Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Uncategorized

Templos da Deusa na Ásia Ocidental

 

Atargatis
Wimber compara os templos de Atargatis em Hierápolis e Dura Europos, na Síria, com outro na ilha de Egeu, Delos, um templo da deusa jordaniana em Khirbet et-Tannur e o templo de Derketo em Ashkelon. Ela observa

Atargatis em seu aspecto pilar com espigas de trigo. Moeda síria.

sobre a natureza altamente sincrética dessa deusa, que mistura antigos temas iraquianos com influências sírio-palestinas e hititas. [34] Gostaria de acrescentar que a iconografia da deusa-pilar do oeste da Anatólia se tornou especialmente influente. A Atargatis é frequentemente mostrada nesta forma, assemelhando-se muito às estátuas de Upis / Artemis Ephesia, Hera de Samos e outras, em moedas e em escultura.

O melhor testemunho sobre o templo Atargatis em Hierápolis vem de De Dea Síria , escrito pelo Lucian Romano-Síria de Samósata no 2 nd ce século. Ele diz que Stratonice, esposa de um dos reis selêucidas, mandou construir o templo por volta de 300 aC. (A lenda alegou que o arquiteto realizou uma autocastração para proteger-se de acusações que poderiam surgir de mostrar sua patrona real ao redor do canteiro de obras.) O grande templo de Hierápolis ficava em uma colina cercada por muros e era atravessado por um portal de pedra colossal. com duas colunas altas ao lado. [39-41] Na frente havia um lago sagrado com peixes consagrados.

Atargatis de Hierapolis em seu leão

Na maneira helenística usual, Lucian interpretou a deusa através das lentes de Hera, Afrodite e Atena. O fato é que Atargatis não se encaixava realmente em nenhum modelo grego. Ela era completamente asiática. (Wimber observa: “Em De Dea Síria Lucian não pode sequer decidir qual divindade Atargatis representa …”) [114] A imagem divina de Atargatis mostrou-a sentada em um trono de leão ao lado de sua consorte Hadad em um trono de touros. Lucian escreveu:

O santuário enfrenta o nascer do sol … No interior, o templo não é todo um pedaço, mas contém outra câmara. Também tem uma escadaria baixa: não tem portas e está inteiramente aberta ao espectador … Nela estão entronadas as estátuas de culto, Hera [Atargatis] e o deus Zeus, a quem chamam por um nome diferente [Baal-Hadad]. Ambos são de ouro, ambos sentados, embora Hera seja levada em leões, o outro em touros. [78]

Hebat em seu leão, Tell Halaf (Bit Hiluli) Síria

Este emparelhamento é repetido nos santuários de Dura Europos, no alto Eufrates e em Khirbet et-Tannur, na Jordânia. Relaciona-se com a iconografia do templo antigo em ‘Ain Dara, que apresenta os mesmos tronos de deusa / leão e deus / touro, e em Tell Halaf, onde o hebat está sobre um leão e dois deuses em touros.

Hierápolis (a “cidade santa”) era originalmente conhecida como Manbug, da raiz semítica nb ‘que significa  sair ‘. O nome é interpretado como um derramamento de água da rocha. Os devotos vieram despejar libações por uma fenda na rocha sob o templo, que dizem ser o lugar onde a Grande Inundação foi engolida. Este abismo de rocha no topo da colina aponta para um santuário muito mais antigo que deve ter existido muito antes de o templo Selêucida ser construído. [39, 43] Suas cerimônias de água continuaram, com procissões levando a imagem de Atargatis até seu lago sagrado para serem imersas, enquanto outras trouxeram água do oceano para o templo. [57]

O templo de Derketo em Ashkelon também tinha esse lago. O médico grego Ctesias escreveu uma história de como ela se transformou em um peixe depois que saltou para a piscina sagrada. Lucian relatou que as pessoas aqui reverenciavam Atargatis como metade mulher, metade peixe, e é por isso que nunca comeriam peixe. Ele também se refere a ritos nos quais as estátuas de Atargatis e Hadad foram levadas para o lago para ver o peixe sagrado. O nome Derketo é uma contração de Atargatis. Pouco resta agora do seu templo outrora grandioso, das demolições organizadas sob os imperadores cristianizados da antiguidade tardia. (Os palestinos costeiros resistiram a essas destruições no templo com determinação, como Ramsey MacMullen documenta, e mesmo depois se recusaram a andar nas estradas construídas com suas pedras.) Mas nem toda a destruição aconteceu naquela época.

Veneração de Atargatis espalhados por toda a diáspora síria, para a ilha de Delos, onde os comerciantes sírios construiu um templo para a deusa na 2 ª século aC. Foi estabelecido no estilo da Ásia Ocidental e tinha laços com o sacerdócio de Hierápolis. Outros sírios chegaram a Delos, um importante depósito do tráfico de escravos, como cativos romanos para serem vendidos. Um grande número desses sírios escravizados foi enviado para as plantações romanas na Sicília. Lá eles levantaram duas poderosas insurreições em nome do Dea Síria, lideradas pelos profetas de Atargatis.

Atargatis com Hadad da Dura Europos, Syr

Moedas de Hierapolis mostram Atargatis com leões. Um alívio de seu templo em Dura Europos, no alto Eufrates, mostra-a em um trono de leão, com sua consorte Hadad a seu lado em um trono de touro. Wimber comenta: “Este arranjo é fortemente paralelo à estátua de culto em Hierápolis como descrita por Lucian – assim como os leões que flanqueiam o trono em Delos.” ​​[48] Ela continua a desenhar outros paralelos:

Um dos elementos mais importantes do relato de Lucian, que o alívio de Hadad e Atargatis encontrou na Dura Europos corrobora, é o padrão com círculos sobre ele encimados por uma pomba colocada entre as divindades. É chamado de semeion por Lucian e interpretado como sendo um símbolo da rainha babilônica Semiramis (c. 800 aC) que supostamente fundou o templo em outro dos mitos de fundação de Lucian. Um aspecto interessante do culto revelado pelo alívio de Dura é que Atargatis foi aparentemente mais importante que Hadad porque ela é descrita como maior que Hadad e ele aparece empurrado para o lado e atrás dela. Essa crença é ressaltada pelas inscrições em Delos que mencionam Atargatis com mais frequência do que sua consorte. [49]

Wimber também se refere à “importância relativa de Asherah sobre Baal” em cenários cananitas anteriores. No entanto, eu questiono sua afirmação de que “na época dos escritos de Luciano, Atargatis havia perdido muitos dos atributos de Ishtar, incluindo sua sexualidade flagrantemente agressiva e seu caráter guerreiro”. [38] Não podemos presumir que essas deusas fossem idênticas, embora nomes têm uma etimologia compartilhada. O primeiro elemento em Atargatis é ‘Atar, uma forma aramaica do nome semítico para o planeta Vênus. (O segundo elemento foi identificado como ‘Ate’ ou ‘Atah, mas sua

Deidade de pedra no templo. Moeda de Emesa, Syria

o significado não fica claro.) O nome primeiro aparece nos Anais de Assurbanipal como Atar-Samain (Vênus dos Céus).

A constelação lingüística reflete a natureza co-generada do Ishtar mesopotâmico, no sentido de que algumas formas são femininas, como Ashtart e Atargatis, enquanto outras são masculinas: o iemenita ‘Attar, o moabita’ Ashtar e o etíope ‘Astar. Até mesmo Ishtar é gramaticalmente masculino em acádio, com a forma feminina Ishtartu usada em contextos especiais. Em vários lugares, essas divindades relacionadas foram representadas por betil ou pedras eretas. Ashtart-Afrodite era reverenciada em Paphos sob a forma de pilares um tanto triangulares, para os quais se encontram precedentes no continente, de Hazor à Arábia.

Nabataea: antiga Jordânia e norte da Arábia
A antiga tradição nabateu era a veneração da pedra betil e nichos cortados na rocha. [50] Isto corresponde a duas grandes tradições semíticas, os hebreus do tempo de Jacó, que criaram o matzebote , e os árabes até o tempo de Maomé, cujas deusas residiam em pedras eretas. Seus primos fenícios também praticavam isso; um pilar de mármore em Kition, Chipre, foi inscrito como massagista no consorte de Astarte Eshmun. [90] Wimber diz que os nabateus falavam aramaico (ou pelo menos suas inscrições estavam naquela língua, mas isso não prova muito, já que o aramaico era a língua da chancelaria através do oeste da Ásia no último milênio aC).

Deusa com cocar de peixe, Khirbet et-Tannur, Jordan

Os nabateus de Petra acrescentaram ícones esculturais helenísticos, mas em seu próprio estilo completamente único, às pedras anicônicas mais antigas. Al-Uzza, a deusa que representava o planeta Vênus e correspondia a Ishtar / Ashtart / Inanna, aparecia como betil e escultura. Como Allat e Dushares, ela foi sincretizada com as divindades greco-romanas dominantes e às vezes chamada pelos seus nomes. A influência de Atargatis é vista na forma de seu peixe sagrado, que coroa al-Uzza em um relevo do templo próximo a Khirbet et-Tannur. [50-1] Deusas do mar com peixes são representadas em vários mosaicos jordanianos, com inscrições gregas nomeando Tethys ou Thalassa.

Embora possa ser difícil encontrar muito sobre as deusas de Petra – os escritos acadêmicos geralmente se concentram no deus Dushares -, Wimber detalha a imagem consideravelmente:

Al-Uzza era provavelmente a consorte de Dushares, enquanto Allat era sua mãe e talvez a mãe de todos os deuses. Em certos casos, Al-Uzza parece ter superado a importância de Dushares para os nabateus, já que ela é frequentemente descrita como o maior dos dois betyls. Atargatis não era um

Uma deusa nabateu nativa e uma inscrição sob um ídolo do olho em Wadi es-Siyyagh, perto de Petra, revelam que ela era contada entre as divindades estrangeiras adoradas pelos nabateus. … A religião nabateu permanece um mistério e até mesmo os estudiosos mais notáveis ​​da área não podem decidir quem exatamente foi adorado e onde os atributos pertencem a quais divindades. [52]

Enquanto os nomes originais são incertos, Wimber conclui que os nabateus em Petra veneravam al-Uzza, Allat e Afrodite no Templo dos Leões Alados e, emparelhado com um consorte masculino, em Qasr al-Bint Pharaon (um nome árabe que significa “Castelo da filha do faraó”). [75-6] Concordo que os nomes das divindades originais seriam árabes, e não arameus. Wimber compara as deusas betil de Petra aos pilares de pedra das antigas deusas Hijazis e cita o relato de Ibn al-Kalbi de derrubar três árvores no santuário de Al-Uzza e decapitar a deusa sob as ordens de Maomé. [92]

Tannur Khirbet et-
O templo de Al-Uzza aqui foi construído no 2 ndséculo aC, no alto da colina Jebel Tannur e longe de qualquer cidade. [53] O templo ficava a leste. Começou como um altar esculpido, que continuava crescendo, chegando a uma altura de mais de três metros. Ofertas antigas foram incorporadas dentro de suas novas fachadas de pedra. A deusa síria do destino Tyche, Hadad e Helios foram esculpidas em relevo acima das colunas nabateus coríntias e de chifres, que foram combinadas com cornijas egípcias. O santuário interno foi introduzido através de um portal encimado por um painel de pedra semicircular da deusa. Ela é coroada com um cocar de polo alto com uma águia, mas seu cabelo está solto, fluindo livremente em torno de seu rosto. Flores, frutas e vegetação rondam ao redor dela e adornam seu pescoço, peito e até derramem em sua testa.

A Deusa de Khirbet et-Tannum, na Jordânia

A estátua da Deusa do santuário foi mais tarde demolida com preconceito; apenas um pé, um leão e um pouco do trono dela sobreviveram. Os destruidores aparentemente consideraram sua consorte menos ameaçadora, já que eles pouparam sua estátua. Essa hostilidade especial parece ter sido motivada pela misoginia, já que aqui, como em outros lugares, a deusa era a figura mais proeminente da dupla, como o autor comenta: “A proeminência de Al-Uzza em Khirbet et-Tannur é demonstrada por suas muitas manifestações e demonstra sua preeminência sobre sua consorte Hadad. ”[54-6]

Aqui está um bom resumo da tese de Wimber:

O elemento-chave que liga todos os templos a Delos, Dura Europos, Khirbet et-Tannur e, provavelmente, a Hierápolis, é o uso do plano mesopotâmico a céu aberto. O plano mesopotâmico, usado nos templos das deusas da fertilidade do Oriente Próximo, tem pelo menos uma história de 3.000 anos de Eanna em Uruk, c. 3.300 aC, ao templo de Eshmun em Sidon, c. 400 aC A escolha deste tipo de plano pelos adoradores da deusa da fertilidade no período greco-romano é significativa. Os planos do templo da Mesopotâmia servem como testemunhos do poder da tradição no Oriente Próximo e como motivo para reinterpretar pesquisas acadêmicas anteriores que ignoram a grande quantidade de tradição que permanece apenas nos templos, sem falar nos cultos como um todo. [63-4]

A influência de longo alcance desses templos se estendeu até o Afeganistão, onde se reflete em dois templos em Ai Khanoum, por volta de 300 aC. Wimber também observa as remodelações que os templos mesopotâmicos sofreram ao longo de três milênios e o impressionante poder de permanência das cerimônias que eles abrigavam: “O poder contínuo que os cultos praticaram em Uruk até os tempos helenísticos é evidenciado pela reconstrução de muitos dos templos. e a continuação das funções de culto em Uruk. ”[65-6]

As majestosas ruínas de Baalbek. Quando o imperador romano ordenou que os templos fossem fechados, os libaneses levantaram uma rebelião para defender sua antiga religião.

Kristina Michelle Wimber observa que os grandes templos de Baalbek, no Líbano, parecem greco-romanos, mas ressalta que as divindades “eram basicamente deidades do Oriente Próximo com nomes romanos adicionais como Júpiter-Baal, Vênus-Astarte e Baco-Dionísio”. A torre no santuário de Baal também era puramente asiática. [62-63] Wimber acrescenta: “Também foi proposto que as colunas eólicas e iônicas derivadas das volutas do símbolo do portão de entrada de Inana e, portanto, a natureza feminina geralmente associada com a coluna jônica vem deste simbolismo.” [ 81] Então voltamos novamente para os santuários da terra pré-imperiais da deusa suméria.

Lembro-me de me sentir desapontado, há muito tempo, ao ver a aparência greco-romana dos templos asiáticos desse período, mas a história mostra que essa influência é, na verdade, um retrocesso. Com o tempo, percebi que os gregos tinham derivado grande parte de sua arquitetura do templo dos estilos asiáticos, particularmente a coluna volutã cananéia que inspirava a coluna eólica e depois a coluna jônica (ela própria nomeada por uma região costeira da Ásia Menor).

O estilo cananeu, por sua vez, deveu muito aos pilares de lótus Kemético do antigo Egito. A coluna dórica, também, não teve origem na Grécia, mas aparece pela primeira vez em um templo funerário em Sakkara no terceiro milênio aC, quase dois mil anos antes dos primeiros templos em coluna do tipo “grego” – que apareciam em Samos, a costa da Ásia Menor, não na Hellas. A coluna coríntia originou-se em uma cidade tão famosa por suas influências fenícias e asiáticas que o grego

Coluna voluta de estilo cananeu, cerca de 700 aC

os classicistas o consideram o ponto zero para “orientar” (aquela palavra de novo), significando que eles copiaram dessas culturas. Se olharmos para as sociedades cananitas, eles mesmos já se sentiram profundamente impressionados com as influências keméticas, na medida em que as estátuas de Baalat e outras antigas deusas libanesas se parecem com Ísis. Os hieróglifos são encontrados em focas, as esfinges onipresentes em si são modeladas de acordo com os protótipos Kemetic, os rostos são estilisticamente egípcios e Hathor aparece novamente como Ashtart.

Max Dashu

Este é um rápido batedor através de um assunto enorme, ou melhor, vários assuntos, mas tudo que eu tenho tempo para agora. Permaneci com os contornos descritos no artigo de Wimber, sem entrar em grandes e importantes áreas relacionadas: os fenícios, os cartagineses e a disseminação desses memes culturais pelo Mediterrâneo; as enormes heranças da Anatólia que antecedem e cercam as culturas Hurriana e Hitita e Jônica; a rica literatura de invocações a Inanna e Ishtar, começando com a sacerdotisa Enheduanna, o primeiro autor cujo nome está registrado; a história das próprias sacerdotisas e como os padres masculinos gradualmente os empurraram para fora das posições de liderança e até mesmo do próprio sacerdócio por um longo período de tempo; e a questão relacionada dos templos sob o império e a utilização da religião para legitimar e fortalecer os governantes.

Fontes citadas:

Kristina Michelle Wimber, “Quatro templos greco-romanos de deusas da fertilidade: uma análise da tradição arquitetônica”. Tese da Universidade Brigham Young, 2007
http://contentdm.lib.byu.edu/ETD/image/etd2152.pdf

Joanna Stuckey. “Shaushka e ‘Ain Dara: uma deusa e seu templo”
http://www.matrifocus.com/IMB08/spotlight.htm

Gary Beckman, “Ishtar of Nineveh Reconsiderado”. Universidade de Michigan
http://deepblue.lib.umich.edu/bitstream/2027.42/77489/1/Ishtar.pdf
(Obrigado a Yona Yavana por essa fonte.)

Similar Posts