Artigos do Portal:
#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Contos Femininos Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Psicologia Feminina Uncategorized

O Feminino Divino nos Contos de Fadas

O feminino divino nos contos de fadas

Fonte: Carolyn Emerick escreve sobre a história, o mito e o folclore do noroeste da Europa.

Ilustração de conto de fadas de Warwick Goble
Ilustração de conto de fadas de Warwick Goble

Nossas Deusas Perdidas

Hoje se escreve muito sobre o ressurgimento do “feminino divino”, que enfatiza o fato de que o monoteísmo abraâmico promoveu conceitos masculinos de divindade.

Obviamente, o feminino nas crenças espirituais não desapareceu. O catolicismo romano fez um excelente trabalho compensando isso com a veneração da Virgem Maria e o culto dos santos.

A Virgem Maria em um cartão vintage. Ela recebeu títulos como "Rainha do Céu" e "Estrela do Mar", que destacaram seu papel efetivo como deusa.
A Virgem Maria em um cartão vintage. Ela recebeu títulos como “Rainha do Céu” e “Estrela do Mar”, que destacaram seu papel efetivo como deusa.

As deusas locais podiam ser absorvidas pelas santos populares da região, e até a própria Virgem era apresentada com encarnações distintas influenciadas pelo sabor das pessoas que a adoravam.

No Ocidente de hoje, mesmo nos Estados Unidos, nossa narrativa de nossa própria história favorece fortemente o protestantismo, enquanto aponta os pontos negativos do catolicismo. No entanto, a Reforma Protestante atacou os elementos “pagãos” que sobreviveram no catolicismo com grande vigor.

E o que muitas pessoas não percebem hoje é que

  1. Os reformadores protestantes eram muito mais extremistas fundamentalistas do que qualquer versão da igreja protestante que vemos hoje, e
  2. esses reformadores direcionaram propositalmente as crenças e práticas populares.

Hoje é difícil compreendermos, mas muitos reformadores pregaram veementemente contra a crença nas fadas. As fadas foram nomeadas em livros sobre demonologia, e a crença nas fadas estava tão fortemente ligada à bruxariaque surgia com frequência em confissões de julgamentos de bruxas.

Existem muitos exemplos de figuras femininas no folclore, muitas das quais podem ser vestígios de deusas mais antigas.

Então, a Reforma conseguiu finalmente tirar a Deusa da cultura européia? Absolutamente não. Ela vivia nos lugares mais improváveis, o conto de fadas.

Branca de Neve, ilustração de Arthur Rackham
Branca de Neve, ilustração de Arthur Rackham

Os contos de fadas ganham um mau rap hoje em dia

Blogueiros modernos e comentaristas sociais têm sido bastante negativos sobre o conto de fadas nos últimos anos. Você sabe, há um forte movimento anti-feminista crescendo ultimamente. E eu entendo muito bem por que o feminismo era e é necessário, então não vou me juntar a esse movimento.

No entanto, CADA ideologia tem a tendência de dar errado quando vai longe demais. E, como muitos dos movimentos sociais necessárias do 20 º século, esta é outra área onde às vezes os chamados “guerreiros” de justiça social percebido no século 21 estão falando por ignorância.

Ilustração de John Bauer
Ilustração de John Bauer

Atualmente, os filmes da Disney recebem muitas críticas por promover imagens “desatualizadas” de mulheres em contos de fadas.

No entanto, acho isso bastante injusto. Alguns insistem que as versões da Disney são terríveis em comparação com os “originais”. Bem, eu odeio dizer isso a eles, mas mesmo as versões de Grimms e Perrault não eram as “originais”.

Os contos de fadas surgiram na tradição folclórica oral. Eles, assim como os contos populares, mitos e lendas, variavam de acordo com a época, a região e o indivíduo que conta a história. A Disney é apenas mais um contador de histórias que interpreta contos antigos para a era moderna.

E até os contos de fadas da Disney estão mudando. Já se passaram quase 100 anos desde Branca de Neve (se é que você pode acreditar nisso!) E observe a diferença entre a Disney antiga, como Branca de Neve , Bela Adormecida e Cinderela , e seus lançamentos mais recentes, como Brave , Tangled e Frozen. .

Ilustração de conto de fadas russo por Frank C. Pape, 1916
Ilustração de conto de fadas russo por Frank C. Pape, 1916

As mulheres eram fortes nos contos de fadas

Grande parte das críticas feministas modernas aos contos de fadas gira em torno do retrato de mulheres como domésticas e dependentes de um homem para melhorar suas vidas.

Bem, devemos lembrar que os contos de fadas refletiam as realidades da vida durante os tempos em que se desenvolveram. E, francamente, se durante a primeira metade do 20 º século, essas realidades para as mulheres não tinham mudado muito.

O feminismo e os direitos das mulheres mudaram as oportunidades disponíveis para as mulheres no Ocidente, razão pela qual os contos de fadas da Disney de hoje refletem um tipo diferente de heroína do que seus filmes anteriores.

Mas, apenas porque a vida das mulheres girava em torno de tarefas domésticas não significa que esses retratos sejam fracos. De fato, isso é um insulto às muitas mulheres modernas que desfrutam de um estilo de vida mais tradicional.

"Era uma vez", de Henry Meynell Rheam, 1908
“Era uma vez”, de Henry Meynell Rheam, 1908

A jornada da heroína do conto de fadas

Você pode ter ouvido falar da teoria de Joseph Campbell sobre a Jornada do Herói, que é um padrão encontrado em muitos mitos e lendas heróicas em todo o mundo.

A estudiosa e escritora Theodora Goss, que ensina contos de fadas no nível universitário, criou sua própria teoria, a “Jornada da Heroína do Conto de Fadas”.

Uma versão disso está disponível no blog de Goss , mas uma versão mais longa e mais desenvolvida foi publicada na Fairy Magazine, edição 30.

Existem várias etapas da jornada que Goss observou em muitos contos de fadas. E ela diz (na versão da Fairy Magazine):

“A ‘jornada da heroína dos contos de fadas’ pode nos ensinar lições importantes sobre nossas próprias jornadas. Afinal, nossa sociedade não é tão diferente quanto às vezes pensamos das sociedades em que os contos de fadas foram contados e escritos.

E a vida das mulheres também não é tão diferente. Podemos ser CEOs, professores e artistas universitários, mas ainda deixamos nossas casas, entramos em florestas escuras, encontramos lugares temporários de abrigo.

Ainda precisamos aprender a usar os presentes que recebemos, encontrar amigos e ajudantes ao longo do caminho. Certamente precisamos aprender a trabalhar, para podermos fazer o nosso caminho no mundo.

E ainda ansiamos por uma verdadeira parceria, por um lar onde possamos descansar. Ao contrário das heroínas dos contos de fadas, provavelmente faremos essa jornada não apenas uma vez, mas muitas vezes durante nossas vidas. ”

"Grannonia e a raposa", de Warwick Goble
“Grannonia e a raposa”, de Warwick Goble

Então, veja bem, existem muitas lições nos contos de fadas que são realmente relevantes para o leitor moderno de ambos os sexos. Parece muito equivocado e, francamente, ignorante e desinformado afirmar que as heroínas de contos de fadas são fracos exemplos porque o domínio que ocupavam na época era na esfera doméstica. É como insistir que os homens nos contos de fadas são maus exemplos de masculinidade, porque são lenhadores ou pescadores quando a maioria dos homens modernos usa ternos de negócios.

Por Valentine Cameron Prinsep, 1897
Por Valentine Cameron Prinsep, 1897

A deusa nos contos de fadas

Os contos de fadas diferem de outros tipos de histórias, pois geralmente contêm um elemento sobrenatural, daí o uso da palavra “fada”. Pode ser a presença de uma bruxa, uma boa fada ou a presença de algum outro elemento mágico.

E, embora exista uma categoria para o folclore cristão, e certamente muito folclore europeu foi “cristianizado”, é interessante notar a completa ausência de elementos cristãos na maioria dos contos de fadas europeus.

Os contos de fadas nem sempre apresentam uma protagonista feminina, e mesmo quando o fazem, muitas vezes há figuras masculinas presentes. Mas quando os sermões da igreja pregavam histórias bíblicas dominadas por homens, quando a religião apresentava um elenco de personagens exclusivamente masculinos, e os feriados europeus promoviam estágios na vida de uma divindade masculina, o povo comum mantinha sua cultura nativa viva em seus contos populares e de fadas . E, especialmente após a Reforma, esses contos mantiveram viva a presença de figuras femininas na cultura européia.

"A fada que aparece ao príncipe na gruta", ilustração de Warwick Goble para Cenerentola
“A fada que aparece ao príncipe na gruta”, ilustração de Warwick Goble para Cenerentola
Uma ilustração de Warwick Goble para "Os Seis Cisnes"
Uma ilustração de Warwick Goble para “Os Seis Cisnes”

Você já viu personagens de contos de fadas inspirados por memórias de deusas muitas vezes sem perceber. Muitas heroínas são retratadas com uma conexão especial com a natureza e os animais.

Isso se encaixa muito bem com o arquétipo da deusa indo-européia. Deusas como o Holle alemão e o Gaelic Cailleach eram conhecidas como protetora de animais da floresta. A Brigida Celta estava associada a animais domésticos como gado e ovelha.

E embora a deusa anglo-saxã / alemã Eostre / Ostara seja contestada, afirmo fortemente que ela era legitimamente venerada. Como Brigid, ela provavelmente estava associada à luz de dias mais longos, mas principalmente à primavera, fertilidade e aos animais mais associados a essas coisas, como a lebre.

"Freja", de John Bauer
“Freja”, de John Bauer

A influência da espiritualidade indígena européia

Na espiritualidade européia nativa, homens e mulheres podiam se identificar com deidades que apelavam a eles pelos atributos que representavam. Enquanto ambos os sexos adoravam divindades de ambos os sexos, as pessoas freqüentemente tinham conexões especiais com divindades relacionadas especificamente à sua esfera de influência.

Assim, os guerreiros vikings frequentemente adoravam Odin e Thor, que representavam guerra e morte (Odin) e força e proteção de parentes (Thor), enquanto esposas e mães frequentemente colocavam um alto foco em Freyja (fertilidade) e Frigga (domesticidade). E, é claro, todos esses números também eram multifacetados com outras associações.

A Virgem Maria em seu papel de "Estrela do Mar", protetora dos marítimos
A Virgem Maria em seu papel de “Estrela do Mar”, protetora dos marítimos

Assim, quando o cristianismo se mudou e tornou Deus estritamente masculino, e especialmente quando a Reforma Protestante extinguiu a veneração de Maria e dos santos, isso colocou as mulheres em uma posição de ter que lidar apenas com figuras masculinas para suas necessidades espirituais.

Isso pode não parecer problemático na superfície. Mas para questões de fertilidade, parto e outras questões “femininas”, você prefere conversar com sua mãe ou seu pai, sua tia ou seu tio?

A figura alemã de Holle é um excelente exemplo de uma figura que temos certeza de que era uma deusa que viveu no conto de Frau Holle (às vezes chamada de mãe Holda).

Holle é muito parecida com Frigga (tanto que muitos acreditam que ela é uma variação dela), pois ela governava as tarefas domésticas. Ela também estava associada à fertilidade e apelou para a saúde dos bebês.

Cinderela rezando para o espírito de sua mãe dentro da árvore. Ilustração de Elenore Abbott
Cinderela rezando para o espírito de sua mãe dentro da árvore. Ilustração de Elenore Abbott

Outras figuras, como madrinhas de fadas, representam uma presença sobrenatural feminina que cuida de meninas e mulheres, e a quem se pode pedir ajuda com os problemas enfrentados pelas mulheres em suas vidas cotidianas.

Ainda mais impressionante, em algumas versões da Cinderela, sua fada madrinha é o espírito da mãe que partiu, que vive em uma árvore. Bem, sabemos que muitos povos do norte da Europa veneravam os ancestrais e as árvores. Portanto, este exemplo é uma evidência substancial para a persistência de antigas crenças pagãs nos contos de fadas.

"Frigga Girando as Nuvens", de John Charles Dollman, 1909
“Frigga Girando as Nuvens”, de John Charles Dollman, 1909
Arte de William Bouguereau
Arte de William Bouguereau

Donzelas, fiação e a deusa

Recentemente, eu me deparei com alguns contos de fadas que eu nunca tinha ouvido falar antes e que me fizeram pensar sobre essas coisas. Eles apresentavam mulheres jovens, o ofício feminino tradicional de fiar e uma figura sobrenatural feminina que me pareceu um vestígio de deusas mais velhas.

Agora, voltando à noção de que os contos de fadas retratam estilos de vida domésticos nem sempre valorizados pelo público moderno, é importante observar que o trabalho realizado por mulheres em casa foi tão crucial para a sobrevivência da família quanto o trabalho realizado por homens fora de casa. a casa. A fiação era necessária para fazer fios e fios, o que era necessário para os têxteis.

Pode parecer mundano e inconseqüente para nossas mentes modernas ver a fiação aparecer com tanta frequência nos contos de fadas, mas era um trabalho que precisava ser constantemente feito nos dias anteriores às máquinas. Este trabalho vestiu a família e também poderia ser uma fonte de renda.

Uma imagem vintage da deusa eslava Mokosh, mostrada girando
Uma imagem vintage da deusa eslava Mokosh, mostrada girando

Hoje nos irritamos com o termo “trabalho feminino”. Mas, a realidade é que os homens são fisicamente mais capazes de realizar certos tipos de trabalho pesado, e tarefas como girar caíram para as mulheres.

A importância de girar na vida das mulheres européias é enfatizada pela presença de rodas giratórias e roldanas nas imagens relacionadas a muitas deusas européias da lareira.

"Aparição na floresta" por Moritz von Schwind, 1858
“Aparição na floresta” por Moritz von Schwind, 1858

As deusas da lareira presidem o lar, a esfera das mulheres, a domesticidade, a fertilidade e o parto. Como mencionado acima, Frigga e Holle se encaixam nesse tipo de deusa, assim como a deusa eslava Mokosh. Todas as três deusas são frequentemente representadas com uma roca na mão.

Holle era conhecido por

  • indústria de valor (significando trabalho diligente),
  • recompensar garotas que trabalham duro e
  • punir os preguiçosos.

Esse papel foi transferido para sua encarnação de conto de fadas, conhecida como Frau Holle.

"A garota na roda giratória", de Katherine DM Bywater, 1885
“A garota na roda giratória”, de Katherine DM Bywater, 1885

Habitrot: um conto de fiação escocês

Este é um conto fantástico que fala do sabor local da cultura escocesa e dos padrões culturais europeus mais amplos vistos em outras regiões. Você pode ler a história completa aqui , mas darei uma breve recontagem.

O contador de histórias começa explicando que “a roda giratória tinha seu gênio ou fada presidente”. Com isso, ele quer dizer um ser espiritual associado à fiação, da mesma maneira que os antigos deuses pagãos gregos apadrinhavam uma arte ou ocupação. Ele diz que a fada escocesa se chama Habitrot.

O protagonista da história é uma donzela sem nome que é objeto da ira de sua mãe por sua disposição preguiçosa.

Como a menina tinha idade para se casar, muito jovem naqueles dias, sua mãe se preocupava por não encontrar um bom marido, pois nenhum homem se casaria com uma solteirona tão preguiçosa.

Perdendo a paciência, a dona de casa deu à filha uma grande quantidade de fiapos para fiar e um prazo de três dias para fiar sete novelos de lã.

A pobre menina tentou o seu melhor, mas sem muita prática, ela não tinha a habilidade de girar uma quantidade tão grande tão rapidamente. Frustrada com o pouco que terminou no final da primeira noite, a menina chorou até dormir.

Os Norns, Hermann Hendrich, 1906
Os Norns, Hermann Hendrich, 1906

O que é uma solteirona?

Isso foi antes que a palavra solteirona passasse a significar uma velha empregada. Neste momento, significava simplesmente uma mulher que girava. O sufixo “ster” denotava uma praticante de qualquer comércio de inglês arcaico. Por exemplo, um homem que fabricava cerveja era um fabricante de cerveja, mas uma mulher era um fabricante de cerveja.

Uma ilustração de conto de fadas de Warwick Goble
Uma ilustração de conto de fadas de Warwick Goble

Como ficou claro que ela não iria terminar, a garota desistiu e caminhou ao ar livre, através de um prado, até um monte florido cheio de rosas selvagens ao lado de um riacho.

Ao se sentar, uma velha apareceu puxando seu fio à luz do sol.

A garota cumprimentou a velha e disse: – Eu também deveria estar girando. Mas nunca terminarei a tempo, então não adianta tentar. A velha respondeu que faria a tarefa pela menina.

Muito feliz, a garota correu para casa para recuperar seu fiapo, correu de volta para a colina e a colocou no colo da nova amiga.

Após o recebimento, o corpo da velha começou a se transformar em névoa até que ela desapareceu completamente!

Sem indicação de qual era o nome da mulher ou onde ela deveria recuperar seu fio, a garota não sabia o que fazer.

Ela vagou um pouco pela colina até que finalmente adormeceu ao sol da tarde.

Camponesa dormindo, por Leon Jean Basile Perrault
Camponesa dormindo, por Leon Jean Basile Perrault

De repente, a donzela foi despertada pelo som de uma voz. Ela ficou chocada ao ver que já era noite!

Procurando pela voz, ela descobriu que ela vinha de dentro da pedra de uma bruxa, que é uma pedra com um buraco natural nela.

Espiando pelo buraco, a garota viu uma caverna onde várias velhas estavam girando. “Mal sabia você, querida, que meu nome é Habitrot”, aconselhou a velha, indicando que a rotação da garota estava terminada.

Habitrot ordenou que outra pessoa embrulhasse o fio da menina, pois era hora de levá-lo para casa para sua mãe.

"Um fio de ouro", de John Strudwick, 1885
“Um fio de ouro”, de John Strudwick, 1885

Mal contendo sua alegria, a menina começou a correr para casa. Habitrot logo a alcançou e colocou o embrulho nas mãos. A jovem criada ficou muito agradecida e desejou fazer algo para retribuir o favor. Habitrot insistiu que ela não queria nada além da garota para manter em segredo quem tinha feito o fio dela

Quando a menina voltou para casa, ela viu que sua mãe havia feito pudins pretos, chamados salsichas. A menina estava morrendo de fome depois de sua aventura. Colocou sete novelos de lã e comeu sete linguiças e depois foi dormir.

Bem, quando sua mãe acordou na manhã seguinte, ela ficou em conflito entre a alegria chocada que sentiu ao ver os sete novelos de lã concluídos versus a raiva dela por seus salgadinhos serem comidos.

Vista interna da cabana de um camponês, de John George Mulvany.
Vista interna da cabana de um camponês, de John George Mulvany.
Uma ilustração de Herbert Cole para Tom Tit Tot
Uma ilustração de Herbert Cole para Tom Tit Tot

Impressionada por suas emoções, a mãe correu para a rua gritando: “Minha filha girou sete, sete, sete! Minha filha comeu sete, sete, sete!

Repetidas vezes, ela chamava isso pelas ruas até o jovem laird local passar. Confuso com sua exclamação, o laird se aproximou dela e disse: “Boa esposa, qual é o problema?”

A mulher repetiu: “Minha filha girou sete, sete, sete! Minha filha comeu sete, sete, sete! ”Vendo a expressão confusa do laird, a dona-de-casa disse:“ Bem, venha e veja por si mesmo se não acredita em mim! ”

Quando o lorde entrou na casa da boa esposa e viu os sete novelos de lã, ficou maravilhado com a diligência de uma jovem que podia girar tão rapidamente e pediu à boa esposa que conhecesse sua filha.

Quando nossa donzela apareceu na porta, o laird foi ferido no local e pediu a mão dela em casamento. E, é claro, os dois viveram felizes para sempre.

Uma ilustração de conto de fadas de Kay Nielsen
Uma ilustração de conto de fadas de Kay Nielsen
Floresta de Birchwood, uma ilustração de Sutton Palmer, 1904.
Floresta de Birchwood, uma ilustração de Sutton Palmer, 1904.

Análise

Eu truncei a história um pouco para este artigo, então eu encorajo você a lê-la na íntegra . Eu também pretendia compartilhar outra história, tão amável e cativante com você, mas devo renunciá-la devido ao comprimento.

A segunda história é um conto de fadas checoslovaco chamado “The Wood Maiden” (que você pode ler aqui ).

Tem muito em comum com “Habitrot”, mas seu protagonista está longe de ser preguiçoso. Ela é uma garota trabalhadora chamada Betushka, e a figura sobrenatural é uma jovem e bela donzela em vez de uma velha.

É muito mais comum que garotas trabalhadoras sejam recompensadas em contos de fadas, e é o caso de “The Wood Maiden”. Também vale a pena notar que várias deusas européias podem aparecer jovens ou velhas, como Holle e Cailleach.

Nos dois contos, as fadas sobrenaturais são encontradas profundamente em ambientes naturais selvagens. A donzela de madeira aparece para Betushka nos bosques de bétulas, enquanto Habitrot aparece ao lado de um riacho.

A água é frequentemente associada a deusas no folclore do norte da Europa. Holle está associado a lagoas. Fontes sagradas e poços naturais eram venerados desde os tempos pagãos até os cristãos, freqüentemente associados a um espírito guardião feminino ( mais sobre isso aqui ).

Da mesma forma, o vidoeiro tinha um significado sagrado na cultura eslava, e eles aparecem no folclore daquela região.

Como o Holle alemão, ambos os seres desses contos estavam associados à fiação e à natureza, apareciam para mulheres jovens e recompensavam ambas as donzelas com prosperidade no final de cada história.

Podemos ver conotações muito poderosas de deusas pagãs pré-cristãs que permaneceram de maneiras sutis, mas importantes, nos contos de fadas europeus. Quando você souber onde procurar, verá muitos outros exemplos surgindo.

Imagem de Moritz von Schwind
Imagem de Moritz von Schwind

Numa época em que os contos de fadas são ridicularizados por suas representações de mulheres, acho que é hora de pararmos para olhar mais profundamente.

Podemos ver aqui que histórias como essa ensinaram as jovens sobre o valor de trabalhar arduamente em habilidades que eram importantes e valiosas em seu tempo.

Todos os filhos de ambos os sexos podem aprender com isso.

E podemos ver conotações claras do feminino divino representado em muitos contos de fadas. Isso deu às meninas figuras espirituais para admirar, buscar orientação e inspirar esperança.

Ainda nos voltamos para a religião e nossas histórias favoritas para as mesmas coisas hoje.

Similar Posts