Artigos do Portal:
#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Assuntos Complementares

Tir na nOg e Tuatha De Danann

Tir na nOg e The Tuatha De Danann

Druidas / Celtas

Tir n a nOg

Na mitologia irlandesa, Tir na nOg, ou ‘Terra da Juventude Eterna’ é mais conhecido como o Outro mundo e foi visitado por alguns dos maiores reis da Irlanda . Este é o local onde os Tuatha De Danann se estabeleceram quando foram expulsos da superfície da Irlanda. Dizem que sua localização fica em uma ilha no extremo oeste , e é um lugar que está além das bordas do mapa .

A entrada para Tir na nOg 

Tir na nOg é semelhante a alguns dos outros lugares míticos da Irlanda , incluindo Mag Mell e Ablach . Ele também tem semelhanças com o grego Elys ium e o nórdico Valhalla, embora também existam diferenças importantes.   A crença populardiz que Tir nanOg era a vida após a morte para os heróis que haviam morrido, mas era mais um paraíso habitado por  seres sobrenaturais, com poucos marinheiros e aventureiros muito afortunados que esbarraram nele em suas viagens. Neste paraíso não havia doença nem morte, mas simum lugarde vida ebelezaeternas.

Um mito irlandês retrata Tir na nOg, contando a história de Oisin, que se tornouum dos poucos mortos que viviam em Tir na nOg :

Oisin em Tirna nOg
Um dia Oisin e seu pai, FinnMacCumhail,estavam caçando,ummagnífico cavalo branco veio galopando em direção a eles. Nocavalo estava uma linda garota com cabelos longos,fluidose dourados que repousavam sobre o dorso do cavalo . Quando o cavalo alcançou o lado de Oisis , a garota parou o cavalo, dizendo a Oisin, ” Eu sou Niamh Cinn Oir. Vim de Tir na nOg para levá-lo de volta comigo para que você seja meu marido.

Oisin e Niamh cavalgando para Tir na nOg ( Original )

Sh e descrito Tir na nOg, dizendo Oisin que era a terra da eterna juventude . Aqui ele poderia ter  ovelhas e gado   infinitos ; ele poderia estar no comando de guerreiros ; ele viveria para sempre. Claro, Oisin concordou em ir com Niamh depois que ela lhe contou sobre esse paraíso, onde ele poderia ser poderoso e imortal .

Eles cavalgaram por dias e noites, cruzando terras e mares , nunca parando até chegarem a Tir na nOg. Os pais de Niamh, o rei e a rainha, deram as boas-vindas a Oisin como seu futuro genro. O isin viu que todos quemoravam na terra dourada de Tir na nOg eram jovens e fortes, e Ois ficou maravilhado com tudo o que viu. Depois de ficar aqui por três meses s, Oisin decidiu visitar seu f ather e amigo s na Irlanda. Niamh disse que ele poderia ir, entretanto, ela também o avisou para não comer a comida que ele não deveria colocar os pés em solo irlandês.

Quando Oisin voltou para a Irlanda, não encontrou nenhum vestígio de seu pai ou amigos.  As grandes fortalezas de Fianna não eram mais do que montes de terra .   Infelizmente para Oisin, ele não entendia que o tempo passava de forma diferente em Tir na nOg .  Para cada mês que se passava em Tir na nOg, cem anos se passavam na Irlanda, e Oisin descobria que estivera ausente de sua terra natal por trezentos anos.

Um dia, enquanto Oisin cavalgava pelo condado de Sligo, ele viu um grupo de homens lutando para erguer uma rocha pesada. Para Oisin, esses homens pareciam pequenos e fracos,então ele se ofereceu paraajudá-los. He inclinou-sede que elecavalo paramover a pedra, mas a tensão deeste quebrou ocinturão da saddlee Oisin caiu no chão, com o cavalo a galope para longe e desaparecendo. Oisin envelheceu rapidamente, transformando-se em um velho, velho.   Ele nunca sa w Niamh CINN Oir ou Tir na nOg novamente, em vez viver o resto de sua vida na Irlanda, sem amigos e sozinho.

Tuatha De Danann

 

Os Tuatha Dé Danann eram conhecidos em toda a Irlanda antiga e acreditava-se que fossem o povo da Deusa Danu ou Dana, também conhecida como mãe. De acordo com D’Arbois de Jubainville, os Tuatha Dé Danann eram conhecidos como ‘o Povo do deus cuja mãe se chamava Dana’. A Deusa Dana era conhecida como Danand na época da Irlanda. Ao longo da história, Danu ficou conhecido como Brigit, que foi adotada pelo Cristianismo como uma santa. Os Anais dos Quatro Mestres nos dizem que os Tuatha Dé Danann governaram a Irlanda de 1897 aC a 1700 aC.

The Goddess Danu
M3303.1 [Que é igual a 1897, subtraindo-se 3303 de 5200] : O décimo ano do reinado de Enochaidh, filho de Erc; e este foi o último ano de seu reinado, pois os Tuatha Dé Dananns vieram invadir a Irlanda contra os Firbolgs; e lutaram uns contra os outros em Magh Tuireadh, em Conmaicne Cuile Toladh, em Connaught, de modo que o Rei Eochaidh, filho de Erc, foi morto, pelos três filhos de Neimhidh, filho de Badhrai, dos Tuatha De Dananns; Ceasarb, Luamh e Luachra, seus nomes. Os Firbolgs foram derrotados e massacrados nesta batalha. Além disso, a mão de Nuadhat, filho de Eochaidh, filho de Edarlamh (o rei que comandava os Tuatha Dé Dananns), foi decepada na mesma batalha. 
 
O Firbolgs, governou a Irlanda por 37 anos, de acordo com os Anais dos Quatro Mestres , e por 80 anos de acordo com a 16 th erudito do século O’Flaherty, antes da chegada do Tuatha Dé Danann
Esses novos invasores foram considerados um inimigo formidável, liderado por Nuadhat-Airgetlamh, ou Nuad de

a Mão de Prata. Aparentemente, eles chegaram no primeiro dia de Beltaine, agora conhecido como Primeiro de Maio, pousando a noroeste de Connacht. Após o desembarque, alguns dizem que os Tuatha começaram a queimar sua própria frota, tornando qualquer retirada impossível. De acordo com a superstição, os Tuatha Dé Danann eram habilidosos em magia, tornando-se invisíveis para os atuais habitantes da Irlanda até que eles penetrassem no próprio coração do país.

The Tuath a De Danann
Os atuais ocupantes aparentemente tiveram dificuldade em explicar a chegada desses estranhos, que eles diziam ter vindo ‘do nada’ ou ‘do céu’. Eachaid Ua Flainn, um poeta que morreu em 985AD, escreveu: Eles não tinham vasos … Ninguém sabe realmente se foi sobre os céus, ou se foram dos céus, ou da terra que eles vieram. Eles eram demônios do diabo … eles eram homens?
 
Lady Gregory, em seu livro Gods and Fighting Men , afirma: ‘Foi em uma névoa que os Tuatha de Danann, o povo dos deuses de Dana, ou como alguns os chamavam, os Homens de Dea, vieram pelo ar e pelo alto ar para a Irlanda. ‘ Então, o Tuatha Dé Danann provavelmente pousou sob a cobertura de neblina, névoa ou, possivelmente, fumaça. Isso poderia ser atribuído aos Tuatha queimando seus navios ao desembarcar nas costas da Irlanda. Outros disseram que eles chegaram, não em navios, mas em nuvens escuras, levando o povo a acreditar que eles haviam descido do céu. Isso também levou alguns a acreditar que os Tuatha Dé Danann são, na verdade, alienígenas antigos, mas acho essa explicação improvável, acreditando que é mais provável que essa ‘nuvem negra’ fosse provavelmente a fumaça de seus navios em chamas.
Algumas fontes nos dizem que os Tuatha Dé Danann vieram do norte e alguns dizem que eles vieram do oeste, embora tenha havido algum debate sobre sua origem. Uma teoria é que eles vieram originalmente da Dinamarca. De acordo com as tradições dos Tuatha Dé Danann, eles passaram sete anos no norte da Escócia antes de viajar para a Irlanda, ficando em lugares chamados Dobhar e Lardahar. Antes da Escócia, eles teriam passado algum tempo em Lochlonn, que está ligado à Dinamarca. Em gaélico moderno, Lochlainn se refere à Dinamarca e é interessante que os dinamarqueses chamem seu país de Danmark, ou a terra do povo Dan. No entanto, antes de se estabelecerem na Escandinávia ou Dinamarca, os Tuatha teriam vindo de um lugar chamado Acaia. Há uma região chamada Achaiyah na Síria, que tem sido chamada de pátria deThe Annage, ou os ‘Brilhantes’, que eram grandes deuses professores da tradição suméria. Curiosamente, os Tuatha Danann eram altos e louros, aparentando ser sábios de ‘rostos brilhantes’. Os sumérios, que governaram a região pelo menos desde 4000 AC, e o súbito surgimento de sua cultura, ainda estão cercados de mistério e foram atribuídos pelos sumérios à influência de seus deuses professores. É possível que um pequeno grupo desses misteriosos ‘professores’, potencialmente os últimos de sua espécie, tenha decidido passar seus conhecimentos para outras tribos, trabalhando desde a Mesopotâmia até a Europa, talvez ensinando os gregos da mesma maneira que os Tuatha ensinaram o povo irlandês antigo. Outros ainda afirmam que podem ter vindo da região do entorno do Rio Danúbio na Áustria / Alemanha devido à semelhança dos nomes ou, até, que eles vieram da Atlântida, partindo apenas depois que ela desapareceu no mar. Existem ainda outras fontes que nos dizem que os Tuatha vieram originalmente da Grécia: ‘… na Grécia antiga … vivia uma raça de nômades conhecida como os Pelasgians. De natureza tribal, eram marinheiros que afirmavam ter nascido dos dentes da Serpente Cômica Ophion e da Grande Deusa Danu. Os Pelasgians governaram a Grécia até a vinda dos Aqueus em 1900 AC, que tentaram destruir o povo Pelasgian mas falharam. Embora tenham sido aceitos pelos aqueus, nem todos desejavam permanecer na Grécia. Este grupo, que mais tarde se autodenominou Tuatha Dé Danann, migrou para o norte, para a Dinamarca, vindo mais tarde para a Irlanda. Esta parece ser a teoria mais aceitável para a origem do Tuatha.

Livro da Vaca Dun nos diz que ‘os sábios não sabem a origem dos Tuatha Dé Danann, mas parece que eles vieram do céu, por conta de sua inteligência e pela excelência de seu conhecimento.’ De acordo com uma fonte, a primeira referência aos Tuatha Dé Danann afirma que ‘depois que foram banidos do céu por causa de seu conhecimento, eles desceram na Irlanda em uma nuvem de névoa.’ Isso mostra que, em face de novas religiões como o Cristianismo, as habilidades e conhecimentos dos Tuatha Dé Danann só poderiam ter sido aprendidos no céu. A única maneira de explicar sua vida na terra poderia, portanto, ser atribuída apenas ao seu banimento do céu.

Lia Fail
Na Escandinávia, os Tuatha se estabeleceram em quatro cidades onde dizem que aprenderam suas muitas habilidades. ‘… grandes Falias, e brilhantes Gorias, e Finias, e ricos Murias que ficavam ao sul.’ Nesses cidades, havia quatro homens sábios que ensinaram as habilidades, conhecimento e sabedoria que os Tuatha trouxeram para a Irlanda. Houve ‘Senias em Murias; e Arias, o poeta louro, em Finias; e Urias da natureza nobre em Gorias; e Morias nas próprias Falias. Os Tuatha supostamente trouxeram quatro tesouros dessas quatro cidades: ‘uma Pedra da Virtude de Falias, que foi chamada de Lia Fail, a Pedra do Destino; e de Gorias eles trouxeram uma Espada de Nuada, que sempre infligia um golpe mortal sobre o inimigo; e de Finias uma Lança da Vitória; e de Murias o quarto tesouro, o Caldeirão de Dagda do qual nenhuma empresa jamais deixou de ficar insatisfeita. ‘
Esses tesouros, junto com sua aparição na Irlanda ‘do nada’, levaram muitos a acreditar que os Tuatha Dé Danann eram grandes feiticeiros, descritos no Livro da Vaca Dun e no Livro de Leinster como ‘deuses e não-deuses’. Os escribas posteriores encontraram alguma dificuldade em decidir se os Tuatha Dé Dananns eram uma raça mítica ou se realmente existiam. Em um poema escrito pela 10 ª poeta do século Eochaid O’Flynn, essa indecisão se torna aparente. Neste poema, preservado no Livro de Ballymote , O’Flynn escreve:
Embora eles tenham aprendido Erinn
Sem navios flutuantes e aventureiros,
Nenhum homem na criação sabia
Quer fossem da terra ou do céu.
Se eles fossem demônios diabólicos,
Eles vieram daquela expulsão lamentável;
Se eles fossem de uma raça de tribos e nações,
Se eles eram humanos, eles eram da raça de Beothach.
Nesse mesmo poema, O’Flynn nos diz que os Tuatha eram hospedeiros de siabra, que é uma palavra do irlandês antigo que significa fadas, duendes ou fantasmas. O povo irlandês acreditava tão fortemente nos Tuatha Dé Danann e em suas habilidades mágicas que os transcritores cristãos “não podiam negar sua existência como uma raça não humana de seres inteligentes”. No entanto, esses transcritores não podiam se permitir acreditar que os Tuatha Dé Danann eram uma raça boa e gentil e freqüentemente os interpretavam mal, colocando-os em uma categoria com demônios malignos. Isso é ilustrado na história do ‘leito de enfermidade de Cuchulainn: De modo que esta foi uma visão para Cuchulainn de ser atingido pelo povo dos Sid [os Tuatha Dé Danann]: para o poder demoníaco era grande antes da fé; e tal era a sua grandeza que os demônios costumavam lutar corporalmente contra os mortais, e costumavam mostrar-lhes delícias e segredos de como seriam na imortalidade. Era assim que se acreditava. Portanto, é a esses fantasmas que os ignorantes aplicam os nomes de Side e Aes Side .
Nuada era o líder e rei dos Tuatha, mas também havia chefes dos Tuatha – Ogma, irmão de Nuada, que ensinava escrita; Diancecht, um curandeiro; Neit, ‘um deus da batalha’, Credenus, o artesão; e Goibniu, o Smith. Também é dito que havia muitas mulheres importantes entre eles: Badb, ‘uma deusa da batalha; Macha, ‘cujo mastro se alimentava de cabeças de homens mortos em batalha’; e o Morrigu, o ‘Corvo da Batalha’. Havia também Eadon, “a enfermeira dos poetas”; Brigit, uma poetisa que dizem ter sido adorada por outros poetas porque era grande e nobre. Brigit também era curandeira e ferreiro, disse ter feito o primeiro assobio permitindo que eles se ligassem durante a noite. Acredita-se que seu nome signifique “uma flecha de fogo”. Finalmente havia Dana, Mãe dos Deuses,
Os Firbolgs, pegos de surpresa, não conseguiram atacar até que os Tuatha marchassem quase através da Irlanda. Diz-se que travaram sua primeira batalha ‘na planície de Moyturey, perto da costa de Lough Corrib, em parte do antigo território de Partry’. Aqui os Firbolgs foram derrubados e massacrados.
Há, no entanto, outra versão dos eventos, de acordo com um antigo manuscrito irlandês mencionado em The History of Ireland, Ancient and Modern, o que é aparentemente mais consistente com a história posterior. De acordo com este relato, ‘a batalha do sul de Moyturey resultou em um acordo ao invés de em tal derrota …’ O rei Firbolg foi morto durante a batalha, mas outro líder, Srang, foi escolhido. Depois de alguma negociação, os Tuatha Dé Dananns e os Firbolgs concordaram em dividir a terra, com os Firbolgs tomando Connaught, e os Tuatha Dé Dananns tomando as terras restantes. Este segundo relato parece fazer sentido, devido à ‘base firme que encontramos essas pessoas o tempo todo mantendo na Irlanda, e por sua posição na época de Miles, quando foram inicialmente recebidos como aliados pelos invasores, e foram depois, por séculos, capaz de resistir à guerra. ‘
Como nos dizem os Anais dos Quatro Mestres , Nuadhat perdeu a mão durante a batalha. Aparentemente, uma mão de prata foi feita para ele por Credne Cerd e ajustada pelo médico Diencecht. O filho de Diencecht, Miach, aparentemente melhorou esse trabalho e, de acordo com a lenda, infundiu ‘sentimento e movimento em cada junta da mão artificial como se fosse natural’. É assim que Nuadhat, a Mão de Prata, recebeu seu nome. Esta descrição da criação, adaptação e aprimoramento da mão artificial de Nuadhat pode ser tomada como um exemplo das habilidades cirúrgicas e mecânicas que se acredita serem possuídas pelos Tuatha Dé Danann.
Aparentemente, essa façanha levou sete anos para ser alcançada e, durante esse tempo, um rei temporário foi eleito, já que os Tuatha Dé Danann tinham uma lei que dizia que um homem tinha que estar em perfeitas condições para ser rei. O rei temporário, Breas, tinha um pai Fomoriano e uma mãe nascida dos Tuatha De Danann. Ele foi supostamente escolhido por causa disso.
Passados ​​sete anos, Nuadhat retomou seu papel de rei. No entanto, durante o 20 º ano de seu reinado, uma batalha foi travada contra os Fomorianos, disse ser uma raça de gigantes, em um lugar chamado Northern Moyturey, ou Moyturey dos Fomorians. Esta batalha foi aparentemente instigada e encorajada por Breas e, possivelmente, ajudada por refugiados Firbolg. Nuadhat foi aparentemente morto por ‘Balor’ dos poderosos golpes ‘, o líder dos fomorianos, que é descrito nas antigas tradições como’ um monstro tanto em barbaridade quanto em força, e como tendo apenas um olho ‘. Balor também foi morto durante a batalha por uma pedra atirada pelo filho de sua filha, Lugh Lamhfhada, como vingança por seus crimes.
Lugh Lamhfhada, que matou Balor, sucedeu Nuadhar como rei, e, devido às suas ligações com os fomorianos, por meio de sua mãe, e Tuatha Dé Danann, por meio de seu pai, a paz existia entre as duas raças. Ele reinou por quarenta anos, durante os quais estabeleceu os jogos públicos, ou feiras, da colina de Tailltean para comemorar sua mãe adotiva, Taillte, que se casou com um chefe Tuatha Dé Danann e criou um filho chamado Lewy. Estes jogos continuou até o 12 º século, realizada em 1º de st agosto; um dia que ainda é chamado de feira de Lugh, durante o qual essas tradições ainda são preservadas. Os Tuatha Dé Dananns governaram por 197 anos, até 1700 AC.
Quando os Filhos de Mil, ancestrais dos irlandeses, também conhecidos como Milesianos, vieram para a Irlanda, eles encontraram os Tuatha Dé Danann em plena posse da Irlanda. Os Milesianos, em homenagem a Milesius, o Rei da Espanha, chegaram à Irlanda, de acordo com os Anais dos Quatro Mestres, em 1700 AC. As lendas bárdicas dizem que a Irlanda se tornou invisível para os Milesianos por meio da necromancia usada pelos Tuatha. No entanto, quando os Milesianos desembarcaram e marcharam para a Irlanda, os Tuatha confessaram que, sem um exército permanente, eles não estavam preparados para resistir a eles. Diz-se que disseram aos Milesianos que, ‘se eles [os Milesianos] embarcassem novamente e pudessem fazer um bom desembarque de acordo com as regras da guerra, o país deveria ser deles.’ Assim, os Milesianos voltaram ao mar, retirando ‘a distância de nove ondas’ da costa. Ao fazer isso, uma grande tempestade começou, que se acredita ter sido levantada pelos Tuatha, espalhando a frota Milesiana, com muitos navios sendo perdidos completamente. No entanto, os Milesianos conseguiram voltar. Os Anais dos Quatro Mestres nos dizem:A frota dos filhos de Milidh chegou à Irlanda no final deste ano, para tomá-la dos Tuatha Dé Dananns; e eles lutaram na batalha de Sliabh Mis com eles no terceiro dia após o desembarque. Nessa batalha caiu Scota, filha do Faraó, esposa de Milidh; e o túmulo de Scota pode ser visto entre Sliabh Mis e o mar. Daí também caiu Fas, a esposa de Un, filho de Uíge, de quem se chama Gleann Faisi. Depois disso, os filhos de Milidh travaram uma batalha em Tailtinn, contra os três reis dos Tuatha Dé Dananns, Mac Cuill, Mac Ceacht e Mac Greine. A batalha durou muito tempo, até que Mac Ceacht caiu por Eiremhon, Mac Cuill por Eimhear e Mac Greine por Amhergin.
Suas três rainhas também foram mortas; Eire de Suirghe, Fodhla de Edan e Banba de Caicher. A batalha foi finalmente ganha contra os Tuatha Dé Dananns, e eles foram massacrados onde quer que fossem alcançados. 
 
Depois que as batalhas foram vencidas, os Milesianos ficaram com a Irlanda, formando alianças com os Firbolgs, que foram autorizados a manter certos territórios, e com outras raças que viviam na Irlanda. Existem muitas lendas diferentes sobre o que aconteceu aos Tuatha Dé Danann após a derrota. Alguns acreditam que a terra foi dividida, com o subsolo sendo entregue aos Tuatha Dé Danann, onde outros dizem que a Deusa Danu os enviou para morar em Tir na nOg, encontrando casas subterrâneas para aqueles que não queriam deixar a Irlanda.

Outra lenda diz que os Tuatha nem mesmo lutaram contra os Milesianos porque sua habilidade em profecia lhes contou sobre a batalha iminente e a conseqüente perda de seu país. Isso levou à suposta criação de futuros reinos preparados pelos Tuatha sob várias colinas para as quais eles fugiram quando os Milesianos chegaram. Nesse caso, a lenda diz que Tuatha Dé Danann se tornou o povo das fadas da Irlanda, também conhecido como Sidhe (pronuncia-se ‘Shee’). ‘Assumindo a invisibilidade, com o poder de reaparecer a qualquer momento em uma forma humana antes dos filhos dos Filhos de Mil, o Povo da Deusa Danu se tornou e é o Povo das Fadas, o Sidhe da mitologia e do romance irlandeses.’

Sons of Mil
Os Filhos de Mil, que acreditavam que os Tuatha Dé Dananns eram feiticeiros, culparam os Tuatha quando suas safras fracassaram e suas vacas não produziram leite. Isso, aparentemente, os forçou a tratar com os Tuatha. Assim que esse tratado foi feito, os Filhos de Mil puderam mais uma vez cultivar suas safras e suas vacas começaram a produzir leite.
Outros dizem que onde os Milesianos iriam destruir os Tuatha Dé Danann, eles gradualmente se tornaram fascinados e cativados por eles porque eram ‘hábeis em toda a magia e excelentes em todas as artes como construtores, poetas e músicos’. Eles permitiram que os Tuatha Dé Danann permanecessem na Irlanda, onde construíram fortes nos quais ‘realizavam grandes festivais com música, canto e o canto dos bardos’. Aparentemente, os cavalos criados pelos Tuatha não podiam ser igualados ou superados por nenhum outro encontrado no mundo: ‘… velozes como o vento, com o pescoço arqueado e o peito largo e a narina trêmula, e o grande olho que mostrava que eram feito de fogo e chamas, e não de terra opaca e pesada. ‘ Esses cavalos foram alojados nas ‘grandes cavernas das colinas …’ Isso levou as pessoas a chamarem os Tuatha Dé Danann de ‘
Os palácios para os quais os Tuatha Dé Danann teriam fugido estavam escondidos nas profundezas da terra. O Dagda, Grande Rei dos Tuatha Dé Danann controlava a distribuição desses palácios – dando um a Lugh, o deus Tuatha do sol, e mantendo dois para si – Brug na Boinne ou Castelo de Bayne, devido à sua localização perto do River Boyne e Sid ou Brug Maic ind Oc, significando Palácio Encantado ou Castelo do Filho dos Jovens. O mais encantado era o Maic ind Oc, que continha três árvores que davam sempre frutos, uma vasilha cheia de uma bebida excelente e dois porcos – um vivo e outro cozido e pronto para comer a qualquer hora. Diz-se que ninguém que vive neste palácio jamais morreu.
Hoje, os Tuatha Dé Danann são mais frequentemente referidos como ‘o Povo dos Sidhe’, ou simplesmente Sidhe. Isso provavelmente se deve à crença popular de que eles são uma raça subterrânea, que às vezes são descritos como deuses da terra ou dei terreni, como no Livro de Armagh . Acreditava-se que eles controlavam o amadurecimento das safras e a produção de leite das vacas e, por causa disso, os antigos irlandeses os adoravam regularmente com sacrifícios, muito parecido com o que faziam com as fadas mais modernas , deixando comida à noite para as fadas para comer. Alguns acreditam que em uma batalha justa, os Tuatha Dé Danann lutarão ao lado de mortais e que, quando lutam, o fazem com lanças de fogo azul e escudos de puro branco.
Concluindo, os Tuatha Dé Danann são considerados uma raça de deuses irlandeses, conhecidos por suas habilidades mágicas e fundados pela Deusa Danu ou Dana, que invadiu a Irlanda. Diz-se que eles governaram por cerca de 197 anos, de cerca de 1897 aC a 1700 aC. Acredita-se que eles foram derrotados pelos Milesianos, que os levaram a palácios subterrâneos onde ainda acreditam, por alguns, que vivam hoje. Sua origem é desconhecida e envolta em mistério, embora alguns digam que podem ter vindo da Dinamarca, Síria, Alemanha ou até mesmo da Atlântida. A teoria mais plausível de sua origem é que eles vieram da Grécia e já foram uma tribo conhecida como Pelasgians. Eles foram tratados, por alguns, como míticos e por outros como pessoas reais. Na lenda popular, eles se tornaram associados às muitas fadas que supostamente habitam o interior da Irlanda. Embora sua história tenha sido muito distorcida ao longo do tempo, há evidências crescentes de que sua história está enraizada em fatos. Restos de alguns campos de batalha foram descobertos, o que lança uma nova luz sobre este povo mágico que já habitou a Irlanda. Alguns estudiosos também especularam que as lendas arturianas podem ter sido baseadas nos Tuatha Dé Danann. Seja qual for a verdade, seu legado vive nas fadas que ainda vivem nos muitos montes de fadas e raths que cobrem a paisagem irlandesa. que lança uma nova luz sobre este povo mágico que já habitou a Irlanda. Alguns estudiosos também especularam que as lendas arturianas podem ter sido baseadas nos Tuatha Dé Danann. Seja qual for a verdade, seu legado vive nas fadas que ainda vivem nos muitos montes de fadas e raths que cobrem a paisagem irlandesa. que lança uma nova luz sobre este povo mágico que já habitou a Irlanda. Alguns estudiosos também especularam que as lendas arturianas podem ter sido baseadas nos Tuatha Dé Danann. Seja qual for a verdade, seu legado vive nas fadas que ainda vivem nos muitos montes de fadas e raths que cobrem a paisagem irlandesa.

Similar Posts