Artigos do Portal:
#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Assuntos Complementares Astrosofia - Astrotheasofia = Astrologia Espiritual Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Uncategorized

Centro Galáctico

Estrelas no Centro Galáctico

Fonte: https://apod.nasa.gov/

Estrelas no Centro Galáctico

 

O centro da nossa Galáxia da Via Láctea está escondido dos olhos curiosos dos telescópios ópticos por nuvens de poeira e gás obscuros. Mas, nesta vista deslumbrante, as câmeras de infravermelho do Spitzer Space Telescope penetram grande parte da poeira, revelando as estrelas da região do centro galáctico lotado. Um mosaico de muitos instantâneos menores, esta imagem detalhada e de cor falso mostra estrelas mais antigas e legais em tons azulados. As nuvens de poeira incandescentes e avermelhadas estão associadas a estrelas jovens e quentes em viveiros estelares. O centro galáctico fica a cerca de 26.000 anos-luz de distância, em direção à constelação de Sagitário. A essa distância, esta imagem abrange cerca de 900 anos-luz.

Crédito de imagem: NASA, JPL-Caltech, Susan Stolovy (SSC / Caltech) et al.

Atualizado: 7 de agosto de 2017
Editor: NASA Content Administrator

 

Imagem de astronomia do dia – 2016 17 de janeiro
Veja Explicação. Ao clicar na imagem, será baixada a versão de resolução mais alta disponível.

O Centro Galáctico em 
Crédito de Imagem de Infravermelho Projeto 2MASS , UMass , IPAC / Caltech , NSF , NASA
Explicação: O centro da nossa galáxia é um lugar ocupado. Na luz visível , grande parte do Centro Galáctico é obscurecido por poeira opaca . Na luz infravermelha , no entanto, o pó brilha mais e obscurece menos, permitindo que cerca de um milhão de estrelas sejam gravadas na fotografia em destaque . O próprio Centro Galáctico aparece à esquerda e está localizado a cerca de 30.000 anos-luz de distância em direção à constelação do Arqueiro (Sagitário). O Plano Galáctico da Galáxia da Via Láctea , o avião em que o Sol órbitas, é identificável pela pista de poeira diagonal escura . Os absorventes de poeira grãos são criados nas atmosferas de fresco estrelas vermelho-gigante e crescer em molecular nuvem s. A região que circunda diretamente o Centro Galáctico brilha vivamente em radios e radiações de alta energia , e é pensado para abrigar um grande buraco negro .

 

Imagem de astronomia do dia 2001 29 de dezembro
Veja Explicação. Ao clicar na imagem, será baixada a versão de resolução mais alta disponível.

The Annotated Galactic Centre 
Crédito: W. Keel ( U. Alabama, Tuscaloosa ), Cerro Tololo , Chile
Explicação: O céu em direção ao centro da nossa Galáxia é preenchido com uma grande variedade de maravilhas celestiais . Muitos são facilmente visíveis com binóculos. Constelações perto do centro galáctico incluem Sagitário , Libra , Scorpius , Scutum e Ophiuchus . As nebulosas incluem os Objetos Messier M8 , M16 , M17 , M20 e a Nebulosa do Tubo . Os conjuntos de estrelas abertas incluemM6 , M7 , M18 , M21 , M23 , M24 , M25 . Clusters de estrelas Globulares incluem M9 , M22 , M28 , M54 , M69 , M70 . E não se esqueça da janela de Baade . Clique na foto para obter a versão não-anotada

Imagem de astronomia do dia – 2010 31 de agosto
Veja Explicação. Mover o cursor sobre a imagem exibirá uma versão anotada. Ao clicar na imagem, aparecerá a versão de resolução mais alta disponível.

O Centro Galáctico Anotado 
Crédito e Direitos Autorais: Jaime Fernandez
 

Imagem de astronomia do dia – 2017 21 de dezembro
Veja Explicação. Ao clicar na imagem, será baixada a versão de resolução mais alta disponível.

Solstice Sun e Via Láctea 
Imagem Composta Crédito e Direitos de Autor : Stefan Seip ( TWAN )

Explicação: Bem-vindo ao solstício de dezembro , primeiro dia de inverno no norte e verão para o hemisfério sul. Os marcadores astronômicos das datas das estações, do solstício e do equinócio baseiam-se no lugar do Sol em sua jornada anual ao longo da eclíptica, através do planeta Terra. Neste solstício, o Sol atinge a sua máxima declinação do sul de -23,5 graus hoje às 16:28 UTC, enquanto a ascensão direita se coordena na esfera celestial é 18 horas. Isso coloca o Sol na constelação de Sagitário em uma direção próxima ao centro da nossa Via Láctea. Na verdade, se você pudesse ver o Solstice Sun de hoje contra as lúdicas estrelas de fundo e as nebulosas (isso é realmente difícil de fazer, especialmente durante o dia …), sua visão pode parecer algo desse panorama composto. Para fazê-lo, as imagens da nossa galáxia justa foram levadas sob céus noturnos da Namíbia e depois juntas em uma visão panorâmica. De um instantâneo feito em 21 de dezembro de 2015, o Sol foi digitalmente superado como uma estrela brilhante na posição de hoje do solstício de inverno do norte, perto do centro da Via Láctea .

Do hemisfério norte, olhe para o sul em julho e agosto para encontrar o bule em Sagitário. Aviso 2 pontos: centro galáctico e solstício de inverno. Do Hemisfério Sul, vire esta tabela de cabeça para baixo.

Do hemisfério norte, olhe para o sul em julho e agosto para encontrar o bule em Sagitário. Do hemisfério sul, olhe geralmente para o norte, e alto no céu, e gire este gráfico de cabeça para baixo.

Os stargazers modernos têm dificuldade em ver um Centauro com arco e flecha na constelação de Sagitário. Mas The Teapot – na metade ocidental de Sagitário – é fácil de distinguir. O Teapot é um asterismo , não uma constelação, mas um padrão reconhecível de estrelas. Dois pontos notáveis ​​no nosso céu estão nesta direção: primeiro, o centro da nossa Via Láctea e, segundo, o ponto em que o sol brilha no solstício de dezembro, em torno de 21 de dezembro de cada ano.

O Teapot é melhor visto durante as horas da noite de julho a setembro.

Nas noites escuras e sem lua, procure o “vapor” que se afunda no bico do Teapot. É a visão de borda em nossa própria galáxia, o brilho combinado de milhões de estrelas que correm a cavalo no equador galáctico (veja o gráfico do céu acima). Você notará que a banda da Via Láctea parece ampliar e iluminar na direção do Teapot. É aqui que reside o centro da nossa galáxia.

Do céu de um país escuro, explore este rio de estrelas com binóculos. Esta região do céu está cheia de campos estelares, aglomerados de estrelas, nebulosas galácticas e poeira.

Porque o sol passa em frente a Sagitário de cerca de 18 de dezembro a 20 de janeiro, o Teapot não é visível então. No entanto, cerca de meio ano depois – no dia 1 de julho – o Teapot sobe para o ponto mais alto para a noite em torno da meia-noite (1 hora do horário de verão), quando aparece no sul, visto do hemisfério norte ou do norte, visto do sul Hemisfério.

Conforme visto em nossas latitudes do meio do norte, o Teapot nasce no sudeste cerca de 3 horas antes de subir ao seu ponto mais alto, e depois fica no sudoeste cerca de 3 horas depois.

O Teapot retorna ao mesmo lugar no céu cerca de 4 minutos antes com cada dia que passa, ou 2 horas antes com cada mês que passa. No dia 1 de agosto, o Teapot subiu até o ponto mais alto em torno das 10 horas da noite (11 horas do horário de verão). No dia 1 de setembro, ele sobe mais alto por volta das 8 da noite (9 horas do horário de verão). No dia 1 de outubro, é mais alto por volta das 18h (7 horas do horário de verão).

Do hemisfério norte, olhe para o sul em noites de julho e agosto para ver essas estrelas. Do hemisfério sul, olhe geralmente para o norte, mais alto no céu e gire este gráfico de cabeça para baixo. Gráfico via AstroBob.

Do hemisfério norte, olhe para o sul em noites de julho e agosto para ver essas estrelas. Do hemisfério sul, olhe geralmente para o norte, mais alto no céu e gire este gráfico de cabeça para baixo. Gráfico via AstroBob .

 

VIA LÁCTEA

Fonte: http://www.ccvalg.pt/astronomia/galaxias/via_lactea.htm

Se olhar para o céu numa noite limpa e escura, longe da poluição luminosa, verá uma ténue banda de luz a atravessar os céus. Esta é a Via Láctea, lar do nosso Sistema Solar. Aqui existem pelo menos outras 200 mil milhões de estrelas (estimativas mais recentes proporcionam um número que rondam as 400 mil milhões) e seus planetas, milhares de enxames e nebulosas, incluindo pelo menos quase todos os objectos do catálogo de Messier que não são galáxias (poder-se-á considerar dois enxames globulares como possíveis excepções, pois estão a ser, ou foram recentemente, incorporadas ou importadas para a nossa Galáxia, oriundos de galáxias anãs que estão actualmente a passar pela nossa Via Láctea: M54, da galáxia elíptica anã do Sagitário, e possivelmente M79 da anã de Cão Maior. Todos os objectos da Via Láctea orbitam um centro de massa comum, chamado Centro Galáctico.Como uma galáxia, a Via Láctea é gigante, pois a sua massa situa-se provavelmente entre os 750 mil milhões e 1 bilião de massas solares, e o seu diâmetro é de cerca de 100,000 anos-luz. Investigações no rádio da distribuição das nuvens de hidrogénio revelaram que a Via Láctea é uma galáxia espiral do tipo Sb ou Sc da sequência de Hubble. Por isso, a nossa Galáxia tem uma componente discal pronunciada exibindo uma estrutura espiral, e uma região nuclear proeminente que faz parte dum componente bojo/halo. Não é ainda claro se tem ou não uma estrutura barrada (para ser do tipo SB), mas um número crescente de investigações já deu provas da sua existência, por isso a Via Láctea poderá parecer-se com M61 ou M83, e é melhor classificada como SABbc.

Em 2004, uma equipa de astrónomos estimou a idade da Via Láctea. Usaram o espectógrafo Echelle UV-Visual do VLT no Chile para medir, pela primeira vez, o conteúdo de Berílio em duas estrelas no enxame globular NGC 6397. Isto permitiu deduzir o tempo que passou desde o nascimento da primeira geração de estrelas em toda a Galáxia e a primeira geração de estrelas no enxame globular, há 200 ou 300 milhões de anos atrás. Acrescentam uma estimativa das estrelas no enxame globular: 13,400 ± 800 milhões de anos. A soma é a sua idade estimada da Via Láctea: 13,600 ± 800 milhões de anos.

Figura 1 – Forma aproximada da Via Láctea e posição do Sistema Solar.
Crédito: Tim Jones


Figura 2 – A nossa Galáxia está a ser invadida. Observações indicam que nos próximos 100 milhões de anos, a galáxia anã do Sagitário irá mover-se pelo disco da Via Láctea outra vez. A galáxia, delineada na parte de baixo da imagem, é a mais próxima das 9 galáxias anãs conhecidas que orbitam a nossa. Não se preocupe, não estamos em perigo. O mesmo já não se pode dizer de Sagitário: pode desfazer-se!
Crédito: R. Ibata (UBC), R. Wyse (JHU), R. Sword (IoA)

A Via Láctea pertence ao Grupo Local, um pequeno grupo de 3 grandes galáxias e de aproximadamente 35 outras mais pequenas, e é a segunda maior (seguida da Galáxia de Andrómeda, ou M31). No entanto, parece ser o membro mais massivo deste grupo. M31, a mais ou menos 2.9 milhões de anos-luz, é a maior galáxia vizinha, mas um outro número de ténues galáxias estão muito mais próximas: muitas das anãs do Grupo Local são satélites ou companheiras da Via Láctea. Os dois vizinhos mais próximos, referidos acima, foram apenas recentemente descobertos: a galáxia mais próxima, a anã de Cão Maior, descoberta em 2003, é uma galáxia quase despedaçada, em que o seu núcleo encontra-se a 25,000 anos-luz de nós e a cerca de 45,000 anos-luz do Centro Galáctico. A segunda é SagDEG (galáxia elíptica anã de Sagitário), a 88 mil-anos luz de e uns 50,000 anos-luz do Centro Galáctico. Estas duas anãs estão actualmente em “encontros imediatos” com a nossa Galáxia e várias secções das suas órbitas estão situadas bem dentro do volume ocupado pela Via Láctea. São seguidas em distância pelas mais inequívocas Grande e Pequena Nuvens de Magalhães, a 160,000 e 200,000 anos-luz, respectivamente.

Os braços espirais da Via Láctea contêm matéria interestelar, nebulosas difusas, e jovens estrelas e enxames estelares abertos que emergem desta matéria. Por outro lado, o bojo consiste de estrelas velhas e contém a maioria dos enxames globulares; a nossa Galáxia tem à volta de 200 globulares, dos quais conhecemos cerca de 150. Estes enxames globulares são fortemente concentrados na direcção do Núcleo Galáctico: a partir da sua distribuição aparente no céu, Harlow Shapley concluiu que este centro da Via Láctea situava-se a uma distância considerável (que exagerou em factores) na direcção de Sagitário e não tão perto, como se pensava anteriormente.

O nosso Sistema Solar está por isso situado nas regiões exteriores desta Galáxia, bem dentro do disco e a apenas cerca de 20 anos-luz do plano equatorial simétrico mais a aproximadamente 28,000 anos-luz do Centro Galáctico. Por isso, a Via Láctea aparece como uma banda luminosa que se estende por todo o céu ao longo deste plano simétrico, que também é chamado de “Equador Galáctico”. O seu centro situa-se na direcção da constelação do Sagitário, mas muito perto das fronteiras dos dois vizinhos Escorpião e Ofiúco. A distância de 28,000 anos-luz foi recentemente (1997) confirmada por dados do satélite da ESA Hiparco. Outras investigações publicadas posteriormente disputaram este valor e propõem um mais pequeno de 25,000 anos-luz, com base na dinâmica estelar; uma investigação recente (McNamara et. al 2000, com base nas variáveis RR Lyrae) propõe um número de 26,000 anos-luz. Estes dados, tendo em conta a sua importância, não afectariam directamente os valores para as distâncias de objectos em particular, seja dentro da Via Láctea ou para fora.O Sistema Solar está situado dentro de um braço espiral mais pequeno, chamado Braço Local ou Braço de Orionte, que é uma mera ligação entre os braços mais massivos interior e exterior, o Braço de Sagitário e o Braço de Perseu.

Semelhantes a outras galáxias, ocorrem supernovas na Via Láctea em intervalos irregulares de tempo. Se não se encontrarem demasiadamente obscurecidas pela matéria interestelar, podem ser e têm sido observadas como eventos espectaculares a partir da Terra. Infelizmente, nenhuma ocorreu desde a invenção do telescópio (a última supernova observada na nossa Via Láctea foi estudada por Johannes Kepler em 1604).


Figura 3 – Vista da Via Láctea na região do Sagitário. São visíveis algumas nebulosas e enxames, como por exemplo M8 e M20 (a nebulosa vermelha no centro e a mais pequena para a direita, respectivamente).
Crédito: James Kelly
As imagens da Via Láctea são muitas vezes exposições de campo-largo. Além de serem atraentes e muitas vezes coloridas, são regularmente usadas para observar os objectos da Via Láctea (incluindo nebulosas e enxames estelares) na suas vizinhanças celestes de campos estelares.

Figura 4 – Vista da Via Láctea entre Cassiopeia e Popa (o que normalmente se vê no Inverno). A imagem cobre a região entre 120 e 260 graus da longitude Galáctica, o que corresponde a mais ou menos 40% da totalidade da Via Láctea. Embora a Via Láctea no Inverno não seja muito notável, observam-se bem as faixas escuras no lado direito.
Crédito: Naoyuki Kurita

Figura 5 – Esta imagem da Via Láctea mostra a região que normalmente vemos durante o Verão, entre as constelações de Cassiopeia e Sagitário, equivalente à área entre 0 e 140 graus da longitude Galáctica, o que corresponde a mais ou menos 40% da totalidade da Via Láctea. Nota-se vem numa faixa escura que se prolonga pelo centro da Via Láctea, e também muitas nebulosas avermelhadas por todo os lados.
Crédito: Naoyuki Kurita

Figura 6 – Na luz visível, a maioria do Centro Galáctico está obscurecido pelo pó opaco. Na luz infravermelha, no entanto, o pó brilha mais e obscurece menos, permitindo que se possa registar um milhão de estrelas na fotografia acima.
Crédito: Projecto 2MASS, UMass, IPAC/Caltech, NSF, NASA

A estrutura da Via Láctea pode ser melhor investigada no infravermelho, dado que as nuvens de pó que obscuram o que está por detrás têm uma transparência melhor em comprimentos de onda maiores no infravermelho do que no visível.A região central da Via Láctea, como muitas outras galáxias, tem uma densidade estelar maior que as regiões exteriores, e contém um objecto central massivo, que se pensa ser um enorme buraco-negro.

Abaixo indica-se alguns dados para o Núcleo Galáctico:

Ascensão recta
17:45.6 (h:m)
Declinação
-28:56 (graus:m)
Distância
28 (kal)

O Pólo Norte Galáctico está a:

Ascensão recta
12:51.4 (h:m)
Declinação
+27:07 (graus:m)
O nosso Sol, em conjunto com a totalidade no Sistema Solar, orbita o Centro Galáctico à distância dada, quase numa órbita circular. Move-se a 250 km/s, e demora 220 milhões de anos para completar uma órbita (o Sistema Solar já orbitou o Centro Galáctico 20 ou 21 vezes desde a sua formação há aproximadamente 4.6 mil milhões de anos atrás).

Em adição à Rotação Galáctica total, o Sistema Solar move-se entre as estrelas vizinhas (num movimento peculiar) a uma velocidade de cerca de 20 km/s, numa direcção chamada “Ápex Solar”, na posição aproximada RA=18:01, Dec=+26 (2000.0); este movimento foi descoberto por William Herschel em 1783.

Considerando o sentido da rotação, a Galáxia, na posição do Sol, está a rodar na direcção da Ascensão Recta 21:12.0, Declinação +48:19. Isto indica que roda “para trás” no sistema de coordenadas Galáctico, isto é, o Pólo Norte Galáctico é na realidade o Pólo Sul físico no que diz respeito à rotação galáctica (definida pela direcção do vector do momento angular).

LINKS
Mais informações (em inglês) 
Wikipedia
Galáxia anã do Sagitário 
O Grupo Local
Mais sobre a estrutura espiral da Via Láctea
Objectos de Messier na Via Láctea
Imagens da Via Láctea em vários comprimentos de onda
Panorama de 360º da Via Láctea
O Universo a 50,000 anos-luz da Via Láctea
Mapa da Via Láctea
O Universo a 500,000 anos-luz da Via Láctea
Mais links para páginas acerca da Via Láctea – Yahoo 
Ilustração da Via Láctea – APOD 
No centro da Via Láctea – APOD
Ventos a alta-velocidade e a Via Láctea – APOD

Figura 7 – Via Láctea a vários comprimentos de onda.
Crédito: NASA

Similar Posts