Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Uncategorized

Beltane

Beltane

Beltane é um festival No hemisferio sul  (enquanto no norte é o Samhain ou halloween):

Resultado de imagem para beltane"

“Os poderes da luz e da nova vida agora dançam e movem-se através de toda a criação. A Roda continua a girar. A primavera dá lugar à primeira floração plena do Verão e os Pagãos celebram Beltane com a dança da fita, simbolizando o Sagrado Casamento entre Deusa e Deus. O Beltane é o mais alegre dos festivais celtas, onde os participantes dançam, e se alegram nas voltas da fogueira. Oposto ao festival Samhain, o Beltane é um festival da fertilidade, simbolizando a união entre as energias masculina e feminina, a fertilidade da terra e os fogos do deus celta Belenos, e toda sua energia e luz. Durante o festival, eram acesas fogueiras nos topos dos montes e lugares considerados sagrados, sendo um ritual importante nas terras celtas. E como tradição, as pessoas queimavam oferendas como, por exemplo, totens para que o poder do fogo fosse passado ao rebanho e, pulavam as fogueiras para que se enchessem das mesmas energias poderosas. Representa o início do Verão e marca a morte do Inverno, sendo comemorado com danças e banquetes. Em Portugal, a Festa das Maias é um vestígio desse festival celta.”

Beltane

Beltane
Beltane 2019 Edimburgo Calton Hill.jpg

Uma fogueira Beltane em Calton Hill, em Edimburgo
Também chamado Lá Bealtaine   ( irlandês )
Là Bealltainn   ( gaélico escocês )
Laa Boaltinn / Boaldyn   ( Manx ) [1]
Beltain; Beltaine; Beltine; Beltany [2] [3]
Observado por Gaels ( irlandeses modernos , escoceses e manx ), wiccanos e neopaganos celtas
Tipo Cultural
Pagan ( politeísmo Celtic , Celtic neopaganismo , Wicca )
Significado Início do verão
Celebrações acender fogueiras, decorar casas com flores de maio, fazer arbustos de maio, visitar poços sagrados, banquetear-se
Epoca  

1º de novembro no Hemisfério S.
1 de maio Hemisfério norte
Frequência anual
Relacionado a Primeiro de maio, Calan Mai , noite de Walpurgis

Beltane ou Beltain ( b ɛ eɪ n / ) [5] [6] é o gaélico Dia de Maio de festa. O mais comum é o dia 1º de maio, ou a meio caminho entre o equinócio da primavera e o solstício de verão. Historicamente, foi amplamente observado em toda a Irlanda , Escócia e Ilha de Man . Em irlandês, o nome do dia do festival é Lá Bealtaine ([l̪ˠaː ˈbʲal̪ˠt̪ˠənʲə] ), no gaélico escocês Là Bealltainn ([l̪ˠaː ˈpjaul̪ˠt̪ɪɲ] ) e em Manx Gaelic Laa Boaltinn / Boaldyn . É um dos quatro festivais sazonais gaélicos – junto com Samhain , Imbolc e Lughnasadh – e é semelhante ao galês Calan Mai .

Beltane é mencionado em algumas das primeiras literaturas irlandesas e está associado a eventos importantes da mitologia irlandesa . Também conhecido como Cétshamhain (“primeiro verão”), marcou o início do verão e foi quando o gado foi levado às pastagens de verão. Foram realizados rituais para proteger o gado, as colheitas e as pessoas e incentivar o crescimento. Fogueiras especiais foram acesas e suas chamas, fumaça e cinzas foram consideradas como tendo poderes de proteção. As pessoas e seu gado andavam em volta ou entre fogueiras e às vezes pulavam sobre as chamas ou brasas. Todos os incêndios domésticos seriam apagados e depois acesos da fogueira de Beltane. Essas reuniões seriam acompanhadas de um banquete, e parte da comida e bebida seria oferecida aos aos sí . Portas, janelas, árvores e gado seriam decorados com flores amarelas de maio, talvez porque evocassem fogo. Em algumas partes da Irlanda, as pessoas produziam um arbusto de maio: normalmente um arbusto ou galho de espinhos decorado com flores, fitas, conchas brilhantes e luzes de ponta. Também foram visitados poços sagrados , enquanto o orvalho Beltanefoi pensado para trazer beleza e manter a juventude. Muitos desses costumes faziam parte dos festivais do primeiro de maio ou do verão em outras partes da Grã-Bretanha e da Europa.

As celebrações de Beltane haviam desaparecido em grande parte em meados do século XX, embora alguns de seus costumes continuassem e, em alguns lugares, ela foi revivida como um evento cultural. Desde o final do século 20, os neopaganos celtas e os wiccanos observaram Beltane, ou algo baseado nele, como um feriado religioso. Os neopagãos no Hemisfério Sul costumam celebrar Beltane no outro final do ano (por volta de 1º de novembro).

Costumes históricos de Beltane 

Beltane foi um dos quatro festivais sazonais gaélicos: Samhain (~ 1 de novembro), Imbolc (~ 1 de fevereiro), Beltane (~ 1 de maio) e Lughnasadh (~ 1 de agosto). Beltane marcou o início da temporada de verão pastoral, quando o gado foi levado para as pastagens de verão. [7] [8] Os rituais eram realizados naquela época para protegê-los de danos, naturais e sobrenaturais, e isso envolvia principalmente o “uso simbólico do fogo”. [7] Havia também rituais para proteger plantações, laticínios e pessoas, e incentivar o crescimento. Os à  (geralmente chamados de espíritos ou fadas) eram considerados especialmente ativos em Beltane (como em Samhain) [7]e o objetivo de muitos rituais de Beltane era apaziguá-los. Muitos estudiosos vêem o aos sí como remanescentes dos deuses pagãos e dos espíritos da natureza. [9] Beltane era um “festival de otimismo na primavera”, durante o qual “o ritual de fertilidade era importante novamente, talvez se conectando com o poder crescente do sol”. [3]

Antes da era moderna 

Acredita-se que Beltane (início do verão) e Samhain (início do inverno) tenham sido os mais importantes dos quatro festivais gaélicos. Sir James George Frazer escreveu em The Golden Bough: A Study in Magic and Religion que os tempos de Beltane e Samhain são de pouca importância para os cultivadores europeus, mas de grande importância para os pastores. Assim, ele sugere que a metade do ano, em 1 de maio e 1 de novembro, data de uma época em que os celtas eram principalmente um povo pastoral, dependente de seus rebanhos. [10]

A menção mais antiga de Beltane está na literatura irlandesa antiga da Irlanda gaélica . De acordo com os primeiros textos medievais Sanas Cormaic e Tochmarc Emire , Beltane foi realizada em 1º de maio e marcou o início do verão. Os textos dizem que, para proteger o gado das doenças, os druidas provocariam dois incêndios “com grandes encantamentos” e levariam o gado entre eles. [11] [12]

Segundo o historiador do século XVII Geoffrey Keating , houve uma grande reunião na colina de Uis, perto de cada Beltane na Irlanda medieval, onde um sacrifício foi feito a um deus chamado Beil . Keating escreveu que duas fogueiras seriam acesas em todos os distritos da Irlanda, e gado seria conduzido entre eles para protegê-los de doenças. [13] Não há referência a esse encontro nos anais , mas os Dindsenchas medievaisinclui a história de um herói acendendo um fogo sagrado em Uisneach que ardeu por sete anos. Ronald Hutton escreve que isso pode “preservar uma tradição das cerimônias de Beltane lá”, mas acrescenta “Keating ou sua fonte pode simplesmente ter confundido essa lenda com as informações em Sanas Chormaic para produzir um pedaço de pseudo-história”. [7] No entanto, escavações em Uisneach, no século 20, encontraram evidências de grandes incêndios e ossos carbonizados, mostrando que ele era ritualmente significativo. [7] [14] [15]

Beltane também é mencionado na literatura medieval escocesa. [16] Uma referência inicial é encontrada no poema ‘Peblis to the Play’, contido nos Manuscritos de Maitland da poesia escocesa dos séculos XV e XVI, que descreve a celebração na cidade de Peebles . [17]

Era moderna 

Do final do século XVIII até meados do século XX, muitos relatos de costumes de Beltane foram registrados por folcloristas e outros escritores. Por exemplo, John Jamieson , em seu Etymological Dictionary of the Scottish Language (1808) descreve alguns dos costumes de Beltane que persistiram no século 18 e no início do século 19 em partes da Escócia, que ele notou que estavam começando a desaparecer. [18] No século 19, o folclorista Alexander Carmichael (1832–1912) colecionou a música Am Beannachadh Bealltain ( a bênção de Beltane ) em sua Carmina Gadelica , que ele ouviu de um grupo no sul de Uist .[17]

Fogueiras 

Uma fogueira Beltane na antiga fazenda Butser

Fogueiras continuaram a ser uma parte fundamental do festival na era moderna. Todos os fogos e velas da lareira seriam apagados antes que a fogueira fosse acesa, geralmente em uma montanha ou colina. [3] [19] Ronald Hutton escreve que “Para aumentar a potência das chamas sagrados, Grã-Bretanha em, pelo menos, eles foram frequentemente suscitada pela mais primitivo de todos os meios, de atrito entre a madeira.” [7] No século 19, por exemplo, John Ramsay descreveu as montanhas escocesas acendendo um incêndio de necessidade ou força em Beltane. Tal incêndio foi considerado sagrado. [7] No século 19, o ritual de conduzir gado entre dois incêndios – como descrito em Sanas Cormaicquase 1000 anos antes – ainda era praticado na maior parte da Irlanda e em partes da Escócia. [7] Às vezes, o gado era conduzido “ao redor” de uma fogueira ou feito para saltar sobre chamas ou brasas. O próprio povo faria o mesmo. [7] Na ilha de Man, as pessoas asseguravam que a fumaça soprasse sobre eles e seu gado. [8] Quando a fogueira morria, as pessoas se banhavam com suas cinzas e as espalhavam sobre suas colheitas e gado. [7] Tochas ardentes da fogueira seriam levadas para casa, onde seriam transportadas pela casa ou nos limites da fazenda [20] e seriam usadas para iluminar a lareira. [7]A partir desses rituais, fica claro que o fogo era visto como possuindo poderes de proteção. [7] Rituais semelhantes faziam parte do dia de maio, verão ou costumes da Páscoa em outras partes das Ilhas Britânicas e na Europa continental. [21] Segundo Frazer, os rituais de fogo são uma espécie de mágica imitativa ou solidária . Segundo uma teoria, eles pretendiam imitar o Sol e “garantir um suprimento necessário de luz do sol para homens, animais e plantas”. Segundo outro, eles deveriam simbolicamente “queimar e destruir todas as influências nocivas”. [22]

Uma fogueira Beltane na WEHEC 2015

 

A comida também era cozida na fogueira e havia rituais. Alexander Carmichael escreveu que havia um banquete com cordeiro, e que anteriormente esse cordeiro era sacrificado. [23] Em 1769, Thomas Pennant escreveu que, em Perthshire , uma caudle feita de ovos, manteiga, aveia e leite era cozida na fogueira. Parte da mistura foi derramada no chão como uma libação . Todos os presentes pegariam um bolo de aveia, chamado bannoch Bealltainn ou “Beltane bannock”. Um pouco disso foi oferecido aos espíritos para proteger seus animais (um pouco para proteger os cavalos, um pouco para proteger as ovelhas etc.) e um pouco foi oferecido a cada um dos animais que poderia prejudicar seus animais ( um para a raposa, outro para a águia e assim por diante). Depois, eles bebiam o caudle. [7]

Segundo escritores do século XVIII, em partes da Escócia havia outro ritual envolvendo o bolo de aveia. O bolo seria cortado e uma das fatias marcadas com carvão. As fatias seria então colocado em um capot e todo mundo iria tomar um fora, enquanto os olhos vendados. Segundo um escritor, quem conseguiu a peça marcada teria que pular o fogo três vezes. Segundo outro, os presentes fingiam jogá-lo no fogo e, por algum tempo depois, falavam dele como se ele estivesse morto. Isso “pode ​​incorporar uma memória do sacrifício humano real”, ou pode sempre ter sido simbólico. [7] Um ritual semelhante (isto é, de fingir queimar alguém no fogo) foi praticado em festivais de fogueira na primavera e no verão em outras partes da Europa. [24]

Flores e arbustos Maio 

Um espinheiro florido

Flores amarelas como prímula , rowan , espinheiro , tojo , avelã e calêndula foram colocadas em portas e janelas na Irlanda do século XIX, na Escócia e em Mann. Às vezes, flores soltas estavam espalhadas nas portas e janelas e às vezes eram transformadas em buquês , guirlandas ou cruzes e presas a elas. Eles também seriam presos a vacas e equipamentos para ordenha e fabricação de manteiga. É provável que essas flores tenham sido usadas porque provocaram fogo. [7] Costumes semelhantes do primeiro de maio são encontrados em toda a Europa.

O Bush de maio e o ramo de maio eram populares em partes da Irlanda até o final do século XIX. Era uma pequena árvore ou galho – tipicamente espinheiro, rowan, azevinho ou sicômoro – decorado com flores brilhantes, fitas, conchas pintadas e assim por diante. A árvore seria decorada onde estava ou galhos seriam decorados e colocados dentro ou fora da casa. Também pode ser decorado com velas ou faróis . [19] Às vezes, um maio Bush seria exibido pela cidade. Em partes do sul da Irlanda, bolas de arremesso de ouro e prata , conhecidas como Bolas de Maio, seriam penduradas nesses arbustos de maio e entregues a crianças ou entregues aos vencedores de uma partida de arremesso . [19] Em Dublin eBelfast , maio Os arbustos foram trazidos para a cidade do interior e decorados por todo o bairro. [19] Cada bairro disputava a árvore mais bonita e, às vezes, os moradores de um tentavam roubar o mato de maio de outro. Isso levou a que Bush fosse banido nos tempos vitorianos . [19] Em alguns lugares, era costume dançar ao redor de Bush em maio e, no final das festividades, pode ser queimado na fogueira. [25]

As árvores de espinho eram vistas como árvores especiais e estavam associadas aos aos sí . O costume de decorar um arbusto ou uma árvore de maio foi encontrado em muitas partes da Europa. Frazer acredita que esses costumes são uma relíquia do culto às árvores e escreve: “A intenção desses costumes é levar para casa a vila e a cada casa as bênçãos que o espírito das árvores tem em seu poder de conceder”. [26] Emyr Estyn Evans sugere que o costume de maio Bush tenha vindo da Inglaterra para a Irlanda, porque parecia ser encontrado em áreas com forte influência inglesa e porque os irlandeses consideravam azarado danificar certas árvores de espinhos. [27]No entanto, as árvores “sortudas” e “azaradas” variavam de acordo com a região, e foi sugerido que Beltane era a única vez em que era permitido o corte de árvores espinhosas. [28] A prática de enfeitar um arbusto de maio com flores, fitas, guirlandas e conchas brilhantes é encontrada entre a diáspora gaélica, principalmente na Terra Nova e em algumas tradições da Páscoa na costa leste dos Estados Unidos . [19]

Outros costumes 

Os poços sagrados eram frequentemente visitados em Beltane e em outros festivais gaélicos de Imbolc e Lughnasadh. Os visitantes dos poços sagrados oravam por saúde enquanto caminhavam no sentido solar (movendo-se de leste para oeste) ao redor do poço. Eles então deixavam ofertas; normalmente moedas ou botas (veja bem as botas ). [19] A primeira água retirada de um poço em Beltane foi vista como especialmente potente, assim como o orvalho da manhã em Beltane . Ao amanhecer em Beltane, as donzelas rolavam no orvalho ou lavavam o rosto com ele. Também seria coletado em uma jarra, deixado à luz do sol e depois filtrado. Pensa-se que o orvalho aumenta a atratividade sexual, mantém a juventude e ajuda nas doenças de pele. [8] [19][25]

As pessoas também tomaram medidas específicas para afastar ou apaziguar o aos sí . Comida foi deixada ou leite foi derramado na porta ou em locais associados ao aos sí , como ‘árvores de fadas’, como uma oferta. [29] [30] Na Irlanda, o gado seria levado para os ” fortes das fadas “, onde uma pequena quantidade de sangue seria coletada. Os proprietários então o despejavam na terra com orações pela segurança do rebanho. Às vezes, o sangue era deixado para secar e depois queimado. [29] Pensou-se que os produtos lácteos estavam especialmente em risco de espíritos nocivos. [19] [31] [32]Para proteger os produtos agrícolas e incentivar a fertilidade, os agricultores liderariam uma procissão em torno dos limites de suas propriedades. Eles “carregavam consigo sementes de grãos, instrumentos de criação, a primeira água do poço e a verbena de ervas (ou rowan como substituto). A procissão geralmente parava nos quatro pontos cardeais da bússola, começando no leste, e rituais foram realizados em cada uma das quatro direções “. [33]

O festival persistiu amplamente até a década de 1950 e, em alguns lugares, a celebração de Beltane continua hoje. [15] [31] [32]

Renascimento

Como festival, Beltane havia desaparecido em grande parte em meados do século XX, embora alguns de seus costumes continuassem e, em alguns lugares, foi revivido como um evento cultural. Na Irlanda, os incêndios em Beltane eram comuns até meados do século XX, [19] mas o costume parece ter durado até os dias atuais apenas no Condado de Limerick (especialmente no próprio Limerick ) e em Arklow , no Condado de Wicklow . [34] No entanto, o costume foi revivido em algumas partes do país. Alguns grupos culturais tentaram reviver o costume em Uisneach e talvez no monte de Tara . [35]Hoje, em alguns pontos da diáspora gaélica , observa-se a iluminação de um incêndio comunitário em Beltane, do qual cada incêndio é então acendido , embora na maioria desses casos seja um renascimento cultural e não uma sobrevivência ininterrupta da tradição antiga. [19] [36] [37] Em algumas áreas da Terra Nova, o costume de decorar Bush de maio também ainda existe. [38] A cidade de Peebles, na Scottish Borders, realiza uma tradicional feira de Beltane, que dura uma semana, todos os anos em junho, quando uma garota local é coroada rainha de Beltane nos degraus da igreja paroquial. Como outros festivais de Borders, ele incorpora uma equitação comum . [39] [17]

Neopaganismo

Os festivais de Beltane e de Beltane são realizados por alguns neopagãos . Como existem muitos tipos de neopaganismo, suas celebrações em Beltane podem ser muito diferentes, apesar do nome compartilhado. Alguns tentam imitar o festival histórico, tanto quanto possível. [42] Outros neopagãos baseiam suas celebrações em muitas fontes, sendo o festival gaélico apenas uma delas. [43] [44]

Os neopaganos costumam celebrar Beltane de 30 de abril a 1 de maio no Hemisfério Norte e de 31 de outubro a 1 de novembro no Hemisfério Sul, começando e terminando ao pôr do sol. [45] [46] [47] [48] [49] Alguns neopagãos o celebram no ponto astronômico entre o equinócio da primavera e o solstício de verão (ou a lua cheia mais próxima deste ponto). No Hemisfério Norte, esse ponto médio é quando a longitude eclíptica do Sol atinge 45 graus. [50] Em 2014, foi em 5 de maio. [51]

Reconstrucionistas Celtas

Os reconstrucionistas celtas se esforçam para reconstruir as religiões pré-cristãs dos celtas. Suas práticas religiosas são baseadas em pesquisas e relatos históricos, [42] [52], mas podem ser modificadas um pouco para se adequarem à vida moderna. Eles evitam o sincretismo e o ecletismo modernos (isto é, combinando práticas de culturas não relacionadas). [53]

Reconstrucionistas celtas costumam celebrar Lá Bealtaine quando as árvores locais de espinheiro estão florescendo. Muitos observam os ritos tradicionais das fogueiras, em qualquer extensão possível em que vivem. Isso pode envolver passar eles e seus animais de estimação ou gado entre duas fogueiras e levar para casa uma vela acesa da fogueira. Se eles não puderem fazer uma fogueira ou participar de uma cerimônia de fogueira, tochas ou velas podem ser usadas. Eles podem decorar suas casas com um arbusto de maio, galhos de árvores espinhosas ou cruzes de rowan de braços iguais. Poços sagrados podem ser visitados e ofertas feitas aos espíritos ou divindades dos poços. Alimentos tradicionais para festivais também podem ser preparados. [54] [55]

Wicca  

Os wiccanos usam o nome Beltane ou Beltain nas comemorações do primeiro de maio no Hemisferio norte e seis meses depois no hemisferio sul. É um dos Sabbats anuais da Roda do Ano, após Ostara e o Solstício anterior . Ao contrário do reconstrucionismo celta, a Wicca é sincrética e combina práticas de muitas culturas diferentes. Em geral, o Wiccan Beltane é mais parecido com o festival germânico / inglês do primeiro de maio, tanto em seu significado (com foco na fertilidade) quanto em seus rituais (como a dança do poste ). Alguns wiccanos promovem uma união ritual entre o senhor e a senhora de maio . [45]

Nome 

Em irlandês, o festival costuma ser chamado Lá Bealtaine (“dia de Beltane”), enquanto o mês de maio é Mí Bhealtaine (“mês de Beltane”). No gaélico escocês , o festival é Latha Bealltainn e o mês é An Cèitean ou ‘Mhàigh . Às vezes, é usada a grafia gaélica escocesa mais antiga Bealltuinn . A palavra Céitean vem de Cétshamain (“primeiro do verão”), um antigo nome alternativo para o festival. [56] [57] O termo Latha Buidhe Bealltainn (escocês) ou Lá Buidhe Bealtaine (Irlandês), “o dia claro ou amarelo de Beltane”, significa o primeiro de maio. Na Irlanda, é referido em um conto popular como Luan Lae Bealtaine ; o primeiro dia da semana (segunda-feira / Luan ) é adicionado para enfatizar o primeiro dia do verão. [58]

O nome é anglicizado como Beltane, Beltain, Beltaine, Beltine e Beltany. [2]

Etimologia 

Desde o início do século XX, é aceito que o irlandês antigo Beltaine é derivado de um celta comum * belo-te (p) niâ , que significa “fogo brilhante”. O elemento * belo- pode ser cognato da palavra em inglês bale (como em bale-fire) que significa “branco” ou “brilhante”; compare o inglês antigo bael e os baltas lituanos / letões , encontrados em nome do Báltico ; nas línguas eslavas, byelo ou beloye também significa “branco”, como em Беларусь (Rússia branca ou Bielorrússia ) ou Whiteе́лое мо́ре ( Mar Branco ). Uma etimologia mais recente de Xavier Delamarre a derivaria de um * Beltinijā celta comum , cognato com o nome da deusa da morte lituana Giltinė , a raiz de ambos sendo o proto-indo-europeu * gʷelH- (“sofrimento, morte”). [59]

No dicionário irlandês de Ó Duinnín (1904), Beltane é referido como Céadamh (ain), que explica é a abreviação de Céad-shamh (ain), que significa “primeiro (do) verão”. O dicionário também afirma que Dia Céadamhan é o dia de maio e Mí Céadamhan é o mês de maio.

Toponímia 

Círculo de pedra Beltany na Irlanda

Existem vários nomes de lugares na Irlanda que contêm a palavra Bealtaine , indicando lugares onde as festividades de Bealtaine foram realizadas. Muitas vezes é anglicizado como Beltany . Existem três Beltanys no Condado de Donegal , incluindo o círculo de pedras de Beltany , e dois no Condado de Tyrone . No condado de Armagh, existe um lugar chamado Tamnaghvelton / Tamhnach Bhealtaine (“o campo Beltane”). Lisbalting / Lios Bealtaine (“o ringane Beltane”) fica no condado de Tipperary , enquanto Glasheennabaultina / Glaisín na Bealtaine (“o riacho Beltane”) é o nome de um riacho que entra no rio Galey, no condado de Limerick . [60]

Sobre a Roda do Ano ou Roda da Vida:

No contexto da Shakti, os festivais tem algumas diferenças nas idéias e simbolos, pois a visão tradicional da Roda do Ano ou Roda da Vida já é impregnada de idéias patriarcais com os mitos patriarcais arianos etc.. Até mesmo os nomes q seriam de cada festival tinham os nomes derivados dos arquetipos femininos (as Shaktis que eram Deusas) da época. Esta relacionada a Jornada do Divino Feminino. Assim, esta q se chama Beltane é a Shakti q se integra (em pé de igualdade) a parte masculina do Eu Superior, mas a comemoracao é ainda do feminino e não do Deus Sol como se coloca em algumas linhas, principalmente wicca. Outra coisa, a dança das fitas (fitas coloridas) não é feita ao redor de um mastro (simbolo falico – masculino, e do alto) mas em volta de simbolos concavos – ou apenas circulares ou espirais ou esferas (como um utero) e na terra (vindo do chão)…. Aos poucos vou passando aqui mais sobre isso para pensarmos em idéias p o dia!!!

 

Sobre as 8 celebrações da Roda do Ano – Celebrações dos ciclos da Deusa: http://sagradofeminino.saberes.org.br/saberes-ancestrais-femininos-sabedoria-espiritualidade-psicologia-saude-danca-feminina/roda-do-ano-8-oito-festivais-celtas-pagaos-festividades-anuais-da-deus/

Similar Posts