessão da Associação Geral, realizada para decidir questões importantes.

Como cristãos protestantes que aceitam a Bíblia como sua única regra de fé e prática, os adventistas do sétimo dia têm se empenhado em resolver o problema com base nas Escrituras (por exemplo, 1 Timóteo 2:12 e Gálatas 3:28).

Islamismo 

Embora os muçulmanos não ordenem formalmente líderes religiosos, o imã serve como líder espiritual e autoridade religiosa. Existe uma controvérsia atual entre os muçulmanos sobre as circunstâncias em que as mulheres podem agir como imãs – isto é, liderar uma congregação em salat (oração). Três dos quatro sunitas escolas, assim como muitos Shia , concorda que uma mulher pode levar uma congregação composta por mulheres sozinha em oração, embora a Maliki escola não permite isso. De acordo com todas as escolas tradicionais do Islã atualmente existentes , uma mulher não pode liderar uma congregação de gênero misto em salat (oração). Algumas escolas abrem exceções para Tarawih( orações opcionais do Ramadã ) ou para uma congregação composta apenas por parentes próximos. Certos estudiosos medievais – incluindo Al-Tabari (838–932), Abu Thawr (764–854), Al-Muzani (791–878) e Ibn Arabi (1165–1240) – consideraram a prática permitida pelo menos para opcional (nafila) orações; no entanto, seus pontos de vista não são aceitos por nenhum grande grupo sobrevivente. Feministas islâmicas começaram a protestar contra isso.

Mesquitas femininas , chamadas nusi, e imãs femininas existem desde o século 19 na China e continuam até hoje. [174]

Em 1994, Amina Wadud (professora de estudos islâmicos da Virginia Commonwealth University, nascida nos Estados Unidos), tornou-se a primeira mulher na África do Sul a entregar o jum’ah khutbah (sermão de sexta-feira), que ela fez na estrada principal de Claremont. Mesquita em Cape Town, África do Sul. [175]

Em 2004, Maryam Mirza, 20 anos, entregou a segunda metade do Eid al-Fitr khutbah na mesquita Etobicoke em Toronto , Ontário, Canadá, administrada pela Associação Muçulmana Unida . [176]

Em 2004, no Canadá, Yasmin Shadeer liderou a noite a oração de Isha para uma congregação de gênero misto (homens e mulheres orando e ouvindo o sermão). [177] Esta é a primeira ocasião registrada nos tempos modernos, em que uma mulher liderava uma congregação em oração em uma mesquita. [177]

Em 18 de março de 2005, Amina Wadud proferiu um sermão e liderou as orações de sexta-feira por uma congregação muçulmana composta de homens e mulheres, sem cortina dividindo homens e mulheres. [178] Outra mulher, Suheyla El-Attar, fez o chamado à oração enquanto não usava um lenço na cabeça no mesmo evento. [178] Isso foi feito na Casa Sínodo da Catedral de São João o Divino, em Nova York, depois que as mesquitas se recusaram a sediar o evento. [178] Foi a primeira vez que uma mulher liderou uma congregação muçulmana de gênero misto em oração na história americana. [178]

Em abril de 2005, Raheel Raza , nascida no Paquistão, liderou o primeiro serviço de oração de sexta-feira com sexo misto liderado por mulheres de Toronto, proferindo o sermão e liderando as orações da congregação de gênero misto organizada pelo Congresso Canadense Muçulmano para celebrar o Dia da Terra no quintal da casa do ativista Tarek Fatah, no centro de Toronto. [179]

Em 1º de julho de 2005, Pamela Taylor, co-presidente da União Muçulmana Progressiva de Nova York e convertida muçulmana desde 1986, se tornou a primeira mulher a liderar as orações de sexta-feira em uma mesquita canadense, e o fez pela congregação de ambos os homens. e mulheres. [180] Além de liderar as orações, Taylor também deu um sermão sobre a importância da igualdade entre as pessoas, independentemente de sexo, raça, orientação sexual e deficiência. [180]

Em outubro de 2005, Amina Wadud liderou uma oração congregacional muçulmana de gênero misto em Barcelona. [181]

Em 2008, Pamela Taylor deu o khutbah na sexta-feira e liderou as orações de gênero misto em Toronto na mesquita UMA, a convite do Congresso Canadense Muçulmano no dia do Canadá . [182]

Em 17 de outubro de 2008, Amina Wadud se tornou a primeira mulher a liderar uma congregação muçulmana de gênero misto em oração no Reino Unido, quando realizou as orações de sexta-feira no Wolfson College, em Oxford. [183]

Em 2010, Raheel Raza se tornou a primeira mulher muçulmana a liderar uma congregação britânica de gênero misto através das orações de sexta-feira. [184]

Em 2014, Afra Jalabi, jornalista canadense síria e defensora da paz, entregou Eid ul-Adha khutbah no centro cultural Noor, em Toronto, Canadá.

Judaísmo 

A rabina Regina Jonas , a primeira rabina do mundo , ordenada em 1935. [185]

Houve uma Rebe Hasidic do sexo feminino , Hannah Rachel Verbermacher, também conhecida como a Donzela de Ludmir , ativa no século XIX. [191] Em 1935, Regina Jonas foi ordenada em particular por um rabino alemão e se tornou a primeira mulher rabina do mundo. [185] Sally Priesand se tornou a primeira rabina no judaísmo reformista em 1972; [187] Sandy Eisenberg Sasso tornou-se a primeira rabina do judaísmo reconstrucionista em 1974; [188] Lynn Gottlieb se tornou a primeira rabina na Renovação Judaica em 1981; [189] Amy Eilberg tornou-se a primeira rabina do judaísmo conservador em 1985; [190] e Tamara Kolton se tornaram o primeiro rabino de ambos os sexos (e, portanto, desde que ela era mulher, a primeira rabina) no judaísmo humanista em 1999. [191] Mulheres no conservador, reforma, reconstrução, reconstrução, renovação e judaísmo humanista são rotineiramente concedidos semicha (que significa ordenação) em igualdade de condições com os homens. Esta versão do semicha não é válida de acordo com o judaísmo ortodoxo e sua interpretação da lei judaica.

Em junho de 2009, Avi Weiss ordenou Sara Hurwitz com o título ” maharat ” (um acrônimo de manhiga hilkhatit rukhanit Toranit [192] ), em vez de “Rabino”. [193] [194] Em fevereiro de 2010, Weiss anunciou que estava mudando Maharat para um título que parecia mais familiar “Rabba”. [195] O objetivo dessa mudança era esclarecer a posição de Hurwitz como membro de pleno direito do Instituto Rabino de Hebreus. A mudança foi criticada por Agudath Yisrael e pelo Conselho Rabínico da América , que consideraram a mudança “além dos limites do judaísmo ortodoxo”. [196]Weiss anunciou em meio a críticas que o termo “Rabba” não seria mais usado para seus futuros alunos. Também em 2009, Weiss fundou a Yeshivat Maharat , uma escola que “se dedica a dar às mulheres ortodoxas proficiência no aprendizado e no ensino do Talmud, no entendimento da lei judaica e sua aplicação na vida cotidiana, bem como nas outras ferramentas necessárias para serem líderes comunais judeus”. Em 2015, Yaffa Epstein foi ordenado como Rabba pelo Yeshivat Maharat. [197] Também em 2015, Lila Kagedan foi ordenada como rabino pela mesma organização, fazendo dela sua primeira graduação a receber o título de rabino. [198] Hurwitz continua a usar o título Rabba e é considerado por alguns como a primeira mulher rabina ortodoxa. [199] [200][201]

No entanto, no outono de 2015, o Rabbinical Council of America aprovou uma resolução que declara: “Os membros da RCA com cargos em instituições ortodoxas não podem ordenar mulheres para o rabinato ortodoxo, independentemente do título usado; ou contratar ou ratificar a contratação de uma mulher para uma posição rabínica em uma instituição ortodoxa; ou permitir que um título que implique ordenação rabínica seja usado por um professor de Limudei Kodesh em uma instituição ortodoxa “. [202] Da mesma forma, no outono de 2015, a Agudath Israel da América denunciou movimentos para ordenar mulheres e foi ainda mais longe, declarando Yeshivat Maharat , Yeshivat Chovevei Torá , Ortodoxia Abertae outras entidades afiliadas sejam semelhantes a outros movimentos dissidentes ao longo da história judaica por terem rejeitado os princípios básicos do judaísmo. [203] [204] [205]

Somente homens podem se tornar cantores (também chamados de hazzans) no judaísmo ortodoxo, mas todos os outros tipos de judaísmo permitem e têm cantores femininos. [206] Em 1955, Betty Robbins , nascida na Grécia, tornou-se a primeira cantora do mundo quando foi nomeada cantora da congregação reformadora do templo Avodah em Oceanside, Nova York, em julho. [207] Barbara Ostfeld-Horowitz se tornou a primeira cantora a ser ordenada no judaísmo reformista em 1975. [208] Erica Lippitz e Marla Rosenfeld Barugel se tornaram as primeiras cantoras no judaísmo conservador em 1987. [208] No entanto, a Assembléia dos Cantores, uma organização profissional de cantores associados ao judaísmo conservador, não permitiu que as mulheres se unissem até 1990. [209] Em 2001, Deborah Davis se tornou a primeira cantora de ambos os sexos (e, portanto, desde que era mulher, a primeira cantora) em Humanistic Judaísmo, embora o judaísmo humanista tenha parado de graduar os cantores. [210] Sharon Hordes se tornou a primeira cantora de ambos os sexos (e, portanto, desde que era mulher, a primeira cantora) no judaísmo reconstrucionista em 2002. [211] Avitall Gerstetter , que vive na Alemanha, tornou-se a primeira cantora feminina em judeus Renovação (e a primeira cantora feminina na Alemanha) em 2002. Susan Wehletornou-se a primeira cantora americana de renovação judaica em 2006; no entanto, ela morreu em 2009. [212] As primeiras mulheres americanas a serem ordenadas cantoras na Renovação Judaica após a ordenação de Susan Wehle foram Michal Rubin e Abbe Lyons , ambas ordenadas em 10 de janeiro de 2010. [213]

Religião de Ryukyu

A religião indígena das ilhas Ryukyuan no Japão é liderada por sacerdotes; isso a torna a única religião oficial oficial conhecida de uma sociedade liderada por mulheres. [214]

Xintoísmo 

Sacerdote e sacerdotisa xintoísta .

No xintoísmo , Saiin (斎 院, saiin?) Eram parentes solteiras do imperador japonês que serviam como altas sacerdotisas no Ise Grand Shrine do final do século VII até o século XIV. Ise Grand Shrine é um santuário xintoísta dedicado à deusa Amaterasu-ômikami . Sacerdotisas Saiin eram geralmente eleitas da realeza (親王 親王, naishinnō ), como princesas ( 女王 , joō ). Em princípio, Saiin permaneceu solteiro, mas houve exceções. Alguns Saiin se tornaram consortes do Imperador, chamado Nyōgo em japonês. De acordo com o Man’yōshū(A Antologia das Dez Mil Folhas), o primeiro Saiō a servir no Grande Santuário de Ise foi a Princesa Ōku , filha do imperador Tenmu , durante o período de Asuka na história japonesa.

A ordenação de mulheres como sacerdotes xintoístas surgiu novamente após a abolição do estado xintoísmo após a Segunda Guerra Mundial. [215] Veja também Miko .

Sikhismo 

O sikhismo não tem padres, que foram abolidos por Guru Gobind Singh , pois o guru viu essa instituição se tornar corrupta na sociedade durante seu tempo. Em vez disso, ele nomeou o Guru Granth Sahib , o livro sagrado sikh, como seu sucessor como Guru, em vez de um humano possivelmente falível. Devido à crença da fé em completa igualdade, as mulheres podem participar de qualquer função religiosa, realizar qualquer cerimônia sikh ou liderar a congregação em oração. [216] Uma mulher sikh tem o direito de se tornar uma Granthi , Ragi e uma das Panj Piare (5 amadas) e homens e mulheres são considerados capazes de atingir os mais altos níveis de espiritualidade. [217]

Taoísmo 

Os taoístas ordenam homens e mulheres como sacerdotes. [218] Em 2009, Wu Chengzhen se tornou a primeira fangzhang ( abade principal ) na história de 1.800 anos do Taoísmo, depois de ser entronizada no Templo Changchun em Wuhan, capital da província de Hubei, na China. [219] Fangzhang é a posição mais alta em um templo taoísta. [219]

Os papéis de mulheres no taoísmo ( daʊ ɪ əm / , t – / ) (também escrito “taoísmo”  – / ) têm divergido do tradicional patriarcado sobre as mulheres na China antiga e imperial . Mulheres chinesas tiveram importância especial em algumas escolas taoístas que reconheceram seus transcendentais habilidades para se comunicar com as divindades, que frequentemente concedidos às mulheres reveloutextos e escrituras. As mulheres ganharam destaque pela Escola de Maior Claridade , fundada no século IV por uma mulher, Wei Huacun . A dinastia Tang (618-907) foi um ponto alto da importância das mulheres taoístas, quando um terço do clero de Shangqing eram mulheres, incluindo muitas freiras aristocráticas taoístas. O número de mulheres taoístas diminuiu até o século XII, quando a Escola Completa de Perfeição , que ordenou Sun Bu’er como a única mulher entre seus discípulos originais, colocou as mulheres em posições de poder. Nos séculos 18 e 19, as mulheres taoístas praticavam e discutiam o nüdan (丹 丹, ” neidan feminino”).alquimia interior “), envolvendo práticas específicas de gênero de meditação e visualização da respiração . Além disso, as divindades e cultos taoístas têm tradições longas na China, por exemplo, a Rainha Mãe do Ocidente , patrona da imortalidade xian , He Xiangu , um dos Oito Imortais , e Mazu , a protetora de marinheiros e pescadores.

Terminologia 

Desde que o Daoísmo organizado começou no final da dinastia Han (202 aC-220 dC), as mulheres têm atuado em diferentes escolas, o que lhes deu nomes diversos. No Tianshi dao (Caminho dos Mestres Celestiais), eles eram chamados nüshi (女士 ou 女 師, “mestres do sexo feminino”) quando casados ​​com um Mestre, ou nüguan (女 官, “oficiais do sexo feminino”) quando estavam entre os zhongmin (種 chosen) , “semente de pessoas”). Na escola Shangqing (maior clareza), as freiras taoístas eram praticantes mais solitárias e eram chamadas nü daoshi (女道士, “mulheres taoístas” ou “mulheres mestres taoístas”) ou nüguan (女 冠, “chapéus femininos”).. A Escola Quanzhen (Perfeição Completa) usa daogu (道姑, “damas do Dao”) em referência às freiras do convento e aos leigos devotos (Despeux 2000: 384, 2008: 171).

História 

Ilustração da rainha mãe do oeste na edição da dinastia Shanhaijing , Qing .

Rainha Mãe do Oeste, louça de barro da dinastia Han , século 2 EC

Pré-Han e Han 

Xiwang mu, a Rainha Mãe do Ocidente , é a divindade taoísta feminina mais proeminente, embora suas tradições tenham antecedido as religiões taoístas organizadas (Despeux 2008: 172). Fontes do período dos Reinos Combatentes (475-221 AEC) associam a rainha-mãe a tradições xamanísticas, como ela conhece o corvo de três pernas e seus pêssegos de pomar de imortalidade (Despeux 2000: 386). O C. Século III AEC Shanhaijing (Clássico de Montanhas e Mares) diz: ” Aparentemente , a Rainha Mãe do Oeste parece uma humana, mas ela tem a cauda de um leopardo e as presas de uma tigresa, e é boa em assobiar.. Ela usa uma coroa de vitória no cabelo emaranhado. Ela preside as catástrofes do céu e as cinco forças destrutivas. “(Tr. Birrell 2000: 24)

Durante a dinastia Han (206 aC-220 dC), as pessoas acreditavam que a rainha-mãe poderia protegê-las de doenças e morte, e ela se tornou a figura central adorada por um culto camponês que surgiu em Shandong e varreu o país em 3 aC ( Despeux e Kohn 2003: 27). Xiwang mu ficou conhecida como a deusa da epidemia que residia no oeste na montanha Kunlun e governava os demônios da pestilência. Seus cultos adoravam a rainha em diferentes regiões da China, especialmente o monte Heng em Hunan , o monte Hua em Shaanxi e o monte Wuyi em Fujian .

Sob as Seis Dinastias, o culto da mãe rainha foi integrado ao panteão do Daoísmo Shangqing ( Alta Claridade) e ela se tornou uma das deusas-chave da escola, ajudando ambos os sexos nesse momento. Seu culto atingiu seu auge durante o período Tang, quando ela emergiu particularmente como protetora das mulheres e foi reverenciada como representante do ideal feminino (Cahill 1993). Desde a dinastia Song, o culto de Xiwang mu ao taoísmo oficial foi cada vez mais suplantado pelo de outras deusas. No entanto, ela continuou sendo uma figura importante nos movimentos sectários e em pequenos grupos congregacionais que receberam mensagens dela através da escrita do espírito fuji . Descendo sobre o altar durante as sessões, sob o Ming e Qing, ela assumiu o título Wusheng Laomu (無 生 老母, Mãe Venerável por Nascer), e ainda permanece uma deusa-chave adorada pelas mulheres, especialmente em contextos populares (Despeux 2000: 387).

Início da Idade Média 

As mulheres começaram a se tornar importantes no taoísmo organizado durante os períodos dos Três Reinos e Seis Dinastias (221 a 590) e da dinastia Sui (590 a 618). No século IV, a Escola Shangqing reconheceu uma mulher, Wei Huacun (251-334), como a fundadora da escola. As mulheres nesta escola taoísta transmitiram escrituras, ensinaram métodos e serviram como iniciadoras (Despeux 2008: 171).

Casada com um dos principais oficiais de Tianshi, Wei Huacun tornou-se uma respeitada jijiu (祭酒, libationer), o que significa que ela recebeu uma educação religiosa completa na organização, incluindo ritos sexuais de passagem e recepção de registros oficiais (Despeux 2000: 388) . Sua hagiografia diz que ela alcançou o Dao no Monte Heng, que na época era um centro altamente ativo de práticas budistas e taoístas (Faure, 1987). Ela foi chamada Nanyue furen (Lady 夫人, Senhora da Montaria do Sul ). Após esse período, ela se tornou objeto de um culto importante que, especialmente sob o Tang (Schafer, 1977), tornou-se proeminente entre as mulheres taoístas e se espalhou por toda a China (Strickmann 1979: 142).

De acordo com o texto das Seis Dinastias, a Escola Tianshi distinguiu cinco tipos diferentes de mulheres adequadas para se tornarem praticantes daoístas: meninas solteiras, mulheres incapazes de se casar devido a um horóscopo nada auspicioso, mulheres forçadas a se casar, viúvas e esposas rejeitadas (Overmyer 1991 : 99-101). Todas essas eram classes indesejáveis, rejeitadas pela sociedade, às quais Tianshi oferecia uma forma de fuga e uma alternativa. Esse status permitiu que essas mulheres tivessem pelo menos algum papel e não fossem completamente excluídas. O mesmo padrão também se aplicava a outras escolas e períodos taoístas, especialmente durante a dinastia Tang (Despeux 2000: 385).

Tang 

Excursão de primavera da corte do imperador Xuanzong, por Zhang Xuan (713–755)

O status das mulheres no taoísmo atingiu um pico durante a dinastia Tang (618-907), particularmente no século 8, quando as mulheres formaram um terço do clero (Despeux 2008: 171). Sob os auspícios da Escola Shangqing, que dominava o taoísmo organizado sob o Tang, as mulheres alcançaram suas posições religiosas mais proeminentes como iniciadoras, preceptoras e possuidoras de textos e métodos sagrados. Isso foi apoiado ativamente pelo imperador Xuanzong de Tang (r. 712-56), cujas “paixões por mulheres e taoísmo se estendiam às mulheres taoístas”. Segundo as estatísticas oficiais, havia 1.687 templos taoístas no século 8: 1.137 para homens e 550 para mulheres. As mulheres constituíram, assim, uma parte importante do clero taoísta, como foi reconhecido oficialmente (Despeux 2000: 388).

O surgimento de freiras taoístas aristocráticas durante o Tang foi um desenvolvimento sem precedentes na sociedade e na história chinesas. Mais de dez filhas imperiais foram ordenadas taoístas e converteram suas residências em conventos (Schafer, 1985: 1). Separadas da ordem social chinesa por meio de sua conversão religiosa, as mulheres podiam manter sua influência política e evitar intrigas no palácio. Eles se beneficiaram economicamente de seu novo status, desfrutando de um notável grau de liberdade pessoal para uma mulher Tang, muitas vezes levaram uma vida licenciosa, viajaram extensivamente e se dedicaram às artes (Despeux 2000: 388).

As mulheres entravam nos conventos taoístas por diferentes razões, como meninas purificando suas vidas antes de entrar na sociedade ou viúvas buscando uma vida melhor. Às vezes, uma mulher se tornava freira taoísta para escapar de um casamento indesejado ou mudar de marido. A princesa Taiping , filha mais nova do imperador Gaozong (r. 649-683) e da imperatriz Wu , entrou em um convento taoísta em 670 para escapar de um pedido de casamento de estado com o rei do “bárbaro” Turpan (Despeux 2000: 389). Yang Guifei (consorte mais honorável Yang), a amada concubina do imperador Xuanzong, era casada com Li Mao, o décimo oitavo filho do imperador, que ela deixou ao tornar-se freira taoísta em 745, o que lhe permitiu entrar no harém imperial de Xuanzong (Schafer 1978).

Um exemplo célebre de freiras daoístas nobres foi a elaborada cerimônia de ordenação do 711 de duas princesas imperiais, Xining (西寧) e Changlong (昌隆), a oitava e a nona filhas do imperador Ruizong de Tang (r. 684-90) e irmãs do imperador Xuanzong (Despeux 2008: 172). O ritualista taoísta Zhang Wanfu (張萬福) descreveu o esplêndido rito de ordenação de 14 dias das princesas e observou as críticas generalizadas de ministros e funcionários sobre os altos custos (Benn 1991: 148-151). O imperador também ordenou a construção de dois mosteiros para suas freiras filhas em Chang’an , perto das concubinas imperiais (Despeux 2000: 388).

O Daoísmo oficial incorporou vários cultos femininos durante o Tang. Embora os cultos locais sempre tivessem florescido no norte e noroeste da China, eles começaram predominantemente nas regiões marítimas e centrais do leste e sul, onde as mulheres divinas, incluindo deusas, xamãs e fundadoras de cultos, cresceram em estatura e muitas vezes se tornaram objetos de peregrinação. realizada igualmente por homens e mulheres (Schafer 1973). Os textos taoístas frequentemente descreviam a integração das divindades regionais no panteão oficial como conquistas e elogiavam as mulheres taoístas por seus poderes excepcionais como profetas, curadores e salvadores (Despeux 2000: 390).

A escola menos conhecida de Qingwei (Pure 微, Pure Subtlety), uma tradição que enfatizava a terapia e o exorcismo, incorporou um culto local fundado pela sacerdotisa taoísta Zu Shu (祖舒, fl. 889-904) de Lingling (quase nos dias de hoje). Yongzhou , Hunan ) (Despeux 2008: 172). Ao contrário da biografia bem documentada de Wei Huacun, pouco se sabe sobre Zu. Depois de receber ordenação nas tradições das escolas taoístas Tianshi, Shangqing e Lingbao , ela foi para Guiyang (atual Chenzhou)., Hunan), onde conheceu Lingguang shengmu (靈光 聖母, Mãe Sagrada do Esplendor Numinoso), que transmitiu a Zu Shu o Caminho do Sutileza Pura, juntamente com talismãs e técnicas de exorcismo, supostamente transmitidas por Yuanshi Tianzun (Digno do Paraíso Primordial) Início) (Despeux 2000: 390). Mais tarde, os seguidores de Qingwei colocaram Zu à frente de sua linhagem “patriarcal”, que Chen Cai (采 陳) construiu pela primeira vez no século XIII Qingwei xianpu ( 微 仙 Account, Conta dos Imortais da Pure Sutileza) (Boltz 1987: 38 -39). Segundo Catherine Despeux, Zu Shu parece mais um xamã do sul do que um visionário religioso. Em vez de ser uma fundadora ativa, ela aparece na escola Pure Subtlety principalmente como preceptora. que transmitiu métodos que aprendeu com outra mulher (2000: 391).

Canção 

Ilustração em xilogravura de He Xiangu

Linshui furen e seus assistentes, no Templo da Harmonia Celestial da escola Lushan em Luodong , Taiwan

Wang Chongyang e seus sete mestres da Escola Quanzhen , com Sun Bu’er no meio da última fila

No início da dinastia Song (960 a 1279), o número de mulheres taoístas declinou para cerca de 3-5% do clero registrado e só aumentou novamente mais tarde, com o surgimento da Escola Quanzhen no final do século XII, durante a dinastia Jin (1115). –1234). No entanto, cultos de mulheres continuaram a florescer e havia algumas praticantes seniores de várias técnicas (Despeux 2000: 391).

Entre os cultos, além da rainha mãe do oeste, o panteão taoísta inclui outras divindades femininas bem conhecidas. Por exemplo, He Xiangu (Immortal Maiden He), um dos Oito Imortais , cujo culto foi estabelecido entre as dinastias Tang e Song (Despeux 2008: 172).

O culto de Linshui furen (臨水 夫人, a Dama da Beira da Água), ou Chen Jinggu (姑 姑, 767-791), tornou-se popular durante a era Song. Segundo a tradição taoísta, ela nasceu com várias habilidades sobrenaturais, mas morreu jovem e grávida durante um ritual de chuva. Seus poderes começaram a se manifestar após sua morte e ela gradualmente se tornou a protetora de mulheres, crianças e jitong (medium 童, médiuns meninos) (Despeux 2008: 172). O culto desenvolvido pela primeira vez no estado natal de Chen, Min ( Fujian), e depois foi canonizado na música como Linshui furen. Muitas práticas desse movimento de mulheres eram xamanísticas, Linshui furen e suas irmãs eram elogiadas como mágicas, controladoras de demônios, exorcistas e curadoras que podiam realizar viagens xamânicas na vida após a morte. O culto de Linshui furen cresceu e a estabeleceu formalmente como uma divindade, e sua fama se espalhou mais amplamente (Despeux 2000: 391). Mais tarde, esse culto taoísta tornou-se particularmente proeminente em Taiwan, onde a Dama da Beira da Água serviu como ponto focal para comunidades de mulheres que recusaram o casamento, mas não desejavam se tornar celibatárias, e preferiam a vida lésbica (Berthier 1988).

Entre as praticantes taoístas, Cao Wenyi (曹文逸, fl. 1119-1125) foi um renomado autor que foi póstumamente homenageado como a primeira mulher a praticar a alquimia interior de neidan . As bibliografias de canções listam seus escritos para incluir comentários em vários textos taoístas, incluindo o Xishengjing (Escritura da Ascensão Ocidental) e Daodejing , e um longo poema sobre neidan intitulado Lingyuan dadao ge(靈 源 大道 歌, Canção do Grande Dao, a Fonte Numinosa) (Despeux 2008: 172). Começa: “Estou dizendo a todas as senhoras: o caule do destino nasce da respiração perfeita que irradia o corpo e proporciona uma vida longa, vazia ou não, e produz o espelho numinoso que contém o Céu e todos os seres”. (Tr. Despeux e Kohn 2003: 137). O imperador Huizong, de Song (r. 1100-1125), ouviu falar da fama de Cao, chamou-a para a capital Kaifeng e conferiu o título Wenyi zhenren (文 逸 真人, o aperfeiçoado da retirada literária). Na dinastia Qing, Lady Cao supostamente apareceu em sessões espíritas e foi venerada por várias linhagens da alquimia interior das mulheres. Alguns de seus escritos são preservados no Templo da Nuvem Branca em Pequim,A escola de Qingjing (清靜, Pureza e Tranquilidade) a honra como sua padroeira (Despeux 2000: 391-392).

Enquanto as mulheres foram de menor importância no taoísmo durante a maior parte da música, sua posição aumentou novamente com o crescimento da Escola Quanzhen, na qual serviram como abadias dos principais templos e líderes de associações locais. A lista Quanzhen dos sete mestres inclui uma mulher, Sun Bu’er (1119-1183). Ela nasceu em uma poderosa família local em Ninghai em Shandong , recebeu uma educação literária e casou-se com Ma Yu (鈺 鈺, 1123-1183), que também se tornou um dos sete mestres (Cleary, 1989). Quando o fundador da Quanzhen, Wang Chongyangvisitou Ninghai em 1167, Ma Yu e Sun Bu’er se tornaram discípulos ativos. Mais tarde, tornou-se líder sênior, ordenada como Qjngjing sanren (Lady 散 人, Senhora Serena da Pureza e Tranquilidade), com o direito de ensinar e ordenar outras mulheres seguidores (Despeux 2000: 392).

Yuan, Ming e Qing editar ]

Estátua de Bixia yuanjun, bronze com traços de pigmento, dinastia Ming, século XV

O milagroso resgate de Mazu do imperador Huizong do enviado de Song Lu Yundi (路 允 迪) retornando de Goryeo em 1123

Enquanto o culto a Sun Bu’er se tornava cada vez mais importante durante as dinastias Yuan (1271 a 1368) , Ming (1368 a 1644) e Qing ( 1644 a 1912), o prestígio geral das mulheres taoístas diminuía. Sob a dinastia Yuan, quando os mongóis governavam a China, havia 20.000 taoístas registrados, muitos deles mulheres, e instituições dirigidas por e para mulheres foram estabelecidas em todo o país (Despeux e Kohn 2003: 152). As referências a mulheres no taoísmo tornam-se menos frequentes nos períodos tardio de Yuan e Ming, e hagiografias de mulheres são raras. A imagem das mulheres tornou-se mais complexa no sectarismo Qing, que testemunhou um renascimento da tendência de honrar as mulheres como matriarcas (Despeux 2008: 172). Os governantes Qing instituíram o Gelugescola de budismo tibetano como religião do estado , e forçou budistas e taoístas a usar as mesmas instituições. Alguns subsos taoístas e grupos locais tinham linhagens que remontam a uma mulher fundadora. Além disso, os autores de Qing escreveram textos que tratam especificamente da alquimia interior para as mulheres (Despeux 2000: 393).

Os cultos das deidades femininas se desenvolveram principalmente nas regiões sul e costeira de Anhui , Hunan , Jiangxi , Fujian , Guangxi e Guangdong . Locais de culto nessas províncias eram centros de intensa atividade religiosa e locais de peregrinação que atraíam devotos masculinos e femininos. A partir do período Tang, o crescimento e a reputação dos cultos dependiam de seu reconhecimento pelas instituições taoístas oficiais, círculos instruídos e corte imperial (Despeux 2008: 172).

O panteão taoísta adotou várias deusas populares. Uma delas é a deusa budista Marici , a personificação da luz e filha do deus criador Brahma, que governa o destino (Getty 1962: 132-134). No taoísmo, ela aparece como Doumu (母 母, mãe da Ursa Maior ) e protetora contra violência e perigo (Despeux 2000: 393).

O culto a Bixia yuanjun (dess 元君, Deusa das Nuvens da Manhã) começou na Canção com a descoberta de uma estátua no Monte Tai , e durante o Ming ela foi venerada como filha de Dongyue dadi (Great, Grande Deidade do Monte Tai) e ajudante misericordioso de almas mortas (Naquin 1992: 334-345). Como documentado no Bixia yuanjun huguo baosheng jing (ure 元君 護 國 保 生, Escritura sobre a Salvação da Vida e a Proteção do País através da Deusa das Nuvens da Manhã), ela foi oficialmente integrada ao panteão por meio de capacitação formal de Yuanshi Tianzun (Heavenly Worthy of Primordial Beginning), que supostamente deu a ela os feitiços e talismãs necessários para ajudar as pessoas (Despeux 2000: 393).

A divindade da água Mazu (Mãe Ancestral) ou Tianfei (天妃, Celestial Consort), o tutor de marinheiros e pescadores, é proeminente entre as novas deusas daoístas emergentes e é paralela à deusa budista da compaixão Guanyin, que também salva marinheiros. Ela é a deificação da xamã Lin Moniang (娘 娘, 960-987), filha de um pescador da Ilha Meizhoufora de Fujian. Recusando-se a se casar, ela praticou o auto-cultivo até poder comandar a natureza para se proteger e, em seguida, usou seus poderes para resgatar seu pai e irmãos sempre que corriam o risco de se afogar. Após uma morte prematura, seus poderes espirituais aumentaram e ela ficou famosa por proteger pescadores e comerciantes viajantes (Despeux e Kohn 2003: 65). O culto Mazu começou em Fujian no final do século X, e no dia 13 se espalhou pelas províncias costeiras marítimas de Guangdong, Zhejiang , Jiangsu e Anhui (Despeux 2008: 172). Nos dias atuais, seu culto se espalhou por todo o sudeste asiático e comunidades chinesas no exterior , com grandes santuários chineses emTianjin e Quanzhou , 510 templos em Taiwan e 40 em Hong Kong (Despeux 2000: 393-394).

Textos 

As fontes sobre as mulheres no taoísmo incluem ambas as coleções de biografias de xian (“imortais; transcendentes”), tecnicamente ” hagiografias ” na medida em que xian são santos e obras de mulheres autoras, particularmente sobre a alquimia interior de neidan .

Hagiografias 

Compilações biográficas taoístas, que remontam ao c. O século II dC Liexian zhuan e o século Shenxian zhuan geralmente incluem hagiografias de homens e mulheres, mas existem dois trabalhos que tratam exclusivamente da vida das mulheres no taoísmo (Despeux 2008: 173).

O primeiro texto é o 913 Yongcheng jixian lu (Records 城 集 仙 錄, Registros dos Imortais reunidos na cidade murada), compilado pelo padre e autor taoísta Du Guangting ( 850-933 ). O prefácio de Du diz que o texto original continha 109 hagiografias de mestres de Shangqing, mas o texto recebido existe em duas versões parciais, com 37 biografias no canônico Daozang e 28 no Yunji Qiqianantologia, apenas dois dos quais são idênticos. Com base nos fragmentos existentes da coleção, a maioria das mulheres taoístas apresentadas pertencia à Escola Shangqing durante o Tang. Em seu prefácio, Du Guangting enfatiza que, segundo os ensinamentos de Shangqing, o Pai Primordial (Yuanfu and) e a Mãe Metal Jinmu 母 são responsáveis ​​por inserir os nomes de adeptos masculinos e femininos nos registros celestes da imortalidade, que são supervisionada por Xiwangmu, protetora dos imortais de Yongcheng, a cidade murada celestial no Monte Kunlun. Essa descrição não implica nenhuma forma de hierarquia ou preferência de gênque o culto à rainha mãe era dominante entre os cultos populares (Despeux 2000: 394-395). O Bowuzhi do século III(Record of Ample Things) cita Laozi que “todas as pessoas estão sob os cuidados da rainha mãe do Ocidente. Somente os destinos de reis, sábios, homens de iluminação, imortais e homens de Dao são cuidados pelo Senhor do Nove céus. ” (tr. Greatrex 1987: 78).

A segunda é a parte Houji後 集 (compilação mais tarde) de Lishi zhenxian tidao tongjian (Compre 世 真 仙 體 道 通 通 鋻, Espelho Abrangente de Imortais Perfeitos e Aqueles que Incorporaram o Dao através dos tempos), compilada pelo hagiografista Yuan Zhao Daoyi ( Fl 道 一, fl. 1294-1307) da escola Quanzhen. O texto contém 120 biografias, incluindo muitas encontradas na lu Yixcheng jixian , e combina divindades míticas daoístas, como a mãe de Laozi, Wushang yuanjun (元君 元君, deusa mais alta), Doumu e Xiwangmu, com mulheres reais, incluindo catorze biografias de mulheres Song (Despeux 2000: 394-395).

Trabalhos escritos por mulheres 

A irmã mais nova do imperador Xuanzong, Yuzhen gongzhu (Princess 公主, Princesa da Perfeição de Jade), que se tornou freira taoísta, escreveu dois textos, ambos datados de 738: o Qionggong wudi neisi shangfa (瓊 宮 五帝 內 思 上, métodos mais altos de visualização dos cinco imperadores) do Palácio Jasper) e Lingfei liujia neisi tongling shangfa (靈 飛 六甲 內 思 通靈 上 法, métodos mais altos de visualização dos espíritos voadores dos Seis Jia para se comunicar com o Divino). Ambos descrevem os métodos de meditação usados ​​na escola Shangqing, e sua caligrafia foi preservada em uma coleção caligráfica Tang de Zhong Shaojing .

descrição 848 de Huangting wuzang liufu buxie tu (to 內景 五臟六腑 補 瀉 圖, descrição ilustrada da tonificação ou dispersão dos cinco órgãos e seis vísceras de acordo com as Escrituras da Corte Amarela) foi escrita pelo fisiologista Tang Daoist Hu Jin (胡Said), dito ter sido ensinado pela mitológica Sunü (素女, Garota Imaculada) no Monte Taibai em Shaanxi . Este texto contém uma discussão sobre os órgãos centrais do corpo humano e lista as terapias neidan para doenças internas, incluindo drogas, absorção de energia, restrições alimentares e exercícios de ginástica. Eles correspondem às técnicas de meditação do c. Clássico da Corte Amarela do século IVque eram populares durante o Tang (Despeux 2000: 396). As ilustrações estão perdidas há muito tempo, mas o livro está “cheio de terapia e farmácia, lançando uma luz valiosa sobre a fronteira entre a medicina e a alquimia fisiológica taoísta” ( Needham e Lu 1983: 82).

dadoo ge Lingyuan do século XII de Cao Wenyi (Song 源 大道 歌, Canção do Grande Dao da Fonte Numinosa) também é atribuído a He Xiangu, a única mulher dos Oito Imortais. Este longo poema influenciado pelo budismo Chan não menciona especificamente nada feminino, mas os Qing Daoists associaram seu autor às práticas alquímicas internas das mulheres, e o texto foi incluído em coleções sobre o assunto (Despeux 2000: 396).

Trabalhos sobre alquimia interior feminina

Um corpus de literatura taoísta referente a nüdan (丹 丹, alquimia [interior] feminina)) ou kundao (道 道, “o modo feminino”, com kun “feminino; 8 dos 8 trigramas,,), compreende cerca de trinta documentos desiguais de 1743 a 1892. Esses textos são geralmente atribuídos às divindades masculinas e femininas e dizem ter sido transmitidos através da escrita do espírito (Despeux 2008: 173) .As poucas fontes anteriores que mencionavam especificamente as práticas de neidan para as mulheres estavam tipicamente em termos de yin e yang . correlações Desde yin está associado com as mulheres e esquerda, enquanto yang com homens e direita, a respiração supostamente se vira para a esquerda em homens e para a direita em mulheres (Despeux 2000: 406).

cangshu de Gu Shuyinlou de 1834 (古書 隱 樓 藏書, Coleção do Antigo Pavilhão Oculto de Livros), editado por Min Yide (閔 一得), contém dois trabalhos consecutivos sobre a alquimia interna das mulheres. Primeiro, o shiw Xiwang mu nüxiu zhengtu ( Ten王 母女 West 途 十 則, Dez Princípios da Rainha Mãe do Ocidente no Caminho Correto do Cultivo Feminino, tr. Wile 1992: 193-201) foi revelado em 1795 por Sun Bu ‘ er para Li Niwan (李 泥丸). O título original era Nü jindan jue (女 金丹 訣, Fórmula Feminina do Elixir de Ouro). O texto mostra alguma influência tântrica budista e apresenta dez regras específicas para a prática das mulheres, incluindo técnicas sobre como interceptar a menstruação, massagens nos seios, visualização de meridianos de qi no corpo e exercícios de meditação na respiração (Despeux 2000: 397; 2008: 173). Segundo, o Niwan Li zushi nüzong shuangxiu baofa (jangada preciosa do duplo cultivo de mulheres, de acordo com o mestre Li Niwan), com o subtítulo Nügong zhinan ( Comp功 指南, uma bússola da prática feminina), também foi revelado a Li em 1795. O texto explica nove regras para a transformação progressiva do corpo do adepto, incluindo acalmar e purificar o espírito, aumentar a circulação de energia através de massagens nos seios, eventualmente levando ao acúmulo de sabedoria e formação de um novo “corpo espiritual”. de luz “dentro do corpo do adepto (Despeux 2000: 397-398).

O hebraico Nüdan (合編 驤), de He Longxiang ( Works丹 合編, Collected Works on Alchemy Inner for Women) foi incluído na edição de 1906, Daozang jiyao (道 藏 輯 要, Essentials of the Daoist Canon). Seu prefácio observa que ele passou trinta anos coletando e compilando a coleção, com base nas práticas adotadas pelas mulheres taoístas em sua família. Os materiais consistem em cerca de vinte textos de prosa e poesia que descrevem os vários estágios principais do caminho alquímico interno, descrevem com precisão os meridianos de energia e fazem distinções claras entre as práticas de homens e mulheres (Despeux 2000: 398).

Nü jindan fayao (Methods 金丹 法 要, Métodos Essenciais do Elixir Dourado das Mulheres), de Fu Jinquan (銓 金 銓, 1765-1844), consiste principalmente de poemas e textos em prosa revelados por Sun Bu’er através da escrita em planchette. O autor enfatiza a importância de cultivar a companhia de outras pessoas e a necessidade de realizar atos virtuosos. Supõe-se que as mulheres adeptas purifiquem seu karma, se arrependam de seus pecados e cultivem a bondade, a sinceridade, a piedade filial e a devoção devida à esposa (Despeux 2000: 398). Fu Jinquan também compilou textos do nüdan na coleção do início do século XIX, Daoshu shiqi zhong (種 書 十七 種, Dezessete Livros sobre o Dao) (Despeux 2008: 173).

Nüzi daojiao congshu (女子 道教 叢書, coleção de escritos taoístas para mulheres), compilado por Yi Xinying (瑩 心 瑩, 1896-1976), contém onze textos, descrevendo a liturgia das mulheres, as linhagens taoístas das mulheres, os princípios da transmutação corporal, interceptação menstruação e cultivo interior (Despeux 2000: 398).

Práticas 

Alquimia interior das mulheres 

Ilustração em xilogravura de uma adepta praticando neidan “Nutrindo e cultivando o embrião sagrado”, 1615 Xingming guizhi (旨 圭 旨, Ponteiros sobre a natureza espiritual e a vida corporal)

Os escritos sobre alquimia interior para as mulheres enfatizam o shengtai (胎 胎, “Embrião Sagrado; Embrião Imortal”) da santidade. O processo tem três estágios transformando os Três Tesouros de jing ( 精 , “Essência; sêmen; fluido menstrual”), qi ( 氣 “vitalidade, energia; respiração”), e Shen ( 神 , “espírito; divindade; ser sobrenatural” ) Primeiro, refinando a essência jing e transformando-a em energia qi ; segundo, refinar a energia e transformá-la em espírito de shen ; e terceiro, refinando o espírito para retornar a ( xuEm) vazio. No primeiro estágio, o adepto transforma as várias forças yin e yang dentro do corpo em um embrião de energia. Durante o segundo estágio e ao longo de dez meses simbólicos , esse embrião dá à luz o yuanshen (元 神, força espiritual original). Esse nascimento ocorre através da fontanela , porque o processo alquímico inverte o curso dos procedimentos naturais. Esse espírito luminoso deixa e entra novamente no corpo e depois é sublimado no terceiro estágio para eventualmente se fundir completamente no vazio cósmico (Despeux 2000: 406).

Somente o primeiro estágio diferencia práticas entre homens e mulheres. Na terminologia neidan , o sêmen é chamado baihu (白虎, tigre branco) e o sangue menstrual é chilong (Dragon, dragão vermelho). Em vez de refinar a essência seminal e transformá-la em energia, as mulheres refinam seu sangue menstrual, diminuindo progressivamente seu fluxo e, eventualmente, interrompendo-o completamente. Isso é conhecido como duan chilong (cutting 赤龍, “cortando o dragão vermelho”) ou zhan chilong (斬 赤龍, “decapitando o dragão vermelho”), e identifica o adepto como grávido de um embrião de energia pura. O sangue menstrual é sublimado em um “sangue novo” chamado baifeng sui (白鳳 髓, “medula branca da fênix”), que é refinada em um nível superior de poder espiritual (Despeux 2000: 406-407).

Na medicina tradicional chinesa, o sangue menstrual e o fluido seminal representam as energias fundamentais de mulheres e homens. A cessação do fluxo menstrual em mulheres corresponde estruturalmente à retenção do sêmen nos homens. Nos dois casos, a perda de uma substância essencial é interrompida e, com ela, a perda de energia original. Essa cessação cria uma reversão dos processos naturais e permite a criação simbólica de um novo broto interno de energia que se transforma em um embrião de energia. De acordo com a literatura médica tradicional, o sangue menstrual é formado a partir do leite materno, que dois dias antes da menstruação desce dos seios para o útero, onde se transforma em sangue. O refinamento do sangue menstrual em energia é, portanto, uma reversão do processo natural e consiste em retornar às secreções leitosas. O processo começa com massagens nos seios para estimular o fogo interno do desejo sexual, que é então controlado para nutrir o ser interior. Além disso, a adepta do sexo feminino utiliza a meditação da respiração para transformar o sangue menstrual em secreções mamárias. Uma energia quente é sentida girando em torno de seu umbigo, a área esquenta e o “vermelho é transformado em branco”. De acordo comNü jindan , “Quando o yang estiver quase se transformando em yin e fluir através do canal de jade [vagina], entre rapidamente na roda de fogo. Quando o vento do Xun sopra na parte superior, no Palácio Escarlate original [plexo solar], decapite o fluxo periódico de sangue para que ele nunca possa correr novamente! ” (Despeux 2000: 407).

Os textos sobre práticas neidan afirmam que, como o movimento interno de energias corresponde às capacidades gestacionais já presentes nas mulheres, seu progresso espiritual com a alquimia interior é consequentemente mais rápido que o dos homens. Enquanto um adepto do sexo masculino precisa desenvolver um útero dentro de si e aprender a nutrir um embrião, uma mulher já possui essa faculdade natural e, portanto, tem mais facilidade em aprender a prática. O prefácio de Löngxiang diz: “No caso das mulheres, discutimos técnicas de respiração, mas não práticas embrionárias” (Despeux 2000: 402).

Atividades mediúnicas 

Par de xamãs ou atendentes, cultura Chu , c. Século III AEC

As mulheres desempenharam um papel importante na longa tradição do xamanismo chinês . A palavra wu ( 巫 , “médium espiritual; xamã; feiticeiro; médico”) foi registrada pela primeira vez durante a dinastia Shang (ca. 1600-1046 aC) quando um wu podia ser homem ou mulher. Durante o final da dinastia Zhou (1045-256 aC), wu significava especificamente “xamã do sexo feminino; feiticeira” em oposição a xi ( 覡 , “xamã do sexo masculino; feiticeiro”). Nomes posteriores para xamãs incluem nüwu (女巫, “mulher xamã”), wunü (巫女, “mulher xamã”), wupo (巫婆, “xamã velha”),(巫 嫗, “shaman hag”). Os xamãs se comunicavam com o mundo divino, servindo como adivinhos, diagnosticadores, curandeiros, exorcistas e convocadores zhaohun de almas (Hawkes, 1985). Os primeiros movimentos taoístas assimilaram as práticas xamanísticas populares, especialmente os textos revelados e a escrita automática , e ainda criticaram os xamãs pelo culto heterodoxo e pela magia negra (Despeux 2000: 403).

Muitos textos taoístas foram revelados a médiuns e xamãs em estados de possessão espiritual . Um exemplo inicial é c. Taipingjing do século II EC (Escritura de Grande Paz), que se descreve como um tianshu (天書, “livro celestial”) (Overmyer e Jordan 1986: 37). O Zhen’gao , que supostamente foi revelado ao místico Yang Xi no século IV, possui fortes conotações xamânicas. Por exemplo: “Se os espíritos divinos e aperfeiçoados descem para uma pessoa impura do mundo, eles não estão mais agindo ou escrevendo com seus próprios pés e mãos. Como acima e abaixo estão tão distantes um do outro, como podem seus traços [escritos” ] seja verdadeiramente visível [para humanos]? ” (Despeux 2000: 403).

A literatura mediúnica encantou os literatos chineses , e os autores das canções, Shen Kuo e Su Dongpo, descreveram práticas de escrita espiritual, especialmente aquelas associadas ao culto ao Zigu (Purple, Dama Roxa), o Deus do Banheiro . No período Tang, ela foi a segunda esposa de um homem cuja primeira esposa ciumenta a mutilou brutalmente e a queimou lentamente até a morte no banheiro. Desde que Zigu morreu, no décimo quinto dia do primeiro mês lunar, que se tornou seu dia de festa, quando ela descia para seguidores de mulheres extasiadas e respondia suas perguntas (Maspero 1981: 135-137). Ela era venerada como a protetora das mulheres, e até o Imperador Jiajing (r. 1522-1566) tinha um altar especial para Zigu.

As mulheres tinham posições privilegiadas nos círculos mediúnicos e do taoísmo. Elementos xamânicos sustentam as tradições de ambas as escolas, com linhagens femininas e textos alquímicos internos das mulheres. Quando o taoísmo organizado adaptou as práticas antigas das xamãs, as mulheres taoístas assumiram novos papéis e funções importantes (Despeux 2000: 403-404).

Práticas sexuais 

O espectro taoísta de atividades sexuais variou amplamente entre as escolas, algumas enfatizaram o estrito celibato, outras se casaram misticamente com parceiros celestes e outras ainda praticaram relações rituais comunitárias (Despeux 2008: 173).

No início do movimento Tianshi, todos os membros da comunidade foram iniciados em uma vida religiosa de rigoroso controle moral e sexo ritual. As mulheres do movimento desempenharam papéis organizacionais importantes e foram essenciais na iniciação sexual do guodu (過度, “ritos de passagem”), que remontava às antigas técnicas de longevidade do fangzhong shu ( arts中 “,” artes de dormir “) e aos xamãs. uniões extáticas com o divino (Wile 1992). O mais conhecido é o ritual sexual de heqi (合 氣, “harmonizando as energias”), durante o qual os membros da comunidade, independentemente de suas afiliações conjugais, se uniam à relação formal. Os ritos ocorreram no oratorγ ou jingshi(靜室, “câmara de tranquilidade”) na presença de um mestre e um instrutor. As técnicas envolviam a visualização de energias corporais e movimentos corporais ritualizados alinhados à numerologia e astrologia chinesas . Em contraste com as artes sensuais do quarto, acreditava-se que o sexo ritual dos adeptos de Tianshi resultava na formação do embrião imortal, que se beneficia e contribuía para uma maior harmonia universal (Despeux 2000: 404). Dàoxuān 644 ‘s Guang ji Hongming(廣 弘 明 集, Coleção Ampliada sobre Propagação e Esclarecimento [do Budismo]) diz: “Durante os rituais realizados na lua nova e cheia, os taoístas participam de seu preceptor em suas câmaras particulares. Sentimento e intenção são semelhantes, e homens e mulheres as mulheres se juntam. Combinam seus quatro olhos e dois narizes, acima e abaixo. Unem suas duas bocas e duas línguas, uma com a outra. Uma vez que yin e yang se encontraram intimamente, essência e energia são trocadas livremente. , os ritos de homens e mulheres são realizados e o Dao de homens e mulheres é harmonizado “. (Tr. Despeux e Kohn 2003: 106).

A tradição da claridade de Shangqing assume uma posição ambivalente em relação às práticas sexuais, embora não completamente rejeitada, a sexualidade é considerada uma técnica menor, incapaz de garantir níveis avançados de realização espiritual. Esta escola taoísta sustenta, juntamente com algumas outras religiões do mundo, que um adepto deve praticar abstinência sexual e castidade para ver e ouvir divindades. Embora o tema básico da união sexual seja preservado, ele é transposto para interações imaginárias com o divino (Despeux 2000: 405). Como o Zhen’gaodiz: “Quando um aperfeiçoado aparece como presença de luz e alguém se envolve com ele ou ela, então esta é a união com a luz, o amor entre dois seres de luz. Embora sejam chamados de marido e mulher, eles não se envolvem em união conjugal. relações “(tr. Despeux 2000: 399). Os adeptos de Shangqing procuraram transcender a união sexual mundana e entrar no reino invisível, através da mediação de parceiros celestes e casamentos divinos (Cahill, 1992).

As escolas taoístas da alquimia interior neidan têm duas visões básicas sobre as mulheres e a união sexual. Primeiro, reter o sêmen durante a relação sexual cria transformações psicofisiológicas, que beneficiam tanto os adeptos femininos quanto os masculinos como parceiros iguais. Segundo, praticar a abstinência sexual enfatiza as habilidades mediúnicas das mulheres e resulta em autoerotismo , como massagear seus seios. Nos dois casos, o objetivo da união é a formação de um embrião imortal, o primeiro broto do renascimento espiritual do adepto (Despeux 2000: 405).

A literatura taoísta descreve a união sexual ideal como uma troca uniforme de energias entre parceiros, mas algumas publicações não-taoístas mencionam uma espécie de “vampirismo sexual” no qual um parceiro tenta egoisticamente obter energia às custas do outro. Essa prática, chamada caizhan ( 戰, “puxando [de energia] em combate [amoroso]”), geralmente beneficiava homens, mas às vezes também mulheres. Por exemplo, a rainha mãe do Ocidente alcançou a imortalidade taoísta alimentando sua essência yin. As lendas dizem que ela nunca teve marido, mas gostava de copular com meninos (Wile 1992: 102-103). O taoísmo descreveu consistentemente tais práticas como impróprias e heterodoxas, embora elas fossem praticadas secretamente em certas seitas taoístas (Despeux 2000: 405).

Celibatários e monástica 

As mulheres taoístas que optaram por se tornar freiras geralmente viviam em templos conhecidos como guan (觀) que começaram nos séculos 5 a 6. O celibato foi associado às primeiras escolas taoístas. O reformador Kou Qianzhi (365-448), que provavelmente influenciou o modelo budista , estabeleceu o celibato entre os Mestres Celestiais do Norte (Despeux 2000: 399). Da mesma forma, a Escola Shangqing enfatizou que a castidade era necessária para um adepto visualizar divindades. Embora o fundador de Shangqing, Tao Hongjing (456-536) fosse celibatário, as instituições Maoshan que ele dirigia forneciam moradia para adeptos de ambos os sexos e seus filhos (Strickmann, 1978: 471).

O taoísmo tem uma longa história de polêmica sobre abstinência sexual. Alguns, como Song Wenming (宋文明) do início do século VI, recomendam fortemente que todos os taoístas sejam celibatários; outros preferiram a vida familiar, como Li Bo (播 播), que apresentou um memorial ao imperador no início do século VII, recomendando que ele não proibisse o clero taoísta de se casar (Maspero 1981: 411, 425).

 

Ilustração em xilogravura de Yu Xuanji , 1772 Lichao mingyuan shici (歷朝 名媛 詩詞)

Como mencionado acima, os templos taoístas durante o período Tang segregaram as instituições femininas e masculinas. A promiscuidade prevaleceu em alguns mosteiros Tang, por exemplo, o Xianyi guan (咸宜 觀, Abadia do Benefício Universal) em Chang’an. Foi nomeado em homenagem à princesa Xianyi, vigésima segunda filha do imperador Xuanzong, que se tornou freira taoísta e entrou na abadia em 762. Muitas viúvas de famílias ricas tornaram-se monjas Xianyi e continuaram vivendo em luxo, ajudadas por seus servos. As freiras se misturavam com mulheres de muitas classes sociais, como a célebre cortesã e poeta Yu Xuanji (c. 844-869), que nasceu em uma família pobre e se casou com um oficial Tang como sua segunda esposa. Após denúncia por sua primeira esposa, ela se juntou à abadia, levou o poeta Wen Tingyun(812-870) como amante, e tornou-se conhecido como líder na poesia Tang (Despeux 2000: 400).

A segregação sexual nas instituições taoístas tornou-se mais rigorosa sob a música. Em 927, o imperador Taizu emitiu o seguinte decreto: “Existem tendências decadentes nos templos, incluindo o uso de tecidos ásperos e a coabitação com mulheres e crianças. Isso é proibido para todos os taoístas. Aqueles com família devem morar fora do complexo do templo. A partir de agora será ilegal instalar alguém como taoísta sem a devida autoridade oficial. ” (tr. Despeux 2000: 400).

Quando a escola de Quanzhen se espalhou pelo norte da China, eles estabeleceram muitos guan, especialmente para as mulheres, e apoiaram aqueles que haviam perdido o apoio da família. A vida monástica nos templos de Quanzhen, para ambos os sexos, era estritamente regulamentada, e a programação diária incluía períodos para cantar clássicos, trabalhos comunitários e práticas individuais, incluindo exercícios alquímicos internos (Despeux 2000: 401).

Wicca 

Na Wicca , tantas mulheres são ordenadas quanto homens. Embora, muitas tradições elevem a importância das mulheres que os homens e são frequentemente líderes do coven. Os membros são tipicamente considerados sacerdotes e sacerdotisas quando recebem o rito de iniciação dentro do coven, embora alguns possam optar por receber treinamento adicional para se tornarem Alta Sacerdotisa, que geralmente tem a palavra final nas questões e quem pode escolher quem pode ser seu Sumo Sacerdote. Alguns, que passaram por experiência suficiente, podem sair para criar seu próprio convênio. [220] [221] [222]

Yoruba 

Yeye Siju Osunyemi sendo iniciada como sacerdotisa da divindade Oshun no Santuário de Osun em Osogbo, Nigéria.

O povo iorubá do oeste da Nigéria pratica uma religião indígena com uma hierarquia religiosa de padres e sacerdotisas que data de 800 a 1000 CE. Os sacerdotes e sacerdotisas de Ifá Oracle têm os títulos Babalawo e Iyanifa, respectivamente. [223] Sacerdotes e sacerdotisas do variado orixá , quando ainda não ostentam os títulos oraculares de maior classificação mencionados acima, são referidos como babalorisa quando masculino e iyalorisa quando feminina. [224] Os iniciados também recebem um nome Orisa ou Ifá que significa sob qual divindade eles são iniciados; por exemplo, uma sacerdotisa de Oshunpode ser chamado Osunyemi e um sacerdote de Ifá pode ser chamado Ifáyemi .

Zoroastrismo 

Padres zoroastrianos na Índia devem ser homens. [225] No entanto, as mulheres foram ordenadas no Irã e na América do Norte como mobedyars, ou seja, mulheres mobbed (sacerdotes zoroastrianos). [226] [227] [228] Em 2011, o Teerã Mobeds Anjuman (Anjoman-e-Mobedan) anunciou que, pela primeira vez na história do Irã e das comunidades zoroastrianas em todo o mundo, as mulheres haviam se juntado ao grupo de mobeds (padres) no Irã como mobedyars (mulheres sacerdotes); as mulheres possuem certificados oficiais e podem desempenhar funções religiosas inferiores e podem iniciar pessoas na religião. [226]

Outras religiões 

  • Ann Lee , Shaker , fundadora do movimento Shaker na América
  • Annie Besant , Teosofista influente no Movimento da Independência da Índia
  • Madame Blavatsky ,  desenvolvimento e promoção da teosofia
  • Nakayama Miki , fundador da Tenrikyo
  • Nirmala Srivastava , fundadora e deusa auto-proclamada da Sahaja Yoga

Veja também 

  • Feminismo budista
  • Visões cristãs das mulheres
  • Feminismo cristão
  • Diaconisa
  • Episcopa Theodora
  • Teologia feminista
  • Ótima mãe
  • Feminismo islâmico
  • Feminismo judeu
  • Clero LGBT no cristianismo
  • Lista das 32 primeiras mulheres ordenadas como sacerdotes da Igreja da Inglaterra
  • Lista de sacerdotes
  • Feminismo Mórmon
  • Linha do tempo das mulheres na religião
  • Cronologia da ordenação de mulheres
  • Cronologia da ordenação de mulheres nos Estados Unidos
  • Linha do tempo das mulheres hazzans na América
  • Linha do tempo das mulheres hazzans em todo o mundo
  • Linha do tempo de mulheres rabinas na América
  • Linha do tempo das mulheres rabinas em todo o mundo
  • Mulheres como figuras teológicas
  • Mulheres na Bíblia

Referências 

  1. “A Igreja Episcopal dos EUA instala a primeira bispo presidente mulher” . Austrália: Journeyonline.com.au. 2006-11-07. Arquivado a partir do originalem 06/07/2011 Página visitada em 2010-11-19 .
  2. “As mulheres bispos votam: Igreja da Inglaterra ‘se parece com seita  ” . BBC News – Política do Reino Unido . BBC. 22/11/2012 Página visitada em 2013-10-18 .
  3. ^ Sarah Dening (1996), a mitologia do sexo , Macmillan, ISBN 978-0-02-861207-2 . Ch.3. 
  4.  Lindemann, Kate. “En HeduAnna (EnHedu’Anna) filósofo do Iraque – 2354 aC” . Women-philosophers.com . Kate Lindemann, PhD. Arquivado a partir do original em 2013-02-09 Página visitada em 2013-10-14 .
  5.  Plinio Prioreschi (1996). Uma história da medicina: medicina primitiva e antiga . Horatius Press. p. 376. ISBN 978-1-888456-01-1Página visitada em 2013-10-18 .
  6. ^ Jeremy Black (1998), Reading Sumerian Poetry , Cambridge University Press , ISBN 0-485-93003-X . pp 142. Leitura de poesia suméria (pág. 142) 
  7. “Lexicon :: H6948 de Strong – qĕdeshah” . Bíblia carta azul . Semeando o círculo Página visitada em 2013-10-18 .
  8.  Blue Letter Bible , resultados de Lexicon para qĕdeshah ( H2181 deStrong) , incorporando a Concordância de Strong (1890) eo Lexicon deGesenius (1857).
  9. ^ Também transliterou qĕdeshah , q e deshah , qědēšā , qedashah ,kadeshah , kadesha , qedesha , kdesha .
  10. ^ Gillam, Robyn A. (1995). “Sacerdotisas de Hathor: suas funções, declínio e desaparecimento”. Jornal do Centro de Pesquisa Americano no Egito . ARCE. 32 : 211-237. doi : 10.2307 / 40000840 . ISSN  0065-9991 .
  11.  Gerald Hovenden (2002-12-31). Falando em línguas: a evidência do Novo Testamento em contexto . Continuum. 22-23. ISBN 978-1-84127-306-8Página visitada em 2013-10-18 .
  12. ^ Lester L. Grabbe; Robert D. Haak (2003). “Introdução e Visão geral”. Conhecendo o fim desde o início: o profético, o apocalíptico e seu relacionamento . Continuum. p. 24. ISBN 978-0-567-08462-0Páginavisitada em 2013-10-18 .
  13. ^ Ariadne Staples (janeiro de 1998). Da boa deusa às virgens vestais: sexo e categoria na religião romana . Routledge. ISBN 978-0-415-13233-6Páginavisitada em 2013-10-18 .
  14. ^ Arnold Hugh Martin Jones (1986). The Later Roman Empire, 284-602: Uma Pesquisa Econômica e Administrativa Social . Imprensa da Universidade Johns Hopkins. p. 163. ISBN 978-0-8018-3353-3Página visitada em 2013-10-18 .
  15. ^ L. Richardson, Jr. (1992-10-01). Um novo dicionário topográfico da Roma antiga . JHU Pressione. p. 412. ISBN 978-0-8018-4300-6Página visitada em 2013-10-18 .
  16. Ir-se a:uma f Celia E. Schultz (2006-12-08). Atividade religiosa das mulheres na República Romana . Universidade da Carolina do Norte. pp. 70-71, 79-81. ISBN 978-0-8078-7725-8Página visitada em 2013-10-18 .
  17. Salte para:b Lesley E. Lundeen (2006-12-14). “Capítulo 2: Em busca da sacerdotisa etrusca: um reexame do hatrencu”. Religião na Itália republicana . Paul B. Harvey, Celia E. Schultz. Cambridge University Press. p. 46. ISBN 978-1-139-46067-5Página visitada em 2013-10-18 .
  18. ^ Barbette Stanley Spaeth (1996). A deusa romana Ceres . University of Texas Press. p. 104. ISBN 978-0-292-77693-7Página visitada em 2013-10-18 .
  19. ^ Spaeth, A Deusa Romana Ceres , pp. 4-5, 9, 20 (visão histórica e sacerdócios aventinos), 84-89 (funções dos edil plebeus), 104-106 (mulheres como sacerdotisas): citando entre outros Cícero , In Verres , 2.4.108; Valerius Maximus , 1.1.1; Plutarco , De Mulierum Virtutibus , 26.
  20. ^ Hendrik HJ Brouwer, Bona Dea: As fontes e uma descrição do culto (Brill, 1989), pp. 371, 377. Um título para sacerdos da Bona Dea era damiatrix , presumivelmente de Damia , um dos nomes de Deméter. e associado também ao Bona Dea.
  21. CIL II. 2416: Isidi Aug (ustae) sacrum / Lucretia Fida sacerdote (os) perp (etua) / Rom (ae) et Aug (usti) / convent Bracar (a) aug (ustani) d (editar)(“Lucretia Fida, sacerdote vitalício de Roma e Augusto , de Conventus Bracarensis , Braga , deu um sacrum a Isis Augusta “), do Museu D. Diogo de Sousa, Braga, Portugal.
  22. ^ Stephen L. Dyson (01-08-2010). Roma: um retrato vivo de uma cidade antiga . JHU Pressione. p. 283. ISBN 978-1-4214-0101-0Página visitada em 2013-10-18 .
  23. ^ Jörg Rüpke , “religião romana – religiões de Roma”, um companheiro à religião romana (Blackwell, 2007), p. 4)
  24. ^ Jean MacIntosh Turfa , “Religião etrusca na bacia hidrográfica: antes e depois do século IV aC”, em Religião na Itália republicana (Cambridge University Press, 2006), p. 48)
  25. ^ Gargi – o filósofo da Virgem elo morto permanente ] Swami Sivananda
  26. “Gargi” Página visitada em 2006-12-24 .
  27. “Mulheres védicas: Amando, Aprendidas, Afortunadas!” Página visitada em 2006-12-24 .
  28. ^ Neevel, pp. 74–77
  29. “Os sadhus das mulheres formam akhada só de mulheres, enfrentam críticas dos homens” . Hindustan Times .
  30. ^ Pallavi, Aparna (26-02-2008). “Cidade indiana abre porta para sacerdotisas hindus” . Womensenews.org Página visitada em 2010-11-19 .
  31.  Mathai, Kamini (18/10/2008). “Masti, mehendi marcam Karva Chauth na cidade” . Findarticles.com Página visitada em 2010-11-19 .
  32. “Como Chanda se tornou a primeira sacerdote hindu da Grã-Bretanha” . Leicester Mercury . Mundo local. 20/07/2010. Arquivado a partir do originalem 2012-09-13 Página visitada em 2013-10-15 .
  33. “O Guru Gracioso: Gurus Hindu Femininos na Índia e nos Estados Unidos” . Amazon.com Página visitada em 2010-11-19 .
  34. “Do trauma vem o primeiro guru feminino” . O Sydney Morning Herald .
  35. “Trabalhos por Chögyam Trungpa e seus estudantes” . Dharma Haven . Dharma Haven. 23 de junho de 1999 Página visitada em 2013-10-14 .
  36. “Ani Pema Chödrön” . Gampoabbey.org. Arquivado a partir do originalem 17/11/2010 Página visitada em 2010-11-19 .
  37. ^ Enciclopédia de Macmillan do budismo (volume um), página 352
  38. ^ Livro da disciplina , sociedade do texto de Pali , volume V, capítulo X
  39. ^ Código, Lorena, ed. (2003). Enciclopédia de teorias feministas . Routledge. ISBN 978-0-415-30885-4Página visitada em 2010-11-19 .
  40. Salte para:b “As Mulheres em Destaque no Prêmio Budismo” . Owbaw.org. Arquivado a partir do original em 2011-01-14 Página visitada em 2010-11-19 .
  41. Salte para:b “A Vida de Buda: (Parte Dois) A Ordem das Freiras” . Buddhanet.net Página visitada em 2010-11-19 .
  42. “Uma nova possibilidade” . Congress-on-buddhist-women.org Páginavisitada em 2010-11-19 .
  43.  Austin, Shoshan Victoria (2012). “O verdadeiro corpo humano”. Em Carney, Eido Frances (ed.). Recebendo a Medula . Temple Ground Press. p. 148. ISBN 978-0985565107.
  44. 700th memorial da abadessa Nyodai ” . Instituto de Estudos Medievais Japoneses. Arquivado a partir do original em 21 de março de 2012 . Recuperado em 10 de abril de 2012 .
  45. “A história de Saccavadi” . Blog do Sujato .
  46. “A história de uma freira birmanesa – triciclo” .
  47. Recursos na classificação das mulheres . Lhamo.tripod.com Páginavisitada em 2010-11-19 .
  48. Bhikkhuni & Siladhara: Pontos de comparação . Groups.google.com Página visitada em 2010-11-19 .
  49. ^ Monica Lindberg Falk (2007). Fazendo campos de mérito: ascetas femininos budistas e ordens de gênero na Tailândia . NIAS Press. pp. 25–. ISBN 978-87-7694-019-5Página visitada em 2013-10-15 .
  50. ^ Bhikkhuni Sobhana. “Ordenação bhikkuni contemporânea no Sri Lanka” . Lakehouse.lk. Arquivado a partir do original em 2011-05-21 Páginavisitada em 2010-11-19 .
  51. Ordenado finalmente . Thebuddhadharma.com. 2003-02-28. Arquivado a partir do original em 6 de fevereiro de 2004 Página visitada em 2010-11-19 .
  52. ^ Rita C. Larivee, SSA (2003-05-14). “Bhikkhunis: Ordenando Mulheres Budistas” . Nationalcatholicreporter.org Página visitada em 2010-11-19 .
  53. ^ Rainha, Christopher S .; King, Sallie B. (1996). Budismo engajado: movimentos de libertação budista na Ásia . SUNY Pressione. ISBN 9780791428443Página visitada em 2013-11-12 .
  54. “IPS – vestes tailandesas de Don Monks ‘| Serviço de imprensa inter” . Ipsnews.net. 01/11/2013 Página visitada em 2013-11-12 .
  55. ^ Sommer, PhD, Jeanne Matthew. “Budismo socialmente engajado na Tailândia: ordenação de monges tailandesas” . Warren Wilson College. Arquivado do original em 04 de dezembro de 2008 . Consultado em 6 de dezembro de 2011 .
  56. “Monges tailandeses se opõem à ordenação australiana ocidental de freiras budistas” . Wa.buddhistcouncil.org.au Página visitada em 2010-11-19 .
  57. “Ordenação Bhikkhuni” . Dhammasara.org.au. 22/10/2009. Arquivado a partir do original em 19/02/2011 Página visitada em 2010-11-19 .
  58. “Artigo: O primeiro rabino fêmea na Bielorrússia viaja pelo interior: Na estrada com Nelly Shulman” . Highbeam.com. 2001-03-23. Arquivado a partir do original em 05/11/2012 Página visitada em 2010-11-19 .
  59. ^ Enciclopédia das mulheres e religião na América do Norte, volume 2 Por Rosemary Skinner Keller, Rosemary Radford Ruether, Marie Cantlon (pág. 642)
  60. ^ HarperSanFrancisco, 2006 320 páginas; US $ 24,95 (capa dura). “A linhagem perdida” . Thebuddhadharma.com Página visitada em 2010-11-19 .
  61.  James Ishmael Ford (2006). Mestre Zen Quem ?: Um Guia para as Pessoas e Histórias Zen . Publicações de Sabedoria. pp. 166–. ISBN 978-0-86171-509-1. Consultado em 15 de outubro de 2013 .
  62. História de fundo para a irmã Khema . Dhammasukha.org. Arquivado a partir do original em 12/11/2013 Página visitada em 2013-11-12 .
  63. Salte para:b “Mulheres que fazem história” . Vajradakininunnery.org. Arquivado a partir do original em 01/06/2010 Página visitada em 2010-11-19 .
  64. “Khenmo Drolma” . Vajradakininunnery.org. Arquivado a partir do original em 01/06/2010 Página visitada em 2010-11-19 .
  65. “Convento de Vajra Dakini” . Convento de Vajra Dakini Página visitada em 2010-11-19 .
  66. ^ Boorstein, Sylvia (25/05/2011). “Ordenação de Bhikkhunis na Tradição Theravada” . Huffington Post .
  67. ^ Dr. Stephen Long. “Ordenação Bhikkhuni em Los Angeles” . Asiantribune.com Página visitada em 2013-11-12 .
  68. ^ Acontecimentos de Bhikkhuni – Aliança para Bhikkhunis . Bhikkhuni.net. Recuperado em 28/06/2015.
  69. Salte para:b http://www.bhikkhuni.net/wp-content/uploads/2015/06/FirstTheravadaordinationofbhikkhunisinIndonesiaAfteraThousandYears.pdf
  70. ^ Macy, Gary (2008). A história oculta da ordenação de mulheres: clero feminino no Ocidente medieval . Nova York: Oxford University Press. p. 14. ISBN 9780195189704.
  71. Salte para:b Osiek, ed. e trad. por Kevin Madigan e Carolyn (2005). Mulheres ordenadas na igreja primitiva: uma história documental (Johns Hopkins pbk. Ed.). Baltimore, Maryland: Johns Hopkins Univ. Pressione. p. 186. ISBN 9780801879326.
  72. ^ Rom 16: 1, versão internacional nova
  73.  Kroeger, Catherine. “A história negligenciada das mulheres na igreja primitiva” . instituto de história cristã .
  74.  Kroeger, Catherine. “A história negligenciada das mulheres na igreja primitiva” . instituto de história cristã .
  75. ^ Justo L. González (1987). Uma história do pensamento cristão: da reforma protestante ao século XX . Abingdon Press.
  76. ^ Fox de George (1831). “Funciona” . Recuperado em 25 de setembro de2016 .
  77. “Q&A: Os bispos das mulheres votam” . BBC News . Consultado em 22 de novembro de 2012 .
  78. Salte para:b Geoffrey W. Bromiley [et al], ed. (2002) A Enciclopédia Padrão da Bíblia Internacional: QZ (Fully rev., [Nachdr.]. Ed.). Grand Rapids, Mich .: Eerdmans. p. 1095. ISBN 9780802837844.
  79. ^ Raab, Kelley A. (2000). Quando o padre é mulher: uma perspectiva psicanalítica sobre o debate da ordenação de mulheres católicas . Nova York: Columbia University Press. p. 49. ISBN 9780231113359.
  80. ↑ Tudo Maria Madalena registra a vida e o legado do discípulo mais incompreendido de Jesus . Mídia F + W. 2010. p. 145. ISBN 9781440523861.
  81. ^ Lester, Meera (2005). Maria Madalena: o guia moderno da mulher mais misteriosa e incompreendida da Bíblia . Avon, Massachusetts: Adams Media. p. 51. ISBN 9781593373986.
  82. Salte para:b “Mulheres na Igreja: Como as igrejas podem equipar melhor as mulheres para servir na liderança?” . www.christianpost.com . Recuperado 2019-03-05 .
  83. “Igreja reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, da Página de Movimentos Religiosos” . Web.archive.org. Arquivado a partir do original em 22/11/2007 Página visitada em 2013-11-12 .
  84. ^ “A Igreja RLDS chama 2 mulheres para servir entre 12 apóstolos” ,Deseret News , 1998-03-21.
  85. ^ Stephen M. Veazey (1 de março de 2007). “Carta de conselho sobre os quóruns presidentes” . Arquivado a partir do original em 19 de agosto de 2012
  86. ^ Stephen M. Veazey, “Carta de Conselho a respeito dos quóruns presidentes” , 07/05/2012.
  87.  Kelly Evanson (20 de abril de 2013). “Mulher eleita para servir como presidente do Conselho dos Doze Apóstolos” . O examinador . Arquivado a partir do original em 16 de junho de 2013 . Consultado em 3 de julho de2013 .
  88. ^ “Mulheres – elas podem ser” ministras “?”, A Sentinela , 15 de março de 1981, página 19, “Vários tribunais nos Estados Unidos reconheceram as Testemunhas de Jeová, ao continuarem a obra evangelística de porta em porta, como Por exemplo, a Suprema Corte de Vermont, em Vermont v. Greaves (1941), declarou que Elva Greaves ‘é uma ministra ordenada de uma seita ou classe conhecida e designada como “Testemunhas de Jeová ” ‘. “
  89. ^ “Deixar todos os homens verem as procissões da vitória de Jeová”, A Sentinela , 1 de julho de 1968, página 413
  90. ^ “Servos felizes em tempo integral”, Nosso Ministério do Reino , maio de 1980, página 6
  91. ^ “Aplicando o Princípio Geral do Sacerdócio”, A Sentinela , 1 de fevereiro de 1964, página 86, “Entre as testemunhas de Jeová, qualquer cristão adulto, dedicado e batizado, qualificado, pode servir em tais funções ministeriais, como proferir discursos bíblicos públicos e funeral. conversas, realizando casamentos e presidindo a ceia ou ceia do Senhor. Não há aula de clero. “
  92. ^ “Coberturas de cabeça – quando e por quê?”, Mantenha-se no amor de Deus , 2008, página 210-211. “Ocasionalmente, porém, as circunstâncias podem exigir que uma mulher cristã seja chamada a cumprir um dever normalmente desempenhado por um homem batizado qualificado. Por exemplo, ela pode precisar realizar uma reunião para o serviço de campo porque um homem batizado qualificado não está disponível ou presente Por outro lado, muitos aspectos do culto não exigem que uma irmã use uma cobertura de cabeça. Por exemplo, ela usa uma cobertura de cabeça para reconhecer que está cumprindo o dever normalmente atribuído a um homem. não é necessário fazê-lo quando comenta nas reuniões cristãs, se envolve no ministério de porta em porta com o marido ou outro homem batizado, ou estuda ou ora com seus filhos não batizados “.
  93. ^ Perguntas dos Leitores, A Sentinela , 15 de julho de 2002, página 27, “Pode haver outras ocasiões em que nenhum homem batizado está presente em uma reunião da congregação. Se uma irmã tiver que lidar com os deveres geralmente desempenhados por um irmão em uma congregacionalidade reunião combinada ou reunião para o serviço de campo, ela deve usar uma cobertura de cabeça “.
  94. ^ “A consideração da mulher pela liderança – como demonstrada?”, A Sentinela , 15 de julho de 1972, página 447: “Às vezes, nenhuma Testemunha do sexo masculino batizada pode estar presente em uma reunião congregacional (geralmente em pequenas congregações ou grupos). necessário que uma Testemunha de Jeová batizada ore ou presida na reunião. Reconhecendo que ela está fazendo algo que normalmente seria tratado por um homem, ela usava uma cobertura de cabeça “.
  95. ^ Walsh, W. John; Walsh, Jenny Scoville. “Perguntas sobre o mormonismo”. Lightplanet.com . Recuperado 25/10/2013
  96. Quinn, D. Michael (1992). “17: As mulheres mórmons têm o sacerdócio desde 1843” . Em Hanks, Maxine (ed.). Mulheres e Autoridade: Ressurgindo o Feminismo Mórmon . Salt Lake City: Livros de assinatura . ISBN 1-56085-014-0
  97. Toscano, Margaret Merrill (1992). “18: Fortaleça, ó Filhas de Sião: Reivindicando o Sacerdócio e Conhecendo a Mãe” . Em Hanks, Maxine(ed.). Mulheres e Autoridade: Ressurgindo o Feminismo Mórmon . Salt Lake City: Livros de assinatura . ISBN 1-56085-014-0
  98. ↑ Newell, Linda King (outono de 1985). “Mulheres SUD e Sacerdócio: O Relacionamento Histórico de Mulheres Mórmon e Sacerdócio” (PDF) . Diálogo: Um Diário do Pensamento Mórmon . 18 (3): 21–32 Página visitada em 2013-10-25 .
  99. “Perguntas freqüentes: O que é a Sociedade de Socorro?” , Mormon.org , Igreja SUD, arquivada a partir do original em 16/10/2013 , recuperada em 25/10/2013
  100. “Perguntas freqüentes: Por que os mórmons não pagam clérigos?” , Mormon.org , Igreja SUD, arquivada a partir do original em 16/10/2013 , recuperada em 25/10/2013
  101. ↑ “Mórmons lançam campanha online para ordenar mulheres ao sacerdócio” . O Salt Lake Tribune .
  102. “Ordenação das mulheres na Ortodoxia Oriental, linha principal e denominações protestantes liberais, e outras religiões” . Religioustolerance.org Página visitada em 2010-11-19 .
  103. Mulheres ortodoxas e Praxis pastoral . O St. Nina Quarterly . Primavera de 1999. Arquivado desde o original em 14/04/2016 Página visitada em 2016-02-05 .
  104. ^ Mercadorias, Kallistos (1999) [1982]. “Homem, mulher e o sacerdócio de Cristo”. Em Hopko, Thomas (ed.). Mulheres e o Sacerdócio (Nova edição). Crestwood, Nova Iorque: St. Vladimir’s Seminary Press. p. 16. ISBN 9780881411461.como citado em Wijngaards, John (2006). Diáconos de mulheres na igreja primitiva: textos históricos e debates contemporâneos . Nova York: Herder & Herder. ISBN 0-8245-2393-8.
  105. John Anthony McGuckin, “a igreja ortodoxa” (John Wiley & Sons 2010 ISBN 978-1-44439383-5), p. 327 . Books.google.com. 2010-12-09. ISBN 9781444393835Página visitada em 2013-11-12 .
  106. Gary Macy et al., ” Women Deacons ” (Paulist Press 2011 ISBN 978-1-61643052-8) . Books.google.com. 2011. ISBN 9781616430528Páginavisitada em 2013-11-12 .
  107.  Phyllis Zagano (2004-10-08). “America | The National Catholic Weekly – ‘Conceda a ela seu espírito  ” . Americamagazine.org. Arquivado a partir do original em 18/06/2006 Página visitada em 2010-11-19 .
  108. “Para uma expressão completa do diaconado: discernindo as diáconas das mulheres do ministério” (PDF) . Arquivado a partir do original (PDF) em 29-05-2008 Página visitada em 2010-11-19 .
  109. Salte para:b Hagopian, David. “Locais de negociação: o sacerdócio de todos os crentes” O Centro de Teologia e Apologética Reformadas (CRTA), 1990. Acessado em 21 de janeiro de 2013
  110. Spijker, Willem van’t (1996). Os Escritórios Eclesiásticos no Pensamento de Martin Bucer . BRILL. p. 177 . Recuperado em 25/08/2014 – via Books.google.co.uk.
  111. ^ Williams, Michael E. (2012). “cap. 2”. Estudos Bíblicos de Imersão: Tiago, 1 e 2 Pedro, 1, 2 e 3 João, Judas . Abingdon Press Página visitada em 2014-08-25 .
  112. ^ Bacon, Margaret (1986). Mães do feminismo: a história das mulheres quacres na América . São Francisco: Harper & Row. p. 24
  113. ^ “A questão da ordenação de mulheres na comunidade das igrejas” . Anglican Theological Review , Viser, Jan. Summer 2002. Acessado em 18 de setembro de 2007
  114. ^ William Collier, o general ao lado de Deus (fonte, 1975)
  115. “Mulher virada como nova líder do Exército de Salvação” . Washingtontimes.com. 31/01/2011 Página visitada em 2013-11-12 .
  116. ^ Jeff Brooke-Stewart. “John Colby, Pregador do Evangelho” . Arquivado a partir do original em 03/03/2016 Página visitada em 2016-09-21 .
  117. Linha do tempo histórica: A igreja unida do Canadá . United-church.ca. 17-0-2008. Arquivado a partir do original em 29/11/2010 Página visitada em 2010-11-19 .
  118. “Maud Jensen, 1904-1998” . Gcah.org. Arquivado a partir do originalem 2012-03-25 Página visitada em 2010-11-19 .
  119. “Pilar fundamentalista” . Hora . 8 de julho de 1946. Arquivado em 30 de setembro de 2007 Página visitada em 25/09/2007 . O êxtase fundamentalista e os gritos de aleluia eram uma parte vital da fé magistral e profunda de Alma White. Nela, ela construiu uma seita chamada Coluna de Fogo – com 4.000 seguidores, 61 igrejas, sete escolas, dez periódicos e duas estações de transmissão. Na semana passada, como deve ser “a única mulher bispo do mundo”, a Morte chegou ao fundador de 84 anos da Coluna de Fogo.
  120. “Bispo v. Bebida” . Hora . 18 de dezembro de 1939. Arquivado em 23 de agosto de 2007 Página visitada em 2007-08-21 . Sua igreja ficou conhecida como a Coluna de Fogo. Viúva, a Sra. White começou uma comunidade devota, gritando e de acampamento em Nova Jersey, chamada Zarephath, em homenagem ao local onde a ‘viúva’ sustentou Elijah. Alma White logo estava agindo como um bispo em relação a seu rebanho [e] a Coluna de Fogo a consagrou como tal em 1918. [Ela] construiu 49 igrejas, três faculdades. Ela edita seis revistas, viaja continuamente entre Zarephath e o Ocidente. … Ela tem duas estações de rádio, WAWZ em Zarephath, KPOF em Denver, onde seu Templo de Alma também é uma preocupação próspera.
  121. ^ Sociologia por Beth B. Hess, Elizabeth Warren Markson, Peter J. Stein
  122. ^ David William Kling. A Bíblia na história: como os textos moldaram os tempos (p. 272)
  123. “Instituto para o estudo de evangélicos americanos” . Wheaton.edu. 29/06/2010. Arquivado a partir do original em 20/10/2008 Página visitada em 2010-11-19 .
  124. Salte para:b “Liderança feminina nas Escrituras Cristãs” . Religioustolerance.org Página visitada em 2010-11-19 .
  125. ^ Richard Clark Kroeger e Catherine Clark Kroeger, “Eu não sofro uma mulher: Repensando 1 Timóteo 2: 11-15 à luz da evidência antiga”, Grand Rapids, Michigan: Baker Books, 1992.
  126. ^ “Registros do Grupo Anglicano para a Ordenação de Mulheres ao Ministério Histórico da Igreja”
  127. Salte para:b “Ordenação feminina na Igreja Episcopal, EUA (ECUSA)” . Religioustolerance.org. 1976-09-16 Página visitada em 2010-11-19 .
  128. “Comemorando o Philadelphia Eleven” . Arquivado a partir do originalem 23/11/2011 Página visitada em 2012-01-21 .
  129. ^ Mulheres bispos na Igreja da Inglaterra? Pela Igreja da Inglaterra. Casa dos Bispos (pág. 279)
  130. “A Igreja da Inglaterra consagra a primeira bispo mulher” . A grande história . Arquivado desde o original em 24/07/2015.
  131.  Darnton, John (1994-03-13). “Após 460 anos, os anglicanos ordenam mulheres” . Nytimes.com Página visitada em 2010-11-19 .
  132. Salte para:b “Primeira bispo diocesana do sexo feminino em C de E consagrada” . Anglicannews.org. Recuperado em 23/07/2015.
  133. “Rachel Treweek se torna a primeira mulher bispo a entrar na Câmara dos Lordes” . Churchtimes.co.uk. 26/10/2015 Página visitada em 30/10/2015 .
  134. “A maioria dos Rev. Katharine Jefferts Schori Bispo Presidente e Bispo da Convocação de Igrejas Americanas na Europa” . Andromeda.rutgers.edu. Arquivado a partir do original em 12/08/2010 Página visitada em 2010-11-19 .
  135. “Declaração FMC sobre mulheres no ministério” . Igreja Metodista Livre . Recuperado em 31 de maio de 2017 .
  136. “Igreja Metodista comemora 40 anos de ordenação de mulheres” . A Igreja Metodista na Grã-Bretanha . 17 de junho de 2014. Arquivado do original em 05 de outubro de 2016 . Recuperado em 31 de maio de 2017 .
  137. ^ Gonlag, Mari. “Mulheres no Ministério – A Igreja Wesleyana: Uma Breve História” (PDF) . Igreja Wesleyana . Consultado em 3 de setembro de 2018.
  138. ^ Sams, G. Clair (2017). “The Bible Methodist, Edição I, Volume 49” (PDF). Conexão Metodista Bíblica das Igrejas . p. 2 . Recuperado em 31 de maio de2017 .
  139. Salte para:b “Disciplina da Igreja Metodista Primitiva nos Estados Unidos da América”(PDF) . Igreja Metodista Primitiva . Recuperado em 31 de maio de 2017 .
  140. Salte para:b A Disciplina da Igreja Evangélica Wesleyana . Igreja Evangélica Wesleyana . 2015. p. 115
  141. ^ Margaret Hope Bacon. Mães do feminismo: a história das mulheres quacres na América . Harper & Row. ISBN 0-06-250043-0.
  142. Ir-se a:uma c Rebecca Larson (1999). Filhas da Luz: Mulheres Quacres Pregando e Profetizando nas Colônias e no Exterior, 1700-1775 . A University of North Carolina Press. pp. 3-5.
  143. ^ Benjamin Woodford (2013). Percepções de uma monarquia sem rei: reações ao poder de Oliver Cromwell . Imprensa de McGill-Queen.
  144. “Carta Apostólica ORDINATIO SACERDOTALIS” . Vatican.va Páginavisitada em 2015-12-11 .
  145. “Código da lei de Canon” . Vatican.va Página visitada em 2010-11-19 .
  146. ^ Códice Iruis Canonici 1024, cf. Catecismo da Igreja Católica 1577
  147. ^ “A Igreja Católica nunca sentiu que a ordenação sacerdotal ou episcopal pode ser validamente conferida às mulheres”, Inter Insigniores , 15 de outubro de 1976, seção 1
  148. “O papel das mulheres na sociedade moderna e na igreja” . Ewtn.com Página visitada em 2013-11-12 .
  149. ^ Cf. Congregação para a Doutrina da Fé, “Resposta a um Dubium sobre o ensino contido na Carta Apostólica ‘Ordinatio Sacerdotalis'”: AAS 87 (1995), 1114. Em inglês e em latim
  150. “DECRETO GERAL relativo ao delito de tentativa de ordenação sagrada de uma mulher” . Vatican.va. 19/12/2007 Página visitada em 2010-11-19 .
  151. “Normas Substantivas” . Vatican.va Página visitada em 2010-11-19 .
  152. ^ Katholisch.de: Viele Bischöfe für verheiratete Priester und Frauendiakone (German) , 20 de outubro de 2019
  153.  Peterkiewicz Jerzy, The Third Adam , Londres 1975, Oxford University Press, ISBN 978-0192121981 
  154. “As mulheres podem ser sacerdotes” . Womenpriests.org. Arquivado a partir do original em 19/05/2011 Página visitada em 2010-11-19 .
  155. “Ordem das mulheres no mundo inteiro” . Womensordinationworldwide.org. 17-05-2009. Arquivado a partir do originalem 12/11/2010 Página visitada em 2010-11-19 .
  156. “Ordenação das mulheres católicas” . Catholic-womens-ordination.org.uk. 1998-04-28 Página visitada em 2010-11-19 .
  157.  Abramczyk, Donna (01-03-2010). “A mulher diz que foi chamada para se tornar padre católico” . Thenewsherald.com Página visitada em 2013-11-12 .
  158. ^ As mulheres religiosas quebram o silêncio na ordenação de mulheres com Roy Bourgeois . Womensordination.org. 12/12/2008. Arquivado a partir do original em 25/08/2010 Página visitada em 2010-11-19 .
  159. “Fora das profundezas: A história de Ludmila Javorova, ordenado sacerdote católico romano” . Amazon.com Página visitada em 2010-11-19 .
  160. ↑ “O Vaticano decreta excomunhão para participação na” ordenação “de mulheres” . www.catholicnewsagency.com. 29-05-2008 Página visitada em 2015-04-08 .
  161. Salte para:b “Ações da sessão do GC” . Escritório de Arquivos, Estatística e Pesquisa . Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia Página visitada em 2013-10-15 .
  162. “O GC e sua divisão” . session.adventisfaith.org .
  163. “Sessão do grupo constituinte da conferência da União da Alemanha do Norte Votos para ordenar mulheres: Divisão Inter-Européia – Igreja Adventista do Sétimo Dia” . Eud.adventist.org Página visitada em 2013-10-12 .
  164. “Relatório: Ordenação de Mulheres Aprovada em CUC, Spectrum Magazine” . Espectro . Arquivado a partir do original em 30/06/2014 Página visitada em 2018-12-10 .
  165. “Os delegados à sessão especial do círculo eleitoral votam para aprovar ordenações sem considerar o sexo” . Gravador da União do Pacífico.
  166. “O Comitê Executivo da União Aprova 14 Mulheres e Dois Homens para a Ordenação” . Gravador da União do Pacífico.
  167. ^ A conferência da união holandesa vota para ordenar pastoras do sexo feminino | Kerkgenootschap der Zevende-dags Adventisten . Adventist.nl. 22/09/2013 Página visitada em 2013-10-12 .
  168. “Países Baixos ordena o primeiro pastor da mulher em Europa” . Espectro . Arquivado a partir do original em 13/10/2013 Página visitada em 2018-12-10 .
  169. “Sobre o comitê do estudo da teologia da ordenação” . Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia.
  170. Salte para:b “RELIGIÃO: Sandra Roberts de Corona faz história adventista” . Blog.pe.com. Arquivado a partir do original em 29/10/2013 Página visitada em 2013-10-28 .
  171. ^ Os delegados votam ‘não’ na edição da ordenação de mulheres ” . Adventist Review Online (8 de julho de 2015). Recuperado em 23 de julho de 2015.
  172.  Boorstein, Michelle (29/06/2015). “Adventistas do sétimo dia votam contra a ordenação feminina” . The Washington Post Página visitada em 2015-07-13 .
  173. Salte para:b “Os delegados votam ‘não’ na questão da ordenação de mulheres” . Rede Adventista de Notícias (8 de julho de 2015). Recuperado em 23 de julho de 2015.
  174. ^ Bruno Philip. “Mulheres imãs da China” . o guardião .
  175.  Rajan, Amol (17/10/2008). “Primeira mulher a liderar orações muçulmanas irrita tradicionalistas” . Londres: Independent.co.uk Página visitada em 2010-11-19 .
  176. “Primeira mulher muçulmana faz sermão” . Tribuneindia.com Páginavisitada em 2010-11-19 .
  177. Salte para:b “Mulheres como imãs” . Enc.slider.com. Arquivado a partir do original em 02/02/2013 Página visitada em 2010-11-19 .
  178. Ir até:d “Com Mulheres na vanguarda, uma tradição muçulmana Serviços Desafios” . The New York Times . 19 de março de 2005 – via New York Times.
  179. “Mulher lidera orações de gênero misto para muçulmanos da cidade”(PDF) . Arquivado a partir do original (PDF) em 31/12/2005 Páginavisitada em 2010-11-19 .
  180. Salte para:b “A oração liderada pela mulher que catalisou a controvérsia” . Pluralism.org Página visitada em 2010-11-19 .
  181. ^ Amina Wadud conduz a oração misturada da sexta-feira do género em Barcelona ligação inoperante ]
  182. ^ Fonte: 12/02/2008 16:30. “A oração liderada por mulheres honra a DII” . Awid.org. Arquivado do original em 2009-09-07 Página visitada em 2010-11-19 .
  183. ^ Kia Abdullah. “Kia Abdullah: a decisão de Amina Wadud de liderar orações mistas em Oxford hoje desafia a tradição, não os princípios da religião” . o guardião .
  184.  Taylor, Jerome (10/06/2010). “Primeira mulher a liderar as orações de sexta-feira no Reino Unido” . Londres: Independent.co.uk Página visitada em 2010-11-19 .
  185. Salte para:b “Regina Jonas 1902-1944” . Arquivo das mulheres judias Páginavisitada em 2010-11-19 .
  186. “Donzela de Ludmir” . Yivoencyclopedia.org Página visitada em 2010-11-19 .
  187. “Sally Jane Priesand b. 1946” . Arquivo das mulheres judias Páginavisitada em 2010-11-19 .
  188. “Sandy Sasso ordenado como o primeiro rabino reconstrucionista” . Arquivo das mulheres judias. 1974-05-19 Página visitada em 2010-11-19 .
  189. “Lynn Gottlieb” . Arquivo das mulheres judias. 11/09/2003 Páginavisitada em 2010-11-19 .
  190. “Amy Eilberg b. 1955” . Arquivo das mulheres judias Página visitada em 2010-11-19 .
  191. Sociedade para líderes e equipe humanísticos do judaísmo . Shj.org. Arquivado a partir do original em 2013-09-28 Página visitada em 2010-11-19 .
  192. “casa – Yeshivat Maharat” . Consultado em 1 de fevereiro de 2011 .
  193. ^ Eisner, Jane (14/11/2009). “Avançar 50, 2009” . A frente . Consultado em 13 de março de 2010 .
  194. “Entre um Rav e um lugar difícil” . Arquivado a partir do original em 27 de junho de 2009 . Recuperado em 15 de setembro de 2014 .
  195. ”  Rabba “Sara Hurwitz balança o ortodoxo” . Revista Heeb. 10 de março de 2010 . Consultado em 13 de março de 2010 .
  196. ^ Pessoal. “1 Rabba, 2 Rabbis e 1 Yeshiva = uma nova denominação?” . Revista Moment . Recuperado em 21 de março de 2013 .
  197. “Classe de 2015” . Yeshivat Maharat . Arquivado a partir do original em 05/12/2015 Página visitada em 2018-12-10 .
  198. ^ Rabino Lila Kagedan (25 de novembro de 2015). “Por que o judaísmo ortodoxo precisa de rabinos” ? O Canadian Jewish News .
  199.  Harris, Ben (9 de março de 2010). “Em meio a Furor, Weiss se afasta do título ‘Rabba’ para mulheres” . Agência Telegráfica Judaica . Arquivado a partir do original em 7 de junho de 2011 . Recuperado em 22 de março de2010 .
  200. Clero pioneiro . A Crônica Judaica . Consultado em 29 de outubro de2014 .
  201. “Comemorando as primeiras luzes dos rabinos das mulheres” . Arquivo das mulheres judias . Consultado em 29 de outubro de 2014 .
  202. “O Conselho Rabínico da América proíbe oficialmente a ordenação e a contratação de mulheres rabinas | Agência Telegráfica Judaica” . Jta.org. 2015 Página visitada em 2015-11-01 .
  203. “Moetzes: ‘Ortodoxia Aberta’ Não é uma Forma do Judaísmo da Torá” . Hamodia .
  204. “A brecha no judaísmo ortodoxo dos EUA cresce à medida que o corpo haredi rejeita as instituições da” Ortodoxia Aberta ” . The Jerusalem Post .
  205. ^ Josh Nathan-Kazis (3 de novembro de 2015). “Avi Weiss defende ‘Ortodoxia Aberta’ enquanto Agudah Rabbis declara guerra” . A frente .
  206. “O Cantor” . Myjewishlearning.com Página visitada em 2010-11-19 .
  207. “Betty Robbins 1924-2004” . Arquivo das mulheres judias Páginavisitada em 2010-11-19 .
  208. Salte para:b “Cantores: mulheres judias americanas” . Arquivo das mulheres judias. 01-03-2009 Página visitada em 2010-11-19 .
  209.  Goldman, Ari L. (1990-09-19). “Uma barra para mulheres como cantoras é levantada” . Nytimes.com Página visitada em 2010-11-19 .
  210. “Contribuições de mulheres judaicas à música e de mulheres à música judaica” . Jmwc.org. Arquivado a partir do original em 12/05/2016 Página visitada em 2010-11-19 .
  211. Cantor Sharon Hordes . Kenesethisrael.com. Arquivado a partir do original em 13/07/2011 Página visitada em 2010-11-19 .
  212.  Haughney, Christine (14-02-2009). ”  Não são nem seis graus de separação. É um  ” . The New York Times . Amhurst, NY: The New York Times Company Página visitada em 2013-10-15 .
  213. “Celebração em homenagem a Cantor Abbe Lyons” . Tikkunvor.org. 07-02-2010. Arquivado do original em 2012-03-06 Página visitada em 2010-11-19 .
  214. ^ Susan Sered (1999). Mulheres dos Bosques Sagrados: Sacerdotisas Divinas de Okinawa . Imprensa da Universidade de Oxford. ISBN 0-19-512486-3.
  215. ↑ “Enciclopédia do Xintoísmo – Lar: Rituais do Santuário: Gyōji sahō” . Eos.kokugakuin.ac.jp Página visitada em 2010-11-19 .
  216. “A página inicial do Sikhism: Introdução ao Sikhism” . Sandeep Singh Brar Página visitada em 2011-04-15 .
  217. Direitos de uma mulher sikh . SikhWomen.com Página visitada em 2011-04-15 .
  218. “China pictórico” . Rmhb.com.cn. 1980-01-06. Arquivado a partir do original em 07/07/2011 Página visitada em 2010-11-19 .
  219. Salte para:b “Primeira taoista feminina Fangzhang entronizada” . Chinadaily.com.cn Página visitada em 2010-11-19 .
  220. “Sacerdotisa do clero de Dianic Wiccan” . Dianic-wicca.com. Arquivado a partir do original em 2010-11-26 Página visitada em 2010-11-19 .
  221. “Sobre o templo de Ara” . Templeofara.org. Arquivado a partir do original em 19/08/2010 Página visitada em 2010-11-19 .
  222. “A tradição Avalonian” . Witchvox.com. 23/08/2002 Página visitada em 2010-11-19 .
  223. ^ Kete, Molefi. Enciclopédia da religião africana, Volume 1 . p. 335. ISBN 978-1412936361.
  224. ^ Mariko Namba Walter; Eva Jane Neumann Fridman. Xamanismo: uma enciclopédia de crenças, práticas e cultura do mundo, Volume 2 . p. 451. ISBN 978-1576076453.
  225. ^ Nigosian, Solomon Alexander. A fé zoroastriana: tradição e pesquisa moderna . p. 104. ISBN 978-0773511446.
  226. Salte para:b “O júri ainda está de fora das mulheres como sacerdotes parsi” . Parsi Khabar. 2011-03-09 Página visitada em 2013-10-12 .
  227. “Um grupo de 8 mulheres Zartoshti recebeu seu certificado Mobedyar da Anjoman Mobedan no Irã” .
  228. “Sedreh Pooshi por Feminino Mobedyar em Toronto, Canadá – Parsi Zoroastrian News” . ParsiNews.net . Consultado em 6 de outubro de 2014 .

Leitura adicional 

  • Sociedade de Direito Canon da América. As implicações canônicas da ordenação de mulheres no diaconado permanente, 1995. ISBN 0-943616-71-9 .
  • Davies, JG “Diáconos, diaconisas e ordens menores no período patrístico”, Jornal de História Eclesiástica, 1963, v. 14, p. 1-23.
  • Elsen, Ute E. Mulheres no escritório do cristianismo: estudos epigráficos e literários, Liturgical Press, 2000. ISBN 0-8146-5950-0 .
  • Hanna-Ewers, Deanne (2013). Grandes mulheres na história das Bahamas: Mulheres pioneiras das Bahamas . Bloomington, Indiana: AuthorHouse. ISBN 978-1-4520-5398-1.
  • Grudem, Wayne . Feminismo Evangélico e Verdade Bíblica: Uma Análise de Mais de 100 Perguntas Disputadas , Multnomah Press, 2004. 1-57673-840-X.
  • Gryson, Roger . O Ministério das Mulheres na Igreja Primitiva, Imprensa Litúrgica, 1976. ISBN 0-8146-0899-X . Tradução de: Le ministère des femmes dans l’Église ancienne, J. Duculot, 1972.
  • LaPorte, Jean . O papel das mulheres no cristianismo primitivo, Edwin Mellen Press, 1982. ISBN 0-88946-549-5 .
  • Madigan, Kevin e Carolyn Osiek . Mulheres Ordenadas na Igreja Primitiva: Uma História Documentária, Johns Hopkins University Press, 2005. ISBN 0-8018-7932-9 .
  • Martimort, Aimé Georges , Deaconesses: An Historical Study, Ignatius Press, 1986, ISBN 0-89870-114-7 . Tradução de: Les Diaconesses: Essai Historique, Edizioni Liturgiche, 1982.
  • McGrath, Elsie Hainz (editora), Meehan, Bridget Mary (editora) e Raming, Ida (editora). As mulheres encontram um caminho: o movimento e as histórias dos padres católicos romanos, Virtualbookworm.com Publishing, 2008. ISBN 978-1-60264-223-2 .
  • Miller, Patricia Cox . Mulheres no cristianismo primitivo: Traduções de textos gregos, Catholic University America Press, 2005. ISBN 0-8132-1417-3 .
  • Nadell, Pamela . Mulheres que seriam rabinos: Uma História da Ordenação de Mulheres, 1889-1985, Beacon Press, 1998. ISBN 0-8070-3649-8 .
  • Sered, Susan . Mulheres dos bosques sagrados: Sacerdotisas divinas de Okinawa, Oxford University Press, 1999. ISBN 0-19-512486-3 .
  • Spaeth, Barbette Stanley . A deusa romana Ceres , University of Texas Press, 1996.
  • Tisdale, Sallie . Mulheres do caminho: descobrindo 2.500 anos de sabedoria budista, HarperOne, 2006. ISBN 978-0-06-059816-7
  • Weaver, Mary Jo . New Catholic Women, Harper e Row, 1985, 1986. ISBN 0-253-20993-5 .
  • Wijngaards, John , A Ordenação das Mulheres na Igreja Católica. Desmascarando a tradição do ovo de um cuco , Darton, Longman & Todd, 2001. ISBN 0-232-52420-3 ; Continuum, Nova Iorque, 2001. ISBN 0-8264-1339-0 .
  • Wijngaards, John . Diáconos de Mulheres na Igreja Primitiva: Textos Históricos e Debates Contemporâneos, Herder & Herder, 2002, 2006. ISBN 0-8245-2393-8 . ** NENHUMA MULHER EM ORDEM SANTA? As mulheres diáconas da Igreja Primitiva
  • Inverno, Miriam . Fora das profundezas: A história de Ludmila Javorova, ordenado sacerdote católico romano, Crossroad General Interest, 2001. ISBN 978-0-8245-1889-9 .
  • Zagano, Phyllis . Sábado Santo: Um Argumento para a Restauração do Diaconato Feminino na Igreja Católica, Herder & Herder, 2000. ISBN 978-0-8245-1832-5 .
  • Zagano, Phyllis . “Catholic Women Deacons: Present Tense”, Adoração 77: 5 (setembro de 2003) 386–408
    .