Estrelas no Centro Galáctico

Fonte: https://apod.nasa.gov/

Estrelas no Centro Galáctico

 

O centro da nossa Galáxia da Via Láctea está escondido dos olhos curiosos dos telescópios ópticos por nuvens de poeira e gás obscuros. Mas, nesta vista deslumbrante, as câmeras de infravermelho do Spitzer Space Telescope penetram grande parte da poeira, revelando as estrelas da região do centro galáctico lotado. Um mosaico de muitos instantâneos menores, esta imagem detalhada e de cor falso mostra estrelas mais antigas e legais em tons azulados. As nuvens de poeira incandescentes e avermelhadas estão associadas a estrelas jovens e quentes em viveiros estelares. O centro galáctico fica a cerca de 26.000 anos-luz de distância, em direção à constelação de Sagitário. A essa distância, esta imagem abrange cerca de 900 anos-luz.

Crédito de imagem: NASA, JPL-Caltech, Susan Stolovy (SSC / Caltech) et al.

Atualizado: 7 de agosto de 2017
Editor: NASA Content Administrator

 

Imagem de astronomia do dia – 2016 17 de janeiro
Veja Explicação. Ao clicar na imagem, será baixada a versão de resolução mais alta disponível.

O Centro Galáctico em 
Crédito de Imagem de Infravermelho Projeto 2MASS , UMass , IPAC / Caltech , NSF , NASA
Explicação: O centro da nossa galáxia é um lugar ocupado. Na luz visível , grande parte do Centro Galáctico é obscurecido por poeira opaca . Na luz infravermelha , no entanto, o pó brilha mais e obscurece menos, permitindo que cerca de um milhão de estrelas sejam gravadas na fotografia em destaque . O próprio Centro Galáctico aparece à esquerda e está localizado a cerca de 30.000 anos-luz de distância em direção à constelação do Arqueiro (Sagitário). O Plano Galáctico da Galáxia da Via Láctea , o avião em que o Sol órbitas, é identificável pela pista de poeira diagonal escura . Os absorventes de poeira grãos são criados nas atmosferas de fresco estrelas vermelho-gigante e crescer em molecular nuvem s. A região que circunda diretamente o Centro Galáctico brilha vivamente em radios e radiações de alta energia , e é pensado para abrigar um grande buraco negro .

 

Imagem de astronomia do dia 2001 29 de dezembro
Veja Explicação. Ao clicar na imagem, será baixada a versão de resolução mais alta disponível.

The Annotated Galactic Centre 
Crédito: W. Keel ( U. Alabama, Tuscaloosa ), Cerro Tololo , Chile
Explicação: O céu em direção ao centro da nossa Galáxia é preenchido com uma grande variedade de maravilhas celestiais . Muitos são facilmente visíveis com binóculos. Constelações perto do centro galáctico incluem Sagitário , Libra , Scorpius , Scutum e Ophiuchus . As nebulosas incluem os Objetos Messier M8 , M16 , M17 , M20 e a Nebulosa do Tubo . Os conjuntos de estrelas abertas incluemM6 , M7 , M18 , M21 , M23 , M24 , M25 . Clusters de estrelas Globulares incluem M9 , M22 , M28 , M54 , M69 , M70 . E não se esqueça da janela de Baade . Clique na foto para obter a versão não-anotada

Imagem de astronomia do dia – 2010 31 de agosto
Veja Explicação. Mover o cursor sobre a imagem exibirá uma versão anotada. Ao clicar na imagem, aparecerá a versão de resolução mais alta disponível.

O Centro Galáctico Anotado 
Crédito e Direitos Autorais: Jaime Fernandez
 

Imagem de astronomia do dia – 2017 21 de dezembro
Veja Explicação. Ao clicar na imagem, será baixada a versão de resolução mais alta disponível.

Solstice Sun e Via Láctea 
Imagem Composta Crédito e Direitos de Autor : Stefan Seip ( TWAN )

Explicação: Bem-vindo ao solstício de dezembro , primeiro dia de inverno no norte e verão para o hemisfério sul. Os marcadores astronômicos das datas das estações, do solstício e do equinócio baseiam-se no lugar do Sol em sua jornada anual ao longo da eclíptica, através do planeta Terra. Neste solstício, o Sol atinge a sua máxima declinação do sul de -23,5 graus hoje às 16:28 UTC, enquanto a ascensão direita se coordena na esfera celestial é 18 horas. Isso coloca o Sol na constelação de Sagitário em uma direção próxima ao centro da nossa Via Láctea. Na verdade, se você pudesse ver o Solstice Sun de hoje contra as lúdicas estrelas de fundo e as nebulosas (isso é realmente difícil de fazer, especialmente durante o dia …), sua visão pode parecer algo desse panorama composto. Para fazê-lo, as imagens da nossa galáxia justa foram levadas sob céus noturnos da Namíbia e depois juntas em uma visão panorâmica. De um instantâneo feito em 21 de dezembro de 2015, o Sol foi digitalmente superado como uma estrela brilhante na posição de hoje do solstício de inverno do norte, perto do centro da Via Láctea .

Do hemisfério norte, olhe para o sul em julho e agosto para encontrar o bule em Sagitário. Aviso 2 pontos: centro galáctico e solstício de inverno. Do Hemisfério Sul, vire esta tabela de cabeça para baixo.

Do hemisfério norte, olhe para o sul em julho e agosto para encontrar o bule em Sagitário. Do hemisfério sul, olhe geralmente para o norte, e alto no céu, e gire este gráfico de cabeça para baixo.

Os stargazers modernos têm dificuldade em ver um Centauro com arco e flecha na constelação de Sagitário. Mas The Teapot – na metade ocidental de Sagitário – é fácil de distinguir. O Teapot é um asterismo , não uma constelação, mas um padrão reconhecível de estrelas. Dois pontos notáveis ​​no nosso céu estão nesta direção: primeiro, o centro da nossa Via Láctea e, segundo, o ponto em que o sol brilha no solstício de dezembro, em torno de 21 de dezembro de cada ano.

O Teapot é melhor visto durante as horas da noite de julho a setembro.

Nas noites escuras e sem lua, procure o “vapor” que se afunda no bico do Teapot. É a visão de borda em nossa própria galáxia, o brilho combinado de milhões de estrelas que correm a cavalo no equador galáctico (veja o gráfico do céu acima). Você notará que a banda da Via Láctea parece ampliar e iluminar na direção do Teapot. É aqui que reside o centro da nossa galáxia.

Do céu de um país escuro, explore este rio de estrelas com binóculos. Esta região do céu está cheia de campos estelares, aglomerados de estrelas, nebulosas galácticas e poeira.

Porque o sol passa em frente a Sagitário de cerca de 18 de dezembro a 20 de janeiro, o Teapot não é visível então. No entanto, cerca de meio ano depois – no dia 1 de julho – o Teapot sobe para o ponto mais alto para a noite em torno da meia-noite (1 hora do horário de verão), quando aparece no sul, visto do hemisfério norte ou do norte, visto do sul Hemisfério.

Conforme visto em nossas latitudes do meio do norte, o Teapot nasce no sudeste cerca de 3 horas antes de subir ao seu ponto mais alto, e depois fica no sudoeste cerca de 3 horas depois.

O Teapot retorna ao mesmo lugar no céu cerca de 4 minutos antes com cada dia que passa, ou 2 horas antes com cada mês que passa. No dia 1 de agosto, o Teapot subiu até o ponto mais alto em torno das 10 horas da noite (11 horas do horário de verão). No dia 1 de setembro, ele sobe mais alto por volta das 8 da noite (9 horas do horário de verão). No dia 1 de outubro, é mais alto por volta das 18h (7 horas do horário de verão).

Do hemisfério norte, olhe para o sul em noites de julho e agosto para ver essas estrelas. Do hemisfério sul, olhe geralmente para o norte, mais alto no céu e gire este gráfico de cabeça para baixo. Gráfico via AstroBob.

Do hemisfério norte, olhe para o sul em noites de julho e agosto para ver essas estrelas. Do hemisfério sul, olhe geralmente para o norte, mais alto no céu e gire este gráfico de cabeça para baixo. Gráfico via AstroBob .

 

VIA LÁCTEA

Fonte: http://www.ccvalg.pt/astronomia/galaxias/via_lactea.htm

Se olhar para o céu numa noite limpa e escura, longe da poluição luminosa, verá uma ténue banda de luz a atravessar os céus. Esta é a Via Láctea, lar do nosso Sistema Solar. Aqui existem pelo menos outras 200 mil milhões de estrelas (estimativas mais recentes proporcionam um número que rondam as 400 mil milhões) e seus planetas, milhares de enxames e nebulosas, incluindo pelo menos quase todos os objectos do catálogo de Messier que não são galáxias (poder-se-á considerar dois enxames globulares como possíveis excepções, pois estão a ser, ou foram recentemente, incorporadas ou importadas para a nossa Galáxia, oriundos de galáxias anãs que estão actualmente a passar pela nossa Via Láctea: M54, da galáxia elíptica anã do Sagitário, e possivelmente M79 da anã de Cão Maior. Todos os objectos da Via Láctea orbitam um centro de massa comum, chamado Centro Galáctico.Como uma galáxia, a Via Láctea é gigante, pois a sua massa situa-se provavelmente entre os 750 mil milhões e 1 bilião de massas solares, e o seu diâmetro é de cerca de 100,000 anos-luz. Investigações no rádio da distribuição das nuvens de hidrogénio revelaram que a Via Láctea é uma galáxia espiral do tipo Sb ou Sc da sequência de Hubble. Por isso, a nossa Galáxia tem uma componente discal pronunciada exibindo uma estrutura espiral, e uma região nuclear proeminente que faz parte dum componente bojo/halo. Não é ainda claro se tem ou não uma estrutura barrada (para ser do tipo SB), mas um número crescente de investigações já deu provas da sua existência, por isso a Via Láctea poderá parecer-se com M61 ou M83, e é melhor classificada como SABbc.

Em 2004, uma equipa de astrónomos estimou a idade da Via Láctea. Usaram o espectógrafo Echelle UV-Visual do VLT no Chile para medir, pela primeira vez, o conteúdo de Berílio em duas estrelas no enxame globular NGC 6397. Isto permitiu deduzir o tempo que passou desde o nascimento da primeira geração de estrelas em toda a Galáxia e a primeira geração de estrelas no enxame globular, há 200 ou 300 milhões de anos atrás. Acrescentam uma estimativa das estrelas no enxame globular: 13,400 ± 800 milhões de anos. A soma é a sua idade estimada da Via Láctea: 13,600 ± 800 milhões de anos.

Figura 1 – Forma aproximada da Via Láctea e posição do Sistema Solar.
Crédito: Tim Jones


Figura 2 – A nossa Galáxia está a ser invadida. Observações indicam que nos próximos 100 milhões de anos, a galáxia anã do Sagitário irá mover-se pelo disco da Via Láctea outra vez. A galáxia, delineada na parte de baixo da imagem, é a mais próxima das 9 galáxias anãs conhecidas que orbitam a nossa. Não se preocupe, não estamos em perigo. O mesmo já não se pode dizer de Sagitário: pode desfazer-se!
Crédito: R. Ibata (UBC), R. Wyse (JHU), R. Sword (IoA)

A Via Láctea pertence ao Grupo Local, um pequeno grupo de 3 grandes galáxias e de aproximadamente 35 outras mais pequenas, e é a segunda maior (seguida da Galáxia de Andrómeda, ou M31). No entanto, parece ser o membro mais massivo deste grupo. M31, a mais ou menos 2.9 milhões de anos-luz, é a maior galáxia vizinha, mas um outro número de ténues galáxias estão muito mais próximas: muitas das anãs do Grupo Local são satélites ou companheiras da Via Láctea. Os dois vizinhos mais próximos, referidos acima, foram apenas recentemente descobertos: a galáxia mais próxima, a anã de Cão Maior, descoberta em 2003, é uma galáxia quase despedaçada, em que o seu núcleo encontra-se a 25,000 anos-luz de nós e a cerca de 45,000 anos-luz do Centro Galáctico. A segunda é SagDEG (galáxia elíptica anã de Sagitário), a 88 mil-anos luz de e uns 50,000 anos-luz do Centro Galáctico. Estas duas anãs estão actualmente em “encontros imediatos” com a nossa Galáxia e várias secções das suas órbitas estão situadas bem dentro do volume ocupado pela Via Láctea. São seguidas em distância pelas mais inequívocas Grande e Pequena Nuvens de Magalhães, a 160,000 e 200,000 anos-luz, respectivamente.

Os braços espirais da Via Láctea contêm matéria interestelar, nebulosas difusas, e jovens estrelas e enxames estelares abertos que emergem desta matéria. Por outro lado, o bojo consiste de estrelas velhas e contém a maioria dos enxames globulares; a nossa Galáxia tem à volta de 200 globulares, dos quais conhecemos cerca de 150. Estes enxames globulares são fortemente concentrados na direcção do Núcleo Galáctico: a partir da sua distribuição aparente no céu, Harlow Shapley concluiu que este centro da Via Láctea situava-se a uma distância considerável (que exagerou em factores) na direcção de Sagitário e não tão perto, como se pensava anteriormente.

O nosso Sistema Solar está por isso situado nas regiões exteriores desta Galáxia, bem dentro do disco e a apenas cerca de 20 anos-luz do plano equatorial simétrico mais a aproximadamente 28,000 anos-luz do Centro Galáctico. Por isso, a Via Láctea aparece como uma banda luminosa que se estende por todo o céu ao longo deste plano simétrico, que também é chamado de “Equador Galáctico”. O seu centro situa-se na direcção da constelação do Sagitário, mas muito perto das fronteiras dos dois vizinhos Escorpião e Ofiúco. A distância de 28,000 anos-luz foi recentemente (1997) confirmada por dados do satélite da ESA Hiparco. Outras investigações publicadas posteriormente disputaram este valor e propõem um mais pequeno de 25,000 anos-luz, com base na dinâmica estelar; uma investigação recente (McNamara et. al 2000, com base nas variáveis RR Lyrae) propõe um número de 26,000 anos-luz. Estes dados, tendo em conta a sua importância, não afectariam directamente os valores para as distâncias de objectos em particular, seja dentro da Via Láctea ou para fora.O Sistema Solar está situado dentro de um braço espiral mais pequeno, chamado Braço Local ou Braço de Orionte, que é uma mera ligação entre os braços mais massivos interior e exterior, o Braço de Sagitário e o Braço de Perseu.

Semelhantes a outras galáxias, ocorrem supernovas na Via Láctea em intervalos irregulares de tempo. Se não se encontrarem demasiadamente obscurecidas pela matéria interestelar, podem ser e têm sido observadas como eventos espectaculares a partir da Terra. Infelizmente, nenhuma ocorreu desde a invenção do telescópio (a última supernova observada na nossa Via Láctea foi estudada por Johannes Kepler em 1604).


Figura 3 – Vista da Via Láctea na região do Sagitário. São visíveis algumas nebulosas e enxames, como por exemplo M8 e M20 (a nebulosa vermelha no centro e a mais pequena para a direita, respectivamente).
Crédito: James Kelly
As imagens da Via Láctea são muitas vezes exposições de campo-largo. Além de serem atraentes e muitas vezes coloridas, são regularmente usadas para observar os objectos da Via Láctea (incluindo nebulosas e enxames estelares) na suas vizinhanças celestes de campos estelares.

Figura 4 – Vista da Via Láctea entre Cassiopeia e Popa (o que normalmente se vê no Inverno). A imagem cobre a região entre 120 e 260 graus da longitude Galáctica, o que corresponde a mais ou menos 40% da totalidade da Via Láctea. Embora a Via Láctea no Inverno não seja muito notável, observam-se bem as faixas escuras no lado direito.
Crédito: Naoyuki Kurita

Figura 5 – Esta imagem da Via Láctea mostra a região que normalmente vemos durante o Verão, entre as constelações de Cassiopeia e Sagitário, equivalente à área entre 0 e 140 graus da longitude Galáctica, o que corresponde a mais ou menos 40% da totalidade da Via Láctea. Nota-se vem numa faixa escura que se prolonga pelo centro da Via Láctea, e também muitas nebulosas avermelhadas por todo os lados.
Crédito: Naoyuki Kurita

Figura 6 – Na luz visível, a maioria do Centro Galáctico está obscurecido pelo pó opaco. Na luz infravermelha, no entanto, o pó brilha mais e obscurece menos, permitindo que se possa registar um milhão de estrelas na fotografia acima.
Crédito: Projecto 2MASS, UMass, IPAC/Caltech, NSF, NASA

A estrutura da Via Láctea pode ser melhor investigada no infravermelho, dado que as nuvens de pó que obscuram o que está por detrás têm uma transparência melhor em comprimentos de onda maiores no infravermelho do que no visível.A região central da Via Láctea, como muitas outras galáxias, tem uma densidade estelar maior que as regiões exteriores, e contém um objecto central massivo, que se pensa ser um enorme buraco-negro.

Abaixo indica-se alguns dados para o Núcleo Galáctico:

Ascensão recta
17:45.6 (h:m)
Declinação
-28:56 (graus:m)
Distância
28 (kal)

O Pólo Norte Galáctico está a:

Ascensão recta
12:51.4 (h:m)
Declinação
+27:07 (graus:m)
O nosso Sol, em conjunto com a totalidade no Sistema Solar, orbita o Centro Galáctico à distância dada, quase numa órbita circular. Move-se a 250 km/s, e demora 220 milhões de anos para completar uma órbita (o Sistema Solar já orbitou o Centro Galáctico 20 ou 21 vezes desde a sua formação há aproximadamente 4.6 mil milhões de anos atrás).

Em adição à Rotação Galáctica total, o Sistema Solar move-se entre as estrelas vizinhas (num movimento peculiar) a uma velocidade de cerca de 20 km/s, numa direcção chamada “Ápex Solar”, na posição aproximada RA=18:01, Dec=+26 (2000.0); este movimento foi descoberto por William Herschel em 1783.

Considerando o sentido da rotação, a Galáxia, na posição do Sol, está a rodar na direcção da Ascensão Recta 21:12.0, Declinação +48:19. Isto indica que roda “para trás” no sistema de coordenadas Galáctico, isto é, o Pólo Norte Galáctico é na realidade o Pólo Sul físico no que diz respeito à rotação galáctica (definida pela direcção do vector do momento angular).

LINKS
Mais informações (em inglês) 
Wikipedia
Galáxia anã do Sagitário 
O Grupo Local
Mais sobre a estrutura espiral da Via Láctea
Objectos de Messier na Via Láctea
Imagens da Via Láctea em vários comprimentos de onda
Panorama de 360º da Via Láctea
O Universo a 50,000 anos-luz da Via Láctea
Mapa da Via Láctea
O Universo a 500,000 anos-luz da Via Láctea
Mais links para páginas acerca da Via Láctea – Yahoo 
Ilustração da Via Láctea – APOD 
No centro da Via Láctea – APOD
Ventos a alta-velocidade e a Via Láctea – APOD

Figura 7 – Via Láctea a vários comprimentos de onda.
Crédito: NASA