Artigos do Portal:
#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Informações Essenciais

Mulheres Incas

Mulheres Incas

Encontrar informações sobre as mulheres incas antes e durante a conquista dos Andes não é muito fácil! No entanto temos juntos algumas informações sobre este assunto que é muito confiável. Temos também pesquisaram como o papel das mulheres indígenas mudou após a conquista espanhola. Este site também contém algumas informações sobre as mulheres espanholas e suas funções durante este período tumultuoso.
As mulheres eram parte integrante de todos os aspectos da sociedade durante o reinado inca. O seu papel no que a sociedade era muito diferente do que a das mulheres na maioria das sociedades europeias na época, uma vez que a maioria das mulheres europeias, incluindo mulheres espanholas, foram olhados como existente apenas em benefício de seus maridos. Devido a isso grande parte das evidências sobre o papel das mulheres incas jogado é distorcida pelos pontos de vista e preconceitos dos homens espanhóis que escreveu sobre o Império Inca, ou Tahuantinsuyu (Silversblatt 1987). No entanto, é possível reconstruir o mundo das mulheres na sociedade inca por causa da grande variedade de fontes sobre os Incas escritos por cronistas espanhóis durante ou imediatamente após a conquista. Parece mulheres na sociedade inca teve um papel distintamente separada dos homens, e que este papel foi visto como complementar ao papel dos homens e um componente necessário de sua sociedade. Isto era verdade em todosfacetas da vida inca incluindo religião, política, família, e economia. Parece também que as mulheres na sociedade inca tinha mais autonomia e poder do que muitos dos seus homólogos espanhóis. Devido a isso os espanhóis tiveram um tempo duro relativa sociedade inca com precisão em suas crônicas. O espanhol não entendeu um dos aspectos mais importantes da sociedade inca, os papéis de gênero.

As mulheres tiveram um papel duplo ou complementares na sociedade inca causa de sua religião (Silversblatt 1987). Os incas, como muitos de seus antecessores andinos, visto o cosmos de uma forma que enfatizou que eles viam como a dualidade da natureza. As pessoas incas acreditavam que o deus Viracocha foi o criador de todas as coisas.Viracocha era hermafrodita na natureza, sendo o primeiro do sexo masculino e, em seguida, do sexo feminino. Decorrente de Viracocha eram do Sol, ou o princípio masculino, e a Lua, o princípio feminino. Estes dois eram irmãos, bem como cônjuges e deu vida aos outros deuses e deusas, bem como para o homem ea mulher (Cobo 1990). From the Sun estendeu Venus Manhã, Senhor da Terra, e do Homem. Da Lua estendida Venus Evening, Mar Mãe e Mulher. Venus manhã foi igualado com o próprio (o governante de Tahuantinsuyu) Sapa Inca, Senhor da Terra simbolizava a nobreza e chefes do sexo masculino, e Man simbolizava os plebeus do sexo masculino. Uma cadeia paralela de autoridade para as mulheres resultou da deusa da lua. Venus noite foi o Coya, ou a rainha do Inca, Mar Mãe era a nobreza inca do sexo feminino, e a mulher os plebeus do sexo feminino (Silversblatt 1987). Decorrente de cada uma dessas cadeias foram também cadeias de parentesco paralelas de homens e mulheres, em que alguns homens e algumas mulheres (com a Sapa Inca e Coya primeira vinda) tinha autoridade sobre outros homens e mulheres, e assim por diante.

Devido a esta dupla função dentro do cosmos e as cadeias paralelas de autoridade, os homens controlavam os cultos aos deuses masculinos e mulheres controlavam os cultos das deusas. O Coya, que se acreditava ser a filha da Lua, dirigiu o cult of the Moon (Silversblatt 1987). O Sapa Inca dirigiu o culto do Sol, e se acreditava ser seu filho.Mulheres sacerdotisas originou-se a partir da Coya da mesma forma que os sacerdotes do sexo masculino se estendia desde o Sapa Inca. Mulheres sacerdotisas empunhava uma grande quantidade de energia, como as cabeças destes cultos. Isso ocorre porque as deusas da cosmologia inca controlada fertilidade terrena e da procriação humana, tanto dos que foram parte integrante da sociedade inca porque era agrícola. As mulheres também tinham seus próprios cultos ancestrais reais. Coyas eram mumificados, assim como os governantes incas do sexo masculino e foram adorado e participou da mesma forma, ou seja, eles também foram tratados como se ainda estivesse vivo e eles mantiveram suas propriedades mesmo em morte. (Este sistema era uma espécie de similar ao modo como reis egípcios eram mumificados.)

A dualidade da religião inca foi tão completa que até mesmo os templos de deusas incas paralelo aos dos deuses incas. Estátuas, bem como as múmias de inca Coyas, foram feitas das rainhas incas e colocado no templo da Lua, da mesma forma que múmias de governantes incas do sexo masculino foram colocados no templo do Sol (Silversblatt 1987). O Templo da Lua foi decorado de uma forma semelhante ao do Templo do Sol. Foi com painéis inteiramente em prata, ao contrário do Templo do Sol, que foi coberto com ouro. Continha uma semelhança da Lua com rosto de uma mulher, enquanto o Templo do Sol continha uma semelhança da Sun com o rosto de um homem. Ele foi servido exclusivamente por sacerdotisas do sexo feminino, ou mamaconas, que foram escolhidos ou porque tinham nascimentos incomuns ou que foram selecionados a partir dos acllas, que eram instituições religiosas e seculares e centros de educação. Mamaconas também tinha suas próprias casas de residência onde eles preparados peças de vestuário para o Sapa Inca e ídolos, fez comida e bebida para festas religiosas, e foram esperou por outros altos meninas de classificação da sociedade inca (Baudin 1961).

As mulheres tinham escolas em Cuzco como os dos homens onde as meninas não Cuzcan foram enviados para aprender os comércios da feminilidade e inca lore, bem como as competências adequadas e tarefas de governo (Silversblatt 1987). Estas escolas foram chamados acllawasi ou casa das mulheres escolhidas. cronistas espanhóis pensou dessas instituições como uma versão Inca de um convento.Acllawasi eram uma instituição exclusivamente feminina na sociedade inca. Uma vez por ano um agente inca inspecionados aldeias do império para escolher as meninas que seriam enviados para o acllawasi ou que se tornariam sacrifícios humanos imediatos (Baudin 1961). As meninas escolhidas para o último dever faziam parte de rituais estatais cruciais e garantiu o poder de seus pais, a maioria dos quais eram chefes, porque com o sacrifício de sua filha o pai ganhou o direito de passar o seu título ao seu filho, bem como o favor especial do Sapa Inca (Silversblatt 1987). A maioria das meninas selecionadas para o sacrifício imediato ou para se tornar acllas foram dez a quatorze anos de idade. A virgindade dessas meninas foi muito bem guardado na acllawasi até que o seu futuro foi decidido pela elite governante do império. Se uma das meninas foram encontrados para ter perdido a virgindade “, ela seria dada a pena de morte, e seria realizado por enterrar a menina viva ou por algum morte igualmente cruel” (Cobo 1990).Se eles estavam a tornar-se um aclla, que era uma ocupação estritamente secular, eles foram separados de suas comunidades de origem e casa em acllawasi na capital de cada província. Ao fazer isso, as mulheres aclla foram transformados em assuntos totalmente conquistados de Cuzco, porque eles não eram mais vistos como membros de suas comunidades originais (Silversblatt 1987).

Uma vez em um acllawasi as meninas eram ensinadas tarefas das mulheres tais como fiação, tecelagem e tomada de chicha (Baudin 1961). O tecido feito nestas instituições foi muito valorizado por causa de suas cores brilhantes e tecido fino. A chicha produzida foi também muito procurados porque foi dito ser um dos melhores em Tahuantinsuyu. As meninas também foram completamente doutrinadas na ideologia inca de modo que quando enviados para os seus vários destinos, que serviria os interesses do Inca consciente ou inconscientemente (Silversblatt 1987).

Os acllas foram organizados hierarquicamente (Baudin 1961). A base para essa organização era a perfeição física, como os Incas visualizou, e o posto de família da menina de origem. Assim, havia vários tipos diferentes de acllas que gostariam de servir o reino Inca dentro de seus vários destinos.

Foi com base neste sistema que as meninas de prestígio foram escolhidos para serem sacerdotisas castas dos cultos solares ou imperiais. Essas sacerdotisas, as esposas virgens do Sol, foram chamados mamaconas, que serviram em uma capacidade religiosa, bem como a educação das meninas recém-chegados (Cobo 1990 e Silversblatt 1987). As mulheres Mamacona se casaram aos vários deuses eram para servir em cerimónias solenes e sempre depois eram consideradas esposas desses deuses. Ocasionalmente, o Sapa Inca iria visitar uma destas instituições para saciar-se com as mulheres. Os guardas, que eram velhos, então confrontar o Sapa Inca quem iria confessar que ele tinha pecado eo assunto seria em repouso (Cobo 1990). Essas mulheres foram geralmente consideradas como santos por o resto da população e exercia tanto poder por causa de sua proximidade com deuses incas. Apesar disso, algumas destas mulheres tiveram mais importância do que os outros dentro dos vários cultos, especialmente no culto à Lua, a esposa do Sun. Uma mulher, que muitas vezes era uma das irmãs de o Sapa Inca, dirigiu o cult. Ela regulava em todos os assuntos se religiosos, económicos ou outros. Esta instituição mostra claramente que as mulheres tinham muito mais influência sobre assuntos religiosos.

O resto das meninas selecionados a cada ano eram para executar funções menos importantes. Outro papel que as meninas de prestígio poderia ser escolhido para era para ser esposas secundárias do Sapa Inca.As meninas patente inferior serviu menos deuses ou deusas prestígio. Algumas das meninas patente inferior também foram dadas como recompensa para os homens que tinham feito algo para agradar a Sapa Inca (Silversblatt 1987). Foi através do sistema aclla que os homens do Império estavam ligados à Sapa Inca pela lealdade. Isso aconteceu porque os homens serviria os interesses da Sapa Inca, se suas filhas foram levados para um aclla, já que era uma honra, ou se eles foram dadas as mulheres como presentes, que também foi uma honra. Isso mostra que as mulheres eram uma ferramenta poderosa para o Estado inca.
A rainha, e através dela, as mulheres, tinha sua própria celebração religiosa também. Durante um mês de cada ano, todo o império adiada para a rainha inca e à deusa Lua, ou Coya raymi (Silversblatt 1987).Era para simbolizar o novo ciclo agrícola e o início da estação chuvosa. Foi durante este tempo que todas e quaisquer preocupações femininas dentro do reino foi dado voz. Homens estavam subordinadas durante este período. A partir desta celebração é evidente que as preocupações das mulheres foram importantes para a sociedade inca.

O Coya foi também uma importante figura política na cultura inca. A selecção de um inca Coya foi muito semelhante à da selecção do próprio Sapa inca (Silversblatt 1987). Uma rainha potencial tinha que mostrar que ela era capaz de liderança e responsabilidade antes de casar com o Sapa Inca, a quem ela estava geralmente relacionado. Se o candidato não conseguiu fazer isso, ela foi removida do correndo.Além disso, se uma mulher se mostrou incapaz de governar depois que ela se tornou rainha, ela poderia ser removido de sua posição. Um exemplo desta circunstância foi a primeira Coya de Capac Yupanqui. Algum tempo depois de seu casamento ela ficou louca. Então Capac pediu ao deus Sol permissão para casar, como sua esposa primário, outra mulher que seria capaz de realizar as funções da rainha. Uma vez feita Coya, a rainha também recebeu suas próprias propriedades e seu próprio palácio, que era quase tão grande e sumptuoso e do Sapa Inca. É evidente a partir da forma cuidadosa em que um Coya foi selecionado que ela era uma força poderosa no governo inca.

O poder político das mulheres originou-se a partir da Coya em uma cadeia paralela à que se estende do Sapa Inca. Tudo começou com a Sapa Inca e Coya no topo, mudou-se para a nobreza de Cuzco, à nobreza Cuzco não-inca, a várias fileiras da nobreza provincial, os líderes étnicos locais e, finalmente, terminando com qualquer plebeus que possuíam posições de autoridade em um ayllu, ou unidade da comunidade. Além disso as mulheres e os homens, de acordo com Guaman Poma, tinham direito a diferentes graus de serviços, rebanhos e propriedades com base em sua classificação dentro deste sistema com o Sapa Inca eo Coya no topo (Silversblatt 1987). Isto ilustra a relação entre o poder político das mulheres, ea Coya, ao poder económico.

No entanto Coyas tinha poder sobre todos os assuntos, às vezes. Rainhas governaram na ausência do Sapa Inca. Se o Sapa Inca partiu para a guerra, a rainha servido em seu lugar em todos os sentidos (Silversblatt 1987). Outro aspecto importante do papel da rainha relacionadas com conselho privado do Inca, que foi composta de homens a partir dos quatro principais capitais do estado inca. Se o Conselho não pôde chegar a um acordo sobre uma questão, foi entregue à rainha. Depois que ela tomou a decisão era final, e aceite pela Sapa Inca como tal. Esta informação mostra claramente que Coyas poderia e fez decisões governamentais importantes, que teria tido efeitos muito grande alcance.

Três Coyas eram conhecidos por ser especialmente poderosas na história do povo inca. Estes foram Mama Huaco, Mama Ocllo, e Mama Anahuarque. Todas estas mulheres exercia uma grande quantidade de energia, bem como aconselhar os seus filhos e maridos sobre o governo. Isto é especialmente interessante à luz do fato de que essas mulheres eram casadas com três dos reis mais proeminentes na história social inca, Manco Capac, Topa Inca, e Pachacuti. A partir desses exemplos, é evidente que o Coya dos Incas tinha mais poder do que a maioria de seus equivalentes europeus, que eram apenas um meio para um rei para produzir um herdeiro na maioria dos casos.

No entanto, a maioria de autoridade da rainha inca centrada em outras mulheres. Todas as mulheres paga reverência à rainha da mesma forma que os homens paga reverência ao Sapa Inca, mesmo beijando a mão da mesma maneira que os homens beijou o rei. Durante os festivais, a rainha dos Incas iria dar e receber reciprocidade por parte dos líderes provinciais e membros escalão inferior da nobreza Cuzco. Ela era esperado para ser muito generoso em tais ocasiões. Estes laços de reciprocidade foram completamente distinta da do Sapa Inca. Ela “era capaz de se ligar outros em uma teia de obrigações por meio do qual as relações de poder foram articulados.” Portanto, o Coya tinha sua própria base de poder no reino inca com base nesses laços da mesma forma que o próprio Sapa Inca fizeram o que fizeram -lhe uma poderosa força política, de fato.

O Coya também tinha autoridade sobre direitos da união das mulheres. Era sua responsabilidade para se casar com o sexo feminino do império para os indivíduos do sexo masculino. Ela tinha duas centenas de damas de companhia que ela muitas vezes casadas com homens que tanto o Sapa Inca ou ela mesma quis recompensar ou amarre a sua dinastia. O Coya também foi responsável por vendo a educação dos jovens nobreza feminina Cuzcan e as filhas de líderes locais. Isso ajudou a cimentar os laços entre o Coya e as fileiras variando de nobreza inca, bem como as mulheres das províncias, que por design do estado, então, impor as suas opiniões inca educadas sobre os camponeses de suas províncias.

Como ilustrado pela importância do casamento para o poder da rainha, cerimônias de casamento e as relações próprios foram extremamente importante para a fundação do Estado inca. Quando um casal inca casado, certas cerimônias tiveram que ser observado, inclusive pedindo a permissão do agente do Sapa Inca. Estes ritos de casamento, seja realizada para um rico casal, nobre ou para um casal pobre, camponesa “, comemorou a formação de uma nova unidade composta de iguais.” Os ritos foram acompanhados com a doação do presente, o que deveria ser feito em um igualdade de oportunidades para mostrar que um parceiro não estava acima do outro ou que o grupo de parentesco de um não estava acima do grupo de parentesco do outro parceiro. Normalmente, estes presentes consistiu de vestuário, com o montante a ser determinado pela riqueza do casal.

Dentro de seu casamento um casal inca veriam as suas contribuições para o relacionamento e o agregado familiar como complementares, mas iguais, que é o que os presentes cerimoniais ilustrado. cultura andina já determinado para um casal recém-casado que tipos de direitos foram adequado para o homem e a mulher. “Mas em qualquer caso, a divisão do trabalho nunca foi tão rigoroso como a proibir um sexo de fazer a tarefa do outro em caso de necessidade. ideologias de género andinos reconheceu que o trabalho das mulheres e do trabalho dos homens complementavam-se. “Os povos indígenas sabia que, para que a sua cultura para sobreviver ao trabalho feito por ambos os sexos era essencial, como era a interação de que o trabalho entre os dois. Assim, as contribuições das mulheres, a partir da Coya para o menor de camponeses foram reconhecidos como essenciais para a sobrevivência da sociedade.

Um dos deveres das mulheres comuns na sociedade inca era a tecer. Já vimos que essa era uma tarefa importante para as mulheres a aprender quando se examina as acllas.No entanto, foi fora importante dessas instituições também. Uma mulher comum era quase sempre girando se ela estava assistindo seus filhos ou falar com seu marido ou vizinhos, ou mesmo durante a caminhada. Foi a obrigação de uma mulher para se certificar de que toda a sua família estava vestida e isso exigiu muito trabalho, especialmente quando havia crianças para fazer a roupa para. No entanto, este não foi o único dever de uma mulher andina. Ela também foi confiada a tomada de chicha, cozinhar, ajudando o marido preparar os campos para a agricultura, sementes de plantio, colheita, capina, capina, reunião e transporte de água. Enquanto em muitas sociedades estes foram os deveres das mulheres, na sociedade inca, ao contrário de outros, estas tarefas não foram considerados tarefas simplesmente domésticos para único benefício do marido. As contribuições das mulheres foram reconhecidos pelos Incas para o que eles estavam, o trabalho essencial para a continuidade do lar, a comunidade, e, finalmente, para o Estado.

Uma área, que não cultos deusa, em que as mulheres incas tinha autoridade indiscutível, foi a de criação dos filhos. As mulheres eram esperados para cuidar exclusiva de crianças em famílias incas. Uma mulher também foi responsável por fazer a sua parte do trabalho complementar ao de seu marido até dar à luz a criança e era esperado para retomar esse trabalho logo depois. As crianças foram consideradas para ser a fonte de riqueza para toda a família andina e, portanto, esta foi a principal responsabilidade da maioria das mulheres na sociedade inca. Foi também extremamente importante porque o jovem garanta o futuro que a sociedade.

Depois de examinar as várias facetas da sociedade inca, é evidente que as mulheres tiveram uma existência muito mais poderosa e autônoma do que foi considerado por muitos dos estudiosos, e mesmo por muitos dos próprios cronistas. As mulheres tinham as suas próprias redes de poder na sociedade inca na política e na religião. Eles tinham seus próprios cultos, que se dirigiam e que eram adorados por todos os membros da sociedade. O Coya tinha seu próprio sistema de reciprocidade, propriedades, e cult depois de sua morte. Ela tinha autoridade sobre direitos do casamento. Acllas, que foram inteiramente composto por mulheres, foram importantes instituições no domínio inca porque reforçou a lealdade dos sujeitos para o estado. Mamaconas foram importantes ferramentas de poder feminino porque ditada observâncias religiosas e acllas e mamaconas futuros instruídos. mulheres comuns foram responsáveis ​​por alguns dos aspectos mais importantes da vida e sobrevivência inca, incluindo tecelagem, agricultura e criação dos filhos. No entanto, pouco estudo tem sido feito sobre este assunto. É evidente com base na importância do papel da mulher na sociedade inca que esta é uma área em que mais estudos devem se concentrar para o futuro.

Fontes adicionais utilizados para este assunto que não estão incluídos na bibliografia:

. Baudin, Louis A Império Socialista: Os incas do Peru trans.. Katherine madeiras, ed. Arthur Goddard. Princeton, NJ: D. Van
Nostrand Company, Inc., 1961.

. Cobo, Bernabe 1580-1657 Inca religião e costumes, 1ª ed Austin, TX:. Univresity of Texas Press, 1990.

Starn, Orin, Carlos Ivan Degregori, e Robin Kirk O Peru Leitor:. História, Cultura, Política Durham:. Duke University
Press, 1995.

Fonte: https://www.yachana.org/teaching/students/webpages/andean2k/conquest/women.html

  |  figura feminina

Cultura INCA1400 – 1533 AD

figura feminina1400-1533 ADouro
9,3 (h) x 2.6 (w) cmMinisterio de Cultura del Perú: Museo Nacional Arqueologia, Antropologia e História do Peru, deFotografia: Daniel Giannoni

Embora os incas valorizado ouro e prata, que era por sua beleza e simbolismo sozinho. Quando o espanhol conquistou o Peru, as primeiras ofertas de resgate foram os melhores tecidos, em vez de ouro ou prata, assim como os incas oferecido têxteis como presentes sobre a introdução de um novo território. 1 Ambos pano e metal foram expressões de poder.Ouro, em particular, foi importante, pois representou o brilho do sol e imutabilidade: ao contrário de prata e cobre, a sua aparência e brilho não foram comprometidos por oxidação. Prata simboliza a lua. Metais preciosos foram usados ​​para decorar edifícios e para decorar corpos reais e vestuário, para rituais e bens graves. Somente a nobreza inca poderia usar ouro, e sua distribuição foi controlada apenas pelo imperador. Quase todos os objetos de metal importante foi roubada e derretida pelos conquistadores, de forma muito pouco ouro Inca sobrevive. Os mais comuns são minúsculos de ouro e prata figuras de mulheres nuas e homens, que eram graves ofertas. Eles parecem representar as mulheres jovens e homens que acompanham os mortos.

Os incas aprendeu muito com seus súditos vencidos do Reino de Chimor.metalsmiths Chimú foram levados para Cuzco para criar o Curicancha, o Templo do Sol, testemunhou na década de 1540 pelo espanhol Pedro Cieza de León:

onde havia uma imagem do sol de tamanho grande feitas de ouro, muito bem feito e definir com muitas pedras preciosas … Havia um jardim em que a própria Terra era pedaços de ouro fino, e foi engenhosamente plantado com talos de milho que estavam de folhas de ouro-haste, e as orelhas … Além disso, havia mais de vinte lhamas e as suas ovelhas com as shepards indianos que eles guardavam … todos metal. 2

Figuras como estas foram lançados ou em chapa de metal, juntou-se para os lados. Eles costumam ficar com as mãos unidas sobre o peito, ou às vezes segurar um objeto, como uma espiga de milho ou um ventilador.Algumas figuras vestidas foram encontrados, vestindo têxteis e penas. Mais comum são pares de pequenas figuras de ouro e prata, talvez significando dia e noite de metal seres presentes eterna sobre os mortos.

Christine Dixon

1. John Murra, ‘La función de tecido en varios Contextos sociales y políticos’, em sua Formaciones Económicas y Políticas del mundo andino , Lima: Instituto de Estudios Peruanos 1975, p. 170, citado em Tom Cummins, ‘Queros, aquillas, uncus e Chulpas: A composição de expressão artística Inka e poder’, no Richard L. Burger et al. (eds), variações na expressão de poder Inka: um simpósio em Dumbarton Oaks 18 e 19 de outubro de 1997 , Washington DC: Dumbarton Oaks 2007, p. 277

2. Os incas de Pedro Cieza de Leon , Victor W. von Hagen (ed.), Harriet de Onís (trad.), Norman, Okla .: A Universidade de Oklahoma Imprensa 1959, cotados em Victor W. von Hagen, O deserto reinos do Peru , London: Weidenfeld and Nicolson 1965, p. 87. A Curicancha ou Templo do Sol é processado em muitas grafias.

Similar Posts