Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Informações Essenciais Mitologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino

Cariatides – Sacerdotisas de Artemis

Cariátide

Etimologia

De francês médio cariatide , de latino- cariátides , a partir do grego Καρυάτιδες (Karuatides), plural de Καρυᾶτις (Karuatis “, uma sacerdotisa de Ártemis, em Karye, Caryae, como colunas), de Καρυατίζω (Karuatizo, “dançar a Karyatid festival de dança “) a partir Καρύαι (Karuai, “uma cidade em Laconia com um templo de Artemis e um festival”)

Cariatides (koré) – cariatide, de L. cariátides, de Gk. Karyatides (Karyatis singular) “sacerdotisas de Artemis em Caryae” (gr. Karyai) – cariátides, representam sacerdotisas de Artemis em Karyæ

Na época de 1800 a 1700 anos a. C. saiu da Caldéia, como emissário da Ordem dos Magos, o progenitor, respectivamente organizador e legislador dos povos cários, chamado K. A. R. Esse nome é uma fórmula cabalística, cuja significação pertencia aos segredos da Ordem. Car fundou a confederação dos povos cários com a capital Hali-Kar- Nassos (Jardim Sagrado de Car), na ponta de sudoeste da península da Ásia Menor. Heródoto nasceu na mesma cidade e deixou-nos, na sua “história universal”, os traços principais da vida e da grande obra civilizadora de Car.

A religião, propagada por Car, era baseada na crença a um Deus onipotente, a quem ele chamou P. A. N., também uma palavra cabalística, que significa “Senhor do Universo”. Dois séculos depois pregou Moisés a mesma crença a um Deus onipotente, a quem ele chamou Je-oh-va. O nome Pan, com o significado de Senhor, ficou nos países orientais em todos os tempos. Alexandre Magno foi chamado na Ásia “O Pany Alexandros”. Na Tchecoslováquia, na Polônia, na Rússia e em outros países usa-se ainda hoje PANE e PANJE como elocução. “Pane Antony” é igual ao “Sir Antonio”. Note-se também que a palavra PANIS (nosso pão) vem de Pan: a dádiva de Deus.

TU-PAN, o Deus onipotente na religião dos antigos brasileiros, significa: “Adorado Pan”. Na língua dos Cários, Fenícios e Pelastos significa o substantivo THUS, THUR (respectivamente TUS, TUR e TU): “sacrifício da devoção” ou “incenso”. Tudo que o homem oferece a Deus é, na língua da ordem dos sacerdotes cários, T. U., também uma fórmula cabalística. O infinito do verbo “sacrificar” é, no fenício: TU-AN; no germano, TU-EN; no grego, THU-EIN e THY-EIN; no latim, TU-ERI (venerar, contemplar, olhar, guardar). THUS, também no latim, é o incenso que se oferece a Deus, respectivamente aos deuses. A origem de TUPAN, como nome do Deus onipotente, recua à religião monoteísta de Car.

O caráter do monoteísmo não fica alterado, pela circunstância de que a religião de Car reconheceu também uma divindade feminina, como a religião cristã-católica adora a Nossa Senhora. Na Ásia Menor foi adorada, como madre de Deus, a divindade Kybele (ou Cibele), como diversos outros nomes locais. Entre estes nomes encontram-se TU-PANA e TU-KERA. O nome da deusa Ceres foi escrito no latim arcaico CAERES e KAERES, cujo nome é uma forma feminina de KAR. Outras formas femininas são KARMOSA, KARMINA, KAERMONA, KAERIMONA e CAERIMONA, donde vem nossa palavra “cerimônia”, que significava antigamente: “o altivo gesto da sacerdotisa de  Vesta”. A ordem das Vestais era uma filial da ordem das CARIÁTIDES, cuja primeira chefina foi Caria, filha de Car.

Vestígios dessa crença encontramos na região e língua tupi. Os primeiros evangelizadores do Brasil, padres católicos, que indagaram, nas suas conferências com os piagas (respectivamente, pagés) e com os principais das tribos indígenas, das crenças e noções religiosas dos Tupis, encontraram as seguintes palavras:

1º) Com o nome TUPAN veneraram os Tupis o único e onipotente Deus, como criador e governador do mundo;

2º) Pelo nome TUPANA indicaram os Tupis a força divina e criadora, exatamente como se chamava a deusa Cibele.

3º) A palavra TUPAN-KERE-TAN, explicam os padres Manoel da Nóbrega e Anchieta, conforme as interpretações dadas pelos pagés, como “terra da madre de Deus”. Não tendo a língua portuguesa a letra K, escreveram os posteriores escritores: TUPAN-CERE-TAN, e traduziram: “terra de Ceres, respectivamente, a mãe da natureza”. O autor explica a palavra TUPAN-KERE-TAN como “a terra da mãe divina” ou “a mãe divina da terra”. Essa divindade feminina ficou na religião tupi no lugar secundário; mas os padres católicos a identificaram logo com a nossa Senhora.

4º) Existem na língua tupi também os nomes KERINA (escrito também Querina) e KERA-IMA, indubitavelmente derivados de KAERIMONIA, da religião de Car. Os piagas explicaram a palavra como nome da ”mulher sem sono, que não dorme e fica vigiando, para ajudar às mulheres doentes, que a chamam”. Outros interpretaram KERIN como a “mãe da água”, que protege a criação de peixe contra aqueles que o envenenam, usando timbó. Os padres denominaram, depois, as mulheres que não pediram o batizado de suas crenças, KERA-IMA, qualificando-as como “adeptas de Kerima”.

CARIÁTIDES

As Graças, as Tríades e as Cariátides na corte da deusa do amor  Istar e Afrodite. Sabemos que Afrodite Urânia foi a deusa do amor platónico, puro e celestial de Afrodite Pandemos .

Cariatide,  sete sacerdotisas que frequentam Artemis Caryatis e outras deusas.
“A figura feminina coberta substituído por uma coluna de apoio a um entablamento, ocorrem apenas raramente na arquitetura grega. Sua primeira aparição é em um conjunto de tesouros Ionic construídos em Delphi nos meados 6 c. AC eo Lyons kore de data similar do ateniense Acrópole. Eles não são empregados novamente até theErechtheion (421-406 aC), após o qual a sua próxima utilização está no Limyra heroon (370-350 aC), na Lícia. (…) “
Charis, Grace ou o amor, é a Sabedoria, ou boa vontade de Deus, o Espírito Santo, ou grande fôlego,. Isto é, o Poder e Esposa da Divindade – [2]

Cariátides < Char-ia-Tite-(ish) < Cur-Hia-Kiki ó Ki-Kur-Kiki => Afrodite.

Perirrantêria Agoras as partes do mercado local aspergido com água lustral.

O traje característico, representar e penteado de cariátides são presumivelmente relacionada tanto a sua função e significado. Sua origem e significado, no entanto, permanecem controversos. Explicações sugeridas para sua origem incluem influência oriental, o endividamento das formas nas artes menores, e a adaptação de valores encontrados onperirrhanteria (bacias hidrográficas rituais). O significado de sua iconografia tem sido procurado em ambos os eventos histórico-político (Vitruvius) e crenças religiosas (como ninfa-intercessores). – Enciclopédia Perseus.

Aporrantêrion, a, (aporrainô) uma embarcação para polvilhar com água benta. Perirran-terion, para, utensílio para besprinkling, esp. bata por aspersão de água em sacrifícios, ou uessel para água lustral.

Perirrihantéria Phêro- *Urikan | -taurya < *Kur-Kya > Grec-phoria > Lat.-hallia > => Pt. “tourada e tareia; féria e folia; alas, alamedas e alegria” | lit. “A festa (do transporte, pelas «tricanas») dos urican > Fr. jerricans < Ker-ikan > Grec. ritons < Kur-*Urki-An > *Ki-Antu-uros, muito segura e literalmente as urnas funerárias das cinzas dos guerreiros => os grandes «cântaros» que se chamavam «ânforas» na época clássica.

Ver: ÂNFORAS (***)

Os rituais perirrhanteria (baptismo) estariam inicialmente relacionadas com ritos de purificação física pessoal porque, o acto de tomar banho só passou a fazer parte dos gestos de rotina higienica dos tempos modernos depois da comprovação científica da sua eficácia ao remover os riscos da sujidade meramente baseada nas propriedades físicas da água.

Até ai, para o senso comum a relação entre a doença e a saúde era tão miasmática quanto misteriosa e no período mágico anterior ao empirismo pré-científico o banho teria começado por ser um mero prazer dos sentidos a que as propriedades higienicas se somavam como dádiva dos deuses.

Ora, como os prazeres da vida foram sempre fonte de apetências conflituosa também acabariam por gerar a culpabilidade suficiente para explicarem o arbítrio curativo do termalismo razão pela qual o banho acabaria por vir a ser ritualizado. A este respeito, a interpretação formalista da lei mosaica viria a ser alvo de críticas indiretas nos alvores do cristianismo e em plena época do empirismo clássico quando Cristo vituperou a hipocrisia dos fariseus que eram como sepulcros caiados, lustrosos por fora enquanto por dentro eram cheios da inevitável podridão intestinal o que serviria como ponto de partida para a metáfora da pureza espiritual que passou a imperar no cristianismo.

Perirra-inô, besprinkle. ·  Med., purify oneself. Perirran-tês, ou, ho, sprinkler, temple-official at Sardes. Perirra(n?)-ptria, stitch all round. Baptês, ou, ho, dipper, bather:

Pois bem, na falta de água canalizada ao domicílio, estes ritos de higiene pessoal seriam levados a cabo com ajuda de aguadeiras que na época baixa do classicismo já pouco mais seriam do que «regadeiras», serviçais adestradas nas atividades da «irrigação» tanto doméstica quanto agrícola.

O banho da purificação ritual de Afrodite com água lustral.

Ora, estas outrora potinijas micénicas, bem poderão ter sido também as «regateiras» e «varinas» que regateavam o peixe nas «lotas». A este respeito há que duvidar da etimologia proposta para este termo luso «lota» = de lotar (= leilão da pescaria em primeira mão, isto é, dos pescadores aos contratadores, etc.) <= de lote(dividir em lotes; • baptizar o vinho) <= Fr. lot. [objecto ou objectos leiloados de cada vez; (…) lotação de navio]. Galicismo ou não, o certo é que este termo parece andar enleado numa semântica que envolvia tanto pescadores em leilão como lotação de navios mercantes o que nos reporta para o semantema mais geral do marinheiro que baptiza o vinho em libações ao deus Enki, o Sr. das «águas da vida eterna» e deus dos marinheiros. Ora, o nome virtual *Urikan (> Engl. Hurricane, «o deus Ishkur,*Kuriscano dos furacões»?) é seguramente o deus *Urbino = (Te)libino = o mesmo que *Kaurano!

Ishkur: A storm-god, canal-controller, son of Anu. God of lightning, rain, and fertility.

De fato, se Urano veio a ser o deus grego do céu diurno é porque foi confundido com Anshar, originariamente o sumério deus de transporte para o céu, ou então o rei dos céus, mero epíteto de An/u.

Anshar > Angal = Ishtaran < *Ishkur-Anu.

Angal (Ishtaran): – Patron god of Der, a city East of the Tigris.

A verdade é que Enki era filho de Anu como Enlil logo, um destes seria Ishkur, que, a meu ver, seriam originariamente a mesma entidade, o deus menino solar filho deKi & Urano.

*Kaurano > Kaurno > «corno» > Crono >

KaruanoKarya(no) => Cariátides.

«Grão» < Lat. Granus ó Lat. *Gryneus.

Gaelic. Grian < Gerião < *Ker-yon > Helyon.

Ishkuran ó Kaurishan*Ker-jon < Karillon > «caralhão e carrilhão».

> Gerião < Grian < Karian < Kary(-An), a deusa dos cárias e das cariátides

> Kali!

Figura 6: Cariátide suméria com a figura do deus das águas doces, Enki.

Ea, o deus «manda chuva» é aqui representado com o pote do «signo do aquário» em atlética atitude colunar qual fálico Hermes sustendo a abóbada celeste enquanto verte a «agua da vida eterna». Pois bem, teria sido esta tradição muito arcaica que veio a explicar a tradição estilística dos deuses cariáticos que a figura objetiviza de forma expressiva. As cariátides não seriam mais do que filhas de Enki, um eufemismo das duplas montanhas da aurora relacionadas com a mitologia da deusa mãe e com a origem do nome de Afrodite!

Sendo assim, tem toda a razão quem sugere que

as explicações para sua origem incluem a influência oriental, o empréstimo de formas nas artes menores e a adaptação de figuras encontradas em perirrhanteria (bacias rituais de água)"

“. Só que, seguramente esta tradição seria na origem tão universal que não seria necessário importá-la do oriente. De resto, a civilização cretense mais antiga seria comum com a suméria na sua origem, pelo menos.

Sabemos o quanto as contingências políticas terão influenciado a religião mas é óbvio que serão sempre motivações de fé as que em definitivo serão determinantes para a alteração do percurso evolutivo da semiologia mítica.

Se alguma veracidade existe na informação que serviu de base à teoria proposta por Vitrúvio para explicar o mito da origem das Cariátides na arquitectura ela não deixa de ser sugestivamente conspirativa para merecer a suspeita de ser preconceituosa e politicamente direccionada.

As figuras femininas na arquitetura que apoiaram encargos são disse ter sido chamado de Cariátides em sinal de escravidão abjeta a que foram reduzidas as mulheres de Caryae (a cidade em Laconia perto das fronteiras da Arcadia, originalmente pertencente ao território de Tegea em Arcadia) pelos gregos, como uma punição por se juntar os persas na invasão da Grécia.

Nesta explicação de gosto racionalista mas, com a mesma lógica simplista e superficial que serviu sempre de suporte nuclear a todos os mitos fundadores, existia uma mera e sutil analogia alegórica que, quanto muito, terá servido apenas para reforço didático de uma situação de homossemia por redundância.

Na verdade Cária não era a famosa acrópole de Megara nem de Mileto. Se pretendêssemos exigir rigor enciclopédico ao profundamente morto e enterrado Vitrúvio (que os deuses tenham em descanso eterno!) referiríamos que havia pelo menos duas Cariae:

Cariae = Aplace in Laconia, sacred to Artemis: (Maidens dance at C. in honour of Artemis) & a place near Pheneus.

No entanto, para comprometer ainda mais do pai dos Arquiteto, existiu uma deusa das «nogueiras» (< Anu-Karias) com este mesmo nome que veio a ser incluída no mito de Artemisa o que permite reportar este culto à cidade epónima da Lacónica onde afinal existia um festival de dança de donzelas em honra da deusa da caça!

Carya was a Greek pre-classical goddess of the walnut tree («nogueira»). She was later assimilated into the Artemis myth, as Caryatis (< Kar Jatis < Kar kakis + An =>Afrodite) in this form.

Assim tudo aponta para Vitrúvio se estivesse a referir a Caryatae, cidade portuária de Tegea mas, com muitas poucas probabilidades de ser a razão do nome das cariátides que quase seguramente decorrerão do culto que as donzelas de Caria dedicavam a Artemisa, Pótnia Teron, a Deusa Mãe que foi filha amantíssima de Enki.

A Carmentalia é um dia que pertence à deusa Carmenta. Ela também era conhecida como Metis, a Titaness of Wisdom. Ela também é chamada de Car, Carya ou Car the Wise. Carmenta era a mãe de Evander. Depois de chegar ao Lácio com o filho, ela subiu ao topo do Monte Capitolino e começou a profetizar. Posteriormente, ela foi reverenciada como uma divindade. Ela também é considerada a deusa do parto. Depois dela são nomeadas as Caryae (nogueiras) e as Carytids (ninfas de nozes).

 

CarmentaKarmeAntuKar-Mintu*Kartu-mna

> Cartona > Cardona.

GRAÇAS

Gratiae – Aglaia (Resplendor), Euphrosyne (Alegria) e Thalia (Frutificação) presidiam toda a beleza e encanto da natureza e da humanidade. As Graças, também conhecidas como Caritas, são as filhas de Vênus de Júpiter ou Baco. Eles governam sobre toda a bondade e benevolência. Eles são representados por três jovens virgens, nuas, de mãos dadas. Eles são os atendentes constantes de Vênus.

Aglaia Ha-Galiha < *Ki-Kalika.

EuphrosyneHau-Phro-kina > *Kaku-Phur-Ki-An.

«Dália» < Thalia (< Talo) < Kalia < Karia < *Kar-kika > Karish > Charis.

Charis, a Grace, Goddess surrounded by delight, graces, & Pleasures. MarriedHephaestus, possibly one of the Fates.

Como Talo era uma das Horas ficamos com a suspeita de que as 3 graças da primavera não eram mais do que uma das variantes das 3 Horas, numa homenagem primaveril às 3 estações do ano mediterrânico, ou se quisermos, uma variante das 3 moiras ou parcas que teciam os fados ao longo dos factos fatídicos dos anos!

Como Afrodite esteve casada com Hefesto foi Afrodite e logo também foi Charis, a mãe das Graças e filha de Talo, nome Egeu de Gaia, a Deusa Mãe primordial!

 

Figura 8: As três Graças de Pompeia!

Figura 7: As Graças dum sarcófago romano de Cartago. Reparar que o formalismo estético da representação destas tridivas seria tão rígido que fazia com que estas duas representações de épocas e locais diversos do império romano parecessem quase um plágio mútuo. (Reconstituição cibernética a partir de original do Museu N. do Bardo, Túnis).

Ver: TALOS (***)

*Kur-Kiki =>

ð     Kar-hites > Grec. Char-ites (CariteV) < *Kertu

ð     Karishas <=> Ishcaras, lit. «filhas ou servas de Ishtar»

ð    => Apsharas.

ð     Karishas > Graishas > Lat. Graces > «Graças».

A decomposição etimológica permite suspeitar que estamos perante uma pura divagação mítica de poetas enamorados pois os nomes de todas as três graças são meros jogos de palavras em torno do nome da arcaica deusa mãe de que derivou o nome de Afrodite!

Derceto (< Ker Ketho < *Kur-kik + An => Afrodite) = A deusa da fertilidade.

DercetoTher Ketho < Ker-Kiku > *Kur-Kiki =>

Ø Ka*Kur-Kiki => Afrodite.

Tsilah Wedo = Haitian goddess of Beauty.

Aka Derceto < Tziraka-Ketho < TsilahWedo.

Tríades < Tari-at-hes < Tar-(i)-at-(ish) < Tar-ish, lit. “filhas de Ishtar”, enquanto deusa do huluppu (a árvore da “vida eterna” e da “boa fruta”)!

Ix Chel = Mayan goddess of Sexual relations

Ix ChelIsh-xerIsh-KarIstar.

Ver: MATRONAS E MATER DEI (…)

O nome do planeta Vénus nas civilizações centro-americanas era:

Azteca: Tlahuizcalpantecuhtli.

Maia: Kukulcan.

Kukulcan < Ka-phur ki-an > An Phur Kaki => Afrodite!

Auseklis = Latvian goddess of Love

Aus-Kelis < Ash-keris Ishkar > Istar.

In Aztec mythology, Itzpapalotl is a goddess of agriculture.

Itzpapalotl Itz-papalo-(tel) < ish-Kapharo = Hapharo-ish > Afrodite.


Cariátide

Origem: Wikipédia english

A cariátide do Erechtheion , de pé em contraposto , exibida no Museu Britânico

caryatid/ k ær i æ t ɪ d / ; grego : Καρυάτις ‘, plural:’ Καρυάτιδες) é uma figura feminina esculpida servindo como um suporte de arquitetura tomando o lugar de uma coluna ou um pilar de sustentação de um entablamento na cabeça. Os gregos karyatides prazo significa literalmente “moças de Karyai “, uma antiga cidade do Peloponeso . Karyai teve um famoso templo dedicado à deusa Artemis em seu aspecto de Ártemis Karyatis: “Como Karyatis ela alegrou-se nas danças da aldeia nut-árvore de Karyai, aqueles Karyatides, que em seu êxtase, dança redonda realizada em suas cabeças cestas de viver canas, como se estivessem dançando plantas “(Kerenyi 1980 p 149).

Uso Antigo

A cariátide Pórtico da Erechtheion , Atenas , 421-407 aC

Alguns dos exemplos mais antigos conhecidos foram encontrados nos tesouros da Delphi , que data de cerca do século 6 aC, mas a sua utilização como suporte na forma de mulheres pode ser rastreada até mais cedo, ao ritual bacias, espelho marfim trata de Phoenicia , e figuras envoltas de Grécia arcaica. Os exemplos mais conhecidos e mais copiados são aqueles dos seis números do Caryatid Porch do Erechtheion na Acrópole em Atenas.

Um desses seis números originais, removidos por Lord Elgin , no início do século 19, está agora no Museu Britânico , em Londres. O Museu da Acrópole detém os outros cinco figuras, que são substituídos por réplicas no local. Os cinco originais que estão em Atenas estão agora a ser exibido no novo Museu da Acrópole , em um balcão especial que permite aos visitantes vê-los de todos os lados. O pedestal para o Caryatid removido para Londres permanece vazio. A partir de 2011, estão a ser limpo por um especialmente construído feixe de laser , que remove a fuligem acumulada e sujeira sem danificar o mármore pátina . Cada Caryatid é limpo no lugar, com um circuito de televisão que transmite o espetáculo ao vivo para os visitantes do museu. Apesar da mesma altura e construir, e da mesma forma vestida e penteada, os seis Cariátides não são os mesmos: os seus rostos, postura, drapeados, e cabelos são esculpidos separadamente, os três à esquerda estar no seu joelho direito, enquanto os três em o direito ficar em seu joelho esquerdo. Seus volumosos, penteados primorosamente arranjadas servir o objectivo crucial de prestar apoio estático para o pescoço, o que de outra forma seria a parte mais fina e estruturalmente mais fraco.

Os romanos também copiou as cariátides Erechtheion, a instalação de cópias no Fórum de Augusto e do Panteão , em Roma , e em Villa de Adriano em Tivoli . Outro exemplo romano, encontrado na Via Appia , é a Townley Caryatid .

Renascimento e depois

St. Gaudens cariátides ‘

Em modernas adiantadas vezes, a prática da integração cariátides em fachadas de edifícios foi reavivado, e nos interiores começaram a ser empregados em lareiras , que não tinham sido uma característica dos edifícios na Antiguidade e oferecidos sem precedentes. Exemplos de interiores precoces são as figuras de Herculkes e Iole esculpidos nas ombreiras de uma lareira monumental na Sala della Jole do Palácio Ducal, Veneza , cerca de 1450. No século seguinte Jacopo Sansovino , tanto escultor e arquiteto, esculpiu um par de figuras femininas de apoio da prateleira de um chimneypiece mármore no Villa Garzoni, perto de Pádua.  Nenhum arquiteto mencionado dispositivo até 1615, quando Palladio aluno ‘s Vincenzo Scamozzi incluído um capítulo dedicado à lareiras em seu Idea della archittura universale.Aqueles nos apartamentos de príncipes e personagens importantes, ele considerou, pode ser grande o suficiente para lareiras com apoiantes cariátides, como aquele que ele ilustrado e um similar ele instalado na Sala dell’Anticollegio, também no Palácio dos Doges.

No século 16, a partir dos exemplos gravados por Sebastiano Serlio tratado ‘s em arquitetura, cariátides tornou-se um dispositivo elétrico no vocabulário decorativo do Norte Maneirismo expressa pela Escola de Fontainebleau e os gravadores de desenhos em Antuérpia . No início do século 17, os exemplos de interiores aparecem em interiores jacobino, na Inglaterra, na Escócia a overmantel no grande salão de Muchalls Castelo continua a ser um dos primeiros exemplos. Cariátides permaneceu parte do alemão barroco vocabulário(ilustração, direita) e foram remodeladas em formas mais contidas e “gregos” por neoclássicos arquitetos e designers, como os quatro cariátides terracota na varanda de St Pancras New Church , Londres (1822).

Barroco tardio cariátides e atlantid hemi-figuras em Sanssouci , Frederico, o Grande ‘s Schloss em Potsdam

Muitos cariátides alinhados na fachada de 1893 Palácio das Artes que abrigam o Museu de Ciência e Indústria de Chicago . Nas artes do desenho, a figura coberta apoiando um acanto capitais cesta adulta tomando a forma de um candelabro ou uma tabela de suporte é um clichê familiar de artes decorativas neoclássica. O Museu John e Mable Ringling de Arte em Sarasota tem cariátides como um motivo em sua fachada oriental.

Em 1905 escultor americano Augustus Saint Gaudens criou uma varanda caryatid para a Galeria de Arte Albright-Knox em Buffalo, Nova Iorque , em que quatro dos oito números (os outros quatro figuras segurando apenas grinaldas) representava uma forma de arte diferente, Arquitetura, Pintura, Esculturamúsica.

Origens

As origens do termo não são claras. Está registrado pela primeira vez em latim caryatides formulário pelo arquiteto romano Vitrúvio .Ele declarou em seu primeiro século aC obra De architectura (I.1.5), que as figuras femininas do Erechtheion representava a punição das mulheres da Karyæ , uma cidade perto de Sparta em Laconia , que foram condenados à escravidão após trair Atenas por tapume com a Pérsia nas Guerras Greco-persas . No entanto, a explicação Vitruvius “é duvidoso; bem antes das Guerras Persas, figuras femininas foram usados ​​como suportes decorativos na Grécia  e do antigo Oriente Próximo. Seja qual for a origem pode ter sido, a associação de cariátides com a escravidão persiste e é prevalente em arte renascentista.

O Karyæ antiga (” Walnut Trees “) supostamente foi uma das seis aldeias adjacentes, que se uniram para formar o município original do Sparta , e a cidade natal de Menelau rainha “, Helen of Troy . Meninas de Karyæ foram consideradas especialmente bonitas, altas, fortes, e capazes de dar à luz filhos fortes.

A caryatid apoiar um cesto na cabeça é chamado de canephora (“cesta-portador”), representando uma das donzelas que carregavam objetos sagrados usados ​​em festas das deusas Atena e Artemis . As cariátides Erectheion, em um santuário dedicado a um rei arcaico de Atenas , pode, portanto, representar sacerdotisas de Artemis em Karyæ, um lugar chamado para a “irmandade nut-árvore” – aparentemente em Micenas vezes, assim como outros feminino plural topônimos , como Hyrai ou a própria Atenas.

A contraparte masculina depois do caryatid é referido como um telamon (telamones plural) ou atlas (atlantes plural) – o nome refere-se à lenda de Atlas , que carregou a esfera dos céus sobre seus ombros. Tais números foram usados ​​em uma escala monumental, nomeadamente no Templo de Zeus Olímpico em Agrigento , Sicília .

Galeria

  • Parlamento austríaco (1874-1883), Viena

  • 1.812 sobremesa estande
    ( Paul Storr , Londres)

  • Livro Torre (1916-1926), Detroit

  • Sun Life Building (1913-1931), Montreal

  • Walhalla Temple (1830-1842), Baviera , Alemanha

  • No portal do Palais Pallavicini emJosefsplatz , Viena

  • Na cidade de Nova York SoHo distrito
    (542 Broadway, 1864)

  • Cariátides vitorianos em um Edimburgo loja de departamento

  • Lança cariátides concretas em Nogales, Sonora , México

  • cariátides que representam as estações do ano por Thomas Shields Clarke ,Apelação Divisão tribunal do Estado de Nova Iorque , NYC

Similar Posts