Início » Empatia nos cuidados de saúde da mulher

Empatia nos cuidados de saúde da mulher

Empatia nos cuidados de saúde da mulher

Fonte: https://www.acog.org/ – Médicos de Saúde da Mulher

RESUMO: Empatia é o processo pelo qual uma pessoa tenta se projetar na vida de outra e imaginar uma situação do seu ponto de vista. A maioria das pessoas tem uma capacidade inata de mostrar empatia pelos outros. A empatia é tão importante para ser um bom médico quanto a competência técnica. No entanto, às vezes o ambiente de saúde e o processo educacional enfatizam excessivamente a competência tecnológica, curando doenças em vez de curar o paciente ou os aspectos econômicos da medicina. Isso pode interferir com uma abordagem empática no cenário clínico. Neste parecer do Comitê, o Comitê de Ética do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas define empatia e termos relacionados, descreve o papel da empatia na medicina, descreve objeções e barreiras à incorporação da empatia nos cuidados clínicos,


Resultado de imagem para empatiaEmpatia é o processo através do qual alguém tenta se projetar na vida do outro e imaginar uma situação do seu ponto de vista (1, 2). A empatia desempenha um papel importante no cuidado e na cura de todo o paciente, como demonstrado pela inclusão do assunto empatia no currículo de todos os níveis da educação médica. A prestação de cuidados empáticos melhora a relação médico-paciente, resultando em melhores resultados e satisfação do paciente (3). Isso é particularmente verdadeiro na medicina reprodutiva, onde os eventos geralmente ocorrem em estágios críticos do desenvolvimento de indivíduos e famílias. A maioria das pessoas tem uma capacidade inata de mostrar empatia pelos outros. No entanto, às vezes o ambiente de saúde e o processo educacional enfatizam excessivamente a competência tecnológica, curando doenças em vez de curar o paciente, ou os aspectos econômicos da medicina. Isso pode interferir com uma abordagem empática no cenário clínico. Portanto, o Comitê de Ética faz as seguintes recomendações:

  • A empatia é tão importante para ser um bom médico quanto a competência técnica. Os médicos devem continuar a incorporar empatia em suas interações com os pacientes, pois isso contribui para a restauração da saúde emocional, espiritual e física dos pacientes.
  • A empatia precisa ser efetivamente reforçada através do uso regular em todas as etapas do treinamento e carreiras dos médicos, ou será perdida nas identidades profissionais e nos conjuntos de habilidades dos médicos. Estudantes de medicina e residentes devem continuar aprendendo as habilidades de atendimento empático como parte de seu treinamento. Após a residência, a empatia deve continuar a ser reforçada regularmente através da educação médica continuada.
  • Um relacionamento empático pode ser estabelecido com um paciente em um encontro. Os médicos devem fazer todos os esforços para fazê-lo, porque a empatia ajuda os médicos a entrar na perspectiva do paciente, levando-os a estar em sintonia com aspectos do mundo do paciente que os médicos poderiam ignorar.
  • Os médicos devem procurar tornar-se proficientes na identificação e resposta às pistas verbais e não verbais que os pacientes costumam dar sobre seus estados emocionais, convidando-os a expressar suas preocupações.
  • São necessárias mudanças em todo o sistema de saúde para promover a empatia. Essas mudanças incluem mudanças culturais e financeiras que valorizam a empatia. Tornar a empatia parte dos relacionamentos entre todos os níveis dos prestadores de cuidados de saúde e também parte dos relacionamentos entre os prestadores e administradores de serviços de saúde. Melhorar o bem-estar do médico aumentará a empatia com os pacientes.

Imagine um paciente: uma mulher grávida de 34 anos chega ao consultório com sangramento vaginal. A ultrassonografia revela a morte de um feto de 14 semanas de idade. Como um médico deve relacionar essas informações com ela? O comportamento do médico muda se for uma gravidez indesejada ou um feto com uma anormalidade letal diagnosticada anteriormente ou recentemente? Quão diferente o médico poderia abordá-la se essa gravidez fosse alcançada após anos de infertilidade ou se a paciente experimentou outras perdas como essa no passado?

O médico pode simpatizar e dizer: “Sinto muito por sua perda”. Essa afirmação geral de simpatia é um primeiro passo útil, mas uma resposta empática vai um passo além e usa conhecimento sobre o significado pessoal dessa perda e as circunstâncias que cercam a experiência para ajudar o paciente. A empatia permite que o médico entenda melhor os sentimentos e a perspectiva de cada paciente. Ao simpatizar com o paciente, o médico pode ajudá-lo a lidar mais efetivamente com essa perda, fornecendo a ela o apoio físico, emocional e espiritual adequado de que ela precisa.

A empatia fornece uma visão de como a identidade ao longo da vida do paciente molda a visão do paciente sobre sua doença e as decisões sobre sua doença (4). Permite que os médicos entendam o relacionamento de um paciente com sua família e como esse relacionamento pode influenciar sua autonomia e tomada de decisão. A empatia é tão importante para ser um bom médico quanto a competência técnica. Isso é especialmente verdadeiro na medicina reprodutiva, onde as preocupações emocionais podem ser tão importantes para os pacientes quanto as físicas. Além disso, não sentir empatia com o paciente por causa do tempo ou de outras restrições pode limitar a qualidade dos cuidados médicos prestados por um médico e introduzir uma margem maior para erros médicos (5).

Empatia, Simpatia e Compaixão

Os três termos relacionados 1) empatia, 2) simpatia e 3) compaixão desempenham um papel importante no relacionamento dos médicos com seus pacientes. No entanto, os três termos, apesar de muito semelhantes, não são totalmente intercambiáveis, porque cada um tem um significado e papel distintos no cuidado dos pacientes.

Empatia

Empatia é o processo pelo qual o médico tenta se projetar na vida do paciente e imaginar a situação do ponto de vista do paciente (1, 2). Isso vai além da simpatia e da compaixão, pois envolve uma apreciação da história de cada paciente e um entendimento das diferenças entre os pacientes individualmente e suas situações (6, 7). A empatia aprimora a capacidade do médico de entender as preocupações, experiências de vida e decisões únicas de cada paciente. Também permite a prestação de cuidados médicos mais eficazes e aceitáveis ​​para os pacientes, porque os cuidados são consistentes com seus valores e necessidades.

Simpatia

A simpatia tem raízes etimológicas que significam “sentir com” ou “gostar” (8). A simpatia permite que o médico conheça as emoções do paciente, resultando em sentimentos paralelos entre o médico e o paciente. A simpatia é descrita como “um sentimento fácil de compartilhar ou juntar a dor e o sofrimento do paciente” (9). Também pode significar sentir pena de outro. Ao contrário da empatia, a simpatia não exige que o médico entenda do ponto de vista do paciente o que ele está sentindo ou experimentando. A empatia é uma tentativa genuína de entender a experiência única do paciente (6, 9).

Compaixão

A compaixão, a partilha do fardo emocional do outro, vai além de apenas sentir o sofrimento do outro, como ocorre com simpatia. A compaixão gera um desejo no qual o médico age para aliviar o sofrimento do paciente. Mas não envolve a compreensão do contexto único da vida de um paciente que a empatia fornece (10, 11).

Papel da empatia na medicina

A empatia está no cerne da relação médico-paciente, pois promove a compreensão do médico sobre a perspectiva do paciente (12). Estudos mostram que a empatia melhora a relação médico-paciente, melhorando a confiança, a precisão do diagnóstico, a comunicação, os resultados clínicos e a satisfação do médico e do paciente (12, 13). Estudos também mostram que a empatia não apenas diminui as reivindicações de responsabilidade profissional, mas também permite que os pacientes entendam e lidem melhor com sua doença (12, 14).

No cenário clínico, a empatia permite ao médico “(a) entender a situação, a perspectiva e os sentimentos do paciente; (b) comunicar esse entendimento e verificar sua precisão; e (c) agir de acordo com o paciente de uma maneira maneira útil (terapêutica) “(3). No entanto, é impossível saber exatamente como o paciente se sente ou compartilhar completamente sua experiência (15). A empatia requer imaginação, paciência e curiosidade por parte dos médicos, enquanto tentam entrar no mundo de um paciente, porque esse mundo pode ser muito diferente do seu (13, 16). A empatia permite que o médico se sintonize com aspectos do mundo do paciente que, de outra forma, ele poderia ignorar.

Ser empático com pacientes que não compartilham da cultura ou valores do médico ou que não aderem às recomendações médicas pode ser um desafio (15). Mas a empatia pode ajudar a resolver conflitos com pacientes difíceis ou com raiva. A curiosidade e a imaginação que fazem parte da empatia permitem que o médico entenda a posição do paciente difícil com mais eficiência do que uma abordagem intelectual e desapegada (17). A empatia também permite que os médicos estejam abertos a uma maior compreensão das experiências culturais de um paciente individual que moldam a abordagem única de cada paciente à sua doença.

Por outro lado, as respostas empáticas aos pacientes durante todo o encontro clínico diminuem a visita do paciente. Quando as preocupações emocionais dos pacientes não são reconhecidas pelos médicos, os pacientes continuarão a fazer várias tentativas de expressar essas preocupações até serem tratadas, prolongando a visita (18, 19). Estudos mostram que respostas empáticas efetivas podem ser breves, tão curtas quanto uma frase, e não exigem que o médico altere muito seu estilo (19).

A empatia não é apenas importante para o relacionamento médico-paciente, mas também é importante para os relacionamentos entre os membros da equipe de saúde, pois melhora as interações entre os médicos. A compreensão e o respeito dos clínicos pelos pontos de vista e preocupações de outros colegas promove o trabalho em equipe, supera as diferenças e permite que o aprendizado colaborativo ocorra (20). Os resultados são resolução produtiva de desacordos, diminuição da rotatividade de pessoal e aumento do recrutamento de funcionários, juntamente com uma melhor comunicação, confiança e respeito mútuo entre os funcionários, e uma maior probabilidade de que os funcionários atinjam objetivos pessoais e profissionais regularmente (20). O aumento da comunicação, confiança e respeito entre os médicos leva ao aumento da colaboração no atendimento ao paciente entre os membros da equipe de saúde e a melhores resultados para o paciente (21).

Objeções e Obstáculos à Incorporação da Empatia aos Cuidados Clínicos

Questões de formação profissional

Modelos empáticos e de comunicação positivos são cruciais para a educação médica em todos os níveis. Tais modelos positivos para estudantes de medicina e médicos estão presentes em todos os ambientes de aprendizagem, incluindo o ambiente clínico. Observar e interagir com esses modelos exemplares é uma parte de um currículo informal ou oculto, importante para aprender a ser médico. O currículo oculto resulta de “os processos, pressões e restrições que caem fora do currículo formal, ou que estão embutidos nele, e que geralmente são desarticulados ou inexplorados” (22). Este currículo oculto pode ter influências positivas e negativas. Na maioria dos casos, esse currículo informal modela o comportamento positivo, incluindo a empatia. Essas influências positivas incluem atendimento médico, residentes, enfermeiros, e outro pessoal que leva tempo para ouvir, se comunicar com os pacientes e entender o que cada paciente está experimentando com sua doença. No entanto, modelos negativos podem contribuir com aspectos problemáticos para o currículo oculto (23, 24). O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico. comunicar com os pacientes e entender o que cada paciente está enfrentando com sua doença. No entanto, modelos negativos podem contribuir com aspectos problemáticos para o currículo oculto (23, 24). O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico. comunicar com os pacientes e entender o que cada paciente está enfrentando com sua doença. No entanto, modelos negativos podem contribuir com aspectos problemáticos para o currículo oculto (23, 24). O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico. e entender o que cada paciente está enfrentando com sua doença. No entanto, modelos negativos podem contribuir com aspectos problemáticos para o currículo oculto (23, 24). O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico. e entender o que cada paciente está enfrentando com sua doença. No entanto, modelos negativos podem contribuir com aspectos problemáticos para o currículo oculto (23, 24). O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico. modelos negativos podem contribuir com aspectos problemáticos para o currículo oculto (23, 24). O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico. modelos negativos podem contribuir com aspectos problemáticos para o currículo oculto (23, 24). O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico. O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico. O volume cada vez maior de informações que deve ser incluído no currículo da educação médica em todos os níveis pode limitar o tempo disponível para aprender a empatia e as habilidades de comunicação (13, 25, 26). Por exemplo, nas enfermarias, um estudante de medicina pode ver residentes sobrecarregados de trabalho, enfermeiros ou médicos que não têm tempo ou treinamento para expressar empatia. O estudante de medicina pode assumir incorretamente a partir disso que a empatia nem sempre é tão importante quanto havia aprendido na sala de aula ou em outros modelos positivos de empatia no ambiente clínico.

Medo do excesso de apego

Outra preocupação com a empatia é que ela pode levar alguns médicos a se envolverem demais ou se envolverem emocionalmente com os pacientes, resultando em perda de objetividade (16, 27, 28). Outros médicos e prestadores de cuidados de saúde podem achar que tentar imaginar a experiência de um paciente desconfortável ou até assustador em alguns casos, fazendo com que eles se distanciem emocionalmente de um paciente, porque aumenta a possibilidade de que eles ou seus entes queridos possam experimentar o mesmo tratamento médico. problemas (16). Às vezes, esse distanciamento pode levar à negligência dos desejos e dos desejos dos pacientes em algum grau. “Equipamento empático” é o ponto médio que evita esses dois extremos de envolvimento e desapego (28). Os médicos conseguem isso aprendendo sobre suas próprias respostas emocionais aos pacientes e como lidar adequadamente com essas emoções. As respostas variam de acordo com cada paciente e influenciam o quão desapegado ou empático o médico pode querer ser. No entanto, à medida que os médicos adquirem mais experiência no gerenciamento de suas próprias respostas emocionais aos pacientes, eles podem obter interações mais significativas com os pacientes sem ficar muito desapegados ou envolvidos (29, 30).

Obstáculos financeiros à empatia

Mudanças nos aspectos econômicos e comerciais da medicina podem apresentar outros obstáculos à empatia na medicina. Muitos sistemas, empresas e seguradoras de saúde estão justamente preocupados em controlar os custos associados à prestação de cuidados de saúde (9). O resultado pode ser menos tempo geral para os médicos e outros profissionais de saúde passarem com os pacientes, trocas freqüentes de médico por causa da mudança ou falta de cobertura do seguro e diminuição da equipe de atendimento por causa dos reembolsos reduzidos (25). Isso pode resultar em médicos se comunicando menos com os pacientes e negligenciando oportunidades de incorporar empatia aos cuidados clínicos.

Informação em Saúde e Desinformação

Os obstáculos à empatia baseados em informações incluem a grande quantidade de informações médicas e técnicas que os médicos devem acompanhar e o grande volume de informações precisas e imprecisas disponíveis para os pacientes sobre suas doenças na Internet e em outras fontes. As reações negativas de alguns médicos à pesquisa de pacientes e o tempo necessário para corrigir as desinformações encontradas por eles mesmos podem criar mais um obstáculo à incorporação da empatia nos cuidados clínicos.

A cultura dos sistemas de prestação de cuidados de saúde

A cultura do sistema de saúde em que os médicos praticam pode ser uma barreira adicional à empatia. Os pesquisadores descobriram que “a energia e o entusiasmo que um profissional traz para a consulta com um paciente são profundamente influenciados pela prática e pelos valores e integridade da organização” (20). A falta de relacionamentos empáticos dentro de uma prática médica, com administradores ou entre especialistas em consultoria pode afetar o relacionamento do médico com seus pacientes, porque o médico pode ser forçado a se envolver com os pacientes de uma maneira que seja diferente da maneira como ele ou ela é tratada. por outros no sistema de saúde. As culturas dos sistemas de saúde que não valorizam a empatia não recompensarão os médicos

Pesquisa sobre empatia e resultados clínicos

Como a empatia é importante para o relacionamento médico-paciente, mais pesquisas estão sendo realizadas sobre empatia e como mensurá-la, com ferramentas metodológicas evoluindo rapidamente. A Escala de Jefferson de Empatia do Médico foi desenvolvida e validada para medir a empatia de médicos, estudantes de medicina, residentes e enfermeiros usando um método de auto-relato. Uma ferramenta semelhante é a Escala de Jefferson de percepções dos pacientes sobre a empatia do médico, na qual os pacientes preenchem um questionário sobre a empatia que consideram seus médicos (31–33). Essas ferramentas estão disponíveis por seus autores e no livro Empathy in Patient Care, de Mohammadreza Hojat (9).

Estudos de Comportamento Médico

Estudos realizados usando a Escala de Jefferson de Empatia do Médico e a Escala de Jefferson de Percepções do Paciente de Empatia do Médico mostram que tanto a capacidade dos médicos de ser empática quanto a percepção dos pacientes da empatia do médico afetam os resultados clínicos. Os resultados também demonstram que uma relação empática pode ser estabelecida em apenas uma visita (31).

Pesquisas adicionais sobre empatia examinaram as interações registradas entre pacientes e médicos de cuidados primários, oncologistas e cirurgiões, procurando o número de respostas empáticas desses médicos durante as visitas dos pacientes. As respostas empáticas dos pacientes pelos médicos variaram de 10% a 22% em dois estudos com pacientes com câncer (5, 19). As respostas empáticas foram maiores nos médicos mais jovens, no sexo feminino, com pacientes do sexo feminino e oncologistas que se caracterizaram como tendo uma orientação “socioemocional” e não uma orientação técnica (5). Um estudo diferente dos médicos da atenção básica constatou que os pacientes geralmente oferecem pistas que os médicos precisam reconhecer e incentivar os pacientes a elaborar, em oposição aos pacientes que fornecem expressões diretas e espontâneas de emoções às quais os médicos podem responder (18).

Estudos de Empatia na Educação Médica

Pesquisas usando a Escala Jefferson de Empatia Médica e Escala Jefferson de Percepções de Pacientes Empatia demonstraram uma diminuição na empatia entre os estudantes de medicina do terceiro ano (34). Estudantes de medicina com maior pontuação de empatia tiveram melhor desempenho durante os estágios clínicos, mas não em exames objetivos de conhecimentos médicos, como o Medical College Admission Test e o United States Medical Licensing Examination (12, 34). Um estudo adicional de residentes em medicina interna encontrou uma correlação entre empatia e bem-estar dos residentes, com maior bem-estar mental associado a maiores escores de empatia cognitiva (35).

Ensinar e Reforçar a Empatia na Prática Médica

Os educadores médicos estão cada vez mais reconhecendo a importância da empatia na melhoria das interações médico-paciente e relacionamentos, melhorando assim os resultados e a satisfação do paciente (9). A empatia está sendo incorporada com sucesso ao currículo formal das faculdades de medicina, especialmente no cenário clínico (3). A empatia está incluída nos requisitos de competência do Conselho de Credenciamento para Educação Médica de Pós-Graduação para treinamento em residência sob as categorias de assistência ao paciente, habilidades interpessoais e de comunicação e profissionalismo (36). A empatia também é o foco dos cursos de educação médica continuada para médicos após a residência.

Caixa 1. Ferramentas de comunicação para melhorar a empatia

Exemplos de perguntas e frases abertas *

“Me diga mais.”
“Como você se sentiu?”
“Algo mais?”
“Que preocupações você tem?”

Exemplos de frases para facilitar a empatia 

“Quero ter certeza de que realmente entendo o que você está me dizendo.”
“Não quero que a gente vá além até ter certeza de que acertou.”

Exemplos de continuadores 

“Eu posso ver que isso está deixando você com raiva.”
“Eu posso imaginar o quão assustador isso deve ser para você.”
“Conte-me mais sobre o que está incomodando você.”

Exemplos de oportunidades empáticas expressas pelos pacientes 

Oportunidade empática direta (expressão verbal explícita da emoção) – “Tenho estado realmente deprimido ultimamente”. “Estou com medo do significado do resultado do meu teste”.

Oportunidade empática indireta (expressão verbal implícita da emoção) – “Isso significa que eu vou morrer?” “Oh não. O que fazemos agora?”

* Marvel MK, Epstein RM, Flowers K, Beckman HB. Solicitando a agenda do paciente: melhoramos? JAMA 1999; 281: 283–7.

 Halpern J. Praticando medicina no mundo real: desafios à empatia e respeito aos pacientes. J Clin Ethics 2003; 14: 298–307.

 Pollak KI, Arnold RM, Jeffreys AS, Alexander SC, Olsen MK, Abernethy AP, et al. Comunicação oncologista sobre emoção durante visitas a pacientes com câncer avançado. J Clin Oncol 2007; 25: 5748–52.

Não existe um modelo específico para ensinar empatia a estudantes de medicina e médicos. O uso de narrativas e histórias, histórias de pacientes, dramatizações e conversas são formas eficazes de ensinar empatia. Isso inclui médicos e estudantes de medicina prestando atenção às histórias de doenças dos pacientes no contexto da vida dos pacientes, especialmente ao fazer o histórico dos pacientes. Médicos e estudantes de medicina também podem aprender a empatia desenvolvendo a competência narrativa, que é a capacidade de reconhecer, absorver, interpretar e responder à história e situação do paciente. A competência narrativa permite que médicos e estudantes de medicina se juntem aos pacientes em suas doenças (37).

As experiências pessoais dos médicos com doenças ou o aprendizado sobre experiências de doenças através de romances, histórias fictícias e pinturas também ensinam efetivamente a empatia (38). A escrita do ponto de vista da perspectiva do paciente por estudantes de medicina aumenta a empatia dos alunos, a capacidade de identificar os sentimentos dos outros, a expressão de emoções e o desenvolvimento da percepção (39). Minimizar o sofrimento de estudantes de medicina e médicos e melhorar sua qualidade de vida e o ambiente de trabalho aumenta a empatia com os pacientes (35). Fornecer aos estudantes de medicina modelos de médicos que demonstrem empatia com os pacientes, além de mostrar aos alunos como superar suas ansiedades associadas às doenças e sofrimentos dos pacientes, também aumenta a empatia dos estudantes de medicina com os pacientes (27, 40). Médicos e estudantes de medicina também devem reservar um tempo para aprender sobre a disponibilidade de recursos e outros profissionais (por exemplo, conselheiros, clérigos e psicólogos) em sua área, que podem fornecer apoio e empatia adicionais aos pacientes, quando indicado. No entanto, esses outros recursos não devem substituir os médicos e estudantes de medicina que aprendem a ser empáticos em relação a seus pacientes.

A comunicação é vital para a empatia na relação médico-paciente. Ensinar estudantes de medicina e médicos o uso de perguntas abertas e continuadores (frases que convidam o paciente a continuar expressando seus pensamentos e sentimentos), técnicas para reconhecer sinais emocionais verbais e não verbais dos pacientes e linguagem para respostas empáticas aos pacientes resulta em uma melhor comunicação e entendimento (5, 40–42). Consulte a Caixa 1 para exemplos de perguntas abertas, continuadores, frases para facilitar a empatia e exemplos de oportunidades diretas e indiretas de empatia que surgem no decorrer do encontro entre médico e paciente.

Independentemente de como é ensinada, a empatia exige reforço eficaz por meio do uso regular em todas as etapas do treinamento e da carreira dos médicos, ou desaparecerá das identidades profissionais e do conjunto de habilidades dos médicos. Empatia é uma habilidade “use ou perca” (9). É importante que os médicos usem e não percam a capacidade de ser empáticos com os pacientes, porque a empatia contribui para a restauração da saúde emocional, espiritual e física dos pacientes.

Referências

  1. Hassenstab J, Dziobek I, Rogers K, Wolf OT, Convit A. Conhecer o que os outros sabem, sentir o que os outros sentem: um estudo controlado da empatia em psicoterapeutas. J Nerv Ment Dis 2007; 195: 277–81.
  2. Callahan S. A psicologia da emoção e a ética do cuidado. In: Cates DF, Lauritzen P, editores. Medicina e ética do cuidado. Washington, DC: Imprensa da Universidade de Georgetown; 2001. p. 141-61.
  3. Mercer SW, Reynolds, WJ. Empatia e qualidade do atendimento. Br JGen Pract 2002; 52 Suppl: S9–12.
  4. Nelson JL, Lindemann H. O que as famílias dizem sobre a barriga de aluguel: uma resposta à “autonomia e à família como substitutas (in) apropriadas para decisões de DNR”. J Clin Ethics 2007; 18: 219, 26; discussão 233-4.
  5. Pollak KI, Arnold RM, Jeffreys AS, Alexander SC, Olsen MK, Abernethy AP, et al. Comunicação oncologista sobre emoção durante visitas a pacientes com câncer avançado. J Clin Oncol 2007; 25: 5748–52.
  6. Koehn D. Repensando a ética feminista: cuidado, confiança e empatia. Nova Iorque (NY): Routledge; 1998.
  7. McCurdy DB. Respeitar a autonomia, respeitando as pessoas: levando a história do paciente a sério. Humane Med 1990; 6: 107–12.
  8. Bryan CS. “Aequanimitas” Redux: William Osler sobre preocupação desinteressada versus empatia humanista. Perspect Biol Med 2006; 49: 384–92.
  9. Hojat M. Empatia no atendimento ao paciente: antecedentes, desenvolvimento, mensuração e resultados. Nova Iorque (NY): Springer; 2007.
  10. Taigman M. A empatia e a compaixão podem ser ensinadas? JEMS 1996; 21: 42, 3, 45-46, 48.
  11. Pellegrino ED, Thomasma DC. As virtudes cristãs na prática médica. Washington, DC: Imprensa da Universidade de Georgetown; 1996.
  12. Hojat M, Gonnella JS, Mangione S, Nasca TJ, Veloski JJ, Erdmann JB, et al. Empatia em estudantes de medicina em relação ao desempenho acadêmico, competência clínica e gênero. Med Educ 2002; 36: 522–7.
  13. Larson EB, Yao X. Empatia clínica como trabalho emocional na relação médico-paciente. JAMA 2005; 293: 1100–6.
  14. Mercer SW, Watt GC, Reilly D. Empatia é importante para a capacitação. BMJ 2001; 322: 865.
  15. Nadelson CC. Ética, empatia e gênero nos cuidados de saúde. Am J Psychiatry 1993; 150: 1309–14.
  16. Gianakos D. Empathy revisitado. Arch Intern Med 1996; 156: 135–6.
  17. Halpern J. Empatia e conflitos médico-paciente. J Gen Intern Med 2007; 22: 696–700.
  18. Suchman AL, Markakis K, Beckman HB, Frankel R. Um modelo de comunicação empática na entrevista médica. JAMA 1997; 277: 678-82.
  19. Morse DS, Edwardsen EA, Gordon HS. Oportunidades perdidas para empatia de intervalo na comunicação do câncer de pulmão. Arch Intern Med 2008; 168: 1853–8.
  20. Beach MC, Inui T, Cuidado centrado no relacionamento. Uma reformulação construtiva. Rede de pesquisa sobre cuidados centrados no relacionamento. J Gen Intern Med 2006; 21Suppl 1: S3–8.
  21. Baggs JG, Schmitt MH. Percepções de enfermeiros e médicos residentes sobre o processo de colaboração em uma UCI. Res Nurs Health 1997; 20: 71–80.
  22. Stephenson A, Higgs R, Sugarman J. Ensino de desenvolvimento profissional nas escolas de medicina. Lancet 2001; 357: 867–70.
  23. Hafferty FW, Franks R. O currículo oculto, o ensino da ética e a estrutura da educação médica. Acad Med 1994; 69: 861–71.
  24. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da dopamina no tratamento da disfunção erétil em pacientes com disfunção erétil, com o objetivo de avaliar a eficácia do tratamento. BMJ 2001; 322: 709-10.
  25. Cluff LE. Reflexões sobre a arte perdida de cuidar. Pharos Alpha Omega Alpha Honor Med Soc 2002; 65: 27–32.
  26. Hollis RS. Cuidar: um privilégio e nossa responsabilidade. Obstet Gynecol 1994; 83: 1–4.
  27. Rosenfield PJ, Jones L. Encontrando um equilíbrio: treinando estudantes de medicina para prestar cuidados empáticos. Med Educ 2004; 38: 927–33.
  28. Trotador G. Virtude, poder e prática – a árdua tríade moral da medicina. Bioethics Forum 2002; 18: 30–6.
  29. Chen PW. Quando os pacientes se sentem abandonados pelos médicos. NY Times, 19 de março de 2009. Disponível em: http://www.nytimes.com/2009/03/12/health/12chen.html?_r=1 . Recuperado em 9 de junho de 2010.
  30. Voltar AL, Young JP, McCown E, Engelberg RA, Vig EK, Reinke LF, et al. Abandono no final da vida pela perspectiva do paciente, cuidador, enfermeiro e médico: perda de continuidade e falta de fechamento. Arch Intern Med 2009; 169: 474–9.
  31. Glaser KM, Markham FW, Adler HM, McManus PR, Hojat M. Relações entre pontuações na Escala de Jefferson de empatia médica, percepções do paciente sobre empatia médica e abordagens humanísticas do atendimento ao paciente: um estudo de validade. Med Sci Monit 2007; 13: CR291–4.
  32. Campos SK, Hojat M, Gonnella JS, Mangione S, Kane G, Magee M. Comparações de enfermeiros e médicos sobre uma medida operacional de empatia. Eval Health Prof 2004; 27: 80–94.
  33. Hojat M, Mangione S, Kane GC, Gonnella JS. Relações entre os escores da Escala de Jefferson de Empatia dos Médicos (JSPE) e o Índice de Reatividade Interpessoal (IRI). Med Teach 2005; 27: 625–8.
  34. Hojat M, Mangione S, Nasca TJ, Rattner S, Erdmann JB, Gonnella JS, et al. Um estudo empírico do declínio da empatia na faculdade de medicina. Med Educ 2004; 38: 934–41.
  35. Shanafelt TD, West C, Zhao X, Novotny P, Kolars J, Habermann T, et al. Relação entre aumento do bem-estar pessoal e aumento da empatia entre os residentes de medicina interna. J Gen Intern Med 2005; 20: 559–64.
  36. Conselho de Acreditação para Educação Médica de Pós-Graduação. Projeto de resultado. Disponível em: http://www.acgme.org/outcome . Recuperado em 1 de junho de 2010.
  37. Charon R. A relação paciente-médico. Medicina narrativa: um modelo de empatia, reflexão, profissão e confiança. JAMA 2001; 286: 1897–902.
  38. Spiro H. O que é empatia e pode ser ensinada? Ann Intern Med 1992; 116: 843–6.
  39. Shapiro J, Rucker L, Boker J, Lie D. Escrita de ponto de vista: um método para aumentar a empatia dos estudantes de medicina, identificação e expressão de emoção e discernimento. Educ Health (Abingdon) 2006; 19: 96-105.
  40. Spencer J. Declínio na empatia na educação médica: como podemos parar a podridão? Med Educ 2004; 38: 916–8.
  41. Halpern J. Praticando medicina no mundo real: desafios à empatia e respeito aos pacientes. J Clin Ethics 2003; 14: 298–307.
  42. Marvel MK, Epstein RM, Flowers K, Beckman HB. Solicitando a agenda do paciente: melhoramos? JAMA 1999; 281: 283–7

Copyright março de 2011 pelo Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas, 409 12th Street, SW, PO Box 96920, Washington, DC 20090-6920. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, armazenada em um sistema de recuperação, publicada na Internet ou transmitida, de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação ou de outra forma, sem a permissão prévia por escrito do editor. Os pedidos de autorização para fazer fotocópias devem ser direcionados para: Copyright Clearance Center, 222 Rosewood Drive, Danvers, MA 01923, (978) 750-8400.

ISSN 1074-861X

Empatia na atenção à saúde da mulher. Parecer do Comitê nº 480. Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas. Obstet Gynecol 2011; 117: 756–61.