Artigos do Portal:
#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Uncategorized

Coatlicue, deusa mãe asteca

Coatlicue

Coatlicue, c. 1500, Mexica (asteca), encontrado na borda SE do Plaza mayor / Zocalo, na Cidade do México, basalto, 257 cm de altura (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México)

Mãe, deusa, oferta de sacrifício?

A escultura Coatlicue no Museu Nacional de Antropologia da Cidade do México é uma das mais famosas esculturas mexicas (astecas) existentes (seu nome é pronunciado “koh-at-lee-kway”). Com mais de três metros de altura, a estátua se eleva sobre os espectadores enquanto ela se inclina na direção deles. Com os braços dobrados e puxados contra os lados, como se quisesse atacar, ela é realmente uma visão imponente.

Numerosas cobras parecem se contorcer na superfície da escultura. De fato, as cobras formam sua saia inteira, assim como o cinto e até a cabeça. O nome de Coatlicue significa literalmente Snakes-Her-Skirt, então suas roupas ajudam a identificá-la. Seu cinto de cobra amarra na cintura para manter uma “fivela” do crânio no lugar. Sua parte superior do tronco está exposta, e podemos apenas distinguir seus seios e rolar no abdômen. Os rolos indicam que ela é mãe. Um colar considerável formado por mãos e corações obscurece seus seios.
Duas cobras enormes se enrolam para cima do pescoço para se encararem. Suas línguas bifurcadas ou divididas se curvam para baixo, e o efeito resultante é que as cabeças e línguas de serpentes parecem ser uma única face de serpente voltada para a frente. Cobras saindo de partes do corpo, como vemos aqui, era uma convenção asteca para esguichar sangue. De fato, Coatlicue foi decapitado e sua cabeça de cobra representa o sangue esguichando de seu pescoço cortado. Seus braços também são formados por cabeças de cobra, sugerindo que ela também foi desmembrada.

Cobras de frente para o outro (detalhe), Coatlicue, c. 1500, Mexica (asteca), encontrado na borda SE do Plaza mayor / Zocalo, na Cidade do México, basalto, 257 cm de altura (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México)
Você pode ler em outro lugar que Coatlicue foi decapitado pela filha ou decapitado quando o filho nasceu do pescoço cortado (a idéia foi adotada em parte para explicar essa escultura monumental). No entanto, o mito do qual essa história deriva não afirma realmente que Coatlicue sofreu esse destino. Por esse motivo, é útil revisar o mito – um dos mais importantes para os astecas.

Batalha no topo da montanha Snake

O principal mito no qual Coatlicue está envolvido narra o nascimento da divindade patrona asteca, Huitzilopochtli (pronunciado “trigo-zil-oh-poach-lee”). Esse mito foi registrado no final do século XVI, após a conquista espanhola de 1521. A principal fonte da qual aprendemos é a História Geral das Coisas da Nova Espanha , também chamada de O Códice Florentino (escrito em 1575 a 1577 e compilado pela Frei franciscano Bernardino de Sahagún, autores e artistas indígenas e informantes indígenas). [1]

Ilustração da Batalha de Coatepec, de Bernardino de Sahagún, História Geral das Coisas da Nova Espanha (O Códice Florentino), 1575-1577, volume 1, página 420
Ilustração da Batalha de Coatepec, de Bernardino de Sahagún, História Geral das Coisas da Nova Espanha (O Códice Florentino) , 1575-1577, volume 1, página 420

Um dia Coatlicue, uma deusa da terra, estava varrendo o topo de Coatepec (ou Snake Mountain), quando uma pena caiu em seu avental. Naquele momento, ela concebeu imaculadamente um filho, cujo nome era Huitzilopochtli (um deus do sol e do guerreiro). Ao ouvir que sua mãe estava grávida, Coyolxauhqui (ou Bells-Her-Cheeks, pronunciado “coy-al-shauw-kee”) ficou furioso. Ela reuniu seus 400 irmãos, o Centzonhuitz-nahua, invadir Snake Mountain e matar sua mãe. Um dos irmãos decidiu avisar Coatlicue. Ao ouvir esse iminente assassinato, Coatlicue ficou compreensivelmente com medo. Mas Huitzilopochtli a confortou, dizendo-lhe para não se preocupar. No momento em que Coyolxauhqui se aproximou de sua mãe, Huitzilopochtli nasceu, totalmente crescido e armado. Ele cortou a cabeça da irmã e jogou o corpo dela da montanha. Quando ela caiu, seu corpo se separou até descansar no fundo da montanha Snake. Mas o que aconteceu com Coatlicue, a mãe dos vitoriosos Huitzilopochtli e dos derrotados Coyolxauhqui? O mito não menciona sua decapitação e desmembramento (apenas da filha), então por que essa famosa escultura a mostraria dessa maneira?

Por que Coatlicue foi decapitado?

Mais recentemente, uma nova interpretação foi oferecida para a aparência de Coatlicue, baseada em outro mito (recontado em diferentes fontes coloniais espanholas) sobre o início da 5a era, ou 5o sol.Os astecas acreditavam que havia quatro sóis anteriores (ou eras) anterior àquele em que vivemos atualmente. O mito observa que várias deidades do sexo feminino (talvez Coatlicue entre elas), se sacrificaram para colocar o sol em movimento, efetivamente permitindo que o tempo continuasse. Eles foram responsáveis ​​por preservar o cosmos, oferecendo suas próprias vidas.

Cobras e torso (detalhe), Coatlicue, c. 1500, Mexica (asteca), encontrado na borda SE do Plaza mayor / Zocalo, na Cidade do México, basalto, 257 cm de altura (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México)
Cobras e torso (detalhe), Coatlicue, c. 1500, Mexica (asteca), encontrado na borda SE do Plaza mayor / Zocalo, na Cidade do México, basalto, 257 cm de altura (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México)
Após esse ponto, essas divindades femininas foram então simbolizadas por suas saias (chamadas mantas ), o que poderia explicar a cuidadosa atenção dada à saia de cobra de Coatlicue. Funciona como um lembrete do nome dela – Snakes-Her-Skirt -, além de simbolizá-la como uma divindade e lembrar o espectador de suas ações passadas. Isso também pode explicar por que, no lugar da cabeça dela, temos duas cobras saindo do pescoço cortado. Eles representam sangue escorrendo, que era um líquido precioso conotativo de fertilidade. Com seu sacrifício voluntário, Coatlicue permitiu que a vida continuasse.
Alguns detalhes da escultura apóiam essa interpretação mais recente e atraente. Há um glifo de data, 12 Reed, inscrito nas costas da escultura que pode estar relacionado ao início de uma nova era solar. Os arqueólogos também encontraram os restos de várias outras esculturas monumentais de divindades femininas semelhantes a Coatlicue, mas cada uma exibe saias diferentes. Uma dessas esculturas (veja a foto no topo da página) fica perto de Coatlicue no Museu de Antropologia, mas os corações adornam sua saia em vez de cobras.

Coatlicue de Cozcatlán, c. 1500, Mexica (Asteca), 115 cm de altura (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México)
Coatlicue de Cozcatlán, c. 1500, Mexica (Asteca), 115 cm de altura (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México)

Apesar de sua fama em um dos mais importantes mitos astecas a respeito de seu deus patrono, Coatlicue não teve inúmeras histórias registradas sobre ela durante o século XVI (que sabemos pelo menos). Poucos objetos astecas sobreviventes a exibem. No entanto, outra escultura em pedra no Museu Nacional de Antropologia – em uma escala muito menor – mostra Coatlicue com a cabeça intacta. Podemos identificá-la por sua saia de cobra. Seu rosto está parcialmente esqueletizado e desenfolado. Seu nariz está faltando, revelando a cavidade. No entanto, ela ainda tem carne nos lábios, que estão abertos para revelar dentes à mostra. Mesmo com a cabeça, essa versão do Coatlicue ainda parece intimidadora para nós hoje. Mas ela era percebida como aterrorizante pelos astecas ou essa é apenas uma impressão dela do século XXI?

Aterrorizante e respeitado

Antes da conquista espanhola, Coatlicue se relacionava com outras deidades femininas da terra, como Toci (nossa avó). Várias fontes coloniais espanholas do século XVI mencionam que Coatlicue pertencia a uma classe de divindades conhecida como tzitzimime (divindades relacionadas às estrelas), consideradas terríveis e perigosas. Por exemplo, fora dos 360 dias que formaram o calendário agrícola (chamado contagem de anos ou xiuhpohualli ), houve cinco dias extras “sem nome”. Os astecas acreditavam que este era um momento ameaçador em que coisas ruins poderiam acontecer. A tzitzimime , por exemplo, poderia descer à superfície da Terra e comer pessoas ou, pelo menos, causar estragos, causando instabilidade e medo. Nas crônicas coloniais espanholas, o tzitzimimesão retratados com rostos esqueletizados e garras de monstros – semelhante ao que vemos nas esculturas de Coatlicue discutidas aqui. Essas fontes também chamam demônios ou demônios tzitzimime .
Apesar de toda a sua ferocidade, no entanto, a tzitzimima  também teve associações positivas. Ironicamente, esse grupo de divindades eram patronas de parteiras, ou mulheres responsáveis ​​por ajudar as mães com seus bebês. As pessoas também os pediram ajuda médica e tiveram associações com a fertilidade. Por esses motivos, eles tinham um papel mais ambivalente do que simplesmente divindades boas ou más, e por isso eram respeitadas e temidas.

Criado, Enterrado, Encontrado, Enterrado, Encontrado Novamente

Após a conquista espanhola, a monumental escultura Coatlicue foi enterrada porque foi considerada um ídolo pagão inadequado pelos invasores cristãos espanhóis. Depois de definhar na obscuridade por mais de 200 anos, foi redescoberto em 1790.

Imagem publicada no livro de Antonio León y Gama de 1792
Imagem publicada no livro de Antonio León e Gama de 1792,  Descrição histórica e cronológica das pedras que ocasiona o novo empecilho que está sendo formado na praça principal do México, no hall de entrada do ano de 1790
Antonio León y Gama, um curioso historiador, astrônomo e intelectual que vivia na Cidade do México na época, desenhou ilustrações da escultura e ofereceu sua interpretação de quem ela exibia (ele alegou que era Teoyaomiqui). Pouco depois de ter sido encontrado, porém, Coatlicue foi enterrado novamente – ela era considerada muito assustadora e pagã. Eventualmente, ela foi descoberta novamente no século XX, tornando-se um dos objetos mais importantes do Museu Nacional de Antropologia e um famoso representante das realizações artísticas astecas na escultura em pedra.
[1] Existem vários outros mitos que mencionam Coatlicue, mas o mito mais citado é o do Codex Florentino discutido no texto.
Ensaio da Dra. Lauren Kilroy-Ewbank

Recursos adicionais:
Famsi na escultura monumental asteca
Texto de Antonio León y Gama em espanhol da coleção Kislak
Elizabeth M. Brumfiel e Gary M. Feinman, orgs.,  The Aztec World  (Nova York: Abrams, 2008).
Cecelia Klein, “Uma Nova Interpretação da Estátua Asteca Chamada Coatlicue, ‘Snakes-Her-Skirt'”,  Ethnohistory  vol. 55, n. 2 (primavera de 2008), pp. 229-250.
Esther Pasztory, Arte Asteca (University of Oklahoma Press, 1983).
Richard Townsend, The Aztecs , 3 ed. (Londres: Thames e Hudson, 2009).
Davíd Carrasco e Eduardo Matos Moctezuma, orgs. México de Moctezuma: Visões do mundo asteca , revisado (University Press of Colorado, 2003).
Para mitos no Códice Florentino, veja Charles E. Dibble e Arthur JO Anderson, orgs. Códice Florentino: História Geral das Coisas da Nova Espanha , 12 vols., (Salt Lake City: Universidade de Utah Press, 1950–82).

Templo Mayor em Tenochtitlan, a Pedra Coyolxauhqui e uma Máscara Olmeca

A Pedra Coyolxauhqui, c. 1500. pedra vulcânica encontrada: Templo Mayor, Tenochtitlan (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México, foto: Thelmadatter, domínio público)
A Pedra Coyolxauhqui , c. 1500. pedra vulcânica encontrada: Templo Mayor, Tenochtitlan (Museu do Templo Mayor, Cidade do México),
foto: Thelmadatter, domínio público)
Em 1978, os trabalhadores elétricos na Cidade do México encontraram uma descoberta notável. Enquanto cavavam perto da praça principal, encontraram um monólito de pedra esculpida que exibia uma mulher desmembrada e decapitada. Imediatamente, eles souberam que encontraram algo especial. Pouco tempo depois, os arqueólogos perceberam que o monólito exibia a deusa Mexica (Asteca) * Coyolxauhqui, ou Bells-Her-Cheeks, irmã do deus patrono do Mexica, Huitzilopochtli (Beija-flor-esquerda), que matou sua irmã quando ela tentou matar seus mãe. Esse monólito levou à descoberta do Templo Mayor, o principal templo de Mexica localizado no recinto sagrado da antiga capital de Mexica, conhecida como Tenochtitlan (atual Cidade do México).

Vista das escavações do Templo Mayor hoje. Foto de Lauren Kilroy-Ewbank
Vista das escavações do Templo Mayor hoje no centro do que é hoje a Cidade do México, foto: Lauren Kilroy-Ewbank

O Templo Mayor

Mapa do vale do México, c. 1519 (criado por Yavidaxiu, CC BY-SA 3.0)
Mapa do lago Texcoco, com Tenochtitlan (à esquerda) Vale do México, c. 1519
criado por Yavidaxiu, CC BY-SA 3.0 )
A cidade de Tenochtitlan foi fundada em 1325 em uma ilha no meio do lago Texcoco (grande parte da qual foi preenchida para acomodar a Cidade do México que agora existe neste local) e, com a fundação da cidade, a estrutura original do Templo Mayor foi construído. Entre 1325 e 1519, o Templo Mayor foi ampliado, ampliado e reconstruído durante sete fases principais da construção, que provavelmente correspondiam a diferentes governantes, ou tlatoani (“orador”), assumindo o cargo. Às vezes, novas construções resultam de problemas ambientais, como inundações.
Localizado no recinto sagrado no coração da cidade, o Templo Mayor estava posicionado no centro da capital Mexica e, portanto, de todo o império. A capital também foi dividida em quatro quadrantes principais, com o Templo Mayor no centro. Esse design reflete o cosmo Mexica, que se acreditava ser composto de quatro partes estruturadas em torno do umbigo do universo, ou o eixo mundi .

Modelo do recinto sagrado em Tenochtitlan (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México, foto (editada): Steve Cadman, CC BY-SA 2.0)
Modelo do recinto sagrado em Tenochtitlan (Museu Antropológico Nacional, Cidade do México, foto (editada),  Steve Cadman  ( CC BY-SA 2.0 )

Templo Mayor (Templo Principal). Tenochtitlan (moderna Cidade do México, México). Mexica (asteca). 1375–1520 CE Pedra (templo).
Templo Mayor (recostrução), Tenochtitlan, 1375-1520 CE
O Templo Mayor tinha aproximadamente noventa pés de altura e coberto de estuque. Duas grandes escadarias acessavam templos gêmeos, dedicados às divindades Tlaloc e Huitzilopochti. Tlaloc era a divindade da água e da chuva e estava associado à fertilidade agrícola. Huitzilopochtli era a divindade padroeira do Mexica, e ele estava associado à guerra, fogo e sol.

Portadores padrão (foto: Lauren Kilroy-Ewbank)
Porta-estandartes, foto: Lauren Kilroy-Ewbank

Emparelhadas no Templo Mayor, as duas divindades simbolizavam o conceito mexica de atl-tlachinolli, ou água queimada, que conotava a guerra – a principal maneira pela qual os mexicas adquiriam seu poder e riqueza.

Templo Huitzilopochtli

No centro do templo Huitzilopochtli havia uma pedra de sacrifício. Perto do topo, figuras de porta-estandes decoravam as escadas. Eles provavelmente seguravam faixas e penas de papel. As balaustradas de serpentes adornam a base do templo de Huitzilopochtli, e duas serpentes ondulantes ladeavam as escadas que levavam à base do Templo Mayor também.

Balaustradas de serpentes e serpentes ondulantes, pedra (foto: Lauren Kilroy-Ewbank)
Balaustrada de serpentes e serpente ondulada, foto: Lauren Kilroy-Ewbank

Mas, de longe, o objeto mais famoso que decora o templo de Huiztilopochtli é o monólito de Coyolxauhqui , encontrado na base da escada. Originalmente pintado e esculpido em baixo relevo, o monólito de Coyolxauhquitem aproximadamente onze pés de diâmetro e exibe a divindade feminina Coyolxauhqui, ou Bells-on-face. Sinos dourados decoram suas bochechas, penas e bolas de plumas adornam seus cabelos, e ela usa brincos elaborados, sandálias e pulseiras fantasiosas e um cinto de serpente com uma caveira presa nas costas. Rostos de monstros são encontrados em suas articulações, conectando-a a outras divindades femininas – algumas das quais estão associadas a problemas e caos. Caso contrário, Coyolxauhqui é mostrada nua, com seios caídos e uma barriga esticada para indicar que ela era mãe. Para os mexicas, a nudez era considerada uma forma de humilhação e também de derrota. Ela também é decapitada e desmembrada. A cabeça e os membros estão separados do tronco e estão organizados em forma de cata-vento. Pedaços de osso se destacam de seus membros.

A Pedra Coyolxauhqui (detalhe), c. 1500. pedra vulcânica encontrada: Templo Mayor, Tenochtitlan (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México, foto: Thelmadatter, domínio público)
A Pedra Coyolxauhqui (detalhe), c. 1500. pedra vulcânica encontrada: Templo Mayor, Tenochtitlan (Museu Nacional de Antropologia, Cidade do México, foto: Thelmadatter, domínio público)

O monólito se refere a um mito importante: o nascimento da divindade padroeira Mexica, Huitzilopochtli. Aparentemente, a mãe de Huitzilopochtli, Coatlicue, ficou grávida um dia de um pedaço de penugem que entrou em sua saia. Sua filha, Coyolxauhqui, ficou com raiva quando soube que sua mãe estava grávida e, junto com seus 400 irmãos (chamados de Centzonhuitznahua), atacaram a mãe. No momento do ataque, Huitzilopochtli surgiu, completamente vestido e armado, para defender sua mãe na montanha chamada Coatepec (montanha da serpente). Eventualmente, Huitzilopochtli derrotou sua irmã, depois a decapitou e jogou seu corpo na montanha, momento em que seu corpo se separou.

Reconstrução de pedra de Coyolxauhqui com possíveis cores originais (foto: miguelão, CC BY-SA 2.0)
Reconstrução de pedra de Coyolxauhqui com possíveis cores originais,  foto: miguelão , ( CC BY-SA 2.0 )

O monólito retrata o momento do mito depois que Huitzilopochtli venceu Coyolxauhqui e jogou seu corpo na montanha. Ao colocar esta escultura na base do templo de Huiztilopochtli, o Mexica efetivamente transformou o templo em Coatepec. Muitas das decorações e programas esculturais do templo também apóiam essa identificação. As balaustradas e cabeças de serpentes identificam o templo como uma montanha de cobras, ou Coatepec. É possível que as figuras dos padrinhos recuperadas no Templo Mayor simbolizassem os 400 irmãos de Huitzilopochtli.

As apresentações rituais ocorridas no Templo Mayor também apóiam a ideia de que o templo representava simbolicamente Coatepec. Por exemplo, o ritual de Panquetzaliztli (estandarte) comemorou o triunfo de Huitzilopochtli sobre Coyolxauhqui e seus 400 irmãos. As pessoas ofereciam presentes para a divindade, dançavam e comiam tamales. Durante o ritual, cativos de guerra que foram pintados de azul foram mortos na pedra do sacrifício e seus corpos foram rolados escada abaixo para cair no topo do monólito de Coyolxauhquireencenar o mito associado ao Coatepec. Para os inimigos de Mexica e para as pessoas que eles dominavam, esse ritual era um lembrete poderoso para se submeter à autoridade de Mexica. Claramente, as decorações e rituais associados ao Templo Mayor conotavam o poder do império Mexica e sua divindade padroeira, Huitzilopochtli.

O templo de Tlaloc

No centro do templo de Tlaloc, há uma escultura de uma figura masculina nas costas, pintada de azul e vermelho. A figura segura uma embarcação em seu abdome com probabilidade de receber ofertas. Esse tipo de escultura é chamado de chacmool e é mais antigo que o Mexica. Foi associado ao deus da chuva, neste caso, Tlaloc.

Chacmool na plataforma do templo de Tlaloc (foto (editada): Adriel A. Macedo Arroyo, CC BY-SA 3.0)
Chacmool na plataforma do templo de Tlaloc,  foto (editada): Adriel A. Macedo Arroyo , ( CC BY-SA 3.0 )
Na base do lado de Tlaloc do templo, no mesmo eixo do chacmool, estão esculturas em pedra de dois sapos com a cabeça arqueada para cima. Isso é conhecido como Altar dos Sapos. Pensa-se que o coaxar dos sapos anunciava a chegada da estação das chuvas e, portanto, eles estão conectados a Tlaloc.

Altar dos Sapos (foto: Lauren Kilroy-Ewbank)

Enquanto o templo de Huiztilopochtli simbolizava Coatepec, o templo de Tlaloc provavelmente pretendia simbolizar a Montanha de Sustento, ou Tonacatepetl. Essa montanha fértil produzia grandes quantidades de chuva, permitindo o crescimento das culturas.

Ofertas no Templo Mayor

Mais de cem esconderijos rituais ou depósitos contendo milhares de objetos foram encontrados associados ao Templo Mayor. Algumas ofertas continham itens relacionados à água, como corais, conchas, esqueletos de crocodilos e vasos representando Tlaloc. Outros depósitos relacionados à guerra e ao sacrifício, contendo itens como máscaras de crânio humano com línguas e narizes de lâminas de obsidiana e facas de sacrifício. Muitas dessas ofertas contêm objetos de lugares distantes – lugares prováveis ​​dos quais os Mexica coletaram tributo. Algumas ofertas demonstram a consciência do mexica sobre as tradições históricas e culturais da Mesoamérica. Por exemplo, eles enterraram uma máscara olmeca feita de jadeita, além de outras de Teotihuacan (uma cidade a nordeste da moderna Cidade do México conhecida por seus enormes monumentos e que data aproximadamente do século I ao século VII dC).

Máscara de estilo olmeca, c. 1470, jadeíta, oferta 20, hornblenda, 10,2 x 8,6 x 3,1 cm

O Templo Mayor Hoje

Após a conquista espanhola em 1521, o Templo Mayor foi destruído e o que sobreviveu permaneceu enterrado. As pedras foram reutilizadas para construir estruturas como a Catedral na capital recém-fundada do Vice-reinado da Nova Espanha (1521-1821). Se você visitar o Templo Mayor hoje, poderá percorrer o local escavado em plataformas. O museu Templo Mayor contém os objetos encontrados no local, incluindo a recente descoberta do maior monólito Mexica, mostrando a divindade Tlaltecuhtli.
* Os astecas se referiam a Mexica
Ensaio da Dra. Lauren Kilroy-Ewbank

Similar Posts