Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Espiritualidade Informações Essenciais Manifestações e Emanações de Shakti / Qoya / Auset / Cy Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Uncategorized

o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha

Prakrti

Prakrti ou Prakriti ou Prakruti (de idioma sânscrito प्रकृति, prakrti) significa “natureza”. Trata-se, de acordo com os hindus , a natureza básica de inteligência pelo qual o Universo existe e funciona. É descrito no Bhagavad Gita como a “força motriz primal”. É o componente essencial do universo e está na base de toda a atividade da criação.  Ele é composto de três gunas que são tendências ou modos de operação, conhecida como sattva (preservação), rajas (criação) , e tamas, (destruição) Sattva engloba qualidades de bondade, luz e harmonia. De acordo com o Vasistha Yoga, as pessoas que são de natureza sátvica e cujas atividades são baseadas principalmente em satva, tenderão a procurar respostas sobre a origem ea verdade da vida material. Com apoio adequado que são susceptíveis de atingir a libertação. Rajas é associado com os conceitos de energia, atividade, paixão, ambição e, de modo que, dependendo de como ele é usado, ele pode ter um efeito favorável ou dificultar a evolução da alma.  Tamas é comumente associado com a inércia, escuridão, falta de sensibilidade. As almas que são mais tamas são consideradas imbuídos na escuridão e levam mais tempo para alcançar a libertação. Prakriti está intimamente associada com o conceito de Maya dentro Vedic escritura.
Mulaprakriti pode ser traduzido como “a raiz da natureza” ou “raiz de Prakriti”;  é uma definição mais estreita de “questão fundamental”, e é muitas vezes definido como a essência da matéria, esse aspecto do Absoluto que sublinha todos os os aspectos objetivos da Natureza. Enquanto planície Prakriti engloba clássicos Terra elemento, ou seja, a matéria sólida, Mulaprakriti inclui todos e quaisquer elementos clássicos , incluindo os considerados não descobriu ainda (alguns tattvas).
Devi Prakriti Shakti no contexto de Shaktis como forças unifica Kundalini, Kriya, Itcha, Pará, Jnana, Mantrika Shaktis. Cada um é de um chakra . Prakriti também significa natureza.  A natureza pode ser descrito como ambiente.  Também pode ser usado para denotar o “feminino” no sentido do “macho” é o purusha . Prakriti também significa saúde em Marathi.De acordo com a ciência védica antiga da Ayurveda , as três gunas (sattva, rajas e tamas) que dizem respeito à fisiologia humana são chamados doshas: kapha, pitta, vata. O equilíbrio ou desequilíbrio desses doshas define o prakriti ou natureza do corpo.
Origem do texto: Wikipédia english,
Sankhya Yoga, por Swami Bharati Jnaneshvara

SwamiJ.com

Redescoberta da consciência pura: o processo de auto-realização é uma das atenções reverter o processo de manifestação, de retratar a consciência de volta através dos níveis de manifestação de sua origem. Para ter uma compreensão geral deste processo é extremamente útil, se não essencial na prática do Yoga.

Evolui de Imanifesta Matéria

Como você lida com as descrições abaixo, por favor, tenha em mente que ele realmente não toma uma quantidade enorme de compreensão desses assuntos para começar a fazer o auto-conhecimento e práticas de meditação.Se você entende o princípio geral de mudança sistematicamente a consciência para dentro através da evolui, então o processo de meditação pode ser verdadeiramente voltada para a auto-realização, e não apenas o relaxamento desenhado para a gestão de stress (tão útil quanto que possam ser). As práticas mais sutis e insights virá com a prática, edificados sobre o fundamento da compreensão simples. Com a prática, os princípios de Purusha e Prakriti evolui de se tornar cada vez mais clara.

Real e irreal: “. Real” filosofia Sankhya nada de pontos de vista que está sujeita a alterações, morte, decadência ou decomposição como sendo “irreal” em vez deIsto não significa que os objetos não estão lá na frente de você. Em vez disso, eles não são, em última análise “real” na medida em que mantém sua forma morphing deste para que a outra. O que é considerado “real” é que o substrato final, que nunca muda, não pode morrer, e não pode, possivelmente, deterioração ou decomposição. É a experiência direta do que a “realidade absoluta”, que está sendo procurado.Algo se desenvolve a partir de alguma coisa: Ornamentos pode ser dito a evoluir fora do metal. Pots pode ser dito a evoluir a partir do barro. Nosso mundo está cheio de objetos. Os objetos são feitos de compostos. Compostos são feitos de moléculas. Moléculas são feitas de átomos. Átomos são feitos de partículas.Partículas são feitas de uma sutil substrato. Enquanto um se desenvolve a partir do outro, todos esses níveis de realidade coexistem e interagem uns com os outros.

Os seres humanos também são multi-nivelados: Assim também, é a construção do ser humano. Nós somos multi-nivelado seres, com o próximo nível emergindo do anterior, enquanto os níveis ainda coexistir e interagir uns com os outros (veja os mapas). Enquanto o ser humano é feito de material físico, também são construídos em níveis mais sutis da realidade, que são produtos do não-manifesto, a essência primordial chamado Prakriti em sânscrito.Familiar evolui humanos: Todos nós estamos familiarizados com o processo pelo qual nossa mente tranquila tem uma memória surgem, o que desencadeia emoções, fazendo com que as cadeias de pensamentos a surgir a partir disso, e, em seguida, ainda surgem em ações e discurso. Cada um desses é um processo de um nível de funcionamento emergentes ou em desenvolvimento fora da anterior, enquanto cada um desses níveis ainda existe por conta própria.

Desta forma, as ações eo discurso (que saiu da mente) ainda coexistem com o todo da mente consciente, bem como com todo o domínio da mente inconsciente, e também com o centro ainda, em silêncio da consciência pura (seja lá o que Poderíamos dizer que esta consciência, ou no entanto podemos percebê-la individualmente). Todos estes coexistem, enquanto uma leva para o outro, com os mais grosseiros emergindo das mais sutis. Assim é com todos os níveis de Prakriti.

Evolui de Prakriti: Da mesma forma, todo o nosso ser, no sentido espiritual, é multi-nivelada, com a próxima fase emergente ou em desenvolvimento a partir da anterior. Este é o tema da Prakriti, o que pode ser vagamente descritos como matéria, não manifesta primordial (que é mais sutil do que o reino bruto da física quântica). Esta Prakriti (“matéria”) é infundida com a consciência pura, que é chamada Purusha. Aqui, no entanto, não estamos apenas falando sobre o evoluir das cadeias de pensamentos e emoções, mas também os evolui dos instrumentos pelos quais pensamos e emote. Este está nos levando para o centro do nosso ser.Vivenciar a consciência por si só: Yoga tem sido descrito como um processo de realizar a experiência direta da consciência (Purusha) como independente de todos os níveis de falsa identidade (manifestações de Prakriti). Estas identidades falsas são todos vistos como evolui das coisas primordiais ou matéria (Prakriti) de que elas emergem. Purusha (consciência) é, na verdade em todos os momentos independente do jogo, mas tornou-se falsamente identificado com tudo isso.Refazendo o caminho de volta: A razão pela qual isso é importante é que o processo de esclarecimento (ou despertar) é um dos revertero processo, de traçar o caminho de volta através dos estágios de evoluir. O gráfico acima mostra a evoluir, eo gráfico abaixo mostra a jornada de traçar o caminho de volta à consciência por si só, que é o processo de meditação sistematicamente retirando a consciência da evolui.

Sankhya-Yoga: O que hoje chamamos de “Yoga” ou “Raja Yoga” também tem sido chamado de “Sankhya-Yoga”, uma vez que a prática resto métodos de Yoga sobre o fundamento filosófico da Sankhya, que é representado no gráfico acima.Esta é uma opinião generalizada sobre a relação entre Sankhya e Yoga (Veja também o artigo intitulado seis escolas de filosofia indiana ). Alguns podem não concordar com essa perspectiva, mas isso é uma questão para os estudiosos a debate. Sankhya é, portanto, a fundação para o Yoga descritos por Patanjali nos Yoga Sutras .

Para debate ou não debate: Alguns intelectuais também debate furiosamente e sem parar sobre se a natureza última da realidade é dualista ou não-dualista. Alguns dirão que Purusha (como consciência) e Prakriti (como assunto) estão eternamente separados, e, portanto, a realidade final é dualista. Outros argumentam que os dois são em última análise, visto ser uma ea mesma coisa, ea realidade final é não-dualista. No entanto, o buscador da experiência direta, através das práticas de Yoga não precisa inserir esses debates intensamente.Embora possa haver algum valor na reflexão sobre estes princípios, e talvez até mesmo formando um parecer provisório, o que é muito mais importante é entender e realmente fazer as práticas.

Isto é muito prático: Aqui, neste artigo, o evoluir da Prakriti estão sendo apresentadas como informações práticas para o buscador moderno que não é um estudioso ou filósofo, mas é um candidato tentando ganhar uma compreensão básica de que irá facilitar as práticas de meditação pessoal. Por ter um conhecimento prático da evolui de Prakriti, a jornada de atenção se movendo na direção reversa (involução) faz muito mais sentido.Princípios universais: É muito importante notar que os princípios aqui também estão contidos em muitos outros sistemas, embora eles não podem ser explicadas ou utilizado em precisamente da mesma maneira. Por exemplo, os conceitos de mente e os sentidos, elementos grosseiros e sutis, e ego e inteligência, são princípios universais. Estes também estão incluídos, por exemplo, no Vedanta e Tantra, bem como, e também muitas outras tradições. Isto não é dito para forçar todas as muitas tradições em uma caixa, mas para ajudar nos permitem buscar e ver a realidade subjacente que está tentando ser explicados e alcançado através da aplicação prática das práticas.

Descobrindo identidades falsas: As práticas têm a ver com sistematicamente descobrir as identidades muitos falsos temos assumido por Purusha (consciência) mistura com Prakriti (matéria) (Ver Yoga Sutra 1,2 ). Começando com os níveis bruto (Yoga Sutras 2,1-2,9) destas identidades falsas, e, gradualmente, mais e mais exigentes (Yoga Sutras 2,10-2,11), a nossa verdadeira natureza acabará por ser revelada através da experiência direta ( Yoga Sutras 1,3 eparticularmente Yoga Sutra 3,56 ).Descrições dos evolui de Prakriti: Seguem-se algumas breves descrições da evolui de Prakriti, que estão nas duas tabelas apresentadas neste artigo. Os princípios mais importantes são a de Purusha e Prakriti, que são a consciência ea matéria primordial. Tudo o resto surge Prakriti, e depois é infundida com Purusha.Assim, por exemplo, todos os níveis de manifestação do ser humano (denso e sutil) são Prakriti, mas tenha a vida devido à infusão de Purusha. Uma das maneiras mais fáceis de compreender este processo de evolução e infundindo, bem como decorrentes e recuando em Prakriti, é para rolar para baixo e ler sobre a forma como os sentidos funcionam. O evolui surgem outras e recuam de forma similar.

Purusha: Dos dois princípios companheiro, Purusha é a consciência que é imaculado, sempre pura. É auto-existente, de pé sozinho a partir de outras identidades da individualidade; ser consciente-ness, o princípio da energia espiritual.

Prakriti: O outro dos dois princípios companheiro, Prakriti é o inconsciente, não manifesta mais sutil, do aspecto material da energia. É o estado primordial da matéria, mesmo antes da matéria como a conhecemos no sentido físico. Prakriti manifesta-se como as três gunas ea evoluir outras.Mahat ou Buddhi: Esta é a mais pura faísca, o melhor de individuação de Prakriti (matéria primordial). É muito antes de o evoluir da Prakriti. É individuação, mas ainda assim, sem características.Buddhi é a palavra que se aplica à pessoa individual, enquanto mahat refere-se ao aspecto universal deste processo. (Veja Quatro Funções da Mente)

Ahamkara: Este é o processo de ego, pelo qual a consciência pode começar a (incorretamente) assumir identidades falsas. Aqui, o egopalavra é usada para não dizer o irmão tais qualidades reais ou irmã, ou amando, ou cruel, mas a capacidade própria para assumir as identidades incontáveis. (Veja Dois Egos seção de Quatro Funções da Mente)Gunas: Prakriti (“matéria” primordial) tem três características ou atributos de leveza (sattvas), atividade (rajas) e estabilidade (tamas). Estes três combinar e re-combinam de modo a formar os vários aspectos da mente, sentidos, e os cinco elementos: terra, água, fogo, ar e espaço.Mente: Mente (manas) é o instrumento, que é a força motriz por trás das ações, fala e do processo de pensamento. Também é o destinatário da entrada sensorial. É útil saber que, aqui, a mente está sendo usado desta forma mais limitada, ao invés de todo o processo interno chamado antahkarana, que inclui manas, ahamkara, buddhi, chitta, juntamente com os sentidos e os cinco elementos.

Sentidos / Instrumentos: Os cinco sentidos e cinco instrumentos de expressão são como dez portas de um edifício. Cinco são portas de entrada, e cinco são portas de saída. Estes dez indriyas são evolui de espírito.Uma maneira de entender este processo dos sentidos sendo evolui da mente é observar o que acontece quando você cair no sono, no sono sem sonhos. O que acontece com seus sentidos, sua capacidade de perceber através desses sentidos? Eles parecem ir longe, mas eles retornam após o sono. Onde eles foram? É nesse sentido que podemos dizer os sentidos ainda estão lá, mas que eles recuaram para o campo da mente de onde eles surgiram em primeiro lugar.Este mesmo processo de surgimento e receding acontece não só com os sentidos, mas todos os evolui de Prakriti.Além disso, se os sentidos surgem e passam para o campo da mente, então ele também é fácil de ver que durante períodos em que os sentidos estão operando, eles também são infundidas com a mente, o próximo nível sutil de Prakriti. Em outras palavras, os sentidos, sem mente operando através deles simplesmente não funcionam. A idéia de sentidos operando sem infundindo mente deles parece um pouco bobo, na verdade. É que a simplicidade que há em todo o conceito de Prakriti manifesta para fora, eo processo de meditação refazendo o processo para dentro.Elementos: Um derramamento adicional de Prakriti é quando irrompe como o equivalente do espaço, como experimentado no mundo sutil (não física). A partir e dentro de que emerge do ar (magreza, leveza airiness), então o fogo (energia), então a água (a fluidez do fluxo,), então a terra (forma, solidez). Quando esses cinco elementos estão no reino sutil, eles são conhecidos como tanmatras. Quando eles vêm mais para fora, manifestando-se no mundo físico, eles são conhecidos como bhutas. Destes, todos os muitos objetos do mundo externo são compostas.

Sentidos experimentando o Elementos: Observe que os sentidos e instrumentos de ação (Indriyas) emergem matéria imanifestado, ou Prakriti. Note-se que os cinco elementos também emergem de Prakriti. Assim, um conjunto de evoluir (sentidos e instrumentos de ação) são relativas a um outro conjunto de evoluir (os cinco elementos na forma de muitos objetos). Esta é uma forma de explicar a mecânica de como isso pode ser que tudo é um pode parecer multiplicidade.

Se isso parece difícil: Se esta informação é nova para você, e parece difícil ou confusa, lembre-se que há apenas um pequeno número de princípios sobre os gráficos acima (cerca de 25-30, dependendo de como você contá-los). Embora possam parecer esmagadora, este é realmente um número razoável de princípios para gradualmente aprender.Em comparação, pense em como você aprendeu a usar o software navegador com o qual você olhar para esta página web. Quando eu contar o número de pull-down opções no menu do Internet Explorer, há cerca de 75 comandos diferentes que eu tenho vindo gradualmente a usar, e eu não sou nenhum perito em informática.Para digitar um documento em Word, existem mais de 100 comandos nos menus pull-down que agora eu sei como usar.Isto não quer dizer que a auto-consciência de treinamento é tão fácil como aprender a usar um computador. No entanto, por favor, não se sentir muito dominado por um punhado de princípios de auto-consciência. Aos poucos, o entendimento vem, e vem através da repetição e da prática, assim como aprender a usar o computador.

Uma das partes bonitas deste processo é que há realmente apenas um punhado desses princípios através dos quais a consciência passa gradualmente, de modo a, em seguida, a experiência a sua verdadeira natureza. O desenvolvimento dessa perspectiva torna o processo simples de ver, embora não necessariamente fácilde fazer. No entanto, compreender a simplicidade certeza é um bom lugar para começar!

Resumindo o processo de retratar: Não é possível descrever minuciosamente o processo retracing da evolui de Prakriti neste trabalho, porque isso significaria, no mínimo, recapitulando todo o Yoga Sutra aqui nesta seção de pequeno porte. No entanto, no espírito de mantê-lo simples, é muito útil para resumir em termos simples, de modo a ter uma compreensão básica da evolui e sua involução, para que as práticas pode ser feito.Atalhos: É importante notar e lembrar que, enquanto o método de retracing Sankhya-Yoga leva sistematicamente para dentro, para a experiência direta, há também o atalho da bestowing da experiência direta, a graça, ou shaktipat , se você considerar que como vindo de Deus, Guru, ou alguma outra explicação do dom de tal. O sábio Vyasa, o comentarista mais notável sobre o Yoga Sutras, menciona esta em seus comentários sobre Sutra 3,6 .

Meio de Retracing Prakriti para Purusha: A viagem da auto-realização, ou discriminação da consciência pura (Purusha) de unmanifest matéria (Prakriti) é um dos sistematicamente utilizando a atenção para encontro, examinar, e transcender cada um dos vários níveis de manifestação, sempre movendo mais atenção para dentro em direção ao centro do nosso ser (Veja Yoga Sutras 2,26-2,29 e 3,53-3,56 ).

As descrições abaixo destinam-se a dar-lhe uma sensação para este processo interno, para não ser literal, instruções passo a passo. Enquanto o processo sistemático abaixo é preciso, as práticas específicas são o tema do Yoga Sutras .Esperemos que, através de uma melhor compreensão do processo geral abaixo, os processos de meditação e práticas do Yoga Sutras será mais claro.

Meditação sobre objetos composto por cinco elementos:Meditação muitas vezes começa com a consciência de objetos bruto de um tipo ou outro. Pode ser ser feito com os olhos abertos, ou com os olhos fechados. Pode ser algum objeto religioso ou espiritual, uma imagem, uma forma geométrica, ou um ponto de concentração, como uma chama de vela ou luz visualizado no campo da mente interior. O objeto de atenção pode ser digitalização entes corpo físico próprio, ou a consciência dos mecanismos de regulação da respiração.Em cada um dos casos, essas e outras, estamos lidando com o mundo bruto de objetos, que são cada uma relacionada ao mundo da terra, água, fogo, ar e espaço. Pode-se usar um único objeto de meditação, ou uma variedade de objetos. Os objetos podem ser construídas com os cinco elementos físicos (bhutas) ou suas contrapartes sutis (tanmatras). Eles podem ser experimentado como sólido ou pesado, como no estado de vigília, ou como fino ou vaporosa, como no estado de sonho.Pode-se concentrar em muitos desses objetos construídos grosseiro e sutil por muitos anos. No entanto, podemos passar para mais sutil meditação, onde o objeto de meditação torna-se a si mesmos cinco elementos e os instrumentos de sensoriamento si.Meditação sobre os cinco elementos-se: Aos poucos, como o praticante progride no treinamento de atenção, lá vem a capacidade de focalizar e explorar cada um dos cinco elementos em si, um de cada vez. Isto pode soar um pouco confuso no início, porque o elemento em si não tem forma, no sentido convencional de uma forma de ter forma e dimensões, etc Aqui, você está vendo de forma mais sutil como todos os objetos são construídos, o que ajuda a definir temporariamente de lado todos esses objetos durante a meditação.Você está literalmente meditando sobre o elemento terra, ou água, ou fogo, ou o ar, ou no espaço. Porque você vê todos os objetos mais grosseiros como sendo apenas constrói (feito de cinco elementos), o não-apego vem mais facilmente e naturalmente (Veja Yoga Sutras1,12-1,16 em vairagya, Sutras 2,10-2,11 sobre meditação sutil, e Sutras 3,45- 3,46 sobre os cinco elementos). ou meios de cognição (jnanendriyas): Como a meditação progride ainda mais, chegamos a explorar os sentidos próprios, como objetos de meditação. Estamos agora a analisar os instrumentos com que nós experimentamos todos aqueles objetos (descrito acima). Os sentidos (jnanendriyas) são os nossos portais para o mundo externo. Imagine por um instante a maneira como funciona um telescópio.

  • Há algum objeto lá fora, como uma montanha ao longe.
  • Há uma pessoa aqui (“me” ou “I”), que está experimentando aquela montanha distante.
  • O telescópio é uma terceira parte deste processo, e é oinstrumento pelo qual a percepção ocorre.

Nesta metáfora, podemos concentrar a nossa atenção não só nas montanhas ao longe (os objetos), mas podemos também focar a atenção no próprio telescópio, o instrumento com o qual temos sido previamente usando a olhar para as montanhas.Da mesma forma nossos cinco sentidos cognitivos (cheirar, saborear, ver, tocar, ouvir e) são instrumentos pelos quais o morador interno (porém você conceituar ou nome) experiências do mundo externo.Como a meditação progride, voltamos nossa atenção para dentro, de tal forma que estamos examinando os próprios instrumentos.Os sentidos parecem ser instrumentos físicos, como um globo ocular físico. No entanto, nós também, por exemplo, ver em nossos sonhos, por isso chegamos a compreender que o sentido da visão (bem como os outros sentidos) são processos internos ou mental.Em nossas práticas de meditação, se no momento da meditação sentada ou meditação em todo o mundo (atenção, se você preferir), primeiro poderá usar os nossos sentidos para explorar e testemunha objetos (físicos ou mentais). No entanto, em algum momento, retirar os nossos sentidos a partir desses objetos, e começar a explorar a natureza dos próprios sentidos, ou a outros internos evolui de Prakriti, que não parecem ser objetos no sentido convencional de objetos físicos. (karmendriyas): Os instrumentos de ação (karmendriyas) também são portas para o mundo externo. Estes instrumentos (eliminação, a procriação, movimento, agarrando, e falando) são o meio pelo qual o moradorexpressa para o mundo exterior.Então, esses instrumentos de ação (karmendriyas) são osexportadores, por assim dizer, enquanto os sentidos cognitivos (jnanendriyas) são os importadores. Ambos estão a serviço do morador. Juntos, eles formam um sistema de comunicação completa entre o interior eo exterior.No tempo de meditação, não só por sua vez os sentidos cognitivos para dentro, nós também retirar estes instrumentos de ação também.É por isso que, no nível mais grosseiro da prática da meditação, nós dois fechamos nossos olhos e nos assentamos ainda, uma tem a ver com o exportador, eo outro com o importador. Este é um processo detransformação interior do jnanendriyas eo karmendriyas.Tal como acontece com os sentidos (mencionado acima), os instrumentos das ações em si também se tornam objetos, por assim dizer, de exploração em meditação. Aprendemos a testemunhar as tendências de expressão próprios. Tornamo-nos conscientes dasinclinações em direção a se mover e falar, por exemplo, tornando-se, literalmente, ciente da suspensão desses processos, como nós vimos dentro para quietude. É como se os sentidos e instrumentos de ação estão começando a vir para dentro de tal forma que eles estão se afastando de volta para a mente e Prakriti de onde originalmente surgiram. Este processo de retirada dos dez indriyas é descrito no Yoga Sutras, como parte de Pratyahara, que é tocado 5 dos 8 degraus da Yoga (Yoga Sutras 2,54-2,55 ).

Meditação sobre a própria mente: Observe nos gráficos acima que os sentidos e os meios de cognição (Indriyas), bem como os cinco elementos (Tanmatras e Bhutas) emergem do campo da mente (Manas) no nível muito sutil da mente. Gradualmente, a pessoa tem a capacidade de usar a própria mente como objeto de meditação. Isto é extremamente sutil, além de nossa idéia normal do que significa para testemunhar o fluxo de pensamentos na mente. Aqui, novamente, estamos literalmente ciente do instrumento da própria mente.Nos oito degraus da Yoga (Yoga Sutra 2,29 ), degrau cinco é Pratyahara, a retirada dos sentidos. Isso é muitas vezes confundida com dizer que sentar e fechar os olhos. Embora isso seja muito importante, não é o real significado da retirada dos sentidos, ou Pratyahara. Aqui, quando nós verdadeiramente por sua vez atenção para dentro, não apenas os objetos típicos de atenção, mas também para dentro de si os sentidos, encontramos a mais profunda capacidade de se concentrar em sua mente. Mente em si é sem forma, no sentido convencional de um objeto com forma e dimensões, assim como os sentidos e elementos também foram descritos como sem forma no sentido convencional.Como a meditação sobre os elementos e os próprios sentidos (como objetos), a consciência da mente (Manas) se tem uma qualidade desconcertante a ela, como voltamos para a nossa consciência do dia-a-dia e tentar entender ou explicar isso. Por estar ciente disso, é mais fácil segurar a sutileza de tal experiência.

Meditação sobre I-am-ness: Na maioria das vezes nós pensam erradamente que “quem eu sou” é a minha mente e personalidade. No entanto, à medida que gradualmente vêm para testemunhar os elementos sutis, os sentidos, e da própria mente, passamos a ver que há um aspecto ainda mais sutil, que simplesmente declara: “eu sou!”Quando se está sozinho, desta forma, é independente das outras manifestações.Estar ciente deste “I-am-ness” (Ahamkara) é uma etapa mais ao longo da jornada para a realização de pura Consciência (Purusha). Este Ahamkara (literalmente “I-maker”) torna-se o corante de apegos e aversões, que definem nossa personalidade e identidades falsas. Na meditação a este nível sutil, aqueles tenham desaparecido junto com os sentidos.Observe, mais uma vez, que o processo é semelhante ao lidar com objetos bruta de meditação, bem como os elementos e sentidos. Algo surgiu de alguma coisa, e agora estamos simplesmente tornar-se consciente de que o substrato, deixando de ir a manifestações mais superficiais. (Dê uma olhada no terceiro nível de concentração no Yoga Sutra 1,17 , que está no I-ness. Veja também o artigo sobre o Quatro Funções da Mente ).

Meditação com Buddhi de pé sozinho: Ainda mais sutil é Buddhi, que é a inteligência individualizada em si. Ele ainda não declarar-se a ser a identidade deste ou daquele, mas é a inteligência muito, que suporta o ego (Ahamkara), os sentidos e instrumentos de ações (Indriyas), e as construções dos objetos internos e corpo físico (Tanmatras e Bhutas).Um dos lugares de descanso final da pessoa individualizada é conhecer a si mesmo como Buddhi, este veículo mais multa de consciência (Purusha). Ainda é construída de Prakriti, deixando que a discriminação final ou revelar ainda a ser feito. Conhecer-se a este nível de Buddhi é chamado às vezes o nível de bem-aventurança ou Ananda, como todos os outros níveis e identidades falsas, temporariamente vêm para descansar ou se transcendeu.Purusha descansando em si: Finalmente Purusha consciência, puro, repousa em si, sozinho, separado de todos evolui de Prakriti. O buscador no caminho da auto-realização procura nem um minuto ou um momento mais alto deste vislumbre de Realização, após o que ele ou ela continua a purificar o samskaras restantes e karmas. (Veja Yoga Sutras 1,3 e 3,56 )

Mantê-lo simples: Como já foi dito acima, essas descrições são destinadas a dar-lhe uma sensação para este processo interno, para não ser literal, instruções passo a passo. As práticas específicas são o assunto do Yoga Sutras . A viagem é sistemática, e flui muito mais suavemente por ter uma compreensão geral do processo. Esse entendimento, juntamente com o advogado oral, ea parte mais importante de tudo, que é prática, gradualmente leva a pessoa a experiência direta, que é o objetivo.

by http://www.swamij.com/

Similar Posts