Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Assuntos Interessantes Uncategorized

Alfabeto siríaco

Alfabeto siríaco

Alfabeto siríaco
Alfabeto aramaico.jpg

Alfabeto com estilo de Estrangela
Tipo
Abjad Impuro
línguas Aramaico ( siríaco clássico , ocidental Neo-aramaico , assírio Neo-aramaico , caldeu Neo-aramaico , Turoyo , cristão palestino aramaico ), árabe ( Garshuni ), Malayalam ( Suriyani Malayalam ), Sogdian
Período de tempo
c. 1 AD – presente
Sistemas pais

Hieróglifos egípcios

  • Escrita proto-sinaítica
    • Alfabeto fenício
      • Alfabeto aramaico
        • Alfabeto siríaco
Sistemas filho
Sogdian

→ Alfabeto turco antigo

→ Alfabeto húngaro antigo
→ Alfabeto uigur antigo

→ Script mongol
→ Alfabeto maniqueísta
Direção Direita para esquerda
ISO 15924 Syrc, 135

  • Syre, 138 (Variante ʾEsṭrangēlā)
  • Syrj, 137 (Variante ocidental)
  • Syrn, 136 (Variante oriental)
Alias ​​Unicode
Siríaco
Intervalo Unicode
  • Siríaco U + 0700 – U + 074F
  • Suplemento Siríaco U + 0860-U + 086F

alfabeto siríaco ( ܐܠܦ ܒܝܬ ܣܘܪܝܝܐ leālep̄ bêṯ Sūryāyā ) é um sistema de escrita usado principalmente para escrever a língua siríaca desde o século I dC. [1] É um dos semitas abjads descem do alfabeto aramaico através do alfabeto Palmyrene , [2] e compartilha semelhanças com o fenício , hebraico , árabe e os tradicionais roteiros da Mongólia .

Siríaco é escrito da direita para a esquerda em linhas horizontais. É um script cursivo onde a maioria – mas não todas – as letras se conectam em uma palavra. Não há carta caso distinção entre letras maiúsculas e minúsculas, embora algumas letras mudam de forma dependendo de sua posição dentro de uma palavra. Os espaços separam palavras individuais.

Todas as 22 letras são consoantes, embora existam marcas diacríticas opcionais para indicar vogais e outros recursos . Além dos sons do idioma, as letras do alfabeto siríaco podem ser usadas para representar números em um sistema semelhante aos numerais hebraico e grego .

Além do aramaico siríaco clássico, o alfabeto tem sido usado para escrever outros dialetos e idiomas. Várias línguas neo-aramaicas cristãs, do turoyo ao dialeto neo-aramaico do nordeste dos assírios e caldeus , outrora vernáculos , começaram a ser escritas principalmente no século XIX. A variante Serṭā foi recentemente adaptada para escrever neo-aramaico ocidental , tradicionalmente escrito em um alfabeto aramaico quadrado intimamente relacionado ao alfabeto hebraico. Além do aramaico, quando o árabe começou a ser a língua falada dominante no crescente fértil após a conquista islâmica, os textos eram muitas vezes escritos em árabe usando o script siríaco, pois o conhecimento do alfabeto árabe ainda não era generalizado; esses escritos são geralmente chamados de Karshuni ou Garshuni ( ܓܪܫܘܢܝ ). Além das línguas semíticas , o sogdiano também foi escrito com escrita siríaca, bem como o malaiala , que se chamava suriyani malaiala .

Formas de alfabeto 

As palavras iniciais do Evangelho de João escritas em Serṭā , Maḏnḥāyā e ʾEsṭrangēlā (de cima para baixo) – brēšiṯ iṯaw [hy] – [h] wā melṯā , ‘no começo era a palavra’.

Existem três variantes principais do alfabeto siríaco: ʾEsṭrangēlā , Maḏnḥāyā e Serṭā .

ʾEsṭrangēlā clássico 

9 século ‘Esṭrangēlā manuscrito de João Crisóstomo é Homilia sobre o Evangelho de João .

Yəšūʿ ou ʾĪšōʿ , o nome siríaco de Jesus no script ʾEsṭrangēlā .

A forma mais antiga e clássica do alfabeto é ‘Esṭrangēlā [a] ( ܐܣܛܪܢܓܠܐ ).O nome do script é pensado para derivar do grego adjetivo estrongilídeos ( στρογγύλη , ‘arredondado’), [3] embora também tem sido sugerido derivar de Sertã’ewwangēlāyā ( ܣܪܛܐ ܐܘܢܓܠܝܐ , ‘caráter evangelho’). [4] Embora ʾEsṭrang islā não seja mais usado como o principal roteiro para escrever siríaco, ele recebeu algum reavivamento desde o século 10. É frequentemente usado em publicações acadêmicas (como a versão da Peshitta da Universidade de Leiden), em títulos e em inscrições . Em alguns manuscritos e inscrições mais antigos , é possível que qualquer carta se junte à esquerda, e são encontradas formas mais antigas de letras aramaicas (especialmente de ḥeṯ e o mem lunate ). As marcas de vogal geralmente não são usadas com ʾEsṭrangēlā , sendo a forma mais antiga do script e surgindo antes do desenvolvimento de diacríticos especializados.

Syriac East Maḏnḥāyā 

O dialeto siríaco oriental é geralmente escrito na forma Maḏnḥāyā ( ܡܲܕ݂ܢܚܵܝܵܐ , ‘Oriental’) do alfabeto. Outros nomes para o script incluem Swāḏāyā ( ܣܘܵܕ݂ܵܝܵܐ , ‘conversacional’ ou ‘vernacular’, muitas vezes traduzido como ‘contemporâneo’, refletindo seu uso na escrita do neo aramaico moderno), ʾĀṯūrāyā ( ܐܵܬ݂ܘܼܪܵܝܵܐ , ‘assírio’), que não deve ser confundido. com o nome tradicional do alfabeto hebraico ), Kaldāyā ( ܟܲܠܕܵܝܵܐ , ‘caldeu’) e, imprecisamente, ” nestoriano “) A escrita oriental assemelha-se a ʾEsṭrangēlā um pouco mais de perto que a escrita ocidental.

Vogais editar ]

O script Eastern usa um sistema de pontos acima e / ou abaixo das letras, com base em um sistema mais antigo, para indicar sons de vogais não encontrados no script:

  • Um ponto acima e um ponto abaixo de uma letra representam [a] , transliterados como a ou ă (chamado ܦܬ݂ܵܚܵܐ , pṯāḥā ),
  • Dois pontos diagonalmente posicionadas acima de uma carta representar [ɑ] , transliterado como Â ou â ou Å (chamado ܙܩܵܦ݂ܵܐ , zqāp̄ā ),
  • Dois pontos colocados horizontalmente abaixo de uma letra representam [ɛ] , transliterados como e ou ĕ (chamados ܪܒ݂ܵܨܵܐ ḇ , rḇāṣā ʾărīḵā ou ܙܠܵܡܵܐ ܦܫܝܼܩܵܐ , zlāmā pšīqā ; frequentemente pronunciados [ɪ] e transliterados como i no dialeto siríaco oriental),
  • Dois pontos na diagonal abaixo de uma letra representam [e] , transliterados como ē (chamado ܪܒ݂ܵܨܵܐ ܟܲܪܝܵܐ , rḇāṣā karyā ou ܙܠܵܡܵܐ ܩܲܫܝܵܐ , zlāmā qašyā ),
  • A letra waw com um ponto abaixo representa [u] , transliterado como ū ou u (chamado ܥܨܵܨܵܐ ܐܲܠܝܼܨܵܐ , ʿṣāṣā ʾălīṣā ou ܪܒ݂ܵܨܵܐ , rḇāṣā ),
  • A letra waw com um ponto acima representa [o] , transliterado como ô ou o (chamado ܥܨܵܨܵܐ ܪܘܝܼܚܵܐ , ʿṣāṣā rwīḥā ou ܪܘܵܚܵܐ , rwāḥā ),
  • A letra yo com um ponto abaixo representa [i] , transliterado como ī ou i (chamado ܚܒ݂ܵܨܵܐ , ḥḇāṣā ),
  • Uma combinação de rḇāṣā karyā (geralmente) seguida por uma letra yōḏ representa [e] (possivelmente * [e̝] em proto-siríaco), transliterada como ē ou ê (chamada ܐܲܣܵܩܵܐ , ʾăsāqā ).

Pensa-se que o método oriental para representar vogais influenciou o desenvolvimento das marcações niqqud usadas para escrever hebraico.

Além das marcas das vogais acima, a transliteração do siríaco às vezes inclui ə ,  ou sobrescrito e (ou quase nada) para representar um schwa aramaico original que se perdeu posteriormente em algum momento do desenvolvimento do siríaco. Alguns esquemas de transliteração consideram sua inclusão necessária para mostrar espirantização ou por razões históricas. Seja porque sua distribuição é principalmente previsível (geralmente dentro de um cluster de duas consoantes iniciais de sílabas) ou porque sua pronúncia foi perdida, as variantes leste e oeste do alfabeto tradicionalmente não têm sinal para representar o schwa.

Siríaco Ocidental Serṭā

Livro do século XI no roteiro de Serṭā .

Um exemplo de Garshuni: um manuscrito em árabe escrito no script siríaco Serṭā (século XVI).

O dialeto siríaco ocidental é geralmente escrito na forma Ser alphabetā ou Serṭo ( line , ‘linha’) do alfabeto, também conhecido como Pšīṭā ( ܦܫܺܝܛܳܐ , ‘simples’), ‘maronita’ ou o script ‘jacobita’ (embora o termo jacobita é considerado depreciativo). A maioria das letras é claramente derivada de ʾEsṭrangēlā, mas são linhas fluidas simplificadas. Uma mão cursiva de chancelaria é evidenciada nos primeiros manuscritos siríacos, mas trabalhos importantes foram escritos em ʾEsṭrangēlā. A partir do século 8, o estilo mais simples de Serṭā entrou em moda, talvez por causa de seu uso mais econômico de pergaminho .

Vogais 

A escrita ocidental é geralmente com vogal, com letras de vogal grega em miniatura acima ou abaixo da letra que se segue:

  • Alfa maiúsculo ( Α ) representa [a] , transliterado como a ou ă ( ܦܬ݂ܳܚܳܐ , pṯāḥā ),
  • Alfa minúsculas ( α ) representa [ɑ] , transliterado como Â ou â ou Å ( ܙܩܳܦ݂ܳܐ , Zqāp̄ā ; pronunciado como [o] e transliterado como o em língua Oeste Siríaco),
  • Epsilon em minúsculas ( ε ) representa ambos [ɛ] , transliterados como e ou ĕ , e [e] , transliterados como ē ( ܪܒ݂ܳܨܳܐ , Rḇāṣā ),
  • Capital eta ( H ) representa [i] , transliterado como ī ( ܚܒ݂ܳܨܳܐ , Ḥḇāṣā ),
  • Um símbolo combinado de upsilon de capital ( Υ ) e omicron minúsculo ( ο ) representa [u] , transliterado como ū ou u ( ܥܨܳܨܳܐ , ʿṣāṣā ),
  • Minúsculas omega ( ω ), usado apenas na interjeição vocativo Ó ( ܐܘ , ‘Ó!’).

Tabela de resumo 

O alfabeto siríaco consiste nas seguintes letras, mostradas em suas formas isoladas (não conectadas). Quando isoladas, as letras kāp̄ , mīm e mūn geralmente são mostradas com sua forma inicial conectada à sua forma final (veja abaixo ). As letras ‘ālep̄ , Dalat , ele , waw , Zayn , Sade , RES e taw (e, em manuscritos antigos’Esṭrangēlā, a carta semkaṯ [5] ) não se conectam a uma carta a seguir dentro de uma palavra; estes são marcados com um asterisco (*).

Carta Valor do som (siríaco clássico) Valor numérico Equivalente fenício Imperial Aramaic
Equivalent
Hebraico
equivalente
Nome Translit. ʾEsṭrangēlā
(clássico)
Maḏnḥāyā
(leste)
Serṭā
(oeste)
Transliteração IPA
ܐܠܦ ʾĀlep̄ * [b] Estrangela siríaca alap.svg Syriac Eastern alap.svg Syriac Serta alap.svg  Ou nulo
mater lectionis: ā
[ ʔ ] ou ∅
mater lectionis: [ ɑ ]
1 O que outras pessoas estão dizendo א
ܒܝܬ Aposta Syriac Estrangela bet.svg Syriac Eastern bet.svg Syriac Serta bet.svg hard: b
macio:  (também bh , v ou β )
rígido: [ b ]
macio: [ v ] ou [ w ]
2 O que outras pessoas estão dizendo ב
ܓܡܠ Gāmal Estrangela siríaca gamal.svg Syriac Eastern gamal.svg Syriac Serta gamal.svg duro: g
macio:  (também  , gh , ġ ou γ )
rígido: [ ɡ ]
macio: [ ɣ ]
3 O que outras pessoas estão dizendo ג
ܕܠܬ Dālaṯ * Syriac Estrangela dalat.svg Syriac Eastern dalat.svg Syriac Serta dalat.svg duro: d
macio:  (também dh , ð ou δ )
rígido: [ d ]
macio: [ ð ]
4 O que outras pessoas estão dizendo ד
ܗܐ  * Syriac Estrangela he.svg Syriac Eastern he.svg Syriac Serta he.svg h [ h ] 5 O que outras pessoas estão dizendo ה
ܘܘ Waw * Estrangela síria waw.svg Syriac Eastern waw.svg Syriac Serta waw.svg consoante: w
mater lectionis: ū ou ō
(também u ou o )
consoante: [ w ]
mater lectionis: [ u ] ou [ o ]
6 O que outras pessoas estão dizendo ו
ܙܝܢ Zayn * Syriac Estrangela zayn.svg Syriac Eastern zayn.svg Syriac Serta zayn.svg z [ z ] 7 O que outras pessoas estão dizendo ז
ܚܝܬ Ḥēṯ Syriac Estrangela het.svg Syriac Eastern het.svg Syriac Serta het.svg  (também H , kh , x ou ħ ) [ ħ ] , [ x ] ou [ χ ] 8 O que outras pessoas estão dizendo ח
ܛܝܬ Ṭēṯ Syriac Estrangela tet.svg Syriac Eastern tet.svg Syriac Serta tet.svg  (também T ou ţ ) [ T ] 9 O que outras pessoas estão dizendo ט
ܝܘܕ Yōḏ Estrangela siríaca yod.svg Syriac Eastern yod.svg Syriac Serta yod.svg consoante: y
mater lectionis: ī (também i )
consoante: [ j ]
mater lectionis: [ i ] ou [ e ]
10 O que outras pessoas estão dizendo י
ܟܦ Kāp̄ Estrangela siríaca kap.svg Syriac Eastern kap.svg Syriac Serta kap.svg rígido: k
macio:  (também kh ou x )
rígido: [ k ]
macio: [ x ]
20 O que outras pessoas estão dizendo כ ך
ܠܡܕ Lāmaḏ Estrangela siríaca lamad.svg Syriac Eastern lamad.svg Syriac Serta lamad.svg eu [ l ] 30 O que outras pessoas estão dizendo ל
ܡܝܡ Mīm Syriac Estrangela mim.svg Syriac Eastern mim.svg Syriac Serta mim.svg m [ m ] 40. O que outras pessoas estão dizendo מ ם
ܢܘܢ Freira Syriac Estrangela nun.svg Syriac Eastern nun.svg Syriac Serta nun.svg n [ n ] 50. O que outras pessoas estão dizendo נ ן
ܣܡܟܬ Semkaṯ Syriac Estrangela semkat.svg Syriac Eastern semkat.svg Syriac Serta semkat.svg s [ s ] 60 O que outras pessoas estão dizendo ס
ܥܐ ʿĒ Syriac Estrangela 'e.svg Syriac Eastern 'e.svg Syriac Serta 'e.svg ʿ [ ʕ ] [c] 70 O que outras pessoas estão dizendo ע
ܦܐ Educaçao Fisica Syriac Estrangela pe.svg Syriac Eastern pe.svg Syriac Serta pe.svg hard: p
soft:  (também  ,  , ph ou f )
difícil: [ p ]
macio: [ f ]
80 O que outras pessoas estão dizendo פ ף
ܨܕܐ ḎēṢḏē * Syriac Estrangela sade.svg Syriac Eastern sade.svg Syriac Serta sade.svg  (também S ou ş ) [ sˤ ] 90 O que outras pessoas estão dizendo צ ץ
ܩܘܦ Qōp̄ Estrangela siríaca qop.svg Syriac Eastern qop.svg Syriac Serta qop.svg q (também ḳ ) [ q ] 100 O que outras pessoas estão dizendo ק
ܪܝܫ Rēš * Syriac Estrangela res.svg Syriac Eastern res.svg Syriac Serta res.svg r [ r ] 200 O que outras pessoas estão dizendo ר
ܫܝܢ Pecado Estrangela siríaca sin.svg Syriac Eastern sin.svg Syriac Serta sin.svg š (também sh ) [ ʃ ] 300 O que outras pessoas estão dizendo ש
ܬܘ Taw * Syriac Estrangela taw.svg Syriac Eastern taw.svg Syriac Serta taw.svg duro: t
macio:  (também th ou θ )
rígido: [ t ]
macio: [ θ ]
400 O que outras pessoas estão dizendo ת

Formas contextuais de letras

Cartanome ʾEsṭrangēlā (clássico) Maḏnḥāyā (leste)
Desconectadofinal Conectadofinal Inicial oudesconectado

medial

Desconectadofinal Conectadofinal Inicial oudesconectado

medial

̄Lep̄ SyriacAlaph2.png [d] SyriacAlaph.png
Aposta SyriacBeth2.png SyriacBeth.png
Gāmal SyriacGamal2.png SyriacGamal.png
Dālaṯ SyriacDalath.png
Ele SyriacHe.png
Waw SyriacWaw.png
Zayn SyriacZayn.png
Ḥēṯ SyriacKheth2.png SyriacKheth.png
Ṭēṯ SyriacTeth2.png SyriacTeth.png
Yōḏ SyriacYodh2.png SyriacYodh.png
Kāp̄ SyriacKaph3.png SyriacKaph2.png SyriacKaph.png
Lāmaḏ SyriacLamadh2.png SyriacLamadh.png
Mīm SyriacMeem2.png SyriacMeem.png
Freira SyriacNun3.png SyriacNun2.png SyriacNun.png
Semkaṯ SyriacSimkath2.png / SyriacSimkath3.png SyriacSimkath.png
ʿĒ Syriac'E2.png Syriac'E.png
Educaçao Fisica SyriacPe2.png SyriacPe.png
ṢṢḏē SyriacSadhe.png
Qōp̄ SyriacQop2.png SyriacQop.png
Rēš SyriacResh.png
Pecado SyriacSheen2.png SyriacSheen.png
Taw SyriacTaw.png

Ligaduras 

Cartanome ʾEsṭrangēlā (clássico) Maḏnḥāyā (leste) Caracteres Unicode Descrição
Desconectadofinal Conectadofinal Inicial oudesconectado

medial

Desconectadofinal Conectadofinal Inicial oudesconectado

medial

Lāmaḏ-ʾĀlep̄ Lamadh-alaph.svg ܠܐ Lāmaḏ e ʾĀlep̄ combinados
no final de uma palavra
Taw-ʾĀlep̄ SyriacTawAlaph2.png / SyriacTawAlaph3.png SyriacTawAlaph.png SyriacAlaph.png SyriacTaw.png ܬܐ Taw e ʾĀlep̄ combinados
no final de uma palavra
Hē-Yōḏ SyriacHeYodh.png ܗܝ  e Yōḏ combinados
no final de uma palavra
Taw-Yōḏ Tawyodh.svg ܬܝ Taw e Yōḏ combinaram
no final de uma palavra

Alterações carta 

Transliteração do alfabeto siríaco.

Matres lectionis 

Três letras atuam como matres lectionis : ao invés de serem consoantes, indicam uma vogal. ʾĀlep̄ ( ܐ ), a primeira letra, representa uma parada glótica , mas também pode indicar uma vogal, especialmente no início ou no final de uma palavra. A letra waw ( ܘ ) é a consoante w , mas também pode representar as vogais o e u . Da mesma forma, a letra iode ( ܝ ) representa a consoante y , mas também representa as vogais i e e .

Majlīyānā 

No uso moderno, algumas alterações podem ser feitas para representar fonemas não representados na fonologia clássica . Uma marca de aparência semelhante a um til (~), chamada majlīyānā ( ܡܲܓ̰ܠܝܼܵܢܵܐ ), é colocada acima ou abaixo de uma letra na variante Maḏnḥāyā do alfabeto para alterar seu valor fonético (consulte também: Geresh ):

  • Adicionado abaixo gāmal : [ɡ] a [d͡ʒ] ( affricate palato-alveolar dublado )
  • Adicionado abaixo kāp̄ : [k] a [t͡ʃ] ( affricate palato-alveolar sem voz )
  • Adicionado acima ou abaixo de zayn : [z] a [ʒ] ( sibilante palato-alveolar dublado )
  • Adicionado acima šīn : [ʃ] a [ʒ]

Rūkkāḵā e qūššāyā 

Além de sons estranhos, um sistema de marcação é usado para distinguir qūššāyā ( ܩܘܫܝܐ , letras ‘rígidas’) de rūkkāḵā ( ܪܘܟܟܐ , letras ‘flexíveis’). As letras bēṯ , gāmal , dālaṯ , kāp̄ ,  e taw , todas as consoantes de parada (‘hard’) podem ser ‘spirantized’ ( lenited ) em consoantes fricativas(‘suave’). O sistema envolve a colocação de um único ponto embaixo da letra para fornecer sua variante “flexível” e um ponto acima da letra para fornecer sua variante “rígida” (embora, no uso moderno, nenhuma marca seja usada para indicar a opção “rígida” valor):

Nome Pare Translit. IPA Nome Fricativo Translit. IPA Notas
Bēṯ (qšīṯā) ܒ݁ b [b] Bēṯ rakkīḵtā ܒ݂ [v] ou [w] [v] tornou-se [w] na maioria dos dialetos modernos.
Gāmal (qšīṯā) ܓ݁ g [ɡ] Gāmal rakkīḵtā ܓ݂ [ɣ]
Dālaṯ (qšīṯā) ܕ݁ d [d] Dālaṯ rakkīḵtā ܕ݂ [ð] [d] é deixado sem inspiração em alguns dialetos orientais modernos.
Kāp̄ (qšīṯā) ܟ݁ܟ݁ k [k] Kāp̄ rakkīḵtā ܟ݂ܟ݂ [x]
Pē (qšīṯā) ܦ݁ p [p] Pē rakkīḵtā ܦ݂ ou ܦ̮ [f] ou [w] [f] não é encontrado na maioria dos dialetos orientais modernos. Em vez disso, ele é deixado sem inspiração ou às vezes aparece como [w] .  é a única letra na variante oriental do alfabeto que é animada pela adição de um semicírculo em vez de um único ponto.
Taw (qšīṯā) ܬ݁ t [t] Taw rakkīḵtā ܬ݂ [θ] [t] é deixado sem inspiração em alguns dialetos orientais modernos.

O mnemônico bḡaḏkp̄āṯ ( ܒܓܕܟܦܬ ) é frequentemente usado para lembrar as seis letras que podem ser espirantizadas (veja também: Begadkefat ).

Na variante do alfabeto siríaco oriental, as marcas de espirantização são geralmente omitidas quando interferem nas marcas das vogais. O grau em que as letras podem ser espirantizadas varia de dialeto para dialeto, pois alguns dialetos perderam a capacidade de espirantizar determinadas letras. Para palavras nativas, a espirantização depende da posição da letra em uma palavra ou sílaba, localização em relação a outras consoantes e vogais, geminação , etimologia e outros fatores. Palavras estrangeiras nem sempre seguem as regras da espirantização.

Syāmē 

O siríaco usa dois pontos (geralmente) horizontais [e] acima de uma letra de uma palavra, com aparência semelhante à diérese , chamada syāmē ( ܣܝ̈ܡܐ , literalmente ‘ colocação ‘), também conhecida em algumas gramáticas pelo nome hebraico ribbūi [ רִבּוּי ], ‘plural ‘), para indicar que a palavra é plural. [6] Esses pontos, sem valor sonoro em si, surgiram antes dos sistemas de vogais orientais e ocidentais, quando se tornou necessário marcar formas plurais de palavras, que são indistinguíveis de suas contrapartes singulares em substantivos regularmente flexionados. Por exemplo, a palavra malk ā ( ܡܠܟܐ, ‘rei’) é consonantemente idêntico ao seu plural malk ē ( ܡܠܟ̈ܐ , ‘reis’); o syāmē acima da palavra malk ē ( ܡܠܟ̈ܐ ) esclarece seu número gramatical e pronúncia. Os plurais irregulares também recebem syāmē , embora suas formas sejam claramente plurais: por exemplo, baytā ( ܒܝܬܐ , ‘casa’) e seu plural irregular bāttē ( ܒ̈ܬܐ , ‘casas’). Por causa da redundância, algum uso moderno renuncia aos pontos syāmē quando há marcações de vogal.

Não há regras firmes para as quais a carta receba syāmē ; o escritor tem total discrição para colocá-los sobre qualquer carta. Normalmente, se uma palavra tiver pelo menos um rēš , syāmē será colocado sobre o rēš mais próximo do final de uma palavra (e também substitua o ponto único acima dela: ܪ̈ ). Outras letras que costumam receber syāmē são letras de baixo crescimento – como yōḏ e nūn – ou letras que aparecem perto do meio ou no final de uma palavra.

Além de substantivos plurais, syāmē também são colocados em:

  • adjetivos plurais, incluindo particípios (exceto adjetivos / particípios plurais masculinos no estado absoluto );
  • os números cardinais ‘dois’ e as formas femininas de 11 a 19, embora inconsistentemente;
  • e certos verbos do plural feminino: o plural feminino de terceira pessoa perfeito e o plural feminino de segunda e terceira pessoa imperfeitos.

Mṭalqānā 

O siríaco usa uma linha chamada mṭalqānā ( literally , literalmente ‘corretivo’, também conhecida pelo termo latino linea occultans em algumas gramáticas), para indicar uma letra silenciosa que pode ocorrer no início ou no meio de uma palavra. [7] No siríaco oriental, essa linha é diagonal e ocorre somente acima da letra silenciosa (por exemplo , city , ‘cidade’, pronunciada mḏīttā , não * mḏīntā , com o mṭalqānā sobre o nūn , assimilando-o com a taw ). A linha só pode ocorrer acima de uma letra ʾālep̄ , waw , yōḏ , lāmaḏ , mīm , nūn , ē ou rēš (que compreendem o mnemônico ܥܡ̈ܠܝ ܢܘܗܪܐ ʿamlay nūhrā , ‘os trabalhos da luz’). No siríaco ocidental, esta linha é horizontal e pode ser colocada acima ou abaixo da letra (por exemplo , ܡܕ݂ܺܝܢ̄ܬܳܐ , ‘cidade’, pronunciado mḏīto , não * mḏīnto ).

Classicamente, mṭalqānā não era usado para letras silenciosas que ocorriam no final de uma palavra (por exemplo, ܡܪܝ mār [ī] , ‘[my] lord’). Na moderna Turoyo , no entanto, isso nem sempre é o caso (por exemplo ܡܳܪܝ mor [i] , ‘[minha] senhor’).

Alfabeto latino e romanização 

Na década de 1930, seguindo a política estadual para línguas minoritárias da União Soviética , um alfabeto latino para siríaco foi desenvolvido com algum material promulgado. [8] Embora não tenha suplantado a escrita siríaca, o uso da escrita latina na comunidade siríaca ainda se difundiu porque a maior parte da diáspora assíria está na Europa e na Anglosfera , onde o alfabeto latino é predominante. Como resultado da ocidentalização , o alfabeto latino foi usado para a escrita siríaca. Algumas letras são alteradas e apresentam diacríticos e macrons para indicar vogais longas, schwas editongos . As letras com diacríticos e macrons são na maioria das vezes mantidas na escrita educacional ou formal. [9]

Alfabeto latino soviético [10] [11]
UMA B C Ç D E F G H Eu J K eu M N O P Q R S Ş T Ţ você V X Z Ƶ Ь

As letras latinas abaixo são comumente usadas quando se trata de transliteração do script siríaco para o latim : [12]

Alfabeto siríaco-latino transliterado [13]
UMA UMA B C D E Ē Ë F G H Eu J K eu M N O Ō P Q R S Š T você VOCÊ V W X Y Z
  • Ā é usado para indicar um som “a” longo ou [ɑː] ouvido no “carro”.
  • Ḏ é usado para representar uma fricativa dentária sonora , o “th” som como ouvido no “that”.
  • Ē é usado para denotar um som “ee” ou [eː].
  • Ĕ representa um som “eh” ou [ɛ], como é ouvido em Ninwĕ ou “mare”.
  • Ḥ representa uma fricativa faríngea sem voz ([ħ]), confirmada apenas pelos falantes de Turoyo e caldeu.
  • Ō representa um som “o” longo ou [ɔː].
  • Š é uma fricativa postalveolar sem voz , o dígrafo inglês “sh”.
  • Ṣ denota um “s” enfático ou “s grosso”.
  • Ṭ é um enfático “t”, conforme é ouvido na palavra ṭla (“três”).
  • Ū é usado para representar um som “oo” ou a vogal arredondada para trás [uː].

Às vezes, letras adicionais podem ser usadas e tendem a ser:

  • Ḇ pode ser usado na transliteração do aramaico bíblico para mostrar o valor alofônico fricativo bilabial sonoro (“v”) da letra Bēṯ .
  • Ī denota um som schwa , geralmente ao transliterar o aramaico bíblico.
  • Ḵ é utilizado para a fricativa velar sem voz ou para o som “kh”.
  • Ṯ é usado para denotar o “th” som ou a fricativa dental sem voz .

Unicode 

O alfabeto siríaco foi adicionado ao padrão Unicode em setembro de 1999 com o lançamento da versão 3.0. Cartas adicionais para Suriyani Malayalam foram adicionadas em junho de 2017 com o lançamento da versão 10.0.

Blocos 

O bloco Unicode para siríaco é U + 0700 – U + 074F:

Siríaco [1] [2]
Tabela de códigos oficial do Consórcio Unicode (PDF)
0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 UMA B C D E F
U + 070x ܀ ܁ ܂ ܃ ܄ ܅ ܆ ܇ ܈ ܉ ܊ ܋ ܌ ܍ ܏
SAM
U + 071x ܐ ܑ ܒ ܓ ܔ ܕ ܖ ܗ ܘ ܙ ܚ ܛ ܜ ܝ ܞ ܟ
U + 072x ܠ ܡ ܢ ܣ ܤ ܥ ܦ ܧ ܨ ܩ ܪ ܫ ܬ ܭ ܮ ܯ
U + 073x ܰ ܱ ܲ ܳ ܴ ܵ ܶ ܷ ܸ ܹ ܺ ܻ ܼ ܽ ܾ ܿ
U + 074x ݀ ݁ ݂ ݃ ݄ ݅ ݆ ݇ ݈ ݉ ݊ ݍ ݎ ݏ
Notas

1. ^ A partir da versão Unicode 12.0
2. ^ Áreas cinza indicam pontos de código não atribuídos

A abreviação siríaca (um tipo de overline ) pode ser representada com um caractere de controle especial chamado marca de abreviação siríaca (U + 070F).

O bloco Unicode para letras específicas de Suriyani Malayalam é chamado de bloco do Suplício Siríaco e é U + 0860 – U + 086F:

Suplemento Siríaco [1] [2]
Tabela oficial de códigos do Consórcio Unicode (PDF)
0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 UMA B C D E F
U + 086x
Notas

1. ^ A partir da versão Unicode 12.0
2. ^ Áreas cinza indicam pontos de código não atribuídos

Tabela de códigos HTML 

Nota : As referências de caracteres numéricos HTML podem estar no formato decimal (& # DDDD 😉 ou no formato hexadecimal (& # x HHHH ;). Por exemplo, & # 1813; e & # x0715; (1813 em decimal) representam U + 0715 LETRA SÍRIAC DALATH.

̄Lep̄ bēṯ 

ܕ ܓ ܒ ܐ
& # 1813; & # 1811; & # 1810; & # 1808;
ܚ ܙ ܘ ܗ
& # 1818; & # 1817; & # 1816; & # 1815;
ܠ ܟܟ ܝ ܛ
& # 1824; & # 1823; & # 1821; & # 1819;
ܥ ܣ ܢܢ ܡܡ
& # 1829; & # 1828; & # 1826; & # 1825;
ܪ ܩ ܨ ܦ
& # 1834; & # 1833; & # 1832; & # 1830;
ܬ ܫ
& # 1836; & # 1835;

Vogais e caracteres únicos 

ܲ ܵ
& # 1842; & # 1845;
ܸ ܹ
& # 1848; & # 1849;
ܼ ܿ
& # 1852; & # 1855;
̈ ̰
& # 776; & # 816;
݁ ݂
& # 1857; & # 1858;
܀ ܂
& # 1792; & # 1794;
܄ ݇
& # 1796; & # 1863;

Notas 

  1. ^ Estrangelo também pronunciado / transliteradoem siríaco ocidental.
  2.  Também pronunciado ʾĀlap̄ ou ʾOlaf ( ܐܳܠܰܦ ) no siríaco ocidental.
  3.  Entre a maioria dos falantes neo-aramaicos assírios , o som faríngeo de ʿĒ ( / ʕ / ) não é pronunciado como tal; em vez disso, ele normalmente se funde com o som simples de ̄lep̄ ( [ʔ] ou ∅) ou gera uma consoante anterior.
  4. ^ Na posição final, após Dālaṯ ou Rēš , ʾĀlep̄ assume a forma normal, e não a forma final, na variante Maḏnḥāyā do alfabeto.
  5. ^ Em algunsusos de Serṭā , ospontos syāmē são colocados na diagonal quando aparecem acima da letra Lāmaḏ .

Referências 

  1. “Alfabeto siríaco” . Encyclopædia Britannica Online . Recuperado em 16 de junho de 2012 .
  2. ^ PR Ackroyd, CF Evans (1975). A História da Bíblia em Cambridge: Volume 1, Do início a Jerônimo . p. 26)
  3. ^ Hatch, William (1946). Um álbum de manuscritos siríacos datados . Boston: Academia Americana de Artes e Ciências, reimpresso em 2002 pela Gorgias Press. p. 24. ISBN 1-931956-53-7 . 
  4. ^ Nestle, Eberhard (1888). Gramática Síria com Literatura, Crítica e Glossário . Berlim: Verlagsbuchhandlung de H. Reuther. [traduzido para o inglês como gramática siríaca com bibliografia, Crestomathy e glossário , por RS Kennedy. Londres: Williams & Norgate, 1889. p. 5]
  5. ^ Coakley, JF (2002). Paradigmas e exercícios de Robinson na gramática siríaca (5ª ed.). Imprensa da Universidade de Oxford. p. 141.ISBN 978-0-19-926129-1 . 
  6. ^ Nöldeke, Theodor e Julius Euting (1880). Gramática síria de Kurzgefasste . Leipzig: para Weigel. [traduzido para o inglês comoGramática Siríaca Compendente , por James A. Crichton. Londres: Williams & Norgate 1904. Edição de 2003. pp. 10–11. ISBN 1-57506-050-7 ] 
  7. ^ Nöldeke, Theodor e Julius Euting (1880). Gramática síria de Kurzgefasste . Leipzig: para Weigel. [traduzido para o inglês comoGramática Siríaca Compendente , por James A. Crichton. Londres: Williams & Norgate 1904. Edição de 2003. 11-12. ISBN 1-57506-050-7] 
  8.  Moscati, Sabatino, et al. A gramática comparativa das línguas semíticas. Harrassowitz, Wiesbaden, Alemanha, 1980.
  9. ^ SP Brock, “Três mil anos de literatura aramaica”, em Aram, 1: 1 (1989)
  10. ^ Friedrich, Johannes (1959). “Neusyrisches in Lateinschrift aus der Sowjetunion” . Zeitschrift der Deutschen Morgenländischen Gesellschaft (em alemão) (109): 50–81.
  11. ^ Polotsky, Hans Jakob (1961). “Estudos em siríaco moderno”. Jornal de Estudos Semíticos . 6 (1): 1–32.
  12. ^ Tabela da romanização de Syriac
  13. ^ Nicholas Awde; Nineb Lamassu; Nicholas Al-Jeloo (2007). Aramaico (Assírio / Siríaco) Dicionário e Frases: Swadaya-Inglês, Turoyo-Inglês, Inglês-Swadaya-Turoyo . Livros de hipocrene. ISBN 978-0-7818-1087-6.

Fontes

  • Coakley, JF (2002). Paradigmas e exercícios de Robinson na gramática siríaca (5ª ed.). Imprensa da Universidade de Oxford. ISBN 978-0-19-926129-1 .
  • Hatch, William (1946). Um álbum de manuscritos siríacos datados . Boston: Academia Americana de Artes e Ciências, reimpresso em 2002 pela Gorgias Press. ISBN 1-931956-53-7 .
  • Kiraz, George (2015). O ponto siríaco: uma breve história . Piscataway, NJ: Gorgias Press. ISBN 978-1-4632-0425-9 .
  • Michaelis, Ioannis Davidis (1784). Grammatica Syriaca .
  • Nestle, Eberhard (1888). Gramática Síria com Literatura, Crítica e Glossário . Berlim: Verlagsbuchhandlung de H. Reuther. [traduzido para o inglês como gramática siríaca com bibliografia, Crestomathy e glossário , por RS Kennedy. Londres: Williams e Norgate, 1889].
  • Nöldeke, Theodor e Julius Euting (1880). Gramática síria de Kurzgefasste . Leipzig: para Weigel. [traduzido para o inglês como gramática siríaca concomitante , por James A. Crichton. Londres: Williams & Norgate 1904. Edição de 2003: ISBN 1-57506-050-7 ].
  • Phillips, George (1866). Uma gramática siríaca . Cambridge: Deighton, Bell, & Co .; Londres: Bell e Daldy.
  • Robinson, Theodore Henry (1915). Paradigmas e exercícios de gramática siríaca . Imprensa da Universidade de Oxford.ISBN  0-19-926129-6 .
  • Leme, Joshua. Aprenda a escrever aramaico: uma abordagem passo a passo dos scripts históricos e modernos . np: Plataforma de publicação independente CreateSpace, 2011. 220 pp. ISBN  978-1461021421 Inclui os scripts Estrangela (pp. 59–113), Madnhaya (pp. 191–206) e Western Serto (pp. 173–190).
  • Segal, JB (1953). O ponto diacrítico e os acentos em siríaco. Oxford University Press, reimpresso em 2003 por Gorgias Press. ISBN  1-59333-032-4 .
  • Thackston, Wheeler M. (1999). Introdução ao siríaco . Bethesda, MD: Ibex Pu:blishers, Inc. ISBN  0-936347-98-8 .

Fonte: https://en.wikipedia.org/

Similar Posts