Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Manifestações e Emanações de Shakti / Qoya / Auset / Cy Mitologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Psicologia Feminina Uncategorized

Marija Gimbutas e a Deusa

Marija Gimbutas e a Deusa

Fonte: http://www.maureenmurdock.com/

Enciclopédia de Psicologia e Religião! ID do artigo: 310423! ID do capítulo: 9329

O trabalho de Marija Gimbutas tem sido crucial para o crescimento feminista espiritualidade, erudição religiosa feminista, psicologia feminista e libertaçãoimplicações que a existência de uma tradição de deusa  pode trazer para mulheres em todos os lugares.
Quaisquer que sejam as reações às teorias de Gimbutas, é importante reconhecer o maior implicações da idéia de um feminino sagrado encarnado que precedeu o patriarcado. Como Charlene Spretnak escreve:
O trabalho de Gimbutas, que foi iluminado por sua sensibilidade a assuntos espirituais e a esculturas de todas as eras, tem implicações radicais para a história de ambos Religião ocidental e filosofia ocidental. Em cada um desses campos, o início sistemas de crenças e escolas não são vistos como tradições de ponte. Ou seja, o atenção em ambos os “cultos mistérios” gregos (degradados como pagãos pré-cristãos irracionalismo) e os filósofos pré-socráticos às dimensões unitivas do ser e uma totalidade cosmológica foi uma tentativa de preservar os restos de Antiga sabedoria européia (Spretnak, 1997, pp. 403-404).
Coruja, Fig. 300, Materiais de ilustração da linguagem da Deusa (caixas 252, 253).
Coleção Marija Gimbutas, Copyright OPUS Archives and Research Center, Santa Barbara, CA.
O trabalho de Gimbutas nos ajuda a divertir a esperança de que a opressão do patriarcado não sempre existe. Se uma cultura existia em paz há aproximadamente 8 mil anos, antes de os indo-europeus, certamente seria um modelo de mito e psicologia para o século 21.


De suas escavações em 1973 e 1974, ela encontrou templos e esculturas que começaram para influenciar suas opiniões de que as esculturas representavam deusas. Ela e ela associados descobriram certas esculturas de cabeça de pássaro nos templos e esculturas de fêmeas grávidas nos pátios. Não havia armas nas sepulturas nem Fortificações nas aldeias. Com isso, concluiu que isso era psicologicamente e éticamente uma cultura muito diferente da dos indo-europeus posteriores: foi pacífica.
Citando evidências de sua escavação de cemitérios, assentamentos, registros históricos da continuação de um sistema matrilinear, de retratos em afrescos e de folclore e evidências semelhantes na cultura minoica de Creta, Gimbutas concluiu que A velha Europa era uma sociedade matrilínea com uma deidade feminina. “A maternidade determinou o Home Para Bibliotecários Ajuda My SpringerReference Go Pesquisa Avançada estrutura social e religião porque a religião sempre reflete a estrutura social. Velho A Europa era uma sociedade matrilinear onde a rainha estava no topo e seu irmão seguinte para ela “(Gimbutas, 1990). Em deuses e deusas da velha Europa, Gimbutas
(1974) escreve:

A Deusa da Fertilidade ou Deusa Mãe é uma imagem mais complexa do que a maioria pessoas pensam. Ela não era apenas a Deusa Mãe que ordena fertilidade, ou a dama dos animais que governa a fecundidade dos animais e todos os selvagens natureza, ou a terrível Terrível da Mãe, mas uma imagem composta com traços acumulados tanto nas eras pré-agrícolas como agrícolas. Durante o ela se tornou essencialmente uma Deusa da Regeneração, ou seja, uma Lua Deusa, produto de uma comunidade sedentária e matrilinear, abrangendo a unidade arquetípica e multiplicidade da natureza feminina. Ela era doadora de vida e tudo o que ela promove a fertilidade e, ao mesmo tempo, ela era a portadora do poderes destrutivos da natureza. A natureza feminina, como a lua é leve como bem como escuro “(p. 152).
Os antigos conheciam e aceitaram esse ciclo de morte e renascimento central para Deusa espiritualidade através de sua observação física da natureza e suas observações de morte e regeneração. Por exemplo, os gregos celebraram isso em ritual dos Mistérios Eleusinianos que homenageam o retorno de Perséfone cada ano uma única orelha de trigo, simbolizando tranquilizantemente as pessoas que a vida perdura além
morte. Em Eleusis, Kore respondeu à chamada. Ela ressuscitou da morte. Ela apareceu. Nos Mistérios Eleusinianos as pessoas participaram de fazer os deuses Viver e participar de seus presentes (Downing, 2010, p.27). Neste momento no século XXI, também estamos pedindo a Kore, como símbolo do feminino sagrado, não apenas para ascender do submundo e nos trazer um símbolo de civilização, mas também para esteja presente para nós no momento da nossa morte, para dar sentido e nos confortar.


Através de suas descobertas arqueológicas e decifração dos artefatos, Gimbutas reimagined O que poderia ter sido uma cultura que não teve medo da morte, mas em vez disso honrou os poderes divinos que supervisionavam a morte e a regeneração. A morte foi vista como apenas uma transição imediatamente seguida pela regeneração. Através do sistema arqueológico trabalho de Gimbutas, bem como a interpretação do mito do grego Demeter e Persephone by Downing, somos atraídos pelos Mistérios Eleusinianos para nos lembrar que a psicologia e a espiritualidade do feminino sagrado continuam ao longo dos séculos para trazer de volta a força vital.
Como Marija Gimbutas disse em muitas entrevistas, era seu “destino fazer esse trabalho”
Por causa de seus antecedentes familiares e do patrimônio pagão de seu país (Gimbutas, 1990). Ela cresceu na Lituânia, o último país da Europa a ser cristalizado – ele não se arraigou até o século XVI – e quando criança ela experimentou respeito por Mãe Terra. Todos os dias viu pessoas beijar a Terra pela manhã e dizer orações à noite. Ela experimentou a sacralidade de poços, córregos, animais aquáticos e árvores, todas as quais foram consideradas como tendo poder de cura. O dela era um encarnado psicologia e espiritualidade desde sua primeira memória.
Gimbutas foi criado em uma atmosfera em que espíritos familiares e espíritos que A arte popular infundida foi respeitada. Sua família colecionou milhares de músicas populares e exemplos de arte popular. Estudou Indo-Europeus na Universidade de Harvard como visitante estudioso e escreveu um livro sobre a Idade do Bronze, mas o patriarcal militarista A psicologia da época a perturbava. “Eu deviei pelo menos 10 anos da minha carreira estudando deuses e armas de guerra indo-europeus e isso foi demais para mim ”
(Gimbutas, 1990). Sua vida mudou quando se mudou para a Califórnia e ensinou na UCLA.
Este foi o início de sua exploração da cultura que precedeu os IndoEuropeans.
Entre 1968-80, Gimbutas dirigiu quatro escavações de culturas neolíticas (7000 aC, 2000).
BCE) no sudeste da Europa em Sitagroi, Macedônia Grega; Anza, Macedônia;
Tessália, Grécia; e Manfredonia, Itália. Encontrou milhares de artefatos neolíticosem toda a Europa Oriental que falava de uma antiga estética diferente da cultura material da Idade do Bronze. Gimbutas determinou uma “cultura que existia oposto de tudo o que se sabia que era indo-europeu e isso me levou a impor um novo termo “Europa Velha” em 1968 “(Marler, 1997, p.15).
Em 1979, Gimbutas organizou a primeira conferência interdisciplinar em Dubrovnik, Jugoslávia para estimular novas pesquisas sobre a mudança radical das relações econômicas, religiosas e estruturas sociais que ocorreram entre o quinto e o terceiro milênio aC. Ela ficou convencido de que a arte da Europa Velha refletia um sofisticado e simbolismo religioso (Marler, 1997, p.16). Desenvolveu uma interdisciplinaridade modo de pesquisa, ela chamou de “arqueologia”, uma união de arqueologia e mitologia.
Ela afirmou: “Eles não podem ser separados porque isso nos ajuda a reconstruir o espiritualidade de nossos antepassados ​​”(Gimbutas, 1990). Ela escreveu: “pesquisa interdisciplinar exige que o estudioso veja um problema com um foco mental totalmente diferente, o que significa aprender a montar os dados com o objetivo de ver todos os detalhes ao mesmo tempo, in situ ” (Marler, 1997, p.21). O trabalho dela dRew da mitologia, da lingüística, da etnologia, do folclore, da religião comparada e dos documentos históricos. O trabalho sobre a Idade do Bronze foi aceito pelos arqueólogos porque não tinha nada com religião ou simbolismo, mas eles não aceitaram sua decifração de uma deusaGimbutas, Marija e a Deusa 10/16/12 9:20 AMhttp: //www.springerreference.com/docs/edit/chapterdbid/310423.html Página 3 de 5 religião porque rejeitaram a noção de que uma religião poderia ser extrapolada dos artefatos. No entanto, ela sentiu que era importante ultrapassar os limites do materialismo científico e usar todas as fontes possíveis para entender os antepassados ​​(Gimbutas, 1990). Em um endereço em 1992 na Interface em Sudbury Massachusetts, Gimbutas disse: “Se você souber sobre o assunto lado ritual da cultura, eles dirão que você está rachado. Você não pode dizer nada sobre o lado espiritual da cultura. Não me importo se eu seja aceito ou não aceito. Eu só me importo com a verdade. Qual é o senso de ser ascolar se você tem que ter medo de outras forças? “(Gimbutas, 1992). O trabalho das gimbutas em ambos, The Language of the Goddess e The Civilization of the Goddess, foi criticado pelos arqueólogos devido à sua insistência em sua interpretação das estatuetas como evidência objetiva da existência de uma religião de deusa e de sua “falta de precisão, e especulações não corroboradas, particularmente no que diz respeito ao seu antigo trabalho acadêmico” (Long, 1996, p.16). Em uma crítica de 1993 em antropóloga americana, Ruth Tringham criticou-a por ter afirmado que há uma evidência inequívoca para apoiar sua interpretação psicológica da simbologia da Deusa e forçando a validade de interpretações alternativas. Ela escreve: a pesquisa arqueológica feminista baseia-se em uma celebração da ambiguidade do registro arqueológico e uma pluralidade de sua interpretação, e a subjetividade das pré-histórias que são construídas faz parte do seu discurso. As gimbutas, no entanto, confundiram o processo de interpretação e apresentou suas próprias conclusões como fato objetivo (Tringham, 1993, pág. 197). Por outro lado, Tringham e sua colega, Margaret Conkey, sentem que o trabalho de Gimbutas revivendo as religiões da deusa fornece novas perspectivas importantes sobre as preocupações arqueológicas e desafia a estrutura androcêntrica de arqueologia vista por muitos dos seus profissionais. Eles escrevem: chegamos a ver que nossa investigação é tanto sobre questões-chave interpretação arqueológica incontemporada como visto através do tema da Deusa, pois é sobre como o movimento da Deusa usa a arqueologia “(Conkey & Tringham, 2000). Mesmo que eles tomem questão com muitas das afirmações de Gimbutas, eles acham a mudança de parade para a qual ela contribuiu para ser válida e vigorosa (p. 200). A pesquisadora feminista Lynn Meskell questiona o uso de um passado arqueológico por parte de Gimbutas – convencido de que houve uma cultura igualitária antes dos indo-europeus – trazer mudanças sociais, psicológicas e políticas no século XX. Mas ela acredita no trabalho de Gimbutas como uma forma de “mitopoética em que uma identidade cultural é construída ou reconstruída” (Long, 1996, p.16). Este é o ponto psicológico da hermenêutica de Gimbutas – as imagens mitopoéticas são altamente psicológicas, como Jungand Jungians demonstraram repetidamente. Se acreditarmos, como Jung, que toda a história da raça humana esteja de alguma forma viva na psique, podemos recuperar imagens do Sagrado Feminino. A SacredFeminine, ou a Deusa Mãe, é um arquétipo eterno na psique humana. Ela se mostrou desde os primeiros tempos da nossa civilização em desenhos de cavernas e escultura primitiva, nas grandes mitologias, e ela aparece em muitos aspectos nas nossas culturas presentes. Ela faz parte do próprio tecido do nosso ser. Independentemente de um indivíduo cresceu numa tradição que honrou uma imagem do feminino sagrado, ela é parte do inconsciente coletivo acessível a todos. Jung assegurou-nos que nada que seja parte da psique é perdida. Levou Gimbutas trinta anos de pesquisa e decifrando para entender a simbologia em lugares escavados; seu passado no mito e no folclore ajudou-a a simetria nos sites e figurinhas que escavou.

No Reino do Reino dos Ancestrais, Joan Marler (1997) escreve: “Joseph Campbell disse que, se seu trabalho estivesse disponível anteriormente, ele teria escrito as coisas de maneira diferente. Ele desprezou as deusas porque não havia como descobrir mais sobre elas “(p. 19). As gimbutas sabiam que, para reconstruir a estrutura social de uma cultura, os pesquisadores tinham que olhar para cemitérios e estudar rituais de enterro para discernir como as pessoas estavam enterradas e com o tipo de presentes. Nos túmulos que escavara, não havia hierarquia de machos sobre as fêmeas; os locais de enterro mostraram uma sociedade igualitária. Deste modo, ela extrapolou que homens e mulheres viviam em harmonia uns com os outros sem que alguém tivesse poder sobre o outro. Ela revolucionou o campo demonstrando que os assentamentos neolíticos da Europa antes da inflação indo-européia nce (cerca de 4400 aC no leste da Europa) eram diferentes das sociedades posteriores. É o entendimento de Charlene Spretnak que agora é aceito pela maioria dos arqueólogos (Spretnak, 1997, p. 401, 2)

Vilas de 7000 aC tinham oficinas e um templo propriamente dito. No templo, as pessoas
Cerâmica preparada para rituais. Gimbutas encontrou em muitas sepulturas femininas “objetos de culto cheios com ocre vermelho enterrado ao lado das casas. Essas casas eram as principais casas da
aldeia onde vivia a família principal “(Gimbutas, 1992). Ela encontrou “idade média mulheres e meninas ricamente equipadas com contas, figurinhas e um modelo do templo “.
Ela especulou que essas meninas poderiam estar na linha da sacerdotisa mostrando uma sistema matrilinear. Em contraste, nenhum objeto de culto foi encontrado nos túmulos dos homens. Masculino os túmulos estavam “equipados com ferramentas artesanais, eixos, enxadas, objetos comerciais, obsidiana para facas,
alguma pedra ou pederneira. Claramente, os homens estavam no comércio, o que era muito importante “(Gimbutas, 1992). Essa diferença de enterro de gênero deve ter demonstrado a estima e a honra oferecidas
o feminino.
Encontrando milhares de figurinhas femininas, artefatos rituais femininos e templo modelos, Gimbutas concluiu que as mulheres eram altamente respeitadas nas culturas do antigo Europa. O feminino foi reverenciado psicologicamente e espiritualmente como doador e nutridor da vida. Gimbutas especulou que as figurinhas femininas eram usadas no ritual: alguns em pé nos altares esperando um ritual para começar e outros encontrados em torno do pão fornos. “No norte da Grécia na Tessália, eles tiveram rituais antes do cozimento de pão e durante o cozimento de pão. As mulheres fizeram figurinhas pequenas ao mesmo tempo em que estavam fazendo o pão; O pão era sagrado “(Gimbutas, 1992).
Gimbutas encontrou 100 figuras de deusa grávida em Achilleion em uma pequena área escavada mais de 100 metros quadrados e mais de 200 figuras de argila no norte da Grécia.
“Este site revelou que certos tipos de figurinhas femininas (deusa do pássaro, cobra deusa, enfermeira) eram deuses do templo ou da casa. Outros, como a deusa grávida, foram adorados no pátio em plataformas especialmente preparadas com poços de oferta perto dos fornos de pão. Esses poços eram para sacrifícios e encontramos restos orgânicos de plantas ou grãos que foram sacrificados. Das 200 figurinhas encontradas em Achilleion, apenas Dois fragmentados representavam um deus masculino, sentados em um banquinho com as mãos sobre o seu joelhos “(Tringham, 1993, p.22). Gimbutas encontrou uma razão de 98% de deusa feminina figurinhas para deuses masculinos.
Gimbutas não usou o termo “matriarcado”, mas sim “matrililiaridade” porque, ao contrário
mulheres no patriarcado, os homens não foram suprimidos. Os homens eram muito importantes na sociedade em Comércio, arquitetura, construção naval e artesanato. Não houve casamento; a mãe tinha um consorte, mas não marido. Dos mitos sumérios e egípcios que eram
Depois da sociedade da Europa Velha, sabemos que essa prática existia em muitos culturas. Até que os homens descobriram seu contributo biológico para a fertilização de novos vida, as mulheres eram livres para se propagar e sua capacidade de nascimento era vista como sagrado.
Gimbutas ficou convencido de que a arte da velha Europa refletiu um sofisticado simbolismo religioso e categorizou as energias da deusa em termos de vida, tomada de morte e regeneração. Ela identificou deusas que dão vida, como a deusa do pássaro, a deusa das cobras e o touro; deusas de morte como a
abutre e coruja e símbolos como o túmulo / útero; e deusas de transformação como o ovo e o sapo. A descoberta de Gimbutas dos milhares de estatuetas da deusa arcaica requerem uma importante mudança hermenêutica, porque tem sérias implicações psicológicas para as interpretações da história arcaica e humana natureza: as mulheres tiveram papéis estimados na história que refutam longamente distorcido
argumentos patriarcais contra a igualdade feminina com os homens.

Veja também:

Mãe das trevas, deusa da terra, imagens de deus do sexo feminino, feminilidade, Deusa, ótima Mãe, Jung, Carl Gustav e Feminismo, Matriarquia, Deusas da Lua e da Lua, Mãe,
Mitos e Sonhos, Wicca, Mulheres e Religião.
Bibliografia
Conkey, M., & Tringham, R. (1995). Arqueologia e a deusa: explorando os contornos de
arqueologia feminista. Em D. C. Stanton & A. J. Stewart (Eds.), Feminismos na academia (pp.
199-247). Ann Arbor, MI: Univ. da Michigan Press.
Downing, C. (2010). The Christine Downing Collection (Caixa 12 B). Série: Livros que nunca
foi escrito. Santa Barbara, CA: OPUS Archives and Research Center.
Gimbutas, M. (1974). Os deuses e deusas da Europa Velha, 7000-3500BC. Londres, United
Reino: Tamisa e Hudson.
Gimbutas, M. (1989). O idioma da deusa. San Francisco: Harper & Row.
Gimbutas, M. (1990). Entrevista com Kell Kearns. Coleção Marija Gimbutas (Caixa 101)
[Áudio]. Santa Barbara, CA: OPUS Archives and Research Center.
Gimbutas, M. (1991). A civilização da deusa (J. Marler, Ed.). San Francisco: Harper.
Gimbutas, M. (1992). Mulheres e a deusa: Palestra, interface, sudbury, massa. o
Coleção Marija Gimbutas (Caixa 101) [Áudio]. Santa Barbara, CA: OPUS Archives e
Centro de Pesquisa.
Jung, C. G. (19

Similar Posts