Artigos do Portal:
#Constelações e estrelas visíveis na Terra#Ashtalakshmi – As 8 formas de Lakshmi#As Mulheres e o Desenvolvimento das Habilidades Sociais / Soft-Skils#As mais antigas formas de representação do feminino divino (sagrado feminino)#Bete-Seba (Bethsheba), Mãe de Salomão, Esposa do Rei David#Deusas e outras Divindades das Águas#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Maria: Mãe de Jesus#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida (usado como Oráculo e no Horóscopo Celta)#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Astrologia Celta, do Horoscopo Celta – Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Horóscopo Sideral, Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Mitologia Feminina

Deusas Maias

Os 13 níveis do céu maia

O céu maia

O céu da antiga visão de mundo maia era dividido em 13 níveis, cada um dos quais governado por um Oxlahuntikú.

O submundo maia

O submundo foi dividido em 9 níveis onde os Bolontikú ou Senhores da Noite residiam, cada um vivendo em um nível.

A abóbada celestial

A visão maia da abóbada celestial era que ela era sustentada por 4 deuses chamados Bacabés. Esses 4 deuses estavam relacionados aos quatro pontos cardeais estavam ao lado deles estava uma Ceiba Sagrada, uma árvore que havia dado sustento aos primeiros homens.

Características duplas dos deuses maias

Às vezes pode ser difícil identificar os deuses maias, principalmente porque muitos deles tinham características duais, como humano-animal, velho-jovem, homem-mulher.
Os casos populares são os da deusa Ixchel, que pode ser encontrada já idosa e em outras representações a encontramos ainda jovem.

Deusas maias

Akhushtal
Uma deusa do parto.
Akna
(Acna) Uma Deusa da maternidade e do parto, Ela está associada à lua e aos Bacabs (os quatro deuses canpóicos que estão nos quatro cantos do mundo, sustentando os céus).
Alaghom Naom
(Alaghom Naum, Ixtat Ix) A deusa-mãe maia. Ela está especialmente associada ao pensamento e ao intelecto, e é conhecida como “Mãe da Mente”.

Alaghom Naom Tzentel
Uma antiga deusa maia do pensamento e do intelecto.
Chiberias
Uma deusa maia da terra.


Chimalmat
Uma virgem maia que concebeu um filho depois que o Senhor da Existência soprou sobre ela.

Deusa da Lua Ch’en e a primeira entidade feminina a ter relações sexuais.


Chirakan
Uma deusa criadora que foi formada quando os quatro deuses responsáveis ​​pela criação do mundo se dividiram e se tornaram oito.

Colel Cab
Uma deusa maia da terra.

“I”
Uma deusa cujo nome se acredita ser algo como “Ixik”, mas é incerto. Ela é uma das primeiras Deusas da água – nascentes, poços e talvez o mar.

Ixazalvoh
(Ixalvoh) (‘água’) Ela é a consorte de Hunab-Ku (o deus do sol Kinich Ajaw, em algumas histórias), e o inventor e deusa da tecelagem. Ela também é uma deusa da sexualidade feminina e do parto com poderes curativos e oraculares.

Ix Chebel Yax
A deusa maia da tecelagem e consorte de Itzamna (deus benevolente do céu e pai dos deuses).


Ixchel
(“arco-íris”) O Tecelão ou Creatrix, consorte de Itzamna (deus do céu). Ela é a deusa da gravidez, do parto, da medicina, da cura, da tecelagem e das artes domésticas, adorada em todo o Iucatão maia como a rainha vivificante. Ela incorpora o poder de cura que as culturas antigas atribuíam às sábias mulheres mais velhas. O rito de passagem para a feminilidade exigia a confecção de uma imagem de argila de Ixchel, viajando para seu templo na sagrada Ilha das Mulheres (Isla Mujeres) e realizando uma quebra ritualística da imagem.

Ixchel (a lua) era amante do Sol, mas ficou com ciúmes de seu irmão, a estrela da manhã, acusando-os de serem amantes. Ele jogou Ixchel dos céus e ela se refugiou na divindade abutre. O Sol a seguiu e a atraiu de volta para casa mais uma vez, apenas para ficar com ciúmes novamente. Ixchel, compreensivelmente cansado das ações do sol, deixou-o e vagou pelos céus como ela desejava, tornando-se invisível se o sol se aproximasse dela.

Ixchel é idêntica à Mulher Aranha, a Creatrix amplamente adorada pelos povos nativos da América do Norte e mostra muitas semelhanças com a deusa asteca Chalchihuitlicue. Ela é normalmente representada como uma velha nodosa e um tanto sinistra, com um penteado semelhante a uma medusa e uma saia de osso. Ela é retratada com uma cobra como faixa para a cabeça e sua saia é bordada com ossos cruzados.

Ix Ch’up
Uma deusa maia da lua.
Ixmucane
Ela está entre as treze divindades que tentaram uma nova criação.
Ixzaluoh
Uma deusa maia da água.
Ixtab
Um deus da morte, do laço e da forca. Ela é a padroeira daqueles que morrem por enforcamento ou por suicídio. Os maias acreditavam que suicidas, guerreiros mortos, vítimas de sacrifícios, padres, mulheres que morreram no parto ou aquelas que morreram por enforcamento eram imediatamente reunidos por Ixtab e levados ao paraíso eterno. Ela é retratada com uma corda em volta do pescoço, pendurada em uma árvore, os olhos fechados na morte e seu corpo parcialmente decomposto.
Mayahuel
A deusa maia que descobriu o pulque , uma bebida fermentada que foi a precursora da tequila.
Xmucane
A deusa maia do parto. Ela era a consorte de Xpiyacoc (deus do casamento) e a mãe de Um Hunahpu e Sete Hunahpu (poderosos guerreiros).
Xpuch e Xtah
Duas donzelas da tribo Vuc Amag que foram forçadas a se oferecer aos deuses Tohil, Avilix e Hacavitz, que deixariam a tribo em paz se as donzelas retornassem com a prova de que haviam sido violadas pelos deuses. Este conto aparece no Popol Vuh , um antigo manuscrito maia que combina personagens mitológicos e história.
Xquiq
(“sangue”) Outra história do Popol Vuh. Um dia Xquiq passou por uma árvore de frutas proibidas e colheu uma das frutas. A cabaça que ela escolheu foi a cabeça de Hunhun-Apu. Ele disse a ela para não temê-lo, pois ela teria um filho em breve. Quando o pai dela soube disso, ele enviou quatro corujas para matá-la e trazer o coração dela de volta para ele em um vaso. Ela convenceu as corujas a não machucá-la, mas a trazer não seu coração, mas a seiva coagulada da erva-do-sangue, de volta para seu pai. Xquiq foi para Xmucane, a mãe de Hunhun-Apu, para proteção. No início, Xmucane não acreditou na história da garota, mas as duas mulheres logo se aproximaram e não demorou muito para que Xquiq desse à luz Hun-Apu e Xbalanque. Assim, ela é uma divindade de fertilidade e maternidade.

eusas

Deusa Poder
Akna Uma deusa da fertilidade e do parto.
Awilix Deusa da lua e uma deusa da noite.
Colel Uma deusa das abelhas.
Ixazaluoh Uma deusa da água e da tecelagem.
Ixchel Uma deusa do parto e da medicina.
Ixtab A deusa do suicídio.

Existem muitos outros seres sobrenaturais como demônios na cultura maia também. Muitas histórias sobre como os deuses derrotaram os seres demoníacos também são populares.

 

Ixchel ou deusa I

Deuses Maias – Ixchel

Ixchel é a deusa mais importante do panteão maia e, por ter sido encontrada em diferentes representações com o deus Itzamná, são considerados marido e mulher.

Esta deusa foi representada com os seguintes aspectos e eventos da cultura maia:

  • Ela foi associada a ciclos lunares e fertilidade.
  • Acreditava-se que representava a água em sua forma mais destrutiva, como enchentes e outros desastres naturais relacionados à água.
  • Ela era a protetora de mulheres grávidas, parteiras e curandeiras, bem como de outros aspectos da medicina em geral.
  • Ela estava relacionada a diferentes expressões artísticas como a criação de tecidos, pintura, canto e dança.
  • Ela era conhecida como a Senhora Brilhante ou Senhora do Arco-Íris.
  • Por outro lado, sua figura também está associada a doenças e à destruição do mundo, o que contrasta com os atributos citados.

Tudo isso fez da deusa da lua a divindade feminina mais relevante entre os principais deuses dos maias.

Representação da Deusa Maia Ixchel

Representación de la diosa Ixchel en el lado izquierdo.

Representação de Ixchel à esquerda.

A Deusa Ixchel é representada de muitas maneiras diferentes, como:

  • Carregando uma cobra na cabeça.
  • Uma saia com ossos em forma de cruz.
  • Segurando um coelho com uma das mãos e uma flor com a outra.
  • Ela poderia ser representada como uma jovem (lua crescente) transbordando de beleza ou como uma velha (lua minguante) com seios caídos e estrias no abdômen.

Jovem Ixchel

No período clássico (250 – 950), ela era representada como uma jovem dentro de um símbolo da lua. Na maioria das esculturas contemporâneas, ela é representada como uma jovem ajoelhada, em alguns casos carregando um coelho, o símbolo quintessencial da Lua.

Ixchel como uma velha

Em muitas de suas representações, uma mulher de longa data pode ser encontrada despejando água em um recipiente ou tecendo enquanto o sol nasce, razão pela qual ela também é conhecida como a deusa do comércio.
Ela tem símbolos relacionados à morte, como uma cobra retorcida na cabeça ou ossos cruzados na saia. Ela também é encontrada nos códices como uma velha que esvazia uma jarra d’água no chão ou com um tear amarrado na cintura.

Presente veneração da deusa Ixchel

Todos os anos, a deusa Ixchel é celebrada em um evento onde eles remaram em canoas de Xcaret , a um dos mais importantes templos dedicados a essa deusa localizado em Cozumel , assim como os maias pré-hispânicos faziam.
Vale ressaltar que Isla Mujeres também foi dedicada à adoração da deusa Ixchel.

Ixchel * L * [deusa O]Deusa Jaguar da obstetrícia e da medicina.

IxCacao – A Deusa Maia do Chocolate

IXCACAO - Goddess Gift | History of chocolate, Ancient ...

(Pintura do altar IxCacao de Ginger Strivelli)

IxCacao é a Deusa Maia do Cacau e do Chocolate que é feito do fruto dessa árvore.

Ela era frequentemente invocada em oração junto com a Mãe do Milho, o Deus da Chuva e outras divindades agrícolas.

Uma oração citada de uma antiga lenda maia para promover uma boa colheita em tempos de fome diz:

Ixcanil, Deusa da Semente, ouça-me.
Ixtoq, Deusa da Chuva, me ajude.
Ixcacao, Deusa do Chocolate, veja minhas lágrimas e venha em meu auxílio.

A Deusa do Chocolate também era adorada por outras tribos na América Central e do Sul.
Os astecas associavam o chocolate com Xochiquetzal, que é a deusa da fertilidade, flores e frutas.

Os astecas se divertiram com uma bebida de chocolate e mel de milho com som estranho em homenagem a Ela e à Mãe do Milho. A receita é a seguinte:

_________Bebida de milho com chocolate Aztec_________

1/4 xícara de milho seco, torrado e embebido durante a noite em 1 xícara de água
1 feijão de baunilha mexicano (cozido em 1 xícara de água)
1/4 lb. de grãos de cacau, torrado escuro
3/4 xícara de mel (mais ou menos ‘a gosto’, como dizem … também pimentões eram tradicionalmente adicionados a gosto, mas como YUCK!)
a preparação moderna é MUITO mais fácil do que a forma tradicional que era feita … Graças aos deuses!
(na noite anterior) Torrar milho (ou farinha de milho pode ser usado) em uma frigideira seca e deixe de molho durante a noite em um copo de água.
Depois, no dia seguinte, triture os grãos do cacau (ou use um bom coco já em pó)
no liquidificador com água quente o suficiente para formar um molho e misture com o mel.
Ferva a fava de baunilha em um copo de água por cerca de 10 minutos e adicione essa mistura à mistura de milho e à mistura de chocolate. Misture todos os ingredientes com água gelada.

————————

O Deus da Chuva, Chac e a Deusa da Lua e tecelagem, IxChel compartilhando um Chocolate …. do Codex de Madrid.

Receita de bebida de chocolate quente maia

2 xícaras de água fervente
1 pimenta chile cortada ao meio remova as sementes com luvas … ou pule esta etapa se você tiver sentido.
5 xícaras de leite (ou creme)
1 feijão de baunilha, dividido
2 ou 3 paus de canela
8 onças de chocolate amargo ou 3 comprimidos de chocolate mexicano, cortado em pedaços de 1/4 de polegada
Adicione açúcar ou mel a gosto
Em uma panela em fogo médio-alto , adicione pimenta à água fervente. Cozinhe até que o líquido se reduza a 1 xícara.
Retire a pimenta malagueta; Coe a água e reserve. (ou novamente pule esta etapa, os maias e astecas tinham intestinos mais fortes do que nós … lembre-se de que eles cortaram corações ainda batendo de seus inimigos.)

Em uma panela média em fogo médio, misture o leite (ou creme), fava de baunilha e paus de canela até começarem a formar-se bolhas.
Reduza o fogo e acrescente chocolate e açúcar ou mel; bata frequentemente até que o chocolate derreta e o açúcar se dissolva.
Retire do fogo, retire a fava de baunilha e os paus de canela. Adicione água com infusão de chile, se tiver coragem.
————————–

Ix Chel – Deusa (s) Maia (s) da Lua, Fertilidade e Morte

Ka & # 39; na Nah ou High House em San Gervasio, Cozumel
 Possível localização do Oráculo Ixchel em San Gervasio.

Ix Chel (às vezes soletrado Ixchel) é, de acordo com a tradição arqueológica de longa data, a deusa da lua maia, uma das mais importantes e antigas divindades maias , ligada à fertilidade e à procriação. Seu nome Ix Chel foi traduzido como “Lady Rainbow” ou como “She of the Pale Face”, uma alusão à superfície da lua.

Fatos rápidos: Ix Chel

  • Conhecido por: Deusa da Lua, fertilidade, amor físico, tecelagem.
  • Religião: Maia do período clássico e pós-clássico tardio.
  • Também conhecida como: Lady Rainbow, She of the Pale Face, Goddess I e Goddess O.
  • Aparência: Dois aspectos: uma mulher jovem e sensual e uma velha.
  • Santuários: Cozumel e Isla Mujeres, México.
  • Aparências: códices de Madri e Dresden.

De acordo com os registros coloniais espanhóis, os maias pensavam que a deusa da lua vagava pelo céu e, quando ela não estava no céu, dizia-se que vivia nos cenotes (buracos naturais cheios de água). Quando a lua minguante apareceu novamente no leste, as pessoas fizeram peregrinações ao santuário Ix Chel em Cozumel.

No panteão tradicional de deuses e deusas maias, Ix Chel tem dois aspectos, o de uma jovem mulher sensual e uma velha idosa. No entanto, esse panteão foi construído por arqueólogos e historiadores com base em uma ampla variedade de fontes, incluindo iconografia, história oral e registros históricos. Ao longo das décadas de pesquisa, os maias frequentemente debateram se combinaram incorretamente duas divindades femininas (Deusa I e Deusa O) em uma Deusa da Lua.

Deusa I

O aspecto principal da Deusa I é como uma esposa jovem, bonita e totalmente sexy, e ela é ocasionalmente associada a referências ao crescente lunar e aos coelhos, uma referência pan-mesoamericana à lua. (Na verdade, muitas culturas veem um coelho no rosto da lua, mas isso é outra história). Ela geralmente aparece com um apêndice em forma de bico saindo de seu lábio superior.

A Deusa I é conhecida como Ixik Kab (“Senhora da Terra”) ou Ixik Uh (“Senhora da Lua”) nos livros maias conhecidos como códices de Madri e Dresden , e no códice de Madri ela aparece tanto como uma versão jovem quanto envelhecida. A Deusa I preside o casamento, a fertilidade humana e o amor físico. Seus outros nomes incluem Ix Kanab (“Filho da Senhora dos Mares”) e Ix Tan Dz’onot (“Filho dela no meio do Cenote “).

Ixik Kab é associado à tecelagem no período pós-clássico , e a forma envelhecida de Ixik Kab é freqüentemente mostrada tecendo e / ou usando um par de elementos parecidos com chifres em sua cabeça que provavelmente representam fusos .

Deusa O

A Deusa O, por outro lado, é uma mulher idosa e poderosa, identificada não apenas com o nascimento e a criação, mas também com a morte e a destruição do mundo. Se essas são deusas diferentes e não aspectos da mesma deusa, é mais provável que a Deusa O seja a Ix Chel dos relatórios etnográficos. A Deusa O é casada com Itzamna e, portanto, é um dos dois “deuses criadores” dos mitos de origem maia.

A Deusa O tem uma série de nomes fonéticos, incluindo Chac Chel (“Arco-íris Vermelho” ou “Grande Fim”). A Deusa O é retratada com um corpo vermelho e, às vezes, com aspectos felinos, como garras e presas de onça; às vezes ela usa uma saia marcada com ossos cruzados e outros símbolos de morte. Ela é intimamente identificada com o deus maia da chuva Chaac (Deus B) e frequentemente vista ilustrada com imagens de derramamento de água ou inundação.

O fato de o nome da Deusa O significar arco-íris e destruição pode ser uma surpresa, mas, ao contrário de nossa sociedade ocidental, os arco-íris não são bons presságios para os maias, mas são maus, a “flatulência dos demônios” que surge de poços secos. Chac Chel está associado à tecelagem, produção de tecidos e aranhas; com água, cura, adivinhação e destruição; e com fazer filhos e dar à luz.

Quatro deusas?

A Deusa da Lua da mitologia maia pode, na verdade, ter muitos outros aspectos. Os primeiros viajantes espanhóis no início do século 16 reconheceram que havia uma próspera prática religiosa entre os maias dedicada a ‘aixchel’ ou ‘yschel’. Os homens locais negaram saber o significado da deusa; mas ela era uma divindade dos grupos Chontal, Manche Chol, Yucatec e Pocomchi no início do período colonial.

Ix Chel foi uma das quatro deusas aparentadas adoradas nas ilhas de Cozumel e Isla de Mujeres: Ix Chel, Ix Chebal Yax, Ix Hunie e Ix Hunieta. As mulheres maias faziam peregrinações a seus templos na ilha de Cozumel e colocavam seus ídolos debaixo de suas camas, pedindo ajuda.

O Oráculo de Ix Chel

De acordo com vários registros históricos, durante o período colonial espanhol, havia uma estátua de cerâmica em tamanho natural, conhecida como Oráculo de Ix Chel, localizada na Ilha de Cozumel. O oráculo de Cozumel teria sido consultado durante a fundação de novos assentamentos e em tempos de guerra.

Diz-se que os peregrinos seguiram o sacbe (as calçadas maias preparadas) de lugares distantes como Tabasco, Xicalango, Champoton e Campeche para venerar a deusa. A rota de peregrinação maia cruzou o Yucatan de oeste para leste, espelhando o caminho da lua no céu. Dicionários coloniais relatam que os peregrinos eram conhecidos como hula e os sacerdotes, Aj K’in. O Aj K’in fez as perguntas dos peregrinos à estátua e, em troca de oferendas de incenso copal , frutas e sacrifícios de pássaros e cães, relatou as respostas na voz do oráculo.

Francisco de Lopez de Gomara ( capelão de Hernan Cortes ) descreveu o santuário na ilha de Cozumel como uma torre quadrada, larga na base e contornada. A metade superior era ereta e na parte superior um nicho com telhado de palha e quatro aberturas ou janelas. Dentro desse espaço havia uma grande imagem oca de argila queimada em forno presa à parede com gesso de cal: essa era a imagem da deusa da lua Ix Chel.

Encontrando o Oráculo

Existem vários templos localizados perto dos cenotes nos sítios maias de San Gervasio, Miramar e El Caracol na Ilha de Cozumel. Um que foi identificado como um local plausível para o oráculo-santuário é o Ka’na Nah ou Casa Alta em San Gervasio.

San Gervasio era um centro administrativo e cerimonial em Cozumel e tinha três complexos de cinco grupos de edifícios, todos conectados por sacbe. Ka’na Nah (Estrutura C22-41) fazia parte de um desses complexos, consistindo em uma pequena pirâmide de cinco metros (16 pés) de altura com uma planta quadrada de quatro níveis escalonados e uma escadaria principal cercada por um corrimão.

O arqueólogo mexicano Jesus Galindo Trejo argumenta que a pirâmide Ka’na Nah parece estar alinhada com a grande paralisação lunar quando a lua se põe em seu ponto extremo no horizonte. A conexão do C22-41 como candidato ao Oráculo de Ixchel foi apresentada pela primeira vez pelos arqueólogos americanos David Freidel e Jeremy Sabloff em 1984.

Então, quem era Ix Chel?

A arqueóloga americana Traci Ardren (2015) argumentou que a identificação de Ix Chel como uma deusa da lua única combinando a sexualidade feminina e os papéis tradicionais de gênero na fertilidade vem diretamente das mentes dos primeiros estudiosos que a estudaram. No final do século 19 e no início do século 20, diz Ardren, estudiosos ocidentais do sexo masculino trouxeram seus próprios preconceitos sobre as mulheres e seus papéis na sociedade em suas teorias sobre os mitos maias.

Hoje em dia, a fertilidade e a beleza de Ix Chel foram apropriadas por vários não especialistas, propriedades comerciais e religiões da nova era, mas, como Ardren cita Stephanie Moser, é perigoso para os arqueólogos presumir que somos as únicas pessoas que podem criar sentido do passado.

Similar Posts