Artigos do Portal:
#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas fêmeas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada

A Mãe Divina –

Por Dolores de Souza Soutinho

Seria incompleto qualquer estudo sobre a Divindade se não considerássemos o seu Aspecto Feminino. Em todas as religiões Ela é venerada como o Espírito Santo, como sucede no Cristianismo, apesar desse Aspecto Feminino ser cultuado em Nossa Senhora: a Mãe Sempre Virgem.

No Hinduísmo, ao lado da Divindade masculina como Kartri está a sua Shakti(contraparte feminina, a Deusa Narayana, que é a sua outra parte ou Aspecto Feminino). Os hindus chamam de Caminho da Direita ou Diritta a adoração de Deus como Mãe, como Amor, o caminho que conduz à espiritualidade.

Na Índia, a maternidade é profundamente respeitada porque é compreendido integralmente o Aspecto Feminino no culto divino.

No Antigo Egipto, Deus-Mãe era adorada sob o nome de Ísis. A esposa divina de Osíris, no Egipto, representava a Natureza em seu aspecto produtor e criador; é o ideal da esposa fiel, assim como o da mãe carinhosa, aquela que recusa qualquer repouso enquanto não conseguir “recolher os 14 pedaços” do corpo mutilado de seu esposo Osíris. Ela é a Grande Mãe que guia o seu Filho Hórusatravés de todos os perigos e adversidades.

Na Grécia antiga existiam numerosas divindades femininas. Lá encontramos Deus-Mãe Deméter, a Grande Mãe Terrestre, representando a fecundidade da Natureza.

Na Ásia Menor, séculos antes de Cristo, o culto à Grande Mãe foi o principal acto religioso.

Na América pré-cabralina, chamavam-na de Mama-Quilha, a Mãe Branca, que identificavam com a Lua. Os tupis chamavam-na Jaci, a Mãe dos Frutos, que devido à lenda de Indaiá se confunde com a formosa Iracema.

No culto à Mãe Divina há sempre a Lua, o Mar, as Águas…

Foi em Éfeso que se ergueu uma das maravilhas do Mundo: o Templo de Artemisa. Na Antióquia, nums gruta, Cibele era adorada como a Grande Mãe.

Disse Vivekananda: “Mãe, tua Luz não se detém entre o santo e o pecador; ela anima o amante e o pecador”. A Mãe Divina manifesta-se através de todos. A Luz é sempre pura e imutável. Através de cada criatura manifesta-se a Mãe Divina, amorosa e invencível. A Matéria existe através Dela. Tudo o que vemos é Deus através da Natureza-Mãe.

Ramakrishna, devido à sua pobreza, foi destinado, em sua adolescência, a ser sacerdote de um templo dedicado à Mãe Divina, chamada também de Prakriti ou Kali, e representada por uma figura feminina em pé sobre uma figura masculina deitada. Esta alegoria significa: até que Maya desapareça, nada podemos conhecer. Ou seja, que Brahma é Neutro, Desconhecido e Incognoscível, porém, para objectivar-se cobre-se com o Véu de Maya, converte-se na Mãe do Universo. Deste modo se produz a Criação. A figura masculina prostrada (de Shiva ou Deus) acha-se aparentemente morta, pois está coberta por Maya.

Pitágoras ensinava que a manifestação da Lei, ou Deus, se processa com o aparecimento de uma polaridade, ou seja, o Eterno Masculino (Purusha) e o Eterno Feminino (Prakriti).

Orfeu exprime essa mesma ideia quando nos fala de Júpiter, o Esposo e a Esposa Divinos.

Na polaridade Yang e Yin, estão as duas Forças básicas da Cosmogonia chinesa.

Há um princípio chamado de polaridade, por Hermes, o Trismegisto, que diz: “Tudo é duplo, o igual e o desigual são a mesma coisa; tudo tem dois pólos, tudo tem o seu oposto; os opostos são idênticos em natureza, mas diferentes em grau; os extremos se tocam; todas as verdades são meias verdades; todos os paradoxos podem ser reconciliados”.

O Jnani diz: “Eu descobri Deus pela Força”. O dualista exclama: “Descobrimos Deus orando à Mãe, rogando que nos abra a porta cuja chave só Ela possui”.

A Mãe Divina é a primeira manifestação do Poder, e é considerada como uma Ideia mais elevada que a do Pai. Misericordiosa, Poderosa e Omnipotente, são atributos Dela. A Mãe Divina é toda a energia e manifestação do Poder no Universo.

A soma total de todas as células num organismo constitui uma pessoa. Assim, cada alma humana é uma célula de Deus e a soma delas é o próprio Deus. Mais além disso está o Absoluto. O Absoluto é como o mar calma, e esse mesmo mar, com ondas, é a Mãe Divina. Ela é o Tempo, o Espaço e a Causa; Deus é Mãe e tem duas naturezas: condicionada e incondicionada. Como condicionada é Deus, Natureza e Espírito. Como incondicionada é Desconhecida e Incognoscível. Do incondicionamento procede a seguinte trindade: Deus, Natureza e Espírito, ou seja, o triângulo da existência.

O Poder da Criação é a Matéria fecundada pelo Espírito Divino. Neste eterno dualismo é que encontramos os fundamentos das inúmeras religiões que ainda hoje procedem aos seus cultos.

A Mãe Divina é a Alma do Mundo, a Natureza Invisível, a Luz Primordial. Dendo a primeira a vibrar sob o Impulso Divino, encerra em Si mesma a essência de todos os seres. Em seguida é a Terra, onde as almas encarnam. Depois é a Mulher.

Nas palavras de Aurobindo compreendemos o trabalho da nossa Obra, quando ele diz: “Uma aspiração vigilante, constante, incessante, a vontade do Espírito, a pesquisa do Coração, o consentimento do Ser Vital, a vontade de abrir e de tornar plásticas a consciência e a natureza física”.

São três as maneiras de ser da Mãe Divina: Transcendente, Universal e Individual.

A Transcendente: a Suprema Shakti Original que se mantém acima dos Mundos.

A Universal: a Maha-Shakti, a Mãe Universal. A Natureza é apenas um aspecto exterior Dela, pois a Mãe Divina se manifesta em tudo que pode ser visto ou não visto, na movimento da Vida.

A Individual: coloca-se entre a personalidade humana e a Natureza Divina.

Diz ainda Aurobindo: “A Mãe Divina, em seu profundo e grande amor por seus filhos, consentiu em vestir o manto da obscuridade, condescendeu em sofrer os ataques e as influências torturantes dos poderes das trevas e da mentira, suportou atravessar o portal do nascimento que é uma morte, tomou para si as agonias, as tristezas e os sofrimentos das criaturas, pois parecia que somente assim a Criação poderia ser elevada até à Luz, até à Alegria e a Verdade, até à Vida Eterna. É o grande sacrifício de Purusha, mas muito mais profundamente, o holocausto de Prakriti, o sacrifício da Mãe Divina”.

Entre os grandes atributos da Mãe Divina, encontramos os seguintes: Sabedoria, Energia, Harmonia e Perfeição. Ou seja, a Sabedoria que nos conduz aos Tesouros do Conhecimento Secreto; a Energia como uma Força impetuosa, um esplendor da Força Vitoriosa de Deus; a Harmonia que é o milagre da Eterna Beleza, o segredo da Harmonia das Esferas; e a Perfeição, que para ser alcançada exige da Mãe Divina um grande esforço, ainda que leve eternidades… Por isso mesmo, Ela nos aceita com todas as nossas imperfeições.

No estudo dos Arcanos do Tarot, percebemos a Mãe Divina em diversos aspectos. No Arcano 2 Ela é a Suprema Sacerdotisa, a Divindade se polarizando. No Arcano 3 Ela se liberta da subjectividade e se torna a Inteligência Criadora, rege todos os princípios e todas as leis. No Arcano 8 Ela é Mãe e Filho, a Força e o Poder, é a Mãe Divina agindo como Força Realizadora no Julgamento dos seres da Terra. No Arcano 13 Ela é a Transformação (“Aquele que não se transforma, passa pela segunda morte”, palavras de JHS). E na Arcano 22 Ela é a Laurenta, a Laureada, a Vitória dos Quatro Animais da Esfinge.

A Mãe Divina é a Polaridade que dá início a todas as forças de atracção e repulsão, é o Segundo Logos. No Universo é a Força Vital, é a Natureza Actuante. É Ela a intermediária entre o Espírito e a Matéria. Buscamo-la no simples acto de respirar, pois dessa forma nos oferece a Energia Vital. Ela é a Essência que subsiste a tudo, é Imortal, renova-se sem cessar.

É através da Mãe Divina que é feito o Universo, porém, velado pela Véu de Maya. Ela trabalha toda a natureza inferior.

Para se servir à Mãe Divina, deve-se ser constante e vigilante, por isso mesmo temos sempre de nos lembrar das palavras da nossa Grã-Mestra: “Vigilância dos Sentidos”. É com essa vigilância que teremos a nossa mente e o nosso coração voltados para o Deus Interno, e ter uma Transformação Integral.

A Mãe Divina é a Suprema Actividade que impulsiona as formas de evolução.

No aspecto antropogénico, vemo-la como Imperatriz de Agharta, com o o sacrossanto nome de Goberum, senão, a Rainha de Melki-Tsedek ou Adamita. É Aquela que traz em seu seio o Loto das mil e uma pétalas. É o Som Universal (o ODISSONAI).

Saudemos a Rainha-Mãe que representa em um só corpo o número 9 e o número 10. Procuremos ver a nossa Grã-Mestra como um Andrógino; é Ela que cavalga o Dragão de Ouro, equilibrando com o seu Filho o Trono de Deus.

Com este trabalho, homenageamos a nossa representante da Mãe Divina na Face da Terra, na pessoa de Dona Helena Jefferson de Souza, a nossa Grã-Mestra.

Glória a Allamirah, Lorenza, Helena Iracy, Goberum, Tara-Muni e as 49 Flores da Maternidade.

Salve a Grã-Tríade, aquela que tem Três Reinos: a Face da Terra, Duat e Agharta – a Mãe Geradora dos Três Corpos do Tríplice Rei Maitreya.

BENDITA SEJA A MÃE DIVINA!

BENDITA SEJA ALLAMIRAH!

BENDITA SEJA HELENA JEFFERSON DE SOUZA!

(Revista Aquarius, Ano 7, N.º 24, 1981)

A MULHER

Dolores de Souza Soutinho

A Mulher, em sua natureza, é uma expressão do “Aspecto Feminino da Divindade”. Na família humana vemos, em miniatura, a projecção da Grande Família Divina, pois o ETERNO aí está representado no Pai e na Mãe e, em sua expressão de Amor-Actividade, também está no Filho.

Por que essa mesma TRINDADE se encontra também na família humana? Porque nós somos uma parte do ETERNO, que se apresenta “tulkuisticamente” como Sabedoria, através do Pai, como Amor, através da Mãe, e como Actividade, através do Filho.

Esta mesma trilogia pode ser encontrada, sob outras denominações, em vários lugares e diversas tradições, como, por exemplo, na tradição egípcia: OSÍRIS, HÓRUS e ÍSIS; na tradição hindu: BRAHMA, VISHNU e SHIVA; e na cristã: PAI, FILHO e ESPÍRITO SANTO. Neste último exemplo, fica evidente a correlação que existe entre o Espírito Santo e o “Aspecto Feminino da Divindade”, tendo Deus como o Pai, e toda a Criação como o Filho. Do mesmo modo, encontramos na família humana a expressão dos Três Logos.

Senão, vejamos: Sob uma outra forma de representação, podemos também expressar a mesma realidade, a mesma trilogia, com múltiplas significações, mas todas verdadeiras: No que se refere à Mulher, vemos que é com a letra M que se escreve: MULHER, MÃE, MARIA, MAIO, MAR, MAYA, MATER-RHEA, MATÉRIA, MAITREYA, etc. O M é a 13.º letra do nosso alfabeto, se mantivermos a letra K (como deveria ser…), e corresponde à 13.ª letra do alfabeto hebraico, o MEM, que, como ideograma, é a expressão que designa a Mulher, como companheira do Homem, e evocando, também, a ideia de tudo quanto é fecundo, capaz de criar… É, pois, o signo maternal, feminino. Nos Arcanos Maiores, vamos encontrar as três letras-mães, que são: o ALEPH (Arcano I), o MEM (Arcano XIII) e o SHIN (Arcano XXI), representando, também, o “Ternário Supremo”. Podemos, então, estabelecer as correlações a seguir: ARCANO I – ALEPH – Deus em movimento, começo das coisas, o PAI. ARCANO II – MEM – A Morte, Transformação, a MÃE. ARCANO XXI – SHIN – Deslumbramento pela volta ao Divino, o FILHO. O MEM expressa o Segundo Logos, o Princípio Transformador Universal (ao mesmo tempo, Destruidor e Construtor); é representado nos Arcanos por um esqueleto ceifador (A Morte), expressando o seu aspecto dual: Transformação ou Morte, pois, conforme nos ensina o nosso Mestre, o Professor HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA, quem não se transforma, morre… Por isso, todos temos que nos transformar, mas a Mulher, sobremaneira, como expressão viva do próprio Arcano XIII, tem que se transformar, para po sempre as suas emoções, para conservar-se permanentemente livre de sentimentos erróneos… pois as suas qualidades intuitivas só estarão em seu máximo grau quando ela estiver equilibrada, com o seu coração cheio de ternura. Todas as Mães devem ser uma manifestação incondicional do próprio Amor de Deus. Sim, quando uma Mãe se esforça para aperfeiçoar o seu amor, de modo a que este não se torne possessivo e limitado, então, será ele transmutado em “Amor da Divina Mãe”… Amor incondicional mas que não é cego, é capaz de ver quando os filhos erram, continuando a amá-los não obstante os seus erros, mas sem com isso abonar as más acções, nem encobri-las. Ao perder a sua Mãe (humana), pela completa separação psicológica, deve o ser humano reencontrá-la na Divina Mãe, pois aquela que aprendemos a amar como crianças não era senão a representação da verdadeira, a Mãe Cósmica… É um grande privilégio, pois, podermos amar a Deus como o Divino Pai, ao buscarmos a Sabedoria, e como a Divina Mãe, quando buscamos o Perdão. Devemos, portanto, aprender a fazer o trabalho da Mãe Cósmica como se fizéssemos o trabalho de nossa própria Mãe (como Ela o é, de facto), pois nós estamos neste mundo para amá-La e ajudá-La em sua divina Causa, que também é nossa, como mulheres que somos, e assim estaremos auxiliando a nós próprias. Todas as formas de amor humano, em sua perfeição, estão aprisionadas no Amor de Deus. A Mulher, por sua natureza divina e majestosa, realiza a mais sublime de todas as Missões, pois é ela a primeira morada da criatura humana e traz em seu ventre a representação da Tríplice Manifestação Logoidal, expressa pelo útero e os dois ovários…

A Mulher que faz todo o esforço possível para que o seu Lar seja bem formado, dando orientação correcta e ternura aos filhos, é uma Mulher ajustada às Leis do Novo PRAMANTHA! É necessário que a Mulher saiba que não é o Homem que a libertará, mas que a Mulher liberta (interiormente, como é evidente) tem o poder de libertar o Homem!… Por isso, é importante que a Mulher ocupe o seu devido lugar, aquele que lhe é reservado pela Lei Divina e que, por isso, jamais compromete a sua feminilidade. Mas é necessário que a Mulher sinta qual é o seu DEVER, e que saiba que, se não o cumprir, será eternamente uma escrava, acorrentada pelas suas próprias mãos… Diz um provérbio chinês que “por uma mulher que vive na ociosidade, morre de fome um indivíduo”… De facto, a Mulher precisa sair do marasmo em que se encontra e tomar parte activa em todos os problemas sociais, juntamente com o Homem e com os seus filhos, e, apesar disso, sem nada perder da sua feminilidade. A Mulher que adquire o conhecimento da Lei é sabedora dos segredos da Natureza e das suas obrigações para com a mesma. Por esta razão, deve conhecer muito bem as LEIS DO KARMA E REENCARNAÇÃO, bem como a LEI DA POLARIDADE que poderá orientá-la correctamente, e também àqueles que dela dependem, nas questões relativas à convivência humana, às dificuldades no relacionamento humano, etc. Além disso, é indispensável o autoconhecimento, para poder empreender a correcção dos seus aspectos sombrios que impedem a sua própria evolução. Sim, a Mulher deve tomar parte na sociedade, junta com o Homem e os filhos, mas sem esquecer, jamais, que o seu Reino é o LAR. Quanta alegria íntima e ternura proporciona ela a si mesma amando o esposo e educando os frutos desse amor… O Amor é o fim para onde caminham todas as aspirações humanas, mas deve ser orientado pela Sabedoria Divina… Como disse Johann Kaspar Lavater: “Do amor nascerá a luz, – Propriedade da Comunidade Teúrgica Portuguesa 34 da luz sairá a verdade, da verdade a união dos povos, da união dos povos a liberdade, e da liberdade a eterna felicidade”… Sim, felicidade que se expressa, em nossa vida objectiva, como consciência do DEVER CUMPRIDO… e não no sentido bastardo que lhe dão os que são contrários à LEI UNIVERSAL! Por esta razão, cada mulher, e cada homem também, deve chegar à condição de se tornar o seu próprio Guia Espiritual, pois todos temos raciocínio, capacidade cerebral necessária para aprender, e ainda a consciência da responsabilidade dos nossos actos. Sim, é preciso ousar, sem esquecer, no entanto, o dever de assumir a responsabilidade dos seus actos, sem pretender transferir a outrem a culpa das suas próprias fraquezas.

O nosso EU se esclarece na proporção exacta dos esforços que empregamos, pois a Verdade está dentro de nós mesmos. Toda a Mulher deve, portanto, fazer da sua vida um sacerdócio do Amor, mas do Amor-Sabedoria, razão porque ela deve ilustrar-se, instruir-se, para que não fique a sua razão, a sua inteligência, coberta pelo espesso véu mayávico do sentimentalismo.

A Mulher é o alicerce, e o Homem é o pilar do Edifício Social. Por isso, observa Charles Albert que “é evidente que a sociedade há-de transformar-se no sentido do altruísmo, da harmonia e da liberdade, isto é, no sentido da natureza feminina”… Deste modo, o Lar é, sem dúvida, a primeira e mais importante escola do CARÁCTER, pois é ali que se vai formar o ser humano, tornando-se bom ou mau, dependendo da orientação que receba. O Lar faz o Homem; daí poder-se considerar a família como a escola mais importante da civilização. O amor maternal é a providência externa de uma raça. A sua influência é a mais constante e universal de todas. A educação dada pela Mãe é a mais humana de todas, pois se o Homem expressa a Cabeça a Mulher é o Coração da Humanidade. Ela é a graça, o sentimento e o consolo. A Mãe faz com que amemos aquilo que o Homem (o Pai) nos fez crer. A respeito da Missão Divina e Universal da Mulher, o nosso Mestre, Professor HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA, através de uma síntese maravilhosa, assim se expressa: “A Mulher que dá seu filho para o bem da Humanidade, esta Mulher não é Mulher, mas a FLOR DA MATERNIDADE”!… Sim, a influência da Mulher é a mesma em toda a parte. Em todos os países e regiões, tanto os costumes como o CARÁCTER dependem dela. Logo, instruir a Mulher é instruir o Homem e a população toda, pois à Mulher cabe a tarefa de zelar pelo LAR, como sacerdotisa do Fogo Sagrado que ali deve crepitar sob os seus cuidados, razão porque, além de aninhar em si muitas virtudes, não pode a Mulher deixar de possuir méritos intelectuais, de inteligência e sabedoria, sem os quais será ela incompleta e dificilmente realizará a sua Missão, que se completa através do Homem e dos filhos. O marido tem deveres a cumprir para com a esposa, da mesma forma que a esposa os tem com o marido. E é justamente no cumprimento do dever de um para com o outro e de ambos para com a Lei Universal, que se conforma aquilo que podemos chamar de felicidade conjugal. Uma Mulher pode questionar a extensão das suas obrigações como esposa, mas nunca poderá discutir as suas obrigações de Mãe e Mestra… A Mulher não é só o auxílio, mas também a consolação. A sua simpatia não cessa e apazigua, alegra e alivia. Uns dizem que a boa Mãe é aquela que é abnegada. Outros, a que tem muito amor. Podemos afirmar, no entanto, que saber ser Mãe é, tão-somente, saber ser digna de assim se chamar. A boa Mãe é aquela que sabe ser equilibrada, tendo as duas Faces: a do Amor e a do Rigor! Tanto a Mulher como o Homem carregam em si um universo inteiro, que precisa ser conhecido e respeitado.

Se cada um souber respeitar o seu próprio universo e o dos seus semelhantes, estará pensando em parte o enorme sacrifício de Seres como KRISHNA, CRISTO, BUDA e J.H.S., através da elevação do seu estado de consciência. Sim, ser Mãe é expandir a própria consciência… É um verdadeiro sacramento que não deve jamais ser profanado… A Mulher deve saber que o acto de ser Mãe envolve, além do aspecto físico, os aspectos psíquico e espiritual, que são tão ou mais importantes que aquele. De facto, a Mulher pode “ser Mãe” espiritual e psiquicamente, sem que o seja fisicamente. A Mulher precisa se educar no sentido de transcender os limites de uma personalidade  particular, de modo a chegar a sentir que “todos os seres são seus filhos”, pois isto é representativo de um elevado estado de consciência… A Mulher que quiser realmente levar a cabo a sua Missão, de acordo com a LEI, terá que iniciar-se! Esta é a razão de ser de uma Escola Iniciática como a nossa. Sim, é a de elevar o nosso estado de consciência, a de aumentar a nossa frequência vibratória, isto é, a de transformar a Vida-Energia em Vida-Consciência, ou em outras palavras: evoluir! Cabe, pois, a nós mulheres, compreender que CARÁCTER É DESTINO, já que o destino é reflexo do carácter.

Devemos, por isso, ensinar aos nossos filhos a procura do BEM, do BOM e do BELO em todas as coisas e em todas as situações, apesar da adversidade das aparências. Devemos ter sempre em mira a Força Divina que vibra no nosso interior, que nos dá o poder interno, pois a felicidade real reside na mente e no coração equilibrados. Deste modo, é da boa orientação e educação dos filhos que depende todo o futuro, e se dá completa razão ao escritor Samuel Smiles quando diz, em seu livro O Carácter, que “a primeira escola de disciplina moral, e a melhor, como já temos demonstrado, é o lar doméstico”… Muitas Mulheres se sobressaíram na História da Civilização. No Brasil, temos Mulheres extraordinárias como uma Catarina Paraguassu, Maria Quitéria, Ana Néri, Anita Garibaldi, etc., assim como no Mundo temos uma Joana d´Arc, uma Marie Curie e a grande mártir do século XIX, Helena Petrovna Blavatsky. Por isso se diz, também, com muita propriedade, que “por detrás de um grande homem, há sempre uma grande mulher”… Nessa frase sobressai a importantíssima função da Mulher como Força ou SHAKTI, determinando, na verdade, a Actividade Criadora do Homem, como sua Inspiração, sua Musa, agindo segundo a sua natureza positiva. Cosmicamente, vamos encontrar as Grandes Mães do Universo, as PLÊIADES ou KRITTIKAS.

Na representação da Mãe Universal, temos a figura da Deusa LAKSHIMI, aquela que traz por umbigo um Loto Sagrado. O trabalho iniciático, como sempre nos ensina a nossa Grã-Mestrina, D. Helena, é despertar o indivíduo, é levá-lo a manter-se sempre alerta, isto é, vigilante dos sentidos! Por isso, para encerrar este nosso estudo, nada melhor do que rememorar as palavras da nossa Mãe ALLAMIRAH: “Não há amor mais sublime do que o materno; é um amor sem traços vergonhosos, sem lágrimas; é um amor impoluto. Na Terra, este amor é o único amor que nenhuma mulher tem vergonha de ter… É um amor eterno – o amor de seu filho, o amor pelas crianças. Há amor e há amor materno. Este amor materno é um amor, como eu disse, que jamais se extinguirá na Terra, nem nos Céus, nem na Terra (embaixo).

Este amor existe nos Três Mundos… Só este amor pode vencer barreiras, pode vencer tudo no mundo… É um amor puro, um amor sem pejo!…” Que essas sábias e lindas palavras inspirem a todas as Mulheres, de modo que se sintam impelidas a cumprirem o DEVER para com a Lei Universal, para com a Divindade, para com a Humanidade.

Revista Aquarius, Ano 2, N.º 7, 1976