SIGNOS E CONSTELAÇÕES 


Fonte: Editado de http://www.casadaciencia.ufrj.br/

          Chamamos de signo as constelações zodiacais por onde o Sol transitava em 134 a.C., quando o grande astrônomo grego Hiparco, inspirado em um sistema de origem babilônica, dividiu essa região do céu em 12 partes iguais, de 30 graus cada.          Chamamos de constelação as constelações zodiacais por onde o Sol transita atualmente, de acordo com a União Astronômica Internacional.

           O signo e a constelação de mesmo nome diferem, principalmente, devido à precessão dos equinócios que faz com que o eixo de rotação terrestre gire em um período de cerca de 26.000 anos.

 

 

           PEIXES
Signo: 20 de fevereiro a 20 de março;
Constelação: 12 de março a 17 de abril.

           O ponto vernal ou ponto gama é uma das interseções, no céu, do plano do Equador Celeste com o plano da órbita aparente do Sol em torno da Terra (plano da eclíptica). No dia em que o Sol se encontra nesse ponto, perto de 21 de março, vindo do Hemisfério Sul para o Hemisfério Norte, inicia a primavera no Hemisfério Norte e o outono no Hemisfério Sul.

           Desde 64 a. C., o ponto vernal se encontra na constelação de peixes.

           Os babilônios os assírios e os persas representavam por dois peixes as estrelas dessa região do céu. Para os egípcios a constelação registrava a aproximação da primavera e da estação da pesca.

          Suas principais estrelas são:
Alrischa (Alpha Piscium). A medula espinhal, nome árabe. Representa o ponto de onde saem os dois peixes.
Gamma Piscium (Gamma piscium). Atualmente, o ponto vernal está perto dessa estrela. Representa a cabeça de um dos peixes.
Alpherg (Eta piscium), Representa o início da cauda do outro peixe.

voltar ao topo

           ÁRIES
Signo: de 21 de março a 20 de abril.
Constelação: 18 de abril a 12 de maio.

           Em 134 a.C., inspirado em um sistema de origem babilônica, o grande astrônomo grego Hiparco dividiu as constelações zodiacais em 12 partes iguais, de 30 graus cada.

           Foram os babilônios que adotaram o signo de Áries para marcar o início do ano pois de 1823 a.C. a 54 a.C., o Sol se encontrava nessa constelação, no equinócio da primavera. Por esse motivo os signos astrológicos têm sua origem em Áries.

           A constelação representa apenas a cabeça e os chifres do carneiro, visto de frente.

           Suas principais estrelas são:
Hamal (Alpha Arietis), significa Carneiro, em árabe. Localiza-se no chifre direito do Carneiro.
Sheratan (Beta Arietis), os dois signos, também em árabe, designava o conjunto de estrelas, formado por Sheratan e Mesarthim. Fica no chifre esquerdo.
Mesarthim (Gamma Arietis), o ministro, em Hebreu. Localiza-se na orelha esquerda do Carneiro.

voltar ao topo

           TOURO
Signo: 21 de abril a 20 de maio.
Constelação: 13 de maio a 20 de junho.

          É mais antiga de todas as constelações e talvez a primeira a ser delimitada pelos babilônios, que a utilizaram para marcar o início do ano, pois o equinócio da primavera, de 4.455 a.C. a 1.823 a.C., localizava-se nela.

           A constelação representa somente as partes dianteiras do corpo do Touro.

           Os belos aglomerados estelares das Plêiades e das Híades fazem parte dessa constelação.

           O ano começava com o nascer helíaco das Plêiades na primavera.

           O nascer helíaco da Híades, era associado à estação da chuva – donde a origem do seu nome, que significa “chover”. As estrelas das Híades, distribuídas em forma da letra V, representam o nariz do Touro.

           O nome árabe de suas principais estrelas são:
Aldebaran (Alpha tauri), significa “Aquele que vem depois da Estrela da Água”, isto é, das Plêiades. Localiza-se no olho direito do Touro.
Alnath (Beta tauri), a viagem (feita pelo Touro). Fica na ponta do chifre esquerdo.
Ain (epsilon tauri), o olho. Representa o olho esquerdo do Touro.

voltar ao topo

           GÊMEOS
Signo: 21 de maio a 20 de junho.
Constelação: 21 de junho a 19 de julho.

           Atualmente, o Sol se encontre em Gêmeos no início do verão no Hemisfério Norte e início do inverno no Hemisfério Sul.

           A constelação representa dois irmãos gêmeos.

           A origem desta constelação prende-se à coincidência de estar o sol nesta região do céu no período posterior às inundações do Nilo, precedendo à época da germinação e anunciando a fecundidade. Antes era representada por dois brotos de plantas.

           O nome latino de suas principais estrelas são:
Castor (Alpha geminorum), um dos filhos gêmeos de Leda, esposa de Tíndaros, rei de Esparta, é a estrela mais brilhante desta constelação, localiza-se na sua cabeça.
Pollux (Beta geminorum), irmão gêmeo de Castor, também localiza-se na cabeça.

voltar ao topo

          CÂNCER
Signo: 21 de junho a 21 de julho.
Constelação: 20 de julho a 09 de agosto.

           Para os habitantes do Hemisfério Norte, quando o Sol se encontrava em Áries no equinócio da primavera, ele se encontrava em Câncer no solstício de verão. Daí a denominação dada pelos geógrafos de Trópico de Câncer à linha que passa a 23,5o ao norte do Equador.

          Alguns autores associam essa constelação com o movimento do Sol no solstício de verão, isto é, com o modo de andar do Caranguejo (ida e volta).

           Os nomes árabes de suas estrelas mais brilhantes são:
Acubens (Alpha Cancri), as Garras do Caranguejo. Fica na garra esquerda do caranguejo.
Altarf (Beta Cancri), o Fim. Indica a extremidade do pé esquerdo do Caranguejo.

voltar ao topo

           LEÃO
Signo: 22 de julho a 22 de agosto.
Constelação: 10 de agosto a 15 de setembro.

          Umas das primeiras constelações conhecidas dos Babilônios que associavam o Leão ao Sol que se encontrava neste signo no solstício do verão, na época em que ela foi instituída.

          Suas estrelas principais são:
Regulus (Alpha leonis), O Pequeno Rei, do latim. Localiza-se no peito do leão.
Denebola (Beta leonis), A Cauda do Leão, nome árabe para designar esta estrela que localiza-se no fim da cauda do leão.
Algieba (Gamma leonis), A Testa do Leão. Nome de origem árabe para designar esta estrela apesar de ela se situar no ombro do leão.
Zosma (Delta leonis), A Cintura. Denominação grega para designar o início da cauda do leão.

voltar ao topo

           VIRGEM
Signo: 23 de agosto a 22 de setembro;
Constelação: 16 de setembro a 30 de outubro;

           O ponto balança ou ponto omega é uma das interseções, no céu, do plano do Equador Celeste com o plano da órbita aparente do Sol em torno da Terra (plano da eclíptica). No dia em que o Sol se encontra nesse ponto, perto de 23 de setembro, vindo do Hemisfério Norte para o Hemisfério Sul, inicia o outono no Hemisfério Norte e a primavera no Hemisfério Sul.

           Atualmente, ele se encontra na constelação da Virgem, perto de seu ombro esquerdo.

           No vale do Eufrates, a constelação da Virgem simbolizava a Deusa Istar, filha do céu e rainha das estrelas. Representada com uma espiga na mão, constituía o símbolo da fertilidade.

           As suas principais estrelas são:
Spica (Alpha virginis), espiga. Nome latino. Ela fica no joelho esquerdo da Virgem.
Zavijava (Beta virginis) Fica no ombro esquerdo.
Porrima (Gamma virginis), nome latino da Deusa da profecia. Representa o lado esquerdo da cintura da Virgem.
Vindemiatrix (epsilon virginis), a Vindimadora. Nome de origem latina.
Heze (zeta virginis) Joelho direito da Virgem.

voltar ao topo

           LIBRA
Signo: 23 de setembro a 22 de outubro.
Constelação: 31 de outubro a 22 de novembro.

           Para os habitantes do Hemisfério Norte, quando o Sol se encontrava em Áries no equinócio da primavera, ele se encontrava em Libra no equinócio do outono, no chamado ponto balança ou omega.

          Tendo em vista que nos equinócios os dias e as noites são de igual duração talvez tenha sido essa a origem do nome desta constelação que é a única zodiacal que não representa um ser vivo.

          As suas principais estrelas são:
Zubenelgenubi (Alpha librae), Garra do Sul. Designação Árabe para designar a garra sul do caranguejo. Localiza-se no braço direito da balança.
Zubenelshamali (Beta librae), a Garra do Norte. Designação Árabe para designar a garra norte do caranguejo. Localiza-se entre os dois braços da balança.
Zubenelhakrabi (Gamma librae), significa a garra do escorpião, em Árabe. Localiza-se no braço esquerdo da balança.

voltar ao topo

          ESCORPIÃO
Signo: 23 de outubro a 21 de novembro.
Constelação: 23 de novembro a 28 de novembro;

          Segundo alguns autores, a origem da constelação do Escorpião deve associar-se às secas e às pragas que assolavam o Egito quando o Sol se encontrava naquela região do céu.

          Desde a mais remota antigüidade, esta região do céu foi representada pelos gregos, latinos, árabes e persas pela figura de um escorpião. O equinócio do outono, em 3000 a.C., localizava-se nessa constelação, quando este asterismo foi constituído.

           Suas estrelas principais são:
Antares (Alpha scorpii), a rival de Marte. Nome de origem latina que registra a rivalidade dos dois objetos mais avermelhados do céu. Na Pérsia, Antares era uma das quatro “Estrelas Reais”, uma das guardiãs do céu e, naquela época, indicava o início do outono. Ela representa o coração de Escorpião e, naturalmente, sabemos que essa alegoria é falsa pois os aracnídeos não possuem coração.
Dshubba (delta scorpii), a fronte. Nome Árabe que designa a fronte do Escorpião.
Shaula ( lambda scorpii), nome árabe que designa esta estrela situada na ponta da cauda do Escorpião.
Sargas (Teta Scorpii) Cavalo teimoso, nome de origem persa. Localiza-se no meio da cauda do Escorpião.

voltar ao topo

           OFÍUCO
Signo: Não existe.
Constelação: 29 de novembro a 16 de dezembro.

          A décima terceira constelação zodiacal representa o médico portador de serpente, identificado como Serpentário, Asclépio ou Esculápio.

           Suas principais estrelas são:
Rasalhague (Alpha ophiuchi) A cabeça do Serpentário. Nome árabe.
Cabalrai (Beta ophiuchi) Representa o ombro esquerdo.
Yed Prior ( delta ophuichi) Mão anterior, origem latino-árabe.

voltar ao topo

          SAGITÁRIO
Signo: 22 de novembro a 21 de dezembro.
Constelação: de 17 de dezembro a 18 de janeiro.

           Atualmente, o Sol se encontra nessa constelação quando começa o inverno no Hemisfério Norte e o verão no Hemisfério Sul.

           No Egito essa constelação era representada como um Centauro alado, galopando para o ocidente e trazendo um longo chapéu, com um arco esticado, a fim de arremessar uma flecha no corpo de Escorpião.

           Suas principais estrelas são:
Rukbat (Alpha sagittarii) O joelho do arqueiro, nome árabe. Fica perto da pata direita do cavalo.
Kaus Meridionalis (Delta sagittarii) Meio do arco, expressão árabe.
Kaus Borealis (Lambda sagittarii) Norte do arco. Fica na parte de cima do arco.
Kaus Australis (Epsilon sagittarii) Sul do Arco. Fica na parte de baixo do arco.
Nunki (Sigma sagittarii) Peito, nome árabe para localizar o peito do arqueiro.
Ascella (Zeta sagittarii) Axila, designação latina.

voltar ao topo

          CAPRICÓRNIO
Signo: 22 de dezembro a 20 de janeiro;
Constelação: 19 de janeiro a 15 de fevereiro;

          Para os habitantes do Hemisfério Norte, quando o Sol se encontrava em Áries no equinócio da primavera , ele se encontrava em Capricórnio no solstício de inverno. Daí a denominação dada pelos geógrafos de Trópico de Capricórnio à linha que passa a 23,5o ao sul do Equador.

           O nome dessa constelação foi dado pelos caldeus e babilônios devido à associação com as cabras que desciam das montanhas com a chegada do inverno.

           Suas principais estrelas são:
Al Giedi (Alpha Capricorni) A Cabra, nome árabe dessa constelação. Localiza-se no olho esquerdo da Cabra.
Dabih (Beta Capricorni) Carniceiro, expressão árabe. Localiza-se no início da boca da cabra.
Deneb Algied ( Delta Capricorni) A cauda da Cabra.

voltar ao topo

          AQUÁRIO
Signo: 21 de janeiro à 19 de fevereiro;
Constelação: 16 de fevereiro a 11 de março;

          Desde as mais remotas eras essa constelação foi associada à água, pois o Sol passava nessa região do céu durante as estações da chuva nos meses de Fevereiro. Na Babilônia ela representava a figura de um homem, o aguadeiro, a derramar água de um vaso sobre um pequeno peixe, o Peixe Austral. Representa um aguadeiro de costas.

           Suas principais estrelas são:
Sadalmelik (Alpha Aquarii) O talismã do Rei, expressão árabe. Fica no ombro esquerdo.
Sadalsud (Beta Aquarii) Boa sorte, em árabe. Localiza-se no ombro direito.
Skat ( Delta Aquarii) Decisão, em árabe. Fica na perna esquerda.
Albali (Epsilon Aquarii) O Sorvedouro, designação árabe para a estrela situada na mão direita do aguadeiro.