Artigos do Portal:
#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Uncategorized

Rainha Maria da Romênia

 

Depois que o Reino da Romênia se dissolveu atrás da Cortina de Ferro em 1947, o legado da rainha Maria da Romênia desapareceu na obscuridade, tanto em seu país adotivo quanto no resto do mundo. Um mundo que já viu nela “a Rainha Sol da Europa” e, de muitas maneiras, a primeira monarca moderna.

Descendente direto da rainha Vitória e de Catarina, a Grande, a rainha Maria da Romênia nasceu no Reino Unido em 1875 como princesa de Edimburgo.

Como veremos ao longo desta série, nas décadas que se seguiram à sua maioridade no distante Reino da Romênia, ela conseguiu expandir o conceito de monarquia de maneiras que ninguém em sua imponente árvore genealógica teria imaginado.


Maiores Rainhas da História: Catarina, a Grande, Rainha Vitória, Rainha Maria da Romênia
Catarina, a Grande, Rainha Vitória, Rainha Maria da Romênia

Sua vida coincidiu com o final da era vitoriana, La Belle Epoque e o surgimento da mídia de massa, bem como a Primeira Guerra Mundial, a Era do Jazz e a Grande Depressão. E sua marca permanece única até hoje, pois ela era, nas palavras de Hannah Pakula , “A Última Romântica”, ao mesmo tempo que possuía uma visão política e cultural muito moderna.

Então, o que fez da rainha Marie ‘a personagem real mais comentada da história moderna’? 1


1. Ela foi uma das amazonas mais famosas do mundo

 

 

Apesar do fato de que as mulheres não podiam participar de competições equestres internacionais durante sua vida, a rainha Marie ficou famosa por sua atitude ousada e pela versatilidade de suas habilidades.

Entre as décadas de 1890 e 1920, ela foi reconhecida como uma das mais renomadas mulheres equestres de sua época. 2

A equitação foi uma paixão que cativou Marie desde a infância, e muitas vezes ela lembrava como era importante para estabelecer uma conexão próxima com seu povo:

A equitação me ensinou a amar o solo romeno, me permitiu entrar em contato com a pulsação do coração do país. […] Minha Romênia veio até mim a cavalo.

Ela muitas vezes cavalgava por horas a fio e era profundamente admirada pelos oficiais do exército por sua capacidade de lidar com os cavalos mais difíceis.

No entanto, os equívocos da época, juntamente com a expectativa de gerar filhos para a dinastia, mostraram-se problemáticos no início:

A princípio, meu povo tinha a estranha noção de que cavalgar impediria que eu tivesse filhos e, acima de tudo, essa seria minha função principal. A Romênia desejava uma família real copiosa, mas logo tiveram que se convencer de que minha paixão pelo cavalo não me impedia de cumprir meus deveres familiares; Dei ao país seis filhos.


 

2. O rei George V e Winston Churchill queriam se casar com ela

Maria nasceu como princesa britânica em Kent em 1875, sendo a filha mais velha do príncipe Alfredo, filho da rainha Vitória, e da ex-grã-duquesa Maria Alexandrovna, filha única do imperador Alexandre II da Rússia.

Em sua juventude, ela foi cortejada por vários solteiros reais, incluindo o então príncipe George de Gales, que em 1892 se tornou o segundo na linha de sucessão ao trono britânico. 3

Ele tinha uma profunda afeição pela jovem princesa, e a rainha Vitória, o futuro rei Eduardo VII e o duque de Edimburgo aprovaram sua eventual união. 4

No entanto, suas mães se opuseram ao casamento, em grande parte devido a ressentimentos pessoais um contra o outro. Assim, quando George a pediu em casamento, Marie escreveu uma carta ditada por sua mãe e o informou que o casamento era impossível.

A rainha Vitória, aparentemente alheia à influência de suas noras e à falta de agência real de Marie (ela tinha cerca de 15 ou 16 anos na época), comentou mais tarde que “Georgie perdeu Missy esperando e esperando”. 5

É interessante pensar que, se eles tivessem se casado, Marie teria entrado para a história como Rainha do Reino Unido.

Mas durante seus primeiros anos, houve outro menino que se apaixonou por ela, e que declarou na frente de seus parentes que, quando crescer, fará da jovem princesa de Edimburgo sua esposa. Seu nome era Winston Churchill.

E embora Marie gostasse dele, 6 uma união entre os dois teria sido impossível, pois, especialmente em sua geração, um casamento entre um real e um plebeu seria inaceitável. 7


3. Ela foi a primeira princesa inglesa a se casar com um católico romano desde os dias dos Stuarts

 

A Reforma Inglesa, uma série de eventos no século 16 em que a Igreja da Inglaterra rompeu com a autoridade do Papa, provocou grandes mudanças na Família Real Britânica, bem como em toda a sociedade inglesa.

Como consequência do Ato de Estabelecimento de 1701, qualquer um que fosse católico romano, se tornasse católico romano ou se casasse seria excluído permanentemente da sucessão ao trono da Inglaterra.

Ao se casar com o príncipe herdeiro Fernando da Romênia, nascido na Alemanha, em 1893, Marie, que havia sido criada na fé anglicana, tornou-se a primeira princesa inglesa a se casar com um católico romano em quase três séculos. 8 , 9

E embora essa não tenha sido uma decisão deliberada por parte de Marie, é justo dizer que influenciou a maneira como ela se relacionava com a ideia de diversidade religiosa ao longo de sua vida, algo que exploraremos mais adiante nesta série.


4. A rainha Maria da Romênia foi considerada uma das mulheres mais bonitas do mundo

 


Maria da Romênia como jovem princesa herdeira

 

Desde seu tempo como princesa herdeira no final da década de 1890 e até a Era do Jazz, ela foi amplamente considerada um símbolo universal de beleza no mundo ocidental, 10 pelos executivos de publicidade da França e pelas mulheres de Nova York.

De ascendência principalmente alemã, mas com linhagens russas e inglesas também, Marie tinha cabelos loiros, olhos azul-acinzentados e uma aparência escultural. Juntamente com sua famosa vivacidade, isso a levou a ser aclamada como uma das mulheres mais atraentes de sua época e uma das rainhas mais bonitas da história . 11 , 12

 

E enquanto os rumores de que ela iria atuar em filmes americanos nos anos 20 soam tão cômicos agora quanto nos dias de Garbo, as fotografias da rainha Marie certamente capturaram seu fascínio digno de Hollywood.

 


5. Maria da Romênia foi uma das primeiras mulheres a receber uma carteira de motorista na Alemanha


Princesa Marie da Romênia andando de carro com sua irmã, Grã-duquesa Victoria Melita de Hesse-Darmstadt em Nice, França.

Então a princesa da Romênia, Marie obteve sua carteira de motorista em Munique em 1909, nos primeiros dias do German Touring Club, e foi uma das primeiras mulheres a dirigir pela Alemanha. 13 Ela estava ao volante de um Mercedes 35 HP, considerado o primeiro modelo de carro moderno.

O documento, que mostra seu dono vestindo casualmente uma tiara (porque se pode, por que não?), foi vendido em 2012 por 5.000 euros. 14

É assim que um artigo do  This King Business , de Frederick L. Collins, descreveu suas habilidades de condução em 1923:

“Drives” é a palavra adequada, pois Marie é uma das melhores motoristas femininas da Europa. Sentada ao volante de seu próprio carro esportivo, ela entra e sai pelas ruas estreitas e movimentadas de sua capital. Com a cabeça erguida, ela é tudo o que uma rainha moderna deveria ser.

Nas esquinas — e são muitas — ela sinaliza de acordo com as regras aceitas da estrada, estendendo o braço gracioso como se estivesse sob o olhar de um guarda de trânsito da Quinta Avenida. E embora a população dê um passo um pouco mais animado do que o normal para dar a ela o direito de passagem, ela sempre dirige – na cidade, pelo menos – “como uma dama”. Em campo aberto, ela pisa no pedal e dirige como o diabo!


 

6. Ela foi a principal promotora real do movimento Art Nouveau



Um ícone da Belle Epoque por excelência, Marie se destacou por seu apoio ardente ao movimento Art Nouveau . 15

Embora seu gosto pelas artes tenha se mostrado bastante conservador mais tarde na vida (ela criticava o movimento surrealista), em sua juventude, Marie admirava o estilo inovador Art Nouveau.

Ela apoiou muitos artistas, promoveu as artes aplicadas e até foi proprietária de várias obras do renomado Alphonse Mucha, incluindo seu famoso pôster de Gismonda para Sarah Bernhardt.16

A então princesa herdeira Marie contribuiu para o estilo fazendo suas próprias criações através de uma fusão de simbolismo celta, bizantino e romeno .


Pintura de Marie, Rainha da Romênia

Suas contribuições foram principalmente através de manuscritos iluminados , pinturas , design de móveis e decoração de interiores , especialmente em seu Castelo Pelişor. Muitas peças de móveis Art Nouveau para os quais a rainha Marie desenhou os designs podem ser encontradas no Maryhill Museum, em Washington.


Móveis de madeira dourada projetados pela rainha Marie, Maryhill Museum of Art, Washington. Crédito da foto: Joe Mabel

7. Ela era uma artista visual premiada



Os livros iluminados cheios de poesia da rainha Marie eram muito admirados naquela época. Enquanto ela costumava presentear a maioria deles para amigos e parentes, alguns deles acabaram sendo apresentados em importantes exposições.

 

Manuscrito criado por Maria da Romênia
com encadernação feita pelo L’atelier Paul Telge,
1906 © Museu Peles

 

Tornando-se verdadeiros objetos de fascínio para os críticos de arte, eles foram premiados com duas Medalhas de Ouro ao longo dos anos, uma na Feira Mundial de Munique (1898) e outra na Exposição Internacional de Barcelona de 1929. 16


8. Ela trabalhou como enfermeira durante três epidemias e duas guerras


 


 

O primeiro trabalho de Marie como enfermeira e gerente de hospital aconteceu durante a Segunda Guerra dos Balcãs , que ocorreu no verão de 1913. Apesar de terminar com a Romênia do lado vencedor, o conflito regional trouxe imensas tensões ao exército, pois coincidiu com uma fúria epidemia de cólera .

Apenas uma princesa na época, ela convenceu o rígido rei Carol I a permitir que as mulheres servissem na linha de frente como enfermeiras. Ela então desempenhou um papel fundamental nos esforços humanitários no campo de batalha búlgaro.

Foi nesse momento que Marie ganhou grande respeito na sociedade romena e passou a ver seu primeiro encontro com uma epidemia como um ponto de virada em sua vida. Mas ninguém poderia imaginar o que estava por vir.



 

Um ano depois, o mundo parou. Em uma rua remota da antiga cidade de Sarajevo, um anarquista matou a tiros o herdeiro do trono austro-húngaro, o arquiduque Francisco Fernando. Essa foi a faísca que iniciou a maior e mais mortal guerra que o mundo ainda estava para ver .

Em poucas semanas, o velho rei Carol I da Romênia morreu no 48º ano de seu reinado. Como resultado, depois de passar duas décadas de sua vida como princesa herdeira, Marie tornou-se a rainha da Romênia no malfadado 1914 .

Em vez de ser uma ocasião de carta vermelha, o momento de sua ascensão ao trono junto com o rei Fernando I foi marcado por nada além de um amanhecer manchado de sangue em toda a Europa.


Marie com seu marido, o futuro rei Fernando, em sua juventude (década de 1890)


Após dois anos extenuantes de neutralidade, a Romênia entrou na Grande Guerra em 1916 . Pouco depois, a população romena se viu em um nexo de desafios.

O exército alemão ocupou sua capital, Bucareste, em 1916, o que forçou um enorme êxodo e significou a perda de metade do território do país . Além disso, vieram duas outras ameaças: uma epidemia generalizada de tifo e a pandemia de gripe de 1918 .

Depois de concluir seu treinamento na Cruz Vermelha , Marie passou meses a fio trabalhando de 16 a 18 horas por dia em hospitais, na linha de frente e em áreas devastadas pela fome. 17


 


 

Além disso, a rainha organizou e administrou uma rede de hospitais de campanha e ambulâncias militares. 18 Ela também usou suas habilidades de negociação para obter medicamentos, alimentos, roupas, equipamentos de saúde e automóveis do exterior.

Em dezembro de 1918, apenas alguns dias após o fim da guerra, Marie foi infectada pelo vírus que acabou matando mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo durante a pandemia de gripe de 1918. A doença a levou muito perto da morte, pois ela estava acamada e sofria de graves alucinações por muitos dias antes de finalmente se recuperar.



9. A Rainha Maria da Romênia foi uma das figuras mais famosas da Primeira Guerra Mundial


Rainha Marie da Romênia em publicações francesas e britânicas

Hoje recordamos nomes como Edith Cavell, Mata Hari, Woodrow Wilson ou Marshall Foch como personagens históricos para sempre ligados à Primeira Guerra Mundial (ainda que por razões muito diferentes).

Mas para as gerações que viveram antes da Guerra Fria, o heroísmo e a engenhosidade da rainha Marie fizeram dela uma das primeiras mulheres a alcançar o status de celebridade no início da mídia de massa moderna .

Devido ao seu trabalho como enfermeira, gerente, jornalista e conselheira política, ela conquistou a admiração de dezenas de milhões de pessoas na Europa, América do Norte e Oceania.

Além disso, através de sua resistência contra a ocupação alemã, bem como contra os bolcheviques, e suas negociações diretas com líderes mundiais como Georges Clemenceau, David Lloyd George, Woodrow Wilson, o imperador Nicolau II e o rei George V, a rainha Marie emergiu como uma das personalidades marcantes da Primeira Guerra Mundial. 19 , 20

Rainha Marie e estadistas com quem ela negociou. A partir do canto superior esquerdo: o primeiro-ministro francês Georges Clemenceau, o czar Nicolau II da Rússia, o primeiro-ministro britânico David Lloyd George, o rei George V da Grã-Bretanha, o presidente dos EUA Woodrow Wilson, o presidente francês Raymond Poincaré

Sua popularidade internacional durou ao longo dos anos 20 e 30, 21 e muitas personalidades expressaram sua admiração pela marca que ela deixou na consciência coletiva:

“Ela é magnífica e nós, contra todos os protocolos, gritamos nossa admiração. O dia permaneceu cinzento, mas a rainha Marie carregava sua luz dentro de si.” —  Coleta  22

“Uma rainha como essa deve ser recebida com todas as honras militares, marechal Foch à frente.” —  Georges Clemenceau 23

 Quaisquer que sejam os erros da rainha Maria antes e depois da guerra, a guerra continua sendo sua página, a página da qual ela pode se gabar, a página que a colocará no lugar de honra da história. […] Nós a encontramos nas trincheiras entre os combatentes, em posições avançadas; nós a encontramos nos hospitais e em todas as unidades médicas; entre os feridos, entre os doentes […] A rainha Maria cumpriu seu dever em todas as múltiplas frentes de sua atividade… ” —  Constantin Argetoianu 24

“[Ela é] mais do que uma mulher, mais do que uma rainha – um símbolo. Mais do que um símbolo – um mito.” — Charles de Beaupoil, conde de Saint-Aulaire 25

“A Rainha Maria da Romênia foi uma das cabeças coroadas mais fascinantes da Europa e uma das mulheres mais extraordinárias e independentes do nosso século.” – Maureen Cleve


10. Ela era um ícone da moda internacional


 

Marie como princesa da Romênia, vestindo trajes tradicionais da Romênia (década de 1890)

Marie também foi reconhecida como um ícone de estilo ao longo de sua vida. 26 Inspirada por sua antecessora, a rainha Elisabeth da Romênia, a princesa herdeira britânica, começou a promover as roupas tradicionais romenas por meio de jornais e cartões postais internacionais no início do século XX.

Marie se mudou para a Romênia aos 17 anos, quando mais de 80% da população era composta de camponeses. Eles eram muito apegados às suas tradições milenares e eram portadores de uma herança têxtil de rara beleza e complexidade (que mais tarde inspiraria pintores famosos como Renoir e Henri Matisse).

Ela percebeu o poder que os trajes romenos tinham em conectar a Coroa com o povo , bem como seu potencial econômico e de marca nacional.

Mas tudo foi muito além de um assunto transacional, pois a rainha Marie também tinha um carinho genuíno pelo traje tradicional, que ela escolheu usar tanto em público quanto em privado, em tempos de paz e guerra, por quase meio século.

A rainha Marie estava determinada a continuar a tradição da corte de encorajar o mundo da moda a borrar as linhas entre classes sociais e países. Com o tempo, ela lentamente se tornou a principal embaixadora da arte camponesa da Romênia entre as classes alta e média , especialmente na Grã-Bretanha, França, Estados Unidos e Canadá, bem como em seu próprio reino.

As roupas que ela popularizou foram a blusa romena, os aventais com franjas e bordados, os vestidos/casacos aparados, as saias e os etéreos véus marama.

A rainha Marie ajudou a alimentar uma demanda incrível por criações autênticas e itens de inspiração romena de casas de moda e lojas de departamento de prestígio. 27

Por exemplo, a loja “Carpatzi” em Paris , em homenagem às montanhas dos Cárpatos da Romênia, era um hotspot de moda na famosa Rue Saint-Honoré, na localização exata da loja Balmain de hoje. 28

Cartão de Publicidade para a famosa loja de Artes e Ofícios Romenos de Paris “Carpatzi”. Foto descoberta online pela Medeis Cultura, cortesia de joslinhall 

O interesse que as casas de moda e designers franceses estavam tendo pela arte têxtil da Romênia, entre os quais Chanel , Doucet , Babani , Jeanne Lanvin , Pierre Bulloz e Paul Poiret , também estava atingindo um ápice sem precedentes.

Esse efeito de halo real se espalhou rapidamente pela lagoa no início da década de 1920. Em 1926, a rainha Marie iniciou algumas tendências durante sua turnê norte-americana , com jornais escrevendo sobre as “manias” de moda que ela despertou e que continuaram por anos após o evento.

 

 

Houve também um grande aumento nas decorações de móveis inspiradas em bordados romenos, assim como sapatos , chapéus , vestidos de noite , cortinas e suéteres .

Muitas lojas de departamentos e consumidores na América do Norte também estavam de olho nos “ véus Queen Marie ”, vestidos de noiva no “estilo Queen Marie”, bem como bonés pontiagudos com contas e colares de pérolas longos e multifios que ela usava na maioria de seus últimos anos.

Além disso, a chamada cor “ azul romeno ” tornou-se uma das tonalidades mais em voga dos anos 20, muito provavelmente inspirada no guarda-roupa da rainha Maria.

Em nosso vocabulário milenar, é seguro dizer que “Queen Marie” se tornou a palavra-chave suprema na moda americana de 1926-1927.


11. A rainha Maria foi a primeira monarca a escrever artigos para jornais


 


Aclamada pela imprensa como “a primeira rainha-jornalista”, ajudou a construir novas formas de ligação com os cidadãos tanto a nível nacional como internacional, tornando-se a primeira monarca a publicar artigos em jornais. 29

Por exemplo, durante a Grande Guerra, ela defendeu a causa de seu país escrevendo artigos para “Figaro” e “Revue de Paris”, entre muitos outros jornais europeus, 30 e publicando livros focados nas culturas de várias comunidades que vivem no Reino da Romênia.32

Além disso, seu trabalho como fotojornalista também foi aclamado por criar uma atitude favorável em relação à Romênia entre o público estrangeiro. 31

Do outro lado do oceano, ela se tornou uma colunista sindicalizada depois de assinar um contrato com a North American Newspaper Alliance em 1923. Seus artigos abordavam tópicos como amor, beleza, monarquia na era moderna, ascensão do feminismo e relações interculturais.


12. A rainha Maria foi a primeira mulher a ser nomeada membro da Academia Francesa de Belas Artes

 

Em reconhecimento de seus esforços artísticos, em janeiro de 1918, a rainha Marie  foi convidada a se tornar membro correspondente da Académie des Beaux-Arts, fazendo história como a  primeira mulher a ser nomeada membro da prestigiosa sociedade erudita. 32 , 33

Desde a sua fundação na época de Napoleão, a Academia Francesa de Belas Artes, que fazia parte do Institut de France, tinha consistentemente mais de 50 membros ao mesmo tempo. Isso mostra o peso da conquista da rainha Marie, bem como a escala de como as artistas femininas foram negligenciadas ao longo da história.


Não se esqueça de conferir os próximos capítulos através dos links abaixo!

 

Rainha Maria da Romênia: 40 Fatos Fascinantes ⏳ Parte 2  | Parte 3 | Parte 4


 

 

 

Similar Posts