Artigos do Portal:
#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Mãe Natureza Teurgia Natural e Magia Natural

Óleo de Abramelin

Óleo de Abramelin

O óleo de Abramelin  é usado em muitos rituais mágicos e sua receita deriva do Grimório “A Magia Sagrada de Abramelin, o Mago.

Esta mistura é mais sagrada entre os Magos Cerimoniais, Thelemitas e membros da Igreja Católica Gnóstica. Sua popularidade se espalhou após a publicação de “O Livro da Magia Sagrada de Abramelin, o Mago”, por SL MacGregor Mathers em 1897, e seu uso por Crowley em 1904. A mistura é usada para consagrar o Mago e seus Ferramentas. Antes de qualquer trabalho, deve-se colocar uma gota do Óleo de Abramelin na testa, no local do terceiro olho.

O óleo é descrito no Livro de Abramelin por Abraham of Worms, um judeu de Worms, Alemanha. Embora nenhum registro possa confirmar, diz-se que ele viveu de c.1362-c.1458. O Livro de Abramelin fala sobre um mago egípcio chamado Abraham que ensinou um sistema mágico a Abraham Worms. O sistema de magia deste livro encontrou nova popularidade nos séculos 19 e 20 graças a Samuel Liddell MacGregor Mathers, que traduziu o livro e o renomeou, O Livro da Magia Sagrada de Abramelin, o Mago. Mathers, um ocultista britânico, e o maçom integraram esses ensinamentos na Ordem Hermética da Golden Dawn, uma organização dedicada ao estudo e prática do ocultismo, metafísica e paranormal. Eles eram considerados uma ordem mágica que estudava astrologia, geomancia, adivinhação do Tarô e adivinhação. Seus rituais e práticas ajudaram a formar as raízes mágicas do que agora é conhecido como Wicca e Thelema. No que diz respeito à receita deste óleo, Mathers encarregou-se de alterar a receita original que foi gravada por Worms.

A receita original é a mesma do óleo sagrado dado a Moisés por Deus, conforme contado na Bíblia: Mirra, cássia, canela, cálamo e azeite de oliva.

Mathers trocou o ingrediente cálamo por raiz de galanga. Alguns dizem que isso é um erro de tradução. Outros pensam que ele fez a substituição para diferir da receita bíblica. e azeite. Mathers trocou o ingrediente cálamo por raiz de galanga. Alguns dizem que isso é um erro de tradução. Outros pensam que ele fez a substituição para diferir da receita bíblica. e azeite. Mathers trocou o ingrediente cálamo por raiz de galanga. Alguns dizem que isso é um erro de tradução. Outros pensam que ele fez a substituição para diferir da receita bíblica.

Na tradição judaica, a azeitona é um símbolo de felicidade e segurança doméstica, a mirra é sagrada para o Senhor, o cálamo é conhecido por sua doçura e representa a fertilidade e o amor, enquanto a canela é favorecida por sua capacidade de aquecimento.

Em Hoodoo, esses simbolismos são ligeiramente diferentes: a mirra e a azeitona permanecem inalteradas, mas a canela é usada para dinheiro e sorte, e o cálamo é usado para controlar sutilmente os outros. Se incluirmos a raiz galanga de Mather na mistura, encontraremos uma raiz que é usada para proteção e trabalho em processos judiciais. Em Hoodoo, a galanga é amplamente conhecida como ‘Chewing John’ ou ‘Little John to Mastigar’. Um velho truque do Hoodoo para ganhar um caso no tribunal é mastigar um pouco de galanga e cuspir o suco no chão do tribunal quando você entra. Hoje, a maioria dos profissionais sugere adicionar algumas peças dentro dos sapatos antes de comparecer ao tribunal.

Contém canela, cássia, mirra e galanga em uma base de óleo de coco fracionado.

Os ingredientes e os métodos de preparação 

Existem, especialmente entre os ocultistas de língua inglesa, numerosas formas variantes do óleo de Abramelin.

Abramelin óleo 

O óleo é descrito no Livro de Abramelin por Abraham of Worms, um judeu de Worms, Alemanha , que presumivelmente viveu de c.1362 a c.1458. Na tradução em inglês The Book of Abramelin: A New Translation (2006) por Steven Guth de Georg Dehn, que foi compilado de todas as fontes de manuscritos alemães conhecidas, [1] [2] [3] [4] a fórmula é a seguinte :

Pegue uma parte da melhor mirra , metade de uma parte de canela , uma parte de cássia , uma parte de raiz de galanga e um quarto do peso total combinado de um bom azeite fresco . Transforme-os em uma pomada ou óleo como é feito pelos químicos. Guarde-o em um recipiente limpo até que você precise. Coloque o recipiente junto com os outros acessórios no armário sob o altar. [5]

A tradução de Guth da receita pode estar incorreta. As fontes alemãs listam claramente ” Calmus ” ou ” Kalmus “. Mas, em vez de cálamo , Guth traduziu estes como “root galanga” ( galanga ). Levando isso em consideração, os cinco ingredientes listados por Abraão de Worms no Livro de Abramelin são idênticos aos listados na Bíblia . Apenas as proporções são ligeiramente diferentes (metade versus uma parte do cálamo ).

Na primeira edição impressa, Peter Hammer, 1725, a receita diz:

Nimm Myrrhen des besten 1 Theil, Zimmt 1/2 Theil, soviel des Calmus als Zimmet, Cassien soviel als der Myrrhen im Gewicht und gutes frisches Baumöl … “(Pegue 1 parte do melhor mirra, 1/2 parte de canela, como tanto cálamo quanto canela, tanto de cássia quanto mirra em peso e bom óleo de árvore fresco …) [6]

Observe que as proporções nesta edição estão de acordo com a receita do óleo da Santa unção da Bíblia ( Êxodo 30: 22-25):

Toma também para ti as especiarias principais, de mirra pura quinhentos siclos, e de canela doce até a metade, mesmo duzentos e cinquenta siclos, e de kaneh bosem duzentos e cinquenta siclos, e de cássia quinhentos siclos, após o siclo do santuário, e de azeite de oliva e de him: E dele farás um óleo sagrado para ungüento, um ungüento composto segundo a arte do boticário; esse será o óleo sagrado para as unções. [7]

Óleo de Abramelin Samuel Mathers’ 

De acordo com a tradução inglesa de SL MacGregor Mathers de 1897, que deriva de uma cópia manuscrita francesa incompleta de O Livro de Abramelin , a receita é:

Você deve preparar o óleo sagrado da seguinte maneira: Tome mirra em lágrimas, uma parte; de canela fina, duas partes; de galanga meia parte; e a metade do peso total dessas drogas do melhor azeite. Os quais aromáticos misturarás segundo a arte do boticário, e farão dele um bálsamo, que guardareis em um frasco de vidro que porás no armário (formado pelo interior) do altar. [8]

Os quatro ingredientes listados por Mathers em sua tradução de O Livro da Magia Sagrada de Abramelin, o Mago (1897) são Mirra, Canela, Galanga e Azeite. A palavra que ele traduziu do francês como ” Galanga ” é na verdade a palavra ” Cálamo “. Os outros manuscritos existentes também listam “Cálamo” como o ingrediente. Não se sabe se o uso de Galanga por Mathers em vez de Calamus foi intencional ou uma tradução incorreta, mas resultou em várias mudanças notáveis, incluindo simbolismo e uso.

Uma vez que Cinnamon e Cassia são duas espécies do mesmo gênero Cinnamomum , sua duplicação em um nome pelo tradutor do manuscrito francês não é inesperado. Suas razões para fazer isso podem ter sido motivadas por uma decisão piedosa de evitar a duplicação do verdadeiro óleo sagrado , ou por uma admissão tácita de que na Europa medieval, era difícil obter canela e cássia como produtos separados.

Óleo de Abramelin feita com óleos essenciais 

Uma receita para o óleo de Abramelin usando óleos essenciais é a seguinte:

  • meia parte de óleo essencial de canela
  • 1 parte de óleo essencial de mirra
  • 1 parte de óleo essencial de cálamo
  • 1 parte de óleo essencial de cássia
  • um quarto do peso total anterior de azeite

Uma vez que os antigos perfumistas e boticários nunca compunham suas fragrâncias misturando óleos essenciais em uma proporção tão grande em relação aos óleos veiculares – porque a fórmula original era para ser destilada após a maceração, não antes – é possível restaurar as proporções para algo parecido com o que eles deveriam ter sido se a maceração e destilação tivessem ocorrido “de acordo com a arte do boticário”:

  • meia parte de óleo essencial de canela
  • 1 parte de óleo essencial de mirra
  • 1 parte de óleo essencial de cálamo
  • 1 parte de óleo essencial de cássia
  • 7 partes de azeite

Este é um óleo altamente perfumado que pode ser aplicado na pele em quantidades mais generosas; é uma aproximação próxima e moderna do óleo descrito por Abramelin a Abraão de Worms .

Variação do óleo essencial da receita bíblica:

  • 1 parte de óleo de mirra
  • 1 parte de óleo de cássia
  • 1/2 parte de óleo de folha de canela
  • 1/2 parte do óleo ” keneh bosem “, que às vezes é soletrado ” kaneh bosem ” (consulte o artigo Óleo da santa unção, seção “Identificação de kaneh bosem” )
  • 7 partes de azeite.

O óleo sagrado da unção bíblico descrito em Êxodo 30: 22–25 foi criado a partir de: [9] [10]

  • Puro mirra (מר דרור Molde: Tranl ) 500 shekéis (cerca de 6 kg / 13 1 / 5 lb)
  • Doce canela (קינמון בשם kinnemon besem ) 250 shekéis (cerca de 3 kg / 6 3 / 5 lb)
  • Kaneh bosem (קְנֵה-בֹשֶׂם kaneh bosm ) 250 shekéis (cerca de 3 kg / 6 3 / 5 lb)
  • Cássia (קדה kiddah ) 500 shekéis (cerca de 6 kg / 13 1 / 5 lb)
  • Azeite (שמן זית shemen sayith ) um hin (cerca de 5 quartos de acordo com Adam Clarke; cerca de 4 litros de acordo com Shiurei Torá , 7 litros de acordo com Chazon Ish )

Petróleo macerado Abramelin 

Uma receita para o óleo de Abramelin baseada no manuscrito francês:

  • 4 partes de penas de casca de canela, reduzidas a pó
  • 2 partes de resina de mirra, finamente moída
  • 1 parte de raiz picada de cálamo, reduzida a pó
  • metade do peso total anterior de azeite

A mistura é macerada por um mês, depois decantada e engarrafada para uso, produzindo um óleo perfumado adequado para ungir qualquer parte do corpo e não queimar a pele. Pode ser aplicado liberalmente, à maneira dos óleos sagrados judaicos tradicionais , como aquele que foi derramado na cabeça de Aarão até escorrer por sua barba. Não é, porém, feito “segundo a arte do boticário”, visto que não é destilado após a maceração, mas decantado em garrafas.

Macerada Abramelin óleo Mathers 

Fazer o óleo de Abramelin de acordo com a tradução de SL MacGregor Mathers de 1897 do manuscrito francês requer a composição do óleo a partir de ingredientes crus. A proporção fornecida no livro é a seguinte:

  • 4 partes de penas de casca de canela, reduzidas a pó
  • 2 partes de rasgos de resina de mirra, finamente moídos
  • 1 parte de raiz fatiada de galanga, reduzida a pó
  • metade do peso total anterior de azeite

Essa mistura é macerada por um mês e, em seguida, usando uma prensa de perfume de boticário, o óleo é separado e engarrafado para uso. O resultado é um óleo perfumado adequado para ungir qualquer parte do corpo e não queimar a pele.

Como os óleos essenciais representam em média cerca de 2% da matéria-prima, é possível fazer o óleo desta forma utilizando óleos essenciais, multiplicando o peso total por 25 [50 pelo peso total, dividido por 2] pela quantidade de azeite ou suficiente azeite para garantir que os óleos essenciais sejam completamente dissolvidos. Isso terá o mesmo efeito de o óleo não queimar mais a pele. Uma vez dissolvido, o azeite mudará de verde para prateado.

Óleo de Abramelin feita com óleos essenciais 

No início do século 20, o ocultista britânico Aleister Crowley criou sua própria versão do Óleo de Abramelin, que ele chamou de “Óleo de Abramelin”, e às vezes referido como o “Óleo Sagrado da Aspiração”. Foi baseado na substituição de Galanga por Calamus por SL MacGregor Mathers . Crowley também abandonou o método de preparação do livro – que especifica a mistura de “lágrimas” (resina) de mirra e canela “fina” (finamente moída) – em vez de optar por misturar óleos essenciais destilados com uma pequena quantidade de azeite. Sua receita (de seu Comentário ao Liber AL vel Legis [1] ) é o seguinte:

  • 8 partes de óleo essencial de canela
  • 4 partes de óleo essencial de mirra
  • 2 partes de óleo essencial de galanga
  • 7 partes de azeite

Pesou suas proporções de óleos essenciais de acordo com a receita especificada pela tradução de Mathers para pesar as matérias-primas. O resultado é dar à Canela uma presença forte, de forma que, quando colocada sobre a pele, “arde e salte pelo corpo com uma intensidade como a do fogo”. [11] Esta fórmula é diferente da receita do grimório e não pode ser usada para práticas que exigem que o óleo seja derramado sobre a cabeça. Em vez disso, Crowley pretendia que fosse aplicado em pequenas quantidades, geralmente no topo da cabeça ou na testa, e para ser usado para unção de equipamento mágico como um ato de consagração.

Óleo duplamente consagrada de Abramelin receita 

É possível adicionar 1 parte de um lote previamente consagrado da versão Crowley do óleo de Abramelin a cada novo lote. Isso pode ser feito por motivos mágicos e não altera as proporções dos ingredientes.

Simbolismo dos ingredientes 

Muitas tradições de magia trabalham com materiais vegetais, e a maioria também atribui alguns significados simbólicos ou atribuições a esses ingredientes.

Na tradição judaica, de onde veio a receita bíblica original em que se baseia o óleo de Abramelin, a azeitona é um símbolo de felicidade doméstica e estabilidade, a mirra é considerada sagrada para o Senhor, Cálamo é conhecido por sua doçura e corpo de frutificação faliforme e significa fertilidade e amor, enquanto a canela é favorecida por sua capacidade de aquecimento.

Na magia popular do hoodoo , esses simbolismos mudaram um pouco: a mirra e a azeitona permanecem as mesmas, mas a canela é para dinheiro e sorte, e Cálamo é usado para controlar docemente os outros. (A alternativa Matheriana, Galanga, é empregada em trabalhos de proteção, especialmente aqueles envolvendo processos judiciais.)

Crowley também tinha uma visão simbólica dos ingredientes que encontrou na tradução de Mathers:

Este óleo é composto por quatro substâncias. A base de tudo é o azeite de oliva. A azeitona é, tradicionalmente, um presente de Minerva, a Sabedoria de Deus, o Logos. Neste são dissolvidos três outros óleos; óleo de mirra, óleo de canela, óleo de galanga. A mirra é atribuída a Binah, a Grande Mãe, que é tanto a compreensão do Mago quanto aquela tristeza e compaixão que resultam da contemplação do Universo. A Canela representa Tiphereth, o Sol – o Filho, em quem Glória e Sofrimento são idênticos. A Galanga representa Kether e Malkuth, o Primeiro e o Último, o Um e os Muitos, visto que neste Óleo eles são Um. […] Esses óleos tomados juntos representam, portanto, toda a Árvore da Vida. As dez Sephiroth são combinadas no ouro perfeito. [12]

Óleo de Abramelin na tradição oculta 

A popularidade original do óleo de Abramelin baseou-se na importância que os mágicos colocam nas tradições judaicas dos óleos sagrados e, mais recentemente, na tradução de SL MacGregor Mathers do Livro da Magia Sagrada de Abramelin, o Mago (1897) e no ressurgimento do ocultismo do século XX , como encontrado nas obras da Ordem Hermética da Golden Dawn e Aleister Crowley , e desde então se espalhou para outras tradições ocultas modernas.

Por derivar da fórmula do óleo sagrado judaico, o óleo de Abramelin também é usado entre os cabalistas judeus e cristãos que não estão realizando especificamente as obras descritas por Abraão de Worms . No entanto, o óleo pode ser usado no curso de atividades rituais descritas no livro de Abramelin, o Mago , a fim de obter os resultados que ele prometeu àqueles que aplicaram com sucesso seu sistema de “Ciência Divina” e “Verdadeira Magia”, ou seja, os presentes de voar, encontrar tesouros e invisibilidade, bem como o poder de lançar feitiços de amor eficazes.

Óleo de Abramelin

 Aleister Crowley , o fundador de Thelema , e ele usou sua versão ao longo de sua vida. No sistema místico de Crowley, o óleo passou a simbolizar a aspiração ao que ele chamou de Grande Obra – “O óleo consagra tudo que é tocado com ele; é sua aspiração; todos os atos realizados de acordo com isso são sagrados.”

Crowley continuou dizendo:

O óleo sagrado é a aspiração do mago; é isso que o consagra à realização da Grande Obra; e tal é sua eficácia que também consagra todos os móveis do Templo e seus instrumentos. É também a graça ou crisma; pois essa aspiração não é ambição; é uma qualidade concedida de cima. Por isso o mago ungirá primeiro o topo de sua cabeça antes de proceder à consagração dos centros inferiores por sua vez (…) É a pura luz traduzida em termos de desejo. Não é a vontade do mago, o desejo do inferior de alcançar o superior; mas é aquela centelha do superior no mago que deseja unir o inferior consigo mesmo. [12]

Este óleo é atualmente usado em várias cerimônias da igreja Thelêmica, Ecclesia Gnostica Catholica , incluindo os ritos de Confirmação e Ordenação . Também é comumente usado para consagrar instrumentos mágicos e móveis de templos. A hóstia eucarística da Missa Gnóstica – chamada de Bolo de Luz – inclui esse óleo como um ingrediente importante.

Efeitos da receita Mathers’ e uso de  óleos essenciais 

O uso de Mathers do ingrediente galanga em vez de cálamo e / ou o uso inovador de Crowley de óleos essenciais em vez de ingredientes crus resultou em algumas mudanças na receita original:

  • Perfume : os óleos de Mathers e Crowley têm um aroma diferente do óleo de Abramelin judeu. O cheiro da galanga é gengibre e picante, enquanto o cálamo é floralmente doce, embora um pouco fermentado – embora o cheiro do óleo final seja fortemente canela.
  • Simbolismo : No simbolismo botânico mágico judaico, grego e europeu, a atribuição dada à bandeira doce ou cálamo é geralmente a de fertilidade, devido à forma do corpo frutífero da planta. Crowley deu o seguinte significado cabalístico para galanga: “Galanga representa Kether e Malkuth , o Primeiro e o Último, o Um e os Muitos.” Assim, a substituição de Crowley muda o simbolismo para a unidade microcosmo / macrocosmo, que reflete o objetivo místico de Thelema – a união do adepto com o Absoluto. [13]
  • Sensação na pele : A receita original do Óleo de Abramelin não irrita a pele e pode ser aplicada de acordo com as práticas mágicas e religiosas tradicionais judaicas e cristãs. A receita de Crowley tem uma concentração muito maior de canela do que a receita original. Isso resulta em um óleo que pode ser visivelmente quente na pele e pode causar erupções cutâneas se aplicado em excesso. [14]
  • Toxicidade digestiva : a galanga é comestível, o cálamo não, pois apresenta alguma toxicidade. Isso é certamente relevante para aqueles que usam o Óleo de Abramelin de Crowley como ingrediente principal para o Bolo de Luz eucarístico , dando a ele um sabor opiáceo suave (da mirra) e um travo picante (da canela e da galanga parecida com gengibre). O uso pesado de cálamo em tal receita tornaria o hospedeiro intragável. [15]

Veja também 

  • Óleo sagrado da unção
  • Santo Anjo Guardião
  • Magick
  • Misticismo
  • Lista de termos e tradições mágicas

Notas 

  1. ^ Abraham eines Juden von Worms untereinander versteckte zum Theil aus der Kabala e Magia gezogene, zum Theil durch vornehme Rabbiner als Arabern un anderen assim wie auch von seinem Vater Simon erhaltene, nachgehend, aber meisten Theils selbst erfahrene un probirte, em diese nachfolgende Schrift verfaste und endlich an seinen jüngeren Sohn Lamech hinterllaßene Künste: so geschehen ud geschrieben circa Annum 1404 . Biblioteca Wolfenbüttel, Codex Guelfibus 10.1.
  2. ^ Abraham ben Simon bar Juda ben Simon. Das Buch der wahren praktik von der alten Magia . Anno 1608. Biblioteca Wolfenbüttel, Codex Guelfibus 47.13.
  3. ^ Cabala Mystica Aegyptiorum e Patriarchum . Anônimo. Staxon State and University Library, Dresden. MS N 161.
  4. ^ Magia Abraham ou Underricht von der Heiligen Cabala . Signatur TS. Biblioteca da Universidade e do Estado da Saxônia, Dresden. MS M 111.
  5. ^ Livro de Abramelin: Uma Nova Tradução , Abraham of Worms, editado por Georg Dehn, Livro 3, pág. 100
  6. ^ Abraham von Worms. Die egyptischen großen Offenbarungen, in sich begreifend die aufgefundenen Geheimnisbücher Mosis; oder des Juden Abraham von Worms Buch der wahren Praktik in der uralten göttlichen Magie und erstaunlichen Dingen, wie sie durch die heilige Kabbala und durch Elohym mitgetheilt worden. Sammt der Geister – und Wunder-Herrschaft, bem-vindo Moses in der Wüste aus dem feurigen Busch erlernet, alle Verborgenheiten der Kabbala umfassend . Köln, 1725.
  7. ^ Êxodo 30: 22-25
  8. ^ O Livro da Sagrada Magia de Abramelin, o Mago (1897), traduzido do francês por SL MacGregor Mathers, cap. 11
  9. “Êxodo 30: 23-25 ​​- Passage Lookup – King James Version” . BibleGateway.com Página visitada em 2010-08-18 .
  10. ^ Comentário sobre a Bíblia, de Adam Clarke
  11. ^ Crowley, Magick, Livro 4 , p.60
  12. Vá até:b Crowley,Magick, Livro 4, cap. 5
  13. ^ http://www.hermetic.com/crowley/aba/app2.html Crowley, A. Magick, Book4 , Apx. 2
  14. ^ (Tisserand & Balacs, 1995)
  15. “Informações sobre Calamus (Acorus calamus)” . Arquivado do original em 07/05/2012 Página visitada em 2007-01-10 .

Referências 

  • Abraham von Worms, editado por Beecken, Johann Richard. (1957). Die heilige Magie des Abramelin von Abraham. ISBN 3-87702-017-8
  • Abraham von Worms, editado por Dehn, Georg. Buch Abramelin das ist Die egyptischen großen Offenbarungen. Oder des Abraham von Worms Buch der wahren Praktik in der uralten göttlichen Magie . (Edições Araki, 2001) ISBN 3-936149-00-3
  • Abraham of Worms, editado por Dehn, Georg. Livro de Abramelin: Uma Nova Tradução . (Nicholas Hays, setembro de 2006) ISBN 0-89254-127-X
  • Abraham of Worms, traduzido e editado por Mathers, SL MacGregor. O Livro da Sagrada Magia de Abramelin, o Mago . (1897; reimpresso por Dover Publications, 1975) ISBN 0-85030-255-2
  • Abraham of Worms, editado por von Inns, Juerg. Das Buch der wahren Praktik in der goettlichen Magie. Diederichs Gelbe Reihe. (1988).
  • Crowley, Aleister. Magick: Livro 4. 2ª ed. York Beach, Me. : S. Weiser, 1997.
  • Koenig, Peter R. (1995). Abramelin & Co. Hiram-Edition. ISBN 3-927890-24-3
  • Tisserand, Robert & Balacs, Tony. (1995). “Segurança de óleo essencial: um guia para profissionais de saúde” ISBN 0-443-05260-3

Fonte: Wikipédia english

Similar Posts