Artigos do Portal:
#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Artigo ou Artigos Indicados da Semana:#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Planetários e quadrados mágicos –
https://comunidadeteurgicaportuguesa.wordpress.com/-
Vitor Manuel Adrião

A ciência das medidas e vibrações dos estados de matéria, tan-mâttras e tatvas, é a base da Cosmogénese e Antropogénese inicialmente presente na tradição hindu, cuja Gupta-Vidya ou Tradição Secreta cedo dispôs os valores numerais e alfabéticos correspondentes em quadrados de relações numéricas afins aos sete planetas tradicionais dispostos em volta da Terra (Bhumi), conferindo-lhes sentido esotérico para realçar o carácter sagrado do Universo. Nasceu assim a ciência dos quadrados mágicos.

Em breve trecho essa ciência esotérica chegaria ao meio sinagogal de Israel, prontamente adoptada e adaptada aos conhecimentos cabalísticos dos sábios hebreus, dando começo a um intrincado sistema de Cabala Fonética correlacionada a números, letras, deuses e planetas, vindo os sábios árabes a adoptá-la, sobretudo como Numerologia – passando a ser ciência tradicional entre os antigos – associada à Geometria e à Matemática. Seria Al-Khwarizmi, matemático e astrólogo persa do século IX, a criar a palavra algarismo. Mas a origem numerológica dos quadrados na cultura esotérica árabe será anterior, pois encontra-se o quadrado mágico de nove casas (3×3) num manuscrito árabe do final do século VIII e que se atribui a Apolónio de Tiana (século I d. C.), o mesmo a quem São Paulo se dirige nos Actos dos Apóstolos chamando-o Apolo (diminutivo de Apolónio), cuja vida e feitos têm severas semelhanças com a de Jesus Cristo, ou não fossem ambos preclaros Adeptos Perfeitos.

Na Idade Média, sobretudo desde o século IX ao século XV, por via do hermetismo judaico e árabe, os quadrados mágicos tornaram-se muito populares pelo seu uso em pantáculos e talismãs, atribuindo-se-lhes o poder de atrair a protecção astral de determinados planetas a que se associavam por encadeamento numerológico, tendo o reforço de determinados signos cabalísticos então chamados assinaturas angélicas e selos planetários. Foi o momento em que o Hermetismo Iniciático se exteriorizou e logo foi adoptado e adaptado pelas inteligências simples como ciência divinatória e mágica.

Existem modelos de quadrados mágicos que recebem uma classificação especial devido à sua singularidade. São eles:

Quadrado imperfeito ou defeituoso. O que não obedece a todas as regras de um quadrado mágico. Por exemplo, um quadrado mágico onde a soma das linhas e colunas são iguais, mas não a das diagonais.

Quadrado hipermágico. O que possui certas propriedades adicionais, além de obedecer às regras básicas. Por exemplo, um quadrado onde, trocando-se duas colunas de lugar, forma-se um outro quadrado.

Quadrado diabólico. É um quadrado hipermágico com muitas propriedades ou com propriedades muito complexas. O nome diabólico tem a sua provável origem na dificuldade em se formá-lo.

Cada Luzeiro de Cadeia possui a sua assinatura angélica e cada Planetário de Ronda detém o seu selo planetário ou do Globo correspondente, sendo o valor numérico – contido no quadrado mágico – expressivo da Idade do Planetário (Kumara) cuja vibração (tatva) é demarcada pela medida (tan-mâttra) do Espírito do Luzeiro (Ishvara), este a Individualidade animadora da Personalidade animada daquele manifestado.

Assim, para os sete planetas tradicionais mais a Terra, correspondem os seguintes valores, cores, elementos e figuras geométricas:

Como se viu, cada Planeta possui um número que expressa o seu Espírito. Mas as outras partes de que é constituído também possuem uma expressão numérica. Assim, cada Planeta, sintetizado por um número, possui outros três números, segundo o aspecto pelo qual é encarado. Esses quatro números, que dizem respeito aos quatro aspectos físico, psíquico, mental e espiritual de cada Planeta, foram sempre encobertos por uma aritmética muito interessante a que os teósofos e ocultistas desde cedo chamam quadrado mágico, construído de forma que a soma dos números colocados na mesma linha, ou na mesma coluna, ou em diagonal, dêem sempre o mesmo valor.

Para o quadrado mágico da Terra, por exemplo, aparecem os seguintes valores cabalísticos: 1 – 10 – 100 – 505 – 5050. Ou seja:

Número 1: soma linear reduzida (soma linear = 505 = 5 + 5 = 10 = 1 + 0 = 1).

Número 10: soma linear reduzida (idem anterior totalizando 10).

Número 100: número de quadrados que compõem o quadrado do planeta.

Número 505: valor da soma linear (obtida através da soma dos elementos de uma linha, coluna ou diagonal qualquer do quadrado do planeta). Terra = 505.

Número 5050: valor da soma global ou soma total de todos os elementos do quadrado do planeta. Terra = 5050.

Atribuir o 505 como número cabalístico da Terra é deveras significativo à luz das Revelações de Akbel: transposto para letras expressa a palavra aghartina SOS ou SUS, significado SOL, neste caso, o Sol da Terra que é Shamballah, tradicionalmente consignada Laboratório do Espírito Santo ou o Terceiro Trono. Por outra parte, o duplo 5 (soma 10 como valor da Árvore de Kama-Mara ou a Genealógica dos Kabires ou Kumaras, os mesmos Planetários manifestados) indica o Futuro no Presente, isto é, o quinto planeta Vénus (Shukra) como alter-ego da Terra (Bhumi) tendo já a dirigi-la de cima, do Segundo Trono, o Augusto Deus Arabel como Luzeiro do Globo imediatamente posterior ao nosso. Com isso, a Terra está adiantada um grau relativamente ao seu padrão natural marcada pelo compasso quaternário que dirige toda a Evolução actual: 404. Isto acentuou-se desde 1899-1900 com o nascimento dos Dhyanis Jinas ou Budhas do Novo Ciclo, os quais representam na Terra o Quinto Planetário desde então acelerando a mesma Evolução Planetária, o famoso “Colapso da Velocidade”, com isso assegurando a continuidade de solução do Futuro de Bhumi e de quanto nela vive. Da virada do século XIX para o XX até hoje, é facto reconhecido universalmente que a Humanidade em termos tecnológicos evoluiu mais que em 500 anos, só faltando o perfeito equilíbrio do intelecto com a moral e a ética, da cultura com o carácter, da mente com o coração. Mas por certo tudo se irá reajustando gradualmente com o passar do tempo e a marcha imparável da Evolução avante.

O quadrado mágico do Sol (domingo) é o seguinte:

Sob a tónica da Alquimia, tem por regente superior o Dhyani-Kumara Mikael, por regente médio o Dhyani-Budha António José Brasil de Souza e por regente inferior o Dhyani-Jiva Serapis Bey, relacionados ao Posto Representativo do Peru, expressivo do Chakra Raiz do Globo. De cor laranja – afim a Pritivi-Tatva – neste quadrado mágico a soma em qualquer das colunas (vertical, horizontal ou transversal) dos seus números dá o dígito 3, que é dizer, 1+1+1 = 3.

O quadrado mágico da Lua (segunda-feira):

Sob a tónica da Arte, tem por regente superior o Dhyani-Kumara Gabriel, por regente médio o Dhyani-Budha Bento José Brasil de Souza e por regente inferior o Dhyani-Jiva Kut-Humi, relacionados ao Posto Representativo do México, expressivo do Chakra Esplénico do Globo. De cor violeta – afim a Apas-Tatva – neste quadrado mágico a soma em qualquer das colunas (vertical, horizontal ou transversal) dos seus números dá o dígito 9, que é dizer, 3+6+9 = 18, 1+8 =9.

O quadrado mágico de Marte (terça-feira):

Sob a tónica da Ética e Política, tem por regente superior o Dhyani-Kumara Samael, por regente médio o Dhyani-Budha Carlos José Brasil de Souza e por regente inferior o Dhyani-Jiva Morya, relacionados ao Posto Representativo da América do Norte, expressivo do Chakra Gástrico do Globo. De cor vermelha – afim a Tejas-Tatva – neste quadrado mágico a soma em qualquer das colunas (vertical, horizontal ou transversal) dos seus números dá o dígito 2, que é dizer, 6+5 = 11, 1+1 = 2.

O quadrado mágico de Mercúrio (quarta-feira):

Sob a tónica da Ciência e Mecânica, tem por regente superior o Dhyani-Kumara Rafael, por regente médio o Dhyani-Budha Daniel José Brasil de Souza e por regente inferior o Dhyani-Jiva Hilarião, relacionados ao Posto Representativo da Austrália, expressivo do Chakra Cardíaco do Globo. De cor amarela – afim a Anupadaka-Tatva – neste quadrado mágico a soma em qualquer das colunas (vertical, horizontal ou transversal) dos seus números dá o dígito 8, que é dizer, 2+6+0 = 8.

O quadrado mágico de Júpiter (quinta-feira):

Sob a tónica da Literatura e História, tem por regente superior o Dhyani-Kumara Sakiel, por regente médio o Dhyani-Budha Eduardo José Brasil de Souza e por regente inferior o Dhyani-Jiva São Germano, relacionados ao Posto Representativo de Portugal, expressivo do Chakra Laríngeo do Globo. De cor púrpura – afim a Adi-Tatva – neste quadrado mágico a soma em qualquer das colunas (vertical, horizontal ou transversal) dos seus números dá o dígito 7, que é dizer, 3+4 = 7.

O quadrado mágico de Vénus (sexta-feira):

Sob a tónica da Filosofia e Religião, tem por regente superior o Dhyani-Kumara Anael, por regente médio o Dhyani-Budha Francisco José Brasil de Souza e por regente inferior o Dhyani-Jiva Nagib, relacionados ao Posto Representativo do Egipto, expressivo do Chakra Frontal do Globo. De cor azul – afim a Akasha-Tatva – neste quadrado mágico a soma em qualquer das colunas (vertical, horizontal ou transversal) dos seus números dá o dígito 4, que é dizer, 1+7+5 = 13, 1+3 = 4.

O quadrado mágico de Saturno (sábado):Sob a tónica da Medicina como Taumaturgia e Teurgia, tem por regente superior o Dhyani-Kumara Kassiel, por regente médio o Dhyani-Budha Godofredo José Brasil de Souza e por regente inferior o Dhyani-Jiva Ab-Allah, relacionados ao Posto Representativo da Índia, expressivo do Chakra Coronal do Globo. De cor verde – afim a Vayu-Tatva – neste quadrado mágico a soma em qualquer das colunas (vertical, horizontal ou transversal) dos seus números dá o dígito 6, que é dizer, 1+5 = 6.

Finalmente, o já assinalado e descrito quadrado mágico da Terra relaciona-se a São Lourenço do Sul de Minas Gerais, Brasil, geosoficamente apontado como o Vibhutî do Mundo, o Chakra Cardíaco Inferior síntese dos demais. Tem por regente superior a Dhyani-Kumara Lorenza, por regente média a Dhyani-Budha Adamita e por regente inferior a Dhyani-Jiva Tara-Muni. As Três Marias ou Mães de Maitreya, “Mãe Trina”, tanto valendo pelo Cristo Universal. Astrologicamente, São Lourenço associa-se aos três planetas vibrando como Consciências Espirituais: Plutão – a Vontade Universal (Pai: Shamballah – Agharta); Neptuno – o Amor Universal (Mãe: Duat); Urano – a Mente Universal (Filho: Badagas – Face da Terra).

Os selos planetários inscritos nos respectivos quadrados mágicos, assim como as respectivas assinaturas angélicas, segundo Cornélio Agrippa (Colónia, 14.9.1486 – Grenoble, 18.2.1535) na sua De Occulta Philosophia Libri Tres (“Três Livros de Filosofia Oculta”), inspirada na Cabala Sefardita da Escola Merkabah, são os seguintes:

Acerca da influência geosófica dos sete planetas tradicionais sobre espaços distintos afins à sua natureza e finalidade, a tese hermética é antiga, pois já no século XVI o astrólogo e hermetista francês Auger Ferrier transcreveu-a na sua obra Jugements astronomiques sur les nativités (1583):

SOL – Cumes de montanhas, solares, mansões principescas, grandes palácios, teatros abertos e outros lugares amplos, magníficos e claros. Países afins: Itália, Sicília e Boémia.

LUA – Fontes, campos, vales de montanhas, rios, mares, praias, portos, bosques, caminhos, lugares desertos. Países afins: Flandres e África.

MARTE – Açougues, casas de ferreiros, fornos, todos os lugares dedicados ao ferro, ao fogo e a sangue. Países afins: Sarmácia, Getúlia e Lombardia.

MERCÚRIO – Barracas, feiras, mercados, escolas e tribunais. Países afins: Egipto, Grécia, Inglaterra, Flandres e cidade de Paris.

JÚPITER – Igrejas, palácios, lugares privilegiados, honestos e religiosos. Países afins: Babilónia, Pérsia, Hungria e Espanha (com esta designando a Península Ibérica no todo, portanto, incluindo Portugal).

VÉNUS – Prados, jardins, fontes, salões, leitos e lugares dedicados à voluptuosidade. Países afins: Arábia, Áustria e Suíça.

SATURNO – Cavernas, lagos, tanques, cloacas, ruínas, cemitérios, lugares tristes, obscuros, desertos e infectos. Países afins: Baviera, Saxe, Romanhola e Constância.

Recapitulando: cada um desses quadrados mágicos é constituído de um número quadrado de casas, começando com 9 para Saturno e acabando em 81 para a Lua, nisto seguindo a ordem de manifestação dos tatvas horários: 9 (= 3×3) para Saturno, 16 (= 4×4) para Júpiter, 25 (= 5×5) para Marte…

Como cada quadrado é constituído pela série natural dos números não havendo, pois, repetição, resulta que o maior dos números encontrado no quadrado corresponde ao número de casas de que é constituído o mesmo.

Esses quadrados mágicos ocultam, em si, os números que correspondem aos quatro aspectos dos respectivos planetas. Veja-se, pois, de que maneira essas figuras aritméticas encerram os valores ocultos que interessam aos estudiosos de Teosofia e Ocultismo.

Um desses números é justamente o número de casas do quadrado, ou o maior número encontrado nele, o que dá no mesmo.

Outro número de valor que se extrai do quadrado mágico é a soma dos números de uma coluna, que é a mesma soma de uma linha ou de uma diagonal.

O terceiro número obtém-se fazendo a redução teosófica da soma da coluna.

Finalmente, o quarto número corresponde à soma da totalidade dos números que constituem o quadrado mágico.

Por exemplo, no caso de Saturno tem-se:

a) o número de casas do quadrado que é 9;
b) a soma dos números de uma coluna ou de uma linha qualquer, que é igual a 15;
c) a redução esotérica de 15, que é igual a 6 (1+5);
d) a soma de todos os números contidos no quadrado mágico, que é igual a 45.

Desse modo, obtém-se o seguinte quadro geral das relações dos números com os planetas:

A cada um desses números diz respeito uma palavra hebraica, posto este alfabeto ter relação com o sistema numeral, a qual é constituída de tal forma que a redução numérica do valor das suas letras corresponde ao respectivo número. Apresentam-se assim, juntas, a Cabala Numérica e a Cabala Alfabética, de que resulta a Cabala Angélica ou Jina. De maneira que essa palavra vem a representar o nome das Entidades ou Hostes que governam desde o Mundo Espiritual o Plano Físico da Terra. Por exemplo, ao número 3 corresponde a palavra AB, que significa PAI, a qual se escreve com as letras Aleph e Beth, sendo que o valor numérico da letra Aleph é 1, e o da letra Beth é 2, valores que somados dão exactamente o número 3.

Se, como se viu, os planetas, ou melhor, os Planetários exercem poderosa e abrangente influência sobre a Vida Humana, e se cada um deles possui o seu número cabalístico marcando a sua tónica própria que é o seu biorritmo, poderá perguntar-se o que expressarão na Vida Humana esses mesmos números cabalísticos?

Só se poderá responder que os mesmos números planetários marcam os ciclos em que se reparte a Vida Humana, colectiva e pessoalmente. Como cada planeta possui quatro números, pode-se adiantar que os ciclos referidos são marcados pelos números da redução cabalística da soma da coluna, ou sejam, 9, 8, 4, 3, 2, 7, 6, respectivamente da Lua a Saturno. Eles correspondem, justamente, ao número de anos que limitam os ciclos em relação com os respectivos planetas. A soma desses números é igual a 39. Por isto é que as tradições ocultas dizem que na idade de 40 anos todo o homem entra na segunda fase da sua vida, a fase psicomental, enquanto aos 80 anos ele entra (ou melhor, deveria entrar, se seguisse o método natural de vida) na fase espiritual, até aos 120 anos. Em cada uma dessas três fases, os ciclos constituem-se em número de anos de acordo com os números planetários.

Para saber-se em que dia do mês do ano se nasceu, para assim se saber da influência tátvica do planeta diário afim ao nado, recorro às tabelas do sistema binário da Cabala de Abraham Abulafia (Saragoça, Espanha, 1240 – Comino, Malta, 1291), fundador da Escola de Cabala Profética e autor literário de A Luz do Intelecto (1285), publicadas em antigo almanaque dispondo o calendário entre os anos 1801 e 2000, auxiliando com grande facilidade a descobrir o dia da semana em que se nasceu.

Veja-se agora como se calculam as épocas em que começam esses ciclos de vida. Para isso, é necessário saber qual o Tatva que vibrava no momento do nascimento. Suponha-se que alguém nasceu na hora da Lua; essa pessoa terá os seus primeiros 9 anos (número lunar) regidos pela Lua. Ou seja, durante os primeiros 9 anos de vida dessa pessoa, os principais acontecimentos ocorridos com ela terão a preponderância das características imprimidas pela Lua. Terminado o ciclo de 9 anos da Lua, entra o ciclo de 8 anos de Mercúrio; depois, o ciclo de 4 anos de Vénus; depois, o ciclo de 3 anos do Sol; depois, o de 2 anos de Marte; depois, o de 7 anos de Júpiter; finalmente, o de 6 anos de Saturno. Terminado este último ciclo, todo o homem entra na segunda fase da sua vida, repetindo os 9 anos da Lua, os 8 de Mercúrio, e assim por diante.

Para esse indivíduo que nasceu sob o Tatva lunar (Apas), haverá: nos primeiros 9 anos regidos pela Lua, um período de mutabilidade, viagens, uma infância agitada, espírito irrequieto, caprichoso; nos 8 anos seguintes, isto é, entre os 10 e os 17 anos de idade, a vida desse indivíduo começa a mudar com a preponderância dos assuntos ligados a Mercúrio, como sejam os estudos, a tagarelice… Entra depois, para esse homem (ou mulher), o período venusiano de 4 anos, ou seja, entre os 18 e os 21 anos, ele (ou ela) sofrerá as influências das coisas do amor e do mundanismo. Depois virá, entre os 22 e os 24 anos, o período solar, o período das majestades, da vitalidade; segue-se a fase de Marte, entre os 25 e os 26 anos, essencialmente caracterizada por situações que o(a) obrigarão a praticar violências ou tornar-se intolerante; passados esses 2 anos, ele (ou ela) penetra no ciclo de Júpiter, indo dos 27 aos 33 anos, quando ele (ou ela) começa a tornar-se ponderado(a) e a deixar de ver a vida como criança; por fim, vem o ciclo de Saturno, dos 34 aos 39 anos, aquando a experiência de vida se consolida. Estes 7 ciclos da primeira fase referem-se ao aspecto físico da vida e a todas as actividades com o objectivo da manutenção material. É a fase JIVA ⇒ BARISHAD do Homem. Terminada esta, os 7 ciclos repetem-se mas já no aspecto psicomental, correspondendo à fase BARISHAD ⇒ AGNISVATTA. Finalmente, sucede a derradeira repetição dos 7 ciclos como terceiro período da vida humana, devendo-se caracterizar pelo desenvolvimento do aspecto espiritual afim à fase AGNISVATTA ⇒ ASSURA.

Obviamente que não é exactamente assim que se desenvolve a vida de cada um(a), a começar pelo facto de que nem todos conseguem alcançar o fim da segunda fase (e até da primeira fase). O Karma pendente, pessoal e colectivo, e o ciclo de decadência (Kali-Yuga, Idade Sombria) pelo qual está passando actualmente a Humanidade, respondem por tudo isso. Mas a lei geral é esta, e dia virá, porventura não muito longe (mesmo que seja na próxima geração), em que os homens começarão a agir física, emocional e mentalmente mais de acordo com as leis da Natureza, finalmente se dispondo em harmonia com a Lei que tudo e a todos rege.

Praza a Deus e aos deuses assim seja, assim se realize para maior glória do Género Humano.

OBRAS CONSULTADAS

Élcio Rogério Barrak e Eurênio de Oliveira Júnior, Luzes da Iniciação Eubiótica. Nova Brasil Gráfica e Editora Ltda., São Lourenço, Fevereiro de 2006.

G. O. Mebes, Os Arcanos Maiores do Tarô – Curso de Enciclopédia do Ocultismo. Tradução do original russo de Marta Pécher. Editora Pensamento, São Paulo, 1978.

Papus, Tratado Elementar de Magia Prática. Editora Pensamento, São Paulo, 1978.

Jean-Pierre Bayard, Os Talismãs: psicologia e poderes dos símbolos de proteção. Editora Pensamento, São Paulo, 1985.

Henrique Cornélio Agrippa de Nettesheim, Três Livros de Filosofia Oculta. Compilação e notas de Donald Tyson. Madras Editora Ltda., São Paulo, 2008.

A origem dos quadrados mágicos e dos sigilos planetários

por Sté Gómez

As muitas formas de sigilos, mas os primeiros sigilos associados a planetas apareceram a partir de 1510 nos livros De occulta philosophia,de Heinrich Cornelius Agrippa. Os então chamados  sigilos planetários  da derivação numerológica dos nomes dos planos e dos disquetes fazem em mágicos mágicos planetários. Mas o que é essa mágica?

O quadrado  é uma série de páginas que aparecem em um quadrado para qualquer soma de linha seja igual a soma de qualquer coluna. Por favor, tenha em atenção a sua origem, já que a maioria dos livros acredita que eles surgiram por volta de 3.000 anos atrás na China, pelas mãos do imperador Yu. A lenda que o imperador estava a observar o rio amarelo quando viu uma tartaruga que não tinha casco algumas marcas em forma de nós. Esses nós foram transformados em números de 1 a 9 e todos eles resultavam em 15 em qualquer direção que se somasse, parecia mágica!  Tão fascinante eram aqueles números, que a época, os chineses tinham quem quer que possuíssem um amuleto de mãe, a felicidade e a felicidade por toda a vida, porque ele era o símbolo que reunia os princípios básicos que formavam o Universo.  A partir da China, os mágicos passaram, também, em manuscritosístas nas culturas indiana e árabe, o que culminou em sua assimilação nos estudos cabalísticos. N / D Cabala, de onde se originaram muitas práticas mágicas, se destaca o estudo de 7 lugares mágicos específicos, que levam o nome de kamea. Os kamea são associados aos 7 planetas da Antiguidade: Saturno, Júpiter, Marte, Sol, Vênus, Mercúrio e Lua.  Estes são os que são mágicos de planetas que aparecem nos livros de Cornelius Agrippa e que servem para hoje na magia talismânica!  Sobre a associação dos planetas à Árvore da Vida Todos os 7 kamea, referência aos 7 planetas da Antiguidade, são também representados em cada esfera da  Arvore da Vida.

 Astrologia, além da representação de todos os astros estudados na Astrologia, além da Terra, que é representada pela linguagem Malkuth. Acredita-se que o número de referência em relação às dimensões da Árvore da Vida foi determinado em número de astros que influenciam cada planeta em particular (os astros influentes são os que possuem uma órbita maior em relação ao planeta em questão).

Como Plutão a influência como um pouco é um dele, é representado como Daat, um esfera oculta. Na Astrologia Plutão também representa o inconsciente, aquilo que está oculto. Metaforicamente ele é representado como o abismo, ou seja, uma travessia que todos os quesitos tem que vencer ao longo da jornada das encarnações.  Já o Sol, que fica na esfera do centro ( Tipheret) representa Críticos que habitam dentro de todos nós, além de fazer a separação de todos os deuses iluminados e solares: Apolo, Hórus, Bram, Ieshua, Krishna, Buda, os Boddisatwas Os Mestres Ascencionados, entre outros múltiplos de religiões. E como é que deu origem aos quadrados mágicos planetários?

O planeta planetário foi criado para representar a energia vital de um planeta associado às esferas da Árvore da Vida. E cada vez que a Árvore da Vida possui um nome específico e um número, certo? Começando por esse número, que representa também o número de planetário, chega ao tamanho do quadrado e à quantidade de números que estão dentro dele. Por exemplo, Júpiter corresponde a Chesed, que é a 4ª esfera da Árvore da Vida, então é o número do planeta de Júpiter 4. Dessa forma, o quadrado mágico de Júpiter tem 4 linhas e 4 colunas, totalizando 16 números dentro do quadrângulo que vão desde o 1 até o 16. Os mesmos que não podem ser considerados iguais em qualquer lugar, pois eles podem ser iguais a qualquer outra coisa. Para obter a seguinte palavra chave , que representa um soma que todas as letras e aspas são maiúsculas, é feito um novo processo: todos os números dentro do gráfico são somados e o total encontrado se divide pelo número planetário (correspondente ao número da esfera) . Com o número da chave em mãos, os números são rearranjados dentro do quadrado para qualquer tipo de linha e qualquer outra coisa seja sempre igual ao número chave!  Nascimento dos sigilos planetários

Na magia, o sigilo  – do latim  sigillum “sinal ou assinatura” – é uma representação figurativa de um nome, palavra ou intenção. As sigilos das planetas são uma representação figurativa de toda a essência dos mágicos planetários. E, por sua vez, funcionar como uma assinatura do planeta em questão, suas forças. De acordo com o programa Agrippa, foram criadas linhas de programação que registram o gráfico de suas dimensões mágicas, fazendo com que o sigilo represente todo o padrão e como regulador para os outros dizeres do mesmo. Dessa forma, o sigilo de um planeta é como um registro imagético dele, com toda a sua personalidade, qualidades e defeitos.    Por causa da sobremesas, além do sigilo característico de um planeta, também existem os símbolos de sua alma, divididos em bons e maus (tudo isso tem dois lados). É como o anjo e o demônio que ficam sem movimento. Assim, a Inteligência eo Espírito simbolizam as influências positivas e negativas de um planeta, respectivamente. E cada Inteligência e cada Espírito têm um nome hebraico e um sigilo específico.  Como as letras hebraicas são também números, e as pessoas têm sido escritas ao longo dos anos como letras dos nomes das Inteligências e dos Espíritos foram associados aos números no quadrado mágico de cada planeta correspondente. Após, a edição foi feita tendo em conta os números, marcando o começo e o final do ciclo com o círculo, o triângulo ou o traço. Os desenhos animados são os sigilos planetários únicos de cada uma das Inteligências e Espíritos.

 As pessoas inteligentes, nós, as nossas práticas, vamos usar apenas os sigilos característicos dos planetas e seus sigilos positivos (os da Inteligência), que trazem orientação e inspiração. Sabemos that the Universo nos offer de volta 3 vezes as que emanam, por isso é importante ressaltar que talismãs, assim como qualquer feitiço ou ritual feito com sigilos, devem ser direcionados apenas para o Bem. O que fazer é algo que transmite os ossados ​​negativos? Absolutamente não pode fazer talismãs ou feitiços usando sigilos negativos. Como vimos, cada sigilo tem significado específico conforme o planeta que representa. Preparamos esta ilustração para você com um pouco mais sobre eles!

 Outros sigilos derivados de quadrados mágicos planetários

Os sumários mágicos planetários também podem ser usados ​​para gerar outros sigilos sob sua influência, além dos sigilos dos planos e seus respectivos sigilos de Inteligência e Espírito. Ou seja, eles podem ser usados ​​para criar um sigilo para qualquer palavra! O que é mais importante quando você quer mais é ter um desejo, já que uma das coisas mais poderosas na prática é uma somatória das correspondências.  The same must serted on one thermographic planet planet specific specific to be a sigum your personal card in particular. Para fazer isso, basta digitalizar as letras do seu nome em forma numérica utilizando uma tabela numerológica e depois traçar os dados do primeiro número específico. Você pode ir além e usar esse método para salvar toda a intenção em um sigilo!  O sigilo pessoal sob uma influência planetária e o sigilo da intenção são amplamente utilizados na confecção de talismãs, que são elementos gravadores mágicos rigorosamente preparados. Mas, esse tipo de sigilo também pode ser usado em papéis especiais para ser usado em feitiços. Essa é uma ótima forma de direcionar a sua intenção num jogo que se deseja alcançar! Quer aprender a fazer talismãs com sigilos planetários, sigilos pessoais e sigilos da intenção? Veja  Tutorial: como confeccionar talismãs com sigilos planetários. Espero! Você tem que gozar gatinho matemático! Deixe comentários como suas dúvidas ou informações adicionais, que a gente responde rapidinho!

 

Da perspectiva da saúde e da doença, ou seja, fisiologicamente, os raios dos planetas estão intimamente relacionados com as glândulas e os órgãos do nosso corpo, enquanto os signos têm acção mais geral sobre regiões determinadas do organismo, como sejam:

Sol – Relaciona-se com a glândula timo, o coração, o sistema circulatório (veias, artérias), a coluna vertebral e a medula espinhal dorsais;

Lua – Relaciona-se com as glândulas mamárias, o aparelho reprodutor feminino, o baço, o estômago, os intestinos, as secreções glandulares;

Marte – Relaciona-se com as glândulas sexuais, o sistema muscular, a bílis, o equilíbrio entre glóbulos brancos e vermelhos;

Mercúrio – Diz respeito à glândula pituitária, ao sistema nervoso simpático, ao aparelho respiratório, ao aparelho digestivo, às cordas vocais;

Júpiter – Relaciona-se com a glândula pineal, o sistema circulatório, o baço, o fígado, o pâncreas;

Vénus – Diz respeito às glândulas sexuais, ao equilíbrio ácido-base, ao baço, rins e pele;

Saturno – Diz respeito ao sistema ósseo, cartilagens, dentes, medula óssea, coagulação do sangue, cabelo.

No que se relaciona com os signos, tem-se:

Carneiro – Governa a cabeça, o rosto, dentes, orelhos, nariz, olhos;

Touro – Governa a garganta, pescoço, voz;

Gémeos – Governa os ombros, braços, mãos;

Caranguejo – Governa o peito, costas, seios;

Leão – Governa o meio ventre e os flancos;

Virgem – Governa o baixo ventre;

Balança – Governa a coluna vertebral, a bexiga, os órgãos genitais internos;

Escorpião – Governa os órgãos genitais externos;

Sagitário – Governa as coxas;

Capricórnio – Governa os joelhos;

Aquário – Governa as pernas;

Peixes – Governa os pés e tornozelos.