Artigos do Portal:
#20 poetisas brasileiras que você precisa conhecer#Os mais belos poemas escritos por autoras brasileiras#Depressão pós-parto: uma experiência de encontro com a identidade#Otrera: A Criadora e Primeira Rainha das Amazonas na Mitologia Grega#Espirais Antigas#Constelações e estrelas visíveis na Terra#Ashtalakshmi – As 8 formas de Lakshmi#As Mulheres e o Desenvolvimento das Habilidades Sociais / Soft-Skils#As mais antigas formas de representação do feminino divino (sagrado feminino)#Bete-Seba (Bethsheba), Mãe de Salomão, Esposa do Rei David#Deusas e outras Divindades das Águas#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Princípios de Empoderamento das Mulheres#Divindades Femininas na América do Sul#A lenda de Shahmaran, a rainha das cobras#Sigilos de Inteligência Planetária da Tradição Oculta Ocidental#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#Deusas Rheia, Ops e Cibele – Contrapartes de Cronus e Saturno#A Deusa Inuit Sedna#As Montanhas e a Deusas#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Maria: Mãe de Jesus#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é a Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida (usado como Oráculo e no Horóscopo Celta)#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Astrologia Celta, do Horoscopo Celta – Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Horóscopo Sideral, Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Astrosofia - Astrotheasofia = Astrologia Espiritual Feminina Espiritualidade Mãe Natureza Oráculos Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Teurgia Natural e Magia Natural Uncategorized

Astrologia Celta, do Horoscopo Celta – Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares

Astrologia da Árvore Celta

Celtic knot.png

A Astrologia da Árvore Celta é derivada das crenças dos antigos Druidas.

Os druidas eram sacerdotes celtas que davam grande importância às florestas e reverenciavam o conhecimento sagrado das árvores. Eles acreditavam que todo o universo existia em forma de árvore, com suas raízes representando o passado, seu tronco representando o presente e seus galhos, alcançando os céus, representando o futuro e a vida após a morte.

A astrologia celta é baseada no sistema lunar que se baseia nos treze ciclos da lua com cada ciclo ligado a uma das árvores celtas sagradas.

Os druidas acreditavam que a época do nascimento de uma pessoa desempenhava um papel vital na formação de sua personalidade e que eles desenvolveriam certas características.

Lembrando que a escolha e interpretação destas árvores, das luas (meses) tem a ver com as mudanças na natureza e estas mudanças estão relacionadas as estações (e entre as estações), ou seja a posição do sol em relação a Terra. Esta posição define as diferenças na natureza, porém se mudar o Hemisfério a posição será contrária. Assim essas escolhas e interpretações das caracteristicas do mês/arvore para os Celtas está para o Hemisfério norte. Se formos transpor para o hemisfério sul seria oposto.

Astrologia Celta
Horoscopo Celta

Meses da árvore celta:  As 13 Luas

AshTree_1500.jpg

 Na lenda nórdica, Odin pendia de um freixo, Yggdrasil, por nove dias.

O Calendário da Árvore Celta é um calendário com treze divisões lunares . A maioria dos pagãos contemporâneos usa datas fixas para cada “mês”, em vez de seguir o  ciclo lunar crescente e  minguante . Se isso fosse feito, eventualmente o calendário cairia de sincronia com o ano gregoriano, porque alguns anos do calendário  têm 12 luas cheias  e outros 13. O calendário moderno da árvore é baseado em um conceito que as letras do antigo  alfabeto Ogham celta correspondiam a uma árvore.

Embora você não tenha que seguir um caminho celta para celebrar os meses do calendário celta, você verá que cada um dos temas nos meses da árvore celta se vincula fortemente à cultura e à mitologia celta.

Também é importante notar que não há prova de que o calendário celta realmente tenha se originado nos primeiros povos celtas. Joelle do Bosque Sagrado de Joelle diz “O calendário da árvore lunar dos celtas tem sido uma fonte de controvérsia entre os estudiosos celtas. Alguns até afirmam que nunca foi uma parte do antigo mundo celta, mas foi uma invenção do autor / pesquisador Robert Graves. Os druidas geralmente recebem Não parece haver nenhuma evidência acadêmica para provar o contrário, mas muitos pagãos celtas sentem que o sistema é anterior ao tempo da influência druídica sobre as questões religiosas Celtas.É provavelmente razoável acreditar que a verdade Está em algum lugar entre esses três extremos: é mais provável que o sistema de árvores estivesse em vigor, com pequenas variações regionais antes do tempo dos druidas que experimentaram, descobriu as propriedades mágicas de cada árvore e codificou todas as informações no sistema que temos hoje “.

Horoscopo Celta:

> Birch Moon: 24 de dezembro a 20 de janeiro

Birch ~ O Empreendedor – Ambicioso, Amoroso, Corajoso
Imagem por Patrick Endres – Design Pics / primeira luz / Getty Images

A Lua de Bétula é um tempo de renascimento e regeneração. Conforme o Solstício passa, é hora de olhar para a luz mais uma vez. Quando uma área florestada queima, Birch é a primeira árvore a crescer de volta. O nome celta para este mês é Beth , pronunciado beh . Os trabalhos feitos neste mês adicionam impulso e um pouco de “força extra” a novos empreendimentos. O vidoeiro também é associado com magia feita para criatividade e fertilidade , bem como cura e proteção. Amarre uma fita vermelha ao redor do tronco de uma árvore de vidoeiro para afastar a energia negativa. Pendure galhos de vidoeiro sobre um berço para proteger um recém-nascido de danos psíquicos. Use casca de bétula como pergaminho mágico para manter os escritos seguros.

Você é altamente motivado e tem a capacidade de motivar os outros. Você é calmo e tolerante, assumindo o controle regularmente quando as circunstâncias exigem iniciativa. Você pode ser extremamente determinado e ambicioso e ter sede de conhecimento. Você exibe versatilidade e resiliência e luta continuamente por mais. Com seu sorriso rápido e um charme fácil, você pode alegrar o dia de alguém. Mais compatível com Vine e Willow.

Roda do Ano: Relacionado a Yule, solstício de inverno (hemisfério norte)
Para o Hemisfério Sul ver Oak  – Oak Moon

> Rowan – Rowan Moon: 21 de janeiro a 17 de fevereiro

Rowan ~ O Pensador – Inteligente, altamente influente, paciente

Imagem por Peter Chadwick LRPS / Momento / Getty Images

A Rowan Moon (Soprveira) é associada a Brighid, a deusa celta do lar e do lar. Homenageada em 1 de fevereiro, em Imbolc , Brighid é uma deusa do fogo que oferece proteção a mães e famílias, além de cuidar dos fogos. Esta é uma boa época do ano para realizar iniciações (ou, se você não faz parte de um grupo, faça uma auto-dedicação). Conhecido pelos celtas como Luis (pronunciado loush), o Rowan é associado a viagens astrais, poder pessoal e sucesso. Um charme esculpido em um galho de Rowan protege o usuário de danos. Os noruegueses eram conhecidos por terem usado os ramos de Rowan como aduelas de runas de proteção. Em alguns países, Rowan é plantado em cemitérios para evitar que os mortos permaneçam por muito tempo.

Você provavelmente é um visionário afiado e estabelece metas altas para si mesmo. Você exibe um exterior legal, mas tem uma energia interior que lhe dá inspiração à medida que avança na vida. Suas ideias são únicas e imaginativas, e algumas pessoas podem frequentemente se sentir intimidadas por sua grandeza. Você parece ter um exterior forte e feroz, mas por dentro é gentil, paciente e amoroso. Você tem uma capacidade característica de mudar as circunstâncias e os indivíduos ao seu redor pelo seu raciocínio rápido. As pessoas se sentem atraídas por você pelo seu dinamismo silencioso. Mais compatível com Ivy e Hawthorn.

Roda do Ano: Relacionado a Lammas, entre o solstício de inverno e equinócio da primavera (hemisfério norte)

Para o Hemisfério Sul ver Holly – Holly Moon

> Ash – Ash Moon: 18 de fevereiro a 17 de março

Ash ~ O Encantador – Pensamento livre, Artístico, Imaginativo
AshTree_1500.jpg
 A cinza está associada a sonhos proféticos e jornadas espirituais. Imagem por Richard Osbourne /

Nos eddas nórdicos, Yggdrasil, a árvore do mundo, era um Ash. A lança de Odinfoi feita a partir do ramo desta árvore, que também é conhecido pelo nome celta Nion , pronunciado joelho-un . Esta é uma das três árvores sagradas para os druidas (Ash, Oak e Thorn), e este é um bom mês para fazer magia que se concentra no eu interior. Associado a rituais oceânicos, potência mágica, sonhos proféticos e jornadas espirituais, o Ash pode ser usado para fazer ferramentas mágicas (e mundanas) – diz-se que elas são mais produtivas do que ferramentas feitas de outras madeiras. Se você colocar bagas de cinzas em um berço, ele protege a criança de ser levada como um changeling pelo Fae travesso .

Embora você tenha uma personalidade muito atraente e vencedora, você tende a aproveitar o tempo sozinho por causa de sua natureza tímida. Você está em contato com sua criatividade interior e é inspirado pelas maravilhas da natureza. Arte, escrita, ciência e espiritualidade são áreas que lhe interessam fortemente. Outros podem pensar que você é recluso, mas, francamente, você está simplesmente imerso em seu próprio mundo de visão e design fantásticos. Você está em constante estado de auto-renovação e raramente dá valor ao que os outros pensam sobre você. Você inspira tudo ao seu redor e as pessoas o procuram por sua capacidade de inspirar. Mais compatível com Willow e Reed.

Para o Hemisfério Sul ver Hazel – Hazel Moon

> Alder – Alder Moon: 18 de março a 14 de abril

Alder ~ O Desbravador – Romântico, Corajoso, Generoso
Image by Gavriel Jecan / Banco de Imagens / Getty Images

Na época do Equinócio da Primavera, ou Ostara, o Alder está florescendo nas margens dos rios, nas raízes da água, unindo aquele espaço mágico entre o céu e a terra. O mês do Alder, chamado Fearn pelos Celtas, e pronunciado fairin , é um tempo para tomar decisões espirituais, magia relacionada a profecia e adivinhação, e entrar em contato com seus próprios processos e habilidades intuitivos . Flores e galhos de amieiros são conhecidos como encantos para serem usados ​​na magia das fadas. Assobios foram feitos de brotos Alder para invocar espíritos do ar, por isso é uma madeira ideal para fazer um tubo ou flauta, se você é inclinado musicalmente.

Você é um líder nato. Você é um motor e um agitador, e sua energia positiva significa que as pessoas querem ser suas amigas. Você é charmoso, extrovertido e se mistura facilmente com uma ampla mistura de personalidades. Você tem a capacidade de se dar bem com todos e as pessoas adoram estar em sua companhia. Isso pode ser devido à sua autoconfiança que muitos gostariam de ter. É irresistível e outros indivíduos percebem essa qualidade em você em um piscar de olhos. Você tem uma paixão ardente e está sempre em movimento. Você odeia perder tempo e não gosta de superficialidade. Mais compatível com Carvalho ou Bétula

Roda do Ano: Relacionado a Ostara, equinócio primavera (hemisfério norte)

Para o Hemisfério Sul ver Ivy -Ivy Moon

> Willow – Lua de Salgueiro: 15 de abril a 12 de maio

Willow ~ O Observador – Calma, Intuitiva, Simpática
Imagem de Bruce Heinemann / Stockbyte / Getty Images

A lua Willow era conhecida pelos celtas como Saille , pronunciada Sahl-yeh . A Willow cresce melhor quando há muita chuva, e no norte da Europa não há escassez dessa época do ano. Esta é uma árvore associada a cura e crescimento, por razões óbvias. Um salgueiro plantado perto de sua casa ajudará a afastar o perigo, particularmente o tipo que deriva de desastres naturais, como inundações ou tempestades . Eles oferecem proteção e são freqüentemente encontrados plantados perto de cemitérios. Neste mês, trabalhe em rituais envolvendo cura, crescimento do conhecimento, criação e mistérios femininos.

Você é uma pessoa naturalmente honesta, generosa e simpática que não faz drama. Você tende para o amor, a paz e a serenidade. Você é altamente inteligente e entende as profundezas ocultas das pessoas e do universo e tem uma perspectiva realista da vida. Você é conhecido igualmente por sua bondade e polidez e nunca deseja ofender. Tendo um senso de humor perverso, você adora brincar com os amigos. As pessoas ficam felizes quando estão perto de você. Mais compatível com Birch e Ivy.

Para o Hemisfério Sul ver Ivy -Ivy Moon e Reed – Reed Moon

> Hawtorn – Hawthorn Moon: 13 de maio a 9 de junho

Hawthorn ~ O Ilusionista – Secreto, Divertido, Apaixonado
Imagem por Ed Reschke / Photolibrary / Getty Images

O Hawthorn é um tipo espinhoso de planta com lindas flores. Chamado Huathpelos antigos celtas e pronunciado Hoh-uh , o mês do Hawthorn é uma época de fertilidade, energia masculina e fogo. Vindo logo após o apice de Beltane , este mês é uma época em que a potência masculina é alta – se você espera conceber uma criança, fique ocupado este mês! O Hawthorn tem uma espécie de energia fálica e crua – use-o para magia relacionada ao poder masculino, decisões de negócios, conexões profissionais. O Hawthorn também é associado com o reino de Faerie, e quando o Hawthorn cresce em conjunto com um Ash e Oak, diz-se que atrai os Fae.

Enquanto você parece viver uma vida mediana por fora, por dentro você é incrivelmente apaixonado e carrega muita criatividade dentro de si. Você é incrivelmente maduro e se adapta bem à maioria das situações da vida e está sempre pronto para ajudar. Sua curiosidade natural faz de você um excelente ouvinte. As pessoas tendem a recorrer a você com confiança para revelar seus segredos mais profundos. Você tem um senso de humor saudável e uma compreensão clara da ironia. Você tende a ver o quadro geral e tem uma visão incrível, embora normalmente não se dê crédito suficiente por suas observações. Mais compatível com Ash e Rowan.

Roda do Ano: Relacionado a Beltane, entre equinócio primavera e solstício de verão (hemisfério norte)
Para o Hemisfério Sul ver Reed – Reed Moon

> Oak – Oak Moon: 10 de junho a 7 de julho

Carvalho ~ O Estabilizador – Leal, generoso, corajoso
OakTree_1500.jpg
 O carvalho tem sido venerado por pessoas de muitas culturas como um símbolo de força e poder. Imagem por Images Etc Ltd / Momento Móvel / Getty Images

A lua de carvalho cai durante um tempo quando as árvores estão começando a alcançar seus estágios de florescência. O poderoso Carvalho é forte , poderoso e tipicamente imponente sobre todos os seus vizinhos. O Rei Carvalho governa os meses de verão, e essa árvore era sagrada para os druidas. Os celtas chamaram este mês de Duir , que alguns estudiosos acreditam significar “porta”, a palavra raiz de “Druida”. O Carvalho está conectado com feitiços de proteção e força, fertilidade, dinheiro e sucesso e boa fortuna. Leve uma bolota no bolso quando for a uma entrevista ou reunião de negócios; isso lhe trará boa sorte. Se você pegar uma folha de carvalho antes de cair no chão, você ficará saudável no ano seguinte.

Você é o campeão do azarão e defende regularmente as pessoas que não têm voz. O Oak tem a confiança fácil de ser o cruzado. Nutritivo, generoso e prestativo, você irradia calma e aceita que tudo dará certo no final. Você tem uma profunda consideração pela história e é provável que seja um educador, pois deseja dar aos outros uma visão do passado. Você aprecia grandes reuniões de família e amigos e tem uma rede social vasta e variada. Mais compatível com Ash e Reed.

Roda do Ano: Aproximadamente Relacionado a Littha, solstício de verão (hemisfério norte)

Para o Hemisfério Sul ver Birch – Birch Moon

> Holly – Holly Moon: 8 de julho a 4 de agosto

Holly ~ A Governante – Confiante, Nobre, Líder
Close-up, comum, azevinho, planta
Jonathan Jenkins / EyeEm / Getty Images

Embora o Carvalho tenha decidido no mês anterior, sua contraparte, a Holly, assume em julho. Esta planta perene nos lembra o ano todo sobre a imortalidade da natureza. A lua de Holly era chamada Tinne , pronunciada chihnn-uh , pelos celtas, que sabiam que a potente Holly era um símbolo de energia e firmeza masculinas. Os antigos usavam a madeira do Holly na construção de armas, mas também em magia de proteção . Pendure um ramo de Holly em sua casa para garantir boa sorte e segurança para sua família. Vista-se como um encanto, ou faça Holly Water mergulhando-se durante a noite em água de nascente sob a lua cheia – depois use a água como uma bênção para borrifar as pessoas ou ao redor da casa para proteção e limpeza.

Respeitável e nobre é como você é visto e como você se sente por dentro. Você assume facilmente posições de liderança, pois tem confiança inata em suas habilidades. Você enfrenta dificuldades sem esforço, e é raro falhar. Quando você experimenta percalços, basicamente se esforça mais com a determinação de alcançar seus verdadeiros objetivos. Você é focado e orientado a objetivos, mesmo nas configurações mais fáceis. Uma vez que você permite que as pessoas o conheçam, elas veem que você é generoso, gentil e caloroso. Mais compatível com Ash e Elder.

Para o Hemisfério Sul ver Birch -Birch Moon (até 20 de julho) e Rowan – Rowan Moon

> Hazel – Hazel Moon: 5 de agosto a 1 de setembro

Hazel ~ O Conhecedor – Confiante, Leal, Inteligente
Avelãs
fotografia do itsabreeze / Getty Images

A Lua Aveleira era conhecida pelos Celtas como Coll , o que se traduz em “a força vital dentro de você”. Esta é a época do ano em que as avelãs estão aparecendo nas árvores e são uma parte inicial da colheita. As avelãs também estão associadas à sabedoria e proteção. A aveleira é freqüentemente associada no folclore celta com poços sagrados e fontes mágicas contendo o salmão do conhecimento. Este é um bom mês para fazer trabalhos relacionados à sabedoria e conhecimento, radiestesia e adivinhação e viagens de sonho. Se você é um tipo criativo, como um artista, escritor ou músico, este é um bom mês para recuperar sua musa e encontrar inspiração para seus talentos. Mesmo que você normalmente não faça isso, escreva um poema ou uma música este mês.

Embora tenha uma personalidade muito atraente, tende a aproveitar o tempo consigo mesmo porque tende a ser mais quieto do que barulhento. Você conhece seus fatos e está sempre bem informado. Você é genuinamente inteligente e geralmente sabe o curso de ação correto por causa de sua impressionante base de conhecimento, mas não é arrogante. Você é uma pessoa naturalmente generosa e simpática com os amigos e ferozmente leal. Você gosta de ser mais ativo e sempre se esforça para fazer o melhor por si mesmo. Você é sempre aquele que todos gostariam de ser! Mais compatível com Hawthorn e Rowan.

Roda do Ano: Relacionado a Imbolc, entre solstício de verão (hemisfério norte)  e equinócio de outono

Para o Hemisfério Sul ver Rowan – Rowan Moon (e também Ash – Ash Moon)

> Vine – Lua da Vinha: 2 de setembro a 29 de setembro

Vine ~ O Equalizador – Charmoso, Amoroso, Elegante
Vinha gavinhas ao pôr do sol, close-up
Matilda Lindeblad / Getty Images

O mês da Vinha é uma época de grande colheita – das uvas do Mediterrâneo aos frutos das regiões do norte, a Videira produz frutos que podemos usar para fazer a mais maravilhosa mistura chamada vinho. Os celtas chamaram este mês Muin . A Videira é um símbolo de felicidade e ira – emoções apaixonadas, ambas. No final deste periodo, faça trabalhos mágicos este mês ligados ao Equinócio de Outono, ou Mabon , e celebre a magia do jardim, alegria e alegria, ira e raiva, e o aspecto mais sombrio da deusa mãe . Use as folhas dos Vines para melhorar sua própria ambição e objetivos. durante este mês. O mês de Vine também é um bom momento para se equilibrar , pois há horas iguais de escuridão e luz.

Você se esforça pela beleza interior e exterior e adora se aperfeiçoar para o bem da humanidade. Você é incrivelmente generoso e é conhecido por apreciar as coisas boas da vida e compartilhar de bom grado. Você gosta de luxo e refinamento e não se importa em trabalhar para alcançar seus desejos. Você pode ser imprevisível e indeciso ao ver o bom e o ruim em cada história, o que torna difícil escolher um lado. Você não gosta de confrontos ou discussões e, portanto, fique o mais neutro possível. Quando injustiçado, pode levar tempo para o seu coração se recuperar. Você tem charme, elegância e equilíbrio. Mais compatível com Willow e Hazel

Para o Hemisfério Sul ver Ash – Ash Moon (e também Alder – Alder Moon )

> Ivy -Ivy Moon: 30 de setembro a 27 de outubro

Ivy ~ A Sobrevivente – Corajoso, Determinado, Gentil
Ivy em uma parede de Villa Cimbrone, Ravello
Imagens de Buena Vista / Getty Images

Quando o ano chega ao fim e Samhain se aproxima , a lua de Ivy (Hera) entra no final da safra. Ivy geralmente vive depois que sua planta hospedeira morreu – um lembrete para nós de que a vida continua, no ciclo interminável de vida, morte e renascimento. Os celtas chamaram este mês Gort , pronunciado ir-ert . Este é um momento para banir o negativo da sua vida. Faça trabalhos relacionados a melhorar a si mesmo e colocando uma barricada entre você e as coisas que são tóxicas para você. Ivy pode ser usado em magia realizada para cura, proteção, cooperação e para unir os amantes.

As pessoas sempre ficam surpresas com sua personalidade única e brilhante. Você é espirituoso, inteligente e esperto e é mais sonhador do que realista. Você tem uma natureza generosa e está sempre lá para ajudar. Você suporta tempos difíceis com perseverança silenciosa e graça comovente. Na verdade, você tende a ser profundamente espiritual e se apega a uma fé profundamente enraizada que normalmente o vê através da adversidade. Você é de fala mansa, mas tem uma inteligência aguçada sobre você. Você é charmoso, carismático e pode se manter na maioria dos ambientes sociais. Uma vez que as pessoas o conhecem, elas o estimam como um amigo para a vida. Mais compatível com Carvalho e Freixo.

Roda do Ano: Relacionado a Mabon, e equinócio de outono (hemisfério norte)
Para o Hemisfério Sul ver Alder – Alder Moon

> Reed – Reed Moon: 28 de outubro a 23 de novembro

Reed ~ O Inquisidor – Compassivo, Verdadeiro, Curioso
 Os juncos são associados aos mortos e ao submundo. Imagem © Comstock / Getty Images; Licenciado para o nicolas-thirion.com

Reed é normalmente usado para fazer instrumentos de sopro, e nesta época do ano, seus sons assustadores são às vezes ouvidos quando as almas dos mortos estão sendo convocadas para o submundo. A Lua Reed foi chamado Negetal , pronunciado nyettle pelos Celtas, e é por vezes referido como a Lua Elm por pagãos modernos. Este é um momento para adivinhação e scrying . Se você vai ter uma sessão , este é um bom mês para fazê-lo. Neste mês, faça trabalhos mágicos relacionados a guias espirituais , trabalho energético , meditação , celebração da morte e honrar o ciclo de vida e renascimento.

Você se aprofunda no significado real das coisas para descobrir a verdade escondida sob camadas de distração. Você tem um forte senso de integridade e honra. Você é um confidente e as pessoas acham fácil falar com você sobre o que as incomoda. Eles sabem que você pode guardar um segredo. Da mesma forma, você adora uma boa história, fofocas e escândalos. Isso o torna perfeito como jornalista ou detetive. Você tem a capacidade de chegar ao cerne das coisas e retirar todas as camadas da história. Você tem um intelecto aguçado, mas mais óbvio é sua compaixão e lealdade para com os outros. Mais compatível com Carvalho e Freixo.

Roda do ano: Relacionado a Samhain, meio entre equinócio de outono e solstício de inverno (hemisfério norte)
Para o Hemisfério Sul ver Willow – Willow moon e Hawtorn – Hawthorn Moon

> Elder – Elder Moon: 24 de novembro a 23 de dezembro

Ancião ~ O Buscador – Leal, ambicioso, atencioso
Imagem por A. Laurenti / DeAgostini Biblioteca de Imagens / Getty Images

O solstício de inverno passou, e a lua mais velha é um tempo de finais. Embora o Ancião possa ser facilmente danificado, recupera-se rapidamente e volta à vida, correspondendo ao Ano-novo que se aproxima. Chamado Ruish pelos Celtas (pronunciado roo-esh ), o mês de Elder é um bom momento para trabalhos relacionados à criatividade e renovação. É uma época de começos e fins, nascimentos e mortes e rejuvenescimento. Elder também é dito para proteger contra os demônios e outras entidades negativas. Use em magia ligada a Fadas e outros espíritos da natureza.

Você ama sua liberdade e gosta de viver no lado selvagem. Você procura emoções e aventuras e sempre quer estar em movimento. Você é profundamente atencioso, atencioso com os outros e adora ajudar. Seu amor pela vida se transfere para as pessoas ao seu redor e elas gostam de estar em sua companhia. A vida nunca é monótona quando você está por perto. As pessoas podem supor que você é superficial, mas você tem um lado filosófico profundo e está sempre questionando o significado de tudo. Mais compatível com amieiro e azevinho.

Para o Hemisfério Sul ver Hawtorn – Hawthorn Moon
Ver mais sobre Oráculo e Astrologia Celta:
https://portal.divinafeminina.org/ogham-alfabeto-irlandes/
………………………………….

 

 

………………………

 

Anexo:

A fabricação da astrologia ‘celta’
por Peter Berresford Ellis

http://cura.free.fr/xv/13ellis2.html

 

Ed. N.: Este artigo, publicado anteriormente no The Astrological Journal (vol. 39. n. 4, 1997), completa o primeiro, publicado na Réalta e depois pela CURA. Agradeço a Maurice McCann por sua amável ajuda.

As invenções celtas do ‘zodíaco das árvores’, resultado direto da invenção de um calendário das árvores por Robert Graves, tornaram-se uma barreira quase intransponível para qualquer estudo sério das formas de astrologia que eram praticadas pela sociedade celta pré-cristã. Por cinquenta anos, desde que Graves publicou seu livro The White Goddess (1946), uma verdadeira indústria foi construída entre seus acólitos, que pregam idéias astrológicas artificiais baseadas em argumentos espúrios de Graves. Alguns até publicaram livros sobre o que chamam carinhosamente de ‘Astrologia Celta’, fabricando um ‘sistema astrológico’ completamente artificial.

Até agora não era minha prática criticar diretamente Graves nem seus acólitos. Como romancista e poeta, o trabalho de Graves é muito para ser admirado e seu estudo de dois volumes de The Greek Myths (1955) é altamente considerado. Há até mesmo muito em A Deusa Branca que é louvável. Pode-se dizer que a obra de Graves é uma tentativa fascinante de um estudo antropológico e mitológico que, se ele tivesse algum conselho escolástico, poderia ter resultado em uma contribuição interessante nos moldes da obra de Joseph Campbell.

No entanto, quando ele pediu conselhos de um estudioso respeitável no campo dos estudos celtas e especificamente da pesquisa Ogham, ele o rejeitou porque não apoiava suas noções prefixadas. Como já apontei muitas vezes, o velho provérbio irlandês diz Oscar cach i gceird araile– na tradução livre, todo mundo é iniciante no ofício ou ofício do outro. Graves, como alguém que estudou Clássicos por um ano no St. John’s College, Oxford, 1913, antes de se alistar no exército (em seu retorno à universidade ele trocou de Clássicos e se formou em Língua e Literatura Inglesas), deveria ter sido o primeiro a perceber que escrever um estudo sobre a mitologia grega e sua expressão linguística primitiva sem conhecer uma palavra de grego não era apenas uma impertinência, mas levaria a todos os tipos de erros. Por que Robert Graves sentiu que era capaz de escrever tal estudo sobre a mitologia celta com uma forte dependência da interpretação linguística quando lhe faltava conhecimento linguístico para fazê-lo?

Para ser justo com Graves, ele não foi a primeira nem a última pessoa a considerar que eles podem se intrometer no campo da cultura celta, interpretá-la e pontificar sobre suas filosofias sem nenhum conhecimento das línguas celtas em formas antigas, médias ou modernas. . Centenas de livros são escritos sobre mitologia, cultura e história celta por pessoas que não estudaram uma palavra de uma língua celta. De todas as civilizações do mundo, só os celtas parecem ter se tornado um alvo fácil para qualquer um que se apresente como especialista, mas quem não reconheceria um celta se alguém o cumprimentasse em uma estrada irlandesa ou da Cornualha com “Conas tá tú?” ou Dêth da dhys!’.

Há uma ironia que, no mesmo ano em que Robert Graves publicou seu trabalho, o professor Thomas Francis O’Rahilly (1883-1953), um dos estudiosos celtas mais eruditos da época, publicou seu monumental Early Irish history and Mythology. Instituto de Estudos Avançados de Dublin, 1946. Este trabalho é de verdadeira erudição celta, o que, receio, faz Robert Graves parecer o inexperiente inexperiente em um campo estranho que ele indiscutivelmente era. No entanto, é Graves que obtém uma reputação internacional por suas fantasias, enquanto o professor O’Rahilly recebe seus elogios apenas no mundo da erudição celta.

Em duas palestras recentes, proferidas na British AA Conference na Exeter University, em 1996, e na Irish AA Conference, Co. Meath, em 1997, bem como um artigo na R é alta, agosto de 1996, simplesmente demonstrei a práticas que os celtas realmente usavam. Eu esperava que isso fosse suficiente para mostrar às pessoas o quão falsa era a ideia do ‘zodíaco da árvore’. No entanto, os velhos mitos custam a morrer e muitas pessoas ainda estão relutantes em admitir que Robert Graves os enganou.

Robert Graves baseou-se em traduções do século 19, e muitas vezes traduções muito ruins, bem como textos que eram bastante falsificados. Na verdade, textos que eram meras invenções. Ele estava inclinado para os românticos galeses do final do século 18 e 19 (‘cavalheiros antiquários)’ em vez de estudiosos confiáveis.

Uma das principais fontes de Robert foi Edward Williams (1747-1826), que se autodenominou Iolo Morganwg. Agora, muitas coisas positivas podem ser ditas para Williams como poeta, mas pouco para sua bolsa de estudos. Em defesa de suas alegações, Williams estava preparado para exercitar uma imaginação fértil e consideráveis ​​dons literários, até mesmo ao ponto de falsificar as fontes da história galesa e enganar seus contemporâneos sobre a natureza das tradições literárias galesas. Isso resultou em que muitos estudantes sérios trabalharam ao longo do século 19 sob equívocos pelos quais ele, e somente ele, foi responsável. Somente quando os estudos celtas começaram a ser devidamente organizados em nível universitário, quando estudiosos sérios como Sir John Rhys (1840-1915) se tornaram o primeiro professor de estudos celtas no Jesus College, Oxford, em 1877, foram as invenções de Williams e seus camaradas identificadas e descartadas. Como Robert Graves, Williams ou Iolo Morganwg, para dar-lhe o nome que escolheu era um poeta e deveria ter se apegado ao seu ofício.

Outro escritor galês em quem Robert Graves depositou muita fé foi Edward Davies (1756-1831), conhecido como ‘Celtic’ Davies. Ele também foi um poeta, dramaturgo e colecionador de manuscritos que, com Iolo Morganwg, foi um inventor do ‘renascimento druídico’. Robert Graves emprestou livremente de Celtic Researches (1804) e The Mythology and Rites of the British Druids (1809). Mas Edward Davies claramente tinha apenas um conhecimento imperfeito do galês e certamente não estava qualificado para a tarefa de interpretar materiais galeses modernos e muito menos textos do meio galês. Mais uma vez, seu trabalho não foi levado a sério por estudiosos galeses ou celtas desde meados do século 19.

No entanto, a pessoa em quem Robert Graves colocou toda a sua confiança para a invenção de seu ‘calendário de árvore’ e o subsequente ‘zodíaco de árvore’ era um irlandês. Ruairí Ó Flaithheartaigh ou, em forma anglicizada, Roderic O’Flaherty (1629-1718). Ele nasceu em Co Galway e herdou o castelo e a propriedade de Magh Cuilinn (Moycullen). Ele estudou com Dubhaltach Mac Firbisigh, um dos grandes estudiosos da Irlanda que foi morto aos 85 anos por um soldado inglês quando voltava de Dublin para Galway. O próprio O’Flaherty também se tornou vítima dos confiscos de Cromwell sendo expulsos de sua casa. Ele decidiu escrever uma história da Irlanda em latim que chamou de Ogygia: seu Rerum Hibernicarum Chronologia & etc. (mais tarde traduzido comoOgygia, ou um relato cronológico de eventos irlandeses (coletados de documentos muito antigos fielmente comparados entre si e apoiados pela ajuda genealógica e cronológica dos escritos sagrados e profanos do globo). Este foi publicado em latim em 1685 A tradução inglesa saiu em 1793, traduzida pelo Rev. James Hely em 2 vols. Presume-se que Robert Graves tenha lido o texto em latim.

Antes de entrar neste trabalho em detalhes, devemos tomar o título Ogygia porque eu vi um livro recente que se propõe a ser sobre ‘astrologia celta’ no qual o autor parece estar trabalhando sob o equívoco de que Ogygia era sinônimo de Ogham, o forma mais antiga de escrita irlandesa. Eles não apenas deixaram de ler este livro, mas também não conheciam seu Homero. Na Odisseia Ogygia é a ilha de Calypso vagamente pensada como sendo uma ilha a oeste. Era a cifra de O’Flaherty para a Irlanda.

Na Irlanda do século XVII, nenhum irlandês poderia esperar divulgar um livro sobre a história do país do ponto de vista irlandês sem incorrer na ira dos conquistadores ingleses. O século 17 foi o período em que uma tentativa total foi feita pela administração inglesa para finalmente reduzir a nação irlandesa, eliminando a classe dominante, a intelectualidade e destruindo o sistema de direito nativo. Todos os livros em irlandês deveriam ser destruídos e todos os centros de aprendizagem nativos foram fechados.

Os exilados irlandeses recorreram à publicação de livros em irlandês durante os séculos XVII e XVIII no continente em lugares como Louvain, Paris, Roma e Antuérpia. Esses livros foram então contrabandeados de volta para o país. Outros escritores, usando o latim como veículo literário, tiveram que usar cifras se estivessem falando da Irlanda. Quando o Coronel Cathal O’ Kelly escreveu um relato sobre a conquista Williamite da Irlanda em 1691, ele teve que chamá-lo de Macariae Excidum, ou Destruição de Chipre – usando Chipre como a cifra para a Irlanda.

O título Ogygia, portanto, era a cifra de O’Flaherty para a Irlanda e não tem nada a ver com Ogham. Deve-se notar que Ogygia de O’Flaherty foi imediatamente criticado por sua erudição por ilustres como o gaélico escocês Sir George Mackenzie de Rosehaugh (1636-91), Dean of Faculty (1682) em Aberdeen, que estabeleceu a Advocates Library em Edimburgo , que, em 1925, tornou-se a Biblioteca Nacional da Escócia. Por coincidência, a biblioteca continha um texto do século XVI em irlandês chamado ‘Ranna na Aeir’ (Nas Constelações), que mostra algumas das realidades da cosmologia irlandesa. Os argumentos sobre as alegações de O’Flaherty tornaram-se uma controvérsia corrente no século 18, terminando com um livro publicado em 1775 intitulado The Ogygia Vindicatedpor C. O’Connor de Dublin. Nenhum desses argumentos parece ter sido conhecido por Robert.

O’Flaherty havia incluído em sua história o que pretendia ser um ensaio sobre a compreensão do antigo alfabeto Ogham, a mais antiga forma conhecida de escrita irlandesa. Os glifos do alfabeto são representados por um número variável de traços e entalhes marcados ao longo da borda dos monumentos de pedra. Nada sobrevive de Ogham além das inscrições em pedras, embora tenhamos referências a ele sendo escrito em varinhas de madeira, assim como os antigos chineses registraram suas obras escritas anteriores. A grande maioria das inscrições pertence aos séculos V e VI. Das 369 inscrições conhecidas, de longe, o maior número ocorre na província irlandesa de Munster, no sudoeste. Um terço do total é encontrado apenas em Co Kerry.

O’Flaherty, ao listar os caracteres Ogham, afirmou que cada letra foi supostamente batizada com o nome de uma árvore. Este conceito tinha sido geralmente aceito pela Irlanda do século 17 e, como uma autoridade, um trabalho inicial intitulado Auraicept na nÉces (The Scholar’s Primer), reivindicado como uma gramática irlandesa do século 7 escrita por um estudioso chamado Longarad, foi citado. A cópia sobrevivente mais antiga do Auraicept está no Livro de Ballymote , do século XIV . Este foi compilado por Maghnus Ó Duibhgeánáin de Co Sligo em 1390 e, portanto, sete séculos após o Auraicept ter sido originalmente composto.

Agora, Robert Graves, ao examinar o ensaio de O’Flaherty, viu que ele havia traduzido as letras Ogham, com seus chamados nomes de árvores, como 13 consoantes e 5 vogais. No entanto, o original do Livro de Ballymote , que ele não olhou (embora tenha sido publicado pela Royal Irish Academy em 1887), na verdade continha um total de 25 cartas. É verdade, é claro, cinco dessas cartas foram chamadas de forfeda‘letras extras’ inventadas em um estágio posterior e não ocorrendo no início de Ogham. Mas isso ainda deixou um total de 20 letras, 5 vogais e 15 consoantes. No entanto, Robert estava muito feliz com as 5 vogais e 13 consoantes de O’ Flaherty porque ele podia permitir que sua imaginação poética entrasse em ação. Não havia uma referência de que os antigos celtas calculavam seu ano por meses lunares? Isso faria 13 meses. Ele ignorou que isso significaria a adição de uma pequena fração também. Ele foi mais longe. Não havia, na realidade, 13 constelações no zodíaco? Certamente as 13 consoantes significavam não apenas 13 meses, mas também 13 constelações? Os nomes das árvores devem logicamente ser os antigos nomes irlandeses para os meses e para as constelações, não devem? Se Robert pudesse encontrar um meio de colocar suas 13 árvores escolhidas em algum tipo de ordem sazonal, ele poderia ter um calendário de árvore’. Era tão simples. Logo os nomes das árvores, segundo os acólitos de Graves, tornaram-se os nomes das constelações dos signos do zodíaco, correspondendo aos nomes dos meses.

Depois que ele deu esse curioso salto para a escuridão linguística, tudo se seguiu. “Percebi quase imediatamente”, vangloria-se Robert com orgulho, “que as consoantes do alfabeto formam um calendário da magia sazonal das árvores…” (p. 165). Eu acrescentaria – não sem uma incrível flexão da realidade.

Robert ficou tão impressionado com sua própria erudição que imediatamente desconsiderou a então maior autoridade viva em Ogham, o professor Robert MacAlister de Dublin (1870-1950). Entre suas obras está o monumental Corpus Inscriptionem Insularum Celticarum, Stationery Office, Dublin, 2 vols, 1945 e 1949, seu clássico estudo sobre Ogham. Este ainda tem um lugar de destaque na minha estante. Na p.117 de The White Goddess Graves, na verdade, admite o seguinte:

‘Quando recentemente escrevi sobre este assunto ao Dr. MacAlister, como a melhor autoridade viva em Oghams, ele respondeu que eu não deveria levar a sério os alfabetos de O’Flaherty: ‘todos eles me parecem ser artificialidades tardias, ou melhor, pedantismo de pouco mais importância do que as afetações de Sir Pierce Shafton e sua espécie.’ Transmito esta advertência com toda a justiça, pois meu argumento depende do alfabeto de O’ Flaherty… Sinto-me justificado em supor que O’Flaherty estava registrando uma tradição genuína pelo menos tão antiga quanto o século XIII dC.’ ( Meus itálicos são colocados na passagem para sublinhar a enormidade do que Robert Graves fez.)

Um estudioso celta está atordoado, não apenas por sua demissão arrogante da principal autoridade do mundo, mas por sua última frase. Se Robert Graves pensava que a tradição do alfabeto das árvores só remontava ao século XIII dC (o Livro de Ballymote é, na verdade, do final do século XIV), e é precisamente sobre isso que MacAlister o estava alertando, pois não podemos rastreá-lo além dessa época, como ele está conjurando seu uso e reivindicando-o como um calendário místico druídico usado em tempos pré-cristãos?

Presumivelmente, o Dr. MacAlister também deve ter ficado surpreso com o argumento de Robert Graves, porque o próprio avô de Robert Graves, quando presidente da Royal Irish Academy, era a principal autoridade em Ogham. Charles Graves já havia descartado o ‘alfabeto da árvore’ como totalmente espúrio. MacAlister, como todos os estudiosos celtas que se aventuraram no campo Ogham, estava bem ciente do trabalho de Charles Graves e, de fato, MacAlister o cita em seu próprio estudo.

Neste ponto, para entender o paradoxo, temos que olhar para o passado de Robert Graves. Enquanto Robert Graves nasceu em Wimbledon, Londres, em 1895, ele era filho de um eminente escritor e poeta irlandês, Alfred Perceval Graves (1846-1931). Robert tinha um problema de relacionamento com seu pai e era bastante grosseiro sobre sua família paterna irlandesa em sua obra biográfica Good-Bye to All That (Jonathan Cape, 1929). Por outro lado, orgulhava-se de que sua mãe fosse uma von Ranke, de uma família nobre saxã. Pode-se talvez ler algo na linha: “Minha mãe se casou com meu pai, ao que parece, para ajudá-lo com seus cinco filhos órfãos.” AP Graves era viúvo quando se casou com a mãe de Robert e já tinha uma família numerosa. Robert se sentiu um filho negligenciado do segundo casamento.

O pai de Robert se formou no Trinity College, em Dublin, com uma brilhante carreira acadêmica. Doutor em Literatura e membro da Royal Society of Literature. Ingressou no serviço público na inspetoria da educação. Ele tinha uma reputação como poeta e publicou quarenta livros, principalmente sobre folclore e mitologia irlandesa e celta. Toda a família Graves era uma das principais famílias literárias e médicas de Dublin.

O avô Charles Graves (1812-1899) também era graduado e membro do Trinity College, em Dublin. Ele se tornou bispo anglicano de Limerick, mas continuou seus esforços acadêmicos como professor na Trinity e tornou-se presidente da Royal Irish Academy em 1861, bem como membro da Royal Society em 1880. Ele foi professor de matemática no TCD e um autoridade líder em Ogham. Ele era um especialista no antigo sistema de leis da Irlanda, a Lei Brehon, e convenceu o governo de Londres a estabelecer uma Comissão Real para resgatar, editar e traduzir os textos sobreviventes, o que foi feito entre 1865-1901.

Como Robert desdenhava tanto de sua família irlandesa em Good-Bye to All That, seu pai sentiu-se motivado a escrever uma réplica, na forma de sua própria autobiografia, intitulada To Return to All That , que os mesmos editores, Jonathan Cape, publicaram em 1930. Em seu livro AP Graves disse que o trabalho de seu filho ‘Good-Bye to All That’ exige mais correções do que posso enumerar

Talvez, se Robert tivesse um relacionamento melhor com seu pai e família paterna, ele poderia ter evitado os erros grosseiros de A Deusa Branca, pois ele poderia estar mais familiarizado com o trabalho acadêmico de seu avô sobre Ogham. Em 1876, o Dr. Charles Graves contribuiu com um artigo para o jornal acadêmico Hermathena (publicado pelo Trinity College, Dublin) sobre ‘The Ogam Alphabet’. Pela primeira vez, ele apontou que as inscrições ogham sobreviventes haviam sido escritas no início do período cristão e “a teoria pagã extrema não podia mais ser mantida”. Ele examinou as alegações feitas sobre Ogham no Auraicept e os tratados aliados em Ogham (não observados por O’Flaherty), como Duil Feda ind Ogaim (Livro de Letras Ogham) e um segundo texto Duil Feda na Forfid (Livro de Letras Extra). Esses textos apareceram na edição de George Calder de Auraicept na nÉces (Edimburgo, 1917), que Robert supostamente leu e citou.

No ‘Ogham Craobh’, como o Dr. Graves observa ser o ‘Livro das Letras Ogham’, ele apontou que se afirma que o sistema de escrita recebeu o nome de Ogma, o deus do aprendizado e da alfabetização. Neste folheto estão listados os nomes das vinte e cinco letras Ogham. Mas o texto discorda sobre as origens dos nomes. Este texto diz que as letras foram nomeadas em homenagem a vinte e cinco alunos ilustres de Fenius Fearsaidh, o mítico rei da Cítia que, em um conto, era o ancestral dos gaélicos. O segundo texto diz que as vinte e cinco letras receberam o nome de árvores. Dr. Graves apontou que o alfabeto nestes folhetos foi nomeado após as duas primeiras letras (como o alfabeto grego) Bethluis e argumenta que Bethluisnin foi uma afirmação posterior e ele aponta que a palavra ninfoi uma adição artificial à lista.

Já observamos que as letras do Bethluisnin eram todas chamadas de árvores; e não apenas isso, mas diz-se que os nomes das respectivas letras são nomes de árvores e plantas reais. Encontramos esta afirmação em todos os relatos do Bethluisnin, sejam antigos ou modernos. Ele será encontrado, no entanto, para ser incorreto. Ela é válida apenas em relação ao nome de algumas das letras. De vários outros pode-se mostrar com certeza que não são nomes de árvores ou plantas; enquanto o restante só podemos dizer que é possível que tenham tido tal significância.’

Chegaremos ao que esses ‘nomes de árvores’ artificiais significam em breve.

Na edição de 1879 de Hermathena, o Dr. Graves retornou com um artigo ainda mais extenso sobre o Ogam Beithluisnin, ampliando seus argumentos. Seu trabalho final sobre o assunto foi na edição de 1888 de Hermathena ‘On the Ogam Inscriptions’.

Robert Graves certamente sabia que seu avô era uma autoridade em Ogham. Em uma referência em Good-Bye to All That, ele diz (p. 20) ‘ele também era um antiquário e descobriu a chave para a antiga escrita irlandesa de Ogham.’ Claro que isso não era verdade, pois a chave para o script está contida no Livro de Ballymote. Não precisava ser ‘descoberto’.

O’Flaherty, por erro de transcrição, interpretação errônea ou outros meios, acrescentou suas próprias distorções ao texto do século XIV com seus erros linguísticos. Como ele chegou a uma forma de Ogham com cinco vogais e apenas treze consoantes é uma questão em aberto. Mas foram essas treze constantes que constituíram a base da teoria de Robert. Como ele admitiu abertamente em seu livro, sem a interpretação de O’Flaherty de Ogham, ele não teria nenhum caso.

Mais recentemente, o professor Howard Meroney da Temple University, escrevendo em Speculum: A Journal of Medieval Studied (Vol XXIV, 1949) contribuiu com um artigo sobre ‘Early Irish Letter-Names’ no qual ele leva os argumentos escolásticos sobre os nomes das árvores para Ogham um passo mais longe. O professor Meroney observa que “há centenas de anos prevalece uma opinião estranhamente errônea” de que todas as letras receberam nomes de árvores. Essa opinião estranhamente errônea foi, ele aponta, perpetuada pelo Rev. Patrick S. Dineen, ao compilar seu moderno dicionário irlandês Foclóir Gaedhilge agus Béarla em 1927. Felizmente, isso não foi revogado por Niall 0 Dónaill ao compilar o dicionário padrão moderno Foclóir Gaeilge-Béarla em 1977.

O professor Meroney apontou que foi Charles Graves quem começou a atacar a interpretação do nome da árvore e mais tarde foi apoiado por Helmut Arntz em ‘Das Ogam’, em Beitrage zur Gesgichte der deutschen Sprache und Literatur (1935). O professor Meroney reexamina a evidência da versão de Calder de Auraicept na nÉces, que na verdade lista noventa desses alfabetos, a maioria deles simples rearranjos da forma Ogham padrão chamada certogam – Ogham correto (Auraicept 6033). Ele analisa os nomes das árvores e mostra que a maioria são representações sem sentido, como Charles Graves havia afirmado pela primeira vez.

Em 1991, o último trabalho no campo, Um Guia para Ogam pelo Dr. Damian McManus, foi publicado na série Maynooth Monographs No 4. (212 páginas). Isso agora se tornou o trabalho padrão. McManus enfatiza que a forma mais antiga de escrita Ogam compreende um total de vinte caracteres (não dezoito como dado a Robert Graves de O’Flaherty). Eles foram divididos em quatro grupos de cinco. Um quinto grupo posterior de cinco foi incluído na tradição manuscrita, mas não fazia parte do núcleo original e esses ‘caracteres extras’ forfeda foram projetados para acomodar caracteres gregos e latinos ainda não acomodados pelos vinte caracteres existentes.

Os personagens provavelmente receberam nomes no século 14 dC (não antes) para fins de ensino, para que as crianças pudessem reconhecê-los. Não seguirei os Srs. Charles Graves, Arntz, Thurneysen, Meroney e McManus em suas refutações detalhadas do “alfabeto da árvore”, mas apenas me contentarei em dar uma breve olhada no alfabeto de O’Flaherty, pelo qual Robert Graves ficou tão fascinado por causa de sua treze consoantes e daí em diante aderiu a esta versão como se fosse escrita em pedra, ignorando o simples fato de que todas as outras fontes dão 15 consoantes e cinco vogais.

Em primeiro lugar, vamos examinar as 13 consoantes, que os astrólogos modernos do ‘zodíaco da árvore’ tiraram da interpretação de Robert Graves. Três das consoantes de O’Flaherty não são encontradas em Old Irish ou em inscrições originais de Ogham. Estes são F, P e H. F é de formação comparativamente tardia. É comumente protética. B troca com M, P e F, mais tarde F é introduzido para substituir alguns dos sons Bh e Chw. P não é uma letra irlandesa antiga e vem com o latim nas formas médias tardias. H foi introduzido apenas como letra auxiliar para expressar aspiração, evitar hiato e denotar lenição; um ponto foi usado na escrita da escrita irlandesa para denotá-la. Somente em palavras de empréstimo em latim H aparece.

Dos nomes dados por O’Flaherty às letras, e aceitos por Graves sem questionar, ou mesmo tendo conhecimento suficiente para questioná-los, apenas sete correspondem corretamente a nomes de árvores irlandesas antigas. Devemos nos perguntar por que um cavalheiro irlandês do século XVII, que não era um estudioso linguístico, deveria ser considerado uma fonte infalível simplesmente porque era irlandês?

O Dr. McManus ecoa outros estudiosos quando aponta que os vinte caracteres básicos de Ogham não foram todos nomeados com nomes de árvores. Vou limitar os significados dados pelo Dr. McManus às letras que Graves realmente usa, que não são nomes de árvores.

L = Luis (reivindicado como rowan) ou vem de luise (chama, chama) ou lus (planta, erva). Não é colocado em um contexto que torne qualquer derivação confiável. N = Nion ou nin (reivindicado como cinza) é uma bifurcação ou loft. H = Uath (reivindicado como espinheiro) significa horror ou medo. T = Tinne (reivindicado como freixo e às vezes azevinho) significa uma barra, haste de metal, lingote etc. M = Muin (reivindicado como videira) significa pescoço ou garganta. G = Gort (reivindicado como hera) significa um campo. R = Ruis (reivindicado como ancião) é da palavra para vermelho.

Quanto à consoante: M = muin, a videira não era nativa da Irlanda de qualquer maneira, e quando foi introduzida, o irlandês antigo era finchí, uma palavra emprestada do latim vin. A palavra muin era, como afirmado, pescoço ou garganta, que ainda é encontrada no moderno muineál irlandês.

A letra ‘P’ não aparece em irlandês até o início do período irlandês médio, sendo adotada do latim, e é dada por O’Flaherty como P Pethboc, reivindicado como um anão ancião. Claro, pethboc não ocorre nem no antigo nem no início do irlandês médio. Peith-bhóg ocorre no início do irlandês moderno, seja como uma corrupção de uma palavra de empréstimo latina ou, como o professor O’Rahilly afirma, o ‘p’ pode ser um amolecimento moderno de ‘b’ talvez de beithe (bétula). Pelo menos Robert Graves percebeu o fato de que um ‘P’ não poderia existir no início da forma Q-Celtic Goidelic. A famosa identificação das duas formas de Celtic é P em Brythonic e Qem Goidélica. Pelo menos Graves estava atento aos seus Ps e Qs! Mas como ele poderia encaixar P = Pethoc em sua tese? Admitindo que não era uma carta original irlandesa, ele diz (p184) que acredita que simplesmente representava a NG irlandesa e substitui arbitrariamente a forma nGetal reivindicada como um nome do anão ancião.

Curioso e curioso! Esta é uma forma negativa, dativa e vocativa. De acordo com o professor Meroney: A grafia nGetal aponta para um getal original, mas nenhuma palavra desse tipo sobrevive de outra forma em irlandês.’ O Dr. McManus, no entanto, acha que getal era um substantivo verbal de feridas ou matanças . Eu sou da opinião de que este getal ortográfico, no entanto, aponta para um cetal original Já em irlandês antigo um c eclipsado aparece como g-, compare nach gein [– nach n-cein]. E aqui vou discordar do meu erudito colega Dr. McManus porque ele ignora uma palavra em Old Irish gedal (se o dental d for traduzido como t) então temos uma palavra para a planta da vassoura. Em gedal, porém, Robert tem que perder sua ‘cana’ e acaba com uma vassoura. O irlandês antigo para uma cana é cuisle. É desta palavra para cana que obtemos a palavra para um cachimbo e cuisleoir um flautista porque a palheta é o componente básico dos tubos. Acho que mesmo aqueles que não têm uma mente linguística estão se perguntando por que Robert Graves poderia afirmar esse ato de conjuração linguística, mudando o espúrio P = Pethoc = anão ancião, para o igualmente espúrio Ng = nGetal = que ele reivindica como ‘junco’? Seu palpite é provavelmente tão bom quanto o meu.

Podemos continuar e apontar para o G cujo nome de árvore dado por O’Flaherty é supostamente gort = ivy. mas a palavra em irlandês antigo para hera é eidnen e a palavra gort na verdade significa um campo, como dado acima.

Há também imprecisões com as 5 vogais. O’Flaherty and Graves sai com: A = AiIm (reivindicado como pinho ou abeto de prata). Não é atestado de forma alguma. A palavra para um pinheiro é na verdade G = Giúis. 0 = Onn (reivindicado como tojo) é na verdade o freixo enquanto o tojo é A = Aiteann. U = Ur (reivindicado como urze ou mesmo abrunheiro) significa terra, barro ou solo e às vezes como um ramo verde. O irlandês antigo para blackthorn é D = Draogean (aliás, um nome de menina popular na época). Enquanto o U = fráech é a nossa palavra para urze. E = Eadha (reivindicado álamo branco) e I = Idho (reivindicado como teixo) não são atestadas, embora E = Edad nos daria álamo, mas a palavra para teixo é L = Lúr.

Então, vemos que o ‘alfabeto da árvore’ está irremediavelmente confuso e em desacordo consigo mesmo.

Entre os estudiosos celtas, a evidência tem sido clara desde a época do trabalho pioneiro de Charles Graves, de que o ‘alfabeto da árvore’ é um absurdo. Aqui está uma daquelas situações em que a falta de conhecimento da linguagem com a qual Robert Graves estava lidando foi fatal para seu argumento. Se ele conhecesse algum irlandês, ou, na verdade, soubesse do trabalho de seu próprio avô na área, que qualquer estudioso poderia apontar para ele se tivesse se dado ao trabalho de perguntar, ele teria percebido a confusão. Ele errou alegremente.

Ele desconhecia ou, pior ainda, ignorava o fato de que há evidências escritas claras e amplas de como os irlandeses do século VII realmente viam o cosmos, faziam suas observações astronômicas e realizavam interpretações astrológicas. Já indiquei isso em Réalta. Como o calendário celta sobrevivente datava do século I aC. encontrado em Coligny na França em 1897, não estava de acordo com suas teorias, Robert descartou-o como uma invenção romana, afirma ( p166/167): O sistema não tinha nada a ver com os métodos de calendário romano e desde seu primeiro exame em 1897, os estudiosos demonstraram suas origens européias e conexões fascinantes com os métodos de calendário védicos da Índia.

De todas as afirmações e declarações de Robert, o que acho mais preocupante são as citações errôneas em seu trabalho. Provavelmente, ele apenas “levantou” essas citações de seus tradutores questionáveis, mas – talvez o egocentrismo leve a melhor sobre ele – pois ele dá a entender que examinar os originais ou traduções escolásticas. Por exemplo, p.195, ele cita Sanas Chormaic, Cormac’s Glossary, o dicionário irlandês/latino do século 10 de Cormac MacCuileannain (AD 836-908). As duas versões essenciais do texto são a edição de Calcutá de 1868, traduzida e anotada por John O’Donovan e editada por Whitley Stokes (do Mss Codex A no TCD), e a versão editada de 1913 do c. Leabhar Buidhe Lecain do século XIV(Livro Amarelo de Lecan) pelo professor Kuno Meyer. Tenho os dois na minha estante. Verifiquei as quatro linhas de explicação de Robert Graves para Dichetal do Chennaib, usadas para apoiar uma de suas afirmações. Não encontrei esta citação em nenhuma das edições de Sanas Chormaic A citação não existia em Cormac. Isso deixa um ponderando que outras citações errôneas foram feitas.

Quando a edição de 1961 de The White Goddess saiu (eu usei essa edição para minhas referências de página), Robert Graves parecia bastante irritado: em refinar meus argumentos, ou apontar quaisquer dos erros que devem ter se infiltrado no texto, ou mesmo reconhecido minhas cartas.’ Bem, depois da experiência do professor MacAlister em tentar salvar Robert de se fazer de escolástico idiota, por que algum erudito celta deveria perder mais tempo? Ao ignorar o bom conselho do professor MacAlister, Robert demonstrou com tristeza que não estava interessado na verdade, apenas em obter apoio para sua mistura mitológica.

Seria necessário um pequeno volume para enumerar todos os erros, em termos de erudição celta, que Robert Graves cometeu. No entanto, a Deusa Branca ainda mantém um poder extraordinário sobre muitas pessoas. Mais incrível é a ascensão daqueles que afirmam praticar uma ‘astrologia celta’ baseada em suas falsas suposições. Existem muitos mitos modernos sobre os celtas sem essa perversão de suas idéias e sistemas astrológicos. A negatividade crítica nunca é o melhor caminho para a erudição, mas acho que é necessário, pelo menos neste momento, que o mundo astrológico moderno seja advertido contra os proponentes do mito do ‘zodíaco da árvore’.

As realidades são muito mais emocionantes. A cosmologia celta nativa e as formas astrológicas estavam relacionadas às formas védicas em virtude da origem indo-européia comum das duas civilizações. Mas no início da época cristã, o mundo celta rapidamente se converteu à prática de formas greco-romanas de astrologia. A evidência literária é incontestável. No século 12, o aprendizado árabe e a astrologia varreram os países celtas, como aconteceu com a maioria das outras culturas européias, e os celtas continuaram como parte da prática astrológica da Europa ocidental.

Se Robert Graves estivesse realmente interessado nas realidades da cosmologia celta e tivesse prestado atenção aos estudiosos celtas, como MacAlister, antes de começar a pontificar sobre suas teorias, ele teria visto uma incrível riqueza de material disponível que remonta a mais de 1500 anos antes de sua surgiu a referência ao ‘alfabeto da árvore’. É uma ironia que Robert Graves tenha confiado tanto nos românticos galeses que ignoraram que o texto mais antigo sobrevivente em galês antigo, datado do século X, é um texto astronômico no qual o zodíaco é discutido – e mesmo os galeses do século X foram não falando de árvores!

Nosso mais antigo mapa zodiacal irlandês sobrevivente data do século VIII dC. Nossos primeiros textos sobreviventes sobre astrologia e astronomia em irlandês e hiberno-latino datam do século VII. Os celtas gauleses, escrevendo em latim como língua franca, escreveram sobre astrologia muito antes. Repositórios, como o Trinity College, em Dublin, estão repletos de mapas astrológicos, textos e materiais, e isso é apenas a ponta de um grande iceberg linguístico, pois muitos desses textos também sobrevivem em repositórios na Europa, onde os irlandeses do século VII estabeleceram locais monásticos e igrejas e levaram seus vastos empreendimentos literários com eles.

Por que há a necessidade de inventar um sistema astrológico para os antigos celtas quando há evidências tão amplas de um sistema real? A resposta, temo, está no estigma colocado sobre as línguas celtas por seus conquistadores; pois a chave para abrir a porta para esse conhecimento está nas línguas celtas, particularmente o irlandês que abriga o maior repositório de material da área. A maioria das pessoas, mesmo aquelas que agora se apresentam como ‘especialistas’, não estão dispostas a gastar o tempo aprendendo as línguas celtas com suas formas antigas e médias. As pessoas sempre querem uma maneira indolor de colher frutas esotéricas e a Deusa Branca (talvez sem querer) forneceu-lhes esse meio; uma solução rápida, embora apresentando-lhes uma fruta não apenas defeituosa, mas que era uma fabricação completa.

Um grupo de estudiosos celtas tem trabalhado agora nas áreas cosmológicas e astrológicas, acumulando e avaliando as evidências literárias substanciais, das quais dei algumas indicações durante o ano passado. Isso será publicado em breve. Agora é hora de colocar a madeira morta do zodíaco da árvore de Graves no fogo onde ela pertence.

Uma nota sobre o script Ogham

Inscrições em Ogham não são encontradas fora das Ilhas Britânicas, e são predominantemente encontradas em pedras cerimoniais esculpidas no oeste do País de Gales e no sudoeste da Irlanda. Existem certas semelhanças entre os alfabetos ogham e rúnico, ambos com letras feitas com traços retos ramificando-se de uma linha de tronco. e ambos sendo divididos em grupos ou classes de letras.

O alfabeto Ogham é denominado ‘Beth-Luis Nion’, a partir do nome da primeira, segunda e última letras do primeiro grupo. Consiste basicamente em vinte letras divididas em quatro grupos de cinco cada (as 5 letras forfeda foram uma adição posterior).

Alfabeto Ogham

Nota biográfica: Peter Berresford Ellis BA (Hons) MA. NN. FRES é, de acordo com o Times Higher Education Supplement ‘o proeminente erudito celta que agora escreve’. Ele é o autor de trinta livros sobre vários aspectos da cultura e história celta. O destinatário de muitas honras por seu trabalho, ele lecionou em ambos os lados do Atlântico e ocupou e ocupou cargos de destaque em muitos órgãos educacionais celtas.

Similar Posts