Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Espiritualidade Mãe Natureza Magia Construtiva ou Superior Mitologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Teurgia Natural e Magia Natural Uncategorized

Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa

Ēostre

Ostara (1884) por Johannes Gehrts. A deusa voa pelos céus cercada por putti de inspiração romana , raios de luz e animais. Os germânicos olham para a deusa do reino abaixo.

Ēostre ou Ostara (inglês antigo: Ēastre [æːɑstre] ,dialeto nortumbriano Ēostre [eːostre] ;Antigo-alto alemão: * Ôstara ) é uma deusa germânicaque, por meio domês germânico queleva seu nome (Northumbrian: Ēosturmōnaþ ;West Saxon: Ēastermōnaþ Old German Alta:Ôstarmânoth ), é o homônimo do festival da Páscoa em algumas línguas. Ēostre é atestado apenas por Bedeem sua obra do século VIIIO Reconhecimento do Tempo , onde Bede declara que durante o Ēosturmōnaþ (o equivalente a abril), os anglo-saxões pagãos haviam celebradoa honra de Ēostre , mas que essa tradição havia desaparecido em seu tempo, substituída pelo mês pascal cristão, um celebração da ressurreição de Jesus .

Por meio de reconstrução lingüística , a questão de uma deusa chamada * Austrō na língua protogermânica foi examinada em detalhes desde a fundação da filologia germânica no século 19 pelo estudioso Jacob Grimm e outros. Como as línguas germânicas descendem do proto-indo-europeu (PIE), lingüistas históricos traçaram o nome a uma deusa proto-indo-européia da alvorada * H₂ewsṓs (→ * Ausṓs ), da qual descende a divindade germânica comum de quem Ēostre e Ostarasão mantidos para descer. Além disso, os acadêmicos ligaram o nome da deusa a uma variedade de nomes pessoais germânicos, uma série de nomes de lugares ( topônimos ) na Inglaterra e descobriram, em 1958, mais de 150 inscrições do século II dC referentes às matronas austríacas .

Teorias conectando Ēostre com registros de costumes da Páscoa germânica , incluindo lebres e ovos , foram propostas. Particularmente antes da descoberta das matronae Austriahenae e desenvolvimentos posteriores nos estudos indo-europeus , debate entre alguns estudiosos sobre se a deusa foi ou não uma invenção de Beda. Ēostre e Ostara são por vezes referenciados na cultura popular moderna e são venerados em algumas formas de neopaganismo germânico .

Etimologia

Inglês antigo Ēostre continua no inglês moderno como Páscoa e deriva do proto-germânico ** Austrǭ , ele próprio um descendente da raiz proto-indo-européia * h₂ews- , que significa ‘brilhar’ (o leste moderno inglês também deriva dessa raiz).

O nome da deusa Ēostre é, portanto, linguisticamente cognato com numerosas outras deusas da aurora atestadas entre os povos indo-europeus que falam línguas. Esses cognatos levam à reconstrução de uma deusa da aurora proto-indo-européia; A Enciclopédia da Cultura Indo-Européia detalha que “uma deusa proto-indo-européia da aurora é apoiada tanto pela evidência de nomes cognatos como pela similaridade da representação mítica da deusa da alvorada entre vários grupos indo-europeus ” e que “todos desta evidência nos permite postular um proto-indo-europeu * a éusōs“deusa da alvorada” que foi caracterizada como uma “relutante” portadora de luz pela qual é punida. Em três das populações indo-européias, báltica , grega e indo-iraniana , a existência de uma “deusa da aurora” proto-indo-européia recebe apoio lingüístico adicional, já que ela é designada como a “filha do céu”. [2]

De temporum ratione

No capítulo 15 ( De mensibus Anglorum , “Os meses ingleses”) de sua obra De temporum ratione (” O julgamento do tempo “) do século VIII , Bede descreve os nomes dos meses indígenas do povo inglês. Depois de descrever a adoração da deusa Rheda durante o mês anglo-saxão de Hrēþ-mōnaþ , Bede escreve sobre Ēosturmōnaþ , o mês da deusa Ēostre:

Eostur-monath , qui nunc Pascalis mensis interpretatur, quondam a Dea illorum qua Eostre vocabatur, et cui in illo festa celebrant nomen habuit: a cujus nomine nunc Paschale tempus cognominant, consueto antiquæ observationis vocabulo gaudia novæ solemnitatis vocantes. [3]

Eosturmonath tem um nome que agora é traduzido como “mês pascal”, e que já foi chamado depois de uma deusa deles chamada Eostre , em honra de quem as festas eram celebradas naquele mês. Agora eles designam que Pascal tempere pelo seu nome, chamando as alegrias do novo rito pelo nome consagrado pelo tempo da antiga observância. [4]

Jacob Grimm, * Ostara e costumes da Páscoa

Em sua Mitologia Alemã de 1835 , Jacob Grimm cita evidências comparativas para reconstruir uma potencial deusa germânica continental, cujo nome teria sido preservado no nome da Páscoa do Antigo Alto Alemão , * Ostara . Abordando o ceticismo em relação às deusas mencionado por Beda, Grimm comenta que “não há nada de improvável neles, o primeiro deles é justificado por traços claros nos vocabulários das tribos germânicas”. [5] Especificamente em relação a Ēostre , Grimm continua:

Nós, alemães, até hoje chamamos ostermonat de abril , e ôstarmânoth é encontrado já em Eginhart ( temp. Car. Mag. ). A grande festa cristã, que geralmente se enquadra em abril ou final de março, carrega no mais antigo dos OHG permanece o nome ôstarâ … é encontrada principalmente no plural, porque dois dias … foram mantidos na Páscoa. Este Ostarâ , como o [anglo-saxão] Eástre , deve na religião pagã ter denotado um ser superior, cuja adoração estava tão firmemente enraizada, que os professores cristãos toleraram o nome e o aplicaram a um de seus maiores aniversários.

Grimm observa que “todas as nações que fazem fronteira com nós mantiveram a bíblica pascha , mesmo Ulphilas escreve , não  (paska não Austro ), embora ele deve ter sabido a palavra”. Detalhes Grimm que o Velho advérbio alemão alta Ostar “expressa movimento em direção ao sol nascente”, assim como o nórdico antigo termo austr , e potencialmente também anglo-saxão ēastor e gótico  (Austr). Grimm compara esses termos com o austero termo latim idêntico. Grimm diz que o culto da deusa pode ter adorado uma forma nórdica antiga, Austra , ou que seu culto pode já ter sido extinto na época da cristianização.

Grimm observa que o livro Gylfaginning da Prosa Nórdica Antiga atesta que um homem era chamado Austri , que Grimm descreve como um “espírito de luz”. Grimm comenta que uma versão feminina teria sido * Austra , ainda que os povos da Alta Alemanha e da Saxônia parecessem ter formado apenas Ostarâ e Eástre , feminino, e não Ostaro e Eástra , masculino. Grimm adicionalmente especula sobre a natureza da deusa e costumes populares sobreviventes que podem ter sido associados a ela na Alemanha:

Ostara, Eástre parece, portanto, ter sido a divindade do alvorecer radiante, da luz ascendente, um espetáculo que traz alegria e bênção, cujo significado poderia ser facilmente adaptado pelo dia da ressurreição do Deus cristão. Fogueiras foram acesas na Páscoa e de acordo com a crença popular de longa data, no momento em que o sol nasce na manhã do domingo de Páscoa, ele dá três saltos de alegria , ele dança de alegria … Água desenhada na manhã de Páscoa é assim no Natal, santo e cura … aqui também noções pagãs parece ter se enxertado em grandes festivais cristãos. Donzelas vestidas de branco, que na Páscoa, na estação do retorno da primavera, mostram-se em fendas da rocha e nas montanhas, são sugestivas da antiga deusa.

No segundo volume da Deutsche Mythologie , Grimm retoma o tema de Ostara, ligando a deusa a várias festividades alemãs da Páscoa, incluindo ovos de Páscoa:

Mas se nós admitimos, deusas, então, além de Nerthus , Ostara tem a mais forte reivindicação de consideração. Para o que dissemos na p. 290 Posso acrescentar alguns fatos significativos. A Páscoa pagã tinha muito em comum com a festa de maio e a recepção da primavera, particularmente em matéria de fogueiras. Então, através de longas eras, parece ter havido entre os chamados jogos de Páscoa , que a própria igreja tinha que tolerar: eu aludo especialmente ao costume dos ovos de Páscoa , e ao conto de Páscoa que os pregadores contavam desde o púlpito diversão do povo, conectando-a com reminiscências cristãs.

Grimm comenta sobre os novos costumes da Páscoa, incluindo danças de espadas exclusivas e produtos de panificação específicos (“pastelaria da forma pagã”). Além disso, Grimm pondera uma potencial conexão com a deusa eslava da primavera, Vesna, e a lituana Vasara .

Locais, nomes pessoais e matronae Austriahenae

Um conjunto de nomes de lugares na Inglaterra contém uma variedade de nomes germânicos ingleses e continentais que incluem o elemento * ēoster , uma antiga palavra do inglês antigo reconstruída por lingüistas e potencialmente uma forma anterior do nome da deusa Ēostre . O Conselho de Austerfield convocado pelo rei Aldfrith de Northumbria pouco antes de 704 reuniu-se em um local descrito em registros contemporâneos tanto como campo qui Eostrefeld dicitur e no campo qui dicitur Oustraefelda , que levaram o local a ser identificado com Austerfield perto de Bawtry noWest Riding of Yorkshire . [10] Esses locais também incluem Eastry ( Eastrgena , 788 CE) em Kent , Eastrea ( Estrey , 966 CE) em Cambridgeshire e Eastrington ( Eastringatun , 959 CE) no East Riding of Yorkshire . [11]

O elemento * ēoster também aparece no nome em inglês antigo Easterwine , nome dado pelo abade do mosteiro de Bede em Wearmouth-Jarrow e que aparece mais três vezes no Durham Liber Vitae . O nome Aestorhild também aparece no Liber Vitae , e é provavelmente o ancestral do nome inglês médio Estrild . Vários nomes germânicos continentais incluem o elemento, incluindo Austrechild , Austrighysel , Austrovald e Ostrulf . [12]

Em 1958, mais de 150 inscrições votivas romano-germânicas às matronas austríacas foram descobertas perto de Morken-Harff , na Alemanha. A maioria dessas inscrições está em um estado incompleto, mas muitas são pelo menos razoavelmente legíveis. Algumas dessas inscrições referem-se aos austríacos , evidentemente o nome de um grupo social. [13]

Teorias e interpretações

Dea ex Machina e as matronae Austriahenae

Algum debate ocorreu sobre se a deusa foi ou não uma invenção de Bede, particularmente no século 19 antes de reconstruções mais difundidas da deusa alvorada proto-indo-européia. Escrevendo no final do século 19, Charles J. Billson observa que os estudiosos antes de escrever estavam divididos sobre a existência do relato de Bede de edeostre, afirmando que “entre as autoridades que não têm dúvidas sobre sua existência estão W. Grimm , Wackernagel , Sinrock [ sic ], e Wolf. Por outro lado, Weinhold rejeita a idéia em termos filológicos, assim como Heinrich Leo e Hermann Oesre. Kuhn diz: “O anglo-saxão Eostre parece uma invenção de Beda”; e Mannhardttambém a despede como uma etimológica dea ex machina “. Billson diz que” toda a questão gira em torno da credibilidade de Bede “, e que” alguém está inclinado a concordar com Grimm, que seria acrítico selar este eminente Pai do Igreja, que mantém o paganismo em braços e nos diz menos do que ele sabe, com a invenção desta deusa. “Billson aponta que a cristianização da Inglaterra começou no final do século 6, e, pelo 7, foi Billson argumenta que, como Bede nasceu em 672, Bede deve ter tido a oportunidade de aprender os nomes das deusas nativas dos anglo-saxões, “que dificilmente estavam extintas em sua vida” [14].

Escrevendo no final do século 20, Rudolf Simek diz que, apesar de expressões de dúvidas, conta de Beda Eostre não deve ser desconsiderada. Simek opina que uma “deusa fertilidade mola semelhante” deve ser assumida, em vez de um “deusa do nascer do sol”, independentemente do nome, o raciocínio de que “de outra forma as deusas germânicas (e matrons ) são principalmente relacionadas com a prosperidade e crescimento”. Simek aponta para uma comparação com a deusa Rheda , também atestada por Bede.

O estudioso Philip A. Shaw (2011) escreve que o sujeito viu “uma longa história de argumentos a favor e contra a deusa de Bede Ēostre , com alguns estudiosos assumindo posições extremas em ambos os lados” e que algumas teorias contra a deusa ganharam proeminência cultural popular . Shaw, no entanto, observa que “grande parte deste debate, no entanto, foi conduzido na ignorância de uma peça chave de evidência, como não foi descoberto até 1958. Esta evidência é fornecida por mais de 150 inscrições votivas romano-germânicas para divindades chamadas matronae. Austriahenae, encontrado perto de Morken-Harff e datável de cerca de 150-250 dC “. A maioria destas inscrições estão em um estado incompleto, mas a maioria está completa o suficiente para uma clareza razoável das inscrições. Já em 1966 os estudiosos associaram estes nomes etimologicamente. com Ēostre e um elemento encontrado em nomes pessoais germânicos.  Shaw argumenta contra uma interpretação funcional da evidência disponível e conclui que “as conexões etimológicas de seu nome sugerem que seus adoradores viam sua relação geográfica e social com eles como mais central do que qualquer função que ela possa ter tido “.

Lebres e Freyja

Um postal de Páscoa de 1907 representando um coelho

No norte da Europa, as imagens da Páscoa geralmente envolvem lebres e coelhos . Citando costumes populares de Páscoa em Leicestershire , Inglaterra, onde “os lucros da terra chamada Harecrop Leys foram aplicados para fornecer uma refeição que foi jogada no chão no ‘Hare-pie Bank'”, estudioso do final do século 19 Charles Isaac Elton teoriza um conexão entre esses costumes e a adoração de Ēostre . [18] Em seu estudo do final do século XIX sobre a lebre do costume popular e da mitologia, Charles J. Billson cita numerosos incidentes de costumes populares envolvendo a lebre em torno do período da Páscoa no norte da Europa. Billson diz que “se havia uma deusa chamada Ēostreou não, e qualquer que seja a conexão que a lebre tenha tido com o ritual da adoração saxônica ou britânica, há boas razões para acreditar que a sacralidade desse animal remonta a uma era ainda mais remota, onde é provavelmente uma parte muito importante do grande Festival da Primavera dos habitantes pré-históricos desta ilha ” [14].

Alguns estudiosos vincularam costumes e imagens envolvendo lebres a Ēostre e a deusa nórdica Freyja . Escrevendo em 1972, John Andrew Boyle cita comentários contidos em um dicionário de etimologia de A. Ernout e A. Meillet , onde os autores escrevem que “Pouco mais … é conhecido sobre [ Ēostre ], mas tem sido sugerido que suas luzes, como deusa da aurora, eram carregados por lebres. E ela certamente representava a fecundidade da primavera , e o amor e o prazer carnal que conduz à fecundidade. ” Boyle responde que nada se sabe sobre Ēostre fora da única passagem de Bede, que os autores aparentemente aceitaram a identificação de Ēostre com a deusa nórdica.Freyja , ainda que a lebre também não esteja associada a Freyja . Boyle escreve que “sua carruagem, segundo Snorri , foi desenhada por um par de gatos – é verdade que os animais, como as lebres, eram os familiares das bruxas, com quem Freyja parece ter muito em comum”. No entanto, Boyle acrescenta que “por outro lado, quando os autores falam da lebre como a ‘companheira de Afrodite e dos sátiros e cupidos ‘ e apontam que ‘na Idade Média aparece ao lado da figura de Luxuria ‘, eles são em muito mais segurança e pode aduzir a evidência de suas ilustrações “. [19]

Na cultura popular e veneração moderna

O * Ostara reconstruído por Jacob Grimm teve alguma influência na cultura popular desde então. O nome foi adaptado como um asteroide ( 343 Ostara , 1892 por Max Wolf ), [20] e uma data na Roda Wicca do Ano (Ostara, 21 de março). [21] Na música, o nome Ostara foi adotado como um nome pelo grupo musical Ostara , [22] e como os nomes dos álbuns por : zoviet * france: ( Eostre , 1984) e The Wishing Tree ( Ostara , 2009) .

Em algumas formas de neopaganismo germânico , Ēostre (ou Ostara) é venerado. Em relação a essa veneração, Carole M. Cusack comenta que, entre os adeptos, Ēostre é “associada à chegada da primavera e do amanhecer, e seu festival é comemorado no equinócio da primavera . Porque ela traz renovação, renascimento da morte do inverno, alguns Os ateus associam Ēostre a Iðunn , guardião das maçãs da juventude na mitologia escandinava “. [23]

Politicamente, o nome de Ostara foi invocado no início do século XX como o nome de uma revista nacionalista alemã , uma série de livros e uma editora fundada em 1905 em Mödling , na Áustria . [24]

Ostara é interpretado por Kristin Chenoweth na série de TV American Gods baseada no romance de mesmo nome . Na série, Ostara sobreviveu até a era moderna, formando uma aliança com a Deusa da Mídia ( Gillian Anderson ) e capitalizando no feriado cristão. Odin ( Ian McShane ) força-a a aceitar que aqueles que celebram a Páscoa estão adorando Jesus e não ela, fazendo com que ela se junte à sua rebelião contra os Novos Deuses. [25]

Em 1853, o ministro protestante escocês Alexander Hislop publicou The Two Babylons , um panfleto anticatólico. No trato, Hislop conecta a Páscoa inglesa moderna com o teísmo semítico do Oriente, Ishtar, por meio da etimologia folclórica . Por exemplo, de The Two Babylons , terceira edição:

O que significa o termo Páscoa em si? Não é um nome cristão. Ela tem sua origem caldaica em sua testa. A Páscoa nada mais é do que Astarte , um dos títulos de Beltis , a rainha do céu, cujo nome, pronunciado pelo povo de Nínive , era evidentemente idêntico ao que hoje é comum no país. Este nome como encontrado por Layard nos monumentos assírios, é Ishtar.

Como as alegações de Hislop não têm fundamento lingüístico, suas alegações foram rejeitadas, mas as Duas Babilônias continuariam tendo alguma influência na cultura popular. Nos anos 2000, um popular meme da Internet também alegou uma conexão lingüística incorreta entre a Páscoa inglesa e Ishtar .

Fonte: Wikipédia

Similar Posts