Artigos do Portal:
#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Espiritualidade Informações Essenciais Mitologia Feminina

As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)

Bardo Mandala de deidades pacíficas e ‘iradas’:

Bardo Mandala de deidades pacíficas e iradas

Este thangka representa o conjunto dos 42 ‘pacíficos’ (zhi) e 58 ‘irada’ (khro) divindades que constituem os cem deidades pacíficas e iradas do Zhitro (zhi-khro) ou Mandala Bardo. Estas divindades são precisamente descrito no texto bem conhecido do Bardo Thodol ou “Livro Tibetano dos Mortos”, como eles surgem em sequência dos chakras da garganta, coração e da coroa durante o período do dia 49 do “estado intermediário” ( bardo), que ocorre entre a morte eo renascimento.
Thangkas modernas da Mandala Bardo ou Zhitro de deidades pacíficas e iradas são bastante raras, mas este thangka bonito foi pintado pelo artista butanês treinado Dorje Tamang, e é completamente preciso em seus detalhes e iconografia. Esta cópia giclee é acompanhada por um texto extenso escrito que explica totalmente a iconografia eo simbolismo desta composição inteira.

No centro da parte superior da pintura são o Buda primordial azul, Samantabhadra, e sua consorte branco, Samantabhadri, que representam a união da consciência pura e vazio. Logo abaixo aparecem em branco Buda Vairochana e sua consorte, que são entronizado no centro da “Mandala de Deidades Pacíficas”, e rodeado pelos cinco vidyadharas ou dos Detentores do Conhecimento ‘, que dança sobre nuvens com suas consortes femininas.

Em redor deste conjunto de divindades são quatro círculos do arco-íris que cercavam o direcional de quatro Budas e seus consortes, que estão cada flanqueado de ambos os lados por dois Bodhisattvas masculinos e, acima e abaixo por dois Bodhisattvas femininos. No leste do arco-íris azul círculo são Aksobhya-Vajrasattva e sua consorte. No círculo amarelo do sul são Ratnasambhava e sua consorte. No círculo vermelho ocidental são Amitabha e sua consorte. E no círculo verde do norte são Amoghasiddhi e sua consorte.

Para a esquerda e para a direita destas esferas de arco-íris são os oito gatekeepers ‘, e os’ seis sábios ‘. Os oito manifestar gatekeepers como quatro divindades iradas e suas consortes, que são de cor branco, amarelo, vermelho e verde para corresponder com as quatro direções. Os seis sábios aparecem como seis budas em pé, cujas cores e atributos correspondem aos dos seis reinos da existência cíclica de: branca (deuses), verde (deuses invejosos), vermelho (fantasmas famintos) à esquerda, e amarelo (seres humanos), azul (animais), preto (infernos) à direita.

Coletivamente este conjunto na área do céu superior representa a “Mandala das Deidades Quarenta e dois pacífica”, e o conjunto dos ‘dez vidyadharas “ou de conhecimento titulares. Nos cantos superiores esquerdo e direito da pintura são Vajradhara azul com sua consorte, e branco Vajrasattva.

Dominando o centro do quadro é Mahottara Heruka, que é irado, na cor marrom, com três triple-eyed faces, seis braços, Vajra-asas, e está em união sexual com sua consorte azul em meio a uma massa ardente de fogo de sabedoria. Em frente Mahottara é um ardente taça de crânio que contém a “oferta irada dos cinco órgãos dos sentidos” (olhos, ouvidos, nariz, língua e coração). Por trás dessas ofertas sensoriais é um ‘bolo sacrificial “torma ou triangular, que emana chamas e luz arco-íris. E para o canto inferior esquerdo e direito do crânio central são dois pequenos crânio-copos montado em crânio-tripés, que contêm um coração e olhos, e as ‘cinco grandes’ proibidos carnes (vaca, elefante, cavalo, macaco, cachorro e) . Ao redor do trono Mahottara de lótus são o matarah oito ou ‘mães’. Essas deusas coléricas são dois braços e com cabeça humana, e dançam em meio a nuvens e ventos que prendem seus vários atributos e armas.

Mahottara Heruka e sua consorte, Krodheshvari, são as manifestações iradas da Samantabhadra e Samantabhadri, e eles aparecem são cercados pelas manifestações iradas correspondentes do “Cinco Budas e seus consortes, os ‘Cinco das Mães. Cada um desses cinco Buddhas irado masculino e feminino são similares na aparência para Mahottara e sua consorte, com três faces, seis braços, Vajra-asas e auras de fogo, e cada um é acompanhado por uma comitiva específico de deusas coléricas.

Logo abaixo Mahottara é marrom Buda Heruka com a sua luz marrom consorte, que aparece como a manifestação irada do Buddha Vairochana e sua consorte. Ele fica em cima de um trono de lótus cargo oito animais: a makara, leopardo, tigre e leão (à esquerda), e um elefante, búfalo, chacal e cobra (à direita). Esses animais são os veículos de deusas do “Oito Protector ‘que circundam lótus Buda Heruka do trono, que também são dois braços, com cabeça humana, e dança no meio de nuvens ondulando como manter seus atributos coléricas. No entanto, estes oito deusas servir como guardiões direcionais, e na verdade não são incluídos na mandala das divindades cinqüenta e oito coléricas.

Circundante Mahottara e Buda Heruka nos quatro quadrantes direcionais são as manifestações iradas dos outros quatro Budas direcional, que também aparecem com três cabeças, seis braços, Vajra-asas, e abraçar seus consortes em meio a uma massa ardente de fogo. Abaixo de cada um destes Buddhas quatro irado são um grupo de seis yoginis, que coletivamente constituem 24 do isvari 28 ou ‘ladies’. Todos estes têm yoginis animal específico ou de cabeças de aves e cores, e eles dançam em meio a nuvens empunhando os seus atributos específicos. Os restantes quatro yoginis servir como “porteiros yogini dos direcionais, que juntamente com outro grupo conhecido como quatro “guardiões feminino”, aparecem em estreita proximidade com os Budas quatro irado.

No leste (inferior esquerdo) é azul Vajra Heruka e azul claro sua consorte, que é a manifestação irada de Aksobhya-Vajrasattva e sua consorte. Vajra Heruka é rodeada pelas dos seis yoginis do oriente ‘, com o branco cuco-headed yogini-gatekeeper eo cavalo branco com cabeça de mulher-gatekeeper do leste aparecem abaixo.

No sul (superior esquerdo) é amarelo Ratna Heruka com sua consorte amarelo, que são as manifestações iradas de Ratnasambhava e sua consorte. Ratna Heruka é rodeada pelas dos seis yoginis do sul “, com o amarelo de cabra-de-cabeça-yogini gatekeeper eo amarelo porca-headed feminino gatekeeper do sul aparecendo acima.

No oeste (superior direito) é vermelho Padma Heruka com sua consorte luz vermelha, que é a manifestação irada de Amitabha e sua consorte. Padma Heruka é rodeada pelas dos seis yoginis do oeste “, com o vermelho do leão-de-cabeça-yogini gatekeeper eo vermelho com cabeça de leão fêmea-gatekeeper do oeste aparecendo acima.

No norte (inferior direito) é Heruka Karma verde com a sua luz verde consorte, que são as manifestações iradas de Amoghasiddhi e sua consorte. Karma Heruka é rodeada pelas dos seis yoginis do norte “, com o verde de cabeça de cobra yogini-gatekeeper eo verde de cabeça de cobra fêmea-gatekeeper do norte aparecem abaixo.

O último grupo de deusas coléricas, que coletivamente formam parte da “Mandala de Cinqüenta e oito divindades iradas ‘são os’ pishaci oito ‘. Estes são uma classe de espíritos femininos que aparecem no séquito de muitas divindades iradas, onde são muitas vezes identificadas como bruxas, comedores de carne, ou espíritos possessivos. Quatro deles são pishaci com cabeça de animal e aparecem à esquerda do trono Mahottara de lótus, enquanto os outros quatro são alado e ave-de-cabeça e aparecem à direita do trono Mahottara de lótus.

© texto de Robert Beer

Bardo

Tib, bar-do:. Intermediário estado
Skt., Antarabhava

É verdade que o termo tibetano-bar que é usado para indicar as fases intermediárias que se tem de passar, de acordo com estes ensinamentos, entre a morte da pessoa e uma de renascimento oureencarnação .

No entanto, bardo também é sinónimo de outros estados especiais da mente, nem todos que estão conectados com a morte. A sua diferenciação é como se segue:

  1. Skyes de gnas barra de tarefas
    estado intermediário de consciência comum, o estado normal de vigília
  2. rmi-lam-bar fazer
    estado intermediário de sonhar
  3. bsam-gtan barra de tarefas
    estado intermediário da meditação
  4. ‘Qui-kha’i-bar fazer
    estado intermediário da morte, do momento da morte
  5. chos-nyid barra de tarefas
    estado intermediário da realidade
  6. srid-pa barra de tarefas
    estado intermediário do renascimento, de se tornar

Como pode ser visto a partir destas traduções, apenas Estados 4 a 6 são uma parte do período durante o qual um indivíduo é acreditado para permanecer em uma espécie de limbo entre a morte e (re) nascimento, um período que dura – de acordo com os ensinamentos tibetanos – 40 e nove dias.

Bardo Thödol

Tib., Bar-do’i thos-grol, pronunciado como Bardo Thötröl

Segundo a tradição, um texto sagrado baseado nos ensinamentos orais de Padmasambhava e registradas na forma escrita, por volta do ano 760. Depois de ter sido escondida como um chamadoterma , o texto foi então redescoberto (e estendida), pelo terton Lingpa Karma no século 14.

O texto é parte da coleção Zhikhro Kargling do Dzogchen tradição e mostra traços de antes e originalmente pré-budista tibetano pensamento; indicado pelo simbolismo e divindades que fazem parte do xamânica Bön religião.

Por meio da deturpação início do texto por Evans-Wentz (1878-1957), o leitor ocidental veio a conhecer este texto como O Livro Tibetano dos Mortos, uma tradução que tem muitos leitores desorientados. A tradução é muito melhor Libertação pela Audição Durante sua existência no Bardo .

O texto é geralmente lido em voz alta (ou seja, “Libertação pela Audição”) para alguém em bardo, às vezes como a instrução pura para a meditação e, no momento da morte, para preparar a mente para as aventuras pela frente .

Literatura

Evans-Wentz, WY O Livro Tibetano dos Mortos. São Paulo: 1927. New York: Oxford University Press, 1927. Reimpressão 1960.
Fremantle, Francesca, e Chögyam Trungpa O Livro Tibetano dos Mortos:. A Grande Libertação Através da audição no Bardo. Boston e Londres: Shambhala, 1975.
Lauf, Doutrinas DI Secretos dos Livros Tibetano dos Mortos. Boston e Londres: Shambhala, 1977.
Reynolds, John Myrdhin. Autolibertação Através Vendo com consciência Naked (tib., Rig-pa ngo-Sprod gcer-mthong tocou-grol). Barrytown, NY: Estação Hill, 1989.
Thurman, Robert AF (trad.). O Livro Tibetano dos Mortos. New York: Bantam, 1994.

Bardo Mandala

Libertação Natural Através de Visão Nua

Thangka das 100 divindades ferozes e suave no Bardo
Origem Desconhecida

Bardo Mandala

Também conhecido como o “Mandala das deidades pacíficas e iradas”, esta pintura retrata todas as 100 deidades ferozes e gentil que aparecem no bardo .
Curiosamente, embora raramente comentado, 66 das 100 divindades são do sexo feminino .

Muitos dos antigos ensinamentos tibetanos relativas a este estado entre a morte eo renascimento, foram escritas no Bardo Thödol , popularmente conhecido como Livro Tibetano dos Mortos. Este texto do século 8, para ser lido em voz alta para a pessoa que está morrendo (morto respectivamente), destina-se a guiá-la ou ele através das visões interiores que ocorrem durante esta fase de transição, um processo que dura doze dos quarenta e nove dias passou no bardo .

Nessas visões iluminadas da realidade espiritual, encontra-se tanto suave (ou pacífica) e ferozes (ou colérico) aspectos da divindade – e, portanto, de si mesmo. Segundo o texto, o número de divindades, assim, encontrou número cem, 58 dos quais são de semblante feroz e 42 de uma pessoa gentil.

Para ajudar as pessoas a compreender essas visões e estar preparado para quando eles ocorrem, os artistas, por vezes, colocou-os em uma mandala única que retrata todas as cem divindades com seus inúmeros símbolos e associações.

Um tal Thangka das Deidades ferozes e Gentil é mostrado acima. Embora se faz encontrar variações entre estas pinturas, dependendo de sua origem (diferentes ordens budistas, por vezes, seguir os textos ligeiramente diferentes), o thangka descrito abaixo é muito típico e se encaixa a maioria das traduções disponíveis do Bardo Thödol.

As visões e da mandala, desdobrar-se na seguinte ordem:

1 º dia

Primeiro a aparecer, nua e em união inseparável (yab-yum) é o casal divino formado porSamantabhadri (a Grande Mãe que produz todos os Budas das três idades) e Samantabhadra (o Primordeal Adibuddha ).

Juntos, os Samantabhadri branco (refinado sabedoria e discernimento) ea Samantabhadra azul (não discriminatório consciência universal) encarnam o princípio mais exaltado do tibetano Tantra , aunião de meios hábeis e cognição profunda, também conhecida como a união de caminho e objetivo.
A união dessas duas divindades que representam a esfera mais alta, então dá origem a todos os subseqüentes 98 divindades das visões; cada um dos quais é uma projeção específica do ego humano / mente.
A primeira delas a aparecer, neste mesmo dia, é o casal divino formado por Akasha Dhatvishvari (um dos Dakinis Sabedoria ) e Vairocana (um dos Budas Sambhogakaya ). Eles também são vistos como estar em união profunda (yab-yum).

2 ª a 5 ª dia

Durante cada um destes quatro dias, um outro casal divino aparece em cada dia sucessivo. Cada um destes é constituído por um dos cinco Dakinis Wisdom em união com um a cinco Sambhogakaya Budas . Cada um destes pares (em yab-yum) é atendido (e rodeado) por dois dos oito Dakinis Bodhisattva e duas correspondentes do sexo masculino Bodhisattvas , de modo que cada dia seis deidades aparecem na Visionário mandala.

6 º dia

Neste dia, catorze outras divindades aparecem no cenário virtual interior da mente. Estes são os quatro Dakinis Guarda e as quatro correspondentes ferozes responsáveis ​​masculinos das portas.Eles estão localizados fora dos cinco casais que apareceram mais cedo.
Em seguida, os Budas seis dos Reinos (deuses, humanos, inferno, etc) fazem o seu aparecimento, fechando a seqüência das divindades quarenta e dois gentis e pacífica.

7 º dia

Como uma transição entre o host de 42 divindades suaves, e os 58 entes ferozes a aparecer a partir dos anos 8o dia, este dia traz uma mandala, composto pelos cinco Dakini / Vidyadhara casais cercados por uma multidão incontável de dakinis e protetores nem leves nem feroz de semblante.Todos estes não contam entre as divindades de cem principais da mandala.

8 º ao 12 º dia

O padrão de 8 dias e os dias seguintes 9 a 12 Segue-se que um dos primeiros 5 dias descritos acima. Em cada dia consecutivo, um casal aparece, embora desta vez cada um deles composto por um Krodeshvari emanação e um Heruka correspondente masculino.

12 º dia

Quando o último dos casais Krodeshvari / Heruka manifestou, aparecem – em torno deles – os oitoKerima , deusas também conhecido como Gauri. Em seguida na linha aparecem os oito Phramenmaou Pisaci, aspectos ferozes do Dakinis Boddhisattva (segunda-5 º dia). Mais uma vez, como no dia 6, quatro do sexo feminino guardiões aparecer, desta vez anunciando a chegada dos últimos vinte e oito divindades, os ferozes e poderosos carne-comendo yoginis .

Detalhando:

Bardo Deusas

Se você nunca tentou ler o chamado Livro Tibetano dos Mortos (tib., Bardo Thödol ), ou nunca ouviram falar dele, o seguinte não pode golpeá-lo como interessante, ou talvez possa ser completamente ininteligível.

Se você ler, no entanto, simplesmente tente imaginar como ele vai se sentir quando as figuras a seguir aparecem a você durante a fase transitória entre a sua morte e renascimento , um estado conhecido como bardo .

O que você vai encontrar aqui, são descrições de uma variedade de deusas, principalmente grupos de dakinis e yoginis , que aparecem durante as várias fases quando alguém está navegando na bardo.

Considerando que os ensinamentos e literatura sobre o bardo-estados é uma mistura de Bön (a antiga tradição xamânica do Tibete e do Himalaia ocidental) e tântrica budismo tibetano (em sânscrito, vajrayana ), muitas das divindades aqui listados claramente origem na pré -budista tradição, embora hoje eles são simplesmente considerado como budista.

Para os outros que são mais ou menos familiarizados com estes textos, a seguir pode ser útil para navegar bardo-literatura – e para apreciar a plenitude incrível de vazio da mente tibetano.

1-Quatro Animal-Headed Guardião Dakinis

2- Cinco Dakinis de Sabedoria

3- Cinco Emanações de Krodhesvari

4- Oito Bodhisattva Dakinis

5- Oito Kerima Dakinis

6- Oito Phramenma Dakinis

7- 28 Fierce & Poderosa Deusas

1- Quatro Guardião Dakinis cabeças de animal

Tib, SGO ma bzhi:. Quatro Mães Portão

Esses “guardiões dos quatro portões da Mandala ‘, aka’ os quatro Gate Keepers feminino”, aparecem no dia 6 do bardo (não confundir com os quatro Vajra-guardiões que aparecem no 12 º dia).

Seus nomes refletem a ferramenta simbólica ou arma que têm nas suas mãos, e todas as divindades aparecem rodeados por chamas e vestindo uma pele de tigre. Elas simbolizam / representar certos métodos e maneiras de renascer quando emerge do bardo:

  • Gancho: pele branca, cavalo-headed Ankusha (tib., RTA-gdong-ma) aparece no Oriente, carregando uma Kapala (taça de crânio) e um ankusha . Ela representa o renascimento de uma forma sobrenatural.
  • o Laço: amarelo pele, porca-headed Pashadhari (tib., Phag-gdong-ma) aparece no Sul, carregando um Kapala e um paxá . Ela representa o renascimento por meio de um útero.
  • da Cadeia: vermelho sem pele, com cabeça de leão Vajrashrinkhala (tib., Seng-gdong-ma)aparece no Ocidente, levando Kapala e shrinkhala . Ela representa o renascimento por meio de um ovo.
  • a Bell: verde pele, serpente-headed Ghanta (tib., sBrul-gdong-ma; spyang gdong ma) aparece no Norte, carregando uma Kapala e um ghanta . Ela representa o renascimento pelo calor.

Nota
Evans Wentz dá Kinkinidhari em vez de Ghanta.
Thurman dá Spotha (um sinônimo para a cadeia shrinkhala ) em vez de Vajrasrinkhala, ea curto ao invés de Pasha Pasadhari.

2- Cinco Dakinis de Sabedoria

Tib., Ye shes-mKha-‘gro lnga

O Dakinis Sabedoria designação se refere a cinco Dakinis principais que aparecem no Bardo Thödoldurante os primeiros cinco dias no bardo , uma em cada dia sucessivo e cada um em união inseparável com um dos cinco Budas Sambhogakaya . Só que aparece em união com que varia em diferentes contas.

Às vezes, com o tibetano ye shes-traduzido como “consciência” em vez de “sabedoria”, essas deusas são chamados Dakinis Consciência. Eles são considerados como emanações de Vajravarahi , que por sua vez é um aspecto da Vajrayogini .

Em um nível humano, estes dakinis Acredita-se que manifesta-se como as cinco mulheres que praticaram os ensinamentos junto com Padmasambhava, incluindo os exercícios mais secretos.Erroneamente e infelizmente, estas duas deusas mais importantes e suas encarnações humanas são muitas vezes reduzidos na importância simplesmente chamando-lhes os cinco consortes .

  1. AkashadhatvishvariBuddha-Dakini aparece no 1 º dia no Centro, em união com Vairocana. Sua cor é branca e seu elemento éter, ela representa a Sabedoria da Lei Universal. (Ou com qualquer Ratnasambhava ou Akshobhya
  2. Locana Vajra-Dakini aparece no 2 º dia no Oriente, em união com Aksobhya. Sua cor é azul e seu elemento água, ela representa a sabedoria do espelho. (Ou com Vairocana no Oriente)
  3. Mamaki Ratna-Dakini aparece no 3 º dia no Sul, em união com Ratnasambhava. Sua cor é oamarelo eo seu elemento terra, ela representa
    Sabedoria da Igualdade. (Ou com Akshobhya no Centro)
  4. Padma-Dakini Pandaravasini [Pandara] aparece no 4 º dia no Ocidente, em união com Amitabha. Sua cor é vermelha e seu elemento fogo, ela representa
    Sabedoria de Distinção e Discernimento.
  5. Karma-Dakini Samayatara [Samaya Tara] aparece no dia 5 no Norte, em união com Amoghasiddhi. Sua cor é verde e seu elemento ar, ela representa a Sabedoria de Ação e Realização.

(Anexo 1) Cinco Budas Sambhogakaya

Skt., Pancabuddha
Tib, sangs rgyas lnga:. Cinco Uns purificados e Despertos

De acordo com o Bardo Thödol , estes cinco Dhyani Budas aparecem, um por dia e em união com os correspondentes Dakinis de Sabedoria , durante os primeiros cinco dias do bardo :

  1. Vairocana (tib., Nampar Nangdza; RNAm-par-sNang mDzad) centro
  2. Akshobhya (tib., Mikyopa; Mi-bsKyod-pa) leste
  3. Ratnasambhava (tib., Rinchenjungdan; Rin-chen-hByung ldan) sul
  4. Amitabha (tib., Opame; Hod-DP-med) a oeste
  5. Amoghasiddhi (tib., Donjodubpa; Don-yod-Grub-pa) norte

Instruções

No desenho, o plano central azul representa o reino sambhogakaya, indicando os cinco sentidos em que o manifesto Budas acima como seres visionários que representam o todo-abrangenteAdibuddha (aqui simbolizado pela esfera tridimensional).

Cada um destes Buddhas representa uma das cinco famílias e cada um também tem um chamado “filho espiritual” (ou duas): Bodhisattvas que representam a energia ativa da respectivaSambhogakaya Buda por meio de seus ( Nirmanakaya ) manifestações e encarnações.

Nota:
Há outros nomes coletivos em sânscrito, em uso para estes cinco divindades: tathagathasJinas.Além disso, existem outros sistemas de organização – a maioria com posições Vairocana mudança (centro / leste) com Akshobhya.

Samantabhadra, Kuntuzangpo

Tib., Kun-tu-bzang-po
Jap, Fugen:. All Good

Nos textos mais antigos e entre os Nyingmapa , o Samantabhadra Pai de Todos é considerado como o Adibuddha e é geralmente mostrado na Yab-Yum com o Samantabhadri Mãe-Tudo ou Kuntuzangmo (tib., kun-tu-bzang-mo).

Nos ensinamentos de outras escolas tibetanas, Samantabhadra é um dos oito Bodhisattvas e “filho espiritual” (emanação, manifestação) de Vajrasattva. Como tal, ele é também conhecido sob o nome de Ghantapani (sânsc., Bell-portador).

Agora, para uma mente ocidental, geralmente doutrinados com o conceito cristão, a idéia de um Pai Todo-soa familiar. Esta versão tibetana do mesmo, no entanto, não faz de todo o ajuste. OSamantabhadra Pai de Todos não é uma divindade em tudo! Se alguém estuda Nyingmapaescrituras, e especialmente Dzogchen , torna-se claro que Samantabhadra é um termo para indicar oestado natural perfeito e imaculado da mente … a mente que cria todos os fenômenos sem ser enganado em acreditar que esses fenômenos mesmos têm qualquer realidade.

Eu estou dizendo isso em palavras simples e, talvez, desleixado, e eu só pode se referir a todos os interessados ​​nas obras de grandes mentes lingüísticos como Longchenpa .

3- Krodeshvari

Krodeshvari é um branco puro dakini que aparece (no bardo ) em união inseparável (yab-yum) com o poderoso e feroz Chemchog Heruka, uma emanação do Adibuddha Samantabhadra .

Juntos, eles dão origem aos cinco casais divinos que aparecem a partir do dia 8 de bardo em diante, cada um que representa uma das cinco famílias de Buddha , com as Herukas do sexo masculino também estão sendo associadas à Budas Sambhogakaya :

  • Buddha-Krodhesvari aparece no dia 8 no Centro com fumaça de cor branca-Buda Heruka (de Vairocana)
  • Vajra-Krodhesvari aparece no 9 º dia no Oriente com azul-escuro Vajra-Heruka (de Aksobhya)
  • Ratna-Krodhesvari aparece no 10 º dia no Sul com Ratna-Heruka amarelo (de Ratnasambhava)
  • Padma-Krodhesvari aparece no 11 º dia no Ocidente, com vermelho Padma-Heruka (de Amitabha)
  • Karma-Krodhesvari aparece no 12 º dia no Norte, com verde Karma-Heruka (de Amoghasiddhi)

4- Oito Bodhisattva Dakinis

O Bardo Thödol fala de oito mulheres Bodhisattvas aparecem em grupos de dois, durante o 2 º ao 5 º dia do bardo .

The Eight Mahabodhisattvas

As divindades em questão, listados de acordo com sua aparência, têm os seguintes nomes:

  • 2 º dia
    1. Lasya, que governa o sentido humano da visão e atrai todos os olhares em direção a ela através da realização de dança e mudra (1) . Assim, ela é vista como o arquétipo divino da fêmea sedutora, exibindo a beleza física, a dignidade, majestade e poder de sedução do princípio feminino.
    2. Pushpa (em sânscrito, puspa, “flor”), a Deusa das flores e do ambiente natural, bem como o Bodhisattva da visão e da visão.
  • 3 º dia
    1. Mala, o Bodhisattva da adornos, colares e guirlandas
    2. Dhupa, a Deusa do cheiro do ar, eo perfume que carrega e queima incenso maravilhosa
  • 4 º dia
    1. Gita, o Bodhisattva de cantar e cantar
    2. Aloka, que carrega a tocha da luz branca sem limites
  • 5 º dia
    1. Gandha, Deusa de sentimentos que transportam uma essência feita de ervas, o que representa a percepção sensorial
    2. Naivedya ou Nartya, que oferece o alimento de meditação que é necessário para a ação hábil

Estes oito deusas são associadas com os oito do sexo masculino Bodhisattvas , com quem eles são freqüentemente mostrado na união sexual, mais precisamente na yab-yum posição.

No sétimo dia aparecem os Vidyadharas e suas Dakinis, não são pacíficos nem coléricos, mas são anti-convencionais.

A Partir do Oitavo dia aparecem as deidades coléricas, mais poderosas:

Os aspectos violentos entre os oito deuses são conhecidos como Oito Phramenma .

5- Oito Kerima Dakinis

Tib., RNAm shes-orgyad-kyi ye shes-mkha’-‘gro bzhi
Dakinis dos oito tipos de consciência

O Keurima Oito

De acordo com o Bardo Thödol , essas divindades aparecem no 12 º dia do bardo , em torno dasKrodeshvari casais-Heruka.

Eles são subdivididos em dois grupos:
Quatro Dakinis internas (N ang-gi mkha’-‘gro bzhi) das direções cardeais (cores puras)
Quatro Dakinis externas (Phyi-yi mkha’-‘gro bzhi) das direções intermediárias (cores misturadas)

Juntos, eles representam os terríveis e aterrorizantes contrapartes femininas dos oito do sexo masculino Bodhisattvas .

  • Médio: pele branca Kerima (ou Gauri ) carregando uma Kapala (taça de crânio)
    e um clube sob a forma de um cadáver humano
  • SE: laranja descascada Pukkasi carregando entranhas (tib.,?)
  • Sul: amarelo pele Caurima (Chauri) carregando uma desenhado arco e flecha
  • SW: verde-negra pele Ghasmari carregando um dorje e beber o sangue de um asrikkapala
  • Oeste: vermelho Pramoha pele levando a bandeira da vitória
  • NW: branco-amarelada de pele Candali carregando um cadáver e um coração
  • Norte: verde pele Vetali (Vaitali, Petali) carregando uma Kapala e um dorje
  • NE: azul-preto pele Smashali (Smasani) torcendo a cabeça de um cadáver

Nota
Em alguns textos, o Kerima (ou Keurima) são nomeados Gauri , e sob a liderança de um Gauri, bem como, ainda mais com a maioria os mesmos nomes e simbolismos.

6-  Oito Phramenma Dakinis

Um grupo de ferozes, dakinis com cabeças de animais e carne-de comer. Junto com outras guardiãs de divindades, que aparecem durante o 12 º dia do bardo .

O Keurima Oito

Eles representam os aspectos violentos entre os oito mais suave e pacífica Dakinis Bodhisattva .

  • Médio: Simhamukhi , Leão-de-cabeça com a pele marrom, devorando um cadáver, as mãos cruzadas
  • SE: Grdhramukhi, abutre-de-cabeça com o amarelo-branco de pele, rasgando as entranhas de um cadáver
  • Sul: Vyaghramukhi, Tigre-de-cabeça com a pele vermelha, as mãos cruzadas
  • SW: Kankamukhi, pássaro-dirigido com a pele vermelho escuro, arrastando um cadáver grande
  • Oeste: Srgalamukhi, Hyena / Fox-de-cabeça com a pele negra, com Phurbu , chupando entranhas
  • NW: Kakamukhi, Raven ou Crow-dirigido com a pele negra, com Kapala e kartrika
  • Norte: Svamukhi, Wolf-de-cabeça com a pele azul escuro, devorando um cadáver
  • NE: Ulumukhi, coruja-de-cabeça com a pele azul escuro, com Kapala e khadga (espada)

Notas
Em algumas traduções, o Phramenma nome é transliterado como Htamenha, e às vezes o grupo recebe o nome Pisaci (ghouls) e / ou está classificado como Ma-mo Deusas.

As cores de pele e orientações dadas aqui não se encaixam com o habitual esquema tibetano aplicado ao número 8 .

7- 28 Fierce & Poderosa consumo de carne Deusas

Tib, dbang phyug-ma, dbang-phyug nyer-orgyad.;
Wangchugma: Yoginis feroz e poderoso
Tib., Sha-za mKha-‘gro
Shashkhadroma: consumo de carne Dakinis

Um grupo de vinte e oito deusas conhecidos por dois nomes diferentes e classificados igualmente como yoginis e como dakinis .

Todos aparecem nus, com uma cor distinta e uma cabeça de animal. Eles podem ainda ser identificados pela arma simbólica ou ferramenta cada detém nas mãos.

Muitas vezes, dizem que são ditos pertencer à comitiva da deusa Peldan Lhamo e aparecem no 12 º dia do bardo . Em cada um dos quatro sentidos cardinais, um grupo de seis deidades aparece, adicionando até 24. Uma vez no local, eles são unidos pela Vajra Four, responsáveis ​​divindades dessas quatro direções cada uma que carrega o nome Vajra, completando as fileiras a 28 em número.

Oriente

  • (fumaça preta pele de iaque-headed Raksasi com um dorje)
  • laranja pele de serpente dirigiu Brahmani (Brahmi) com uma flor de lótus
  • verde-escuro de pele de leopardo-headed Mahadevi com um tridente
  • azul pele mongoose cabeças Vaisnavi (Lobha) com uma roda de dharma
  • vermelho pele de neve urso-de-cabeça Kumari com uma curta lança
  • pele branca urso-de-cabeça Indrani (também um G’na ) com uma corda feita de entranhas
  • (pele branca Vajra cuco-cabeças com um gancho de ferro)

Sul

  • amarelo Vajri porca-headed pele com um kartrika (faca esfola)
  • vermelho descascado água dragão com cabeça de Santi com um vaso (água da vida)
  • vermelho pele escorpião-headed Amrita com uma flor de lótus
  • pele branca falcão ou gavião-headed Chandra com um dorje
  • verde-negra pele Danda fox-cabeças com um danda (bastão)
  • (amarelo-preto pele de tigre-headed Raksasi com um asrikkapala (copo cheio de sangue do crânio))
  • (cabra ou pele amarela Vajra antílope-de-cabeça com um laço)

Ocidente

  • verde-escuro de pele abutre de cabeça Bhaksini (Za ba) com um clube
  • vermelho pele cavalo-de-cabeça Rati (d’Ga’ ba-) com o tronco de um cadáver
  • pele branca garuda-headed Mahabali com um clube
  • (vermelho sem pele cão-headed Raksasi com um kartrika)
  • vermelho sem pele poupa-headed Abhilasi com arco e flecha (kama)
  • verde-escuro de pele de veado-headed Vasuraksa (Nor-srung) com um vaso
  • (vermelho sem pele com cabeça de leão Vajra com um ferro cadeia)

Norte

  • azul pele de lobo dirigido Vajudevi com uma bandeira (vayavi)
  • vermelho pele de búfalo-headed Nari com uma participação de
  • preto pele porca-headed Varahi (phag mo) com uma corda feita de dentes
  • (vermelho sem pele corvo-headed Vajri com a pele de uma criança)
  • verde-escuro de pele com cabeça de elefante Mahahastini (SNA-chen) com um cadáver grande (mahanasi)
  • azul pele serpente de cabeça Varuni com um nagapasha (nó de cobras)
  • (verde descascado Vajra serpente de cabeça com um ghanta)

Padmasambhava

ca. 730 – ca. 805

O sânscrito nome dessa famosa traduz como Grande Guru “Lotus-nascido”, que às vezes é tomado para indicar um milagroso, o nascimento não-humano. No entanto, segundo outras fontes, ele é dito ser o filho de Indrabhuti – outro sábio famoso envolvido com a divulgação de Tantra no Tibete – e de ter nascido em Uddiyana onde ele foi criado pela família real local.

Também no Bön tradição, religião, idade e indígena do Tibete, Padmasambhava é claramente considerado como ser humano histórico.

Ao viajar pelo Tibete, a fim de subjugar todos os demônios locais e feroz (isto é, não-budistas divindades) da religião Bön então prevalente xamânica, Guru Pema – como Padmasambhava é muitas vezes chamado – por vezes, recorreram às mulheres “manifestações” de si mesmo, por exemplo, como o leão-cabeça Simhamukha .

Em outras ocasiões, o próprio herói sentiu que precisava iniciações certas e os conhecimentos que estava possuído por adeptas do Tibete, e ele não me esquivei de verdade implorando para ele, como a fascinante história de Suryachandrasiddhi mostra muito claramente.

Como um verdadeiro tântrico, o mestre iniciado, e por sua vez foi iniciada, bem como, (por) um número de senhoras e ele teve o cuidado que todos os países que gostaria de esclarecer (por sua vez, isto é, a sua marca de Budismo ) foram representados em sua escolha das mulheres. Esses seus parceiros principais, cada um que é considerado como uma emanação / encarnação de Vajravarahi , são muitas vezes referidos como os Cinco consortes .

Apesar de Padmasambhava é geralmente considerado como o fundador historicamente identificável do budismo tibetano, ou Vajrayana , e é tido em alta estima por todos escolas tibetanas , ele é especialmente venerada pelos Nyingmapa , onde ele é considerado como um segundo Buda.

O ano exato de seu nascimento não é registrado, mas deve ter sido algum tempo antes de 757, o ano de sua chegada no Tibete (depois de sua partida da famosa Universidade de Nalanda na Índia).Depois de ter fundado o primeiro mosteiro budista tibetano em Samye (em 779), ele deixou o Tibete em 804 – após o qual os registros permanecem sair.

A biografia de Padmasambhava, escrito por Yeshe Tsogyal , é conhecido como Padma Kathang .

Suryachandrasiddhi

Skt, suryacandrasiddhi:. Sol-Lua conseguiram uma
Tibetano Laygya Wangmo: Grande Soberano Dakini de Títulos

O grande adepto Padmasambhava é muitas vezes dito que subjugou os demônios e dakinis que eram ferozes e demoníacos (isto é, anti-budista), mas em outros momentos, é claro que ele próprio foi iniciado por deusas tais / adeptos do sexo feminino e recebeu especial , conhecimento mágico a partir desses grandes mães. De especial interesse a este respeito é canto 34 do Kathang Padma(versão Sheldrakma), onde o herói se prostrou com o dakini entronizado (Suryacandrasiddhi) epediu-lhe para os ensinamentos, exterior, interior e secreto.

Suryachandrasiddhi então muda seu novo discípulo na moda mágico / xamânico verdadeiro para ozumbido sílaba sagrada, engole-o inteiro, e deixa-lo passar pelo seu corpo. No processo, Padmasambhava é purificado, ele é iniciado em certos ensinamentos, e obtém uma série de poderes mágicos antes de renascer e ejetado através de seu lótus secreto, isto é, sua yoni.

Como poderoso e avançado uma mãe este adepto Mágico de Padmasambhava representa é enfatizada no texto pelo fato de que até mesmo o seu servo Kumari (em sânscrito, virgem) era uma mulher de maravilha: Com uma adaga de cristal cortou o peito aberto, no qual apareceu o esplendor de muitas cores dos deuses do Plano Diamante calma.

Ambos Suryachandrasiddhi e Kumari viveu no Castelo das Caveiras, um termo que significa que eles eram antigas divindades do Tibete virou Dharmapala ; Guardiões ou seja, da fé.

http://yoniversum.nl/guidemap.html

Similar Posts