Artigos do Portal:
#Constelações e estrelas visíveis na Terra#Ashtalakshmi – As 8 formas de Lakshmi#As Mulheres e o Desenvolvimento das Habilidades Sociais / Soft-Skils#As mais antigas formas de representação do feminino divino (sagrado feminino)#Bete-Seba (Bethsheba), Mãe de Salomão, Esposa do Rei David#Deusas e outras Divindades das Águas#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Maria: Mãe de Jesus#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida (usado como Oráculo e no Horóscopo Celta)#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Astrologia Celta, do Horoscopo Celta – Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Horóscopo Sideral, Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Assuntos Interessantes Uncategorized

Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)

Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (Paquistão)

Mapa do Paquistão mostrando Mehrgarh em relação às cidades de Quetta, Kalat e Sibi e a planície de Kachi do Baluchistão.

 

Mehrgarh ( Balochi : Mehrgaŕh ; Urdu : مہرگڑھ ) é um sitio neolítico (datado de 7000  aC a 2500/2000 aC), que fica na planície de Kacchi no Baluchistão , Paquistão. [1] Mehrgarh está localizado próximo ao Bolan Pass , a oeste do vale do rio Indus e entre as atuais cidades paquistanesas de Quetta , Kalat e Sibi . O local foi descoberto em 1974 por uma equipe arqueológica dirigida pelos arqueólogos franceses Jean-François Jarrigee Catherine Jarrige, e foram escavadas continuamente entre 1974 e 1986, e novamente de 1997 a 2000. Material arqueológico foi encontrado em seis montes e cerca de 32.000 artefatos foram coletados. O primeiro assentamento em Mehrgarh – no canto nordeste do local de 495 acres (2,00 km 2 ) – era uma pequena vila agrícola datada entre 7000 aC e 5500 aC.

Mehrgarh agora é visto como um precursor da civilização do vale do Indo , exibindo toda a sequência desde o primeiro assentamento e o início da agricultura até a civilização madura de Harappan.

 

História 

Mehrgarh é um dos primeiros locais com evidências de agricultura e pastoreio no sul da Ásia .  Mehrgarh foi influenciado pelo Neolítico do Oriente Próximo, [13] com similaridades entre “variedades de trigo domesticadas, fases iniciais de cultivo, cerâmica, outros artefatos arqueológicos, algumas plantas domesticadas e animais de rebanho”. [14] [nota 2]Segundo Parpola, a cultura migrou para o vale do Indo e se tornou a civilização do vale do Indo. [15]

Jean-Francois Jarrige defende uma origem independente de Mehrgarh. Jarrige observa “a suposição de que a economia agrícola foi introduzida em pleno desenvolvimento do Oriente Próximo ao sul da Ásia” [16] [nota 2] e as semelhanças entre os locais neolíticos da Mesopotâmia oriental e o vale do Indo ocidental, que são evidências de uma ” continuum cultural “entre esses sites. Mas, dada a originalidade de Mehrgarh, Jarrige conclui que Mehrgarh tem um histórico local anterior “, e não é um” remanso “da cultura neolítica do Oriente Próximo”. [16]

Localização do site Mehrgarh.

Lukacs e Hemphill sugerem um desenvolvimento local inicial de Mehrgarh, com uma continuidade no desenvolvimento cultural, mas uma mudança na população. De acordo com Lukacs e Hemphill, embora exista uma forte continuidade entre as culturas neolítica e calcolítica (Idade do Cobre) de Mehrgarh, evidências dentárias mostram que a população calcolítica não descende da população neolítica de Mehrgarh, [32] o que “sugere níveis moderados do fluxo gênico “. [32] Eles escreveram que “os descendentes lineares diretos dos habitantes neolíticos de Mehrgarh podem ser encontrados ao sul e leste de Mehrgarh, no noroeste da Índia e na borda ocidental do platô de Deccan”, com Mehrgarh neolítico mostrando maior afinidade com Inamgaon calccolítico, ao sul de Mehrgarh, do que com Mehrgarh calcolítico. [32] [nota 3]

Gallego Romero et al. (2011) afirmam que suas pesquisas sobre tolerância à lactose na Índia sugerem que “a contribuição genética da Eurásia ocidental identificada por Reich et al. (2009) reflete principalmente o fluxo gênico do Irã e do Oriente Médio”. [35] Gallego Romero observa que os índios tolerantes à lactose mostram um padrão genético em relação a essa tolerância, que é “característica da mutação comum na Europa”. [36] Segundo Romero, isso sugere que “a mutação mais comum de tolerância à lactose fez uma migração bidirecional do Oriente Médio há menos de 10.000 anos. Enquanto a mutação se espalhou por toda a Europa,[36] Eles observam ainda que “[a] evidência mais antiga de criação de gado no sul da Ásia vem do vale do rio Indus, em Mehrgarh, e é datada de 7.000 YBP”. [35] [nota 4]

Períodos de ocupação

Os arqueólogos dividem a ocupação no local em oito períodos.

Período Mehrgarh I (7000 aC-5500 aC) 

O período Mehrgarh I (7000 aC-5500 aC) foi neolítico e cerâmico , sem o uso de cerâmica. A agricultura mais antiga da região foi desenvolvida por pessoas semi-nômades que usavam plantas como trigo e cevada e animais como ovelhas , cabras e gado . O assentamento foi estabelecido com edifícios simples de barro e a maioria deles possuía quatro subdivisões internas. Inúmeros enterros foram encontrados, muitos com mercadorias elaboradas, como cestos, ferramentas de pedra e osso, miçangas, pulseiras, pingentes e, ocasionalmente, sacrifícios de animais, com mais bens deixados com enterros de machos. Ornamentos de concha do mar , calcário, turquesa , lápis-lazúli e arenito foram encontrados, além de figuras simples de mulheres e animais. As conchas do mar da costa do mar e dos lápis-lazúli encontrados tão longe quanto os atuais Badakshan , Afeganistão , mostram um bom contato com essas áreas. Um único machado de pedra foi descoberto em um enterro , e vários outros foram obtidos da superfície. Esses eixos de pedra moída são os primeiros a vir de um contexto estratificado no sul da Ásia . Os períodos I, II e III são contemporâneos a outro site chamado Kili Gul Mohammed.

A fase neolítica acerâmica na região agora é chamada de “fase Kili Gul Muhammad” e é datada de 7000-5000 aC. No entanto, o próprio site de Kili Gul Muhammad pode ter começado c. 5500 aC. [38]

Em 2001, arqueólogos que estudam os restos de dois homens de Mehrgarh fez a descoberta de que o povo da civilização do Vale do Indo tinha conhecimento do proto- odontologia desde os primeiros períodos harappeanos. Em abril de 2006, foi anunciado na revista científica Nature que a mais antiga (e a primeira neolítica ) evidência para a perfuração de dentes humanos in vivo ( isto é,em uma pessoa viva) foi encontrada em Mehrgarh. Segundo os autores, suas descobertas apontam para uma tradição de protodontologia nas culturas agrícolas primitivas daquela região. “Aqui descrevemos onze coroas molares perfuradas de nove adultos descobertos em um cemitério neolítico no Paquistão que data de 7.500 a 9.000 anos atrás. Essas descobertas fornecem evidências de uma longa tradição de um tipo de protodontologia em uma cultura agrícola precoce”. [39]

Período de Mehrgarh II (5500 aC – 4800 aC) e Período III (4800 aC – 3500 aC) 

O Período Mehrgarh II ( 5500 aC – 4800 aC ) e o Período Merhgarh III ( 4800 aC – 3500 aC ) eram neolíticos de cerâmica, usando cerâmica e posteriormente calcolíticos . O período II está no local MR4 e o período III está no MR2. [40] Muitas evidências da atividade de fabricação foram encontradas e técnicas mais avançadas foram usadas. Contas de faiança vitrificadas foram produzidas e estatuetas de terracota ficaram mais detalhadas. Estatuetas de fêmeas foram decoradas com tinta e tinham diversos penteados e ornamentos. Dois enterros flexionados foram encontrados no Período II com um ocre vermelho cobertura no corpo. A quantidade de bens funerários diminuiu ao longo do tempo, limitando-se a ornamentos e com mais bens deixados com enterros de mulheres. Os primeiros selos de botão foram produzidos a partir de terracota e osso e tinham desenhos geométricos. As tecnologias incluíam brocas de pedra e cobre, fornos de corrente ascendente , fornos de grandes dimensões e cadinhos de fusão de cobre . Há mais evidências do comércio de longa distância no período II: importante como uma indicação disso é a descoberta de várias contas de lápis-lazúli, mais uma vez de Badakshan. Os Períodos Mehrgarh II e III também são contemporâneos à expansão das populações assentadas das fronteiras no extremo oeste do sul da Ásia, incluindo o estabelecimento de assentamentos como Rana Ghundai, Sheri Khan Tarakai , Sarai Kala, Jalilpur e Ghaligai. [40]

Períodos Mehrgarh IV, V e VI (3500 aC-3000 aC) 

Figura feminina de Mehrgarh; c.3000 aC; [41] terracota ; altura: 9,5 centímetros (3 3 / 4 pol). Parte da tradição neolítica das ‘ estatuetas de Vênus ‘, os abundantes seios e quadris dessa figura sugerem links para fertilidade e procriação. Seu cabelo provavelmente estava pintado de preto; um ocre marrom teria coberto o corpo, e seu colar provavelmente era amarelo. Sua postura sentada, com os braços cruzados sob os seios, é comum em toda a região, assim como seu penteado extravagante

O período IV foi de 3500 a 3250 aC. O período V de 3250 a 3000 aC e o período VI foram de cerca de 3000 aC. [42] O site que contém os períodos IV a VII é designado como MR1. [40]

Período Mehrgarh VII (2600 aC-2000 aC) 

Em algum lugar entre 2600 aC e 2000 aC, a cidade parece ter sido largamente abandonada em favor da cidade maior e fortificada de Nausharo, a oito quilômetros de distância, quando a civilização do vale do Indo estava em seus estágios intermediários de desenvolvimento. O historiador Michael Wood sugere que isso ocorreu por volta de 2500 aC. [43]

Período Mehrgarh VIII 

O último período é encontrado no cemitério de Sibri, a cerca de 8 quilômetros de Mehrgarh. [40]

Estilo de vida e tecnologia 

Os primeiros moradores de Mehrgarh viviam em casas de tijolos de barro, armazenavam seus grãos em celeiros, usavam ferramentas com minério de cobre local e revestiam seus grandes contêineres de cesto com betume . Eles cultivaram seis linhas de cevada , Einkorn e emmer trigo, jujuba e datas , e ovinos arrebanhados, caprinos e bovinos. Os residentes do período posterior (5500 aC a 2600 aC) dedicaram muito esforço ao artesanato, incluindo pregos de pederneira , curtimento , produção de contas e trabalhos com metais . [44] Mehrgarh é provavelmente o primeiro centro agrícola conhecido no sul da Ásia.[45]

O exemplo mais antigo conhecido da técnica de cera perdida vem de um amuleto de cobre em forma de roda de 6.000 anos encontrado em Mehrgarh. O amuleto foi feito de cobre não ligado, uma inovação incomum que mais tarde foi abandonada. [46]

Artefatos 

Deusa Mãe Sentada, 3000–2500 aC. Mehrgarh. [47]

Estatuetas humanas

As figuras de cerâmica mais antigas do sul da Ásia foram encontradas em Mehrgarh. Eles ocorrem em todas as fases do assentamento e prevaleciam antes mesmo do surgimento da cerâmica. As primeiras figuras são bastante simples e não mostram recursos complexos. No entanto, eles crescem em sofisticação com o tempo e em 4000 aC começam a mostrar seus penteados característicos e seios proeminentes típicos. Todas as figuras até esse período eram do sexo feminino. As figuras masculinas aparecem apenas a partir do período VII e gradualmente se tornam mais numerosas. Muitas das figuras femininas estão segurando bebês e foram interpretadas como representações da “deusa mãe”. No entanto, devido a algumas dificuldades em identificar conclusivamente essas figuras com a “deusa mãe”, alguns estudiosos preferem usar o termo “figuras femininas com provável significado cúltico”.[50]

Olaria 

Mehrgarh pintou cerâmica. 3000-2500 aC. [51]

A evidência de cerâmica começa no Período II. No período III, as descobertas se tornam muito mais abundantes à medida que a roda de oleiro é introduzida, e mostram desenhos mais complexos e também motivos de animais. [40] As figuras femininas características aparecem no início do período IV e os achados mostram desenhos e sofisticação mais intricados. Os desenhos de folhas Pipal são usados ​​na decoração do período VI. [52] Algumas técnicas sofisticadas de queima foram usadas nos períodos VI e VII e uma área reservada para a indústria da cerâmica foi encontrada no monte MR1. No entanto, no período VIII, a qualidade e a complexidade dos projetos parecem ter sofrido devido à produção em massa e devido ao crescente interesse pelos navios de bronze e cobre. [42]

Enterros

Existem dois tipos de enterros no site Mehrgarh. Havia enterros individuais onde um único indivíduo era cercado por paredes estreitas de barro e enterros coletivos com paredes finas de tijolos de barro, nas quais esqueletos de seis indivíduos diferentes eram descobertos. Os corpos nos enterros coletivos foram mantidos em uma posição flexionada e colocados de leste a oeste. Ossos de crianças foram encontrados em grandes frascos ou enterros de urna (4000 ~ 3300 aC). [53]

Metalurgia 

As descobertas de metal datam desde o Período IIB, com alguns itens de cobre . [40] [52]

Importância arqueológica 

Mehrgarh agora é visto como um precursor da civilização do vale do Indo . Segundo Ahmad Hasan Dani , professor emérito de arqueologia da Universidade Quaid-e-Azam, em Islamabad , “as descobertas em Mehrgarh mudaram todo o conceito da civilização do Indo . Lá […] temos toda a sequência, desde o início da colonização. vida da aldeia.”

nome alternativo Mehrgahr, Merhgarh, Merhgahr
Localização Dhadar , Balochistan , Paquistão
Região sul da Asia
Coordenadas 29 ° 23′N 67 ° 37′ECoordenadas: 29 ° 23′N 67 ° 37′E
História
Fundado Aproximadamente 7000 aC
Abandonado Aproximadamente 2600 aC
Períodos Neolítico
Notas do site
Datas de escavação 1974-1986, 1997-2000
Arqueólogos Jean-François Jarrige , Catherine Jarrige
Sucedido perto: Indus Valley Civilization

Notas 

  1. ^ As escavações emBhirrana , Haryana, na Índia, entre 2006 e 2009, pelo arqueólogo KN Dikshit, forneceram seis artefatos, incluindo “cerâmica relativamente avançada”, os chamadosutensílios Hakra , datados entre 7380 e 6201 aC. [4] [5] [6] [7] Essas datas competem com Mehrgarh por ser o local mais antigo de vestígios culturais da região. [8]No entanto, Dikshit e Mani esclarecem que esse intervalo de tempo diz respeito apenas a amostras de carvão vegetal, datadas de rádio-carbono em respectivamente 7570-7180 ​​aC (amostra 2481) e 6689-6201 aC (amostra 2333). [9] [10]Dikshit escreve ainda que a fase inicial diz respeito a 14 poços rasos de habitação que “podem acomodar cerca de 3 a 4 pessoas”. [11] Segundo Dikshit, no nível mais baixo desses poços, foi encontrado o Hakra Ware fabricado com rodas, que “não estava bem acabado” [11], juntamente com outros produtos. [12]
  2. Salte para:b De acordo com Gangal et al. (2014), existem fortes evidências arqueológicas e geográficas de que a agricultura neolítica se espalhou do Oriente Próximo para o noroeste da Índia. [13] [17] Gangal et al. (2014): [13] “Existem várias linhas de evidência que apóiam a idéia de conexão entre o neolítico no Oriente Próximo e no subcontinente indiano. O local pré-histórico de Mehrgarh no Baluchistão (Paquistão moderno) é o local neolítico mais antigo de o subcontinente indiano noroeste, datado de 8500 aC. [18] [18]As colheitas domesticadas neolíticas em Mehrgarh incluem mais de 90% de cevada e uma pequena quantidade de trigo. Há boas evidências para a domesticação local de cevada e gado zebu em Mehrgarh [19], [19] [20], [20]mas sugere-se que as variedades de trigo sejam de origem do Oriente Próximo, como a distribuição moderna de animais silvestres. variedades de trigo são limitadas ao Levante do Norte e ao Sul da Turquia [21]. [21] Um estudo detalhado de mapas de satélites de alguns sítios arqueológicos nas regiões do Baluchistão e Khybar Pakhtunkhwa também sugere similaridades nas fases iniciais da agricultura com locais na Ásia Ocidental [22]. [22]Cerâmica preparada pela construção seqüencial de lajes, fogueiras circulares cheias de pedras queimadas e grandes celeiros são comuns a Mehrgarh e a muitos locais da Mesopotâmia [23]. [23] As posturas dos restos esqueléticos nas sepulturas de Mehrgarh têm forte semelhança com as de Ali Kosh , nas montanhas Zagros, no sul do Irã [19]. [19] As estatuetas de argila encontradas em Mehrgarh se assemelham às descobertas em Teppe Zagheh, na planície de Qazvin, ao sul da faixa de Elburz no Irã (7º milênio AEC) e Jeitun no Turquemenistão (6º milênio AEC) [24]. [24]Fortes argumentos foram apresentados sobre a origem do Oriente Próximo de algumas plantas domesticadas e animais de rebanho em Jeitun, no Turquemenistão (pp. 225–227 em [25]). [25]O Oriente Próximo é separado do vale do Indo pelos planaltos áridos, cumes e desertos do Irã e Afeganistão, onde a agricultura pluviométrica é possível apenas no sopé e nos vales do beco sem saída [26]. [26] No entanto, essa área não era um obstáculo intransponível para a dispersão do neolítico. A rota ao sul do mar Cáspio faz parte da Rota da Seda, algumas seções em uso desde pelo menos 3.000 aC, conectando Badakhshan (nordeste do Afeganistão e sudeste do Tajiquistão) com a Ásia Ocidental, o Egito e a Índia [27 ] [27]Da mesma forma, a seção de Badakhshan às planícies da Mesopotâmia (a Grande Estrada Khorasan ) aparentemente funcionava por 4.000 aC e numerosos locais pré-históricos estão localizados ao longo dela, cujas assembléias são dominadas pela tecnologia, formas e desenhos cerâmicos de Cheshmeh-Ali(planície de Teerã) [26] [26]Semelhanças notáveis ​​em estatuetas, estilos de cerâmica e formas de tijolos de barro, entre os primeiros locais neolíticos amplamente separados nas montanhas Zagros, no noroeste do Irã (Jarmo e Sarab), na planície Deh Luran, no sudoeste do Irã (Tappeh Ali Kosh e Chogha Sefid), Susiana (Chogha Bonut e Chogha Mish), o platô central iraniano ( Tappeh-Sang-e Chakhmaq ) e Turquemenistão (Jeitun) sugerem uma cultura comum incipiente [28].[28] A dispersão neolítica no sul da Ásia envolveu de maneira plausível a migração da população ([29] [29] e [25], pp. 231-233). [25] Essa possibilidade também é suportada pelas análises do cromossomo Y e do mtDNA [30], [30] [31]. “ [31]
  3. ^ A pesquisa genética mostra um padrão complexo de migrações humanas. [17]Kivisild et al. (1999) observam que “uma pequena fração das linhagens de mtDNA da Eurásia Ocidental encontradas nas populações indianas pode ser atribuída a uma mistura relativamente recente”. [33] a ca. 9.300 ± 3.000 anos antes do presente, [34] que coincidem com “a chegada à Índia de cereais domesticados noCrescente Fértil ” e “dão crédito à conexão lingüísticasugeridaentre as populações elamita e dravídica”. [34]Singh et al. (2016) investigaram a distribuição de J2a-M410 e J2b-M102 no sul da Ásia, que “sugeriu um cenário complexo que não pode ser explicado por uma única onda de expansão agrícola do Oriente Próximo ao sul da Ásia” [17], mas também observa que “independentemente da complexidade da dispersão, a região noroeste parece ser o corredor para a entrada desses haplogrupos na Índia”. [17]
  4. ^ Gallego Romero e outros. (2011) referem-se a (Meadow 1993): [35] Meadow RH. 1993. Domesticação de animais no Oriente Médio: uma visão revisada da margem oriental. In: Possehl G, editor. Civilização Harappan . Nova Deli (Índia): Oxford University Press e India Book House. p 295-320. [37]

Referências 

  1. “O homem da idade da pedra usou broca de dentista” .
  2. ^ Citar erro: a referência nomeadawhc.unesco.orgfoi chamada, mas nunca definida (consulte a página de ajuda ).
  3. ^ Citar erro: a referência nomeadaMehrgarhfoi chamada, mas nunca definida (consulte a página de ajuda ).
  4. “Os arqueólogos confirmam que a civilização indiana é 2000 anos mais antiga do que se pensava, Jason Overdorf, Globalpost, 28 de novembro de 2012” .
  5. “Vale Indus 2.000 anos mais velho do que se pensava” . 4 de novembro de 2012.
  6. “Os arqueólogos confirmam que a civilização indiana tem 8000 anos, Jhimli Mukherjee Pandey, Times of India, 29 de maio de 2016” .
  7. “História que suas vidas revelam” . 4 de janeiro de 2013.
  8. “O local o mais velho de Harappan de Haryana Bhirrana, o maior de Rakhigarhi Asia: ASI” . Os tempos da Índia . 15 de abril de 2015.
  9. ^ Dikshit 2013 , p. 132, 131.
  10.  Mani 2008 , p. 237
  11. Salte para:b Dikshit 2013 , p. 129
  12. ^ Dikshit 2013 , p. 130
  13. Salte para:c Gangal 2014 .
  14.  Singh 2016 , p. 5)
  15.  Parpola 2015 , p. 17
  16. Saltar para:b Jean-François Jarrige Mehrgarh Neolithic Arquivado em 3 de março de 2016 na Wayback Machine , artigo apresentado no Seminário Internacional sobre os “Primeiros Agricultores em Perspectiva Global”, Lucknow, Índia, 18 a 20 de janeiro de 2006
  17. Salte para:d Singh 2016 .
  18. ^ Possehl GL (1999) Indus Age: The Beginnings. Filadélfia: Univ. Pennsylvania Press.
  19. Salte para:b Jarrige JF (2008) Mehrgarh Neolithic. Pragdhara 18: 136–154
  20. ^ Costantini L (2008) Os primeiros fazendeiros no Paquistão Ocidental: a evidência do assentamento agropastoril neolítico de Mehrgarh. Pragdhara 18: 167–178
  21. ^ DQ mais completo (2006) Origens e fronteiras agrícolas no sul da Ásia: uma síntese de trabalho. J Pré-história Mundial 20: 1–86
  22.  Petrie, CA; Thomas, KD (2012). “O contexto topográfico e ambiental dos primeiros vilarejos do sul da Ásia ocidental”. Antiguidade . 86 (334): 1055-1067. doi : 10.1017 / s0003598x00048249 .
  23. ^ Goring-Morris, AN; Belfer-Cohen, A (2011). “Processos de neolitização no Levante: o envelope externo”. Curr Anthropol . 52 : S195-S208. doi : 10.1086 / 658860 .
  24. ^ Jarrige C (2008) As figuras dos primeiros fazendeiros em Mehrgarh e suas ramificações. Pragdhara 18: 155–166
  25. Ir para:b Harris DR (2010) Origens da Agricultura na Ásia Central Ocidental: Um Estudo Ambiental-Arqueológico. Filadélfia: Univ. Pennsylvania Press.
  26. Ir até:um b Hiebert FT, Dyson RH (2002) Prehistoric Nishapur e fronteira entre a Ásia Central e do Irã. Iranica Antiqua XXXVII: 113–149
  27. ^ Kuzmina EE, Mair VH (2008) A pré-história da Rota da Seda. Filadélfia: Univ. Pennsylvania Press
  28. ^ Alizadeh A (2003) Escavações no monte pré-histórico de Chogha Bonut, Khuzestan, Irã. Relatório técnico, Universidade de Chicago, Illinois.
  29. ^ Dolukhanov P (1994) Ambiente e afiliação étnica no Oriente Médio antigo. Aldershot: Ashgate.
  30. ^ Quintana-Murci, L; Krausz, C; Zerjal, T; Sayar, SH; Martelo, MF; et al. (2001) “Linhagens de cromossomos Y traçam difusão de pessoas e idiomas no sudoeste da Ásia” . Sou J Hum Genet . 68 (2): 537-542. doi : 10.1086 / 318200 . PMC  1235289 . PMID  11133362 .
  31. ^ Quintana-Murci, L; Chaix, R; Spencer Wells, R.; Behar, DM; Sayar, H; et al. (2004). “Onde o Ocidente encontra o Oriente: a complexa paisagem do mtDNA do corredor do sudoeste e da Ásia Central” . Sou J Hum Genet . 74 (5): 827–845. doi : 10.1086 / 383236 . PMC  1181978 . PMID  15077202 .
  32. Salte para:c Coningham & Young 2015 , p. 114
  33.  Kivisild 1999 , p. 1331
  34. Salte para:b Kivisild 1999 , p. 1333
  35. Ir até:c Gallego Romero 2011 , p. 9
  36. Salte para:b Rob Mitchum (2011), tolerância à lactose na região leiteira indiana , ScienceLife
  37.  Gallego Romero 2011 , p. 12)
  38. ^ Mukhtar Ahmed, Paquistão antigo – uma história arqueológica. Volume II: Um prelúdio para a civilização. Amazon, 2014 ISBN 1495941302 p387 
  39. ^ Coppa, A. et al. 2006. “Tradição neolítica inicial da odontologia: as pontas de pederneira eram surpreendentemente eficazes para perfurar o esmalte dos dentes em uma população pré-histórica”. Natureza . 440. 6 de abril de 2006.
  40. Ir-se a:uma f Sharif, H; Thapar, BK (1999). “Comunidades produtoras de alimentos no Paquistão e no norte da Índia” . Em Vadim Mikhaĭlovich Masson (ed.). História das civilizações da Ásia Central . Motilal Banarsidass. 128–137. ISBN 978-81-208-1407-3. Consultado em 7 de setembro de 2011 .
  41. “Figura féminine – Les Musées Barbier-Mueller” . www.musee-barbier-mueller.org .
  42. Salte para:b Maisels, Charles Keith. Civilizações antigas do Velho Mundo . Routledge. 190-193.
  43. ^ Wood, Michael (2005). Em busca das primeiras civilizações . Livros da BBC. p. 257. ISBN 978-0563522669. Recuperado em 20 de maio de 2016 .
  44. ^ Possehl, Gregory L. 1996. “Mehrgarh.” Oxford Companion to Archaeology , editado por Brian Fagan. imprensa da Universidade de Oxford
  45. ^ Prado, Richard H. (1996). David R. Harris (org.). As origens e disseminação da agricultura e do pastoralismo na Eurásia . Psychology Press. 393–. ISBN 978-1-85728-538-3. Consultado em 10 de setembro de 2011 .
  46. ^ Thoury, M .; et al. (2016). “Imagens de alta dinâmica espacial-fotoluminescência revelam a metalurgia do primeiro objeto fundido por cera perdida” . Comunicações da natureza . 7 : 13356. bibcode : 2016NatCo … 713356T . doi : 10.1038 / ncomms13356 . PMC  5116070 . PMID  27843139 .
  47. “MET” . www.metmuseum.org .
  48.  Upinder Singh (2008). Uma história da Índia antiga e medieval: da idade da pedra ao século XII . 130 -. ISBN 9788131711200. Consultado em 10 de setembro de 2011 .
  49. ^ Sarah M. Nelson (fevereiro de 2007). Mundos de gênero: a arqueologia da vida das mulheres em todo o mundo . Rowman Altamira. 77-. ISBN 978-0-7591-1084-7. Consultado em 10 de setembro de 2011 .
  50. ^ Sharif, M; Thapar, BK (janeiro de 1999). “Comunidades produtoras de alimentos no Paquistão e no norte da Índia” . História das civilizações da Ásia Central . pp. 254–256. ISBN 9788120814073. Consultado em 7 de setembro de 2011 .
  51. ↑ “Metropolitan Museum of Art” . www.metmuseum.org .
  52. Salte para:b Upinder Singh (1 de setembro de 2008). Uma história da Índia antiga e medieval: da idade da pedra ao século XII . Pearson Education India. 103-105. ISBN 978-81-317-1120-0. Consultado em 8 de setembro de 2011 .
  53. ^ Dibyopama, Astha; et al. (2015). “Restos esqueléticos humanos de cemitérios antigos na Índia: com referência especial à civilização Harappan”. J-coreano Phys Anthropol . 28 (1): 1–9. doi : 10.11637 / kjpa.2015.28.1.1 .

Fontes

  • Coningham, Robin; Young, Ruth (2015), A Arqueologia do Sul da Ásia: Do Indo a Asoka, c.6500 AEC-200 CE , Cambridge University Press
  • Gangal, Kavita; Sarson, Graeme R .; Shukurov, Anvar (2014), “As Raízes do Próximo Oriente do Neolítico no Sul da Ásia”, PLoS ONE , 9 (5): e95714, bibcode : 2014PLoSO … 995714G , doi : 10.1371 / journal.pone.0095714 , PMC  4012948 , PMID  24806472
  • Kivisild; et al. (1999), “Profunda ancestralidade comum das linhagens de DNA mitocondrial da Índia e da Eurásia ocidental” (PDF) , Curr. Biol. 9 (22): 1331–1334, doi : 10.1016 / s0960-9822 (00) 80057-3 , PMID  10574762 , arquivado no original (PDF) em 30 de outubro de 2005
  • Singh, Sakshi (2016), “Dissecando a influência da difusão demoníaca neolítica no pool de cromossomos Y da Índia através do haplogrupo J2-M172”, Sci. Rep. , 6 : 19157, bibcode : 2016NatSR … 619157S , doi : 10.1038 / srep19157 , PMC  4.709.632 , PMID  2675457
    3

Similar Posts