Artigos do Portal:
#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Bem Estar/Saúde/Nutrição Ginecologia Natural Informações Essenciais Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino

Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher

Ginecologia Natural – Ervas e plantas para as mulheres

“O cultivo da terra, no passado, constituiu uma atribuição feminina. Os homens partiam para a caça e as mulheres cuidavam das sementes e das plantações. Na observação atenta dos processos naturais e cósmicos, as mulheres desenvolveram um conhecimento valoroso sobre seus corpos, ritmos e ciclos, e adotaram hábitos de cuidarem de si mesmas a partir dos recursos da natureza que as envolviam. Por muitos anos o tratamento dos desconfortos da menstruação, da gravidez e da menopausa, bem como a fecundidade, foram de ordem exclusivamente feminina.

Esse conhecimento tradicional das mulheres e de suas práticas terapêuticas com plantas foi sendo substituído, com a modernidade, pela medicação alopática. A menopausa passou a ser vista como doença e até mesmo a menstruação tem sido tratada como inútil, devendo ser “abolida a fim de restabelecer a ordem no corpo”.

Sem dúvida, essa visão vai ressoar na identidade da mulher, e cada vez mais mulheres se sentem incapazes de conviver com suas atribuições, desenvolvendo uma negação de todo o seu feminino.

A fitoterapia na saúde da mulher tem, pois,  um papel fundamental no fortalecimento da prática de cuidados femininos.

Há várias plantas que suavemente podem equilibrar desde os incômodos com a menstruação até as doenças mais comuns, como cisto de ovário e miomas, Além de evitar o uso abusivo de medicamentos repletos de efeitos colaterais, essa prática terapêutica vai contribuir para a independência  cada vez maior da mulher em relação aos serviços de saúde, na medida em que ela passa a compreender melhor sua fisiologia e como lidar com suas alterações.

É recomendável que as plantas amigas da mulher possam ser incorporadas nas indicações de tratamentos das equipes de saúde, bem como no cotidiano da vida das mulheres, para que estas resgatem sua sabedoria sobre seu corpo e sua saúde.”

Saiba quais são as ervas recomendadas para cada caso:

Candidíase

Muito comum e recorrente no consultório, a candidíase infelizmente faz parte da vida de muitas mulheres.

Fungo do gênero Candida estão muito bem adaptados ao corpo humano, por isso colonizam sem produzir sinais de doença em condições de normalidade fisiológica.

Isso mesmo, todas nós, mesmo sem manifestar a doença estamos colonizadas porCandida. O delicado balanço entre nossos “bons” microorganismos e os fungos podem determinar o desenvolvimento da infecção denominada Candidíase.

Existem em torno de 200 espécies de Candida, sendo 17 patogênicas (ou seja, que causam problemas).

A Candida albicans é a causa frequente de infeccções na vagina, na boca, na garganta, e no trato gastrointestinal.

Normalmente a proliferação de fungo no trato gastrointestinal precede as demais, e esse problema muitas vezes afeta diferentes partes do corpo como orgãos, tecidos e células.

As substâncias tóxicas porduzidas por esse fungo podem causar desequilíbrios nutricionais, hipoglicemia, disturbio no sistema de destoxificação, redução da ação do sistema imunológico, processos alérgicos, inflamatórios e auto-imunes.

O que predispõe a síndrome fúngica?

Estresse (mental e emocional), uso indiscriminado de antibióticos, antiinflamatórios, laxantes, antiácidos, corticoesteróides, anticoncepcionais hormonais, são importantes promotores de desequilíbrios da microbiota intestinal.

O que os fungos podem causar?

Gases em excesso, distensão abdominal, constipação, diarréia, boca e garganta seca, aftas, língua branca, enxaqueca, fadiga anormal, ansiedade, sonolência, falha de memória, insônia, fome noturna, hiperatividade, disturbios de concentração, urticária, psoríase, dermatites, escamação, transpiração excessiva, acne, dermatite seborreica, candidíase vaginal, desejo por doce, retenção hídrica, processos alérgicos, artrite reumatóide, fibromialgia, pigarros e etc.

Como tratar?

Não existe um tratamento único, normalmente a abordagem é individual. É interessante o tratamento associado entre possíveis suplementações e a alimentação.

Na fitoterapia temos o óleo de óregano, alho, óleo de coco, cranberry, ipê roxo, gengibre, unha de gato, equinácea.

Na suplementação podemos usar probióticos, omega 3, glutamina, quercitina, acido málico, selênio, magnésio, ferro, zinco, cobre, manganês, molibdênio, vitamina A, E, D, C, complexo B.

Na alimentação devemos priorizar os alimentos mais naturais possíveis, e sempre quando der os orgânicos. Evitamos ao máximo os produtos alimentícios (industrializados), que possuem uma grande quantidade de aditivos químicos. Não ingerir alimentos fontes de fermentação para os fungos, também é um cuidado ao pensar na alimentação: açúcar, lactose, proteinas de dificil digestão (trigo, centeio, cevada, soja, leite), cítricos, uva e maçã, carboidratos refinaados, alimentos que contenham fungos (amendoim, castanhas, nozes, amêndoas, avelãs), frutas secas, vinagre, azeitona, fermento biológico (fermento de bolo).

É muito importante o consumo de frutas, verduras e legumes diariamente para dar suporte nutricional ao corpo, além de uma hidratação constante.

Comumente a menstruação ocorre a cada 28 dias e dura de três a seis dias. Entretanto isto varia de uma mulher para outra. O intervalo entre o 1º dia da menstruação e o 1º dia da outra menstruação é chamado de ciclo menstrual.

A maioria das meninas tem a 1ª menstruação entre 11 e 16 anos.

Menstruações irregulares ou doloridas são comuns na adolescência (até os 18 anos). Isto geralmente não significa que existe algo errado.

Os desconfortos menstruais refletem as desarmonias da vida da mulher, sobrecarregada pela vida agitada, estresse, excesso de preocupações e atividades. As emoções negativas e as dificuldades sexuais influenciam nessa desarmonia, como também a alimentação rica em produtos animais e pobre em vegetais e o uso de álcool e fumo. Isto se traduz em forma de irritabilidade, insônia, angústia, depressão, ansiedade, dor de cabeça, dor nas mamas, náuseas, prisão de ventre, inchaço e cólicas menstruais.

Todos estes sintomas são alerta do corpo de que algo não está andando bem.

A menstruação é uma das possibilidades de reajustamento do organismo. O fígado ajuda nesse processo e por isso, se ele se encontra muito sobrecarregado por toxinas produzidas pela alimentação não-saudável e emoções negativas será difícil a sua eliminação, trazendo prejuízos à saúde da mulher.

Por isso a mulher deve perceber a menstruação como uma possibilidade de equilíbrio constante do organismo, ficando atenta e aprendendo a ouvir e aceitar as suas reais necessidades.

 DISFUNÇÕES DO CICLO MENSTRUAL

o   Ciclos curtos com fluxo excessivo ou normal:
 Plantas  com ação estrogênica e progestogênica, hemostáticas, hepáticas, sedativas e reguladoras de ciclo.
Plantas indicadas: mil em rama, algodão, sálvia,  cavalinha, margaridinha .
Iniciar o uso após o 14º dia do ciclo até ao final do fluxo, durante seis meses.

o   Ciclos longos com fluxos escassos ou normais:
Plantas  com ação estrogênica, reguladoras do ciclo, hepáticas, emenagogas.
Plantas indicadas: artemísia, sálvia, algodão, mentrasto, erva cidreira.
Iniciar o uso após o 14º dia do ciclo até o final do fluxo, durante seis meses.

o   Cólicas  com  fluxo escasso:
Plantas emenagogas, hepáticas, antiespasmódicas, antiinflamatórias, sedativas, diuréticas.
Plantas indicadas: poejo, algodão, menstrasto, Artemísia.
Uso a partir do 20º a 25º dia do ciclo  até o final do fluxo,  por 3 a 6 meses.

 o   Cólicas menstruais e fluxo normal:
 Plantas antiinflamatórias, antiespasmódicas, hepáticas, diuréticas.
Plantas indicadas : algodão, mentrasto, calêndula, erva de macaé.
Uso a partir do 20º ao 25º dia do ciclo durante três a seis meses.

o   Cólicas com fluxo excessivo:
Plantas antiinflamatórias, antiespasmódicas, hepáticas, diuréticas,    hemostáticas
Plantas indicadas :  margaridinha, algodão, mentrasto, mil em rama.
Uso a partir do 20º a 25º dia do ciclo durante três a seis meses.
TENSÃO PRÉ- MENSTRUAL – TPM

o   Objetivo do uso das plantas: aliviar irritabilidade, insônia, retenção de líquido.
o   Plantas  sedativas, diuréticas, hepáticas, depurativas.
Principais plantas: vitex, dente de leão, erva de Macaé, sálvia,  mulungu,  mil  em rama, erva cidreira verdadeira.
Uso a partir do l5º dia do ciclo durante três a seis meses

 TPM com alterações psicoemocionais:
Plantas  tranqüilizantes, hipnóticas.
Plantas indicadas : mulungu, erva cidreira verdadeira,  artemísia , alecrim.
Uso a partir do 15º  dia do ciclo durante três a seis meses.

TPM com retenção de líquido na pré-menstruação:
Objetivo do uso das plantas: aliviar  a mastalgia e demais desconfortos na pré menstruação.
Plantas diuréticas, hepáticas, analgésicas,  progestogênicas.
Plantas indicadas : mil em rama, dente de leão, cavalinha.
Uso a partir do 15º dia do ciclo durante três a seis meses.

TPM com cefaléia recorrente:
Objetivo do uso da planta: aliviar cefaléia relativa a alterações hormonais.
Plantas hepáticas, estomáticas, tônicas do sistema nervoso.
Plantas indicadas: manjericão, alecrim, artemísia,  margaridinha.”

FACILITADORES DO PARTO E PUERPÉRIO

Ameniza a dor do parto:

Atua no amadurecimento  do colo uterino:  sálvia, Artemísia.
Iniciar o uso após 37 semanas completas de gestação.
Uso: TM 30 gotas  três vezes ao dia

Estimula contrações uterinas

Algodão, artemísia, tanchagem, canela, gengibre, noz moscada.
Iniciar após 37 semanas completas de gestação.
Uso: TM 30 gotas três vezes ao dia

Plantas galactogogas

Algodão, funcho, manjericão, dente de leão

Plantas para reduzir o leite

Sálvia, artemísia, salsa, vitex.

 Plantas que diminuem o sangramento pós parto

Algodão, tanchagem, margaridinha.”

A menopausa, assim como a adolescência, é uma passagem da vida reprodutiva da mulher. Esta passagem marca o fim da fase reprodutiva e das menstruações, e é diferente para cada mulher. Ocorre mais freqüentemente na faixa etária de 45 a 55 anos, quando a mulher poderá sentir alguns incômodos, até se acostumar com a nova situação do seu corpo, como ondas de calor, secura vaginal, alterações  psicoemocionais, irregularidades do ciclo ou ausência da menstruação. Para alívio dos sintomas são recomendadas plantas fitoestrogênicas e progestogênicas, sedativas, tônicas, remineralizantes, depurativas, hepáticas, diuréticas, e anti-sudoríparas.

Uso diário uma a três vezes ao dia, três a seis meses

Plantas indicadas: sálvia, artemísia, mil em rama, erva cidreira verdadeira, cavalinha, funcho, vitex, dente de leão.

Fitoestrogênios:

o   São hormônios contidos nas plantas que mimetizam os estrogênios.
o   Fitoestrogênios não são a mesma coisa que os estrogênios do corpo, mas podem ter efeitos benéficos similares.
o   Existem diversos tipos : isoflavonas, flavonas, lignanas, terpenóides.
o   As isoflavonas são as mais potentes e encontradas na soja, oferecem maior proteção óssea e cardiovascular
o   Os terpenóides são encontrados na cimicifuga racemosa e aliviam mais sintomas psíquicos e urogenitais. As flavonas e lignanas são encontradas em cereais, frutas e vegetais.
o   Mecanismo de ação: competem com os receptores de estrogênio que estão presentes  em quase todas as  células do corpo – efeito adaptogênico, modulador ou equilibrador. Por isto podem ser usados  quando há excesso ou carência de estrogênio.
o   Não estimulam o crescimento de tecidos sensíveis ao estrogênio.
o   Estudo em animais mostrou que inibem tumores de mama.
o   Tem atividade antioxidante (previne danos causados às células pelos radicais livres) e antiproliferativa  (previne crescimento anormal das células)

Fitonutrientes

  • Além de proporcionar sabor e valor nutritivo, podem exercer ações terapêuticas, adequando os processos fisiológicos
  • Exemplo: plantas crucíferas, como o brócolis, possuem o fitoquimico índole-3-carbinol, que converte os estrogênios mais perigosos do corpo em variedades mais fracas, reduzindo o risco de câncer
  • O consumo diário dessas plantas está associado à redução do câncer de mama e demais sintomas mamários relativos aos excessos de estrogênio.Sua atividade estrogênica é menor, na faixa de um centésimo
  •      a um milésimo da do estradiol.
  • São encontrados em mais de 300 plantas, dentre elas maçãs, cenouras, aveia, azeitonas, feijões e demais leguminosas, sementes de girassol e outras.
  • A soja e a linhaça são muito ricas nessa substância”

HEMORRAGIA UTERINA
Plantas com ação hemostática, estrogênica e progestogênica, sedativa, hepática, vasoconstritora, adstringente, tônica.
Plantas indicadas: algodão, cavalinha, mil em rama, sálvia, erva de Macaé,   vitex; entre casca do coco da Bahia (chá).
Usar até cessar a hemorragia

MIOMAS

Plantas de ação progestogênica hemostática, antiinflamatória, depurativa, hepática, diurética, antiespasmódica.
Plantas indicadas: erva de Macaé, algodão, cavalinha, mil em rama, erva de bicho, dente de leão, vitex.
Uso diário uma a três vezes ao dia durante três a seis meses

CISTO DE OVÁRIO

Objetivo do uso da planta: controle do cisto de ovário.
Plantas com ação estrogênica, progestogênica, diurética, depurativa, hepática, antinflamatória.
Plantas indicadas:  algodão, cavalinha, sálvia, erva de Macaé.
Uso diário uma a três vezes ao dia durante três a seis meses

CORRIMENTOS

Plantas com ação anti-séptica, antiinflamatória, depurativa, adstringente.
Uso oral : calêndula, tanchagem, cana de macaco,algodão, algodãozinho.
Uso local : calêndula,  barbatimão, manjericão, cana de macaco, hortelã graúdo, algodão.
Uso diário três vezes ao dia durante l5 a 30 dias.

CANDIDÍASE

Corrimento com prurido e ardência sugestivo de cândida.
Uso diário três vezes ao dia durante  l5 a 30 dias.
Oral : erva cidreira verdadeira, calêndula, manjericão,
Local: erva cidreira verdadeira, calêndula,  manjericão., alecrim, alho, açafrão.

CERVICITE

Plantas com ação cicatrizante, anti-séptica, antiinflamatória, adstringente.
Oral: calêndula, tanchagem,  mil em rama, algodãozinho.
Local: barbatimão, hortelã graúdo, mil em rama.
Uso diário três vezes ao dia durante l5 a 30 dias.

 DOR PÉLVICA CRÕNICA

Plantas com ação antiespasmódica, anti-séptica, antinflamatória, laxante,   hepática, depurativa, diurética.
Uso durante as crises três vezes ao dia durante l0 dias.
Plantas indicadas: algodãozinho, dente de leão, mil em rama, mentrasto, folha santa. .”

 
PROTOCOLO  DE  FITOTERAPIA  EM  GINECOLOGIA  E OBSTETRÍCIA
“Orientações para a prescrição
Uso oral:
o   Chá: 100 a 200 ml por dose duas a quatro vezes ao dia
 o   Tintura-mãe (TM): 20 a 50 gotas por dose duas a quatro vezes ao dia
Antes de diluir em água,deixar 15 minutos no copo para evaporar o álcool. Ir reduzindo a dose na medida em que apareça alívio dos sintomas.
Evolução aguda: uso de 10 a 20 dias
Evolução crônica: uso de 20 a 60 dias
Quando do uso prolongado, após alívio dos sintomas, manter a mínima dose diária. As plantas indicadas a seguir podem ser usadas em conjunto ou separadamente, na forma de tintura-mãe ou chá (partes iguais)
Uso local:
 o   Ducha vaginal:
Tintura-mãe – 15ml diluídos em 150ml  de água fervida. Usar seringa descartável de cinco a 10ml ou aplicador ginecológico para  a introdução do líquido na vagina. Fazer o mínimo de ducha, apenas quando exuberância do corrimento e dos sintomas irritativos, no início do tratamento.
Atenção :Na vagina existe uma protetora flora bacteriana que deve ser   preservada. Por isso deve-se aplicar lactobacilos ou coalhada após medicação de uso local.
 o   Curativo vaginal:
Colocar 5ml da tintura-mãe em xícara. Acrescentar 50ml de água fervida ou filtrada.  Mergulhar o tampão vaginal (algodão envolvido em gaze) Introduzi-lo na vagina. Retirar após 12 horas . Repetir a aplicação, se necessário, após 12 horas” “

Fonte:

Fonte1 : http://matricaria.com.br/

(1)Elaboração: Centro de Humanização das Práticas Terapêuticas do Hospital São Pio X-CHPT – Ceres , Goiás, 2006.

Coordenação: Mila Lemos Cintra
Equipe técnica: Evando de Queiroz, Lívia Martins Carneiro, Maria Esther de Albuquerque Vilela, Mila Lmos Cintra,Vitor José de Souza Machado

Referência: http://miriancintra.blogspot.com.br/p/fitoterapia.html

Mais ervas femininas:

Plantas para a saúde feminina. Lembrando que não se descuidem das visitas ao ginecologista, dos exames preventivos e das mamografias periódicas. A Medicina Preventiva é sempre melhor.

Agoniada

Indicação: para inflamações, congestões do útero e ovários, para cólicas menstruais, suspensões menstruais, menstruação irregular, dolorosa e difícil, irritabilidade ocasionada pela TPM, ansiedade, histeria; tem ação anti-inflamatória sobre o útero, e é usada para corrimentos.

Dose: chá das cascas, 5 gramas das folhas em 1 litro de água fervente.  Indicação de até 3 xícaras diárias do chá morno até à cura.

O chá pode ser utilizado para lavagens vaginais e banhos de assento.

Chá das flores em cataplasma nos seios auxilia e estimula a amamentação.

Também pode ser utilizada em Tintura Mãe.

Contra indicação: Gestação e período de amamentação, e não utilizar em crianças.  O uso prolongado pode levar à esterilidade.  Em doses elevadas é tóxica.

Barbatimão

Indicação: para corrimentos vaginais, hemorragias uterinas, flores brancas, feridas no colo do útero, gonorréia, catarro uretral e vaginal, candidíase.

Dose: 1 colher das de sopa das cascas para 1 litro de água morna para lavagens vaginais e banhos de assento.

Também pode ser utilizada em Tintura Mãe.

Para uso interno, 20 gramas da casca em 1 litro de água, de 3 a 5 xícaras por dia.

Contra indicação: Gestação e período de amamentação.  Há relato de que as sementes sejam tóxicas.

Unha de Gato

Indicação: modula o sistema imunológico estimulando e fortalecendo, é estimulante do útero, indicada na candidíase, herpes, doenças urinárias, diurética, para os rins, gonorréia, reumatismo, dores articulares, irregularidade menstrual, tumores, hemorragias, inflamação da vagina.

Também pode ser utilizada em Tintura Mãe.

Dose: chá da casca da raiz, 1 grama da casca para 250 ml de água; tomar 1 xícara, 3 vezes ao dia.

Contra indicação: mulheres grávidas ou que estejam amamentando, crianças menores que 4 anos; pacientes com ou a receber transplantes de órgãos, enxertos de pele, terapia de imunossupressão, usuários de hipotensores, enfermidades auto-imunes, esclerose múltipla e tuberculose.

Efeitos colaterais: pode provocar diarréia, alterar a consistência das fezes e provocar náusea moderada.

Uxi amarelo

Indicações: miomas (caroços), cistos nos ovários, infecção urinária, inflamação uterina, na prevenção do câncer, reumatismo.

Dose: utilizada em Tintura Mãe.

Contra indicação/Efeitos colaterais: não há relatos na literatura de contra indicações, efeitos colaterais, nem de causar dependência.

Associado à Unha de Gato é extremamente eficaz como anti-inflamatório  para o tratamento do mioma, mas é necessário acompanhamento profissional para o ajuste da dosagem terapêutica.

Ipê roxo

Indicações: aumenta a imunidade do organismo, elimina as toxinas, aumenta a quantidade de glóbulos vermelhos, inflamação do útero e vagina, excelente depurativo do sangue, tem ação antibiótica, propriedade antitumoral, tem ação analgésica, cervicites (feridas no colo do útero).

Dose: indicado em Tintura Mãe; em chá, utiliza-se a entrecasca moída, 15 gramas para 1 litro de água; deixar cozinhar por 5 minutos e  tomar 1 xícara morna, 3 vezes ao dia.

O chá também é utilizado para lavagens vaginais e banhos de assento.

Contra indicação: mulheres grávidas e em período de amamentação; pessoas com hipersensibilidade à planta.

Superdosagem: em doses exageradas pode causar anemia e problemas gastrintestinais.

Os banhos e chás de ervas não substituem as consultas periódicas ao ginecologista e a utilização das ervas, para melhor atuação, deve ser feita após resultados de exames preventivos.  Como exemplo, citamos as leucorréias (corrimentos) que têm várias causas, como inflamação, irritação, feridas em colo de útero, doenças sexualmente transmissíveis; assim sendo, para cada causa  uma determinada planta com melhor indicação.

As ervas devem ser EVITADAS nos três primeiros meses de gestação, na lactação e tem ervas que devem ser evitadas durante toda a gestação.

 

Erva de Bugre (também conhecida como Guaçatonga)

Indicação: diurético, emagrecedor, diminuir inchaço (edema) das pernas, auxiliar nos problemas de ovários, estimulante da circulação sanguínea, depurativa (promove a limpeza no organismo),

Dose: chá das cascas do caule tem efeito anti-inflamatório; usado nas duchinhas vaginais, previne inflamações de colo de útero e irritações vaginais; o sumo das folhas é emagrecedor; utilizado no tratamento de herpes, e da sífilis.

Contra indicação: gravidez e aleitamento.

Efeitos colaterais: sensibilidade aos componentes da planta.

Tansagem

Indicação: limpeza das vias respiratórias (para fumantes); é usada em forma de chá como antibiótica, bactericida e anti-inflamatória para infecções nas partes íntimas, em lavagens vaginais e banhos de assento; usada em compressas em dores nos bicos dos seios.

Dose: compressas, banhos e chás, 3 xícaras por dia; também pode ser utilizada sob a forma de tintura.

Contra indicação: a raiz, em excesso, é tóxica.

 

Cordão de Frade

Indicação: usado em casos de retenção de urina, eficaz contra hemorragias uterinas, chás e banhos para acalmar os sintomas da TPM, para as dores reumáticas; é bactericida, sendo recomendado o uso, sob a forma de chá, para lavagens vaginais e banhos de assento.

Dose: banhos, chás – 2 xícaras por dia.

Contra indicação: em pacientes com doenças crônicas do fígado.

Efeitos Colaterais: nos tratamentos prolongados pode causar problemas hemorrágicos devido às cumarinas.

Carobinha

Indicação: em forma de infusão, como diurética, especialmente utilizada no tratamento das afecções urinárias e cutâneas, depurativa, além de externamente ser empregada como cicatrizante; recomendada para banhos de assento, duchas vaginais. Pode ser utilizado em compressas, e em tinturas.

Dose: infusão das folhas, de 1 a 4 xícaras/dia, dependendo do problema

Cavalinha

Indicação: a raiz é diurética, remineralizante, responsável pela redução da flacidez da pele e músculos, principalmente após regimes de emagrecimento; a planta toda é indicada para menstruações excessivas, para tratamento de problemas genitais e urinários, acne, eczemas e feridas.    Compressas, banhos de assento e duchinhas vaginais.

Dose: infuso, 3 xícaras por dia.

Contra indicação: não usar as extremidades floridas.

Efeitos colaterais: não é recomendado o uso por longos períodos.

Malva Rosa

Indicação: acalma os sintomas da TPM e dores no corpo, inflamações da bexiga, da vagina, dos rins, da pele, nas inchações (edemas) das pernas, desinfetante posto sobre feridas e úlceras; faz emagrecer sem prejuízos ao coração.

Dose: compressas, infusão das folhas e tintura.

Contra indicação: não deve ser utilizada por pessoas portadoras de diarréia crônica.

Efeitos colaterais: na dosagem recomendada não produz efeitos colaterais.

Casca de caju

Indicação: é bactericida, indicada nas afecções de útero e irritações vaginais, depurativa, anti-inflamatória, anti-hemorrágica, indicada para menstruação excessiva, duchinhas vaginais e banhos de assentos.

Dose: compressas, infusão das folhas e tintura.

Efeitos colaterais: a castanha em estado fresco pode causar lesões, pois é cáustica.

Aroeira

Indicação: é diurética e emenagoga (provoca a menstruação), é adstringente, indicada para doenças das vias urinárias, anti-inflamatória, antileucorréica.

Dose: chás e uso interno só com acompanhamento terapêutico; banhos de assento e duchinhas vaginais; pode ser utilizada como unguento.

Contra indicação: gravidez e  lactação,

Efeitos colaterais: a planta (folha e casca) pode causar manifestações alérgicas na pele, e a ingestão de frutos pode causar vômitos e diarréia.

Aperta ruão

Indicação: age como diurética, adstringente, tônica do útero, antiinflamatória, antileucorréica.  O chá é diurético, adstringente e indicado para doenças das vias urinárias,na uretrite, utilizada no tratamento da blenorragia, combate hemorragias e em casos de cistite. Em banhos demorados, as folhas têm sido usadas nos casos de queda do útero e no tratamento de hemorróidas.

Dose: Para chás – 15 gramas (2 colheres de sopa) para 1 litro de água, quando a água alcançar fervura, desligue. Tampe e abafe por 10 minutos, coar e beber. Tomar 4 a 5 xícaras por dia.

Chás e uso interno devem ter acompanhamento terapêutico; muito utilizada em banhos de assento e duchinhas vaginais, pode ser utilizada como ungüento.

Contra indicação: período de gravidez e lactação.

Efeitos colaterais: a raiz é considerada tóxica; portanto, deve ser usada com prudência e moderação.

Salvia

Indicação: é fungicida e contém estrógeno, emenagoga (facilita a menstruação) e alivia cólicas, para problemas da mucosa vaginal, para dores de ovário, alivia sintomas da menopausa.

Dose: Infuso – 5 a 10g em 100ml de água fervente por 10 minutos, coar e beber. Tomar 2 a 3 xícaras por dia, após as refeições.

Extrato fluido: de 20 a 60 gotas, 2 a 3 vezes ao dia.

Macerado: 4 g em 100 ml de vinho, deixar por 6 dias, filtrar e tomar 1 cálice pequeno, 2 a 3 vezes ao dia.

Banhos de assento e duchinhas vaginais, 3 a 4 vezes ao dia.

Chás e uso interno devem ter acompanhamento terapêutico.

Tintura: 40 a 50 gotas, 2 horas antes de dormir, ou 3 vezes ao dia.

Contra indicação: contra-indicado para gestantes, pois estimula contrações uterinas, e reduz a secreção láctea de quem estiver amamentando; deve ser evitada por hipertensas.

Efeitos colaterais: não deve ser tomada em grandes doses por períodos muito longos.

Artemísia

Indicação: estimula o útero e provoca a menstruação, alivia cólicas e enxaquecas de origem menstrual, alivia sintomas da menopausa, para o tratamento da leucorréia, regula o ciclo menstrual, combate problemas de ovário.

Dose: Infuso – a dose diária máxima do infuso é de 2 xícaras.

Extrato fluido: de 20 a 60 gotas, 2 a 3 vezes ao dia.

Tintura: 40 a 50 gotas, 2 horas antes de dormir, ou 20 gotas 3 vezes ao dia.

Contra indicação:  gestantes, pois estimula contrações uterinas.

Efeitos colaterais: não deve ser tomada em grandes doses e por períodos muito longos.  Melhor não utilizar a planta fresca porque possui componentes tóxicos.

Calêndula (flores)

Indicação: facilita a menstruação, antiinflamatório e antialérgica, antitumoral, pode ser utilizada para miomas, regulariza a menstruação, grande poder cicatrizante, usada em feridas, regenera tecidos, utilizada contra fungos e bactérias.

Dose: Infuso – 5 a 10g em 100 ml de água fervente, durante 15 minutos, coar e tomar, a dose diária é de 2 a 3 xícaras.

Extrato fluido: de 14 a 24 gotas, 3 a 4 vezes ao dia.

Tintura: 20 gotas, 3 vezes ao dia.

Macerado: 10g em 100 ml de vinho branco, deixar durante 5 dias; filtrar e tomar 3 vezes ao dia.

Essência: de 2 a 4 gotas, 3 vezes ao dia.

Tintura oleosa: 20g em 100ml de óleo de oliva, aquecendo em “banho-maria” durante 2 horas, em fogo bem baixo.  Filtrar e utilizar para massagens nas áreas doloridas.

Pomada: cicatrização de feridas.

Contra indicação: gestantes e lactantes.

* As flores podem ser usadas frescas ou secas, as folhas devem ser utilizadas frescas, pois quando secam perdem seus princípios ativos.

Lithotanium

Indicação: Osteoporose, TPM, menopausa, deficiência capilar e unhas, acelera a recuperação de fraturas e no pós-operatório, gestação.

Dose: pó – 1,5 g ao dia, de 2 a 3 doses.

Contra indicação: deve ser evitado por doentes renais agudos e crônicos.

Efeitos colaterais: devido ao magnésio pode provocar certo efeito laxante, em algumas pessoas.


ALECRIM
(Rosmarinus officinalis)

Parte utilizada: folhas e sumidades floridas.

Princípios ativos: óleo essencial (pineno, canfeno, borneol, cineol), taninos, alcalóides, saponinas, flavonóides e ácido rosmarínico.

Propriedades:  cardiotônico, antiespasmódico, estimulante geral, hipertensor, estomáquico, anti-séptico pulmonar e béquico, carminativo, colagogo, colerético, emenagogo, anti-reumático, diurético.

Superdosagem: em doses elevadas provocam irritações gastrintestinais, o uso prolongado pode ocasionar gastroenterites e nefrite.

Efeitos colaterais: em doses elevadas pode provocar gastroenterite e nefrite.

Toxicologia: não se recomenda o seu uso interno para gestantes, prostáticos e pessoas com diarréia.

Contra indicações: a essência de alecrim pode ser irritante para a pele; não é indicado em altas doses por via oral, pois é abortivo.

Precauções: o uso à noite pode alterar a qualidade do sono, não usar durante a gravidez. 

Interações: junto com aveia, cola e verbena para as depressões; com sálvia, gelsemium e valeriana nas dores de cabeça.

Indicações: estimulante digestivo, atonia estomacal, esgotamento cerebral, excesso de trabalho, depressão leve,para falta de apetite (inapetente), azia, problemas respiratórios, debilidade cardíaca, cansaço físico e mental, hemorróidas, efeito hepatoprotetor, afecções reumáticas e articulares, colecistite crônica e hepatite, amenorréia, dismenorréia e oligomenorréia, ação anti-séptica inibe o crescimento de Salmonela, Escherichia e Estafilococus.


ALGODÃO
(Gossypium hirsutum)

Parte utilizada: folhas, flores, sementes e casca da raiz.

Princípios ativos: gossipol, celulose, substâncias gordurosas, ceras, resinas, pectinas, minerais, ácidos palmítico, esteárico e pectínico).

Propriedades: essência, tanino, amido e betaína.

Efeitos colaterais: infertilidade masculina.

Contra indicações: gravidez, para homens em idade fértil, possui atividade antifertilizante masculina.

Precauções: evitar o uso prolongado.  

Indicações: lactantes, hemorragias uterinas, dores nas articulações, furúnculos, helmintíases, tosses catarrais, dismenorréia, amenorréia.

ARRUDA (Ruta graveolens)

Parte utilizada: olhas 

Princípios ativos: óleo essencial nas raízes (pineno e limoneno), flavonóides (rutina e herperidina), cumarinas (chalepeusina e graveliferona), alcalóides (rutalinium, rutalidina, rutacridona e rubalidina), furocumarina.

Propriedades: emenagoga, sudorífica, anti-helmíntica, anti-hemorrágica, abortiva, carminativa, anti-espasmódica, diaforética e estimulante.

Superdosagem: a ingestão excessiva pode ser perigosa, podendo causar hemorragias graves.  

Efeitos colaterais: hemorragias.

Contra indicações: não deve ser usada internamente em pessoas grávidas ou por pessoas de pele sensível em uso externo.

Precauções: não utilizar sem orientação por causa dos princípios tóxicos; durante a gestação, a arruda tem efeito especial sobre o útero, aborto e à morte sem que haja parto.   

Indicações: reumatismo, nevralgias, dismenorréia e menorragias, hipertensão, verminoses, incontinência urinária, flatulências.

MALVA (Pelergonium graveolens)

Parte utilizada: parte aérea

Princípios ativos: mucilagens (penoses, hexoses, ácido galacturônico); ácidos fenólicos (clorogênico, cafeico, cumarínico); antocianinas (malvina, malvidina); flavonóides, taninos, vitamina A, B1, B2, C, oxalato de cálcio, resinas, aminoácidos (lisina e leucina).

Propriedades: antiinflamatória, emoliente, demulcente, adstringente, béquica, laxativa, vulnerária, cicatrizante, lenitiva.

Precauções: recomenda-se fazer a extração das mucilagens a frio.

Interações: associada a camomila e tansagem para compressas na pele.

Indicações: tosse, calmante, inflamação da garganta e do ouvido, inflamações ovarianas, colo do útero, vaginites, cistite e nefrite.

ERVA-DE-BICHO (Poligonum sp.)

Parte utilizada: parte aérea, toda a planta

Princípios ativos: flavonóides (quercitina, persicarina, persicariol, compostos fenólicos, iso-hametina e luteolina), antocianinas, taninos, ácidos (fórmico, acético, valeriano, gálico, butírico e acético), fitosterina, açúcares, antraquinonas livres, saponinas, perlagonidina.

Propriedades: estimulante, tônica, adstringente, vasoconstritora, hemostática, diurética, sedativa, antiinflamatória, anti-reumática, antitérmica, vermicida, anti-hemorroidal.

Superdosagem: evitar doses acima das recomendadas.

Efeitos colaterais: apresenta efeito emenagogo e abortivo.

Contra indicações: para crianças e gestantes (é abortiva) e durante a menstruação.

Precauções: crianças e gestante não devem fazer uso.

Interações: associada à aroeira para ulceração nas pernas.

Indicações:  contra úlceras, febres, retenção urinária, contra úlcera, diarréias sanguíneas, congestões cerebrais, hemorróidas, reumatismo, erisipela, artrite (uso externo), hemorragias internas, varizes e varicosas, afecções urinárias, fibromas uterinos, raciocínio dificultado.


MIL-EM-RAMA
(Achillea millefolium)

Parte utilizada: parte aérea (caule, folhas e sumidades floridas)    

Princípios ativos: óleo essencial contendo azulenos, derivados terpênicos e sesquiterpênicos, lactonas, flavonóides, taninos e glicosídeos amargos.  

Propriedades: antiespasmódico, estomáquico, expectorante, adstringente, hemostática, vulnerária, lenitiva, carminativa, antiinflamatória, antisséptica, tônica, refrescante, anticaspa, hipotensiva, diaforética, antipirética.

Superdosagem: o uso abusivo sobre a pele pode torná-la sensível à luz.  

Efeitos colaterais: pode causar irritação dérmica e ocular, dores de cabeça e vertigem; as áreas em contato com o suco da planta fresca podem desenvolver fotossensibilidade.

Contra indicações: sensibilidade à planta.

Precauções: pessoas sensíveis podem desencadear reações alérgicas com o uso prolongado, nestes casos descontinuar o uso. Ação tóxica em animais domésticos.  

Interações: de acordo com os efeitos desejados pode ser combinada com outras plantas.  Em espasmos gástricos e uterinos com distúrbios circulatórios pode ser associado com angélica, camomila, calêndula, verbena e tília.  Em inflamações gastrintestinais pode associar com angélica, camomila, hipérico e melissa.  Como vulnerário usa-se com arnica, bardana, calêndula, cavalinha e hipérico.  Como febrífugo pode ser associado ao sabugueiro e a Hortelã.  Nas tromboses coronarianas pode ser associada à urtiga e ao trevo-amarelo.

Indicações: distúrbios digestivos, dispepsia, úlceras internas,  varizes, cólicas menstruais, amenorréia, celulite, hemorróidas, inflamações gástricas e intestinais, associadas eventualmente a problemas biliares,  espasmos gastrintestinais e uterinos relacionados à distúrbios circulatórios, estimulante do apetite em casos de anorexia; tromboses cerebrais e coronarianas; condição febril, resfriado comum e problemas digestivos.

Fonte: http://www.terapiadecaminhos.com.br/

Ervas e plantas para as mulheres

 

 

……..

Nos níveis profundos de nossos programas – da Escola Divina Feminina  – trabalhamos com a Genecosofia Integrativa e Ancestral Feminina que integra a Naturosofia Ancestral Feminina

Similar Posts