Início » Maria Madalena / Maria Magdalena

Maria Madalena / Maria Magdalena

Ela era Maria de Magdala, uma das primeiras seguidoras de Jesus de Nazaré. Segundo a Bíblia , ela viajou com ele, testemunhou sua crucificação e foi uma das primeiras pessoas a saber de sua ressurreição.

Ao longo dos séculos, todos, desde líderes da igreja e estudiosos até romancistas e cineastas, revisaram e elaboraram a história de Maria Madalena. Por um lado, eles subestimavam sua importância alegando que ela era uma prostituta, uma mulher em ruínas que se arrependeu e foi salva pelos ensinamentos de Cristo. Por outro lado, alguns textos cristãos antigos descreviam Maria Madalena como não apenas uma mera seguidora, mas a companheira de confiança de Jesus – que alguns interpretaram como sua esposa.

Mas existe alguma verdade em qualquer uma dessas histórias? O que realmente sabemos sobre a mulher mais misteriosa da Bíblia, Maria Madalena?

 

O que a Bíblia diz sobre Maria Madalena

Todos os quatro evangelhos canônicos do Novo Testamento (Mateus, Marcos, Lucas e João) notaram a presença de Maria Madalena na crucificação de Jesus, mas apenas o Evangelho de Lucas discutiu seu papel na vida e no ministério de Jesus, listando-a entre “algumas mulheres que haviam sido curadas de maus espíritos e enfermidades ”(Lucas 8: 1–3).

Segundo Lucas, depois que Jesus expulsou sete demônios dela, Maria tornou-se parte de um grupo de mulheres que viajavam com ele e seus 12 discípulos / apóstolos, “proclamando as boas novas do reino de Deus”. Madalena não é um sobrenome, mas identificou o local de origem de Maria: Magdala , uma cidade da Galiléia, localizada na região norte da antiga Palestina (agora norte de Israel).

VÍDEO : Dentro dos arquivos do Vaticano

A crucificação de Jesus com a Virgem Maria, São João e Maria Madalena.

A crucificação de Jesus com a Virgem Maria, São João e Maria Madalena.

Daniela Cammilli, do Arquivo Alinari / Alinari, Florença – Reproduzida com a permissão do Ministro per Beni e da Associação Cultural / Alinari via Getty Images

“Maria Madalena está entre os primeiros seguidores de Jesus”, diz Robert Cargill, professor assistente de clássicos e estudos religiosos da Universidade de Iowa e editor da Biblical Archaeology Review . “Ela foi nomeada nos Evangelhos, então obviamente era importante. Aparentemente, havia centenas, senão milhares, de seguidores de Jesus, mas não sabemos a maioria de seus nomes. Portanto, o fato de ela ter sido chamada é um grande negócio.

Após a crucificação de Jesus – que ela testemunhou junto com várias outras mulheres do pé da cruz – e depois que todos os seus discípulos homens fugiram, Maria Madalena também desempenhou um papel fundamental na história da Ressurreição. Segundo os evangelhos, ela visitou a tumba de Jesus no domingo de Páscoa, sozinha (de acordo com o Evangelho de João) ou com outras mulheres, e encontrou a tumba vazia.

“São as mulheres que vão contar aos discípulos”, ressalta a Cargill. “Eles descobriram que ele havia ressuscitado, e isso é significativo.”

No evangelho de João, Jesus realmente aparece para Maria Madalena sozinha após sua ressurreição e a instrui a contar aos discípulos sobre seu retorno (João 20: 1-13).

Maria Madalena como pecadora

Apesar – ou talvez por causa – da clara importância de Maria Madalena na Bíblia, alguns líderes da igreja ocidental ocidental tentaram subestimar sua influência, retratando-a como uma pecadora, especificamente uma prostituta.

“Muitos estudiosos argumentam que, porque Jesus capacitou as mulheres a tal ponto no início de seu ministério, alguns dos homens que liderariam a igreja primitiva mais tarde se sentiriam desconfortáveis”, explica Cargill. “E então houve duas respostas para isso. Uma era transformá-la em prostituta.

Para escolher Maria como a prostituta arrependida original, os líderes da igreja primitiva a confundiram com outras mulheres mencionadas na Bíblia, incluindo uma mulher não identificada, identificada no Evangelho de Lucas como pecadora, que banha os pés de Jesus com suas lágrimas, as seca e coloca pomada. neles (Lucas 7: 37-38), bem como outra Maria, Maria de Betânia, que também aparece em Lucas. Em 591 dC, o papa Gregório Magno solidificou esse mal-entendido em um sermão: “Ela, a quem Lucas chama de mulher pecaminosa, a quem João chama de Maria [de Betânia], acreditamos ser a Maria de quem sete demônios foram expulsos de acordo com Marcos”.

“Ao transformar [Maria Madalena] em prostituta, ela não é tão importante. Isso a diminui de alguma maneira. Ela não poderia ter sido uma líder, porque veja o que ela fez da vida ”, diz Cargill. “Claro, a outra resposta foi realmente elevar Mary. Alguns argumentaram que ela era na verdade a esposa ou companheira de Jesus. Ela tinha um status especial.

Jesus à mesa na casa do fariseu, recebendo a visita de Maria Madalena, retratada como uma prostituta curvando-se aos pés de Jesus.

Jesus à mesa na casa do fariseu, recebendo a visita de Maria Madalena, retratada como uma prostituta curvando-se aos pés de Jesus.

Sergio Anelli / Electa / Mondadori Portfolio / Getty Images

Maria Madalena como esposa de Jesus

Enquanto alguns cristãos primitivos procuravam subestimar a influência de Maria, outros tentavam acentuá-la. O Evangelho de Maria, um texto que data do século II dC que surgiu no Egito em 1896, colocou Maria Madalena acima dos discípulos de Jesus em conhecimento e influência. Ela também apareceu com destaque nos chamados Evangelhos Gnósticos, um grupo de textos que se acredita ter sido escrito pelos primeiros cristãos desde o século II dC, mas não descoberto até 1945, perto da cidade egípcia de Nag Hammadi.

Um desses textos, conhecido como Evangelho de Filipe, se referia a Maria Madalena como companheira de Jesus e afirmava que Jesus a amava mais do que os outros discípulos. De maneira mais controversa, o texto afirmava que Jesus costumava beijar Maria “muitas vezes nela ____”. Os danos ao texto deixaram a última palavra ilegível, embora alguns estudiosos tenham preenchido a palavra que falta como “boca”.

Desde 2003, dezenas de milhões de leitores devoram o thriller maciço de Dan Brown, O Código Da Vinci , cuja trama se centrou na teoria de longa data de que Jesus e Maria Madalena tiveram filhos juntos. Essa idéia também foi central para A Última Tentação de Cristo , o romance de 1955 do escritor grego Nikos Kazantzakis e a versão cinematográfica posterior desse livro, dirigida por Martin Scorsese.

Então, em 2012, Karen King, professora da Harvard Divinity School, revelou um fragmento de papiro desconhecido que ela acreditava ser uma cópia de um evangelho do segundo século, no qual Jesus se referia a Maria Madalena como “minha esposa”. Depois de defender a autenticidade do documento contra uma enxurrada de críticas, King acabou mudando de posição, concluindo que o chamado “Evangelho da Esposa de Jesus” provavelmente era uma falsificação .

LEIA MAIS : Professor de Harvard concede ‘evangelho da esposa de Jesus’ provavelmente falso

Maria Madalena como discípula de confiança

Por seu lado, a Bíblia não deu pistas de que Maria Madalena era a esposa de Jesus. Nenhum dos quatro evangelhos canônicos sugere esse tipo de relacionamento, apesar de listar as mulheres que viajam com Jesus e, em alguns casos, incluir o nome de seus maridos.

A versão de Maria Madalena como prostituta, mantida por séculos depois que o Papa Gregório Magno a oficializou em seu sermão do século VI, embora nem a Ortodoxia nem o Protestantismo a adotaram quando essas religiões se separaram da Igreja Católica. Finalmente, em 1969, a Igreja admitiu que o texto da Bíblia não apóia essa interpretação. Hoje, Maria Madalena é considerada santa pelas igrejas católica romana, ortodoxa oriental, anglicana e luterana, com um dia de festa comemorado em 22 de julho.

“Maria parece ter sido um discípulo de Jesus”, conclui Cargill. “O importante é que Jesus tinha discípulos de ambos os sexos em seu ministério, o que não era necessariamente comum na época.” As teorias da prostituta e da esposa podem ter existido por séculos, mas são lendas e tradições que cresceram muito depois do fato, ele enfatiza: “Nenhuma delas [está] enraizada na própria Bíblia”.

Maria Madalena era esposa de Jesus? Maria Madalena era uma prostituta?

Como sua reputação evoluiu “de santa para pecadora”?

Maria Madalena era uma prostituta? Maria Madalena era esposa de Jesus? Ser uma prostituta arrependida não fazia parte do texto bíblico. Na foto, está a pintura de Chris Gollon, A Madalena Pré-penitente . Foto: Coleção particular / Bridgeman Art Library / Cortesia da IAP Fine Art.

Quando romancistas e roteiristas tentam inserir algo obsceno na vida de Jesus, eles se concentram em uma mulher: Maria de Magdala . Maria Madalena era uma prostituta? Maria Madalena era a esposa de Jesus? Birger A. Pearson aborda essas noções populares no artigo “De santo a pecador” abaixo.

Como observa Pearson, não há evidências substanciais para nenhuma dessas teorias. Quanto a ser nomeada no Novo Testamento, nenhum dos Evangelhos indica que ela seja Maria Madalena, esposa de Jesus. Três Evangelhos a nomeiam apenas como testemunha de sua crucificação e / ou enterro. Todos os quatro evangelhos a colocam na cena da ressurreição de Jesus (embora Lucas não a liste como testemunha). Somente no evangelho de acordo com Lucas há a menor implicação de que ela poderia ter uma vida passada que pudesse levantar as sobrancelhas e a pergunta: Maria Madalena era uma prostituta? Lucas 8 a nomeia entre outras seguidores e apoiadores financeiros e diz que ela havia sido libertada do poder de sete demônios.

Teólogos nos séculos posteriores tentaram conscientemente subestimar seu papel como seguidora influente de Jesus. Ela se identificou com a “mulher pecaminosa” em Lucas 7, a quem Jesus perdoa ao ungir seus pés, assim como com a mulher “apanhada em adultério”, que Jesus salvou de apedrejamento. No século VI, o papa Gregório pregou que ela era uma modelo penitente.


Somente a igreja ocidental disse que Maria Madalena era uma prostituta. A igreja oriental sempre a honrou como apóstolo, notando-a como o “apóstolo dos apóstolos”, com base no relato do Evangelho de João, que tem Jesus chamando-a pelo nome e dizendo-lhe para dar as notícias de sua ressurreição à Igreja. outros discípulos.

Como Birger A. Pearson expõe em “De Santo a Pecador” abaixo, um Evangelho não-canônico de Maria aumenta seu papel em uma proporção maior. Seu papel contínuo na igreja primitiva está sujeito a especulações, mas ela está realmente ganhando mais respeito nos círculos teológicos, não por ser Maria Madalena esposa de Jesus, nem por ser Maria Madalena prostituta, mas por ser uma seguidora fiel de seus Rabboni – sua professora. .


A Galiléia é um dos locais mais sugestivos do Novo Testamento – a área onde Jesus ressuscitou e de onde vieram muitos apóstolos. Nosso e-book gratuito, The Galilee Jesus Knew , concentra-se em vários aspectos da Galiléia: quão judia era a área no tempo de Jesus, os portos e a indústria pesqueira que eram tão centrais na região e vários locais onde Jesus provavelmente ficou e pregou.


“De santo a pecador”

Por Birger A. Pearson

Dan Brown, William Phipps, Martin Scorsese – ao procurar um amante ou esposa para Jesus, todos escolheram Maria Madalena. Isso não é surpreendente. Maria Madalena é reconhecida há muito tempo como uma das mulheres mais sedutoras do Novo Testamento. A maioria das pessoas pensa nela como uma prostituta que se arrependeu depois de encontrar Jesus. Na pintura do artista britânico contemporâneo Chris Gollon de A pré-penitente Madalena (acima), Mary aparece como uma femme desafiadora fatal, adornada com jóias e maquiagem.

No entanto, o Novo Testamento não diz isso. Em vez disso, em três dos quatro evangelhos canônicos, Maria Madalena é mencionada pelo nome apenas em conexão com a morte e ressurreição de Jesus . Ela é uma testemunha de sua crucificação (Mateus 27: 55–56; Marcos 15: 40–41; João 19:25) e sepultamento (Mateus 27:61; Marcos 15:47). 1 Ela é uma das primeiras (segundo a João) a chegar ao túmulo vazio (Mateus 28: 1–8; Marcos 16: 1–8; Lucas 24: 1–12; João 20: 1–10) . E ela é uma das primeiras (novamente, a primeira, de acordo com João) a testemunhar o Cristo ressuscitado (Mateus 28: 9; João 20: 14-18).

Somente o Evangelho de Lucas nomeia Maria Madalena em conexão com a vida cotidiana e o ministério público de Jesus. Lá, Maria é listada como alguém que seguiu Jesus quando ele foi de vila em vila, trazendo as boas novas do reino de Deus. “E os doze estavam com ele, e também algumas mulheres que haviam sido curadas de maus espíritos e enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual haviam saído sete demônios, e Joana, esposa de Chuza, a mordomo de Herodes, e Susanna, e muitos outros, que os proveram de seus meios ”(Lucas 8: 1–3).


Para aprender mais sobre as mulheres bíblicas com tradições menosprezadas, dê uma olhada no artigo Scandalous Women in the Bible Daily Daily , que inclui artigos sobre Jezabel e Lilith.


O epíteto “Madalena”, usado em todos os Evangelhos, indica que Maria veio da cidade mercantil de Migdal (Taricheae), na costa oeste do mar da Galiléia. 2 Ela deve ter sido uma mulher de alguns meios, se é possível confiar no relato de Lucas, pois ajudou a fornecer a Jesus e aos doze apoio material. Ela também experimentara o poder curador de Jesus , presumivelmente envolvendo um exorcismo de algum tipo. 3 Note-se, no entanto, que a autora do Evangelho de Lucas tende a diminuir o papel de Maria Madalena, em comparação com seu tratamento nos outros três evangelhos canônicos. Por exemplo, Lucas está sozinho entre os evangelhos canônicos ao afirmar que o Senhor ressuscitado apareceu exclusivamente a Pedro(Lucas 24:34; cf. 1 Coríntios 15: 5). Nenhuma aparição para Maria é registrada em Lucas. 4 Portanto, sua referência a sete demônios pode ser tendenciosa. 5

Então, como Maria se tornou uma prostituta arrependida na lenda cristã?

A pesquisa crítica forneceu a resposta para esta pergunta: aconteceu como uma tentativa consciente por parte dos intérpretes posteriores dos Evangelhos de diminuí-la. a Eles fizeram isso identificando-a com outras mulheres mencionadas nos Evangelhos, principalmente a mulher pecadora sem nome que unge os pés de Jesus com ungüento e cujos pecados ele perdoa (Lucas 7: 36–50) e a mulher sem nome levada em adultério (João 7: 53–8: 11). 6Essa fusão de textos foi sancionada no século VI pelo papa Gregório Magno (540-604) em uma famosa homilia na qual ele sustenta Maria como modelo de penitência. O papa Gregório identificou positivamente o anoiro e adúltera sem nome como Maria e sugeriu que a pomada usada nos pés de Jesus já foi usada para cheirar o corpo de Maria. Os sete demônios que Jesus expulsou de Maria foram, segundo Gregório, os sete pecados capitais, que incluem luxúria. Mas, escreveu Gregório, quando Maria se jogou aos pés de Jesus, “ela transformou a massa de seus crimes em virtudes, a fim de servir a Deus inteiramente em penitência”. 7

Assim foi inventada a prostituta original com um coração de ouro.

Curiosamente, a lenda de Maria, a prostituta penitente, é encontrada apenas na igreja ocidental; na igreja oriental, ela é homenageada pelo que era, uma testemunha da ressurreição. Outro Gregório, Gregório de Antioquia (também sexto século), em uma de suas homilias, Jesus disse às mulheres na tumba: “Proclame aos meus discípulos os mistérios que você viu. Torne-se o primeiro professor dos professores. Peter, que me negou, deve aprender que também posso escolher mulheres como apóstolos. ” 8

O papel histórico de Maria como apóstolo está claramente ligado à sua experiência de uma aparição do Cristo ressuscitado. Como observado acima, no Evangelho de João, Maria Madalena vai sozinha ao túmulo, onde é a primeira a ver o Jesus ressuscitado. Ele diz a ela para dizer a seus “irmãos” que ele está ascendendo a Deus Pai. Ela então vai aos discípulos e conta o que viu e ouviu (João 20: 1, 11–19). 9 Mais tarde, no mesmo dia, Jesus aparece aos discípulos reunidos a portas fechadas. Assim, ele confirma pessoalmente a mensagem que Maria lhes dera. Em contraste com a imagem de Lucas de Maria, em João ela surge como um “apóstolo dos apóstolos”. 10


A descoberta de um fragmento de papiro copta reacendeu a discussão sobre o casamento de Jesus. Leia mais sobre este texto cristão primitivo, com as palavras “Jesus disse a eles: ‘Minha esposa …’ ‘”, novos testes realizados sobre a autenticidade do fragmento de papiro e por que um especialista em manuscritos coptas acredita que demonstrou que o evangelho é uma falsificação .


O papel positivo desempenhado por Maria Madalena no Evangelho de João foi consideravelmente reforçado nos círculos cristãos que honraram sua memória. O Evangelho de Maria, citado no artigo que o acompanha, é o produto de uma dessas primeiras comunidades cristãs. Em seu livro recente A ressurreição de Maria Madalena , Jane Schaberg apresenta o seguinte “perfil” de nove pontos de Maria:

(1) Maria é proeminente entre os seguidores de Jesus; (2) ela existe como personagem, como memória, em um mundo textual de linguagem androcêntrica e ideologia patriarcal; (3) ela fala corajosamente; (4) ela desempenha um papel de liderança em relação aos discípulos do sexo masculino; (5) ela é uma visionária; (6) ela é elogiada por sua compreensão superior; (7) ela é identificada como a companheira íntima de Jesus; (8) ela se opõe a ou em conflito aberto com um ou mais dos discípulos do sexo masculino; (9) ela é defendida por Jesus. 11

Todas as nove características são proeminentes no Evangelho de Maria, embora muitos desses nove pontos sejam encontrados em outros textos não-canônicos.

Mas esse retrato de Maria Madalena como líder da Igreja primitiva reflete a realidade histórica? Possivelmente. Um estudioso sugeriu que Maria pode até ser mencionada juntamente com algumas outras líderes mulheres a quem Paulo envia saudações em Romanos 16: 6, onde escreve: “Saudai Maria, que trabalhou muito entre vocês”. 12 Mas isso deve permanecer especulativo. É verdade que não temos motivos para suspeitar que Maria era uma prostituta, amante ou esposa de Jesus. Mas também é verdade que, se ela era apóstola dos apóstolos, as evidências de seu papel foram suprimidas com sucesso – pelo menos até agora. Como resultado do trabalho recente de vários estudiosos, o papel apostólico de Maria Madalena no início do cristianismo está recebendo uma nova audiência.

Isso, na minha opinião, é mais importante do que vê-la como a esposa de Jesus.


“De santo a pecador”, uma barra lateral do artigo “Jesus se casou?” por Birger A. Pearson, apareceu originalmente na edição de primavera de 2005 da Bible Review . O artigo foi republicado pela primeira vez no Bible History Daily em outubro de 2011.


A Biblioteca BAS contém a edição completa de 20 anos da revista Bible Review, com centenas de artigos fascinantes como este. Participe hoje da Biblioteca BAS.


Birger A. Pearson é professor emérito de estudos religiosos na Universidade da Califórnia, Santa Barbara. Ele é um dos maiores especialistas do mundo nos evangelhos coptas e escreveu centenas de artigos e livros sobre o gnosticismo e os códigos de Nag Hammadi. Desde 1968, ele está envolvido no projeto da Biblioteca Gnóstica Copta da Universidade de Claremont.


A Galiléia é um dos locais mais sugestivos do Novo Testamento – a área onde Jesus ressuscitou e de onde vieram muitos apóstolos. Nosso e-book gratuito, The Galilee Jesus Knew , concentra-se em vários aspectos da Galiléia: quão judia era a área no tempo de Jesus, os portos e a indústria pesqueira que eram tão centrais na região e vários locais onde Jesus provavelmente ficou e pregou.


Notas:

uma. Ver Jane Schaberg, “Como Maria Madalena se tornou uma prostituta”, Bible Review , outubro de 1992.

1. Lucas 23:55 refere-se às “mulheres que vieram com ele da Galiléia” sem mencionar nenhuma delas.

2. Nessa cidade, veja esp. Jane Schaberg, A ressurreição de Maria Madalena: Legends, Apócrifos e o Testamento Cristão (Nova York: Continuum, 2002), pp. 47–64.

3. Referências a sete demônios podem significar que ela estava totalmente possuída. Sobre os sete demônios, ver Esther de Boer, Maria Madalena: Além do Mito (Harrisburg, PA: Trinity Press International, 1997), pp. 48–55.

4. Ver esp. Ann Graham Brock, Mary Magdalene, o Primeiro Apóstolo: A Luta pela Autoridade (Cambridge, MA: Harvard University Press, 2003), pp. 19–40.

5. Em um final secundário do Evangelho de Marcos, diz-se que Jesus “apareceu primeiro a Maria Madalena, de quem expulsara sete demônios” (Marcos 16: 9). O final secundário provavelmente depende do evangelho de Lucas. Como atestam os melhores manuscritos, as primeiras versões de Marcos terminam em 16: 8.

6. Mel Gibson faz essa identificação em seu filme, A Paixão de Cristo . Sobre a fusão tendenciosa de tradições, ver esp. Schaberg, Ressurreição de Maria Madalena , pp. 65-77, 82.

7. Citado em Schaberg, Ressurreição de Maria Madalena , p. 82

8. Citado em de Boer, Maria Madalena , p. 12)

9. Vv. 2–10 são provavelmente uma interpolação posterior para um relato mais original e interrompem o fluxo da narrativa.

10. Sobre esse termo, veja Brock, Maria Madalena, o Primeiro Apóstolo , p. 1. O livro de Brock é uma discussão valiosa sobre o apostolado no início do cristianismo e o papel de Maria nele.

11. Schaberg, Ressurreição de Maria Madalena , p. 129

12. de Boer, Maria Madalena , pp. 59–60.

Maria Madalena

https://www.encyclopedia.com/

A mulher conhecida na tradição cristã como Maria Madalena tem sido uma figura controversa, interpretada pelas referências do Novo Testamento como uma prostituta arrependida que encontrou cura aos pés de Jesus, como vigia na Cruz, como assistente do enterro de Jesus e como a primeira pessoa a ouvir as palavras do Cristo ressuscitado.

Figura amada por muitos cristãos – ela é uma santa católica com um dia de festa em 22 de julho – Maria Madalena sofreu nas mãos de alguns historiadores e foi reverenciada por outros. Enquanto a tradição católica romana sustenta que Maria era uma mulher caída que veio a aceitar e reverenciar Jesus e esteve presente em sua ressurreição, o revisionismo bíblico mais recente deu a Maria Madalena uma segunda olhada. Muitos historiadores desde o início do século XX – operando em uma visão de mundo cada vez mais humana, feminista e liberal – deram a Maria uma estatura renovada ao despojá-la dos pecados de outros personagens menores que têm o mesmo nome. O interesse em Mary Madgalene, objeto de várias obras acadêmicas do revisionismo histórico, tornou-se ainda mais difundido com o best-seller de mistério de assassinato de Dan Brown, o Código Da Vinci, que popularizou a teoria de que ela era a esposa de Jesus.

O nascimento e o lar da mulher conhecida como Maria Madalena estão, como muitos na Bíblia, envoltos em mistério. Muitos acreditam que o nome dela identifica o local de nascimento como Magdala, perto de Tiberíades, uma vila na costa oeste do mar da Galiléia nos dias de Jesus. Outros acreditam que deriva de uma expressão talmúdica que significa “enrolar o cabelo das mulheres”, implicando uma mulher de caráter moral frouxo.

O Registro Bíblico

As referências do Novo Testamento a uma mulher chamada Maria são poucas, embora coletivamente compreendam a maior referência a uma única mulher, se é que existe apenas uma Maria. No entanto, os estudiosos dividiram essas referências em três grupos: Maria, a pecadora arrependida, Maria de Betânia e Maria Madalena.

Em Lucas 7:37, uma mulher aparece na casa de Simão, o fariseu, na Galiléia, onde Jesus está jantando; ela lava os pés dele com as lágrimas, seca-os com os cabelos e unge-os com óleos que carrega em uma caixa de alabastro. Essa mulher sem nome é uma pecadora, uma mulher criada na cidade e provavelmente uma prostituta. Jesus perdoa seus pecados, dizendo-lhe: “Tua fé te salvou; vai em paz”. Em João 12: 3, essa mulher é identificada como Maria e a pomada descrita como “nardo, muito cara”.

No décimo capítulo do evangelho de Lucas, o escritor identifica uma das mulheres que o acompanha em sua jornada com os doze apóstolos, em 8: 2 mencionando “Maria chamada Madalena, de quem foram sete demônios” – a referência aos demônios talvez o que significa que ela era epilética e vista como possuída por espíritos malignos. Lucas não liga esta Maria à mulher do capítulo 7, o pecador ungindo os pés de Jesus. Maria Madalena também é identificada como uma das três mulheres presentes na morte de Jesus (João 19:25) e sepultamento, em Marcos 15:40: “que também, quando estava na Galiléia, o seguia e ministrava a ele”. Mateus 27:61 a faz “sentar-se contra o sepulcro” depois que uma grande pedra foi rolada contra a abertura para proteger o corpo de Jesus.

Ela também está, de acordo com Mateus 27: 55–56 e 28: 1, presente no primeiro sábado após a morte de Jesus, quando se descobre que o sepulcro está vazio. O evangelho de João vai além dos eventos que envolvem a ressurreição de Jesus, descrevendo no capítulo 20 os detalhes da descoberta de Maria Madalena, no escuro da manhã, que a tumba de Jesus foi aberta, seus esforços para informar os outros discípulos e seu retorno à Igreja. túmulo. Enquanto chorava sozinha no túmulo, ela encontra dois anjos. “E disseram-lhe: Mulher, por que choras? Ela disse-lhes: Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram” (João 20: 13–14). Ela então encontra Jesus, mas a princípio não o reconhece. Ele diz a ela que ele deve ascender a seu pai; ela volta e conta aos discípulos incrédulos “

Em Lucas 10:38, o escritor descreve a visita de Jesus à casa de Marta, que “tinha uma irmã chamada Maria, que também se sentou aos pés de Jesus e ouviu sua palavra”. Acredita-se que a casa de Martha em “uma certa vila” esteja localizada em uma cidade fora da Galiléia, possivelmente Betânia. Lucas não vincula esta Maria com suas outras duas referências a mulheres com esse nome, embora na versão dos acontecimentos de João, quando essa Maria unge os pés de Jesus, ela o faz na casa de Lázaro de Betânia (João 12: 1–3). . John também é muito cuidadoso ao salientar que Betânia é “a cidade de Maria e sua irmã Marta, que eram irmãs de Lázaro”. (“Foi aquela Maria que ungiu o Senhor com ungüento”, de acordo com João 11: 1–2.) Em Mateus 26: 6–13, também se diz que o evento ocorre em Betânia – embora no lar de “

Visões Conflitantes Ao Longo Da História

A mulher claramente identificada no Novo Testamento como Maria Madalena, judia e talvez epilética, era uma companheira constante de Jesus durante seu ministério na Galiléia e foi uma de suas primeiras seguidores. Ela também era provavelmente rica o suficiente para ser uma mulher solteira autossustentável enquanto ajudava no apoio de Jesus e seu pequeno ministério. Leal até o fim, Maria Madalena testemunhou a crucificação e o enterro do corpo de Jesus na tumba; ela também foi a primeira testemunha registrada da ressurreição. Segundo João, o Jesus ressuscitado escolhe Maria Madalena de todas as outras, encarregando-a sozinha de trazer a seus discípulos notícias de sua transcendência sobre a morte. Os possíveis links para uma mulher pecadora e devassa que finalmente se arrepende de Jesus, assim como em vários casos em que as mulheres nomeadas Maria honraram seu líder espiritual lavando-o e ungindo-o, criaram séculos de controvérsia. Com ou sem razão, eles também fizeram muito para criar a figura amada de Santa Maria Madalena, penitente apaixonada.

Os estudiosos ficaram intrigados com as diferenças nos relatos de Lucas, João, Marcos e Mateus por séculos. Explicando as ambigüidades que surgem em relação a Maria, alguns têm a hipótese de que João, que registrou suas lembranças 85 anos após a morte de Jesus, sentiu-se capaz de expor Maria de Betânia como o mesmo pecador arrependido que ungiu os pés de Jesus, porque sua morte o libertara do pecado. precisa proteger sua reputação. O relato de Luke, escrito muito antes, poderia ter sido escrito por um homem diplomático que não desejava mal a uma mulher que ainda estivesse viva. O relato de Marcos suscita um possível vínculo entre Maria de Betânia e Maria Madalena, através da descrição da gratidão de Jesus pelas ações da mulher tão perto de sua morte: “ela chegou a prever ungir meu corpo ao sepultamento. Em verdade vos digo:

Os escritos do Papa Gregório Magno, que reconstruíram a Igreja Católica Romana em uma força controladora em toda a Europa medieval, foram os primeiros a estabelecer todas as referências bíblicas a Maria como se referindo a uma única mulher chamada Maria: uma pecadora reformada que se tornou a prostituta penitente de Maria. Tradição cristã. No entanto, muitos discordaram da posição de Gregório e viram a visão conflituosa de Maria uma mulher forte e resiliente que alcança a redenção humilhando-se diante de Jesus. Muitos estudiosos recentes, na esteira de uma consciência feminista em desenvolvimento, atribuíram a Gregory uma tendência misógina que eles perceberam em grande parte da doutrina católica. Jane Schaberg se refere a isso em A ressurreição de Maria Madalena como prostituição. Em resposta a esses críticos, a Igreja Católica, em 1969, revisou seus ensinamentos para separar Maria em três mulheres únicas.

Na tradição ortodoxa oriental, as referências bíblicas identificam a Maria da tradição romana como três pessoas separadas: a mulher caída que aparece na mesa de Jesus em Lucas 7: 36–50; Maria, irmã de Marta e Lázaro, que unge Jesus em Lucas 10: 38–42 e João 11 e 12; e a mulher claramente referida nos relatos da morte e ressurreição como Maria Madalena. Nesta interpretação, Jesus foi ungido com óleo em duas ocasiões separadas, apenas uma vez por uma mulher chamada Maria.

Historiadores protestantes propuseram a noção de duas pessoas distintas conhecidas como Maria, desconsiderando a disposição dos católicos romanos de equiparar Maria de Betânia ao “pecador” mencionado em Lucas 7:37. Os historiadores católicos romanos contestam que os protestantes não apreciam o papel de Maria em ilustrar a importância do perdão dos pecados.

Aparência Em Outros Textos

Durante os séculos XIX e XX, vários textos cristãos antigos foram descobertos escondidos no Egito e datando dos séculos II e III. Esses escritos retratam Maria Madalena como não apenas uma mulher solicitada por Jesus para espalhar as boas novas de sua ressurreição a seus doze discípulos; eles revelam um discípulo leal que era um líder na igreja primitiva devido a seu testemunho real do renascimento de Jesus.

Sophia de Jesus Cristo nomeia Maria Madalena como parte de um pequeno grupo de homens e mulheres confiados pelo Jesus ressuscitado na pregação do evangelho. No evangelho de Filipe, ela é referida como companheira de Jesus e como alguém que amava mais do que todos os outros discípulos. A referência deste trabalho a Jesus beijando Maria na boca – uma referência que aparece em outros textos – apóia a alegação de que Maria Madalena era amante de Jesus, além de seu seguidor mais ardente. No Diálogo do Salvador e da Pistis Sophia, ela é citada como igual entre os outros discípulos, todos homens.

No Evangelho Gnóstico de Maria, que data de 125 dC, aceito por muitos como um registro de seus escritos, Maria Madalena mostra-se resoluta em sua crença em Jesus como filho de Deus. Após a morte de Jesus, ela assume o papel de guia espiritual, aconselhando outros nos ensinamentos de Jesus e inspirando muitos a se unirem a ela na fé cristã. Ela também revela sua estreita relação com o Jesus vivo e admite ter visões nas quais recebe os ensinamentos de Cristo ressuscitado.

O Culto De Maria Madalena

Nos séculos seguintes à sua morte, as lendas em torno de Maria Madalena evoluíram. Há muita especulação sobre o relacionamento entre Maria Madalena e Jesus, alguns até dizendo que Maria estava grávida do filho de Jesus no momento de sua morte. De acordo com os escritos de Gregório de Tours e da tradição da Igreja Ortodoxa Grega , a santa se retirou para Éfeso com João e morreu ali, e seu corpo (ou relíquias) foi transferido em 886 para Constantinopla. Outras histórias sustentam que ela se mudou para a Gália após a crucificação de Jesus ou para um deserto para viver sua vida em isolamento.

Uma tradição francesa, contada em A lenda dourada de Jacobus de Voragine ,e que surgiu pela primeira vez no século IX, sustenta que Maria Madalena viajou com um pequeno grupo que incluía José de Arimetéia e Lázaro e sua irmã Marta, navegando para a França e divulgando o evangelho cristão por toda a área que hoje é a Provença. Aposentando-se para uma pequena casa em uma colina em Sainte-Baume, ela viveu reclusa por várias décadas até sua morte. Segundo essa tradição, o corpo de Maria foi enterrado em Villa Lata (mais tarde St. Maximin), em Aix-de-Provence. Nas décadas de 730 e 740, segundo o historiador Sigebert, o medo de ataques sarracenos levou à transferência temporária dos restos mortais de Maria Madalena para Vézelay. Muitos séculos depois, em 1279, um convento dominicano foi construído em Sainte-Baume por ordem do rei Carlos II de Nápoles, e um antigo santuário foi descoberto. Em 1600, os restos descobertos foram protegidos por um sarcófago por ordem do Papa Clemente VIII. Após as guerras napoleônicas, o convento de Sainte-Baume foi reconstruído e o túmulo antigo reconsagrado. Embora o local tenha sido um local tradicional de peregrinação, oA Igreja Católica Romana não apóia a alegação de que os restos mortais de Sainte-Baume são de Maria Madalena.

Como Lynn Picknett relatou em seu livro Maria Madalena: Deusa Oculta do Cristianismo, a crença em Maria Madalena tem sido tão forte que muitos foram martirizados por causa disso. No dia da festa de Santa Maria, em 22 de julho de 1206, por exemplo, todos os homens, mulheres e crianças que moravam na pequena cidade francesa de Béziers foram massacrados por cruzados de Roma, porque não estavam dispostos a abandonar a crença de que Maria fora outrora o amante de Jesus.

Santa Maria Madalena tornou-se um ícone representando a penitente mulher caída. Pinturas suas ao longo dos tempos costumam retratá-la como uma mulher um tanto sensual, com cabelos ruivos e despenteados que podem ser adequados a uma prostituta. Ela é descrita como banhando os pés de Jesus ou ficando cara a cara com o Cristo ressuscitado perto do túmulo aberto de Jesus. Maria Madalena também aparece em muitas representações artísticas da crucificação e sepultamento de Jesus. O popular nome francês Madeleine é derivado da palavra Madalena.

Livros

Encyclopedia of Women and World Religion, editado por Serenity Young, Macmillan Reference, 1999.

Bíblia Sagrada, Versão King James Autorizada, William Collins & Son, 1839.

Picknett, Lynn, Mary Magdalene: Deusa Oculta do Cristianismo, Carroll & Graf, 2003.

Schaberg, Jane, A ressurreição de Maria Madalena: lendas, apócrifos e o testamento cristão, Continuum, 2002.

Periódicos

Time, 11 de agosto de 2003. US Catholic, abril de 2000.

Conectados

Enciclopédia Católica, www.newadvent.org/ (26 de janeiro de 2004).

Mary Magalene, http://wwwmagdalene.org/ (26 de janeiro de 2004).

MARIA MAGDALENE . Mencionada pelo nome em apenas catorze versos no Novo Testamento , Maria Madalena é, no entanto, uma das figuras mais importantes e influentes da história do cristianismo. Maria veio de uma cidade próspera às margens do mar da Galiléia , que nos evangelhos canônicos é chamada por seu nome aramaico, Magdala. Em grego, é conhecido como Tarichaeae. Na antiguidade, a cidade tinha uma reputação de exportar peixe de sal e óleo de peixe de qualidade. É possível que a própria Mary estivesse envolvida em alguns negócios relacionados à indústria da pesca. Essa ocupação é bem atestada para as mulheres no início da Palestina romana, e a corte de Herodian, nas proximidades de Tiberíades, comprava regularmente mercadorias de fornecedores do sexo feminino. Quando Maria é apresentada em Lucas 8: 2, ela está na companhia de Joanna, esposa de um funcionário herodiano, sugerindo que Maria teve contato com o tribunal.

Lucas apresenta Maria Madalena como alguém que seguiu Jesus durante seu ministério na Galiléia. Segundo o terceiro evangelho, Jesus curou Maria de um distúrbio não especificado, que a destaca como a única companheira íntima a quem ele cura. Lucas também registra que Maria “ministrou” (o verbo grego significa “cuidar de” ou “prover”) a Jesus e seus seguidores “com [seus] recursos”. O verso pode lembrar o patrocínio de Maria como uma empresária bem-sucedida.

Sempre que um grupo de mulheres seguidores é listado nos evangelhos canônicos, Maria é mencionada primeiro, uma indicação de sua preeminência. Os evangelhos também relatam que Maria está presente na crucificação em Jerusalém. Por fim, ela é a única pessoa a ser nomeada nos quatro evangelhos como testemunha da ressurreição, qualificando-a posteriormente para receber o prêmio de apóstolo.

Maria Na Literatura Não Canônica

No final do século XIX, foram encontrados fragmentos de um evangelho extra-canônico escrito em nome de Maria Madalena. A descoberta de um manuscrito copta incompleto foi seguida no início do século XX pela recuperação de partes adicionais do texto em grego. Os estudiosos geralmente datam sua composição para o segundo século. O evangelho retrata Maria como receptora de uma visão de Cristo na qual é louvada por sua fidelidade. Peter aparece como um adversário, atacando Mary quando ela explica sua visão. Pedro pergunta incrédulo se Jesus realmente “falou com uma mulher sem o nosso conhecimento [e] não abertamente”.

Evangelho de Tomás , também um texto do século II, descreve a tentativa de Pedro de desacreditar qualquer autoridade que Maria possua entre os discípulos, atribuindo a ele a declaração: “Deixe Maria nos deixar, porque as mulheres não são dignas da vida”. O Jesus ressuscitado refuta a demissão de Pedro, respondendo: “Olha, eu mesmo a liderarei para torná-la homem, a fim de que ela também se torne um espírito vivo semelhante a você. Para cada mulher que se tornar homem, entrará no reino de céu.”

Um grande corpo de literatura gnóstica encontrado em Nag Hammadi, Egito, em 1945, foi publicado na década de 1970. Os textos incluem vários manuscritos extra-canônicos sobre Maria Madalena, notadamente a Pistis Sophia do século III , o Evangelho de Filipe e o Diálogo do Salvador. Sophia de Jesus Cristo foi datada do início do século IV, embora alguns estudiosos argumentem que exibe características que sugerem uma data anterior de composição. Esses escritos despertaram um novo interesse no relacionamento de Maria com Jesus e em sua autoridade entre os primeiros cristãos. Eles também indicam uma grande diversidade de ensino durante os anos de formação do novo movimento religioso.

Maria é retratada nas obras gnósticas como tendo um relacionamento particularmente íntimo com Jesus. Ela é elogiada por ter recebido ensinamentos particulares dele e é apresentada como líder dentro da comunidade cristã. De particular interesse, o Evangelho de Filipe retrata Maria como aquela a quem Jesus mais amava do que os outros discípulos e como quem ele beijava com frequência. O ato de beijar como uma saudação e sinal de afeto é bem atestado como uma prática comum entre os primeiros cristãos, como testemunham as epístolas de Paulo. O beijo de Jesus, portanto, não implica necessariamente um relacionamento sexual, embora alguns comentaristas do século XX tenham interpretado dessa maneira.

Pedro aparece nos textos gnósticos constantemente se opondo à autoridade de Maria. Como resultado, alguns estudiosos sugerem que os escritos gnósticos revelam uma luta dentro da igreja primitiva entre uma facção que reconhece em Maria um modelo para a autoridade e liderança das mulheres e um grupo petrino que se opõe à autoridade das mulheres. Outros estudiosos interpretam Pedro como representando a posição ortodoxa emergente, enquanto Maria defende a visão gnóstica.

“Apóstolo Dos Apóstolos”

Escrevendo em Gálatas 1:11 – 17, Paulo sugere que um apóstolo é aquele que recebe uma aparência do Senhor ressuscitado e que é comissionado para proclamar sua mensagem. Nos evangelhos canônicos, Maria é registrada como cumprindo essas duas condições. Hipólito, um bispo do século III, é geralmente considerado a primeira pessoa a nomeá-la como “apóstolo dos apóstolos”. Agostinho de Hipona no século IV e João Crisóstomo no quinto também conferem a Maria esse título. Alguns estudiosos argumentam que a denominação de apóstolo é honorífica no caso de Maria. No entanto, como ela atende aos critérios, parece não haver necessidade de assumir que o título seja nada menos que o reconhecimento de seu apostolado. A persistência e sobrevivência do epíteto confirmam a importância de Maria entre os primeiros cristãos.

No século VI, o papa Gregório I (o Grande) declarou que Maria Madalena era amada pelo salvador e era líder de um grupo de apóstolos. Ele também proclamou que a galileu Maria Madalena, a Judéia Maria de Betânia e a outra Maria eram uma e a mesma pessoa, unindo três mulheres distintas. No Ocidente, mitos piedosos surgiram com base na fusão. Segundo uma tradição do século XI, Maria, agora identificada como irmã de Marta e Lázaro, introduziu o cristianismo na França. No cristianismo oriental, a confusão não surgiu, pois as distinções entre as mulheres foram mantidas.

Maria, A Penitente

A reputação de Maria como apóstolo, pregadora e líder declinou à medida que a autoridade masculina aumentou no cristianismo ortodoxo. Gregory I não apenas confundiu três Marias, ele também transformou Maria Madalena em prostituta, declarando-a uma prostituta redimida em um sermão em 591. Maria foi estigmatizada como prostituta por meio de uma associação com o pecador sem nome mencionado em Lucas 7:36 – 50, uma identificação errônea que durou mil e quatrocentos anos. No ensino da igreja e na arte cristã, Maria foi retratada como um modelo de arrependimento e usada como uma ferramenta de propaganda. Sua deturpação serviu aos propósitos de uma igreja que promove o ascetismo, transformando-a em um paradigma moral: a prostituta infiel perdoada e restaurada.

O consenso acadêmico desde os anos 80 retornou Maria Madalena à sua posição de autoridade e liderança no início do cristianismo. A identificação dela como prostituta foi exposta como equivocada e rejeitada por falta de evidências. O estudo da literatura não-canônica revelou que a influência de Maria durou pelo menos seis séculos antes de sua fusão com Maria de Betânia e a chamada outra Maria. Ao mesmo tempo, a literatura gnóstica levantou questões sobre os primeiros ensinamentos cristãos sobre a salvação das mulheres. O papel canônico de Maria como associado íntimo de Jesus, discípulo fiel e testemunha da ressurreição, juntamente com os relatos não-canônicos dela como pregadora e missionária, revisaram sua memória como um modelo para as mulheres cristãs.

 

Bibliografia

Boer, Esther de. Maria Madalena: além do mito. Traduzido por John Bowden. Harrisburg, Pensilvânia, 1997. De Boer revisita a tradição de Maria Madalena como prostituta redimida. Ela examina a literatura canônica e o Evangelho de Maria , colocando os relatos em seus contextos históricos, sociais, culturais e teológicos no cristianismo formativo. O trabalho de De Boer conclui que Maria não era uma prostituta penitente, mas um discípulo corajoso e persistente.

Brock, Ann Graham. Maria Madalena, o primeiro apóstolo: a luta pela autoridade. Cambridge, Massachusetts, 2003. Esta dissertação de doutorado revisada argumenta que Madalena cumpre os critérios de um apóstolo. Brock reexamina cuidadosa e persuasivamente os retratos canônicos do evangelho, particularmente os de Lucas e João, antes de recorrer à literatura gnóstica. Seu tratamento de uma rivalidade frequentemente proposta entre os defensores da Madalena e um grupo petrino é especialmente instrutivo. Brock fornece uma bibliografia abrangente da literatura em francês, alemão, italiano e inglês.

Haskins, Susan. Maria Madalena: Mito e Metáfora. Londres, 1993. Haskins explora como a história da Madalena foi transmitida através da história cristã, não apenas por meio de textos bíblicos e cristãos primitivos, mas também por meio de representações visuais de meados do século III até a última década do século XX. A análise dos textos de Haskins parece rudimentar em comparação com estudos subsequentes, mas como um dos primeiros trabalhos acadêmicos sobre Maria Madalena, seu livro continua sendo uma contribuição importante. É particularmente valioso por suas representações medievais.

Jansen, Katherine Ludwig. “Maria Magdalena: Apostolorum Apostola. ” Nas mulheres pregadoras e profetas através de dois milênios do cristianismo , editada por Beverly Mayne Kienzle e Pamela J. Walker, pp. 57 – 96. Berkeley, Califórnia, 1998. Jansen observa que entre os séculos XI e XIII. séculos XVI, a pregação medieval circulou a história de Madalena como apostola. Ela examina exemplos que se baseiam em tradições piedosas, apresentando Maria como modelo missionária.

Rei, Karen. O Evangelho de Maria Madalena: Jesus e a primeira mulher apóstolo. Santa Rosa , Califórnia, 2003. King, estudioso do gnosticismo, argumenta que o Evangelho de Maria privilegia o conhecimento espiritual interior sobre o conhecimento adquirido externamente. Ela examina os ensinamentos do Evangelho sobre vários tópicos, como corpo, autoridade das mulheres e experiências visionárias, apontando que a escrita rejeita o sofrimento e a morte de Jesus como um caminho para a vida eterna.

Marjanen, Antti. A mulher que Jesus amava: Maria Madalena na biblioteca Nag Hammadi e documentos relacionados. Leiden, 1996. Este estudo, uma dissertação revisada, avalia as descrições de Maria Madalena encontradas na literatura gnóstica. Conclui que ela é apresentada como uma discípula proeminente e até íntima de Jesus, que é um modelo para as mulheres nas comunidades cristãs primitivas. Marjanen observa uma tensão, no entanto. Embora Maria Madalena seja elogiada, a linguagem reflete subversivamente uma cultura patriarcal que conecta o homem ao espiritual, perfeito e transcendente e a mulher ao sensual, incompleto e mundano.

Robinson, James M., ed. Biblioteca Nag Hammadi em inglês. Traduzido por membros do Projeto Copta da Biblioteca Gnóstica do Instituto de Antiguidade e Cristianismo. São Francisco , 1977.

Schaberg, Jane. Ressurreição de Maria Madalena: As Lendas, Apócrifos e o Testamento Cristão. Nova York , 2002. Com base na literatura canônica e extra-bíblica, este estudo feminista aborda seu assunto através de uma análise de lendas, arqueologia e tradições gnósticas, empregando as idéias de Virginia Woolf sobre estruturas de dominação e comunidade.

Diane Treacy-Cole (2005)

 

Maria Madalena

Maria Madalena (Maria de Magda, atualmente Mejdel em Israel) é mencionada no Evangelho de Mateus, aparecendo na cena da crucificação: “Havia também muitas mulheres ali, observando de longe, que haviam seguido Jesus da Galiléia, ministrando a ele, entre os quais Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e José, e mãe dos filhos de Zebedeu “(Mateus 27: 55-56). Maria Madalena também é a testemunha mais notável da ressurreição, junto “com a outra Maria”: “Agora, depois do sábado, perto do amanhecer do primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro …” (Mateus 28: 1-10). O anjo do Senhor diz às mulheres que Jesus ressuscitou e informam os apóstolos.

Maria Madalena está presente na Crucificação nos três Evangelhos sinópticos e no Evangelho de João, que enfatiza a importância dessa discípula descrevendo-a como a primeira pessoa a quem o Jesus ressuscitado aparece no jardim e se dirige: “Mas Maria permaneceu chorando do lado de fora da tumba … ela se virou e viu Jesus parado … ‘Maria …’ Ela se virou e disse a ele em hebraico ‘Rabboni …’. Maria Madalena foi e disse aos discípulos: ‘Eu vi o Senhor’, e ela lhes disse que ele lhe havia dito essas coisas “(João 20: 11-20).

A IGREJA E A IMAGEM DE MARIA MAGDALENE

Assim, Maria Madalena foi reconhecida como a primeira testemunha do princípio mais importante do dogma cristão: a ressurreição. Depois que a Igreja começou a combinar as várias mulheres nomeadas Maria e declarou sem evidência que Maria Madalena era a pecadora que lavou e ungiu os pés do Senhor no Evangelho de Lucas, sua figura ficou distorcida. Assim, Gregório Magno declarou em 591 que Maria era a mulher pecadora em Lucas, a mesma a quem João chama Maria de Betânia e a que em Marcos é exorcizada por Jesus. Muitos pais da Igreja Latina adotaram essa versão e a identificaram com Maria de Betânia, irmã de Marta e Lázaro, e também com o pecador anônimo em Lucas 7: 36-50. Os Padres da Igreja Grega, começando com Orígenes, atribuíram uma identidade diferente a cada um dos três Maries, mas ao longo dos séculos na Europa e na América,

As lendas e tradições religiosas populares, começando no século IX com as Miracula de Maria Madalena e continuando com a Legenda Aurea de Jacobus de Voragine (nascida em 1230), datada de 1260, datam de 1260, têm relação direta com sua iconografia, e Maria Madalena foi retratada como a Madalena arrependida e penitente, com cabelos compridos e soltos, um símbolo de abandono a Deus. A Legenda , além disso, registra a lenda de que Maria Madalena acabou em Marselha, França, grávida de uma criança, talvez de John, de quem, em última análise desce a linha real francesa.

Diz-se também de Maria Madalena, cujo segundo nome significa permanecer culpado e cujo primeiro nome significa marum mare , ou mar amargo : “[Ele] era magnífico na superabundância da graça, porque onde a transgressão abundava, a graça era superabundante”. ( Legenda Aurea , pp. 374-375). Segundo a mesma lenda, Maria morreu em Aix-en-Provence depois de passar trinta dias no deserto. Em 769, durante o tempo de Carlos Magno, Gerard, duque da Borgonha, incapaz de ter um filho, construiu um mosteiro em Vézelay e ordenou que as relíquias de Maria Madalena fossem trazidas de Aix para lá. Segundo o cronista Joinville, em 1248, Luís IX , o rei da França ( São Luís) fizeram uma peregrinação a Aix, onde se dizia que o corpo de Madalena estava (Le Goff 1996). Em 1279, novos restos de relíquias foram descobertos em Aix, na cripta de São Maximin, que fora a protetora de Maria desde a época em que estava na Palestina e a quem Pedro a confiara ( Legenda Aurea , pp. 374-381). Ela é a santa padroeira de Vézelay, onde suas relíquias são guardadas e onde é venerada; seu dia de festa em 22 de julho é um grande dia sagrado.

MARIA MAGDALENE COMO PATRON SAINT

Maria Madalena tornou-se a santa padroeira das prostitutas, fabricantes de perfumes, jardineiros e fabricantes de barris. Na França, ela está associada aos frutos maduros do final do verão. As frutas (uvas, pêssegos, peras e ameixas) que amadurecem subitamente em seu dia de festa foram chamadas madeleinese nesse dia os viticultores fizeram uma oferta de suas primeiras uvas, pendurando-as em seu altar (Canadé Sautman 1995, Gaignebet e Lajoux 1985). Maria Madalena também é a padroeira das mulheres em trabalho de parto e está ligada à cor vermelha do véu que usava na crucificação (Canadé Sautman 1995). Segundo o etnólogo Claude Gaignebet, o homem selvagem do inverno na tradição popular européia é companheiro de Maria Madalena e está vestido com seus cabelos (Gaignebet e Lajourx ​​1985). Ela também está conectada com o apóstolo James, que, como ela, é um santo da Canícula ( dias de cachorro ), cortadores de pedra, o cão de guarda e a concha de Vênus.

A palavra maudlin , que significa penitente choroso , deriva do inglês médio Maudelen , do latim tardio e do grego Magdalènè . É evidente que a reputação de Maria foi afetada por essa caracterização, embora de maneira melancólica, e essa imagem obscureceu seu outro lado como um exemplo da vida contemplativa, em contraste com sua irmã Martha, como é vista por Dante ( Convivio , IV, xvii, 10-11).

OUTRAS IMAGENS DE MARIA MAGDALENE

A figura e o papel de Maria Madalena são ainda mais complicados se considerarmos o Evangelho Gnóstico de Maria Madalena, descoberto no Egito em 1896, no qual Maria assume um papel principal e principal, mais importante ainda que o de Pedro (Pagels 2003). Este texto estabelece Maria Madalena como um verdadeiro discípulo de Jesus e aquele a quem o Cristo ressuscitado apareceu e transmitiu coisas desconhecidas aos outros. Assim, Maria se torna, como afirma Ann Graham Brock (2003), o “apóstolo dos apóstolos”, e sua figura é um desafio direto à doutrina da Igreja Católica no que diz respeito à ordenação de mulheres no sacerdócio. A importância dos vários textos gnósticos, incluindo o Evangelho de Filipe e o Evangelho de Judas, é aceita por estudiosas feministas que procuram trazer de volta a figura da Madalena histórica que a Igreja escolheu distorcer. Jane Schaberg, uma estudiosa bíblica feminista, faz isso emA ressurreição de Maria Madalena (2002), mostrando que Maria era uma mulher poderosa, muito próxima de Jesus e até de João, mas cuja legitimidade foi minada pela Igreja em seu desejo de enterrar a verdadeira imagem de uma importante discípula. A argumentação de Schaberg foi aceita e transmitida no trabalho de acadêmicas feministas como Karen L. King (2003), Ann Graham Brock (2003), Margaret Starbird (1993) e Bruce Chilton (2005).

Desde 1969, a Igreja Católica faz uma distinção entre o pecador descrito em Lucas, Maria de Betânia, e Maria Madalena, que estava presente na Cruz e na Ressurreição. Embora reconheça que Maria Madalena fala a linguagem do amor (como no “Evangelho de João” no Comentário Bíblico de Jerônimo1968, p. 462), não modificou seus ensinamentos sobre as mulheres e o sacerdócio. Nos Evangelhos canônicos, Jesus mostra ter quebrado o tabu de falar com as mulheres em público, como no caso da mulher samaritana, mas os Evangelhos Gnósticos mostram que Pedro e os discípulos não podiam aceitar a ideia de que uma mulher havia recebido preeminência do Senhor, como no caso de Maria Madalena. O poder das crenças populares e a iconografia da mulher arrependida implantada e explorada ao longo dos séculos tornaram impossível dissociar a figura de Maria da prostituta penitente. Essa caracterização permaneceu constante até que o trabalho de estudiosas feministas e de outras estudiosas bíblicas levantou sérias questões sobre a figura de Maria Madalena como pecadora ou santa (ver Time , 11 de agosto de 2003, eThe New Yorker , 13 e 20 de fevereiro de 2006) e a questão de saber se ela foi um dos primeiros apóstolos.

Embora não haja evidências de que Maria Madalena era prostituta, que era amante de Jesus ou que eram casadas e tiveram um filho, há evidências tanto nos evangelhos canônicos quanto nos gnósticos de que ela era apóstola como as outras, talvez alguém que estava ainda mais perto de Jesus. Os mitos e as lendas que cercam Maria Madalena e a popularidade de filmes e romances contemporâneos como o Código Da Vinci (2003) de Dan Brown reabriram o debate e talvez dê a Maria Madalena seu significado histórico adequado como um dos primeiros e mais próximos apóstolos de Jesus .

 

BIBLIOGRAFIA

Brock, Ann Graham. 2003. Maria Madalena, o primeiro apóstolo: a luta pela autoridade . Cambridge, MA: Harvard Divinity School.

Brown, Dan. 2003. O Código Da Vinci: A Novel . Nova York : Doubleday.

Brown, Raymond E .; Joseph A. Fitzmyer; e Roland E. Murphy. 1968. O comentário bíblico de Jerônimo . Penhascos de Englewood, NJ: Prentice Hall.

Canadé Sautman, Francesca. 1995. La Religion du quotidien: Rites et croyance populaires of the fin du moyen age . Florença, Itália: Leo S. Olschki.

Chilton, Bruce. 2005. Maria Madalena: Uma Biografia . Nova York : Doubleday.

Gaignebet, Claude e Jean-Dominique Lajoux. 1985. Arte profana e religião popular na idade média . Paris: Imprensa Universitaires de France.

Hearon, Holly E. 2004. A tradição de Maria Madalena: Testemunha e contra-testemunha em comunidades cristãs primitivas . Collegeville, MN: Imprensa litúrgica.

King, Karen L. 2003. O Evangelho de Maria Madalena: Jesus e a Primeira Mulher Apóstolo . Santa Rosa , Califórnia: Polebridge Press.

Le Goff, Jacques. 1996. Saint Louis . Paris: Gallimard.

Pagels, Elaine H. 1987. Os Evangelhos Gnósticos . Nova York: Random House.

Pagels, Elaine H. 2003. Além da Crença: O Evangelho Secreto de Thomas . Nova York: Random House.

Schaberg, Jane. 2002. A ressurreição de Maria Madalena: lendas, apócrifos e o testamento cristão . Nova York: Continuum.

Starbird, Margaret. 1993. A mulher com o jarro de alabastro: Maria Madalena e o Santo Graal . Santa Fe , Novo México: Bear & Co.

Wilson, AN 1992. Jesus . Nova York: Norton.

Giuseppe Di Scipio

Maria Madalena (e). Um seguidor de Jesus, de quem ele expulsou sete demônios, que o ministraram na Galiléia (Lucas 8. 2). Ela permaneceu perto da cruz (Marcos 15. 40) com outras mulheres (quando os discípulos fugiram) e foi a primeira a encontrar o Cristo ressuscitado, sendo encarregada de proclamar a ressurreição às onze. Por esse motivo, ela foi chamada (primeiro por Hipólito de Roma, no início do terceiro século). “O apóstolo dos apóstolos”. No entanto, Gregório I fundiu Maria Madalenacom outras duas Marias, a pecadora que ungiu Jesus (Lucas 7. 37) e Maria de Betânia, que também a ungiu (João 12. 3), produzindo assim a figura composta do penitente sexualmente aberrante. A partir disso, ‘Madalenas’ se tornou um termo para prostitutas que se voltaram para Cristo e para as Casas que as acolheram, às vezes como ordens religiosas específicas. No entanto, não há fundamento para as identificações de Gregório, e elas foram abandonadas até pela Igreja Católica Romana, onde tiveram grande importância emocional.

Santa Maria Madalena

Santa Maria Madalena , também chamada Maria Madalena , (floresceu século 1 DC , Palestina; dia de festa 22 de julho), um dos

Os discípulos mais célebres de Jesus , famosos, de acordo com Marcos 16: 9–10 e João 20: 14–17, por serem a primeira pessoa a ver o Cristo ressuscitado.

Como Santa Maria Madalena morreu?

 

Os fatos incontestados sobre a vida dela estabelecem que Jesus a purificou de sete demônios (Lucas 8: 2 e Marcos 16: 9), provavelmente implicando que ele a curou de um distúrbio físico em vez da noção popular de que a libertou de espíritos malignos. Ela foi uma das mulheres que acompanhou e ajudou Jesus na Galiléia (Lucas 8: 1–2), e todos os quatro evangelhos canônicos atestam que ela testemunhou a crucificação e enterro de Jesus ; João 19: 25–26 observa ainda que ela estava junto à cruz, perto da Virgem Maria e do apóstolo não identificado a quem Jesus amava. Tendo visto onde Jesus foi enterrado (Marcos 15:47), ela foi com duas outras mulheres na Páscoa manhã ao túmulo para ungir o cadáver. Encontrando o túmulo vazio, Maria correu para os discípulos. Ela voltou com São Pedro , que, espantado, a deixou. Cristo apareceu a Maria e, de acordo com João 20:17, instruiu-a a dizer aos apóstolos que ele estava subindo para Deus.

 

Os Evangelhos revelam que ela é de caráter prático. Orígenes e outros primeiros intérpretes de texto costumavam vê-la como distinta da mística Maria de Betânia , que ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os cabelos (João 12: 3-7), e da mulher penitente cujos pecados Jesus perdoou por a ungir. de maneira semelhante (Lucas 7: 37–48). A Igreja Oriental também distingue entre os três, mas, depois de identificados como um e o mesmo por São Gregório Magno , o culto de Maria Madalena floresceu no Ocidente. Essa identificação foi contestada e os estudiosos modernos sentem que as três mulheres são distintas.

Mary Magdalene Painting by Ilene SatalaOs gnósticos, os pré-cristãos e os primeiros cristãos que acreditavam que a matéria é má e a redenção é alcançada por uma elite iluminada somente pela fé, a consideravam um meio de revelação secreta, descrita em seu Evangelho de Maria , Evangelho de Filipe e Pistis Sophia. Segundo a tradição oriental, acompanhou São João Evangelista a Éfeso (perto da moderna Selçuk, Turquia), onde morreu e foi enterrada. A tradição francesa afirma espuriosamente que ela evangelizou Provence (agora sudeste da França) e passou seus últimos 30 anos em uma caverna alpina. A lenda medieval relata que ela era a esposa de John.