Artigos do Portal:
#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Espiritualidade Informações Essenciais Manifestações e Emanações de Shakti / Qoya / Auset / Cy Mitologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino

Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos

Srichakra
Srichakra é a representação esquemática de Shiva-Shakti no Cósmico e os aspectos individuais. Nos Tantras hindus, existem três tipos de símbolos externos usados ​​para o culto do Ser Supremo, que é Ele mesmo sem forma e sem nome. A mais externa é a imagem lançada nas formas humanas, mas com a parafernália de significação supra-humana divindade. A última e mais sutil são os mantras, que são sons divinos ou Bijaksharas ou letras que indicam certos sons de sementes indeclinável. Um Mantra é o poder divino vestido de som. Entre estes dois Yantras vêm, também chamado de Chakras, que são representações da Divindade em diagramas geométricos.

O Srichakra é concebida como Shiva-Shakti no macrocósmico, bem como nos aspectos microcósmicos isto é, como o cosmos e do indivíduo. O Chakra consiste de uma série de nove triângulos sobrepostos em torno de um ponto central chamado Bindu, formando 40-Konas três ou projecções triangulares. No centro está o Bindu, o que representa Shiva-Shakti em união no estado causal a partir da qual todas as outras partes do diagrama que representa o cosmos são evoluídos. O Bindu é de um triângulo central com o vértice para baixo no Chakra Samhara dos Kaulas, mas no Chakra Srishti dos samayins, é abaixo da base do triângulo central com as suas ápice para cima. Encerrando-o e sobrepostos um sobre o outro são os quatro triângulos Shiva com ápices para cima e cinco triângulos Shakti (inclusive do triângulo interior) com ápices para baixo. Dois círculos de flores de lótus, um com oito pétalas e outro com dezesseis pétalas cercar estes. Fora estes, são três círculos ao redor e um recinto retangular (Bhupura) de três linhas para o Chakra inteiro, com quatro entradas nos quatro lados.

A central de Bindu significa Shiva-Shakti no estado causal da criação. Shakti é aqui representado como Mahatripurasundari, a grande Mãe ou a beleza incomparável das três Puras ou três Bindus. O Bindu representa a empurrar inicial diante da Shakti maciça ou ghanIbhUtA, com a potencialidade do universo dentro de si. Fala-se de como três para indicar as três tensões quando a unificado não-dual Shiva-Shakti parecem se separar em dois aspectos Prakasha (a consciência Aham ou I) e Vimarsha (o idam ou essa consciência). Estes três tensões são tecnicamente chamados de Nada, Kalaa e Bindu. Naada é o movimento incipiente de som (interpretado pelo ouvido humano como Omkara) e Kalaa é o Kalaa Kaama, o desejo de criar, que os Vedas representam como ‘Posso ser muitas “. Bindu é o universo potencial pronto para separar em várias categorias. Todos estes três tensões de Shiva-Shakti juntos são representados pela central de vermelho Bindu com uma linha imaginária através dele para representar a polaridade na categoria suprema como Shiva-Shakti. O Bindu grande, o estresse tríplice da Shakti externalização ou criativa é realmente a mãe divina Mahatripurasundari. Ela é descrita como ‘puramathiturAho puruShikA “no sétimo verso do Saundaryalahari, popularmente interpretada como” Pride of Shiva “. É no entanto verdade significa que Shiva como Prakasha (luminosidade ou consciência) percebe-se como “eu sou”, através dela, a Shakti Vimarsha (o objeto como o refletor).

O resto do Srichakra representa o conjunto da Brahmanda (cosmos) como evoluído a partir do Bindu, estando para Mahatripurasundari. Em redor do Bindu é uma série de triângulos sobrepostos. Estes nove triângulos constituem as nove categorias básicas do universo, evoluindo da mãe suprema Mahatripurasundari representado pelo Bindu central. Por isso eles são chamados de Mula Prakritis ou substâncias raiz do universo. Os triângulos de Shiva e Shakti são sobrepostas para indicar que Shiva e Shakti estão envolvidos em todo o processo de ‘transformação’ em seus aspectos microcosmo e cósmica. No indivíduo, eles estão presentes como os nove Dhatus ou substâncias que constituem o corpo físico. Estes são Tvak (pele), Asrk (sangue), Mamsa (carne), Medhas (gordura), e Asthi (osso). Estas cinco categorias nascem de elemento Shakti, enquanto os evolui dos elementos Shiva constituem de Shukla (sêmen), Majja (medula), o prana (energia vital) e Jiva (alma individual). No lado cósmico, os cinco constitui de Shakti são os cinco elementos (pancha mahabhutas ou seja, terra, água, fogo, ar e espaço) e os cinco elementos sutis (Tanmatras), os cinco karmendriyas (órgãos de ação), os cinco (Gnanendriyas órgãos do conhecimento) e Manas (mente) – estes têm a sua origem no elemento Shakti, enquanto Maya, Suddha Vidya, Maheshwara e Sadashiva formar o elemento de Shiva. Assim, os nove triângulos simbolizam os elementos básicos de vinte e cinco ou Tatvas que constituem o cosmos e os organismos individuais.

Pela intersecção das linhas de estes nove triângulos são formados quarenta e três Konas, na qual está incluído o triângulo central tendo o Bindu central. Em todos estes Konas são colocadas as letras diferentes do alfabeto, que representam o Devatas, que são emanações (rashmis) do Mahatripurasundari entidade única e verdadeira. São as forças conscientes que regem os diversos poderes da natureza do cosmos, bem como em um indivíduo. Estes Devatas não devem ser equiparados com os espíritos animistas do homem primitivo. Pois de acordo com Srividya, o Espírito é supremo e toda a natureza consiste em evolui de que o Espírito, de que o que chamamos de matéria inerte é apenas o último evolute, tendo consciência apenas retirado pelo poder inerente de Tirodhana (ocultação). O Espírito, o Ser-Power, é o único, e que são chamados de deuses e deusas colocados nas várias partes do Srichakra são apenas suas manifestações para que rege as várias forças da natureza.

As porções de Srichakra deitado fora das quarenta e quatro centros compreendendo o Bindu também são todos suposto ser incluído na loto últimos oito pétalas (Ashtadala padma) no triângulo central, a 16 pétalas loto (sodasha dala padma) no Chakra oito angular (Ashtakona), os três círculos (mekhalaa Traya) nos dois dez chakras angular (Dashaara dvaya), eo espaço circundante com as linhas rectangulares e quatro entradas (Bhupura) na Chakra 14 em ângulo (Chaturdashaara).

O Srichakra é identificado com o Sahasrara ou o lótus de mil pétalas. É a última fonte de poderes ou seja Iccha (volição), Jnana (conhecimento) e Kriya (ação). São esses poderes que se manifestam através dos vários órgãos de conhecimento e ação. Todos esses órgãos são reguladas por um controle central no cérebro, e que é identificado com o Chakra Baindava ou o Chakra Bindu de Srichakra. É a sede do Shiva, o ser puro, e é o Jyotirmandala, a esfera de luz, porque a lua eterna espiritual ilumina com sua luz feliz. Este Sahasrara é também a fonte das três correntes de nervosas do significado físico. Eles são a Ida, Pingala e Sushumna, respectivamente, em execução na direita, esquerda e centro da coluna vertebral. Através da Sushumna corre um canal oco chamado o caminho Kula, que é fechado na extremidade, acima do nível do ânus, na base da coluna vertebral. Se esses nervos de yoga são para ser identificado com o que é conhecido para o anatomista como os nervos aferentes e eferentes e Canalis Central é uma questão discutível. É melhor para concebê-los como fatores psíquicos relacionados ao corpo sutil e ter alguma correspondência com suas contrapartes físicas.

Na parte inferior do Sushumna contra o nível do ânus é o plexo básico conhecido como Muladhara, descrito como um triângulo com um loto tendo pétalas caídas. Este plexo é chamado a caverna de Kundalini desde Kundalini, o poder da serpente permanece dormir ou seja inactivo lá, depois de ter completado o seu propósito evolutivo com a produção do elemento Terra, a última das categorias de vinte e cinco. Assim como Parashakti é a consorte de Shiva, o Ser Supremo, Kundalini é o segmento de que a mãe cósmica como a Shakti do Jiva, que não é outro senão um Amsa (partículas) do Shiva supremo consagrado como o individual. É esta Shakti que evolui em todas as categorias de vinte e cinco cósmicos. As primeiras quatro categorias puros – Sadashiva a Maya são considerados pura e, por conseguinte, incluído dentro do Sahasrara si e os restantes 21 categorias são incluídos no plexo seis ou chakras descritos como lotuses descendente ao longo da Sushumna. Destes, Ajna Chakra, localizado entre as duas sobrancelhas é a 2 pétalas de lótus constitui o elemento mente (manas), que incluiu os cinco órgãos do conhecimento e ação. Ao nível da garganta é o Chakra Vishuddhi de 16 pétalas constituído pelo elemento Akasha (espaço). Ao nível do coração é o Chakra Anahata com 12 pétalas com o elemento ar como seu constituinte. No que nível do umbigo é o Chakra Manipuraka com 10 pétalas e que representam o elemento água. Ao nível dos órgãos genitais é o Chakra Swadhishtana com 6 pétalas e do elemento fogo. Ainda abaixo é o Chakra Muladhara mencionado antes. Assim como a cósmica Shakti Mahatripurasundari evolui estas 25 categorias que vão combinar-se no universo manifesto, o aspecto individual da Shakti evolui para esses centros que representam as diferentes categorias e do corpo-mente, e ter completado o processo evolutivo dorme ou permanece contraída ou enrolada na última categoria da Terra representada por Muladhara.

A intenção principal do Srividya é despertar esta Kundalini através do Japa do Vidya supremo (de 15, 16, 18 ou 28 letras) e concentração nos pés de lótus de Mahatripurasundari, e levando esse poder através do Sushumna até o Sahasrara no cabeça e unindo-a com o Shiva lá. Isso resulta em Samadhi perfeito e por nenhum outro meio isso é possível. Nenhuma atividade espiritual é possível sem despertar a Kundalini, embora a maneira de fazer isso é numerosa. Tantras declararam yoga e Kriya Srividya como o mais rápido, bem como o caminho mais seguro para o sucesso espiritual.

Em uma pessoa ignorante, nos quais a Kundalini está adormecida, o Jnana e Kriya função Shaktis através dos nervos Ida e Pingala que Sushumna flanco. Pelo poder de concentração e por as energias extremamente poderosas torrenciais geradas por Japa de Srividya, e também pela graça do Guru, Kundalini é despertada e ele força o seu caminho até o caminho Kula. Juntamente com o seu curso ascendente, reúne-se também todas as energias da vida que estão funcionando nos níveis inferiores do corpo, deixando as porções frias. Pois, todas estas energias são apenas o que estão dispersos da Kundalini e, portanto, eles estão reunidos com o curso para cima desse poder. À medida que a Kundalini toca um plexo após o outro, a consciência é elevada a níveis mais sutis, descrita no Vedas como sete esferas superiores Bhuh, Bhuvah etc

O caminho Kula e os Chakras são divididos em três segmentos – Brahma Granthi até à Swadhishtana que é considerado ser a região de fogo e de escuridão, Vishnu Granthi até Anahata que é a região do sol e de alternância de luz e escuridão e. Rudra Granthi até Ajna que é a região da luz pura da lua. O Sahasrara no final mais alto do caminho Kula é a região do eternamente feliz lua espiritual (Sacchidananda), que é diferente do luar no Chakra Ajna. Em caso de candidatos que recebem absorção em Shiva Shakti no Sahasrara (que é o que Srividya ensina e traz, eventualmente, em oposição à maioria das outras tradições wherein meditação e absorção deve começar no Chakras inferiores e continuar mais para cima. Este fato é um dos grande número razões que levam a doutrina da Srividya muito além dos domínios de qualquer outro Tantra) todos estes Chakras também são absorvidos no Sahasrara, enquanto o Samadhi dura. Como os seis Chakras são manifestações grosseiras do Sahasrara, é natural para eles serem absorvidos em sua matriz, juntamente com a ascensão da Kundalini e manifestar novamente (se o aspirante conhece a Vijnana) quando o Kundalini desce. Agora, é nesta parte da descida do Kundalini, depois de ter a felicidade de Shiva – Shakti comunhão e Kulamrita o consumo resultante, tendo esclarecido que de acordo com os sampradaya, não Chakras outros como Lalaata, Lalanaa, Golataa e nadi Indra entrar em foto . Estes Chakras são muito sutis e Tantras proibir a sua discussão com os não iniciados. Então eu omitir isso.No entanto, para uma visão genérica destes pode-se consultar o Capítulo Kulamrita na seção de Yoga Rudrayamala.

Assim, o Srichakra é feita em um símbolo global para a adoração e identificação com / de Mahatripurasundari que é Parabrahman Chit-Parashakti um. Isso permite tanto que seguem Samayachara através do culto externo do Srichakra no Mahakasha (céu externa), bem como para os Samayacharins verdadeiros que fazem adoração internamente, sem quaisquer símbolos externos e rituais através da meditação na Daharakasha.

Srichakra é que grande morada de poder em que Shiva Shakti converteram-se para abençoar seus filhos. Eles estão sempre ali presentes e os devotos podem comungar com eles por isso. Esta não é uma mera declaração e todos aqueles que têm adorado e meditava sobre Srichakra, tendo devidamente tomado uma iniciação de guru vai jurar triste por isso. Embora esta comunhão é possível em um nível físico sensorial, por um fervoroso adepto e verdadeiro de Samayachara esta comunhão é puramente interna. No Manipuraka adoram Kundalini como a grande mãe Mahatripurasundari, que já foi despertado pelo Mahavedha Shambhava feito pelo Guru. Ela é elevada a Anahata, onde ela é adorada na Daharakasha e, então, levantou a Ajna Chakra de onde ela rapidamente se une com Shiva no Sahasrara. Como uma pessoa pode voltar ao Chakras inferiores e continuar a viver como um Jivanmukta ou um Siddha depende da graça de mãe Mahatripurasundari e também se o aspirante conhece o procedimento secreto de alcançar Vijnana de Jnana. Else após 21 dias de Samadhi ele desiste de todas as algemas de terra e se funde com Mahatripurasundari. O processo de descida novamente deve ser aprendido através de um guru próprio diretamente.

No Srichakra, no krama Srishti (ordem de evolução), existem cinco triângulos denominados como Shaktis. Um triângulo com um vértice para baixo é chamado um Shakti, enquanto que um um para cima é chamado Vahni. Em Srichakra, existem cinco Shaktis e quatro Vahnis. Quando, devido à boa sorte de todo o universo, Parashakti da forma de Vimarsha quer projetar o universo inteiro, escondida em si mesma, um processo evolutivo começa. Shiva Parabrahman permanece imóvel ea Parashakti grande mãe se resulta na evolução do mundo ilusório. Parabrahman é, sem quaisquer implicações de causa ou ação. Sua Parashakti inseparável e eterna aparece em várias formas como Jnana (conhecimento), Iccha (força de vontade) e Kriya (ação ou dinamismo). A criação so-called do mundo é uma pulsação neste Shakti grande. Quando a evolução do mundo constituindo dos Tatvas trinta e seis (elementos) começa, Srichakra materializa neste ponto no tempo.

A primeira letra do alfabeto ‘A’ é, sem qualquer forma desde os Vedas e os Tantras declaram que ‘A’ representa Paramashiva ou Prakasha. Aitereyaaranyaka declarou ‘A’kara como Parabrahman. “Ha ‘A carta representa Shakti ou Vimarsha. Uma combinação dos dois resultados em ‘Aham’ com o anunaasika ou o som ‘am’ denotando o Brahman sem ressalvas. De acordo com Pratyayaahaaranyaya da Panini, ‘Aham’ denota todas as letras (varnas) entre ‘A’ e ‘Ha’ e, assim, o alfabeto inteiro ou Matrikas. “Ha ‘também é chamado visarga e é responsável pela criação do universo. O que é indicado aqui é que todo o universo está escondida no estado Prakasha-Vimarsha-Harmony, que nada mais é do Bindu. Quando a luz solar incide sobre um espelho claro, se reflete em uma parede como um feixe de luz. Da mesma forma, quando a luz do Paramashiva quedas em Vimarshaambaa, o feixe ou ponto de luz chamado Mahabindu torna-se evidente. Este sim é o Chakra Baindava do Srichakra. Isso por si só é chamado Kamabindu uma vez que é a sede do Kameshwara e Kameshwari, bot em completa e perfeita harmonia mútua. A pulsação neste leva-lo para aparecer como Rakta (vermelho) e (branco) Shweta Bindus.A partir destes Bindus, que resultará devido a pulsação em Kamabindu (da forma de Aham), envolve o Chitkalaa refulgente. Da mesma maneira como ghee derrete devido ao calor de incêndio, devido à Prakasha, resulta um fluxo em Vimarsha Shakti. Esta onda como fluxo em Vimarsha de entre o Bindus dois é chamado Haardhakalaa. O Kamakala misterioso, ornamentada com este Haardhakalaa dá origem a Chakra Baindava. Mais sobre Kaamakalaa, a sua forma esotérica conceituação, ea meditação sobre ele, Dhyana e Dhaarana aspectos que devem voltar a ser aprendida com o Guru os diretamente. Informação sobre Kamakala Vimarsha pode ser obtido a partir de Dindima Bhasya e alguns outros menos comentários conhecidos sobre Saundaryalahari e também a partir Kaamakalaavilaasa Punyananda yati (este no entanto, é extremamente técnica e sem um fundo completa em Tantra e um conhecimento de sandhyaabhaasa etc deixa o leitor ofegante ou com mal compreendida noções. Alguns adeptos muito bem conhecidos nos passados ​​ter escrito comentários sobre este trabalho, mas, infelizmente, muitos interpretaram mal este siddhavaani grande).

Assim como ondas se levantam no oceano, o mundo constituindo do aumento Tatvas 36 deste Chakra Baindava. Este Chakra Baindava representa Madhyama, Pashyanti e Vaikhari vaks (formas de discurso). Estes, por sua vez, são evoluído a partir de Pará Vaani, representada pela Mahabindu original. É de notar que o trikona Moola (central triângulo) é também referida como Chakra Baindava desde Bindu e trikona não pode existir sem o outro. Isso foi declarado claramente por Bhagavan Hayagriva no Lalitopaakhyaana de Brahmanda Purana. Também deve ser notado é o facto de o Srichakra inteiro é uma mera extensão do Kamakala de base.

Na verdade Mahabindu é indivisível, Shiva-Shakti-ONE em forma. A visualização desta como Shweta e Bindus Rakta leva a dualidade divisão e, portanto, criando as bases para a externalização do vasto universo, que é tão ilusória como a separação de Shiva e Shakti. A criação tem de ser de dois aspectos: VAK (voz) e Artha (significado) que constituem respectivamente do Pará e Vaikhari e Shiva a Prithvi. Este Mahabindu apesar de ser não-dual cria a ilusão de ser dual. Este é o grande Kamakala forma mais sutil de Mahatripurasundari. Aquele que realiza este segredo, por meio de Srividya e adoração de Srichakra será libertado de todas as dualidades e alcançará capa Shiva. É apenas um triângulo básico que se transforma em Chakra Shakti em evolução e Chakra Vahni em dissolução, em uma tríade, formando 3 x 3 = 9 triângulos, que constituem do Chakra Navayoni. Indicação aqui é o facto de que nada de novo está efectivamente a ser criada, mas é na verdade uma transformação de um Chakra Baindava já existente. Agora, cada yoni neste Chakra Navayoni representa Dharma, Adharma, quatro aparições do mesmo Atman (Atma, antaratma paramatma e jnanatma), Maata (jiva), Meya (objeto de compreensão pela Jiva) e Pramaa (a compreensão em si) . Este Navayoni Chakra é dito ser completamente cheio e, consequentemente, do Chidaananda forma. Chit significa Chaitanya kalaa e Ananda meio Vishwaahamtaa (experiência do mundo como Aham ou a si mesmo – Vijnana Bhairava). É Mahat ou grande, uma vez que é cheio de chit e também porque não é limitada pela forma do espaço e tempo. Por isso, é maior do que o maior (mahatopi mahaan).

Chakra Baindava representa Mahabindu, que é realmente Sadashiva tatva. Desde Tatvas Shiva e Shakti são colocados acima Sadashiva tatva, este Chakra forma o banco de Shiva e Shakti visto como Kameshwara e Kameshwari ou ambos-em-um como Mahatripurasundari. Este Dhyana de Mahatripurasundari foi dada a nós por Acharya claramente no versículo 8 ^ de Saundaryalahari. Isto é o que foi dito em ‘Baindavaasanaa “o nome no Lalita Sahasranama Mahamantra. Se reformularmos o que foi dito anteriormente, Chakra Baindava é a sede do ‘Aham’, onde ‘A’ é chamado samvartaanala (fogo destruidor que irrompe durante pralaya ou a dissolução). Todos os Tatvas de Shiva para Prithvi e, portanto, todo o universo que não é senão uma congregação esses Tatvas fundir-se este ‘A’ kara durante a dissolução. Daí a samvartaanala nome. “Ha ‘kara é também chamado de Chitkalaa. O Mahabindu no centro do triângulo é o que é ‘Aham’ e representa Ambika Shakti. O Chakra Navayoni com oito ângulos (Ashtakonas) está rodeada pelos dezesseis vogais. Os raios de luz que emanam do bindu e Navayoni transformam em Chakra Dashaara. As letras situadas neste Chakra são ‘Ya’ para ‘La’. Ela representa os cinco elementos (terra, água, ar, fogo e éter) + os cinco Tanmâtras (cheiro, gosto, forma, tato e som). Estes Tatvas representam Shiva tatva e as letras significam Shakti. Assim, podemos concluir que Chakra Dashaara é Shiva Shakti Maya. Essa lógica será aplicada a todos os outros gabinetes ou aavaranas e, consequentemente, o Srichakra inteiro.

O próximo chakra é o dvidashaara. Ela representa os 10 indriyas ou órgãos dos sentidos e as letras são letras que residem kavarga e chavarga. Estes dois Chakras dashaara são, portanto, duplo reflexo da Mahatripurasundari grande sentado no Sadashiva ou Mahabindu.

Em seguida segue Chaturdashara Chakra, formado devido à luz emitida coletivo dos últimos 4 chakras nomeadamente bindu, trikona, ashtakona e dashaara-1 junto com a luz do dashaara-2. Desde chaturdashaara está mais longe dos quatro Chakras, somente a luz a sua coletiva será visto aqui, mas uma percepção clara e distinta das luzes individuais e, consequentemente, os Chakras correspondentes não será possível. No entanto, dvidashaara estar muito próximo a ele é claramente perceptível a partir chaturdashaara. Este chaturdashaara é devido à pulsação em Shaktis Jnana e Kriya. Ela representa, portanto, 10 indriyas, quatro antahkaranas (Manas, buddhi, ahamkara, chitta). As letras presidentes são ‘ta’ a ‘bha “.

Anteriormente foi visto que Chakra Baindava foi presidida pelo Ambika Shakti. Ashtaara Chakra para chakras chaturdashaara indicam uma dominância de Raudree Shakti.Assim, Chakra até agora, é uma extensão dos poderes do Raudree Shakti.

O Chakra chatushkona, que vem a seguir é devido a Jyeshtaa Shakti e mekhalaatraya é devido a Vaamaa Shakti. Este bhoomitraya também inclui o 16 adjacente e oito pétalas lótus.

Srichakra tem sido até agora visualizada como um antro de Shaktis vários. Uma visualização alternativo é a sua forma Kalaa. O triângulo interno e bindu representam Chitkalaa.O Kalaa associado Ashtaara, Antardashaara, Bahirdashaara e chaturdashaara são, respectivamente, shantyateeta, favela, Vidya, pratishtaa e nivritti. Ambika e Shaktis outras que foram ditas até agora são realmente poderes de Prakasha. Agora associação de Srichakra com potências de Vimarsha é como se segue. Em nove Aava anas ou caixas de proteção da Srichakra, os nove Shaktis residentes Vimarsha são Naada, bindu, kalaa, Jyeshtaa, Vaamaa, Raudree, Vishaghnee, Dootaree e Sarvaanandaa. Bindu e naada são realmente do formulário de Santa Shakti que é desprovida de atributos e, portanto, também os Chakras correspondentes – Chaturdashaara eo lótus 16 pétalas. Oito pétalas de lótus, presidida pelo kalaa, é da forma de Iccha Shakti. Chakra Chaturdashaara presidida pelo Jyeshtaa da forma de Shakti Jnana. Raudree eo resto, respectivamente, residem em shaaras-interior e exterior, Ashtakona, trikona e Bindu, toda a forma de Kriya Shakti.

Assim, o Srichakra constituindo de vaamaa e Shaktis outros do Parabrahman Prakasha é uma extensão da Kamakala, que por sua vez, constitui um dos três Bindus. Agora, da mesma forma como a argila é a base da existência e da própria natureza de um pote feito de barro, Srichakra sendo uma extensão da Kamakala nada mais é Kamakala si mesmo e assim também todo o universo que não é nada, mas o Srichakra.

Chakra Akula situa-se no corpo no local de origem da Sushumna nadi. Este Chakra é um akula mil pétalas vermelhas de lótus com as pétalas enfrentando. Sushumna termina com Sahasrara na região da cabeça, que é mil pétalas brancas de lótus cujas pétalas enfrentar wnwards d. Todas as flores de lótus que se estendem para cima ao longo da Sushumna, exceto o Sahasrara Akula estão a ser dito padmas Kula. A mãe divina sharvaani reside nestes lótus. A distância entre o ânus e genitália é dito para ser de 5 angulas. Entre este, a uma altura de 1 angula é uma região chamada Kanda. Entre este, existe uma Mahayoni descrito como um triângulo. Sushumna nasce a partir de seu centro. O brilhante Akula Sahasrara rodeia este lugar. Assim, ao contrário da crença popular, Sushumna na verdade não são originários Muladhara. No centro do Akula Sahasrara a grande mãe Kuladevi reside. 1 angula acima Akula padma, há um outro lótus vermelho de oito pétalas e oito granthis (nós) em que Brahmani e os outros oito Matrikas residem com Asitaanga eo resto oito Bhairavas. Centro do lótus é a morada de Kaulikee Shakti. Este lótus é chamado de Chakra Vishu. 1 angula acima esta é a seis pétalas Kula padma. Em seguida, vem o Chakra Muladhara, que tem quatro pétalas vermelhas, que enfrentam para baixo. Entre o lótus brilha o lingam Swayambhoo. Em torno deste Linga, juntamente com Varadaa, shree, shandaa e Saraswati, Bhagavati Kundalini é para ser meditado. Este lótus representa elemento terra. 2 1/2; angulas acima deste, existe um loto com oito pétalas chamados Taijasa padma de cor amarela. Os residentes são Shaktis Anangakusuma e outros. Mahamantra hrillekha reside em seu centro.

Em seguida, a sequência conhecida de chakras segue a partir de Swadhishtana. 4 angulas acima da garganta é o sutil lambika padma (chamado Indra naadifor pessoas familiarizadas com Dasha Yoga Mahavidya isso deve golpear uma corda. Esta é a morada de Bagalamukhi (alguns autores deslocar Bagala na garganta que na verdade é a morada de Matangi e alguns no umbigo que novamente é a morada de Mahataara). Neste lótus, vasini e os oito Vagdevis residem. Em seguida, siga Ajna e Sahasrara.

Srichakra pode ser visualizado com cada um de seus nove Chakras correspondentes a estes Chakras yoga com Bindu em Ajna. Em uma nota mais sutil, Srichakra é visualizado em bindu, ardhachandra, etc rodhini até unmanee, que estão localizados acima Ajna, um acima do outro. Estes são pronúncias diferentes do Naada visualizadas adequadamente meditando o dos três naadas ea naada agregado quarto dos três Kutas do mantra Srividya. Outra alternativa é meditar sobre a Srichakra inteiro em Mahabindu, acima de todos os Chakras e até mesmo unmanee. Isto é possível por Sadhakas altamente avançadas e é a própria essência da Samayachara. Esta é a mais elevada ea mais desejável dos três. Estes três visualizações são chamados respectivamente de Sakala, Sakala – Nishkala e Nishkala Bhavanas de Srichakra.

Cada uma das nove Aavaranas do Srichakra tem um significado speical.

1. Chakra Trailokyamohana: Aqui, a palavra indica Loka Maata, Meya e maana ou seja, o vidente, o objeto visto e o ato de ver em si ou em outras palavras Kartru, karma e kriya. O composto de três é Trailokya. Este chakra grande encanta os três ou seja, o Trailokya e dissolve os três em uma entidade não-dual único que é o que leva a concluir Advaita.

2. Chakra Sarvaashaaparipooraka: Aqui, a palavra Asha indica os desejos insaciáveis ​​da mente e dos sentidos que nos levam cada vez mais para a dualidade. Este Chakra grande concede todos os desejos, unindo sua Sadhaka com o sempre satisfeito, tudo cumprindo, Parabrahman ou Paramashiva eterna. Esta fase é de fato o Kamakoti o estado de realização de todos os desejos ou realmente vai além de todos os desejos de alcançar a coisa mais desejável, que na verdade é o Brahma Jñana libertadora.

3. Chakra Sarvasamkshobhana: Durante a dissolução, todos os Tatvas direito de Prithvi até Shiva se dissolvem um no outro. Este Chakra grande cria a agitação destrutiva (Kshobha) em todos os Tatvas causando dualidade, dissolvendo assim qualquer dualidade na Sadhaka. Ele agita e destrói dualidade no sadhaka.

4. Sarvasoubhagyadayaka Chakra: saubhagya é algo que é desejado por todos. Este Chakra grande concede o objeto mais desejado para o Sadhaka que nada mais é do Paramashiva grande ou Mahatripurasundari. Que maior fortuna ou Bhagya faz um longo sadhaka para além da sua querida mãe? Assim, este Chakra é realmente Chintamani – Kalpataru – Kamadhenu, colocar todos em um.

5. Chakra Sarvarthasadhaka: O objetivo final de todos os ritos védica e tântrica e cerimônias é a realização de Paramashiva. Várias escrituras elaborar vários métodos para atingir este bem-aventurança final. Da mesma maneira como todos os rios fundir-se o grande oceano, finalmente, qualquer um destes meios legítimos tomar a Sadhaka para o mesmo destino. Isso resulta Chakra grandes no Siddhi de todos esses caminhos ou meios ou seja, ele concede a Siddhi final que é, sem dúvida Parabrahma Prapti.

6. Chakra Sarvarakshaakara: Este Chakra grande protege o Sadhaka de todas as formas e tipos de Avidya e da dualidade, que são as únicas razões para a miséria e sofrimento. O mundo visível, constituída dos 36 Tatvas é impermanente e uma vez que estes concessão Tatvas Bhedadrishti ou um senso de separação entre o Atman eo Paramatman, o mundo tem de ser rejeitada como falsidade. Ao inundar o Bhavana Sivaaham (o sentido de Iam Shivaa ou seja, o Advaita Bhavana) através do Sadhaka, este Chakra o protege do Samsara traiçoeira composto por 36 Tatvas, tudo levando a dualidade. Quando o Sadhaka percebe a si mesmo e do mundo inteiro, como não separado Paramashiva, ele é automaticamente protegido de Avidya. O que este Chakra não é destruir “Idamtaa ou sentido desta” pela consciência pura ‘Ahamtaa ou I-ness “.

7. Chakra Sarvarogahara: Não há pior doença do Samsara, que induz a dualidade. Devido aos seus constituintes 36 Tatvas que são diferentes umas das outras. Este Chakra grande destrói a doença deste Samsara que é a causa raiz de todos os outros tipos de doenças. Quando Vamakeshwara Tantra e também o Mudra de kanda Rudrayamala falar de Khechari como destruir todas as doenças, isto é o que é insinuado.

8. Chakra Sarvasiddhiprada: Yoginihridaya diz que este Chakra indica a potencialidade para criar – manter – destruir o universo. Como Pratyabhijnaahridaya diz “Chiti Shakti é de fato responsável pela Siddhi do universo”. Assim, o trikona ou o Chakra triângulo é responsável pela destruição, criação e preservação, enquanto os outros dois atos a saber Tirodhana e Anugraha são indicados por estes três apenas.

9. O estado de completa harmonia de Shiva e Shakti existe em Chakra Sarvaanandamaya. Assim, este Chakra é a própria personificação da bem-aventurança eterna e sem limites. Isto concede a Brahmananda Sadhaka.

A partir dos versos acima, fica claro que, embora os nove chakras parecem diferentes devido a sua geometria diferentes, nomes, divindade, Mudra etc. a unidade ou o aspecto não-dual de tudo isso é provado pelo fato de que todos eles representam o Paramashiva não-dual e, portanto, o Srichakra inteiro é Parabrahman si. Embora não haja limites para as dádivas mundanas obtidos por adorando Srichakra, o verdadeiro significado de adorar Srichakra é Parabrahmavapti.

Similar Posts