Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Mãe Natureza Magia Construtiva ou Superior Mitologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino Teurgia Natural e Magia Natural Uncategorized

Samhain

Samhain

DSCF1701

Artigo por Selena Fox

Milhares de bruxos, wiccanos, druidas e outros pagãos em toda a América, Canadá, Europa e outros lugares observam o tempo sagrado de Samhain. Samhain é um festival dos mortos. Significando “Summer’s End” e pronunciado saah-win ou saa-ween , Samhain é uma celebração do fim da colheita e do início da metade mais fria do ano. Para muitos praticantes,  Samhain também é o começo do novo ano espiritual.

Originado na antiga Europa como um festival Celtic Fire, o Samhain é agora celebrado em todo o mundo. O calendário das celebrações contemporâneas do Samhain varia de acordo com a tradição espiritual e a geografia. Muitos de nós celebramos Samhain ao longo de vários dias e noites, e essas observâncias estendidas geralmente incluem uma série de ritos solos, bem como cerimônias, festas e encontros com a família, amigos e comunidade espiritual. No hemisfério norte, muitos pagãos celebram o Samhain do pôr-do-sol de 31 de outubro a 1 de novembro, no hemisferio sul, entre 1 e 2 de maio. Outros celebram as celebrações do Samhain no fim de semana mais próximo ou na Lua Cheia ou Lua Nova mais próxima desta época. Alguns pagãos observam Samhain um pouco mais tarde, ou perto de 6 de novembro ou 6 de maio, para coincidir mais de perto com o ponto médio astronômico entre o Equinócio de Outono e o Solstício de Inverno.

Samhain também é conhecido por outros nomes. Alguns wiccanos e druidas celtas chamam-no Calan Gaeaf, Calan Gwaf, Kala-Goanv ou Nos Galan Gaeof. Em galês, é Nos Cyn Calan Gaual. Também é conhecido como Oie Houney. Um livro medieval de contos, o Livro Amarelo de Lecan, relata que pessoas comuns o chamavam de “Festa de Mongfind”, a lendária Rainha Bruxa que se casou com um rei de Tara na velha Irlanda. No antigo Calendário de Coligny, um bronze gravado datado do primeiro século EC e escavado em 1897 na França, Samhain é chamado de Trinouxtion Samonii, ou “Três Noites do Fim do Verão”. As grafias variantes de Samhain incluem Samain, Samuin e Samhuinn.

Com o crescimento e disseminação do cristianismo como a religião dominante em toda a Europa, o tempo do Samhain assumiu nomes e disfarces cristãos. All Saints ‘Day ou All Hallows em 1 de novembro comemoraram os santos e mártires cristãos (que acontece no hemisferio norte). All Souls ‘Day em 2 de novembro foi uma lembrança de todas as almas dos mortos. Com a vinda de espanhóis cristãos para o México, os costumes indígenas de homenagear os mortos nesta época do ano misturaram-se com o catolicismo romano e deram origem ao Dia dos Mortos, Dia de los Muertos , no início de novembro. Samhain compartilha a antiga prática espiritual de lembrar e prestar respeitos aos mortos com esses feriados religiosos relacionados do cristianismo.

Dia das Bruxas, abreviação de All Hallow’s Eve, é celebrado em torno de 31 de outubro. Apesar de ocorrer na mesma época do ano e ter raízes nas celebrações do fim da colheita do passado, Halloween e Samhain não são os mesmos, mas dois separados feriados que diferem consideravelmente em foco e prática. Na América contemporânea e em outros lugares, o Halloween é um feriado folclórico secular. Como seu primo, o Dia de Ação de Graças, é amplamente e publicamente celebrado em lares, escolas e comunidades, grandes e pequenas, por pessoas de muitos caminhos, heranças étnicas e visões de mundo. Além disso, o Dia das Bruxas evoluiu para ser tanto uma festa para crianças orientada para a família quanto uma ocasião para pessoas de todas as idades se expressarem criativamente e se envolverem no mundo do fingimento e da fantasia através de fantasias, travessuras, contação de histórias, encenação,

DSC 8619Em contraste, Samhain e suas contrapartes de férias cristãs relacionadas continuam a ser religiosos em foco e espiritualmente observados por adeptos. Embora as observâncias possam incluir a folia, a homenagem aos Mortos, que é central para o Samhain, é uma prática religiosa séria, em vez de uma reencenação alegre e de faz de conta. Os rituais pagãos do Samhain, embora sombrios, são benevolentes e, embora centrados na morte, não envolvem sacrifícios humanos ou animais. A maioria dos rituais do Samhain é realizada em particular e não em público.

A longa associação de Samhain com a morte e os mortos reflete os ritmos da natureza. Em muitos lugares, Samhain coincide com o final da estação de crescimento. A vegetação morre de volta com geadas letais e, portanto, literalmente, a morte está no ar. Isso contribui para a antiga noção de que no Samhain, o véu é fino entre o mundo dos vivos e o reino dos Mortos e isso facilita o contato e a comunicação. Para aqueles que perderam seus entes queridos no ano passado, os rituais do Samhain podem ser uma oportunidade para encerrar o luto e se ajustar ainda mais ao fato de estarem no Outro Mundo, comunicando-se espiritualmente com eles.

Há muitas maneiras de celebrar o Samhain. Mais informações  aqui e abaixo:

      • Samhain Nature Walk . Faça um passeio meditativo em uma área natural perto de sua casa. Observe e contemple as cores, aromas, sons e outras sensações da estação. Experimente-se como parte do Círculo da Vida e reflita sobre a morte e o renascimento como sendo uma parte importante da natureza. Se o local que você visita permitir, junte alguns objetos naturais e, ao devolvê-los, use-os para enfeitar sua casa.
      • Imagens sazonais . Decore sua casa com símbolos sazonais Samhain e as cores laranja e preto. Coloque uma coroa de flores de outono em sua porta da frente. Crie displays com abóboras, cornstalks, gourds, bolotas e maçãs. Definir velas em caldeirões.
      • Altar dos Antepassados . Reúna fotografias, herança e outras lembranças de famílias, amigos e criaturas desaparecidas. Organize-os em uma mesa, cômoda ou outra superfície, junto com várias velas votivas. Acenda as velas em sua memória enquanto você chama seus nomes e expressa bons desejos. Agradeça-os por fazer parte da sua vida. Sente-se tranquilamente e preste atenção ao que você experimenta. Anote todas as mensagens que você recebe em seu diário. Este Ancestors Altar pode ser criado apenas para Samhain ou mantido durante todo o ano.
      • Festa dos Mortos . Prepare um jantar de Samhain. Inclua um local em sua mesa ou em um altar próximo para os Mortos. Adicione uma oferta de um pouco de cada bebida sendo consumida no copo naquele local e, ao prato, adicione um pouco de cada comida servida. Convide seus antepassados ​​e outros entes queridos falecidos a vir e jantar com você. Para ter isto como uma experiência Samhain Dup Supper, jante em silêncio. Após a festa, coloque o conteúdo do prato e xícara para os Mortos ao ar livre em um local natural como uma oferenda para os Mortos.
      • Histórias de Ancestrais . Aprenda sobre o histórico familiar. Entre em contato com um ou mais parentes mais velhos e peça-lhes que compartilhem memórias de membros da família mortos. Registre-os de alguma forma e depois escreva relatos sobre o que eles compartilham. Agradeça. Compartilhe o que você aprendeu e escreveu com outro membro da família ou amigo. Adicione nomes daqueles que você aprendeu e deseje honrar ao seu Altar dos Antepassados.
      • Agradecimento aos ancestrais .
      • Reflexões . Reflita sobre você e sua vida no ano passado. Revise revistas, planejadores, fotografias, blogs e outras notações que você criou durante o ano passado. Considere como você cresceu, realizações, desafios, aventuras, viagens e aprendizados. Meditar. Diário sobre o seu ano em revisão, sua meditação e suas reflexões.
      • Renovar . Selecione uma área da sua casa ou vida como foco. Examine isso. Reorganize-o. Libere o que não é mais necessário. Crie um padrão melhor. Celebre a renovação e a transformação.
      • Magia da Fogueira . Acenda uma fogueira ao ar livre quando possível ou acenda chamas em uma lareira ou em um pequeno caldeirão. Anote um hábito obsoleto que você deseja terminar e lance-o nas chamas do Samhain enquanto imagina o lançamento. Imagine-se adotando uma maneira nova e saudável de se movimentar no sentido horário.
      • Orientação Divinatória . Usando o Tarô, as Runas, o Scrying ou algum outro método de adivinhação, busque e reflita sobre as orientações para o próximo ano. Escreva um resumo do seu processo e mensagens. Selecione algo apropriado para agir e fazê-lo.
      • Invocações Divinas . Honre e invoque o Divino em uma ou mais Formas Sagradas associadas a Samhain, como a Deusa Anciã e o Deus Chifrudo da Natureza. Convide-os para ajudá-lo em sua lembrança dos mortos e em sua compreensão do ciclo de vida, morte e renascimento. Se você perdeu seus entes queridos no ano passado, peça a esses Divinos para consolá-lo e apoiá-lo.
      • Transformando Expressões . Se você encontrar distorções, desinformação e / ou estereótipos falsos e negativos sobre o paganismo e Samhain na mídia, entre em contato com a fonte, expresse suas preocupações e compartilhe informações precisas. Ajude a erradicar os estereótipos depreciativos com uma comunicação cortês, concisa e inteligente.
      • Conexões da comunidade . Conecte-se com os outros. Junte-se a um ritual de grupo na sua área. Organize um potinho de Samhain em sua casa. Pesquise antigos e contemporâneos costumes samurais em livros, periódicos, on-line e através de comunicações com outros. Troca de ideias, informações e experiências de celebração. Independentemente de você praticar sozinho ou com outros, como parte de suas festividades, reflita por algum tempo em fazer parte da vasta rede de pessoas que celebram o Samhain ao redor do mundo.

Imagem relacionadaOs celtas também diziam que a época do Samhain é quando o portal dos dois mundos está mais aberto e podemos ter mais facilidade para fazer contato com os nossos ancestrais e com os espíritos do outro mundo. Como era considerada uma celebração pagã, a data foi transformada no Dia das Bruxas.

Como era considerado o ano novo celta, eles faziam rituais durante o Samhain. Tanto para entrar em contato com os espíritos antigos e pedir conselhos, como para ter um momento de introspecção nessa ocasião em que a mente inconsciente está com um acesso mais fácil, ou para fazer escolhas para o novo ano que acontecia. A magia era utilizada nesse dia para captar a energia do momento e tornar tudo mais próximo da realidade.

Se você se interessa pela cultura celta, procure utilizar essa data (e outras da roda do ano) para se conectar com a energia da natureza. Acima de tudo, era o que os celtas faziam em seus rituais. Pois eles sabiam que o divino não morava em um templo de pedra, mas sim estava presente em cada lugar da natureza e dentro de cada pessoa.

Em um nível espiritual, Samhain marca a época do ano em que a barreira entre o mundo terreno e o mundo espiritual se dissolveu, permitindo que espíritos e fadas andassem entre – e talvez atormentem – mortais. Também é descrito em inúmeros mitos e contos populares como um período de intensidade mística. Os sacerdotes celtas construíram enormes fogueiras, praticaram rituais de adivinhação e conduziram ritos para manter os fantasmas à distância – mas, como não mantiveram registros escritos, muitas dessas práticas permanecem envoltas em mistério.

SAMHAIN FOI TRANSFORMADO EM UM FERIADO CRISTÃO.

No século VII, muitas nações da Europa Ocidental haviam se convertido ao cristianismo. Os romanos celebravam a Lemúria, uma festa dos mortos, todo mês de maio – mas agora a festa era dedicada aos santos católicos. Durante o século VIII, o Papa Gregório III promoveu o festival anual (que foi um dos primeiros predecessores do Dia de Todos os Santos) para os romanos no dia 1º de novembro – exatamente na época em que Samhain aconteceu – e depois o Papa Gregório IV fez a mudança para a Igreja Ocidental. . Até hoje, os historiadores não sabem muito bem se a mudança foi feita para transformar Samhain em um feriado cristão ou se era simplesmente mais prático para a festa ser realizada durante o outono, quando as colheitas poderiam ser usadas para alimentar peregrinos famintos. viajando para Roma.

Mais tarde, a data foi designada como Dia de Finados, e a véspera do Dia de Todos os Santos – outrora conhecido como Dia de Todos os Santos – foi apelidada de Véspera do Dia de Todos os Santos. Ao longo dos séculos, este feriado evoluiu para o Dia das Bruxas moderno.

Duas colinas no vale de Boyne foram associadas ao Samhain na Irlanda Celta, Tlachtga e Tara . Tlachtga foi o local do Grande Festival do Fogo, que começou na véspera do Samhain (Halloween). Tara também estava associada ao Samhain, no entanto, era secundária a Tlachtga a esse respeito.

A passagem de entrada para o Monte dos Reféns na Colina de Tara está alinhada com o sol nascente em volta de Samhain. O Monte dos Reféns tem de 4.500 a 5.000 anos de idade, sugerindo que o Samhain foi celebrado muito antes dos primeiros celtas chegarem à Irlanda, cerca de 2.500 anos atrás.

O Festival De Diwali

O Hindu Diwali (Divali, Deepavali) Festival conhecido como o Festival das Luzes ocorre mais ou menos na mesma época que Samhain. Diwali marca o Ano Novo Hindu assim como Samhain marca o Ano Novo Celta, será que Diwali e Samhain têm uma raiz comum na antiguidade?

Samhain / Halloween

Um trecho de Tlachtga: Celtic Fire Festival, de John Gilroy.

O Festival de Samhain marcou o fim do ano celta e o começo do novo e, como tal, pode ser visto como equivalente à véspera de Ano Novo. Vimos como os celtas acreditavam que a noite precedia o dia e, portanto, as festividades ocorreram na véspera do Samhain. Não há dúvida de que esse festival foi o mais importante dos quatro festivais celtas. Samhain foi uma época crucial do ano, carregada de significado simbólico para os irlandeses pré-cristãos. As celebrações em Tlachtga podem ter tido suas origens em um rito de fertilidade no morro, mas reuniram para si um conjunto de outras crenças que se cristalizaram no grande Festival do Fogo.

O declínio perceptível e aparente da força do sol nessa época do ano era uma fonte de ansiedade para o homem primitivo e a iluminação das fogueiras de inverno simbolizava a tentativa do homem de ajudar o sol em sua jornada através dos céus. O fogo é a contrapartida terrena do sol e é um símbolo poderoso e apropriado para expressar o desamparo do homem diante do sentimento avassalador da decadência da natureza quando o inverno se instala.

Agora o sol desceu ao reino do submundo, as forças do submundo estavam na ascendência. O senhor do submundo, livre do controle do sol, agora andava na terra e com ele viajou todas as outras criaturas da morada dos mortos. Fantasmas, fadas e uma série de outras criaturas não descritivas foram com ele. O Senhor dos Mortos na mitologia celta pode ser identificado como Donn.

A mitologia nos diz que quando os invasores da Irlanda, conhecidos como os Milesianos, pousaram no Boyne, eles seguiram para Tara. Uma vez lá, foram avisados ​​pelos druidas de que deviam voltar para seus navios e navegar pela costa até o comprimento de nove vagas. Quando estavam no mar, surgiu uma grande tempestade que dispersou sua frota. O comandante de um dos navios era Donn. Seu navio foi quebrado em pedaços na tempestade e ele próprio se afogou junto com vinte e quatro de seus companheiros. Ele foi enterrado nas ilhas Skellig na costa de Kerry.

Ele é o primeiro da nova onda de invasores a enfrentar sua morte na Irlanda e, como tal, tornou-se elevado ao status de deus dos mortos. O local de seu enterro ficou conhecido como Tech Donn – A casa de Donn, e logo se identificou com o outro mundo. Os celtas estavam fascinados em traçar sua ancestralidade até onde podiam e muitas vezes identificavam seus ancestrais com os deuses de seus povos. Assim, surgiu a crença de que, quando morreram, foram à casa de seu ancestral, o deus do outro mundo.

É interessante notar que a morada de Donn, nas Ilhas Skellig, fica a poucos quilómetros da casa tradicional de Mog Ruith na Ilha Valentia. Além de serem vizinhos geográficos, ambos estão intimamente associados ao Samhain, quando se pode dizer que Mog Ruith, como deus do sol, peregrina no reino do submundo, a morada de Donn.

Donn é visto como um deus aposentado que prefere o isolamento dos sombrios Skelligs e permanece distante dos outros deuses. Seu nome significa “marrom” e ele é associado com o reino sombrio dos mortos. O’Ogain nos diz que um texto do século IX atribui-lhe uma citação altamente significativa: “Para mim, para minha casa, você virá após a sua morte”.

Muitas outras fontes dizem que os mortos se reúnem em sua casa e descrevem pessoas mortas viajando de e para cá. Os pescadores da região costumavam ouvir estranhos barcos que passavam pela ilha à noite e os nomes dos que desembarcavam eram chamados. Mais tarde, os escritores cristãos alegaram que as almas dos condenados permaneciam em sua casa antes de partirem para o inferno. Não surpreendentemente, aspectos de sua personagem foram adaptados por escritores cristãos em sua interpretação do diabo.

Samhain sendo a festa dos mortos agora pode ser visto claramente como incorporando o culto de Donn em suas celebrações, mas como eles fizeram isso permanece incerto. Os fogos eram, com toda a probabilidade, acesos em honra do deus sol – manifestando-se aqui como Mog Ruith, mas alguns outros adornos estão claramente associados ao Senhor dos Mortos. A idéia de que o Samhain é uma junção entre as duas metades do ano viu adquirir o status único de ser suspenso no tempo – não pertencia ao ano antigo nem ao novo. Pode-se dizer que o tempo ficou parado nesta noite e as implicações disso foram imensas. Durante esta noite, a ordem natural da vida foi lançada no caos e o mundo terreno dos vivos tornou-se irremediavelmente enredado com o mundo dos mortos. Mas o mundo dos mortos era em si um lugar complicado

O viajante desavisado, capturado fora de casa nesta noite, poderia esperar encontrar uma ou muitas dessas criaturas e era sempre aconselhável ficar em casa. Fantasmas estavam por toda parte e podem ou não ter sido prejudiciais aos vivos. É interessante notar que os manuscritos nos dizem que todos os incêndios no país devem ser extintos nesta noite e só poderiam ser restabelecidos das grandes chamas de Tlachtga. Isto, naturalmente, não é tomado literalmente, mas simboliza a ascendência breve e temporária dos poderes das trevas nesta época do ano.

Durante este período todo o mundo estava na escuridão e os mortos estavam no exterior. Quando o fogo em Tlachtga foi aceso, ele deu o sinal de que tudo estava bem e todos os outros incêndios agora podiam ser recarregados. Os incêndios em Tlachtga foram a celebração pública da vitória da luz, enquanto a reactivação do fogo doméstico marcou a celebração doméstica da festa. Agora, os espíritos dos antepassados ​​mortos poderiam ser recebidos de volta na casa com segurança e não representariam ameaça para a casa. Este tema é repetido constantemente na literatura irlandesa. MacCollugh nos diz que o culto dos mortos culminou na saúde da família. Muitas vezes, os espíritos dos ancestrais procuravam calor em volta da lareira naquela noite. Os fogos foram acesos na lareira para aquecer os espíritos e a comida ficou de fora para eles. Embora os fantasmas ancestrais fossem benignos,

No entanto, os fantasmas podem não ter sido totalmente benignos. Eles precisavam de algum tipo de conciliação na forma de oferendas rituais nesta noite. Enquanto a oferta fosse dada, os fantasmas eram felizes e benevolentes, mas se a oferenda fosse ocultada, outro lado dos fantasmas seriam apresentados. O azar cairia sobre a casa e nem tudo estaria bem no próximo ano. Alguns vestígios desta tradição podem sobreviver no costume moderno de Halloween de “trick or treat”. As crianças, vestidas como fantasmas e bruxas, convidam a família a fazer uma doação ou enfrentar as conseqüências. O “tratamento” pode representar a oferenda ritual, enquanto o “truque”, hoje em dia uma brincadeira inofensiva, pode ter na antiguidade, representado as conseqüências malévolas de apaziguar inadequadamente o fantasma ancestral nesta noite.

Mas não foi apenas o tempo que foi deslocado em Samhain. Assim como o festival fica na fronteira entre o verão e o inverno, todos os outros limites estavam em perigo no momento. As fronteiras entre a terra de um homem e seus vizinhos eram um lugar perigoso para estar nesta noite. Fantasmas eram encontrados ao longo desses pontos e um estilo entre terras adjacentes era um lugar de pavor particular e melhor evitado. Pontes e encruzilhadas também eram lugares prováveis ​​para encontrar fantasmas. Naturalmente, os locais de enterro foram evitados em todas as noites, mas particularmente nesta noite. Todo tipo de fantasma era para ser visto aqui e os mortos se misturavam livremente com os vivos.

A prática da adivinhação – contando o futuro, foi uma parte importante da vida cotidiana dos celtas e é certo que esta arte formou uma parte central das festividades ocorridas em Tlachtga em Samhain. Vestígios disso podem ser vistos hoje no Halloween estão familiarizados com a prática de ir à igreja à meia-noite no Halloween e em pé na varanda. O corajoso observador verá os espíritos daqueles que morrerão no próximo ano, se observar de perto, mas corre o risco de se encontrar. Similaridade, garotas observando em um espelho nesta noite verão a imagem do homem com quem vão se casar, mas também correm o risco de ver o diabo.

Aqueles corajosos o suficiente para ir a um cemitério à meia-noite e andar três vezes ao redor dos túmulos terão a oportunidade de vislumbrar o futuro, mas novamente correrão o risco de encontrar o diabo. Este último exemplo é interessante, pois preserva o tempo de três voltas ao sol tão importante para os celtas no ritual. A possibilidade de encontrar o diabo pode representar a bem conhecida tentativa cristã de associar o deus pagão dos mortos ao diabo da crença cristã. Sendo este o caso, Donn, o Senhor dos Mortos, deixou sua ilha nesta noite e viajou livremente por todo o país. Se ele carregou almas não é claro, mas é provável que ele tenha. As oferendas rituais nas fogueiras de inverno podem ter sido uma tentativa de apaziguá-lo até que, na história, ele foi substituído na chegada do cristianismo pelo diabo.

Os primeiros manuscritos irlandeses estão repletos de referências ao significado mágico de Samhain. Isso marcou o fim da temporada de lutas e guerras para a trupe guerreira conhecida como Fianna. No Samhain, eles se retiraram para o acampamento de inverno, esquadrinhando-se da população em geral até o retorno do verão em Beltainne . Fionn MacCumhail escolheu Samhain como a hora de se apresentar perante a corte de Tara pela primeira vez, enquanto também foi no Samhain que o deus Lugh fez sua entrada dramática na mesma corte. A rainha de Connaught, Meave, esperou até Samhain antes de sair no grande Raid de gado de Cooley.

Fionn MacCumhail, Lugh e Cuchulainn – oponente de Maeve, são as três grandes figuras da mitologia irlandesa e é interessante notar como Samhain é o tempo escolhido pelos escritores para apresentar sua chegada ao local. A Batalha de Mag Tuired (supostamente no Condado de Mayo) foi travada em Samhain. Parece que quando os primeiros escritores desejam transmitir uma qualidade mágica aos eventos que estão representando, eles escolhem o Festival de Samhain para a ocasião. Permanece pouca dúvida de que Samhain ocupou um lugar central na imaginação dos celtas, onde as festividades associadas a vários deuses locais ficaram emaranhados, ao longo de talvez mil anos, com a festa do deus dos mortos. Remanescentes dessas celebrações chegaram até nós em nossas próprias celebrações do Halloween. ( Tlachtga: Celtic Fire Festival)

Segundo o relato das antigas sagas o Samhain era a época em que as tribos pagavam tributo se tivessem sido conquistadas por outro povo. Era também a época em que o Sídhe deixava antever o outro mundo. O fé-fiada, o nevoeiro mágico que deixava as pessoas invisiveis, dispersava no Samhain e os elfos podiam ser vistos pelos humanos. A fronteira entre o Outro Mundo e o mundo real desaparecia. Uma das datas do calendário lunar celta de Coligny pode ser associada ao Samhain. No 17º dia do mês lunar Samon, a referência *trinox Samoni sindiu é interpretada como a data da celebração do Samhain entre os Gauleses.

Essa palavra, significa ‘Sem Luz”, pois nessa noite o Deus morreu e o mundo mergulha na escuridão. A Deusa vai ao Mundo das Sombras em busca de seu amado, que está esperando para nascer. Eles se amam, e, desse amor, a semente da Luz espera no Útero da Mãe, para renascer no próximo Solstício de Inverno como a Criança da Promessa.

Os celtas praticavam rituais de purificação, queimando simbolicamente, nas fogueiras ou no caldeirão, todas as suas frustrações e as ansiedades do ano anterior. Este festival é sinônimo de quietude, introspecção e renovação – representada pela união sagrada de Morrighan e Dagda.

Correspondências:

– Correlação: celebração do ano novo celta, final e começo de ciclo e dia dos mortos.
– Símbolos: cor preta e laranja, maçãs, romãs, abóbora, nozes e avelãs.
– Incensos: mirra, sálvia, carvalho ou cedro.
– Alimentos: sidra, vinho tinto, chá preto, pães e bolos de frutas.

Preparar o local onde será realizado o ritual. A música com inspiração celta é sempre bem-vinda. Coloque tudo que irá precisar por perto: três caldeirões, incensos, água, fósforos, álcool, oferendas, folhas secas, uma vela preta e uma vela laranja.

Faça um círculo de pedras ou “Cromlech”, representando o Bosque Sagrado ou um “Nemeton” (local sagrado). Defumar o local, circundando-o três vezes no sentido horário. Coloque os três caldeirões no centro do círculo de pedras.

No caldeirão da esquerda coloque água, no caldeirão do centro a vela preta e a laranja, no caldeirão da direita reserve para fazer a queima das folhas secas e dos papéis, nos quais serão escritos, antes do início do ritual, tudo aquilo que queremos renovar ou eliminar de nossas vidas.

Em seguida, no centro do Bosque Sagrado, cruze os céus com os dedos, dizendo:

“De Norte a Sul, de Leste a Oeste… Iniciamos nossa jornada, abençoados pelo Céu, a Terra e o Mar. O Céu que está acima de nós e representa a luz do Sol; a Terra que está abaixo de nós e representa as raízes no solo e o Mar que está no horizonte e representa tudo aquilo que está dentro de nós. Estamos reunidos para honrar os Deuses, os espíritos da natureza e recordar nossos antepassados, através do Festival de Samhain.”

Comece o ritual honrando a Mãe Terra, fazendo-lhe uma oferenda, que poderá ser um alimento, fruta, bebida, flores ou uma poesia.

(está data, na atualidade é conhecida como Halloween ou Dia das Bruxas, mas, na sua origem, há muitas diferenças)

Similar Posts