Artigos do Portal:
#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Manifestações e Emanações de Shakti / Qoya / Auset / Cy Mitologia Feminina

Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino

Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino 

Sheerin desenvolveu seu argumento sustentando que, não apenas os locais de sepultamento têm presenças materiais significativas dentro e na terra, mas também têm funções imateriais significativas. Este referente fúnebre estava intimamente ligado a um referente do Outro Mundo. Ele o definiu filosoficamente como contemptus mundi .

“Até recentemente, a maioria dos irlandeses vivia em um cosmos que continha uma dimensão vertical privilegiada, em vez de uma paisagem com uma dimensão horizontal”. [2]

“Os próprios cemitérios são pontos focais na paisagem e funcionam como omphali inversos , lugares sagrados que ligam este mundo ao de cima e de baixo”. [3]

Traçar esses conceitos de volta às suas formas mitológicas irlandesas mais antigas leva às figuras de Cailleach e Medb, antagonista do épico Táin Bó Cúailnge. Cailleach, que se traduz como ‘velha’, ‘bruxa’ e ‘a velada’, existe em gaélico irlandês e escocês, e é uma expressão do arquétipo da bruxa ou velha encontrada em todas as culturas do mundo. Muitos sugerem que essa figura foi reelaborada pela cultura guerreira celta como uma deusa da guerra / batalha, uma expressão da qual foi Medb. Esses tropos antigos continuaram a ser usados ​​na literatura gaélica na Idade Média e no início do período moderno.

O CAILLEACH: A PERSONIFICAÇÃO DA TERRA E DA NATUREZA

Essa figura é encontrada na cosmologia tradicional como “a personificação, na forma feminina divina, da paisagem física dentro da qual a vida humana é vivida e também das forças cósmicas em ação nessa paisagem”. [4]   Em termos mitológicos, estudiosos como Marin Ni Eoin, Marie-Louise Sjoestedt, Julia Kristeva e Maire MacNeill, desenvolveram a teoria da divindade feminina identificando um tema recorrente da “mulher sepultada”. Nomes de lugares e elementos físicos da paisagem são freqüentemente associados à morte e sepultamento de mulheres divinas, que podem ser consideradas derivações de uma divindade feminina generativa. Isso inclui montanhas, montes, litoral, rios, lagos e cavernas. Essa cosmologia incluía o clima e a fertilidade da terra, que mais tarde se desenvolveram no princípio da soberania. A analista junguiana Sylvia Brinton Perera refere-se a isso como ‘a ordem sagrada e natural do inusitado – a unidade primordial antes que os opostos sejam separados’. [5]

‘Famosos acima das mulheres eram estes pela graça, eles não faziam negócios, à moda das mulheres de origem inferior;
Embora seus lagos se apegassem às mulheres heróicas, Silend teve uma labuta fatal em seu leito do lago.

‘Turloch Silinde’, poema 66 de The Metrical Dindshenchas , literatura oral que data da era pré-cristã, transcrita nos séculos XI e XII . [6]

TRANSFORMAÇÃO CELTA

A cultura celta tinha suas próprias divindades femininas e integrava tão facilmente cosmologias indígenas mais antigas. Nessa cosmologia híbrida, a mulher divina tornou-se um contraste com a figura semi-divina do herói masculino. Essa combinação criou uma estrutura que se baseou em uma dinâmica masculino / feminino. A mulher representava o princípio do cosmos – eterno e cíclico, enquanto a construção masculina representava o tempo da história humana linear marcada pelas conquistas históricas do herói masculino. O que se seguiu foi uma divisão mitológica – com os mitos históricos humanos agora sendo dominados pelos homens, enquanto o tropo feminino divino estava centrado nos mitos topográficos. [7]   O arquétipo feminino combinava ‘dois aspectos fundamentais: um elementar (ou nutritivo) e um transformativo (ou criativo).’ [8]  Esse aspecto transformador também pode ser destrutivo. Como Neuman sustentou, quanto mais arcaica a história, menos provável é que atributos contraditórios sejam funcionalmente separados. [9]

O Cailleach ou Divine Hag também desempenhou um papel intermediário no encontro sobrenatural com humanos e o Outro Mundo nativo. Gearoid O ‘Crualaoich afirma que isso pode ter dado origem e força às crenças do Outro mundo que se desenvolveram no  – ou mundo das fadas. [10]

Lago com reflexo no espelho do céu

O Outromundo na cosmologia irlandesa não era experimentado como uma vida após a morte eterna, mas como um mundo paralelo que podia ser entrado e saído (se certos tabus fossem respeitados) a qualquer momento. © Siobain Collins

A DIVINDADE FEMININA SE TORNA DEUSA DA GUERRA

À medida que a esfera política se desenvolvia na sociedade, a divindade feminina era apropriada e ritualizada como meio de fazer valer a legitimidade da soberania. Os reis do sexo masculino, tendo usurpado a soberania do divino feminino, agora tinham que decretar rituais para integrar e legitimar essa função. Mary Condren discutiu a mudança radical de status que a divindade feminina experimentou com o surgimento do culto ao guerreiro. Seu status declinou ‘de Deusa Mãe, para consorte para filha’ [11], e ela especula que foi somente com essa perda de status que ela se tornou uma deusa da guerra.

"Will Hope, like Light, Return?" - First Parish in LexingtonEssa distorção não é vista apenas na diminuição da presença da divindade feminina, mas também no modo de representação. Contagens de cabeças e ‘atos de valor tornaram-se os novos frutos da colheita da sociedade guerreira’. [12]   Símbolos e imagens de fertilidade passada, como menstruação, são agora vistos como imundos pelos escribas cristãos. [13]   Este período histórico favoreceu o tribalismo com tanistry e gavelkind como formas hereditárias de governo. Sua mentalidade pré-cristã aceitava o uso generalizado da violência. Essa visão de mundo do culto à morte do guerreiro também marcou a paisagem. Muitos nomes de lugares passaram a receber nomes de locais de mortes ou batalhas de heróis.

COMO A DIVINDADE FEMININA É DESLOCADA

‘O Cailleach Bhearra’ ou ‘O Lamento da Velha de Beare’ pode ser considerado o exemplo perfeito de cruzamento do princípio divino da cosmologia feminina à medida que se move da era pagã para a era cristã. Este poema está em irlandês antigo e data de cerca de 900. [14] Nele vemos uma mistura do arquétipo da velha com a ‘eternidade do Outro mundo nativo, imanente na paisagem’. [15] No entanto, apesar da expressão de pesar, tudo é rejeitado na aceitação da eternidade cristã.

‘Minha enchente / é bom que guardou meu depósito (alma) / Jesus, filho de Maria, entregou-o / para que eu não fique triste até a vazante.

Feliz a ilha do grande mar / a enchente vem depois da vazante / quanto a mim, não espero vir a mim / a enchente depois da vazante. ‘ Versos 33 e 34. [16]

Praia irlandesa com colinas ao fundo e linha costeira em primeiro plano, uma adolescente e uma criança de mãos dadas

A Península de Beara descrita no poema ‘Cailleach Bhearra’ – ‘O Lamento da Velha de Beare’. © Siobain Collins.

À medida que a cosmologia se torna centrada no cristão, The Cailleach torna-se totalmente identificado com o tropo idoso. [17]   No entanto, ela continuou a funcionar como uma alternativa transgressiva à cultura cristã dominante posterior, fornecendo uma função terapêutica para a comunidade através da história e do simbolismo, bem como fornecendo modelos para a agência feminina por meio de seus derivados da viaa (mulher sábia) , bean ghl ú ine (parteira) e a chaointe de feijão (mulher ansiosa ). [18]Embora agora ausente em considerações cosmológicas, a figura continuou no folclore local, especialmente em contos que serviram como explicações de formas geológicas e nomes de lugares, mas também nas histórias de mulheres sábias “Quando tudo o mais falhar”. [19]

O CAILLEACH NO INÍCIO DO PERÍODO MODERNO

No final do século XVIII e no início do século XIX, a divindade feminina havia sido incorporada ao longo de várias linhas em formas nutritivas e destrutivas. Da mitologia, ela agora desceu à lenda, na forma de bean sí (banshee), mantendo uma conexão de soberania baseada em seu apego único aos descendentes de famílias da ordem gaélica original.

A vertente ‘mulher sepultada’ continuou na esfera das crenças do mundo das fadas. A literatura monástica transcreveu ou talvez até mesmo criou o mito de origem da Irlanda (encontrado no Livro das Invasões ). Os escribas cristãos identificaram a tribo Tuatha De Dannan como habitantes originais da ilha, mas os descreveram como recuando para o subsolo após a derrota pelos invasores Celtas, governando assim o reino do Outro mundo do subsolo. No período moderno, essas “pessoas subterrâneas” eram agora confundidas com “as pessoas pequenas”. [20]   O mundo sobrenatural estava agora inteiramente situado no subsolo, embora ainda encontrasse expressão externa em conexão com eventos naturais incomuns e fenômenos inexplicáveis.

desenho de forte de fadas desenhado à mão 1898

Desenho de um fosso de fadas do Jornal da Sociedade Real de Antiguidades da Irlanda , republicado em PW Joyce (1908). Essa conexão pode ser vista com os tabus associados aos raths da Idade do Ferro, agora chamados de Fairy Forts. Persistia a crença de que as pessoas que perturbassem esses locais perderiam a fertilidade de suas terras e até seriam pessoalmente prejudicadas. Isso foi descrito como um ‘golpe de fada’, que era uma forma de paralisia que poderia levar à doença e até à morte. [21]

O mundo sobrenatural ou das fadas também era empregado em situações de desvio das normas sociais, como dificuldades de casamento ou problemas de saúde; tanto físico quanto mental. Esses problemas eram mediados por meio de histórias de abduções de fadas e changelings de fadas. [22]

Under the Veil: Queen of Winter Beira by MrsBlacklight on ...CONCLUSÃO

O tratamento do conceito de divindade feminina teve muitas formas na cultura literária e popular irlandesa. As formas originais foram moldadas e muitas vezes deformadas à medida que períodos históricos sucessivos expressavam seus próprios mitos cosmológicos e dogmas religiosos únicos, enquanto incorporavam elementos de crenças anteriores. Hoje, o arquétipo de Cailleach voltou como um arquétipo de referência e tem sido usado como um canal para o ativismo ambiental [23] e a espiritualidade da Nova Era [24]à medida que as crenças religiosas tradicionais perdem terreno e aumentam os temores sobre as mudanças climáticas. Pode-se afirmar que a energia que sustentou a existência desse arquétipo em todas as eras resulta da expressão das energias primordiais da consciência humana interagindo com seu ambiente e, então, expressando e compartilhando essas trocas por meio de formas e crenças culturais.

O Cailleach (Kal-y-ach) é a própria Terra Antiga.
Ela é as rochas cobertas de líquen e os picos das montanhas.
Ela é a terra descoberta coberta de neve e geada.
Ela é a Ancestral Profunda, velada pela passagem do tempo. [25]

[1] Witoszek, N. (1987) ‘Ireland: A Funerary Culture?’, Studies, 76 (1987), 206-215, in Sheerin, P. (1988), ‘The Irish Sense of Place’, Irish University Review , Vol. 18, No. 2 (outono, 1988), pp. 191-206.

[2] Ibidem, p. 205.

[3] Ibidem, p. 203

[4] O’Crualaoich, G. (2003) The Book of the Cailleach, Stories of the Wise-Woman healer , Cork University Press, Cork, p.10.

[5] Perera Brinton, S. (1999) Rainha Maeve e seus amantes, A Celtic Archetype of Ecstasy, Addiction and Healing, Carrowmore Books, New York, p. 92

[6] Gwyn, E. (1905) Autor desconhecido, The Metrical Dindshenchas , p.377.

[7] O’Crualaoich, G. (2003) pp. 27-28.

[8] Ibidem, p. 27

[9] Neuman, E. (1955) The Great Mother: An Analysis of the Archetype , Pantheon, New York, (p.12), em Devlin-Glass, F. e McCredden, L. (2001) Feminist Politics of the Sacred: Creative Suspicions , Oxford University Press, New York, p.119.

[10] O’Crualaoich, G. (2003) p.30.

[11] Condren, M. (1989) ‘The Serpent and the Goddess: Women, religion and power in Celtic Ireland’. Pp. 664-670, em Bourke, A. (ed.) (2002) The Field Day Anthology of Irish Writing , Volume 4, NYU Press, p.669.

[12] Ibidem, p.669.

[13] Kinsella, T. (1969) The Tain, do épico irlandês Tain Bo Cuailnge, trad. por Thomas Kinsella, Oxford University Press, Oxford, p.250 em Devlin-Glass, F. e McCredden, L. (2001) p.122.

[14] Ritari, K. (2006) ‘Imagens do envelhecimento no poema irlandês antigo Caillech Berri’, Studia Celtica Fennica III (2006), p.57.

[15] Carey, J. (1999) ‘Transmutations of Immortality in’ The Lament of the Old Woman of Beare ‘, Celtica 23, p.35.

[16] Ritari, K. (2006) p. 70

[17] O’Crualaoich, G. (2003) p.11.

[18] Ibidem, p.29.

[19] Ibidem, p.210.

[20] Joyce, PW (1906) A Smaller Social History of Ancient Ireland , MH Gill and Sons, Dublin, pp.105-106.

[21] Ibidem, p.107.

[22] Lysaght, P. (1995) ‘Crenças tradicionais e narrativas de um Portador da Tradição Irlandesa Contemporânea’, Folk Belief Today , Tartu 1995, pp. 304-305.

[23] Blackie, S. (2016) Se as mulheres se levantassem com raízes. The Power of the Celtic Woman , September Publishing, Falkirk.

[24] Anderson, S. e Cannon, S. (2016) The Way of the Mysterial Woman, Upgrading how you live, love and lead , She Writes Press, Berkeley, CA.

[25] Liesens, H. ‘Cailleach’.

REFERÊNCIAS E LEITURAS ADICIONAIS

Anderson, S. e Cannon, S. (2016) The Way of the Mysterial Woman, Upgrading how you live, love and lead , She Writes Press, Berkeley, CA.

Blackie, S. (2016) If Women Rose Rooted. The Power of the Celtic Woman , September Publishing, Falkirk.

Carey, J. (1999) ‘Transmutations of Immortality in’ The Lament of the Old Woman of Beare ‘, Celtica 23.

Condren, M. (1989) ‘The Serpent and the Goddess: Mulheres, religião e poder na Irlanda celta’. Pp. 664-670, em Bourke, A. (ed.) (2002) The Field Day Anthology of Irish Writing , Volume 4, NYU Press.

Gwyn, E. (1905) Autor desconhecido, The Metrical Dindshenchas.

Joyce, PW (1906) A Smaller Social History of Ancient Ireland , MH Gill and Sons, Dublin

Kinsella, T. (1969) The Tain, do épico irlandês Tain Bo Cuailnge, trad. por Thomas Kinsella, Oxford University Press, Oxford em Devlin-Glass, F. e McCredden, L. (2001) Feminist Politics of the Sacred: Creative Suspicions , Oxford University Press, Nova York.

Lysaght, P. (1995) ‘Crenças tradicionais e narrativas de um Portador da Tradição Irlandesa Contemporânea’, Folk Belief Today , Tartu 1995.

Neuman, E. (1955) The Great Mother: An Analysis of the Archetype , Pantheon, New York, in Devlin-Glass, F. e McCredden, L. (2001) Feminist Politics of the Sacred: Creative Suspicions , Oxford University Press, Nova york.

O’Crualaoich, G. (2003) The Book of the Cailleach, Stories of the Wise-Woman healer , Cork University Press, Cork.

Perera Brinton, S. (1999) Rainha Maeve e seus amantes, A Celtic Archetype of Ecstasy, Addiction and Healing, Carrowmore Books, New York.

Ritari, K. (2006) ‘Imagens de envelhecimento no poema irlandês antigo Caillech Berri’, Studia Celtica Fennica III (2006).

Witoszek, N. (1987) ‘Ireland: A Funerary Culture?’, Studies, 76 (1987), 206-215, em Sheerin, P. (1988), ‘The Irish Sense of Place’, Irish University Review , Vol. 18, No. 2 (outono, 1988).

Similar Posts