Artigos do Portal:
#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Assuntos Complementares Uncategorized

Sete raios

Sete raios

Fonte: Wikipédia english

Os sete raios são um conceito oculto que apareceu em várias religiões e filosofias esotéricas na cultura ocidental e na Índia desde pelo menos o século VI aC. Também são conhecidos como deuses ou anjos de diferentes planetas ou podem ser chamados de anjos caídos.

No oeste, isso pode ser visto nas antigas tradições ocidentais de mistério , como o gnosticismo e o mitraísmo ; e em textos e arte icônica da Igreja Católica desde o Império Bizantino . [1] [2] [3] [4] Na Índia, o conceito faz parte da filosofia e das escrituras religiosas hindus desde pelo menos o Vishnu Purana , que data da era pós-védica . [5] [6] [7]

A partir do final do século XIX, os sete raios apareceram de forma modificada e elaborada nos ensinamentos da Teosofia , apresentados pela primeira vez por Helena Blavatsky . [8] O conceito teosófico dos sete raios foi desenvolvido no final do século 19 e início do século 20 nos escritos do teosofista Charles Webster Leadbeater , e por outros autores como Alice Bailey , Manly P. Hall e outros, incluindo notadamente o ensinamentos de Benjamin Creme e seu grupo Share International ; [9] e nas filosofias de organizações como o Templo do Povo , [10] Atividade “EU SOU” , [11] A Ponte para a Liberdade , o Farol da Cúpula , [8] [12] O Templo da Presença (1995) [13] e várias outras organizações que promulgam o que é chamado de Ensinamentos dos Mestres Ascensos , um grupo de ensinamentos religiosos baseados na Teosofia.

À medida que o movimento da Nova Era de meados do século XX se desenvolveu, o conceito dos sete raios apareceu como um elemento dos métodos de cura metafísica, como o Reiki e outras modalidades, [14] [15] e na astrologia esotérica . [16]

Na Antiguidade 

Na mitologia grega antiga , Zeus toma a forma de touro conhecida como Touro para conquistar Europa . Touro também está associado a Afrodite e outras deusas, bem como a Pan e Dionísio . O rosto de Touro “brilha com sete raios de fogo”. [17]

Os oráculos caldeus do século II dC apresentam os sete raios como agentes purificadores de Helios , simbolismo presente na liturgia mitraica . [18] Mais tarde, no século IV, o imperador Julian Saturnalia compôs um hino ao sol solene e, em seu hino à mãe dos deuses, falou de “mistérios indescritíveis escondidos da multidão como Julian, o caldeu, profetizou a respeito do deus de os sete raios “. Na magia gnóstica grega da mesma época, gemas coloridas eram frequentemente usadas como talismãs para remédio ou cura; eles eram frequentemente gravados com um símbolo emprestado da divindade egípcia Chnuphis: uma serpente encapuzada ou uma grande cobra. A cobra foi mostrada com uma cabeça de leão, da qual emanavam doze ou sete raios. Os doze raios representavam o zodíaco , e os sete raios representavam os planetas, geralmente com as sete vogais gregas gravadas nas pontas dos sete raios. Os lados opostos dos talismãs estavam gravados com uma cobra torcendo em torno de uma haste vertical. Estes eram conhecidos como ” amuletos gnósticos ” e às vezes também eram gravados com os nomes Iao Sabao ( o Arconte Iao ). [19] Gemas gnósticas com Abraxas também apresentavam os sete raios. [20]

No catolicismo

A Anunciação
Jan van Eyck, 1434
Sete raios de luz descem da janela superior

Na iconografia cristã primitiva, a pomba do Espírito Santo é freqüentemente mostrada com uma emanação de sete raios, assim como a imagem da Madona, geralmente em conjunto com uma pomba ou pombas. [1] [21] O Mosteiro de Santa Catarina no Monte Sinai, por volta de 565 EC, mostra a Transfiguração de Cristo no mosaico da abside, com “sete raios de luz brilhando do corpo luminoso de Cristo sobre os apóstolos Pedro, Tiago e John.” [4] Nos dias atuais, a Catedral de St. Louis, em estilo bizantino, no Missouri, o centro do santuário tem um círculo gravado com muitos símbolos da Santíssima Trindade . A inscrição diz: “Irradiando deste símbolo são sete raios de luz representando os sete dons do Espírito Santo”. [3]

Durante o século XII, Saint Norbert de Xanten , fundador da Ordem dos Cânones Regulares de Prémontré, descobriu o local onde as relíquias de Santa Úrsula e seus companheiros de Saint Gereon e de outros mártires estavam escondidas durante um sonho. No sonho que o levou a esse local, ele foi guiado pelos “sete raios de luz … que cercavam a cabeça do Redentor crucificado”. [2]

A Anunciação é uma pintura a óleo do mestre neerlandês Jan van Eyck , de cerca de 1434 a 1436. A figura mostra a Anunciação do Arcanjo Gabriel à Virgem Maria, de que ela dará à luz o Filho de Deus ( Lucas 1: 26-38). Em um elemento proeminente do complexo trabalho iconográfico, os Sete dons do Espírito Santo descem para ela em sete raios de luz da janela superior à esquerda, com a pomba simbolizando o Espírito Santo seguindo o mesmo caminho. [22]Os sete raios em que as pombas descem são elementos únicos na pintura, pois são do reino celestial e não do terreno, com a diferença mostrada pelo artista pelo uso de folha de ouro em vez de tinta a óleo comum. Somente os sete raios são tratados e, enquanto todas as outras fontes de luz da pintura projetam sombras, os sete raios não. [23]

A sociedade secreta italiana do final do século XVII, Cavaleiros do Apocalipse , foi fundada com o objetivo declarado de defender a Igreja Católica contra o esperado Anticristo , embora também fosse acusada de ter motivos políticos. Eles usavam nos seios uma estrela com sete raios. [24]

Na escritura Hindu 

O Agni de sete braços com sua esposa.

Agni é uma divindade hindu e védica, representada em três formas: fogo, raio e sol. Na arte hindu, Agni é retratado com duas ou sete mãos, duas cabeças e três pernas. Em cada cabeça, ele tem sete línguas ardentes com as quais lambe manteiga de sacrifício. Ele monta um carneiro ou uma carruagem aproveitada por cavalos de fogo. Seus atributos são um machado, uma tocha, contas de oração e uma lança flamejante. Agni é representado como vermelho e de duas caras, sugerindo suas qualidades destrutivas e benéficas, e com olhos e cabelos pretos. Sete raios de luz emanam de seu corpo. [25]

O Vishnu Purana , uma escritura pós-védica , descreve como Vishnu “entra nos sete raios solares que se dilatam em sete sóis”. Estes são os “sete principais raios solares”, a fonte de calor até o planeta Júpiter, e os “sete sóis nos quais os sete raios solares se dilatam na consumação de todas as coisas …” [6]

O estudioso hindu do século XX, poeta e místico Sri Aurobindo , descreveu os sete raios védicos de conhecimento, ou Agni , como “as sete formas do princípio do pensamento” e escreveu que “os sete brilhantes cavalos do sol e sua união plena constituem o pensamento de sete cabeças de Ayasya, pelo qual o sol perdido da verdade é recuperado. Esse pensamento é novamente estabelecido nos sete rios, os sete princípios de ser divino e humano, cuja totalidade funda a perfeita existência espiritual “. [7]

Interpretações sincretísticas 

O egiptólogo Gerald Massey escreveu em 1881 o que descreveu como conexões entre as escrituras védicas, a mitologia egípcia antiga e as histórias do Evangelho. [26] Ele teorizou que o Arcon Iao , o “Deus Sol dos Sete Raios das Pedras Gnósticas” também era a “Serpente Chnubis” e “a Segunda Besta no Livro do Apocalipse”. [27] Em 1900, ele elaborou mais detalhadamente, descrevendo a unidade das “sete almas do Faraó”, “os sete braços do deus hindu Agni “, “as sete estrelas na mão de Cristo em Apocalipse” e ” os sete raios do deus caldeu Heptaktis, ou Iao, nas pedras gnósticas “. [28]

Samuel Fales Dunlap, escreveu em 1894:

Moisés era da raça dos caldeus. O Mitra caldeu tinha seus sete raios e Moisés seus sete dias. Os outros planetas que circulam ao redor do sol conduzem a dança ao redor do rei dos céus, recebendo dele com a luz também seus poderes; enquanto que a luz chega do sol para eles, eles recebem seus poderes que ele derrama nas Sete Esferas dos Sete Planetas, das quais o sol é o centro.

Dunlap escreveu que a idéia do espírito como causa última está presente em todas as grandes religiões do Oriente (que na terminologia de seu tempo incluía a área hoje conhecida como Oriente Próximo ou Oriente Médio), e que essa ideia pode ser encontrado nos “Sete Raios do Mitra Caldeu e nos Sete Dias de Gênesis. Do Sol vieram fogo e espírito”. Segundo Dunlap, “essa era a religião astronômica dos caldeus, judeus, persas, sírios, fenícios e egípcios”. [29]

Dunlap comparou o nimbus de Apolo aos sete raios de Dionísio , presidindo as órbitas dos sete planetas. Os sete raios também são encontrados no mistério caldeu do “Deus dos Sete Raios, que segurava as Sete Estrelas na mão, por meio de quem (como os caldeus supunham) as almas foram levantadas”. Antes da era cristã, essa divindade era conhecida como Iao (o primeiro nascimento) ou Sabaoth (o Sol), e mais tarde descrita como “Christos da Ressurreição de Almas”. [30]

No final da década de 1940, a historiadora e escritora de arte Ananda Coomaraswamy foi curadora do Departamento de Arte Asiática do Museu de Belas Artes de Boston e construiu a primeira grande coleção de arte indiana nos Estados Unidos. Seus escritos no campo da filosofia perene e da Escola Tradicionalistaincluíram ensaios complexos, reunindo símbolos da sabedoria antiga e metafísica de culturas amplamente diversas, incluindo fontes indianas, islâmicas, chinesas, helênicas e cristãs. Ele escreveu que os sete raios do sol aparecem no simbolismo hindu e cristão, representando conceitos semelhantes e, em particular, no simbolismo do sétimo raio que “corresponde à distinção entre transcendente de imanente e infinito de finito”. Ele acrescentou que “do nosso Eixo do Universo ( skambha , divo dharuna, etc.) e do Qutb islâmico ….. O sétimo raio passa através do Sol para os mundos suprasolares de Brahma”, onde o sol não brilha “(‘todos que está sob o Sol estar no poder da Morte, e além de imortal ‘). ” [31]

Em Teosofia 

O sincretismo é um dos princípios centrais da Teosofia , uma filosofia religiosa originada por Helena Petrovna Blavatsky a partir da década de 1870, e os sete raios aparecem repetidamente nos escritos relacionados. A Teosofia sustenta que todas as religiões são tentativas da ” Hierarquia Espiritual ” de ajudar a humanidade a evoluir para uma maior perfeição, e que cada religião, portanto, possui uma porção da verdade.Blavatsky escreveu no primeiro livro de A Doutrina Secreta de uma “analogia entre o ariano ou bramânico e o esoterismo egípcio” e que os “sete raios dos caldeus Heptakis ou Iao, nas pedras gnósticas” representam as sete grandes estrelas do egípcio Constelação de “Grande Urso”, os sete poderes elementares e os “sete Rishis” hindus. Ela afirmou que os sete raios da divindade solar védica Vishnu representam o mesmo conceito que o “fluido astral ou ‘Luz’ dos cabalistas”, e que as sete emanações das sete sephiroth inferiores são os “sete raios primitivos” e ” será encontrado e reconhecido em todas as religiões. ” [32]

No segundo volume da Doutrina Secreta , Blavatsky discute os “sete plexos nervosos do corpo” e os sete raios que irradiam, afirmando que esse princípio é encontrado no Rig Veda , na mitologia de Ahura Mazda , nas crenças dos Incas, o chinês Yao e o egípcio Osíris, que “quando ele entra na arca, ou barco solar, leva sete raios com ele”. Ela descreve os “sete sábios” dos Veda como “os sete raios que se libertam do centro macrocósmico”. [33]

Blavatsky resume o princípio sincrético de sua doutrina no que se refere aos sete raios:

“… uma chave que nos revela, por motivos indiscutíveis de analogia comparativa … a fênix indiana, o emblema do tempo cíclico e periódico, o” leão-homem “Singha, de cujas representações as chamadas” jóias gnósticas ” Sobre os sete raios da coroa do leão, e correspondendo a seus pontos, estão, em muitos casos, as sete vogais do alfabeto grego AEHIOYW, testemunhando aos Sete Céus. Este é o leão solar e o emblema do Ciclo solar, como Garuda é o do grande ciclo, o “Maha-Kalpa” co-eterno com Vishnu, e também, é claro, o emblema do Sol, e o ciclo solar … … Como também observou CW King: – “Qualquer que seja o significado principal (da gema com o leão e as vogais solares), provavelmente foi importado em sua forma atual da Índia,essa verdadeira fonte da iconografia gnóstica “(Gnósticos, p. 218)[34]

No terceiro volume da Doutrina Secreta , publicado postumamente, Blavatsky descreveu os “Sete Raios Primitivos” como um grupo de seres celestes também conhecidos como “Deuses” ou ” Anjos ” ou “Poderes”. Ela afirmou que esse simbolismo foi “adotado mais tarde pela religião cristã como os ‘Sete Anjos da Presença ‘”. [35]

Na Teosofia, os sete raios são considerados sete tipos principais de Substância da Luz (espírito / matéria) (ondas / partículas) que compõem os universos criados. Também se acredita que eles transmitam “qualidades divinas”. [36]

CW Leadbeater 

CW Leadbeater deu uma lista mostrando o tipo característico de mágica para cada raio. Essa lista indica o que ele considerava o tipo de mágica mais compatível a ser executado pelas pessoas em cada raio (embora qualquer um de qualquer raio possa fazer qualquer um desses vários tipos de magia). [37]

  • Primeiro raio: Magia da Vontade do mago
  • Segundo raio: Magia da Raja Yoga (Desenvolvimento da Mente)
  • Terceiro raio: Magia da astrologia (forças magnéticas naturais)
  • Quarto raio: Magia do Hatha Yoga (desenvolvimento físico)
  • Quinto raio: Magia da Alquimia (Manipulação de Substâncias Materiais)
  • Sexto raio: Magia do Bhakti Yoga (serviço altruísta e amor altruísta; ágape )
  • Sétimo raio: Magia cerimonial (Invocação de Elementais e Devas )

Ensinamentos da Nova Era 

De acordo com Alice A. Bailey , cada pessoa tem um raio da alma que permanece o mesmo em todas as suas encarnações, e um raio da personalidade que é diferente para cada encarnação. Cada raio também é correspondente a certos Mestres da Sabedoria, e a planetas, ciclos, nações etc. especiais. Os sete raios são a base para o que Alice A. Bailey chamou de Psicologia da Nova Era – ela divide todos na raça humana nessas sete questões psicológicas. tipos . [38]

Bailey afirmou que os sete raios que nos chegam na Terra se originam localmente dentro do “Logos Solar”, isto é, a consciência do “Ser Divino” do Sol . De acordo com Alice A. Bailey e Benjamin Creme , os sete raios estão focados no Logos Solar, através de Sirius , as sete estrelas da Ursa Maior no Grande Urso , e as sete principais estrelas das Plêiades formam o “Logos Galáctico”. (a consciência do “Ser Divino” da Galáxia da Via Láctea ) e têm sua origem última na mente de Deus . [38]

No nível planetário local, acredita-se que os sete raios sejam transmitidos do Logos Solar através do Deus do nosso planeta, Sanat Kumara , e depois através da hierarquia espiritual do nosso planeta, que inclui os “Mestres da Sabedoria” [38] (Alguns os escritos os chamam de Mestres Ascensos ou da Grande Fraternidade Branca ).

Acredita-se que cada um dos sete raios esteja associado a um tipo diferente de energia oculta e a uma cor diferente .

Qualidades dos sete raios 

Os sete raios estão listados abaixo:

Alice A. Bailey e a Igreja Universal e Triunfante atribuem cores diferentes e, em alguns casos, Mestres diferentes a cada um dos sete raios. Em Cartas sobre meditação oculta , Alice Bailey indica que não existe uma correspondência simples entre os raios e essas cores. As cores, mestres e retiros indicados aqui são os indicados por Alice Bailey e pela Igreja Universal e Triunfante.

De acordo com Alice A. Bailey, os Mestres vivem em corpos imortais em uma residência no plano físico no local indicado (embora um determinado Mestre possa viajar fisicamente incógnito para vários locais, tornar-se invisível , se teletransportar para vários locais e atravessar paredes, bem como influenciar os seres humanos telepaticamente e viajar nos planos internos , conforme exigido pelas exigências de seu trabalho espiritual).

De acordo com a Igreja Universal e Triunfante, e outras Atividades do Mestre Ascensionadas , acredita-se que cada Mestre sirva em um Retiro no plano físico ou etérico na localização geográfica mostrada após o nome. [39]

Os “Dons do Espírito Santo” da Igreja Universal e Triunfante para cada raio são mostrados. Para Alice A. Bailey e a Igreja Universal e Triunfante, cada raio possui uma jóia que, acredita-se, focaliza a energia desse raio, o que é indicado.

Alice A. Bailey 

 

 

Raio Conceito “Expressão” Cores [40] Planetas astrológicos 

[41]

Signos astrológicos

 [41]

Mestres da Sabedoria
Primeiro “Vontade ou poder” [42] [43] “O reservatório básico do poder” [42] Azul Vulcano e

Plutão

Touro e

Peixes

Manu,

Morya 

[43]

Segundo “Sabedoria do amor” [43] [44] “Magnetismo”

[44]

Vermelho Sol e

Júpiter

Leão e

Virgem

Cristo,

[43]

Koot Humi

e

Djwhal

Khul [45]

Terceiro “Adaptabilidade”

[46]

ou “Inteligência ativa” [43]

“Instinto”

[46]

Amarelo Terra e

Saturno

Gêmeos

e

Libra

Mahachohan

[43]

Quarto Beleza ou harmonia [44] [47]

ou “Harmonia através de conflitos” [48]

“Uniformidade da cor” [44] ou “Experiência. Crescimento”.

[48]

Verde Mercúrio e

Lua

Escorpião

e

Aquário

Serapis [49]
Quinto Conhecimento

 

ou ciência concreta [47] [48] [50]

“Intelecto”

[48]

laranja Vênus Capricórnio Mestre Hilário,

Paulo de Tarso

(158)

[49]

Sexto “Devoção” [44] [46] [47]

ou “Idealismo abstrato” [50]

“Intelecto”

[48]

Tolet Netuno e

Marte

Câncer e

Sagitário

Mestre Jesus [50]
Sétimo “Organização

e ritual” [47] ou “organização cerimonial” [42]

ou “Magia ‘ou ordem cerimonial” [50]

“Radioatividade”

[42]

Índigo Urano Áries Mestre Rakoczi 

[50]

 

O farol da cimeira [51] 

 

Raio Cor Mestre da Sabedoria Retiro Qualidade Chakra Dia Dom do Espírito Santo Jóia

raio

Poder de deus Azul

Ciano

Master El Morya Darjeeling ,

Índia

Força

Saldo

Vai

Garganta (5a) terça Fé na vontade de Deus

Proteção

Diamante

Safira

Star Sapphire

Lápis lazúli

2 raio Sabedoria de Deus Amarelo

Ouro

Kuthumi Grand Teton ,

Wyoming ,

Estados Unidos da América

Sabedoria

Compreensão

Iluminação

Coroa (7) domingo Inteligência

Conhecimento

Diamante

amarelo

Safira amarela

Topázio

Raio

3

Amor de deus Rosa

Rosa

Paulo, o veneziano Château de

Liberté, S. França

Templo do Sol,

Nova York

Bondade

Compromisso

Beleza

Coração (4o) Segunda-feira Discernimento de espíritos

Criatividade

Rubi

Diamante

Granada

Quartzo rosa

Pink Beryl

Raio

4

Pureza de Deus Branco

Cristal

Serapis Bey Luxor , Egito Pureza

Ressurreição

Alegria

Base da ]coluna vertebral (1º) Sexta-feira Operação de milagres Diamante

Pérola

Zircão

Cristal de quartzo

raio

Verdade de Deus Verde

Ouro

Hilarion Creta , Grécia Saúde

Consagração

Foco

Terceiro Olho (6º) Quarta-feira Cura Esmeralda

Diamante

Jade

Cristal de quartzo

6

raio

Paz de Deus Roxa

Ouro Rubi

Lady Master Nada Península Arábica Paz

Serviço

fraternidade

Plexo Solar (3º) Quinta-feira Diversos tipos de línguas e interpretação Rubi

Topázio

Alexandrite

Diamante

com pérola

Raio

7

Liberdade de Deus Tolet

Ametista

São Germano Transilvânia ,

Romênia

Table Mountain, Wyoming ,

Estados Unidos

Liberdade

Misericórdia

Compaixão

Sede da Alma (2º) sábado Profecia

Operação de milagres

Ametista

Diamante

Aquamarine

Em meados do século XX, à medida que o movimento da Nova Era ganha popularidade, o conceito e as imagens dos sete raios aparecem em uma variedade de cenários.

Na astrologia esotérica , os sete raios são considerados divididos em três grupos: os dois primeiros raios representam Vontade e Sabedoria, respectivamente, e os cinco raios restantes juntos formam o grupo que representa a Atividade. [16] Em um estilo de Reiki adaptado por Carolyn E. Jackson, o aluno passa por uma sequência de níveis, dominando a “chave” de cada nível. A chave para o segundo nível é conhecida como a chave da “unidade” e é alcançada através da passagem de cada um dos sete raios. [14] Isso, no entanto, não faz parte do Reiki tradicional ou de outras versões do sistema Reiki. [52] [53]

Segundo a conselheira psíquica Samantha Stevens, um indivíduo pode usar afirmações , velas, terapia de cores , medicamentos vibracionais e outros métodos para entrar em contato com “arcanjos”, que ela define como os “sete raios”, baseados nas teorias budistas e cristãs: “Os raios ou As Chamas Divinas (como às vezes são chamadas) representam elementos no ser humano perfeitamente integrado – aquele cujo coração está alinhado com sua vontade e inspirado pela Imaginação Divina. ” [54]

A terapeuta da luz e a praticante de radiônica Primrose Cooper escreve que, ao usar a luz como uma modalidade de cura, ela considera útil usar os sete raios definidos na Teosofia para ajudar seus clientes a encontrar “uma visão psicológica do propósito de sua alma”. [15]

Nos últimos anos, houve a criação de um grupo secreto chamado “Os Guardiões dos Sete Raios”. Sua filosofia é que o ser humano tem sete emanações nas quais se encontra, ou se conecta com o Eu Superior. Essas emanações são extensões do Eu Superior ou, de outra forma, chamadas Vontade Superior. Essas emanações se estendem como braços e compreendem o conhecimento (de todos os tipos) necessário para o pleno desenvolvimento do indivíduo em seu Potencial Superior. Tudo o que um humano precisa fazer para usar essas emanações é conhecer a lei moral básica, o que seu corpo e / ou psique podem e não podem lidar, e ouvir.

O filósofo metafísico Gurdjieff escreve frequentemente sobre seus “Sete Raios de Criação”. Segundo Gurdjieff, os Sete Raios da Criação são as sete manifestações de Energia em nosso Universo. O primeiro raio contém todas as coisas (O UNIVERSO INTEIRO) e todas as coisas obedecem às leis inerentes ao primeiro raio. O Primeiro Raio então se manifesta no 2º Reino, o reino das Galáxias. De galáxias a sistemas solares, sistemas solares a planetas. De planetas a organismos nos planetas etc. [55]

Na cultura popular 

Música
  • O rock progressivo banda Utopia realizada uma canção intitulada “Os Sete Raios”. A letra da música gira em torno das filosofias associadas aos conceitos dos sete raios populares no movimento da nova era, com muito foco nas cores associadas a cada raio.
  • Outra banda de rock progressivo, Hawkwind , tem uma música sobre os sete raios intitulados Seven by Seven .
  • Mike Pinder, do The Moody Blues, refere-se fortemente aos “sete raios” e “Light of Seven” em seu álbum solo “The Promise”.
  • A banda pop Erasure se refere à Violet Flame através do título de seu álbum de 2014, The Violet Flame .
Literatura
  • A Igreja Universal e Triunfante, de SM Stirling , fictícia e alterada , acredita que a “Luz dos Sete Raios” se tornou mais forte desde A Mudança. [56] A espada da senhora menciona o quarto raio. [57]

Leitura adicional editar ]

  • Abraão, Kurt. Escola “Grandes Almas: Os Sete Raios no Nível da Alma” para o Estudo dos Sete Raios, Lampus Press, 2002.
  • Abraão, Kurt. “Técnicas de alinhamento da alma: os raios, os corpos sutis e o uso de palavras-chave”. Escola para o Estudo dos Sete Raios, Lampus Press: 1997.
  • Abraão, Kurt. “Equilibrando os pares de opostos; os sete raios e a educação e outros ensaios em psicologia esotérica”. Escola para o Estudo dos Sete Raios, Lampus Press, 1993.
  • Abraão, Kurt. “Os sete raios e nações: França e Estados Unidos comparados.” Escola para o Estudo dos Sete Raios, Lampus Press, 1987.
  • Abraão, Kurt. Escola de “Introdução aos Sete Raios” para o Estudo dos Sete Raios, Lampus Press: 1986.
  • Abraão, Kurt. “Método triplo para entender os sete raios”. Escola para o Estudo dos Sete Raios, Lampus Press, 1984.
  • Abraão, Kurt. “Tipos psicológicos e os sete raios”. Escola para o Estudo dos Sete Raios, Lampus Press: 1983.
  • Bailey, Alice A. Os sete raios da vida Nova York: 1995 – Lucis Publishing Co. Compilação de todos os livros de Alice A. Bailey sobre os sete raios.
  • Baker, Douglas Os sete raios: chave para os mistérios Essendon, Hertfordshire, Inglaterra, Reino Unido: 1977 Publicações Baker
  • Creme, a missão de Benjamin Maitreya em Amsterdã: 1986 – Share International Foundation.
  • Hodson, Geoffrey Os sete temperamentos humanos Adyar, Madras, Índia: 1952 – The Theosophical Publishing House.
  • Hone, Mo. “Os Sete Raios Hoje” Uma Nova Apreciação da Sabedoria Eterna e da Astrologia Esotérica. Rede Plutão (Reino Unido) 2006
  • Leadbetter, CW Os Mestres e o Caminho Adyar, Madras, Índia: 1925 – The Theosophical Publishing House.
  • Profeta, Mark Estudos da Aura Humana Colorado Springs, Colorado: 1975 – Summit University Press (Diz-se que foi ditado por ” Kuthumi “) Gráfico nas páginas 120–121 dos sete raios da perspectiva do Farol da Cúpula .
  • Wood, Ernest Os Sete Raios Wheaton, Illinois, EUA: 1925 – Editora Teosófica

Referências 

  1. bIr para: Barbara G. Walker (1983). A Enciclopédia da Mulher de Mitos e Segredos . HarperCollins. p. 253. ISBN 0-06-250925-X.
  2. bIr para: Daniello Bartoli (1855). História da Vida e Instituto de Santo Inácio de Loyola: Fundador da Sociedade de Jesus (Original da Biblioteca Pública de Nova York, 2006 ed.). E. Dunigan. p. 324. Às vezes, Deus anunciou antecipadamente a ascensão, obras e méritos, seja de certas Ordens que Ele enviou para a assistência de Sua Igreja ou de seus fundadores. Encontramos exemplos disso no sonho que Ele fez conhecido … … nos sete raios de luz que apareceram a St. Norbert, cercando a cabeça do Redentor crucificado, e os peregrinos que vieram a ele desde as extremidades mais profundas de a Terra…
  3. bIr para: editado por Roy Joseph (1969). Ensaios sobre Educação Católica nos Estados Unidos . Ayer Publishing. p. 392. ISBN 0-8369-1347-7.
  4. Um bIr para: Silvia Schroer; Thomas Staubli (2001). “Traduzido por Linda M. Maloney”. Simbolismo do corpo na Bíblia . Imprensa litúrgica. p. 92. ISBN 0-8146-5954-3.
  5. ^ Colebrooke, Henry Thomas (1858). Ensaios sobre a religião e a filosofia dos hindus . Williams e Norgate. pp. 79, 83, 119. Reproduzido de ‘Pesquisas asiáticas’ e das ‘Transações da sociedade asiática real’. Original da Universidade de Harvard.
  6. bIr para: Garrett, John (1871). Um dicionário clássico da Índia: Ilustrativo da mitologia, filosofia, literatura, antiguidades, artes, costumes, costumes, etc. dos hindus . Higginbotham and Co. pp. 41, 48, 99, 203, 216, 242, 314, 452, 621, 627, … Diretor de Instrução Pública, Mysore, Índia; Original da Universidade de Oxford
  7. bIr para: Sri Aurobindo (1971). O Segredo dos Veda . Departamento de Publicação do Sri Aurobindo Ashram pp. 97, 182. ISBN 81-7058-581-3.
  8. bIr para: Robert Emmet Long (1994). Cultos religiosos na América . HW Wilson Publishing. 79-80. ISBN 0-9745866-1-7.
  9. ^ Creme, Benjamin. Fundação Internacional para o Ensino da Sabedoria Sem Idade 1996. Este livro apresenta uma introdução ao grande corpo de sabedoria subjacente aos ensinamentos espirituais de todos os grupos ao longo dos tempos.
  10. ^ Os Ensinamentos do Templo (Halcyon, Califórnia: O Templo do Povo, 1948) Volume I, Lição 45, “Os Sete Raios da Evolução”.
  11. ^ Fundação de Saint Germain. A história da atividade “EU SOU” e a Fundação Saint Germain . Schaumburg, Illinois: Imprensa Saint Germain 2003
  12. ^ Lewis, James R. Igreja Universal e triunfante no centro de perspectiva acadêmica para publicação acadêmica 1994
  13. ^ Livro Branco – congresso mundial de Wesak 2002 . Acropolis Sophia Books & Works 2003.
  14. bIr para: Carolyn E. Jackson (2004). O espírito do Reiki . Publicação da Fundação Inata. 122-128. ISBN 0-9745866-1-7.
  15. bIr para: Primrose Cooper (2001). O poder de cura da luz: um guia abrangente para os poderes de cura e transformação da luz . Weiser. 115-116. ISBN 1-57863-231-5.
  16. bIr para: Alan Leo (1989). Astrologia Esotérica . Tradições interiores / Bear & Company. p. 21. ISBN 0-89281-181-1.
  17. ^ Ovídio , Fasti , v.164.
  18.  “Os oráculos caldeus: texto, tradução e comentário” de Julianus (theurgist.), Ruth Dorothy Majercik, ed., P.38
  19. ^ Lynn Thorndike (1958). Uma História da Magia e Ciência Experimental . Columbia University Press. 317-318, 379. ISBN 0-231-08794-2.
  20. ^ “Parte III. Abraxas, Abraxaster, e gemas Abraxoid.” Os gnósticos e seus restos mortais , por Charles William King, (1887), página 218
  21. ^ Marjorie O’Rourke Boyle (1997). Domesticidade Divina: Agostinho de Thagaste a Teresa de Ávila . BRILL. p. 176. ISBN 90-04-10675-8.
  22. ↑ “Jan van Eyck, Netherlandish, c. 1390 – 1441, A Anunciação, c. 1434/1436” . Galeria Nacional de Arte. O Espírito Santo desce sobre ela em sete raios de luz. Este é o momento em que o plano de Deus para a salvação é acionado. Através da encarnação humana de Cristo, a velha era da Lei é transformada em uma nova era da Graça.
  23. ^ Gifford, E. Melanie, boletim da arte, março 1999: Washington ‘Annunciation’ de Van Eyck: evidência técnica para o desenvolvimento iconográfico. As referências de página são para a versão online. texto online
  24. ^ Chisholm, Hugh, ed. (1911). “Apocalipse, cavaleiros do”  . Encyclopædia Britannica . 2 (11ª ed.). Cambridge University Press. p. 169
  25. ^ O livro da aparência Hindu: Deuses, manifestações e seu significado Por Eva Rudy Jansen p. 64
  26. ^ Biblioteca comum de Coleção-Superior Norwood de Gerald Massey
  27. ^ Gerald Massey (1998). The Natural Genesis (do original publicado por volta de 1881 ed.). Imprensa clássica preta. 366, 369.
  28. ^ Gerald Massey (1992). Palestras de Gerald Massey (do original publicado postumamente por volta de 1900 ed.). Kessinger Publishing. p. 200
  29. ^ Samuel Fales Dunlap (1894). Os Ghebers de Hebron: Uma Introdução aos Gheborim nas Terras dos Sethim, os mistérios de Mithra etc. (Original da University of California ed.). G Redway e JW Bouton. pp. reface, iii – vi.
  30. ^ Samuel Fales Dunlap (1894). Os Ghebers de Hebron: Uma Introdução aos Gheborim nas Terras dos Sethim, os Mithramsyteries & c (Original da University of California ed.). G. Redway e JW Bouton. 275, 363, 369, 372, 649, 644, 675, 757, 856–7, 958.
  31. ^ Ananda K. Coomaraswamy (1877-1947) (1997). “Colaborador Rama P. Coomaraswamy”. A porta no céu: Coomaraswamy sobre mito e significado(de originais da série Bollingen 1940-1947 ed.). Imprensa da Universidade de Princeton. 49, 191, 198. ISBN 0-691-01747-6‘Os ensaios de Coomaraswamy [nos] dão uma visão de sua bolsa de estudos e brilhante insight’. – Joseph Campbell; ‘Há muitos que consideram Coomaraswamy uma das grandes mentes seminais deste século … Essa seleção de seus artigos deve ser usada em todas as bibliotecas’. – Kathleen Raine, The [London] Times
  32.  Helena Petrovna Blavatsky (1893). A Doutrina Secreta: A Síntese de Ciência, Religião e Filosofia (Original da Universidade de Harvard (2 volumes) ed.). Sociedade Teosófica de Publicação. 1, p. 129-130, 523, 573-4.
  33.  Helena Petrovna Blavatsky (1893). A Doutrina Secreta: A Síntese de Ciência, Religião e Filosofia (Original da Universidade de Harvard (2 volumes) ed.). Sociedade Teosófica de Publicação. vol. 2, p. 143, 191.
  34.  Helena Petrovna Blavatsky (1893). A Doutrina Secreta: A Síntese de Ciência, Religião e Filosofia (Original da Universidade de Harvard (2 volumes) ed.). Sociedade Teosófica de Publicação. 2, p. 564-5.
  35.  Helena Petrovna Blavatsky (2004). Ocultismo da Doutrina Secreta(publicado originalmente em 1897 ed.). Kessinger Publishing. p. art. I, página 369. ISBN 1-4179-1104-2.
  36. ^ Carson, Reed. O conhecimento prévio de Blavatsky sobre a dualidade de ondas / partículas da luz Arquivado em 27-09-2006 na Wayback Machine1997. “Também seria incorreto afirmar que a luz é totalmente explicada como uma partícula. Em vez disso, possui uma natureza dupla que possui as propriedades de ambos. onda e partícula . em geral, a radiação electromagnética actua mais como ondas na onda de rádio extremidade doespectro , como mais partículas no raio-xfim do espectro, e geralmente (mas nem sempre) como uma onda na área de luz “média” do espectro em nossa experiência cotidiana. Sua ambiguidade, portanto, reflete um fato na natureza, a dualidade de ondas / partículas da natureza “.
  37. ^ Leadbetter, CW Os mestres e o caminho Adyar, Madras, Índia: 1925 – The Theosophical Publishing House. O gráfico da P. 229 lista a Magia característica de cada raio.
  38. cIr para: Bailey, Alice A. Os Sete Raios de Vida Nova York: 1995 – Lucis Publishing Co. Compilação de todos os livros de Alice A. Bailey sobre os sete raios.
  39. ^ Profeta, Mark L. e Profeta, Elizabeth Clare (compilado e editado por Annice Booth) Os Mestres e seus Retiros Corwin Springs, Montana: Imprensa da Universidade de Summit 2003 “Os Retiros dos Mestres Ascensos” Páginas 395-492
  40. ^ Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 59
  41. bIr para: Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 81
  42. Uma dIr para: Bailey, os sete raios de vida, p. 140
  43. fIr para: Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 155
  44. eIr para: Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 144
  45. ^ Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 156
  46. cIr para: Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 145
  47. Uma dIr para: Bailey, os sete raios de vida, p. 139
  48. eIr para: Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 147
  49. bIr para: Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 158
  50. eIr para: Bailey, Os Sete Raios de Vida, p. 159
  51. ^ Profeta, Marca, Profeta, Elizabeth Clare, Senhores dos Sete RaiosLivingston, Montana: 1986 – Imprensa da Universidade da Cúpula, Carta na página 11 dos senhores dos sete raios e seus retiros. Sete Raios Sagrados dos Mestres Ascensos .
  52. ^ O manual de Usui Reiki Ryoho Gakkai
  53. ^ Bronwen e Frans Steine ​​(2003). O Reiki Sourcebook . Ó Livros. ISBN 1-903816-55-6.
  54.  Samantha Stevens (2003). Os Sete Raios: Um Guia Universal para os Arcanjos . Insomniac Press. p. 22 et al. ISBN 1-894663-49-7.
  55. ^ Legado de Gurdjieff
  56. Stirling, manutenção programada (2008). O flagelo de Deus . Nova York, NY: ROC .
  57. Stirling, manutenção programada (2009). “15” A espada da senhora . Nova York, NY: ROC
    .

Similar Posts