Artigos do Portal:
#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Uncategorized

Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia

Você pode ter lido que a religião Zar se originou entre o povo Oromo (também conhecido como “Galla”). Atete é sua grande deusa. Estou compartilhando algumas informações que encontrei em meados dos anos 70. As fontes citadas estão perdidas, mas isso é importante demais para deixar de fora, tanto mais que até agora não encontrei outras fontes oferecendo esse nível de detalhes sobre a Deusa Oromo. Deixei o relato no tempo presente, embora essa veneração tenha perdido terreno tremendo no século passado, sob pressão do cristianismo e do islamismo.

Oromo mulher, possivelmente vestindo um rosário de cäle, 1890

Oromo mulher, possivelmente vestindo um rosário de cäle, 1890

Atete governa o destino das pessoas na terra. Ela é “poder de vida, abundância, fortuna, riqueza” e as sextas-feiras são sagradas para ela. As mulheres carregam cordas de contas especialmente coloridas (cäle) como um rosário consagrado a esta deusa. Grupos de mulheres usam colares de Atete, fazem um banquete e depois vão colher ervas. Ela era originalmente a Grande Deusa Oromo, mas até a Amhara Cristã assimilou alguns aspectos de sua veneração.

Seus dias de festa são os primeiros do calendário etíope (um paralelo com Ísis em Kemet, antigo Egito, a quem alguns indigenistas oromo modernos comparam-na). Um grande festival e rituais são celebrados todos os anos para homenageá-la, com preparações rituais de cevada mergulhada. Na noite do festival, mulheres de cada família entoavam invocações durante a festa: “Atete Hara, Atete Jinbi, Atete Dula, não se esqueça dos meus filhos, cuide do meu marido e do meu gado.” Ou “Minha mãe, minha amante, por favor. cuidem de mim. ”Então eles irromperam no grito triunfal estridente das mulheres enquanto pegam os grãos de café e começam a preparar a bebida. Nesta noite, a mulher da casa entra em transe profundo e fala como oráculos do zar . Os espíritos aconselham as mulheres no próximo ano e se deliciam com a comida preparada diante deles.

O zar (espírito) é passado de mãe para filha; os maridos tentam ativamente esmagar essa tradição xamânica. A maioria dos médicos-zar são mulheres. [Isso também mudou, até certo ponto.] O Gurri era uma dança giratória invocando o zar, para fazê-los se tornarem Weqabi, espíritos protetores que montam seus ‘cavalos’, as mulheres em transe.

Isso esclarece um pouco o que vários autores têm sobre as origens Oromo da religião zar: que entre esse povo estava ligado à reverência da deusa indígena. Não que ela fosse o único espírito, mas ela é o coração da religião. Aqui está outro detalhe do lado amárico da Etiópia, cujas mulheres adotaram maciçamente o zar do Oromo. (Mulheres Oromo escravizadas espalham a religião para o Sudão e a Arábia também, mas esse é um assunto muito maior.)

As primeiras inscrições etíopes conhecidas são as deusas Naurau e Ashtar perto de Axum. O alfabeto Ge’ez é mais antigo que o árabe ou o grego, e muitos volumes de um período posterior preenchem uma grande biblioteca real. Ge’ez significa “livre” e é uma língua semítica. As mulheres da linhagem real eram chamadas de Makeda, como a rainha de Sabá (Sa’ba). Uma fonte refere-se ao “crescente e disco” de Astarte, um desenho comum aos grandes monólitos caídos de Aksum, cerâmica Blemy e as moedas dos reis de Aksum ”. [Astarte sendo a palavra grega para “Ashtart” fenícia e síria, que era “Athtar na Arábia.] Os iemenitas são os parentes linguísticos mais próximos do Amhara, e desde que no sul da Arábia Athtar foi masculinizado, não tenho certeza de que este era um deusa na Etiópia. É possível, no entanto; mais para pesquisar sobre isso.

Mais sobre Oromo, etnia e religião: blogueiros etíopes pesam

Os Oromo (“Galla”) são um grande grupo étnico no centro e no sul da Etiópia. Eles falam uma língua cuchita relacionada ao somali, parte da muito maior família afro-asiática. Eles saíram do sul da Etiópia e se tornaram a maioria da população no centro e no sul da Etiópia. A maioria deles se converteu ao islamismo ou ao cristianismo, embora até retenham traços de sua antiga religião, Waaqeffannaa. Isso significa “crença em Waaq”, um deus supremo, mas eles também têm uma deusa importante, Atete, também conhecida pelo nome cristianizado Marame. Os oromo que aderem à religião indígena são agora superados em número pelos convertidos.

As pessoas Oromo são muitas vezes referidas como “Galla”, mas fontes etíopes dizem que esse nome realmente designa a religião indígena. Um blogueiro etíope explica as distinções: “Galla, como os termos Amara [Amhara] e Muslim, refere-se à fé e não à raça. Portanto, um etíope é tradicionalmente chamado de Amara, se ele é cristão, muçulmano, se ele é da fé islâmica, e Galla, se ele pratica a tradicional fé oromo ou é um animista. ”[“ Call Me By Name: Uma pequena conversa com Debteraw ”. , VIII ”por Wolde Tewolde, conhecido por Obo Arada Shawl]

Nos comentários do mesmo Debteraw blog, Daniel acrescenta (15 de abril de 2007): “Para muitos de nós que crescemos na cultura ‘Atete’ sabíamos como a deusa ‘Atete’ atravessa linhas étnicas. Aqueles de nós que ainda contam o ritual de ‘Atete’ podem não perder o relato mantra de ‘Gondare Sifa’. ”[Não tenho certeza do que é isso, mas suponho que seja uma litania cristã, já que Gondar era o imperial capital da Amhara.]

Daniel vê “a deusa ‘Marame’ e ‘Eme-Birhan’, ou seja, ‘Mariam’” como pertencente a um grupo relacionado de deusas folclóricas etíopes (Mariam = Maria, então vemos como a Deusa Etíope chegou a ser ligada à cristã ). Ele também compara “o desenho da cabana de Amhara e Oromo e como eles refletem figuras femininas”, e fala sobre “o paganismo matriarcal da ‘Galla’” que foi deslocado pela “figura divina androgênica patrilinear do nortista”. está exagerando o caso, como você verá na minha nota anterior sobre o artigo de uma mulher Oromo sobre o patriarcado indígena e a resistência das mulheres a ele.] No entanto, a religião Oromo retém aspectos da antiga potência feminina. Numerosas fontes mostram Atete se transformando em Mariam / Marame através da influência cristã.

Há uma questão feminista maior aqui: os sistemas patriarcais são comumente descritos como “igualitários”, quando, na verdade, o que está sendo descrito é uma falta de classificação / hierarquia de classes. Por exemplo, olhe para isto: “Os Galla da Etiópia são geralmente representados como um povo igualitário”. O autor continua citando o sistema Gada, no qual uma assembléia exclusivamente masculina elege seus próprios líderes. Esse é o critério para “igualitário”. (Veja o próximo post para mais perspectiva sobre o domínio masculino na família Oromo.) Além disso, a classificação de classe de fato se intrometeu, já que as monarquias suplantaram os conselhos de Gada nos últimos 200 anos). [Herbert Lewis, “Uma reconsideração do sistema sócio-político do Galla ocidental.” Jornal de estudos semíticos, Vol. 9, 1964, p 139 (139-143)]

Um estudioso evangélico etíope dá mais detalhes sobre as cerimônias do Atete, embora o artigo venha de uma estrutura conceitual luterana que trata as religiões indígenas como demoníacas. [Amsalu Tadesse Geleta, ” Demonização e Exorcismo ,” tese na Escola Luterana Norueguesa de Teologia.] Vou citar este ensaio, apesar do preconceito cristão e termos estereotipados muito negativos (“culto”, etc.), porque oferece algumas informações valiosas, mesmo que tenhamos que ler o viés:

“Atete é um culto da fertilidade em homenagem ao espírito da maternidade na tradição de Oromo. O culto é conhecido como conversão zar entre os amharas da Etiópia. Há uma semelhança de práticas entre Atete e Conversão Zar. A preparação é a mesma. A principal diferença é que a conversão zar é praticada entre os Amharas, enquanto Atete é praticada entre os Oromos. Atete é uma deusa feminina não violenta ligada principalmente à fertilidade. Mulheres que buscam ajuda sobrenatural para engravidar e ter filhos saudáveis ​​são os principais adeptos.

“Os clientes desse culto são mulheres. Uma menina assumirá ou será possuída pelo ayana (espírito) de sua mãe . Sua ayana normalmente a possui ou a visita uma ou duas vezes por ano. Ela passa o dia preparando as coisas que são necessárias para a cerimônia. Ela tem que se preparar vestindo roupas especiais (muitas vezes do sexo oposto), colocando contas e enfeites, perfumes e carregando um chicote, barra de aço ou uma arma vazia. Grama verde (cana do lado do rio) é espalhada no chão como um sinal de cerimônia ou aniversário.

“Diferentes tipos de alimentos, como mingau, manteiga, limão, dadhi (vinho de mel, cor amarela), farso (cerveja caseira) e café são preparados antes do início da cerimônia. Pode haver algum sacrifício mais prescrito pela ayana em sua posse anterior. Então frango, ovelha ou cabra de certa cor é oferecido como um sacrifício e perfumes ou temperos diferentes são apresentados como uma oferta. Se o espírito está satisfeito com as oferendas e a preparação que ocupa. As pessoas sabem que ela está possuída quando começa a bocejar, esticando todo o corpo aqui e ali, salivando e ficando sonolenta. Seu corpo vacila e ela também chora, fala como se estivesse só em sonho. Ela costuma cair e cobre o rosto com o vestido.

“Ela pode pular e fugir e subir em árvores, não descendo até que as pessoas implorem. Outros ficam em madeira brilhante ou comem brasas. Ela pode se cortar com uma faca ou esmagar pedaços de vidro e comê-los. Ela fala com uma voz estranha, muitas vezes usando uma linguagem entendida apenas pelo próprio zar. Ela pode cantar uma canção reservada para a ocasião ou dançar uma dança peculiar associada a uma cerimônia em particular. Ela age de forma muito diferente da força normal, voz, atividade, etc., o que significa que o espírito a possuiu.

“Essa possessão pode durar de algumas horas a dois ou três dias. A principal função dos espectadores reunidos durante a cerimônia é apaziguar a ayana, cantar canções, bater palmas, dançar e bater um tambor, e implorar ao espírito para não machucá-la. Geleta prossegue, dizendo que “em contraste com Atete, que é dominado por mulheres, vidente zar é o zar do homem”.

Assim, vemos vários temas xamânicos repetidos: ritual especial vestido de acordo com os espíritos, estados de transe, caindo no chão, cobrindo o rosto, impermeabilidade ao fogo ou lâminas, força sobrenatural, línguas espirituais, canções especiais para certos espíritos e não menos importante neste caso, envolvimento de espíritos ancestrais herdados matrilinearmente. A subida em árvores (ou em telhados) também ocorre com novos iniciados xamânicos na Zâmbia e em outros países africanos.

Outro aspecto interessante do artigo de Geleta é que ele afirma claramente a equivalência da religião indígena Oromo com Zar. Já vimos um autor defender a origem etíope de Zar, que é apoiada por outros especialistas, e aqui essa ideia recebe mais apoio de uma testemunha hostil.

Duas menções curtas de Atete aparecem em Literatures in African Languages , ed. BW Andrzejewski e outros, Cambridge University Press 2010.

J… lq… b… b… rsisa [os personagens não reproduzem] um livro-texto Oromo publicado em 1894, contém lendas, provérbios e poemas orais; “Há até mesmo alguns hinos para Atete, a deusa da fertilidade.” [BW Andrzejewski, “Literatura Escrita em Oromo,” p 409]

“Atete, também chamada Maram [isto é, depois da deusa cristã Maryam ou Maria] é a deusa da fertilidade adorada em algumas regiões da Etiópia pelos adeptos da tradicional religião Oromo.” [BW Andrzejewski, “Oral Prose: the Time- Corrente Limitada, ”p 415]

Outro testemunho atual vem de sites na Waaqeefannaa (religião indígena Oromo):

“Baseado na história de Irreechaa, o Oromo começou a celebrar Waaqayyoo ao lado de Odaa, que foi plantado pela primeira vez por Atete como um símbolo de Ora-Omo (ressurreição de Ora, que ressuscitou da morte para celebrar a reconciliação com seu assassino, com seu irmão Sete). [Aqui referindo-se a Kemetic Ausar e Set] Desde então, as outras nações Cushitic também celebram este evento sob uma árvore (Odaa) ou ao lado de uma estátua de pedra (como ao lado do Obelisco Axum) ou ao lado de uma Demera plantada temporariamente quase toda a Etiópia. [Isso me chamou a atenção por causa das estátuas megalíticas e pedras eretas no sul da Etiópia, e o simbolismo de uma planta ou árvore que se repete em muitas delas, que se repete em tatuagens de barriga femininas entre alguns povos indígenas da Etiópia. Interessante é observar essa relação entre a planta original de Atete como símbolo da ressurreição de Ora com a árvore Odaa do Oromo, recentemente substituída pela estátua do Obelisco Axum de Agew (Tegaru), que agora é substituída por Demera, para ser plantada apenas temporariamente durante o tempo de transição de um inverno (escuridão, insucesso, morte) para uma primavera (um novo começo de luz, um novo começo para o sucesso, um novo começo de vida) a cada ano. Sabiamente ou não, todas as nações Cush, incluindo aqueles que dizem ser semitas (Tegaru, Amhara, Gurage, Harari, Argoba, etc), celebram Irreechaa, que é a celebração da ressurreição de Ora. É por isso que Irreechaa é na verdade o feriado para todas as nações Cush, incluindo aquelas que negam suas origens e tentam se identificar com Semetics (com David, com Solomon, com Arab, etc).

[de “Merry Irreechaa! Tanto “Land to the Tiller” quanto “Self-Rule of Nations” são vitórias irreversíveis “ 18 de setembro de 2010 Por Fayyis Oromia] (Vídeos de cerimônias de Irreechaa podem ser encontrados no Youtube.)

O mesmo autor assimila Atete a Isis em outros artigos: http://www.voiceoforomia.com/99871.html , http://www.gadaa.com/oduu/?p=79

© 2010 Max Dashu

Similar Posts