Artigos do Portal:
#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Espiritualidade Informações Essenciais Uncategorized

Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo

Mirra Alfassa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre
Mirra Alfassa
Nascido 21 de fevereiro de 1878 Paris ,França
Morreu 17 de novembro de 1973 Tamil Nadu , Índia
Ocupação colaborador espiritual de Sri Aurobindo

Mirra Alfassa , mais tarde Mirra Morisset e Mirra Richard (21 de fevereiro de 1878 – 17 nov 1973), também conhecido como A Mãe , foi o colaborador espiritual de Sri Aurobindo .

Ela chegou a recuar de Sri Aurobindo em 29 março de 1914, em Pondicherry , Índia. Ter que sair de Pondicherry, durante a I Guerra Mundial, ela passou a maior parte de seu tempo no Japão, onde ela conheceu o poeta Rabindranath Tagore . Finalmente ela voltou para Pondicherry e lá se estabeleceram, em 1920. Depois de 24 de novembro de 1926, quando se aposentou Sri Aurobindo em reclusão, ela fundou sua ashram ( Sri Aurobindo Ashram ), com um punhado de discípulos que vivem em torno do Mestre . Ela se tornou a líder da comunidade, uma posição que ocupou até sua morte. A confiança que ela tinha registrado após a morte de Sri Aurobindo, em 1950 continua a cuidar da instituição.

As experiências dos últimos 30 anos de vida Alfassa foram capturados na obra de 13 volumes- A Agenda . Naqueles anos, ela tentou a transformação física de seu corpo, a fim de se tornar o que ela sentiu foi o primeiro de um novo tipo de indivíduo humano, abrindo para a Consciência Verdade Supramental , um novo poder do espírito que Sri Aurobindo teriam descoberto. Sri Aurobindo considerada a ela uma encarnação da Mãe Divina e chamou por esse nome: a mãe. Quando perguntado porque ele chamou a Mãe, Sri Aurobindo escreveu um ensaio A Mãe de introdução à pessoa da mãe. É assim que ela veio ser conhecida como a mãe.

Sri Aurobindo e A Mãe
Livros
Obras · Vida Divina · Síntese de Yoga ·Savitri · Agenda ·
Ensinamentos
Involução / Involução · Evolução ·Educação Integral · Psicologia Integral ·yoga Integral · Intermediate zona ·Supramente
Locais
Matrimandir · Pondicherry
Comunidades
Sri Aurobindo Ashram · Auroville
Discípulos
Champaklal · NKGupta · Amal Kiran ·Nirodbaran · Pavitra · MPPandit · Pranab ·ABPurani · DKRoy · Satprem · Indra Sen ·Kapali Shastri
Revistas e fóruns
Arya · Mãe Índia · Colaboração

Início da vida

Mirra (ou Mira) Alfassa nasceu em Paris em 1878, de um judeu turco pai, Maurice, e um judeu egípcio mãe, Mathilde. Ela tinha um irmão mais velho chamado Matteo. A família migrou para a França um ano antes de ela nascer. [ 1 ] Para os primeiros oito anos de sua vida ela viveu em 62 boulevard Haussmann .

Alfassa descreve experiências que teve como uma criança em Paris. Ela diz que aos cinco anos ela percebeu que não pertence a este mundo, e seu sadhana (disciplina espiritual) começou então. [ 2 ] Ela afirma que ela voltasse ao êxtase e entrar em transe, por vezes, quando ela foi colocada em um fácil cadeira ou durante uma refeição, para grande aborrecimento de sua mãe, que considerava este comportamento como um constrangimento social.

Entre onze e treze anos, ela afirma, uma série de experiências psíquicas e espirituais revelou a ela a existência de Deus , e homem ‘s possibilidade de união com ele. [ 3 ] Aos 12 anos ela estava praticando ocultismo e alegou estar viajando fora do seu corpo . [ 4 ]

Uma das experiências que ela afirma que ela tinha, com a idade de 13 para quase um ano a cada noite, era de sair de seu corpo e subindo em linha reta acima da cidade: [ 5 ]

Eu costumava me ver vestida com um manto magnífico dourado … e como eu subiu mais alto, o manto se estenderia … para formar uma espécie de teto imensa sobre a cidade. Então gostaria de ver homens, mulheres, crianças … saindo de todos os lados, pois eles se reuniam sob o manto estendidas, implorando por ajuda, dizendo suas misérias … Em resposta, o manto … se estendem para cada um deles individualmente, e assim que eles tinham tocado eles foram consolados ou curado, e voltou para seus corpos mais feliz e mais forte … Nada parecia mais bonito para mim …. e todas as atividades do dia parecia maçante e sem cor … ao lado esta atividade da noite …

Aos 14 anos Alfassa foi enviado a um estúdio para aprender a arte, e um ano depois, ela escreveu como um ensaio da escola um tratado místico chamado O Caminho do Later On (Alfassa 1893). Em 1893 ela viajou para a Itália com a mãe. Enquanto no Palácio Ducal deVeneza , ela afirma ter se lembrou de uma cena de uma vida passada , onde ela foi estrangulada e jogada fora no canal ( A Mãe – Algumas datas ). (Mais tarde, por exemplo, na Agenda , ela descreveria outras encarnações, mas ela alternadamente descreve essas vidas passadas como emanações .) Aos 16 anos ingressou na Ecole des Beaux Arts , onde ela adquiriu o apelido de “Esfinge” e, posteriormente, expostos no Paris salão de beleza . [ 6 ]

Em 1897 ela se casou com Henri Morisset , um estudante de Gustave Moreau . Eles viviam no Atelier, 15 rue Lemercier, Paris, e Alfassa se ​​tornou uma parte dos círculos artísticos de Paris, fazer amizade com os gostos de Auguste Rodin e Monet . [ 7 ]

Alfassa afirma que entre dezenove e vinte, ela tinha conseguido uma união consciente e constante com a Presença Divina, sem a ajuda de livros ou professores. Logo depois, ela descobriu Vivekananda ‘s Raja Yoga , que lhe permitiu progredir rapidamente. Ela diz que cerca de um ano ou dois depois, ela conheceu um índio em Paris que a aconselhou a ler oBhagavad-Gita , tendo Krishna como um símbolo do Divino interna ou imanente. Ela obteve uma tradução francesa que-ela relata, foi muito pobre, mas ainda lhe permitiu compreender a substância do mesmo. [ 8 ] Alfassa afirmou que, em suas meditações, viu várias figuras espirituais, os quais lhe ofereceu ajuda de um tipo ou outro .

Em 1898 ela e Morisset teve um filho, André.

Por volta de 1904 que encontrou em seus sonhos uma figura escura asiática a quem chamou “Krishna”. Ela disse que este número a guiou em sua jornada interior. Ela chegou a ter fé implícita total de Krishna, e estava esperando para conhecê-lo um dia na vida real (karmayogi sem data). Por volta de 1905 ela conheceu o ocultista Max Theon , que explicou suas experiências psíquicas para ela. Ela fez duas visitas prolongado (na segunda, ela foi acompanhada por ou mais tarde se juntou Morisset) à propriedade Theon está em Tlemcen , Argélia, viver e aprender com o ocultismo em primeira mão de Theon e sua esposa, Alma Theon . [ 9 ] Alfassa tinha uma grande respeito Madame Theon, a quem ela descreve como tendo excepcional psicocinética poderes. Mais tarde, quando ela se tornou conhecida como “a mãe”, ela costumava relacionar algumas das experiências extraordinárias que ela tinha em Tlemcen.

Em 1908 divorciou Alfassa Morisset, e mudou-se para 49 rue de Lévis, Paris.

Em torno deste tempo Alfassa tinha encontros regulares com os alunos e candidatos que foram atraídos para fenômenos psíquicos ou para o misticismo. Em 1906, com seu irmão Matteo, ela fundou em Paris um grupo chamado l’Idée Nouvelle (“The New Idea”), que se reuniu em sua casa nas noites de quarta-feira, primeiro na rue Lemercier e depois na rue des Lévis, e mais tarde em 9 Rue du Val de Grace. Seu livro “Palavras de Long Ago” (vol.2 das Obras Completas) é a conta de uma dessas reuniões, juntamente com palestras, ela deu àUnião de L’Pensée Féminine , que era um grupo novo estudo, ela havia estabelecido. Em uma conversa com Prithwindra Mukherjee , um dos membros deste grupo, Alexandra David-Neel , lembrou os encontros e de Alfassa: “Passamos noites maravilhosas juntamente com amigos, acreditando em um grande futuro Às vezes fomos para o de Bois. Boulogne jardins, e vi os aviões gafanhoto-como início de decolar. Lembro-me de sua elegância, suas realizações, seu intelecto dotado de tendências místicas. Apesar de seu grande amor e doçura, mesmo apesar de sua facilidade inerente de fazer-se esquecido após alcançar algum ato nobre, ela não conseguia esconder muito bem a tremenda força que ela deu à luz dentro de si “. [ 10 ]

Em 1912 Alfassa organizou um grupo de cerca de 20 pessoas nomeadas Cosmique , que tinha o objectivo de obter auto-conhecimento e auto-domínio. Embora ela ainda não havia conhecido Sri Aurobindo, algumas de suas idéias no momento paralelo dele. [ 11 ] Estes foram posteriormente incluídos no início do seu pequeno livro, Conversas .

Em 1910 ela teve o que ela descreveu como uma experiência de uma reversão de consciência em que ela percebeu que a Vontade Divina no centro de seu ser, ea partir desse momento em diante já não era motivada pelo desejo pessoal, mas só queria fazer o Divino vontade. [ 12 ]

Em torno deste tempo ela se casou com Paul Richard. Richard tinha viajado para a Índia, em busca de eleição para o Senado francês de Pondicherry, [ 13 ] e, enquanto lá havia conhecido Sri Aurobindo em Pondicherry , em meados de abril de 1910. Este parece ter sido quando Sri Aurobindo primeiro ouvi falar Alfassa e seu Idea grupo. Richard informou Alfassa de Sri Aurobindo e Aurobindo Sri permaneceu em “correspondência material e espiritual” com a Richards para os próximos quatro anos. [ 14 ]

Alfassa estudou filosofia com Richard, bem como corrigir seu ditado ( A Mãe – Algumas datas ). Eles viviam em 9 rue du Val de Grace, em uma pequena casa na parte de trás de um jardim ou pátio. André, então cerca de doze anos, era um visitante regular. Esta foi a casa onde Alfassa receberia Alexandra David-Neel quase todas as noites. [ 15 ] Durante este período, ela também se reuniu com `Abdu’l-Bahá [ 16 ] Inayat Khan e outros mestres espirituais (Van Vrekhem, 2001).

Em 1912, ela escreveu seu primeiro Orações e Meditações (a entrada original provavelmente datam do ano anterior). Estes seriam mais tarde publicadas como parte da Collected Works(Nascimento da Mãe Centenário Edição vol. 1).

Reunião Sri Aurobindo

Em 7 de março de 1914, Alfassa e Paul embarcou para a Índia, a bordo do navio Kaga Maru , chegando em Pondicherry dia 29 . Mais tarde, ela disse que quando viu Sri Aurobindo , pela primeira vez, ela o reconheceu como a pessoa que ela viu em suas visões de uma figura escura asiáticos, a quem ela tinha anteriormente referido como “Krishna”. O dia seguinte,ela anotou em seu diário: “Não importa se existem centenas de seres mergulhados na mais densa ignorância. Aquele que vimos ontem é sobre a terra, sua presença é suficiente para provar que um dia virá quando a escuridão será transformada em luz, quando teu reinado será de fato estabelecido sobre a terra “.

Anos antes de Sri Aurobindo encontraram pela primeira vez Alfassa e Paulo, ele tinha dado a sua revolucionária atividades pela independência da Índia do domínio britânico, e recuou para Pondicherry (onde ele foi salvo de prisão pelos britânicos) para trabalhar na transformação espiritual da humanidade e da vida na terra.

Após um curto período de intenso sadhana , Sri Aurobindo, às vezes, dar palestras à noite. Em 1913 mudou-se para No.41 Rue François Martin, chamado de Guest House, onde ele iria receber visitantes no período da manhã (esta teria sido quando Alfassa e Paul Richard conheci), e depois da meditação em grupo (geralmente cerca de 4. Pm ) que organizaria serões informal de seus primeiros discípulos. [ 17 ]

Alfassa disse que quando conheceu Sri Aurobindo, ela descobriu que seus pensamentos deixaram de funcionar, sua mente ficou quieto, eo silêncio começou a ganhar impulso, até dois ou três dias mais tarde, havia apenas o silêncio ea yogic consciência. Em 1958, na Agenda (vol I pp 163-4), disse que as duas experiências, a consciência na profundidade psíquica do ser realizado em 1910, ea conexão com o Divino quietude acima da cabeça quando percebi primeira reunião Sri Aurobindo , mantiveram-se com ela desde então.

Em 29 de Março Paul sugeriu que Sri Aurobindo publicar uma revista lidando com uma síntese das idéias filosóficas deste último. A revista foi nomeado Arya , e se tornou o veículo para a maioria dos escritos de Aurobindo, que apareceria mais tarde em forma de livro ( A Mãe – Algumas datas ). A primeira edição da revista mensal saiu em 15 de agosto de 1914, aniversário de Aurobindo. [ 18 ]

Alfassa e Paul ficou em Pondicherry até fevereiro de 1915, mas teve que retornar a Paris por causa da Primeira Guerra Mundial . Eles passaram um ano na França antes de viajar para o Japão onde permaneceu por quatro anos, primeiro em Tóquio (1916-1917) e depois de Quioto (1917-1920). Eles também foram acompanhados por Dorothy Hodgson, uma inglesa que tinha conhecido Alfassa na França (Das p. 209) e que considerava como seu guru Alfassa. [ 19 ]

Durante a sua estada, Alfassa adotado o modo japonês de vida, maneirismos e vestido, e visitou muitos lugares de peregrinação budista (Das 1978 p. 173) Um amigo japonês lembrou mais tarde: “Ela veio aqui para aprender japonês e para ser um de nós . Mas não tínhamos muito a aprender com ela e suas maneiras encantadoras e imprevisível “(Madame Kobayashi, em Das 1978 p. 193). Em 1919 ela conheceu Rabindranath Tagore , que estava hospedado no mesmo hotel. A fotografia de grupo no Museu Rabindra coleção em Santiniketan inclui os dois. Tagore apresentado Alfassa com a máquina de escrever que ele estava usando no momento, ela mais tarde deu a Prithwindra Mukherjee , em meados dos anos 50 para “escrever bons poemas”, este ainda permanece no Sri Aurobindo Ashram ( ibid p. 206). Muitos anos mais tarde (em 1956), ela também relatou reunião Tolstoi filho ‘s, enquanto no Japão. [ 20 ]

Em 24 de abril de 1920 Alfassa voltou com Paul para Pondicherry do Japão, acompanhado por Dorothy Hodgson. Em 24 de novembro, ela mudou-se para viver perto de Sri Aurobindo na Guest House na Rue François Martin. Richard não ficou muito tempo, ele passou um ano viajando em torno norte da Índia (Das 1978 p. 209; A Mãe – Algumas datas ) como um sanyasi.(Algum tempo depois ele iniciou um processo de divórcio, tendo já se casou novamente, nesse meio tempo). [ 21 ] Dorothy Hodgson Enquanto isso recebeu o nome de Datta(“Consagrada”) e foi um dos primeiros devotos ocidentais, mesmo antes do Ashram foi criada em 1926.

Em 1921, quando Sri Aurobindo disse que tinha trazido a Supramente até o avião Vital , Alfassa apareceu (de acordo com testemunhas e seus próprios clientes) para ter um corpo como o de um de dezoito ou vinte anos, enquanto Sri Aurobindo também foi brilhante com a saúde. [ 22 ] Mas essas mudanças foram perdidos quando eles tomaram a Supramente até o trabalho de transformação no ” subconsciente “.

Em janeiro de 1922, Alfassa, já chamada de “Mãe” por Nolini , e alguns outros discípulos começaram conversações noturno regular e meditações em grupo. Em setembro ou outubro desse ano, Sri Aurobindo e Alfassa mudou-se para no.9 Rue de la Marine, onde a mesma rotina informal de encontros Sri Aurobindo noite de seus primeiros discípulos [ 23 ] (e fala Alfassa e meditações) continuou. Como o número de discípulos que chegam aumentou, Alfassa organizaram o que mais tarde se tornaria o ashram, mais a partir do desejo do sadhaks então seus próprios planos ou Sri Aurobindo. [ 24 ]

“A Mãe” do Ashram

Sobre o 24 de novembro de 1926 (Dia Siddhi) Sri Aurobindo informou-se de ter tido uma realização importante, que abriria o caminho para derrubar a consciência Supramental na terra.

Este foi também o fundador oficial do Sri Aurobindo Ashram . Na época não havia mais de 24 discípulos no Ashram ( ibid pp. 233-4).

Em dezembro daquele ano, Sri Aurobindo decidiu retirar da vista do público. Nesse ponto, ele identificou Alfassa com a Mãe Divina, e instruiu seus seguidores a fazerem o mesmo. Ele informou a seus discípulos que, doravante, Alfassa levaria a carga completa do ashram e ele iria viver na aposentadoria. Alfassa disse mais tarde que Sri Aurobindo não havia consultado antes da sua declaração nem ele informá-la da sua intenção, mas que ela tinha ouvido a notícia pela primeira vez, juntamente com os discípulos (karmayogi sem data).

Sri Aurobindo considerado Alfassa ser um Avatar (encarnação) do Supremo Shakti . Em 1927, ele escreveu:

Aquele a quem adoramos como a Mãe é a Força Consciente divina que domina toda a existência, e ainda um multifacetado que seguir o seu movimento é impossível, mesmo para o mais rápido mente e para a inteligência mais livre e mais vasto.
A Mãe p.19.

Cartas de Sri Aurobindo e instruções aos seus discípulos ensinou o caminho da entrega espiritual através da devoção a Alfassa; uma forma de Bhakti Yoga .

Em 1927, Sri Aurobindo e Alfassa mudou-se para Rue François Martin, onde permaneceram para o resto de suas vidas ( The Mother – Algumas datas ).

Nos primeiros anos, Alfassa apareceu na varanda ashram para iniciar o dia com suas bênçãos. Ela também se reúnem os chefes dos vários departamentos do ashram crescendo a cada manhã, e então o sadhaks individualmente. Mais uma vez, na noite em 5:30 PM, ela conduziu a meditação e encontrou-se cada sadhak mais uma vez.

Em 1938, Margaret Woodrow Wilson , a filha do presidente dos EUA, Woodrow Wilson , veio ao Ashram e escolheram permanecer lá para o resto de sua vida. [ 25 ]

Henry Ford também tinha ouvido falar de Alfassa e queria conhecê-la. Na véspera da sua partida, a Segunda Guerra Mundial estourou e impediu sua vinda para a Índia.

Durante a guerra, Sri Aurobindo e Alfassa declararam seu apoio dos aliados. Eles disseram que a vitória do nazismo teria sido um desastre para o trabalho espiritual, e professou ter participado na história do mundo, mudando o curso da Segunda Guerra Mundial, trabalhando na níveis sutis (por exemplo, Purani 1982 p. 746, Reddy 2000, Van Vrekhem 2001).

Através de cartas, Alfassa tivesse permanecido em contato com seu filho Andre Morisset desde então partir para o Japão. Desta forma, ela manteve-o informado sobre o desenvolvimento do ashram e sua sadhana e Sri Aurobindo. Ele tornou-se cada vez mais interessados, mas foi impedido de visitar pela eclosão da Segunda Guerra Mundial. Em 1949 ele finalmente chegou a Pondicherry. [ 26 ]

A primeira edição do Boletim de Educação Física foi publicado em 1949. Em 1951, como um tributo a concepção de Sri Aurobindo de pedagogia, ela fundou o Sri Aurobindo International Centre da Educação : para crianças que tinham vindo para o ashram com seus pais durante a Segunda Guerra Mundial à procura de abrigo. Então primeiro-ministro Jawaharlal Nehru fez tudo que pôde para concretizar o seu apreço pelos esforços Alfassa neste domínio. [ carece de fontes? ]

Alfassa foi incentivado por Sri Aurobindo para vestir saris e ela adquiriu uma coleção de cerca de 500. Quando ela foi oferecido 100 mil rúpias para um, ela chamou todos os sadhikas e distribuídos ou vendidos los (junto com seus enfeites) para arrecadar fundos para o ashram durante o ano financeiramente difícil após a morte do Mestre. [ 27 ]

Ela considerou flores de significado espiritual, e deu os nomes de 800 tipos diferentes, de acordo com a qualidade espiritual que transmitem ( Flores e suas mensagens , flores e seu significado espiritual ). Estes seriam apresentados aos discípulos, como um veículo para a transmissão de suas bênçãos e graça. Registros Satprem ser apresentado com várias flores durante as visitas, cada descritas de acordo com sua qualidade espiritual.

Tentativa de transformação física

Sri Aurobindo disse que em Alfassa ele encontrou rendição ao Divino até o corpo físico em si, a células do corpo (não apenas a mente e as emoções), os gostos de que não pôde ser encontrado em qualquer ser humano.

Em 1950, Sri Aurobindo morreu. Alfassa relacionados que, após a sua morte, ela veio para ficar ao lado da cama em que ele estava deitado “, e – de uma forma completamente concreto – concreto com uma sensação tão forte a ponto de fazer pensar que poderia ser visto – tudo esta força supramental que estava nele passou de seu corpo em meu “. [ 28 ]

Depois de passar Sri Aurobindo, Alfassa totalmente assumiu sua promessa de Sri Aurobindo para tentar a transformação física. Em 29 de fevereiro de 1956 (“Dia de Ouro”), ela anunciou uma experiência em que ela tinha uma forma cósmica vasta de ouro e quebrou a porta de ouro que separava o universo do Divino, permitindo que a força Supramental para transmitir para a Terra em um fluxo ininterrupto . [ 29 ] Mais tarde (24 de Abril), anunciou “A manifestação do Supramental sobre a terra não é mais uma promessa, mas um fato de vida”.[ 30 ]

De 1960 até sua morte em 1973, Alfassa teve um número de quase-encontros semanais com um de seus discípulos mais próximos, Satprem . Lá, ela conversou sobre seu progresso em sua transformação física, eventos do mundo e seu efeito sobre os acontecimentos mundiais, o funcionamento novo da consciência supramental do mundo, suas experiências de vida anteriores, incluindo suas experiências espirituais, as alterações e espiritualização no funcionamento do seu corpo físico , suas visões da nova raça, e muitos outros tópicos. Essas conversas foram mantidos e foram publicados em francês e Inglês nos 13 volumes conjunto conhecido como A Agenda .

Em 1961 um amigo de John F. Kennedy teve interesse em Alfassa e examinou em profundidade a filosofia e yoga de Sri Aurobindo. Ele conheceu Alfassa e perguntei o que eram os sinais externos através dos quais pode-se discernir o alcance da consciência Supramental em uma pessoa. Alfassa explicou-lhe as condições que revelaria a realização da consciência Supramental e disse-lhe que da igualdade, três, foi o mais significativo. [ 31 ] O visitante arranjou para Kennedy para visitar Alfassa, mas não poderia ter lugar.

Em 1962, com a idade de 84, ela foi forçada por uma doença de retirar-se do contato físico íntimo com discípulos ( Agenda vol.3), embora ela continuou a dar público darshans quatro vezes por ano, em que alguns milhares de devotos se reuniram e recebeu o Grace. Mas ela continuou seu trabalho interior, sobre a transformação da consciência física e celulares. [ 32 ]

Em suas discussões, ela é acusada de ter tido uma série de formidáveis ​​experiências espirituais na década de 1950 através da década de 1970. Suas experiências são supostamente ter-se intensificado na década de 1960 e 70 mais tarde.

Nos anos mais tarde, ela encontrou-se com outras pessoas de renome, incluindo o rei do Nepal . Ela teve um encontro significativo com o Dalai Lama que recentemente escapou da ocupação chinesa do Tibet .

Concomitante com seu trabalho na transformação interior, ela trabalhou no exterior também. Em 1956, ela estabeleceu a Sri Aurobindo Ashram, Delhi Branch, juntamente com Surendranath Jauhar e Escola Internacional de Alfassa. Em 1967 foram feitos planos e alguns terrenos adquiridos para fundar uma cidade universal de buscadores espirituais em Gujarat, que ela chamou Ompuri. Este projeto, como planos anteriores de 1957, não ir mais longe. Mas em 1968, Alfassa, trabalhando com o arquiteto Roger Anger , começou a Auroville como uma “extensão mais externos do Sri Aurobindo Ashram (Mirapuri – Biografia).

Alfassa morreu em 17 de Novembro de 1973;. Três dias depois seu corpo foi colocado no Samadhi, o cofre no pátio do Ashram onde o corpo de Sri Aurobindo foi colocado em 1950 [ 33 ]

Auroville

Ver : http://viagensculturais.wordpress.com/2010/06/17/matrimandir-%E2%80%93-templo-da-mae-divina/

Na década de 1960, era o sonho Alfassa para criar um lugar onde a humanidade pode procurar o Divino sem a necessidade de dragagem de comida e abrigo. Alfassa queria um lugar onde “pessoas normais” de todo o mundo poderia viver juntos em harmonia, um lugar onde as pessoas podem procurar a espiritualidade e trazê-lo para o mundo. Ela nomeou este lugarAuroville ou Cidade de Dawn . Ela agora tem uma população de mais de 2.300 pessoas.

A cidade tem várias zonas. O “Alma de Auroville” é o Matrimandir (literalmente, “templo da Mãe”). Ele é construído como uma esfera de aspecto futurista que abriga em seu centro uma Câmara, todo branco com um globo transculent no centro iluminado por único raio de luz solar. isso significa “realização futura”. Em 1968, Alfassa formalmente inaugurado a nova cidade, eo solo de 124 nações (todos os países independentes do mundo naquela época) foi colocado em uma urna em forma de lótus no centro da futura cidade.

Notas de Rodapé

  1. ^ Mãe Crônicas Bk I; Mãe na própria – Cronologia p.83.
  2. ^ Mãe Índia Feb, 1975, p.95, em Das 1978 p.14 e Mãe na própria pp.1, 3-4.
  3. ^ Boletim do Sri Aurobindo Centro de Educação , 1976 p.14, Mãe na própria pp.17-18.
  4. ^ Bulletin 1974 p.63.
  5. ^ Na própria pp.18-19; Das 1978 pp.24-5.
  6. ^ Das 1978 pp.27, 30, 253.
  7. ^ Nahar 1986.
  8. ^ Collected Works – Perguntas e Respostas 1954 .
  9. ^ Das 1.978 Ch.5; Nahar 1989.
  10. ^ Entrevista com Prithwindra Mukherjee , The Standard domingo , 15 de junho de 1969; A Mãe por Prema Nandakumar, National Book Trust, 1977, p9.
  11. ^ Das, 1978, pp.82, 110-112.
  12. ^ Agenda vol I pp.163-4.
  13. ^ karmayogi data não, Van Vrekhem 2001.
  14. ^ Das 1978, p.121.
  15. ^ Agenda vol.1, p.441.
  16. ^ Das 1978, pp.104-109.
  17. ^ Purani 1982 pp.9-12
  18. ^ Das 1978 p.254
  19. ^ Iyengar 1978 p.182
  20. ^ Coll. Obras vol 8, pp.106-7
  21. ^ Agenda vol.2 pp.371-372
  22. ^ Agenda vol.xx, p.xxx; Purani, Talks Evening p.21, Das 1978, pp.211-212
  23. ^ Purani, 1982 pp.9-12
  24. ^ Sri Aurobindo Coll. Obras vol.26 p.429
  25. ^ Nirodbaran 1972, karmayogi sem data
  26. ^ “Lembranças de André Morisset”, in Das 1978 pp.250-1
  27. ^ Prithwindra Mukherjee ‘s conhecimento pessoal.
  28. ^ Volume 11, Notas sobre o Caminho , p. 328 20 de dezembro de 1972
  29. ^ Agenda vol.1 p.69
  30. ^ Agenda vol.1 p.75
  31. ^ Mãe Agenda vol.2 pp.96-98
  32. ^ Collected Works , vol. 11; Satprem 1982
  33. ^ Mãe na própria – Cronologia p.83

Referências

  • Anon,. A Mãe – Algumas datas
  • Alfassa, Mirra (1893) The Path of Later On
  • Aurobindo Ghose (1972), Obras Completas de Sri Aurobindo , Sri Aurobindo Ashram, Pondicherry, Edição do Centenário de Nascimento
  • —– (1972b) A Mãe , Sri Aurobindo Ashram, Pondicherry
  • Iyengar, KRS (1978), sobre a mãe: a crónica de uma manifestação e um ministério (2 vols, continuamente paginados), Pondicherry, 1978 (2 ª ed)
  • Karmayogi (data?) Vida e Ensinamentos de Sri Aurobindo e da Mãe , Mere Cie, Inc. on-line
  • The Hindu (2001) e Mãe O dilema do biógrafo
  • Lohman, Ruud (1986), Uma Casa para o Terceiro Milênio: ensaios sobre a Matrimandir , Alain Grandcolas
  • Alfassa, Mirra (1977) A Mãe na própria , Sri Aurobindo Ashram, Pondicherry
  • —– (1978) Obras da Mãe , Sri Aurobindo Ashram, Pondicherry Edição do Centenário (17 set vol)
  • – —– (1979) Agenda das Mães (transl Engl.) Instituto de Pesquisa Evolutiva, New York, NY (13 set vol)
    • (1980) Notas sobre o Caminho – vol.11, Collected Works da Mãe – Edição do Centenário, Sri Aurobindo Ashram, Pondicherry
    • (1982) Conversations , Sri Aurobindo Ashram Trust, Pondicherry
    • (Data?) Flores e suas mensagens , Sri Aurobindo Ashram
    • (Data?) Flores e seu significado espiritual , Sri Aurobindo Ashram
  • Das, Nolima ed., (1978) Olhares de vida da mãe vol.1, Sri Aurobindo Ashram, Pondicherry
  • Mukherjee, Prithwindra , Sri Aurobindo , Desclée de Brouwer, Paris, 2000; “samasamayiker chokhe Sri Aurobindo , Calcutá, 1969, 2003
  • Norelli-Bachelet, Patrizia, “O Dia da Vitória 10 ‘, 2004, Livros Aeon.
  • Rawlinson, Andrew (1997) O Livro dos Mestres Iluminados: Os professores ocidentais nas tradições orientais . Chicago e La Salle, Illinois: Open Court.
  • Reddy, Ananda (2000) os precursores Supramental: Sri Aurobindo e The Mother on-line
  • Nahar, Sujata (1986) narra mãe Bk. 2. Mirra do Artista , Paris: Evolutives Institut de Recherches, Paris e Mira Aditi, Mysore.
    • (1989) Mãe crônicas Bk. 3. Mirra Ocultista o . Paris: Evolutives Institut de Recherches, Paris e Mira Aditi, Mysore.
  • Nirodbaran (1972) Doze Anos com Sri Aurobindo em Pondicherry vol.1, (vol.II 1973, vol.III 1988)
  • Satprem (1982) A Mente dos Cells (transl por Francine Mahak & Venet Luc) Instituto de Pesquisa Evolutiva, New York, NY
  • Purani, AB, (1982) Talks Noite com Sri Aurobindo , Sri Aurobindo Ashram, Pondicherry
  • Van Vrekhem, Georges : The Mother – A história de sua vida , Harper Collins Publishers Índia, Nova Delhi 2000, ISBN 81-7223-416-3 (ver também Mãe encontra Sri Aurobindo – Um trecho deste livro)
  • Van Vrekhem, Georges : Beyond Man – A Vida e Obra de Sri Aurobindo e A Mãe , HarperCollins Publishers Índia, Nova Delhi 1999, ISBN 81-7223-327-2
  • —– Hitler e seu Deus – O plano de fundo para o fenômeno Hitler , Rupa & Co, em Nova Delhi 2006

Bibliografia parcial

  • Comentários sobre o Dhammapada , Press Lotus, Twin Lakes, WI 2004, ISBN 0-940985-25-X
  • Flores e suas mensagens , Lotus Press, Twin Lakes, WI ISBN 0-941524-68-X
  • Pesquisa para a alma na vida cotidiana , Lotus Press, Twin Lakes, WI ISBN 0-941524-57-4
  • Alma e os seus poderes , Lotus Press, Twin Lakes, WI ISBN 0-941524-67-1

Similar Posts