Artigos do Portal:
#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina

Anat, Deusa antiga Cananita

Anat

Anat (Anath) .png

Estatueta de bronze de Anat usando uma coroa de atef com o braço levantado (originalmente segurando um machado ou clava), datada de 1400–1200 aC, encontrada na Síria
Nome em hieróglifos
uma
n
ti eu t
H8
I12
Símbolo Atef Crown
Região Canaã e Levante
Pais El e Asherah
Consorte Conjunto de Ba’al Hadad ( Ugarit )
Yahweh ( Yahwismo Elefantino ) ( Antiga religião egípcia )
Equivalente grego Atenas
Equivalente romano Minerva
Equivalente do hinduísmo Durga

Anat ( ɑː ɑː t / , ul Æ t / ), Anatu , [4] classicamente Anat (  do ə θ ,  ˌ Æ θ / ; árabe : عناة Hebrew : עֲנָת ‘Ănāth ; cananita : ??? ‘Anōt ; ugarítico: ??? ʿnt ; Grego : Αναθ Anath ; Antit , Anit , Anti ou Anant egípcio ) é uma deusa semítica importante do noroeste . Seus atributos variam amplamente entre diferentes culturas e ao longo do tempo, [5] e até mesmo dentro de mitos específicos. [6] Ela provavelmente influenciou fortemente o personagem da deusa grega Atenas . 

Em Ugarit 

Em textos ugaríticos , Anat é descrita como violenta, adorando a guerra, mas também como o criador da paz; ela é descrita como sexual e fértil, gerando descendência, embora continue a ser chamada de virgem e donzela. [6] Nos textos do Ciclo de Baal , Anat aparece como uma deusa da guerra, inicialmente convocada por seu pai El para preparar o palco para a coroação de Yam ; Anat, no entanto, agita por seu irmão mais novo (e possivelmente amante) Baal . [6]

Fragmentos de texto descrevem sua aparência em batalha; [6] em uma passagem fragmentária de Ugarit (moderno Ras Shamra, Síria ) [7] ‘Anat aparece como um guerreiro feroz, selvagem e furioso em uma batalha, mergulhando em sangue até os joelhos, golpeando cabeças, cortando mãos, amarrando as cabeças em seu torso e as mãos em sua faixa, expulsando os velhos e os habitantes da cidade com suas flechas, seu coração cheio de alegria. “Seu personagem nesta passagem antecipa seu papel bélico subsequente contra os inimigos de Baal”. [8] Ela é posteriormente descrita reencenando a batalha ritualmente, e então se purificando, em seu templo, onde ela recebe uma mensagem de Baal pedindo-lhe para estabelecer a paz em termos favoráveis ​​a ele. [6]

Ela está inicialmente preocupada com o surgimento de novos inimigos dele, e observa que ela pôs fim ao Yam, “o amado de El”, e a outros inimigos de Baal [6], incluindo uma serpente de sete cabeças; Arsh, o queridinho dos deuses; Atik (“briguento”), o bezerro de El; Ishat (“Fogo”), a cadela dos deuses; e Zabib, filha de El. Anat vai a Baal, se lava e se torna bela antes de um banquete com ele; [6] fragmentos de texto descrevem Baal e Anat agarrando os órgãos genitais um do outro, excitados e, mais tarde, Anat dando à luz o filho de seu irmão mais novo, [6] embora Anat continue a ser referido como uma donzela e a “Anat virgem”. [6](Outro título usado repetidamente para Anat é “cunhada dos povos” (ou “progenitora dos povos” ou “cunhada, viúva dos Li’mites”).)

Quando Baal reclama que não tem uma casa (real), Anat jura interceder junto a seu pai, El, e ameaça sangrá-lo se ele não conceder uma casa a Baal; ela também pede a Athirat para interceder junto a El, após o que ele concede uma casa a Baal. [6] Anat e Baal se regozijam e fazem uma festa comemorativa, mas Mot fica furioso por não ter sido convidado e ameaça Baal. [6] Depois que Baal desce ao submundo, El e Anat lamentam sua morte, e Anat procura o mundo e o submundo por ele, sua preocupação descrita em termos maternos, [6] “como uma vaca [9] [procura] por seu panturrilha”. Anat encontra o corpo de Baal e o carrega para a montanha sagrada dos deuses, Saphon(Zephon), onde ela realiza ritos fúnebres e sacrifícios rituais de animais, após os quais Baal é revivido. [6] Anat então encontra Mot, agarra-o e o divide com uma espada ou faca, joeia-o e queima-o, e então o tritura com pedras de moinho e o peneira por uma peneira como grão, e semeia seus restos no mar [6] ] ou para os pássaros. No entanto, Mot retorna e luta ainda mais com Baal antes de finalmente reconhecer sua realeza. [6]

Escrita cuneiforme , ( Louvre ) “Então Anat foi a El, na nascente dos rios, no meio do leito dos dois oceanos. Ela se curva aos pés de El, ela se curva e se prosta e lhe presta homenagens. Ela fala e diz: ‘o poderoso Ba’al morreu. O príncipe, senhor da terra, morreu’ “(…)” Eles lutam como heróis. Môt vence, Ba’al vence. Eles se mordem como cobras . Môt vence, Ba’al vence. Eles saltam como cavalos. Môt está com medo. Ba’al se senta em seu trono. ”

O texto CTA 10 fala de Anat procurando Baal enquanto ele estava caçando; ela o encontra e é informada de que levará um boi para ele. Após o nascimento, ela traz o novo bezerro para Baal no Monte Saphon. Em nenhum lugar desses textos Anat é explicitamente consorte de Ba’al Hadad. Ela não é a esposa de Baal, mas é o poder por trás do trono . [6] A julgar pelas tradições posteriores, ‘Athtart (que também aparece nesses textos) é mais provável que seja consorte de Ba’al Hadad; no entanto, complicar as coisas é que a cultura semítica do noroeste permitia mais de uma esposa e a não- monogamia é normal para divindades em muitos panteões.

Nas histórias cananeus do norte de Aqhat, Anat cobiça um arco especial e um conjunto de flechas que são dados a Aqhat, [6] o filho do juiz Danel (Dn’il). Estes foram criados para Anat pelo deus artesão Kothar-wa-Khasis , mas dados a Danel para dar seu filho pequeno. Quando Aqhat se torna um jovem, a deusa Anat tenta comprar o arco dele, oferecendo-lhe ouro e prata e até mesmo a imortalidade, mas Aqhat recusa todas as ofertas, dizendo que ele aceita que é o destino dos humanos ser mortal. [6] Ele também insulta Anat, dizendo que arcos e flechas são ferramentas para homens, não mulheres (perguntando “o que uma mulher faria com um arco?”), Irritando a deusa caçadora.

Como Inanna na Epopéia de Gilgamesh , Anat reclama com El e ameaça ferir El se ele não permitir que ela se vingue de Aqhat; El admite. Anat providencia para que seu assistente Yatpan, na forma de um falcão ou abutre, ataque Aqhat. [6] No entanto, em vez de simplesmente tirar o fôlego dele e roubar o arco, Yatpan mata Aqhat; Yatpan então foge e o arco e as flechas caem no mar. A morte de Aqhat torna a terra infértil (devido à seca) por um tempo, e sua sábia irmã mais nova, Paghat, sai para vingá-lo matando o abutre que o matou; Anat lamenta sua decisão e chora por Aqhat (e pela perda do arco), mas o final da história está faltando. [6]Ele começa em um momento extremamente dramático quando Paghat descobre que o mercenário que ela contratou para ajudá-la a vingar a morte é, na verdade, Yatpan, o assassino de seu irmão. A história é paralela à de Anat e sua vingança contra Mot pelo assassinato de seu irmão.

Gibson (1978) pensa que Rahmay (‘O Misericordioso’), co-esposa de El com Athirat , também é a deusa ‘Anat, mas ele não leva em consideração os documentos de origem primária. O uso de nomes duais de divindades na poesia ugarítica é uma parte essencial da forma do verso, e dois nomes para a mesma divindade são tradicionalmente mencionados em linhas paralelas. Da mesma forma, Athirat é chamada de Elath (que significa “A Deusa”) em pares de pares. A estrutura poética também pode ser vista nas primeiras formas dos versos hebraicos.

No Egito 

Anat é atestado esporadicamente no Egito desde o século 18 AC, e é encontrado no nome de Anat-her , [11] uma figura fragmentariamente atestada (possivelmente um governante hicso ) da 12ª, 15ª ou 16ª dinastia cujo nome significa “Anat é conteúdo “e é considerado uma descendência cananéia. Como uma deusa guerreira, Anat foi uma das várias divindades semíticas da Síria / noroeste que foi amplamente adorada pelos faraós-guerreiros da 16ª Dinastia . [11] Ela costumava ser emparelhada com a deusa Ashtart . Na competição entre Hórus e Set , essas duas deusas aparecem como filhas de Ree são dados como aliados ao deus Set , que havia sido identificado com o deus semita Hadad .

Durante o período Hyksos , Anat tinha templos na capital Hyksos de Avaris e em Beth-Shan ( Israel ), além de ser adorado em Memphis . Em inscrições de Memphis dos séculos 15 a 12 aC , Anat é chamada de “Bin-Ptah”, filha de Ptah . Ela é associada a Reshpu ( cananéia : Resheph ) em alguns textos e às vezes identificada com a deusa egípcia nativa Neith . Ela às vezes é chamada de ” Rainha do Céu “. Sua iconografia varia. Ela geralmente é mostrada carregando uma ou mais armas.

Durante a 19ª Dinastia (no período do Novo Reino ), o time favorito de carros de Seti I foi chamado de “Anat está contente”. [11] Ramsés II fez de Anat seu guardião pessoal na batalha e ampliou seu templo em Pi-Ramesses , e também nomeou sua filha (com quem ele se casou mais tarde) Bint-Anat, “Filha de Anat”. Ramsés II também chamou sua espada de “Anat é vitorioso” e seu cachorro “Anat protege” [11] (o cão aparece em uma escultura em um templo de Beit el Wali), e chamou um de seus cavalos de “Anat está contente”.

Na Mesopotâmia 

Em acadiano , a forma que se esperaria que Anat tomasse seria Antu , Antum anterior . Essa também seria a forma feminina normal que seria assumida por Anu , a forma acadiana de An ‘Sky’, o deus sumério do céu. Antu aparece nos textos acadianos principalmente como uma consorte bastante incolor de Anu , a mãe de Ishtar no Gilgameshhistória, mas também é identificada com a deusa semítica do noroeste ‘Anat, essencialmente com o mesmo nome. Não se sabe se esta é uma equação de duas deusas originalmente separadas cujos nomes caíram juntos ou se o culto de Anat se espalhou para a Mesopotâmia, onde ela passou a ser adorada como esposa de Anu porque a forma mesopotâmica de seu nome sugeria que ela era uma contraparte de Anu .

Também foi sugerido que o paralelismo entre os nomes da deusa suméria, Inanna , e sua contraparte semítica ocidental, Ishtar, continuou na tradição cananéia como Anath e Astarte , particularmente na poesia de Ugarit . [12] Anat também compartilhava uma personalidade guerreira com a deusa da guerra da Mesopotâmia Anunitu, que às vezes era tratada como um aspecto de Ishtar ou um pseudônimo de Antu. [13] [14] [15] [16] Além disso, o nome Antu também foi relacionado ou visto como um epíteto de Inanna / Ishtar, acrescentando que pode haver possível sincretismo entre Antu e Ištar-Ninsianna / Innini. [17] [18] [19] [20][21] [22] Anat e Astarte foram invariavelmente ligados nas escrituras ugaríticas e também são conhecidos por terem formado uma tríade (conhecida pela escultura) com uma terceira deusa que recebeu o nome / título de Qadesh (que significa “o sagrado”) . [23]

Em Israel

O nome da deusa ‘Anat é preservado nos nomes da cidade Beth-Anath e Anathoth . Anathoth parece ser uma forma plural do nome, talvez uma abreviação de bêt ‘ a nātôt ‘ Casa dos ‘Anats’, uma referência a muitos santuários da deusa ou um plural de intensificação.

O antigo herói Shamgar , filho de ‘Anat, é mencionado nos Juízes 3.31 e 5: 6, o que levanta a ideia de que esse juiz ou herói pode ter sido entendido como um semideus, um filho mortal da deusa. Mas John Day (2000) observa que vários cananeus conhecidos de fontes não-bíblicas carregam esse título e teorizam que era uma designação militar indicando um guerreiro sob a proteção de ‘Anat. Asenath , “sagrado para Anath”, era a esposa do patriarca hebreu Joseph .

Em Elefantina (moderno Aswan ) no Egito, os papiros Elefantinos do século 5 aC mencionam uma deusa chamada Anat-Yahu (Anat-Yahweh), adorada no templo de Yahweh originalmente construído por refugiados judeus da conquista babilônica de Judá. Isso sugere que “mesmo no exílio e além da adoração de uma divindade feminina perdurou”. [24] Os textos foram escritos por um grupo de judeus que viviam em Elefantina perto da fronteira com a Núbia , cuja religião foi descrita como “quase idêntica à religião judaica da Idade do Ferro II”. [25] Os papiros descrevem os judeus como adoradores de Anat-Yahu (ou AnatYahu). Anat-Yahu é descrito como a esposa [26]ou paredra (consorte sagrado) [27] de Yahweh ou como um aspecto hipostatizado [28] de Yahweh. [29] [25]

No Israel contemporâneo , “Anat” é um nome comum feminino – ver Anat (desambiguação) . A filóloga Anat Bechar, que também leva o nome, escreveu: “O Shamgar Bíblico era um personagem um tanto menor e obscuro, e de sua mãe Anat não sabemos nada além de seu nome. Sabemos que era o nome de uma deusa em um idioma semítico panteão ao qual o (s) autor (es) da Bíblia se opuseram forte e veementemente, embora pareça que alguns de nossos ancestrais a adoraram em algumas ocasiões. Nada disso explica a popularidade do nome no Israel atual. Em minha opinião, a razão pode ser encontrada na semelhança completamente acidental de “Anat” com o nome europeu ” Annette”, que atraiu os pioneiros sionistas vindos da Europa e imersos na cultura europeia. No entanto, esta hipótese necessita de uma investigação aprofundada nos registos hebraicos do início do século XX, para verificar ou refutar”. [30]

Em fenícios e Cipriano inscrições, Athene

Anat é atestado em algumas inscrições fenícias de Chipre . [5] No bilíngue Anat Athena , a deusa grega Athêna Sôteira Nikê é equiparada a ‘Anat, que é descrita na inscrição como a força da vida: l’uzza hayim .

Anat também é presumivelmente a deusa a quem Sanchuniathon chama de Atena , uma filha de El, mãe sem nome, que com Hermes (isto é, Thoth ) aconselhou El na fabricação de uma foice e uma lança de ferro, presumivelmente para usar contra seu pai Urano . No entanto, no ciclo de Baal, esse papel é atribuído a Asherah / ‘Elat e’ Anat é chamada de “Virgem”. [31]

Possíveis transfigurações finais

A deusa ‘Atah adorada em Palmyra pode possivelmente ser idêntica em origem a’ Anat. ‘Atah foi combinado com’ Ashtart sob o nome de Atar na deusa ‘Atar’atah conhecida pelos helenos como Atargatis . Se esta origem para ‘Atah estiver correta, então Atargatis é efetivamente uma combinação de’ Ashtart e ‘Anat.

Também foi proposto que (Indo) Iranian Anahita, que significa ‘imaculado’ em Avestan ( um ‘não’ + ahit ‘impuro’) é uma variante de ‘Anat . No entanto, é improvável, dado que as raízes indo-iranianas do termo estão relacionadas às semíticas e, embora – por meio da fusão – Aredvi Sura Anahita (assim o nome completo) tenha herdado muito de Ishtar – Inanna , os dois são considerados historicamente distintos.

No Zohar , ‘Anat é contado entre os mais sagrados dos poderes angelicais sob o nome de Anatiel.

No Sefer Yetzirah , o Rabino Kaplan menciona que esse anjo é o malach (anjo) governante de Vênus . 

Da Wikipédia english

Similar Posts