Início » O princípio feminino: uma ideia em evolução

O princípio feminino: uma ideia em evolução

O princípio feminino: uma ideia em evolução

Por Carol Winters

Originalmente impresso na  edição de novembro a dezembro de 2006 da revista Quest.
Citação: Winters, Carol. “O princípio feminino: uma ideia em evolução.” Quest 94.5 (novembro-dezembro de 2006): 206-209, 215.

The Feminine Principle - Marigold Methods®Nossa cultura tem uma longa herança de associação do princípio feminino com o que significa ser feminino e o princípio masculino com o que significa ser masculino. Como resultado, homens e mulheres têm sido tradicionalmente presos a papéis rígidos de gênero, definidos culturalmente, que não foram úteis para quem deseja viver uma vida mais significativa, criativa e criadora de almas.

No entanto, esta situação está mudando. Hoje, estamos mais conscientes dos danos físicos e espirituais que essa perspectiva causou tanto ao indivíduo quanto à sociedade. Graças a Carl Jung e HP Blavatsky, estamos começando a aprender que um inpidual totalmente integrado é uma expressão única e equilibrada de traços masculinos e femininos. Um breve olhar sobre o antigo desenvolvimento do princípio feminino e sua interpretação resultante pela cultura androcêntrica dominante ou centrada no homem aumentará nossa compreensão coletiva atual desse conceito e aprofundará nossa consciência e nossa eficácia para o crescimento pessoal e cultural criativo.

Tudo começou há muito tempo, no início da consciência humana, quando alguns disseram: “No começo era a Mãe Terra, o vaso primordial que contém todas as coisas”. A Grande Mãe foi inclusiva. Do seu ventre emanava toda a vida, e do seu corpo toda a sua família recebeu os presentes de nutrição, abrigo e transformação. Quando seus filhos morreram, ela os envolveu de volta a si mesma para renascer novamente. Esse conceito inicial do que mais tarde se tornaria o princípio feminino era o de uma existência interconectada baseada na natureza para toda a criação, tanto na vida quanto na morte. Eventualmente, nossos antigos “antepassados” entenderam que o corpo feminino também adotava os padrões criativos de dar vida à Mãe Terra: seu útero gerava e protegia a vida, seus seios nutridos, seus braços abraçados e confortados.

A maioria dos antropólogos concorda que as mulheres inventaram o barro e as cestas que sustentavam as provisões para as atividades de caça e coleta de seus clãs. Eles prepararam peles de animais para fazer roupas e tendas para proteger contra o frio. Eventualmente, o vaso evoluiu como um recipiente cerimonial usado para oferecer presentes à deusa, em súplica ou em ação de graças pelas necessidades corporais e, mais tarde, como um receptáculo ritual de ofertas para transformação e renovação espiritual. As sacerdotisas ofereceram esses sacrifícios cerimoniais à Mãe Terra e às deusas. Eventualmente, sacerdotisas e sacerdotes apresentaram suas ofertas a deusas e deuses. E, finalmente, as ofertas foram feitas apenas por sacerdotes e exclusivamente a um deus masculino. Hoje, o princípio feminino representado pelo cálice continua sendo um recipiente para a transformação espiritual.

Outros disseram: “No começo havia sangue e a lua”. Observou-se que as águas vermelhas naturais e periódicas que corriam das vulvas das mulheres o faziam com os ciclos rítmicos da lua. A mesma Mãe Lua que causou a força vital primitiva, as águas vermelhas fluírem, também enviou as águas brancas à Mãe Terra para fazer todas as coisas crescerem e florescerem. O espanto e a maravilha dos mistérios dessas mulheres deram origem à consciência humana, da vida refletindo sobre si mesma.

O ciclo de vida feminino de criada, mãe e velha foi modelado com o ritmo da lua. A lua nova ou crescente era uma metáfora para a infância ou a época inaugural de sua vida. A lua cheia simbolizava sua realização sexual, sua fruição como mãe e seu papel econômico como colaborador da comunidade. Mais tarde, como uma mulher idosa ou sábia durante seu estágio de lua crescente, ela amadureceu como família e como líder espiritual em sua comunidade. Durante o período menstrual, quando a lua morreu e o céu estava escuro, ela se retirou da vida comunitária e da atividade sexual e se retirou para sua sabedoria interna. Assim como a lua morreu e ressuscitou novamente em três dias, também a mulher poderia ser física e espiritualmente renovada. As muitas histórias que conhecemos hoje sobre morte, ressurreição e renovação têm seu início nas mulheres antigas. mistérios de sangue. Outro conceito inicial do princípio feminino, a união cíclica entre o eu e os outros também começou com esses ritos iniciais.

Hera, deusa dos mistérios das mulheres, personificava o princípio feminino, como entendido durante esse tempo antigo e preliterado. Ela tinha muitos títulos, incluindo Sede da Sabedoria e Rainha do Céu. As virgens banhavam-se anualmente em um rio próximo, em ritual de purificação espiritual e dedicação aos seus princípios. (A maioria dos estudiosos concorda que o significado original de virgem era mulher, independentemente de suas tendências sexuais.) Mas quando a sociedade patriarcal passou a dominar, esse banho sagrado anual se transformou no penhor da mulher de sua virgindade física com o marido. O significado da virgindade, então, passou do significado da intatividade psicológica e espiritual em relação à sabedoria para uma de castidade física sob o domínio de um marido.

Durante o período neolítico, muitos acreditavam que o sangue continha o espírito humano. Com o tempo, o sexo se tornou tabu – tanto sagrado quanto perigoso. Sigmund Freud concordou com o antropólogo Robert Briffault que as encenações rituais do tabus menstrual eram o começo dos princípios morais para todas as sociedades primitivas. Os derivados indo-europeus para menstruação incluem medida, metro, diâmetro, geometria, lua, mês, menopausa e metis. R’tu em sânscrito tem raízes que significam tanto ritual quanto menstrual (Grahn 5-6). Consequentemente, o desenvolvimento do princípio feminino nos mistérios do sangue das mulheres ritualizadas também foi um fator organizador central da cultura humana. O nascimento resultante da astrologia primitiva foi concebido em uma unidade do que agora consideramos ciência e religião.

Com o tempo, os rituais de sangue dos homens, inspirados nos mistérios das mulheres, foram encenados em ação de graças, súplica por uma bem sucedida caçada por comida ou em preparação cerimonial para uma incursão vizinha. A historiadora Gerta Lerner teoriza que a prática social de capturar e escravizar as mulheres das tribos inimigas durante esses ataques criou a família patriarcal na qual as mulheres se tornaram subordinadas aos homens, sua sexualidade controlada pelos homens que as possuíam. Essa prática acabou sendo imposta e fortalecida por lei. A subordinação feminina gradualmente levou à noção de que as mulheres eram inferiores aos homens. A verdade percebida da condição humana entendia “homem” como a norma que definia o que é humano, e “mulher” era definida em relação ao “homem”.

Além disso, os mistérios naturais do sangue das mulheres, vivificantes, eram percebidos como inferiores, menos sagrados e mais impuros. Ao mesmo tempo, o sangue violento dos homens, deixando caçar e guerrear, tirar a vida, emulava um modelo cultural para o que era ser homem. Enquanto o heroísmo marcou a força violenta das atividades de sangue dos homens, a vergonha caracterizou os processos naturais de sangramento e reprodutivo das mulheres. Como resultado, o princípio feminino associado ao conceito cultural de ser feminino foi relegado a um papel secundário e relacional ao principal masculino, o modelo pelo qual os homens deveriam viver suas vidas.

Durante os períodos homérico e grego clássico, Atena personificou o ideal cultural predominante do princípio feminino. Durante esse período evolutivo da consciência humana, o padre Zeus engoliu e assimilou sua esposa grávida, Metis. De sua cabeça, ele então deu à luz racionalmente a filha deles, Athena, totalmente blindada e pronta para a guerra em defesa da polis. Esse ato antinatural sinalizou o fim da mulher como criadora da vida e de uma consciência baseada na natureza. Athena, a criação de seu pai, também substituiu sua mãe, Metis (significando sabedoria prática) como um novo paradigma de sabedoria – o de lei, ordem e justiça. A filha de seu pai, Athena, foi rebaixada em status de igualdade e independência no Monte. Olympus ao de seu assistente administrativo plenamente capaz. Ela se tornou a mediadora entre ele e a humanidade “Ésquilo 366)! Ao mesmo tempo, Athena solteira modelou a castidade física, sua única alternativa aceitável aos limites de um casamento patriarcal.

A virgindade física de Atena também marcou a mudança no pensamento humano em relação à divisão entre espírito e matéria. Em um mundo cada vez mais percebido em dualidades rígidas pela cultura dominante, os escritos de Platão e Aristóteles refletiam as normas falocêntricas de gênero da época. Suas palavras estabelecem um precedente crucial e autoritário que continua, ainda hoje, a perpetuar a noção de inferioridade do princípio feminino em um movimento circular de convenção social no âmbito filosófico, científico e teológico.

A visão dualista de Platão afirmava que a materialidade ou a natureza estão associadas à feminilidade, e a espiritualidade ou um raciocínio superior à masculinidade. Ele acreditava que os homens podiam realizar todas as tarefas melhor que as mulheres, e que a forma mais alta de amor era entre os homens. As funções essenciais das mulheres eram administrar as famílias e produzir herdeiros. A compreensão de Aristóteles da realidade vinculava dualidades como matéria-espírito, mente-corpo, razão-natureza, luz-escuro, ativo-passivo, duro-suave, bom-mau e, finalmente, homem-mulher. O primeiro conceito em cada uma dessas dualidades é superior, refere-se a homens e é considerado uma qualidade masculina, enquanto a última palavra é inferior, refere-se a mulheres e é referida como um atributo feminino.

A noção de inferioridade feminina de Aristóteles era dupla: científica e social. Aristóteles inverteu a antiga compreensão pré-alfabetizada de que a concepção e a doação de vida são singularmente um fenômeno feminino ao teorizar que o homem ativo dá forma e espírito, ou movimento, à questão passiva e sem forma da mulher: “Para a mulher, como ela é. era, é um homem mutilado, e a catamenia [menstruação] é sêmen, apenas não puro; pois só há uma coisa que eles não têm neles, o princípio da alma “(Clack 36). Aristóteles pensava que o dever de uma mulher era se submeter a um homem, pois assim como a alma ou a mente governa o corpo, a masculinidade, entendida naquele momento como masculina, deve dominar a feminilidade, entendida como feminina. A sabedoria do princípio feminino – natural, vibrante,

Por exemplo, durante esse período na Grécia clássica, Héstia era a mais venerada e reverenciada de todas as divindades olímpicas. Hestia Sophia – sem voz, sem imagem e “sem histórias” – tornou-se o centro do coração humano e da lareira social, bem como a chama central implícita do panteão grego. O fogo cuidadoso e amoroso de Héstia queimava constantemente em todos os lares e templos, atestando sua presença permanente, mas silenciosa. A luz de Héstia representava o princípio feminino não dito que irradiava no centro da vida dominada pelos homens. Mais tarde, nas igrejas cristãs, a lâmpada de vigília que significa a presença de Jesus no tabernáculo substituiu o fogo sagrado, uma vez tendido pelas virgens vestais de Héstia. Certamente, Jesus ensinou e ensoul muitos princípios femininos; no entanto, essa verdade foi perdida na cultura dominante ‘

Também encontramos a Sabedoria escondida no Testamento Hebraico: “Embora ela possa fazer tudo, mas permanecendo em si mesma, renova todas as coisas …” (Sabedoria 7:27). Aqui, Sophia / Wisdom assume a tradição de todas as Grandes Mães autônomas, virgens e auto-poderosas, incluindo sua contemporânea helênica, Ísis, que declarou: “Nada acontece sem mim”. Várias das palavras usadas para descrever a Sabedoria nesta passagem bíblica incluem santa, inteligente, humana, onipotente, radiante e penetrante. É uma mistura de traços masculinos e femininos. Contudo, muitos de nós que estamos familiarizados com a tradição hebraica-cristã estão mais familiarizados com a passagem frequentemente citada em que a Sabedoria é personificada como o primeiro companheiro criado e brincalhão do Criador:

O Senhor me criou no início de seu trabalho, o primeiro de seus atos de muito tempo atrás. Idades atrás eu fui criado, no começo, antes do começo da terra, [. . .] então eu estava ao lado dele, como um trabalhador mestre, e diariamente deleitava sua alegria, regozijando-se diante dele sempre, regozijando-se em seu mundo habitado e deliciando-se com a raça humana. (Provérbios 8: 11-31)

Esta passagem transfere a sabedoria da creatrix para a criada. No entanto, como um trabalhador mestre, ela ainda cria. Em um mundo dominado por dualidades, a Sabedoria continua a ver o mundo como holístico e transpessoal, regozijando-se na natureza e na humanidade. Prenunciando Jesus, ela é inclusiva de todos os seres humanos, pedindo-lhes que “venham comer à minha mesa e bebam o vinho que misturei” (Provérbios 9: 5)

Todas as imagens das grandes deusas refletem vários aspectos do princípio feminino que estão sempre mudando e sempre iguais. Eles permanecem sempre os mesmos porque são arquetípicos e se relacionam com os impulsos criativos e organizadores humanos básicos. No entanto, eles também estão sempre mudando, porque refletem a consciência, autoridade e costumes em evolução do observador ou da cultura. A imagem pode ser arquetípica ou pode ser um estereótipo, um protótipo ou uma combinação dos mesmos, dependendo do observador. Esse é o caso extremo da Virgem Maria cristã. Por vários séculos, os cristãos politicamente dominantes destruíram os templos e santuários das deusas pagãs em nome de sua piedade masculina. Igrejas e catedrais cristãs foram desenvolvidas nesses locais sagrados e nomeadas para Maria, que havia sido designada Mãe de Deus pelos pais da igreja primitiva. Como tal, ela absorveu a maioria dos atributos das grandes deusas, incluindo os títulos Sede da Sabedoria e Rainha do Céu. Como Athena antes dela, ela era e ainda é a mediadora poderosa e reconfortante entre seus devotos e uma divindade masculina. No entanto, por dois mil anos, pela autoridade da Igreja, dada por Deus, ela não pôde ser chamada de “deusa” e ainda permanece oficialmente subordinada ao seu filho Jesus.

Continuando ainda mais, os pais da igreja androcêntrica também moldaram a imagem da própria Maria humana em seu próprio protótipo do princípio feminino: completamente submisso, passivo e subserviente. A voz humana de Maria foi silenciada, mas somente depois que ela prometeu obediência: “Seja feito comigo segundo a tua palavra”. Os teólogos racionais dividem as imagens arquetípicas de Criada, Mãe e Crone no trio irracional de Virgem, Mãe e Puta. Maria Madalena, que era solteira e tinha relações sexuais, mas sem filhos, trabalhava sob a designação de prostituta (redimida); por outro lado, Maria, mãe de Jesus, assumiu os aspectos impossíveis da virgindade física e da maternidade, mesmo sendo casada e perpetuamente sexualmente inativa. Por meio de prerrogativas especiais concedidas por Deus, eles despiram Maria de todos os seus mistérios de sangue feminino. Eles purificaram o corpo de sua mulher impura para acomodar seu título, ventre de Deus. Maria não menstruou, nem experimentou trabalho de parto durante o nascimento de Jesus. Mais significativamente, o dogma infalível declarou por mais de 1500 anos que seu hímen permaneceu intacto antes, durante e após o nascimento de Jesus. Os pais da igreja agressivamente embalaram e comercializaram Maria como o epítome das virtudes “femininas” – sem voz, sem sexo e submisso.

Hoje, a história de Mary está evoluindo. Muitos estão reinterpretando sua imagem do princípio feminino, de uma explicação literal e física irracional e antinatural para a da realização simbólica e espiritual. Autodirigida, ela criativa e reflexivamente “pondera em seu coração” e depois concorda com a mensagem de Deus. Posteriormente, ela consuma sua união espiritual com o Espírito Santo / Sabedoria, depois concebe e dá à luz seu Filho Divino. Uma experiência muito transformadora! No entanto, retomar o controle de seu corpo e renovar seus mistérios sanguíneos de preconceitos antigos ainda permanece uma tarefa árdua.

Precisamos repensar toda a noção dos princípios feminino e masculino. Hoje, reconhecemos que a substância de uma nova vida não é exclusivamente um atributo feminino como os primitivos pensavam, nem é uma característica predominantemente masculina, como supunham os primeiros gregos. É, de fato, o resultado de uma união co-igual entre um homem e uma mulher. Estamos começando a tomar consciência de que o que significa viver como mulher não significa ser trancado em um papel de gênero culturalmente definido que incorpora e ensouls atributos femininos, e que viver de maneira significativa como homem não significa que ele deve submeter-se a um ideal estereotipado de qualidades masculinas. O nível emergente de nossa consciência coletiva atual, em relação a essa questão, reconhece que cada indivíduo O processo criativo e único de criação de almas é uma dança em constante mudança de mudança e renovação entre yin e yang, masculino e feminino, masculino e feminino. Em segundo lugar, precisamos nos tornar mais conscientes do uso do idioma. Não é incomum escritores e palestrantes trocarem as palavras feminino e feminino. Como vimos, essas palavras não são intercambiáveis. “Feminino” refere-se ao sexo de uma pessoa, “feminino” é um atributo que ambos os sexos podem integrar.

Talvez seja necessário avançar mais (outro princípio masculino!) Desafiando as definições tradicionalmente rígidas de masculino e feminino. Por exemplo, o que poderia ser mais masculino do que o poderoso, poderoso e científico Big Bang de energia à medida que o universo dava a si mesma? O que poderia ser mais masculino do que os impulsos e impulsos ativos, duros e poderosos da energia quando a mãe trabalha no nascimento do filho? Por outro lado, o que poderia ser mais feminino do que o escroto macio, quente e passivo que abriga, nutre e gere sêmen para fruição?

De fato, vamos acabar com a idéia de princípios masculinos e femininos por completo. Ao evoluir nossa consciência para um plano superior, cada um de nós, de acordo com nosso chamado de pinheiro, poderia combinar o melhor de cada um e renomeá-los como princípios de vida. As sociedades poderiam fazer o mesmo. Ao fazer isso, poderíamos então envolver substância e energia de maneira mais harmoniosa para contemplar nossa união sagrada com o princípio da Presença.


Carol Wolf Winters, Ph.D. é uma mitóloga cultural e professora teosófica no noroeste do Pacífico. Este artigo foi extraído de seu livro em andamento, Who Said, “God Said”? A verdade por trás do mito da inferioridade feminina .

Referências

Ésquilo. O Oresteia . Traduzido por Phillip Vellacott. Londres: Penguin, 1959.

Clack, Beverley, ed. Misoginia na tradição filosófica ocidental: um leitor . NY: Routledge, 1999.

Grahn, Judy. Sangue, pão e rosas: como a menstruação criou o mundo . Boston, MA: Beacon, 1993.