Artigos do Portal:
#Constelações e estrelas visíveis na Terra#Ashtalakshmi – As 8 formas de Lakshmi#As Mulheres e o Desenvolvimento das Habilidades Sociais / Soft-Skils#As mais antigas formas de representação do feminino divino (sagrado feminino)#Bete-Seba (Bethsheba), Mãe de Salomão, Esposa do Rei David#Deusas e outras Divindades das Águas#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Maria: Mãe de Jesus#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida (usado como Oráculo e no Horóscopo Celta)#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Astrologia Celta, do Horoscopo Celta – Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Horóscopo Sideral, Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Espiritualidade Informações Essenciais Manifestações e Emanações de Shakti / Qoya / Auset / Cy Mitologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino

Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso

Sara Kali – Santa Sara Kali

Sarah la Kali

Fonte: http://www.embaixadacigana.org.br/saint.html#sarah

Saint Sarah, Santa Sara La Kali, Sarah the Egyptian ~ Sakshi Zion

A primeira menção histórica a respeito de Sarah la Kali foi encontrada em um texto escrito em 1521, por Vincent Philippon intitulado, A Lenda das Santas-Marias. Suas páginas manuscritas encontram-se agora na biblioteca de Arles. Nesta versão da lenda, Sarah vivia em Camargue, sul da França (sem mais detalhes) entre ciganos do clã Sinte.

De acordo com outra narrativa, Sarah era de nascença uma egípcia e foi para a Palestina como escrava de José de Arimatéia. Este, que no ano 50 d.C empreendeu fuga da perseguição romana aos cristãos, viajando através do mar em uma pequena embarcação acompanhado de Maria Jacobina (irmã de Maria de Nazaré), Maria Salomé(mãe dos apóstolos João e Tiago) e Maria (mãe de Jesus). Eles se depararam com uma tempestade severa e segundo essa versão da lenda, Sarah guiou a todos, por meio da leitura das estrelas, para a costa distante, no sul da França.

Em outra lenda que nós, ciganos Sinte, acreditamos muito mais …Sarah la Kali foi uma cigana que estava acampada na costa ao sul da França, quando o barco em questão se aproximou. E o contato entre ela e as “Marias vindas do mar” se deu da seguinte forma: de acordo com Franz Ville, autor do livro (Tziganes, editado em Bruxelas 1956): “Uma de nossa gente foi quem recebeu a primeira revelação e essa pessoa foi Sarah la Kali. Nascida em uma família cigana, Sarah la Kali foi a pessoa principal de seu clã em Rhone (antigo nome da atual cidade de Saint Marie de La Mer). Ela foi escolhida como sacerdotisa-iniciada nos elementos Terra, Água e Ar e é por esse motivo que se vestia de preto, daí seu nome Sarah la Kali (em Romanês, Kali significa preto). Conhecedora de todos os segredos a ela transmitidos, e diga-se de passagem, eram muitos os segredos; pois nós, ciganos, a esse tempo já conhecíamos os fundamentos de várias religiões e dominávamos várias formas de ocultismo. Nessa época, uma vez por ano, os ciganos Sinte colocavam em seus ombros a estátua de ISHTAR (a filha da Lua) e entravam no mar para receber suas bençãos (fato que atualmente ocorre com a imagem de Sarah la Kali).

Ainda há registros nas tradições orais em Romani desta parte da lenda: A primeira menção histórica a respeito de Sarah la Kali foi encontrada em um texto escrito em 1521, por Vincent Philippon intitulado, A Lenda das Santas-Marias. Suas páginas manuscritas encontram-se agora na biblioteca de Arles. Nesta versão da lenda, Sarah vivia em Camargue, sul da França (sem mais detalhes) entre ciganos do clã Sinte. De acordo com outra narrativa, Sarah era de nascença uma egípcia e foi para a Palestina como escrava de José de Arimatéia. Este, que no ano 50 d.C empreendeu fuga da perseguição romana aos cristãos, viajando através do mar em uma pequena embarcação acompanhado de Maria Jacobina (irmã de Maria de Nazaré), Maria Salomé (mãe dos apóstolos João e Tiago) e Maria (mãe de Jesus). Eles se depararam com uma tempestade severa e segundo essa versão da lenda, Sarah guiou a todos, por meio da leitura das estrelas, para a costa distante, no sul da França.

” Um dia Sarah la Kali teve visões que a informaram: as “Marias” que estiveram presentes à morte de Jesus viriam para sua região e que ela as ajudaria. Sarah viu-as chegando em um barco. O mar estava bravio e ameaçava afundar a embarcação. Sarah lançou seu lenço nas ondas e, usando o mesmo, caminhou sobre as águas ajudando as “Marias” a desembarcarem em segurança.

A bem da verdade Saintes-Maries-de-la-Mer , ou “Santas Marias do Mar”, é uma pequena vila de pescadores localizada no centro-sul da costa do mediterrâneo, França, na região de Camargue de Bouches-du-Rhone. Escavações arqueológicas e lendas locais indicam que a região tem sido venerada como um lugar sagrado por uma sucessão de culturas, incluindo os celtas, romanos, cristãos e, mais recentemente, nós, os ciganos. Uma vez que era o local sagrado da deusa tríplice celta – ligada às águas (a deusa tríplice é o cerne das religiões pagãs e está presente em diversas culturas). Na cultura celta, há várias deusas que assumem esse papel de deusa tríplice, trazendo em si as três fases da vida: nascimento, crescimento e morte. São representadas por uma mulher que traz em si a adolescente, a mãe e a anciã. O três ou a tríade, antes mesmo de ser usado no Cristianismo, era a base da magia e religião celta, pois se baseava não só nas três fases da vida, mas também nas estações (que no início eram contadas como três – sendo que uma dependia da Terra, outra da Água e a última do Ar ). Em época celta a cidade possuía uma deusa da primavera conhecida pelo nome de Oppidum Priscum Ra. A adoração a deusa tríplice da água foi substituída por templos romanos dedicados a Artemis, Cibele e Ísis. Já em 542 dC, a cidade era conhecida como Saintes-Maries-de-la-Barca, em 1838, recebeu seu nome atual: o de “Saint Maries de la mer”. Fontes históricas mencionam uma igreja do século 9 construída na vila, mas muito pouco se sabe sobre a história da cidade antes do século 14, por causa de sua localização remota. Não se sabe exatamente quando e por que a igreja da vila se tornou o local mais sagrado dos ciganos “manushes” , algum tempo após sua chegada na Europa no início dos anos 1400.

Outros aspectos de Sarah la Kali:
Quando nas lendas aparece a referência de que ela foi escolhida como sacerdotisa iniciada, na realidade isso equivale a dizer: ela era a personificação de uma Shakti. E dentro dos conceitos atávicos que trouxemos do norte da Índia, como personificação de uma Shakti, Sarah la Kali exercia a proteção dos oprimidos e perseguidos e é por isso que alguns clãs ciganos peregrinam rumo ao “santuário” de Sarah la Kali, em Saint Marie de la Mer, na França.

Leia mais:http://www.embaixadacigana.org.br/saint.html#sarah#ixzz46QdbaQkl

Sara La Kali – A Transformação da Deusa Hindu em Santa

Fonte: http://www.teiadethea.org/

Santa Sara De Kali - A Rainha Dos Ciganos | iQuilibrio      Na Idade Média havia uma lenda difundida em Provença, que, após a crucificação (em torno do ano 42), Lázaro, suas irmãs Maria Madalena e Martha, junto com Maria Jacobé, Maria Salomé e Maximiano foram colocados pelos soldados romanos num barco sem velas, nem remos, para assim perecerem no mar. Depois do barco ser levado pelos ventos, apesar da falta de equipamento e comida, a embarcação conseguiu resistir às tempestades e aportou numa praia no Sul da França, próxima ao desaguar do rio Ron, num vilarejo conhecido atualmente como Saintes Maries-de-la-Mer. Também segundo a lenda, cada um dos viajantes seguiu rumos diferentes. Maria Madalena teria ido para Saint Baume, onde se refugiou em uma gruta no alto da montanha, de muito difícil acesso e lá passou o resto da sua vida, envolta apenas pelos seus longos cabelos e sendo alimentada duas vezes por dia pelo mana trazido pelos anjos. A gruta foi e continua sendo lugar de peregrinação, pois a partir do século 5 os monges cristãos tentaram melhorar o árduo caminho; como reis participavam das peregrinações, para sua facilidade foi construído o ”chemin de rois”, percorrido a cavalo.
A grande descoberta cristã teria sido em 1279, quando os supostos ossos de Maria Madalena foram encontrados perto de Saint Maximim. Um documento datado de 710 (que depois desapareceu), encontrado pelo conde Charles de Provence depois de um aviso num sonho, teria confirmado a autenticidade do achado. Charles gastou sua fortuna para construir a Basílica de Saint Maximim, onde é guardado o suposto crânio de Maria Madalena num relicário. Esta igreja era um ponto importante no culto dos cátaros (que reverenciavam Madalena como sendo a esposa de Jesus) e ainda é muito visitada atualmente.
As Marias – Jacobé e Salomé – permaneceram na área, curando e ajudando doentes e crianças. Martha foi para Tarascon, onde domou um monstro que saia das águas de Ron para devorar pessoas e animais. Lázaro foi para Marselha onde cristianizou a população e se tornou o primeiro bispo cristão. Em outra versão, Maria Jacobé, Maria Salomé e Maria Madalena teriam supostamente ensinado o cristianismo à população local. Isto é apenas um mito, já que oficialmente o cristianismo passou a existir na Europa muito tempo depois da morte destas Marias.
No barco dos refugiados cristãos veio também uma enigmática jovem com pele escura – Sara – descrita de várias maneiras pelos historiadores: ora como uma empregada egípcia das Marias (que estava junto delas quando encontraram o túmulo vazio de Jesus), ora como uma princesa cigana acampada nas areias de Camargue, que teria ajudado o barco atracar, ora como uma sacerdotisa egípcia refugiada na Líbia, que teria vindo junto com as Marias e guiado o barco, orientando-se pelas estrelas. A mais recente versão divulgada pelos escritores Margaret Starbird (A mulher com o jarro de alabastro), Michael Baigeant&Richard Leigh (Holy Grail, Holy Blood) e Dan Brown (O Código da Vinci) a apresenta como filha de Jesus e Maria Madalena, crença partilhada pelos cátaros e motivo da sua dizimação pelo Vaticano. No dogma cristão, afirma-se que Maria Madalena teria vivido e morrido em Éfeso e suas relíquias foram levadas para Constantinopla, apesar de faltar qualquer evidência histórica ou arqueológica para esta suposição.
Existem vários erros e anacronismos entre a chegada do barco no primeiro século, a lenda das Três Marias datada do século 13 e a citação cristã da presença de Sara no século 16, descrita como coletora de esmolas para auxiliar as Marias. Este fato fez pressupor que fosse cigana e por isso ela teria sido adotada como padroeira dos ciganos. Outra lenda diz que Sara, a egípcia, espalhou seu manto sobre a água quando o barco estava em perigo de afundar-se, permitindo assim todos chegassem a terra com segurança. Uma lenda popular Romaniafirma que Sara era a “rainha” de um grupo cigano na área aonde chegaram as três Marias, que foi batizada por elas e aprendeu o cristianismo. Na atual igreja de Saintes Maries dedicada ao Saint Michel, existem estátuas das duas Marias “brancas” e uma da negra Sara, atualmente aceita como santa cristã.
Na Idade Média, os monges cristãos procuraram achar relíquias milagrosas atribuídas às santas e em Saintes Maries-de-la-Mer foram achados vários crânios humanos arrumados em forma de cruz e os esqueletos de três mulheres Junto dos ossos tinha uma pedra polida de mármore chamada de “travesseiro das santas”, sobre a qual estavam os crânios das mulheres e um altar de pedra. A descoberta serviu como prova (mesmo sem ter uma verificação científica posterior) de que os corpos pertenciam às  três Marias. O rei René d’Anjou e sua rainha Isabelle ordenaram o enterro dos ossos num oratório construído em 1448. (A cripta em que se encontra atualmente a estátua da Santa Sara data desta época). Numa cerimônia na presença do casal real, as relíquias foram colocadas acima do altar da igreja de Saint Michel. Durante a revolução francesa, os relicários foram destruídos, mas os ossos salvos pelos padres e depois colocados em novos relicários, que começaram a ser levados em procissão a partir de 1862. Com o passar do tempo, Maria Madalena foi esquecida pela Igreja e desapareceu do trio de Marias. Atualmente, a versão oficial e moderna da Igreja é que apenas as duas Marias (Jacobé e Salomé) chegaram em um barco da Palestina com sua serva Sara, que agora é chamada de Santa Sara, apesar de que oficialmente não seja santificada ou beatificada pela igreja, sendo mantido somente seu culto local.
O encontro dos três esqueletos explica a presença das Marias, mas nenhuma prova da existência de Sara foi achada. É a sua estátua negra – e não suas relíquias – o ponto central no seu culto e que é levada anualmente em procissão pelos ciganos. A presença da estátua negra na cripta da igreja permanece misteriosa e sem nenhuma explicação oferecida pelas autoridades da igreja. A estátua atual é substituta de uma estátua anterior, que por sua vez substituiu uma mais antiga. Acredita-se que ela represente de fato uma Madona Negra ou que ela seria a versão cristianizada da deusa hindu Kali, cultuada pelos ciganos e do cujo culto faz parte a procissão para o mar.
Embora existam muitas Virgens e Santas Negras nos países cristãos do mundo todo, destaca-se como um enigma a imagem negra adorada pelos ciganos em Saintes Maries-de-la-Mer em Camargue. A verdadeira origem desta imagem é perdida nas brumas do tempo antigo, entretanto não há dúvidas da existência de imagens de Deusas Negras muito antes da existência do cristianismo. De acordo com alguns pesquisadores e confirmado pelas escavações arqueológicas, a atual Saintes Maries de-la-Mer foi venerada como um local sacro desde a pré-história, originalmente pelos celtas. Conhecida como Oppidum Priscum Ra tinha uma fonte sagrada onde eram cultuadas as deusas tríplices Matres, substituídas depois pelos cultos romanos. Há evidências que no primeiro século d.C., ainda havia templos de Ártemis, Cibele e Ísis nas redondezas e o local era conhecido como Ratis, que significa “jangada”. Posteriormente o termo foi aplicado à própria igreja cristã, que tem formato de barco e por muito tempo foi conhecida como Notre Dame de Ratis (“Nossa Senhora da Jangada”). Com o advento do cristianismo e da prática comum de transformar templos pagãos em igrejas e deuses em santos, provavelmente algum culto local e seu templo dedicado a deusas tríplices como as Matres fora assimilado ao mito das Três Marias.
Muitas lendas foram criadas e continuam aparecendo novas versões místicas ou romanceadas, sem existir uma confirmação oficial apresentada pela Igreja Católica Romana, para explicar as lendas folclóricas dos grupos ciganos, que frequentam a peregrinação anual ao santuário de Saintes Maries-de-la-Mer nos dias 24 e 25 de maio. A maioria destes romeiros vindos da França, Espanha, Hungria, dos países do leste europeu e de outras partes do mundo, chegam alguns dias antes da festa e acampam próximo ao santuário, onde trocam notícias, arranjam casamentos, oferecem leituras de mão aos turistas, dançam e tocam músicas para homenagear Santa Sara Kali.  Uma vigília noturna precede o dia 24 de maio, feita na cripta onde a imagem negra de Santa Sara fica alojada.
Existe muito nonsense escrito sobre os ciganos que foram difamados, repelidos, perseguidos e mortos ao longo dos séculos no mundo todo. Atualmente, através de pesquisas linguísticas e genéticas, conhece-se a sua origem: eles saíram do Norte da Índia em torno de 900, chegaram à Pérsia em 950 e no Egito em 1230. Entraram na  Europa central através de Bulgária e Romênia (que talvez explique sua autodenominação de Romi ou Romani) no final do século 14 e até meados do século 15 haviam se espalhado tão longe como Espanha e tão a leste como a Polónia, Ucrânia e Lituânia. Sua primeira aparição documentada na França foi em Paris em 1415. Os gitanos, nome usado para definir os ciganos na Europa (devido à sua proveniência do Egito) são um povo misterioso e que jamais partilhou suas crenças religiosas. Supõe-se que eles cultuam Sara como a reminiscência de uma antiga deusa pagã, possivelmente Kali ou uma Madona Negra. São mencionados como estando presentes na peregrinação e procissão de Saintes Maries de-la-Mer tão cedo quanto meados do século 15.
Qualquer tentativa de definir quem realmente é Sara La Kali ou para explicar como ela passou a ser adorada pelos ciganos no contexto do dogma oficial, está condenada ao fracasso, a menos que a questão seja abordada partindo da visão da cultura cigana. No passado, a maioria dos ciganos que participavam da peregrinação anual foram os Sinti franceses, outros grupos Rom da  França e os Calés da Espanha. Durante a era comunista, os ciganos eram impedidos de viajarem para realizarem a peregrinação, levando ao crescente número atual de peregrinos. Além deles, existem milhares de turistas que apenas vão ao local para admirar a festa colorida, tirar fotos e filmar. Atualmente, o número de antropólogos, cineastas amadores e profissionais, curiosos, grupos místicos, turistas e outros não-ciganos geralmente supera a presença numérica dos ciganos.
Até recentemente acreditava-se que a adoração a Sara Kali, a Santa Deusa Negra dos ciganos era única em Saintes Maries-de-la-Mer. Entretanto, uma pesquisa realizada por Ronald Lee com os refugiados ciganos da República Checa, Eslováquia, Polónia e dos países dos Balcãs revelou o fato pouco conhecido que outras Virgens Negras são adoradas por ciganos. Este culto existe no centro e leste da Europa, nas Américas (Canadá, Estados Unidos, México, Brasil) e os ciganos desses países realizam rituais similares. Esses rituais consistem em levar a estátua da Madona Negra sobre uma plataforma adornada com flores para a água mais próxima, seja mar, lago, rio ou mesmo uma lagoa de água límpida. A plataforma é, então, abaixada para tocar a água, enquanto a multidão joga flores e entoa louvações.
As cerimônias de Saintes Maries de-la-Mer, conhecidas como Le pelerinage des Gitans (“peregrinação dos ciganos”) são bastante elaboradas e atraem uma multidão de fieis e curiosos, que aumenta em quarenta vezes a população local da pequena cidade. Na tarde do dia 24 de maio, as estátuas das duas Marias são retiradas dos seus nichos na parte de cima da igreja de Saint Michel. As pessoas elevam as crianças e tentam tocar as estátuas antes de serem colocadas no chão para obterem suas bênçãos. Em seguida, a estátua negra de Santa Sara é retirada da cripta da parte de baixo da igreja, onde centenas de velas de cera enfumaçam o ambiente. No pedestal da santa amontoam-se roupas de doentes à espera de curas e inúmeros pedidos e oferendas de colares, pulseiras, echarpes, notas de dinheiro e flores. A estátua da Santa é vestida com novas e brilhantes roupas e é levada em procissão sobre uma plataforma adornada com flores, e carregada por ciganos. A procissão liderada pelos padres segue pelas ruas estreitas escoltada por guardiões cavalgando cavalos brancos. A multidão de fieis e turistas acompanha com gritos de “Vive Sainte Sara” até a praia, onde a plataforma é abaixada pelos guardiões até tocar a água, enquanto a multidão joga flores, se benze com a água do mar e continua gritando e pedindo bênçãos da santa. Depois, a procissão volta para a igreja onde a multidão continua a veneração, formando filas para acender velas e passar na frente da estátua, colocando pedidos e presentes aos seus pés, lenços no seu pescoço ou beijando o rosto da santa. No dia seguinte, as estátuas das duas Marias são colocadas em um pequeno barco enfeitado com flores e levadas em procissão até o mar, enquanto um número menor de pessoas grita ”Vive les Saintes Maries”. Esta parte do festival tem uma nuance provençal local, sendo associada com participações artísticas dos ciganos. Para os ciganos que vêm de vários lugares dos países europeus este festival oferece uma oportunidade de renovar laços familiares, contratos sociais, negociar casamentos, conduzir negócios e batizar crianças na igreja das duas Marias e de Santa Sara. Algo pouco divulgado é o terceiro dia do festival, quando touros brancos são conduzidos pelas ruas, enquanto as pessoas tentam desviá-los do seu rumo. Esta parte é uma reminiscência do culto do deus Mithra anterior ao cristianismo.
Estudiosos indianos e pessoas que testemunharam a cerimônia cigana, bem como os observadores ocidentais que estão familiarizados com os costumes religiosos hindus, identificaram esta cerimônia com a Durga Pooja da Índia. No idioma Romani, Kali Sara significa “Sara Negra” e na Índia, a Deusa Kali é conhecida sob seus aspectos de como Kali, Durga e Sara. Kali é o feminino de kala = escuro ou preto e a deusa Kali era descrita como uma deusa de pele negra, fato que explica a identificação de Sara com Kali e a Madona Negra. Como os hindus, os ciganos praticam o Shakhtismo, isto é, a adoração de deusas/energias femininas. Em outras palavras, os ciganos que frequentam a peregrinação a Saintes Maries-de-la-Mer na França e em outras cerimônias semelhantes honram divindades femininas negras, pois na verdade continuam a adorar Kali / Durga / Sara, sua Deusa original indiana. Do seu aspecto inicial violento, atemorizador e aniquilador, Kali evoluiu para uma Deusa Mãe benevolente, sendo reverenciada como Bhavatarini, a “redentora do universo”.  Os ciganos reverenciam Sara-la-Kali como a Mãe Protetora, que vai curar doenças, perdoar erros e pecados, trazer boa sorte e fertilidade nas uniões e conceder o sucesso em empreendimentos comerciais.

Em uma viagem de estudos que fiz no Sul da França em 2011, participei dos dois dias da comemoração. O calor, a multidão amontoada nas estreitas ruas ou ao longo da praia, as pessoas se empurrando para ter uma melhor visão para as fotos ou se desviar dos cavalos, não favoreciam uma real conexão com o objetivo da procissão. Os padres com batinas brancas e chapéus de palha falavam entre si ou no telefone e algumas devotas gritavam “Vive Sainte Sara” sem parar. Na volta da praia, as pessoas corriam tentando chegar mais cedo à igreja para passar na frente da estátua e deixar seus pedidos e presentes. Consegui me recolher e criar uma conexão com a antiga egrégora do local me sentando perto de uma moldura de vidro no chão, embaixo da qual sabia que havia a antiga fonte sagrada das deusas celtas e de Ísis. Foi durante estes momentos que senti fortemente a permanência secular da energia sacra das Madonas Negras, manifestada na figura de Sara La Kali, cujo culto atual, independentemente do aspecto folclórico e da adaptação cristã, mobiliza a adoração e veneração de multidões para Aquela que foi, é e continua sendo a Nossa Negra Mãe.

O Povo e a Cultura Cigana. Contexto histórico | by Diogenes Junior |  Trilhas no Universo

Oração Santa Sara Kali

Santa Sara, minha protetora,

Cubra-me com teu manto celestial.  Afasta as negatividades que por ventura estejam querendo me atingir.

Santa Sara, protetora dos ciganos e dos errantes, sempre que estivermos nas estradas do mundo, proteja-nos e ilumine nossa caminhada.

Santa Sara, pela força das águas, pela força da Mãe-Natureza, esteja sempre ao nosso lado em seus mistérios.

Nós, filhos dos ventos, das estrelas, da Lua Cheia e do Pai-Sol, pedimos a sua proteção contra os inimigos.

Santa Sara, ilumine nossas vidas com seu poder celestial, para que tenhamos um presente e um futuro tão brilhantes, como são os brilhos dos cristais.

Santa Sara, ajude os necessitados, dê luz para os que vivem na escuridão, saúde para os que estão enfermos, arrependimento para os culpados e paz para os intranqüilos.

Santa Sara, que seu raio de paz, de saúde e de amor possa entrar em cada lar neste momento.

Santa Sara, dê esperança e dias melhores para essa humanidade tão sofrida.

Santa Sara milagrosa, protetora do povo cigano, abençoe a todos nós, que somos filhos do mesmo Deus e Deusa!

Similar Posts