Início » Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas

Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas

Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas

Fonte: https://www.ancient-origins.net/

Nas lendas medievais irlandesas, eram chamados de Banduri ou Bandorai. Sua existência foi confirmada por antigos escritores gregos e romanos. Mas quem eram as lendárias druidas femininas?

Os Druidas eram os antigos líderes religiosos, cientistas e pesquisadores da sociedade celta. Durante séculos, houve um equívoco comum de que os druidas eram apenas homens. No entanto, vários registros históricos atestam o fato de que havia de fato mulheres em suas fileiras.

Os sábios da sociedade celta

O termo ” Druida ” vem da palavra indo-européia ” deru ”, que significa ” a verdade ” ou ” verdadeiro ”. Esta palavra evoluiu para o termo grego ” drus ”, que significa ” carvalho ”.

Os druidas eram a elite intelectual. Ser um druida era uma função tribal, mas eles também eram poetas, astrônomos, mágicos e astrólogos. Eles levaram 19 anos para adquirir o conhecimento e as habilidades necessárias em alquimia, medicina, direito, ciências e muito mais. Eles organizaram a vida intelectual, os processos judiciais, tinham habilidades para curar pessoas e estavam envolvidos no desenvolvimento de estratégias para a guerra. Eles eram um oásis de sabedoria e altamente respeitados em sua sociedade

"The Druidess", óleo sobre tela, do pintor francês Alexandre Cabanel (1823–1890)

“The Druidess”, óleo sobre tela, do pintor francês Alexandre Cabanel (1823–1890) 

Relatos romanos das druidasas

Gaius Julius Caesar era fascinado pelos Druidas. Ele escreveu que eles eram cientistas, teólogos e filósofos, e adquiriram um conhecimento extraordinário. De acordo com especialistas nos escritos de César, o grande líder romano conhecia bem as druidas. Infelizmente, a maioria dos escritores romanos ignorava as mulheres em geral, por isso não é fácil encontrar referências a elas em textos históricos. No entanto, Strabo escreveu sobre um grupo de religiosas que vivia em uma ilha perto do rio Loir. Em ‘Historia’, Augusta é uma descrição de Diocleciano, Alexandre Severus e Aureliano, que discutiram seus problemas com as druidas.

Estrabão conforme representado em uma gravura do século XVI.

Estrabão conforme representado em uma gravura do século 16. 

Tácito mencionou mulheres druidas descrevendo a matança dos druidas pelos romanos na ilha de Mona, no País de Gales. De acordo com sua descrição, havia mulheres conhecidas como Banduri (druidas femininas), que defendiam a ilha e amaldiçoavam os vestidos de preto. Tácito também observou que não havia distinção entre governantes masculinos e femininos, e que as celtas femininas eram muito poderosas.

Mapa da ilha de Mona, 1607.

Mapa da ilha de Mona, 1607. 

De acordo com Plutarco, as mulheres celtas não se pareciam em nada com as romanas ou gregas. Eles eram ativos na negociação de tratados e guerras e participavam de assembleias e disputas mediadas. Segundo o ‘Pomponius Mela’, as virgens sacerdotisas que podiam prever o futuro viviam na ilha de Sena, na Bretanha.

Cassius Dio mencionou uma druidesa chamada Ganna. Ela fez uma viagem oficial a Roma e foi recebida por Domiciano, filho de Vespasiano. Segundo a descrição da Batalha de Moytura, duas druidasas encantaram as rochas e as árvores, a fim de apoiar o exército celta.

Druidasas Famosas

De acordo com as tradições irlandesas, havia dois nomes principais para as mulheres druidas: baduri e banfilid, que significa poetisas. A maioria dos nomes das druidas femininas permanece esquecida. O nome Fedelma foi registrado em textos antigos, como uma mulher na corte da Rainha Medb de Connacht, que era uma “banfili”. Ela viveu no século 10 DC na Irlanda.

Queen Maev por JC Leyendecker.

Queen Maev por JC Leyendecker. ( Domínio Público )

O descendente mais famoso de uma mulher druida foi a rainha Boudicca, cuja mãe era uma banduri. Boudicca era uma rainha da tribo celta britânica Iceni. Ela liderou uma revolta contra os romanos no 1 st século dC. Os pesquisadores ainda discutem se Boudicca também era druida.

A adoração das deusas

As druidasas adoravam deusas e celebravam festas em diferentes meses e estações. Uma das divindades que eles adoravam, a deusa Brighid, foi mais tarde adotada por freiras cristãs como ‘Santa Brígida’.

Santa Brígida.

Santa Brígida. 

Os passos arqueológicos das druidasas

Os arqueólogos descobriram várias provas da existência das druidas femininas. Muitos enterros femininos foram descobertos na Alemanha entre os dois rios Reno e Mosela. As mulheres que foram enterradas lá datavam de cerca do século 4 aC, e foram enterradas com muitos tesouros, joias e outros objetos preciosos. Alguns deles foram enterrados com um torque especial no peito, que são símbolos de status. De acordo com os pesquisadores, apenas uma Druida poderia ter um status alto o suficiente para receber um enterro como este. Dois túmulos localizados em Vix na Borgonha, França e Reinham na Alemanha, datavam do século V aC, e quase certamente pertenciam a mulheres druidas.

Uma cabeça de Górgona está do lado de fora de cada uma das três alças do krater encontradas em Vix, Borgonha, França.

Uma cabeça de Górgona está do lado de fora de cada uma das três alças do krater encontradas em Vix, Borgonha, França. ( CC BY-SA 2.5 )

Além disso, na Rue de Récollets, em Metz, França, foi descoberta uma inscrição dedicada à druida feminina em homenagem ao Deus Silvano. É difícil confirmar quais das nobres mulheres celtas eram realmente druidas, mas acredita-se que a maioria das mulheres bem educadas cujos túmulos continham bens de luxo eram da elite de suas tribos e, possivelmente, druidas.

A Herança das Druidesas Antigas

Blog Archives - ADF PATH OF THE DRUIDESS SPIDEROs romanos mataram muitos druidas e destruíram muitos de seus livros. A Igreja Católica Romana acreditava que as druidas femininas eram feiticeiras e bruxas em cooperação com o diabo. Eles também viram o conhecimento dos celtas como um grande perigo para seu domínio. O conhecido São Patrício queimou mais de cem livros druidas e destruiu muitos lugares ligados ao antigo culto.

No entanto, o druidismo nunca desapareceu totalmente. Hoje em dia, muitas pessoas ainda tentam seguir a tradição ancestral. Muitos pesquisadores continuam trabalhando para redescobrir a sabedoria ancestral dos druidas.

Por Natalia Klimczak