Artigos do Portal:
#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Início » Cartimandua e Boudica (Boadiceia)

Cartimandua e Boudica (Boadiceia)

Boudica

por Ben Johnson, https://www.historic-uk.com/

A Grã-Bretanha produziu muitos guerreiros ferozes e nobres ao longo dos tempos que lutaram para manter a Grã-Bretanha livre, mas houve uma senhora formidável cujo nome nunca será esquecido – Rainha Boudica ou Boadicéia como é mais comumente chamada.

Na hora do Conquista romana do sul da Grã-Bretanha A rainha Boudica governou a tribo Iceni de East Anglia ao lado de seu marido, o rei Prasutagus.

Boudica era uma mulher de aparência impressionante. – “Ela era muito alta, o olhar de seus olhos mais feroz; sua voz áspera. Uma grande massa de cabelo ruivo caiu até os quadris. Sua aparência era assustadora. ” – Definitivamente uma senhora digna de nota!

O problema começou quando Prasutagus, na esperança de obter favores dos romanos, fez do imperador romano Nero co-herdeiro com suas filhas de seu considerável reino e riqueza. Ele esperava com este estratagema manter seu reino e sua família livres de ataques.

Mas não! Infelizmente, o governador romano da Grã-Bretanha naquela época era Suetônio Paulino, que tinha outras idéias sobre o assunto de terras e propriedades. Após a morte de Prasutagus, suas terras e casa foram saqueadas pelos oficiais romanos e seus escravos.

Não satisfeito em tomar todas as propriedades e terras, Suetônio mandou açoitar publicamente a viúva de Prasutagus, Boudica, e suas filhas foram estupradas por escravos romanos!

Outros chefes Iceni sofreram da mesma maneira e suas famílias foram tratadas como escravas.

Não é de surpreender que esses ultrajes tenham causado a rebelião dos Iceni, Trinobantes e outras tribos contra os Romanos.

Batalha Iceni contra os romanos HUK

Os britânicos tiveram grande sucesso no início. Eles capturaram o odiado assentamento romano de Camulodunum (Colchester) e a divisão romana lá foi derrotada, o agente imperial fugindo para a Gália.

Boudica e seus aliados não deram trégua em suas vitórias e quando Londinium (Londres) e Verulamium (St. Albans) foram atacados, os defensores fugiram e as cidades foram saqueadas e queimadas! Os revoltados britânicos ainda profanaram os cemitérios romanos, mutilando estátuas e quebrando lápides. Algumas dessas estátuas mutiladas podem ser vistas hoje no Museu de Colchester.

Finalmente , Suetônio , que havia feito uma retirada tática (fugido) com suas tropas para uma relativa segurança da zona militar romana, decidiu desafiar Boudica. Ele montou um exército de 10.000 regulares e auxiliares, cuja espinha dorsal era composta pela 14ª Legião.

O historiador romano Tácito em seus ‘Anais de Roma’ dá um relato muito vívido da batalha final, que foi travada na região central da Inglaterra, possivelmente em um lugar chamado Mancetter perto de Nuneaton, em 61 dC.

Boudica HUK

Boudica e suas filhas dirigiram em sua carruagem a todas as suas tribos antes da batalha, exortando-as a serem corajosas. Ela chorou por ser descendente de homens poderosos, mas ela estava lutando como uma pessoa comum por sua liberdade perdida, seu corpo ferido e filhas indignadas. Talvez como escárnio para os homens de suas fileiras, dizem que ela pediu que considerassem: ‘Vença a batalha ou morra: isso é o que eu, uma mulher, farei; vocês, homens, podem viver na escravidão, se é isso que desejam.

Os britânicos atacaram aglomerando-se na linha defensiva romana. A ordem foi dada e uma saraivada de vários milhares de dardos romanos pesados ​​foi lançada contra os bretões que avançavam, seguida rapidamente por uma segunda saraivada. Os bretões levemente armados devem ter sofrido grandes baixas nos primeiros minutos da batalha. Os romanos avançaram para matar, atacando em formação cerrada, esfaqueando com suas espadas curtas.

Os bretões agora tinham poucas chances, com tantos deles envolvidos na batalha, é provável que suas fileiras concentradas trabalhassem contra eles, restringindo seus movimentos de forma que fossem incapazes de usar suas espadas longas com eficácia. Para garantir o sucesso, a cavalaria romana foi libertada, a qual prontamente cercou o inimigo e começou seu massacre pela retaguarda. Aparentemente louco de desejo por sangue, Tácito registra que 80.000 britânicos; homens, mulheres e crianças foram mortos. As perdas romanas totalizaram 400 mortos, com um número um pouco maior de feridos.

Boudica não foi morto na batalha, mas tomou veneno em vez de ser levado vivo pelos romanos.

Boudica garantiu um lugar especial para si na história popular britânica, lembrado por sua coragem; A Rainha Guerreira que lutou contra o poder de Roma. E de certa forma ela conseguiu sua vingança, pois em 1902 uma estátua de bronze dela cavalgando alto em sua carruagem, projetada por Thomas Thorneycroft , foi colocada no aterro do Tâmisa próximo às Casas do Parlamento na antiga capital romana da Grã-Bretanha, Londinium – O máximo em poder feminino!

Boudica

Boudica (também escrita como Boadicea) foi uma rainha celta que liderou uma revolta contra o domínio romano na antiga Grã-Bretanha em 60 ou 61 DC. Como todas as informações existentes sobre ela vêm de estudiosos romanos, especialmente Tácito e Cássio Dio, pouco se sabe sobre sua infância; acredita-se que ela nasceu em uma família de elite em Camulodunum (hoje Colchester) por volta de 30 DC.

Aos 18 anos, Boudica casou-se com Prasutagas, rei da tribo Iceni da moderna Ânglia Oriental. Quando os romanos conquistaram o sul da Inglaterra em 43 DC, a maioria das tribos celtas foi forçada a se submeter, mas os romanos deixaram Prasutagas continuar no poder como um aliado forçado do Império. Quando ele morreu sem um herdeiro homem em 60 DC, os romanos anexaram seu reino e confiscaram as terras e propriedades de sua família. Como uma humilhação adicional, açoitaram publicamente Boudica e estupraram suas duas filhas. Tácito registrou a promessa de vingança de Boudicca após esta última violação: “Nada está a salvo do orgulho e da arrogância romanos. Eles irão desfigurar o sagrado e deflorar nossas virgens. Vencer a batalha ou perecer, é o que eu, uma mulher, farei. ”

Estátua de Boudicca. (Crédito: View Pictures / UIG / Getty Images)

Estátua de Boudicca. (Crédito: View Pictures / UIG / Getty Images)

Como outras mulheres celtas antigas, Boudica treinou como guerreira, incluindo técnicas de luta e uso de armas. Com o governador provincial romano Gaius Suetonius Paulinus liderando uma campanha militar no País de Gales, Boudica liderou uma rebelião dos Iceni e de membros de outras tribos ressentidos com o domínio romano. Depois de derrotar a Nona Legião Romana, as forças da rainha destruíram Camulodunum, então capitão da Bretanha Romana, e massacraram seus habitantes. Eles passaram a dar tratamento semelhante a Londres e Verulamium (moderno St. Albans). Naquela época, Suetônio havia retornado do País de Gales e organizado seu exército para enfrentar os rebeldes. No confronto que se seguiu – o local exato da batalha é desconhecido, mas as possibilidades variam de Londres a Northamptonshire – os romanos conseguiram derrotar os britânicos apesar de números inferiores,

Ao todo, afirmou Tácito, as forças de Boudica massacraram cerca de 70.000 romanos e bretões pró-romanos. Embora sua rebelião tenha fracassado e os romanos continuassem a controlar a Grã-Bretanha até 410 DC, Boudica é celebrada hoje como uma heroína nacional e uma encarnação da luta por justiça e independência.

Boudica: Rainha da Guerra Celta que Desafiou Roma

 

Ela massacrou um exército romano. Ela queimou Londinium, deixando uma camada carbonizada de quase meio metro de espessura que ainda pode ser rastreada sob a Londres moderna. De acordo com o historiador romano Cornelius Tacitus, seu exército matou até 70.000 civis em Londinium, Verulamium e Camulodunum, correndo para cortar gargantas, enforcar, queimar e crucificar. Quem era ela? Por que ela estava com tanta raiva?

A maior parte da vida de Boudica está envolta em mistério. Ela nasceu por volta de 25 DC em uma família real na Grã-Bretanha celta, e quando jovem se casou com Prasutagus, que mais tarde se tornou rei (um termo adotado pelos celtas, mas como praticado por eles, mais um chefe eleito) dos Iceni tribo. Eles tiveram duas filhas, provavelmente nascidas durante os poucos anos imediatamente após a conquista romana em 43 dC Ela pode ter sido Iceni, uma prima de Prasutagus, e ela pode ter tido treinamento druídico. Até a cor do cabelo dela é misteriosa. Outro historiador romano, Cássio Dio – que escreveu muito depois de sua morte – o descreveu com uma palavra que os tradutores traduziram como vermelho claro, fulvo e até flamejante, embora Dio provavelmente pretendesse que seu público o retratasse como louro-dourado com talvez um tom avermelhado . Seu nome significava vitória.

O povo de Boudica já deu as boas-vindas aos romanos. Quase 100 anos antes, quando Caio Júlio César fez a primeira incursão romana na Britânia em 55 e 54 aC, os Iceni estavam entre as seis tribos que lhe ofereceram lealdade. Mas esse maior de todos os generais romanos foi incapaz de lidar com o poder das marés costeiras nem com as táticas de guerrilha dos outros bretões que o combateram. Depois de negociar uma rendição pro forma e pagamento de tributo, César partiu.

Nos 97 anos seguintes, nenhuma força militar romana pôs os pés em solo britânico. Os Iceni assistiram enquanto seus vizinhos do sul, os Catuvellauni, enriqueciam exportando grãos, gado e peles, ferro e metais preciosos, escravos e cães de caça para Roma. De Roma, eles importaram bens de luxo como vinho e azeite, cerâmicas italianas finas e copos de prata e bronze, e cunharam um grande número de moedas de ouro em sua capital, Camulodunum.

Um século de imperadores romanos veio e se foi. Então, em 41, Claudius (Tibério Claudius Nero Germanicus) subiu para a púrpura imperial. Havia muitas razões práticas pelas quais ele poderia ter considerado útil adicionar a Britânia ao império, uma delas era que a ilha era uma fonte importante de grãos e outros suprimentos necessários em quantidade para o exército romano. Abundavam as histórias sobre a riqueza mineral de lá. Surtos de agitação na Gália foram incitados – assim acreditavam os romanos – por agitadores druidas da Britânia.

A razão mais convincente para Claudius, no entanto, era política. Nascido mancando e gaguejando, ele já havia sido considerado um tolo e mantido fora da vista do público – embora essas deficiências fossem em grande parte responsáveis ​​por sua sobrevivência em meio à intriga e assassinato que se abateu sobre muitos membros de sua nobre família. Agora o imperador precisava desesperadamente de um aumento de prestígio do tipo que, em Roma, só poderia ser fornecido por uma importante vitória militar. Portanto, quando o chefe de uma pequena tribo britânica apareceu em Roma, reclamando que havia sido deposto e pedindo ao imperador que restaurasse seu governo, Cláudio deve ter pensado que era a desculpa perfeita para lançar uma invasão.

Boudica teria cerca de 18 anos em 43, ano da invasão de Cláudio, com idade suficiente para estar ciente dos acontecimentos que iriam transformar a sua vida. Ela pode já ter sido casada com Prasutagus, mas o rei dos Iceni ainda era Antedios, provavelmente um parente mais velho de Prasutagus. Antedios parece ter assumido uma posição neutra em relação a Roma. Outras tribos apoiaram abertamente a conquista, mas a maioria, incluindo o vizinho Icenis ao sul, não. Caradoc, rei dos Catuvellauni (chamado Caractacus pelos romanos), e seu irmão Togodumnus lideraram uma aliança de tribos para repelir os invasores.

Quando as tropas romanas desembarcaram na ponta sudeste da Britânia, Caractacus e seus aliados os atormentaram enquanto marchavam para o interior. Em seguida, os britânicos recuaram para reunir uma única força do outro lado do rio Medway. Lá, os romanos venceram uma grande batalha na qual o irmão de Caractacus foi morto ou mortalmente ferido. Nesse ponto, o próprio imperador Claudius veio à Britânia para selar a conquista com uma vitória em Camulodunum – agora conhecido como Colchester – onde ele aceitou a submissão formal de 11 governantes britânicos, incluindo Antedios dos Iceni.

Boudica e os icenis podem muito bem ter esperado que os romanos partissem como no passado. Eles logo aprenderam o contrário. Claudius construiu uma Legio fortaleza nary em Camulodunum, as tropas estacionadas no país e estabeleceu outras fortalezas ao longo Britannia oriental. Ele nomeou o comandante das forças de invasão, Aulus Plautius, como o primeiro governador romano da Britânia. Caractacus recuou para o oeste, recrutou novas tropas e continuou a travar uma guerra de guerrilha contra os romanos.

O Ostorius Scapula, de punho cerrado, substituiu Plautius em 47. Caractacus programou uma série de ataques para coincidir com a mudança de governadores, então Ostorius chegou ao noticiário da luta. Seria essa recepção desagradável que tornava Ostório tão desconfiado de todos os bretões, mesmo daqueles que se haviam rendido? Ou ele estava mal-humorado porque já sofria da doença da qual morreria cinco anos depois? Por alguma razão, Ostorius decidiu desarmar aquelas tribos súditas nas quais ele sentia que não podia confiar totalmente, incluindo os Iceni. A lei romana estabelecida proibia as populações súditas de manter armas diferentes das usadas para caça, mas isso era contrário à lei e aos costumes célticos. Os Iceni se rebelaram e Ostorius os derrotou. Antedios pode ter sido morto na rebelião. Se não, parece provável que Ostorius o tenha removido imediatamente depois e instalado Prasutagus como rei-cliente em seu lugar. Boudica era agora a rainha dos Iceni.

Dois anos depois, em 49, Ostorius confiscou terras em Camulodunum e arredores para estabelecer uma colônia . Esta era uma cidade para aposentados Legio Naries, em que cada veterano foi concedida uma herdade. A cidade deu aos veteranos uma aposentadoria segura e concentrou uma força de reserva experiente na nova província, à qual Roma poderia recorrer em caso de emergência. Em teoria, deveria fornecer um modelo de civilização romana ao qual os nativos poderiam aspirar. Infelizmente, a colônia em Camulodunum causou mais problemas do que resolveu. À medida que crescia na década seguinte, mais e mais britânicos foram expulsos de suas terras, alguns escravizados pelos veteranos, outros executados e suas cabeças expostas em estacas.

Os Iceni antes evitavam o comércio com Roma, enquanto os Catuvellauni enriqueciam com ele. Agora, o Iceni se rendeu, enquanto o ex-rei dos Catuvellauni lutou contra Roma, e seu povo sofreu as consequências. Ostorius finalmente derrotou Caractacus em 51 e capturou-o em 52. Nesse mesmo ano, Ostorius morreu. Roma substituiu-o por Dídio Galo, que não provocou rebeliões internas, embora as tribos ocidentais inconquistadas continuassem a lutar.

O imperador Claudius foi envenenado em 54, e Nero (Nero Claudius Drusus Germanicus) o sucedeu. Talvez para desviar a suspeita de estar envolvido no assassinato de seu tio, Nero elevou Cláudio ao status de um deus e ordenou que um templo para ele fosse construído em Camulodunum. Agora os chefes britânicos seriam obrigados não apenas a adorar uma vez por ano no altar do homem que havia invadido e ocupado suas terras, mas também a financiar a construção do templo extravagante e caro.

Roma pressionou ainda mais a paciência britânica ao exigir o reembolso do dinheiro dado ou emprestado às tribos. É possível que Antedios tenha recebido parte do dinheiro que Cláudio distribuiu, e seu sucessor, Prasutagus, agora deveria reembolsá-lo. Provavelmente Prasutagus também havia recebido um empréstimo indesejado de Lúcio Sêneca, filósofo romano e tutor de Nero, que pressionou os líderes tribais em um total de 40 milhões de sestércios, evidentemente um investimento que ele esperava traria um retorno saudável em juros. Agora, o procurador – oficial financeiro de Roma, responsável pela tributação e outros assuntos monetários na Britânia – insistiu que o dinheiro de Cláudio deve ser reembolsado. E Sêneca, segundo Dio, recorreu a medidas severas para exigir o pagamento de seus empréstimos. Seus agentes, apoiados pela força, pode ter aparecido na residência real e exigido o dinheiro. Boudica não teria esquecido tal insulto.

Caius Suetonius Paullinus, um homem nos moldes agressivos de Ostorius, tornou-se governador da Grã-Bretanha em 58. Ele começou seu mandato com uma campanha militar no País de Gales. Na primavera de 61, ele atingiu seu limite noroeste, a fortaleza druida na Ilha de Mona. Tácito descreveu as forças que Suetônio enfrentou: O inimigo se alinhou na costa em uma densa massa armada. Entre eles estavam mulheres vestidas de preto com cabelos desgrenhados como Fúrias, brandindo tochas. Perto estavam os druidas, erguendo as mãos para o céu e gritando maldições terríveis. Por um momento, os romanos ficaram paralisados ​​de medo. Então, instados por Suetônio e uns aos outros a não temer uma horda de mulheres fanáticas, eles atacaram e envolveram as forças opostas nas chamas de suas próprias tochas.

Quando a batalha terminou com uma vitória romana, Suetônio guarneceu a ilha e cortou seus bosques sagrados – o temível local de sacrifícios humanos, de acordo com Tácito, que afirmou ser uma prática religiosa celta encharcar seus altares com o sangue de prisioneiros e consultar seus deuses por meio de entranhas humanas. Em vista do assassinato rotineiro e organizado dos jogos romanos de gladiadores, pode-se perguntar se um romano estaria em posição de criticar. Embora os celtas praticassem sacrifícios humanos, a maioria de seus sacrifícios consistia em depósitos simbólicos de objetos valiosos como joias e armas em lagos e poços sagrados.

Para Boudica e seu povo, as notícias da destruição do centro druídico em Mona, a demolição dos bosques sagrados e a matança de druidas devem ter sido profundamente dolorosas. Mas Boudica sofreu uma perda mais pessoal durante esse tempo. Prasutagus dos Iceni morreu em algum momento durante o ataque a Mona ou suas consequências. Ele deixou para trás um testamento cujas disposições não tinham precedente legal sob a lei celta ou romana. Ele nomeou o imperador romano co-herdeiro com as duas filhas de Prasutagus e Boudica, agora adolescentes. De acordo com a tradição celta, os chefes serviam com o consentimento de seu povo e, portanto, não podiam designar seus sucessores por meio de testamentos. E sob a lei romana, a morte de um rei-cliente encerrou o relacionamento do cliente, efetivamente tornando suas propriedades e propriedades propriedade do imperador até e a menos que o imperador nomeasse um novo rei-cliente. A vontade de Prasutagus pode ter sido uma tentativa desesperada de manter um certo grau de independência para seu povo e respeito por sua família. Se foi, não teve sucesso.

Depois que Prasutagus morreu, o procurador romano, Decianus Catus, chegou à corte de Iceni com seu estado-maior e uma guarda militar. Ele começou a fazer um inventário da propriedade. Ele considerava isso como propriedade romana e provavelmente planejava alocar uma parte generosa para si, seguindo o hábito da maioria dos procuradores romanos. Quando Boudica se opôs, ele a açoitou. Suas filhas foram estupradas.

Nesse ponto, Boudica decidiu que os romanos já haviam governado a Britânia por tempo suficiente. A fúria crescente de outras tribos, como os Trinovantes ao sul, tornou-os recrutas ansiosos para sua causa. Apesar da proibição romana, eles haviam armazenado armas secretamente e agora se armaram e planejaram o ataque. Dio escreveu que, antes de atacar, Boudica praticava uma espécie de adivinhação ao libertar uma lebre da dobra da túnica. Quando correu para o lado que os britânicos acreditavam ser auspicioso, eles aplaudiram. Boudica ergueu a mão para o céu e disse: ‘Obrigado, Andraste.’ Essa demonstração religiosa é a razão pela qual alguns historiadores pensam que ela pode ter tido treinamento druídico.

Boudica montou um tribunal feito de terra à moda romana, segundo Dio, que a descreveu como muito alta e sombria na aparência, com um olhar penetrante e uma voz áspera. Ela tinha uma massa de cabelos muito claros que crescia até os quadris, e usava um grande torque de ouro e uma túnica multicolorida dobrada em torno dela, sobre a qual estava uma capa grossa presa com um broche. A túnica, o manto e o broche de Boudica eram um vestido celta típico da época. O torque, o ornamento característico do chefe guerreiro celta, era uma banda de metal, geralmente de fios de ouro retorcidos que se ajustavam ao pescoço, com acabamento em botões decorativos usados ​​na frente do pescoço. Esses torques podem ter simbolizado a prontidão de um guerreiro em sacrificar sua vida pelo bem de sua tribo. Nesse caso, é significativo que Boudica usasse um – normalmente não era usado por mulheres.

Tácito, cujo sogro serviu como tribuno militar na Grã-Bretanha naquela época, narrou a rebelião em detalhes. Boudica foi o primeiro a atacar o Camulodunum. Antes de ela atacar, rebeldes dentro da colônia conspiraram para enervar os romanos supersticiosos. [F] ou sem razão visível, Tácito escreveu, a estátua da Vitória em Camulodunum caiu – com as costas voltadas como se estivesse fugindo do inimigo. Mulheres delirantes gritavam de destruição à mão. Gritaram que na casa do senado local gritos estranhos foram ouvidos; o teatro ecoou com gritos; na foz do Tamisa, um povoado fantasma foi visto em ruínas. Uma cor vermelho-sangue no mar também, e formas como cadáveres humanos deixados pela maré vazante, foram interpretadas com esperança pelos bretões – e com terror pelos colonos.

Camulodunum pediu ajuda militar de Catus Decianus em Londinium, mas enviou apenas 200 homens armados de forma inadequada para reforçar a pequena guarnição da cidade. Em seu excesso de confiança, os romanos não construíram nenhum muro ao redor de Camulodunum. Na verdade, eles haviam nivelado os bancos de grama ao redor da fortaleza do Legio nário e construído nas áreas niveladas. Enganados pelos sabotadores rebeldes, eles não se preocuparam em erguer muralhas, cavar trincheiras ou mesmo evacuar mulheres e idosos.

O exército de Boudica invadiu a cidade e a guarnição romana recuou para o templo inacabado, que fora uma das principais causas da rebelião. Após dois dias de luta, ele caiu. Trabalhos arqueológicos recentes mostram como os britânicos foram meticulosos em sua destruição. Os edifícios em Camulodunum foram feitos com uma estrutura de postes de madeira revestidos de argila e não teriam pegado fogo facilmente. Mas eles foram queimados e destruídos de uma ponta à outra da cidade. As chamas estavam tão quentes que algumas das paredes de barro foram queimadas como se em um forno de cerâmica e são preservadas dessa forma até os dias de hoje.

A única Legio vigor nary imediatamente disponível para sufocar a rebelião era um destacamento deLegio IX Hispania, sob o comando de Quintus Petilius Cerialis Caesius Rufus, que consiste de cerca de 2.000 Legio Naries e 500 cavalaria auxiliar. Cerialis não esperou para reunir uma força maior, mas partiu imediatamente para Camulodunum. Ele nunca chegou lá. Boudica emboscou e massacrou sua infantaria. Cerialis escapou com sua cavalaria e se abrigou em seu acampamento em Lindum.

Suetônio, limpando a operação em Mona, soube da revolta e navegou rio abaixo à frente de seu exército. Ele chegou a Londinium antes de Boudica, mas o que encontrou não deu motivo para otimismo. Como Camulodunum, Londinium não tinha muros. Com cerca de 15 anos, tinha sido construído em terreno não urbanizado próximo ao rio Tamisa, por meio do qual suprimentos e pessoal podiam ser enviados de e para Roma. Era uma cidade extensa, com poucos edifícios grandes que pudessem ser usados ​​como posições defensivas – um punhado de escritórios do governo, armazéns e casas de comerciantes ricos. Catus Decianus já havia fugido para a Gália. Suetônio decidiu sacrificar Londinium para salvar a província e ordenou que a cidade fosse evacuada. Muitas mulheres e idosos ficaram, junto com outros que estavam ligados ao local.

Boudica matou todos os que encontrou quando chegou a Londinium. Dio descreveu a selvageria de seu exército: Eles penduraram nuas as mulheres mais nobres e distintas e depois cortaram seus seios e os costuraram na boca, para fazer as vítimas parecerem estar comendo-os; depois empalaram as mulheres em espetos afiados que percorriam todo o corpo.

Verulamium, a antiga capital da tribo Catuvellauni situada a noroeste de Londinium (fora da atual St. Albans), teve um destino semelhante. Roma concedeu-lhe o status de municipium, dando aos habitantes da cidade um certo grau de autogoverno e tornando seus magistrados elegíveis para a cidadania romana. Boudica evidentemente puniu a cidade por sua associação íntima e voluntária com Roma.

Nessa altura, Suetónio tinha consigo um exército de quase 10.000 homens, compreendendo a Legio XIV e partes da Legio XX, que tinha utilizado para o ataque a Mona, bem como alguns auxiliares reunidos nas estações mais próximas. Ele também enviou uma convocação urgente à Legio II Augusta em Isca Dumnoniorum, atual Exeter, mas seu comandante, Poenius Posthumus, nunca respondeu. Evidentemente, ele não estava disposto a marchar pelo território hostil dos Dumnonii, que haviam se juntado a Boudica e, assim, arriscado a compartilhar o destino dos homens de Cerialis. À frente de sua força convocada às pressas, Suetônio marchou para enfrentar Boudica.

Não se sabe exatamente onde eles se encontraram, mas os palpites mais plausíveis – baseados na descrição de Tácito do terreno favorável onde Suetônio posicionou sua força – incluem Mancetter em Warwickshire ou ao longo da Old Roman Watling Street (agora A5) perto de Towcaster. De acordo com Tácito: [Suetônio] escolheu uma posição em um desfiladeiro com uma madeira atrás dele. Não poderia haver inimigo, ele sabia, exceto em sua frente, onde havia terreno aberto sem cobertura para emboscadas. Suetônio reuniu suas tropas regulares em ordem próxima, com os auxiliares com armas leves em seus flancos e a cavalaria concentrada nas alas. Dio escreveu que as tropas de Boudica somavam cerca de 230.000 homens. Se pudermos acreditar nisso, o exército de Boudica teria sido mais de 20 vezes o tamanho do de Suetônio. Quaisquer que fossem os números reais, é claro que as forças dela superavam as dele.Legio ns.

As forças dos bretões, escreveu Tácito, desfilavam por toda a parte em bandos de infantaria e cavalaria, seus números sem precedentes e tão confiantes que trouxeram suas esposas com eles e as colocaram em carroças puxadas ao redor da outra extremidade do campo de batalha para testemunhar sua vitória. Boudica conduzia uma carruagem com as filhas à sua frente e, ao se aproximar de cada tribo, declarou que os bretões estavam acostumados a guerrear sob a liderança de mulheres. A imagem de Boudica cavalgando pelo campo de batalha para encorajar seus guerreiros parece verdadeira, mas é improvável que qualquer romano tenha entendido o que ela disse. Ela teria falado na língua celta e não precisava informar suas tropas sobre seus próprios costumes.

O discurso que Tácito relata que Suetônio fez pode ser um reflexo mais próximo do que ele disse, apelando para que suas Legiões desconsiderassem o clamor e as ameaças vazias dos nativos. Ele lhes disse: Havia mais mulheres visíveis em suas fileiras do que homens guerreiros, e elas, pouco guerreiras e mal armadas, derrotadas em tantas ocasiões, cediam imediatamente quando reconheciam o aço e a coragem daqueles que sempre as conquistaram. Mesmo quando muitos Legiões estavam envolvidos, foram alguns homens que realmente decidiram as batalhas. Seria uma honra para eles que seu pequeno número ganhasse a glória de um exército inteiro.

LegioNs e auxiliares esperaram no abrigo do vale estreito até que as tropas de Boudica estivessem ao alcance. Em seguida, eles lançaram seus dardos contra os bretões e correram em formação de cunha, apoiados pela cavalaria com suas lanças. Os soldados de infantaria romanos protegeram-se com seus escudos amplos e usaram suas espadas curtas para atacar de perto, cravando as pontas nas barrigas dos bretões e, em seguida, cruzando os mortos para alcançar a próxima fileira. Os britânicos, que lutavam com longas espadas projetadas para golpear em vez de apunhalar, precisavam de espaço para girar suas lâminas e não podiam lutar com eficácia a tão curta distância. Além disso, as carruagens leves que lhes davam vantagem quando lutavam em uma vasta planície eram igualmente ineficazes, com os romanos emergindo de um vale estreito e protegido que impedia as carruagens de alcançarem seus flancos.

O resultado foi uma vitória romana esmagadora. Os britânicos que sobreviveram correram, mas o círculo das carroças das mulheres bloqueou seu caminho, causando confusão e demora. Os romanos não se abstiveram de matar nem mesmo as mulheres, enquanto os animais de bagagem, paralisados ​​por armas, somados às pilhas de corpos, relatou Tácito, citando cifras de 80.000 baixas britânicas e 400 mortos romanos e um número ligeiramente maior de feridos.

De acordo com Tácito, houve pelo menos duas baixas notáveis ​​na sequência imediata da batalha. Ao saber da vitória, Poenius Posthumus sentiu-se tão desonrado pelo fracasso de sua Legio II em ter lutado para se juntar a Suetônio com força total que cometeu suicídio ao cair sobre sua própria espada. Boudica, observou Tácito, terminou sua vida com veneno.

A rebelião estava efetivamente acabada, mas seu sucesso inicial chocou Roma. O total de baixas romanas é sugerido pelo número de tropas que Nero enviou da Alemanha como reforços, segundo Tácito um total de 7.000, consistindo de duas mil tropas regulares, que trouxeram a nona divisão com força total, também oito batalhões de infantaria auxiliares e mil cavalaria. Os civis mortos em Camulodunum, Londinium e Verulamium – cerca de 70.000 se os números de Tácito forem precisos – teriam multiplicado o número. A agitação britânica parece ter continuado mesmo depois da batalha decisiva. Dio escreveu que os britânicos estavam se reagrupando e se preparando para lutar novamente na época em que Boudica morreu.

Quando os reforços romanos chegaram, Suetônio os colocou em novos alojamentos de inverno. Tácito escreveu que, em vez de recorrer à diplomacia, Suetônio devastou com fogo e espada aqueles que ele acreditava ainda serem hostis ou vacilantes. Sua política punitiva, calculada para esmagar os bretões em vez de reconciliá-los com o domínio romano, era consistente com as políticas que causaram a rebelião.

Além disso, estourou uma fome. De acordo com Tácito, os bretões esperavam invadir os depósitos de grãos romanos e, portanto, reuniram todos os homens disponíveis para o exército e negligenciaram o plantio. É difícil acreditar que uma sociedade agrícola, que tanto dependia dos grãos para seu próprio sustento quanto os produzia como um importante produto de exportação, deixaria de semear a safra de um ano inteiro. Mas se eles haviam plantado, grande parte da safra provavelmente foi destruída na campanha de vingança de Suetônio.

Para substituir Catus Decianus, Roma enviou um novo procurador, Julius Classicianus. Tácito desaprovou de todo coração Classicianus, alegando que ele tinha rancor de Suetônio e permitiu que sua animosidade pessoal se interpusesse no caminho do interesse nacional. Classicianus era um celta da província romana da Gália e parece ter feito muito para acalmar os furiosos bretões. Disse-lhes que seria bom esperar um novo governador que trataria com gentileza aqueles que se rendessem. Em seguida, ele relatou a Roma que eles não deveriam esperar fim das hostilidades, a menos que fosse encontrado um substituto para Suetônio.

Nero despachou um de seus administradores, um escravo libertado chamado Policlito, para investigar a situação. Evidentemente, Policlito apoiou o relatório de Classicianus. Logo depois, quando Suetônio perdeu alguns navios e suas tripulações em um ataque britânico, ele foi chamado de volta. O novo governador, Petronius Turpilianus, encerrou as expedições punitivas, seguindo a política de não provocar o inimigo nem ser provocado por ele. Tácito zombou de sua inatividade preguiçosa, mas trouxe paz à Grã-Bretanha.

De Boudica, escreveu Dio, Os bretões a lamentaram profundamente e deram-lhe um funeral caro. A conquista romana trouxe para o infortúnio iceni, que se transformou em desastre depois que sua rebelião fracassou. Mas com o passar do tempo, Britannia tornou-se uma parte ordeira e respeitada do Império Romano. Permaneceu assim por mais três séculos. O povo de Boudica finalmente conquistou o que parece que sempre quis: respeito, paz e um governo que os tratou com justiça e honra.

Este artigo foi escrito por Margaret Donsbach e publicado originalmente na edição de abril de 2004 da Military History .

 

Cartimandua (Cartismandua)

por Ellen Castelow, https://www.historic-uk.com/

Embora a maioria de nós já tenha ouvido falar Boudica (Boadicea), rainha dos Iceni na Grã-Bretanha do século I, Cartimandua (Cartismandua) é menos conhecida.

Cartimandua também foi um líder celta do século I, rainha dos Brigantes por volta de 43 a 69 DC. Os Brigantes eram um povo celta que vivia em uma área do norte da Inglaterra centrada no que é agoraYorkshire, e eram territorialmente a maior tribo da Grã-Bretanha.

Neta do rei Bellnorix, Cartimandua chegou ao poder por volta da época do Invasão romanae conquista. A maior parte do que sabemos sobre ela vem do historiador romano Tácito, por cujos escritos parece que ela foi uma líder muito forte e influente. Como muitos da aristocracia celta e para manter seu trono, Cartimandua e seu marido Venutius eram pró-Roma e fizeram vários acordos e pactos com os romanos. Ela é descrita por Tácito como leal a Roma e “defendida por nossas armas [romanas]”.

Em 51AD, a lealdade de Cartimandua a Roma foi testada. O rei britânicoCaratacus, líder da tribo Catuvellauni, vinha liderando a resistência celta contra os romanos. Depois de lançar ataques de guerrilha contra oRomanos no País de Gales, ele foi finalmente derrotado por Ostorius Scapula e buscou refúgio, junto com sua família, com Cartimandua e os Brigantes.

Cartimandua

Caratacus é entregue aos romanos por Cartimandua

Em vez de protegê-lo, Cartimandua o acorrentou e o entregou aos romanos, que a recompensaram com grandes riquezas e favores. No entanto, essa ação traiçoeira voltou seu próprio povo contra ela.

Em 57 DC, Cartimandua ainda irritou os celtas ao decidir se divorciar de Venutius em favor de seu escudeiro, Velocatus.

O desprezado Venutius usou esse sentimento anti-romano entre os celtas para incitar a rebelião contra a rainha. Muito mais popular com o povo do que Cartimandua, ele começou a construir alianças com outras tribos, pronto para invadir Brigantia.

Os romanos enviaram coortes para defender sua rainha cliente. Os lados estavam equilibrados até que Caesius Nasica chegou com a IX Legion Hispana e derrotou Venutius. Cartimandua teve sorte e escapou por pouco de ser capturada pelos rebeldes, graças à intervenção dos soldados romanos.

Venutius esperou até 69 DC, quando a morte de Nero resultou em um período de grande instabilidade política em Roma. Venutius aproveitou a oportunidade para lançar outro ataque a Brigantia. Desta vez, quando Cartimandua pediu ajuda aos romanos, eles só puderam enviar tropas auxiliares.

Ela fugiu para o forte romano recém-construído em Deva (Chester) e abandonou Brigantia para Venutius, que governou brevemente até que os romanos finalmente o expulsaram.

O que aconteceu a Cartimandua após sua chegada a Deva não é conhecido.

Escavações durante a década de 1980 no Stanwick Iron Age Fort, 8 milhas ao norte de Richmond, em Yorkshire, levaram à conclusão de que o forte foi provavelmente a capital e principal povoação de Cartimandua. Em 1843, um tesouro de 140 artefatos de metal conhecido como tesouro de Stanwick foi encontrado a meia milha de distância em Melsonby. As descobertas incluíram quatro conjuntos de arreios para cavalos para carruagens.

Cartimandua

Fonte: Wikipédia
Cartimandua.jpg
Cartimandua ou Cartismandua (reinou c.  43 dc  – c.  69 ) foi uma rainha dos Brigantes no século I , um povo celta que vivia no que hoje é o norte da Inglaterra . Ela chegou ao poder na época da conquista romana da Grã-Bretanha e formou uma grande aglomeração tribal que se tornou leal a Roma . O único relato dela é do historiador romano Tácito , por meio do qual ela parece ter tido grande influência no início da Grã-Bretanha romana .

Seu nome pode ser um composto das raízes celtas comuns * carti- “perseguir, expelir, enviar” [1] e * mandu- “pônei”. [2]

História

Embora Cartimandua é mencionado pela primeira vez por Tácito como em 51, ela dominará os Brigantes pode já ter sido estabelecida quando o imperador romano Claudius começou a organizada conquista da Grã-Bretanha em 43: ela pode ter sido uma das onze “reis” da OMS Claudius s’ arco triunfal diz que se rendeu sem lutar. [3] Se não, ela pode ter chegado ao poder depois que uma revolta de uma facção dos Brigantes foi derrotada por Publius Ostorius Scapula em 48. [4]

Sendo de “nascimento ilustre”, de acordo com Tácito, [5] Cartimandua provavelmente herdou seu poder, pois ela não parece tê-lo obtido através do casamento. [6] Ela e seu marido, Venutius , são descritos por Tácito como leais a Roma e “defendidos por nossas armas [romanas]”. Em 51, o líder da resistência britânica Caratacus buscou refúgio na Cartimandua após ser derrotado por Ostorius Scapula no País de Gales , mas Cartimandua o entregou aos romanos acorrentado. [7]

Tendo dado a Claudius a maior demonstração de seu triunfo , Cartimandua foi recompensado com grande riqueza. [5] Ela mais tarde se divorciou de Venutius, substituindo-o por seu escudeiro, Vellocatus . Em 57, embora Cartimandua tivesse sequestrado seu irmão e outros parentes e os mantido como reféns, Venutius fez guerra contra ela e depois contra seus protetores romanos. Ele construiu alianças fora dos Brigantes, e durante o governo de Aulus Didius Gallus (52-57) ele encenou uma invasão do reino dos Brigantes. Os romanos previram isso e enviaram algumas coortes para defender sua rainha cliente. A luta foi inconclusiva até que Césio Nasica chegou com umlegião , a IX Hispana , e derrotou os rebeldes. Cartimandua manteve o trono graças ao apoio militar imediato das forças romanas. [8]

Ela não teve tanta sorte em 69. Aproveitando a instabilidade romana durante o ano de quatro imperadores , Venutius encenou outra revolta, novamente com a ajuda de outras nações. Cartimandua apelou para tropas dos romanos, que só puderam enviar auxiliares . Cartimandua foi evacuada, deixando Venutius no controle de um reino em guerra com Roma. [5] Depois disso, Cartimandua desaparece das fontes.

Representação de Tácito

Em seus Anais e as histórias , Tácito apresenta Cartimandua sob uma luz negativa. Embora ele se refira à sua lealdade a Roma, ele convida o leitor a julgar seu papel “traiçoeiro” na captura de Caratacus, que havia buscado sua proteção; [5] sua “auto-indulgência”; [5] sua impropriedade sexual ao rejeitar o marido em favor de um soldado comum; e seus “estratagemas astutos” para tomar como reféns os parentes de Venutius. [8] No entanto, ele também a nomeia consistentemente como uma rainha ( regina ), [5] [7] [8] a única conhecida no início da Grã-Bretanha romana. Boudica, a única outra líder feminina britânica do período, não é descrita nesses termos.

Uma das últimas tríades medievais galesas também menciona “traição” contra Caratacus (Caradoc) por um certo Aregwedd Foeddawg que alguns identificam com Cartimandua: em um relato distorcido, Caradoc torna-se filho de Brân, o Abençoado, que é nomeado um dos “Três Abençoados Reis “por apresentar o Cristianismo aos bretões após o cativeiro em Roma.