Artigos do Portal:
#A história do Falnama (Livro dos Presságios) e divinação no mundo islâmico.#A história dos romanis (ciganos)#“Sou uma mulher sensível”: sobrecarga sensorial do TDAH em adultos#Rainha Maria da Romênia#Rainhas dos Romanis#Gaianismo#Um breve guia para as constelações babilônicas e sua astrologia#Deusa Hitita do Sol, a deusa do Sol de Arinna de origem Hattiana#Empoderamento das mulheres#A verdadeira constelação do zodíaco em que o sol estava no dia que você nasceu#Artigo da Semana#Divindades Femininas na América do Sul#Deusas Maias#Chá para o Parto – Chá Mexicano#Domesticidade e Feminilidade#A Deusa Inuit Sedna#Changelings – Lendas das crianças trocadas#Gaulesas e Gauleses e as Divindades Celtas#Origem da Festa Junina#Festival Folclórico de Parintins#História e Origem das Festas Juninas na América#Anat, Deusa antiga Cananita#Óleo de Abramelin#Deusas Celtas#Mitos e Lendas Eslavas#Cartimandua e Boudica (Boadiceia)#Zorya, Deusa Eslava da Luz#Reavivando o Divino Feminino por meio de histórias e tradições celtas#Reino de Hel: A Deusa Nordica do Submundo – Indo e voltando para o inferno#Fiar e tecer, as artes mágicas femininas e maravilhosas associações#História Celta relacionada ao Mito do Rei Arthur#Cailleach: Mito Irlandês, Lenda e o Feminino Divino#Mitos e Estações no céu Tupi-Guarani#Deusas da Natureza#Druidas femininas, as sacerdotisas esquecidas dos celtas#Deusa Nemetona#A luta de Elizabeth Packard contra a tirania legal dos maridos#Baalbek – Templos de mais de 5000 anos – Deusas Venus / Atargatis#Al-Lāt, Allat, Allatu ou Alilat , a deusa árabe pré-islâmica#Tir na nOg e Tuatha De Danann#Oráculos no Druidismo / Oráculos Druidas#Um Ogham para os Montes Apalaches#Awen, a inspiração divina: princípio central na tradição druida#Atlantida, a civilização anterior a atual#Mulheres na sociedade Maia#O princípio feminino: uma ideia em evolução#Yoni e ‘Sheela Na Gig’#Deusas Nativas do Brasil e os mitos de mitos#Os Nativos do Novo Mexico (Norte America) Zuni e Puebloans Ancestrais#Maria Madalena / Maria Magdalena#Mehrgarh – sitio arqueológico neolítico (datado de 7000 aC a 2500/2000 aC – Paquistão)#A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU#Monte Ararat#Alfabeto siríaco#Monte Nemrut / Nemrud#Maitreya (as três mães) se encarna#Compreendendo a filosofia de Shiva-Shakti através de ‘Ardhanarishvara’#Shakti e Kali#Sobre Magia#As Eras Glaciais – A História da Ciência sobre o tempo antes do auge da Civilização Ariana#Sonhos lúcidos podem nos aproximar de experimentar a “realidade” não dualista do que acordar a meditação#Honrando nosso sagrado ciclo feminino ‘tempo da lua’#Atlantida e os deuses antigos#Artemis#Doze mulheres famosas da idade média#Jezabel: princesa de Sidom, rainha de Israel#Hormônios e seu ambiente – Quando se trata de hormônios, há mais de um “normal”#Os ciclos femininos, ciclos de fertilidade e menstruação nas Culturas Nativas#Ereshkigal – Deusa Crone, Deusa do Submundo e da Morte#Deusas Crone – As Mães das Sombras, da Morte#Deusas Incas#Deusas da Água – Deusas do mar, dos rios e lagos#Deusas do Fogo#Recomendações da medicina tradicional chinesa para ajudar a aliviar as dores do período menstrual#Maré – a força do Sol, da Lua e outros astros sobre a Terra#Mais artigos para ginecologia natural: plantas, ervas#A civilização mais antiga do mundo é ainda mais antiga do que se pensava#Antropologia Feminista#Abraçando o feminino divino, a escuridão, a sombra e tudo#Deusas nativas americanas#Coatlicue, deusa mãe asteca#Ginocentrismo e Androcentrismo#O Feminino nas religiões#Amphitrite / Salacia: A Deusa contraparte de Netuno / Poseidon#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#CORRESPONDÊNCIA ENTRE PLANTAS E PLANETAS: UM GUIA DE ASTROBOTÂNICA PARA PREPARAR REMÉDIOS MÁGICOS#O Sagrado Feminino pelo Budismo Vajrayana#Volvas – Mulheres ‘xamas’: as temidas e respeitadas Profetisas, Sábias, Sacerdotisas, Videntes nórdicas#A Adoração de Deus na forma feminina#Atma Shakti pela abordagem do Yoga#As Bruxas do Brasil Colônia#Os Planetas/ Astros na astrologia#Atargatis: uma deusa síria adorada nos primeiros séculos dC.#Ecofeminismo(s): Por Que Mulheres, Animais e Natureza Sob o Mesmo Olhar?#Disfunção Sexual Feminina#Anatomia Genital Feminina#Ginecologia natural: o poder das ervas a serviço da saúde da mulher#Ginecologia natural: um caminho para a humanização do cuidado#MENSTRUAÇÃO, CORPOS FÍSICO & SUTIL, GINECOLOGIA NATURAL & HOLÍSTICA#Diu de Cobre – Métodos contraceptivos não hormonais#O que você deve saber sobre os octagramas – estrelas de oito pontas#Sete raios#Empatia nos cuidados de saúde da mulher#Ginecologia Ayurveda#Passos positivos para se estabelecer para a gravidez pela Ginecologia Tradicional Chinesa#Ginecologia na Medicina Chinesa – Ginecologia Tradicional Chinesa – Oriental#Astrologia egípcia e signos do zodíaco egípcio#O Feminino Divino nos Contos de Fadas#Sirius – Estrela Nobre e Divina#Quiromancia#Shamans Göbekli Tepe e seus símbolos cósmicos e Shahmaran#Mulheres antigas xamãs da Irlanda: curandeiros, sacerdotisas e adivinhos#Shakti – seus significados#Imagens do Feminino Ancestral: Reconhecimento de Padrões, Através do Espaço e do Tempo#O keebèt e a cerimônia feminina no Chaco#Notre Dame de la Vie: Nossa Senhora da Vida#Templos da Deusa na Ásia Ocidental#Atete, Deusa do Povo Oromo no sul da Etiópia#Rainha de Saba / Sabah / Shaba – Makeda, Bilqis#Matriarcado, Matrilinearidade,#Mãe Menininha do Gantois#A rabina Léah Novick#A natureza divina das mulheres naturalmente – um desafio do século XXI#Citações do Feminino Divino#O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade#Influencias da Lua, dos planetas e outros astros sobre a terra#Sobre a Vagina, a Vulva e soluções naturais para alguns problemas#Runas – História, Mitos e Significados dos Símbolos#Madeiras para fazer varinhas mágicas#Dualidade Mútua: Yin Yang / Shiva Shakti#Plantas para reconexão feminina#O Feminino Divino está em Ascensão#Pindorama – O Brasil Nativo, O Brasil Ancestral – e Abya Yala#Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico#Florais para as mulheres#Ervas e plantas para a cura dos disturbios femininos – ervas e plantas para mulheres – Ginecologia Natural#Vênus e as Plêiades!#Código e Contemplação da ética das Sacerdotisas#Purificação, Consagração e Carregamento de objetos#Plantando um jardim mágico – Plantas Mágicas#Jóias egípcias antigas arrancadas do monte funerário da “princesa virgem” na Siberia, montanhas de Altai#Ervas, plantas e magia#Tuatha De Danann#Os Duidas#Moura Encantada#Poder dos Metais – Propriedades Magicas dos Metais#De Tonantzin Coatlicue à Virgem de Guadalupe: o que Elas têm em comum#Magia dos tecidos: A Cosmovisão Andina Através da Tecelagem#Deusas da Cura#As Hostes Angelicas – de Geoffrey Hodson#Os Anjos#Astrologia do Centro Galáctico – o centro galáctico no mapa astrológico#Tonalidade cósmica – o significado sagrado da tartaruga#Deusas hindus. Lakshmi, Sarasvati e Parvati (Sati, Durga e Kali)#A lenda hindu do dilúvio de Manu e o relato bíblico de Noé#A Deusa Ganga e O Ganges: o rio sagrado do hinduísmo#Qhaqoy – técnica massagem andian#simbolos para os principios#Ativando a Prosperidade#Sobre o que é Sombra#A Menstruação é realmente ‘normal’ ou ‘natural’? (do ponto de vista muito ancestral)#Ogham / Ogam – Alfabeto Celta – Druida#A Jornada de Inanna: A descida de Inanna ao submundo: uma obra-prima literária de 5.500 anos#Shakti – Invocando sua energia feminina#Deusa Mãe (Ninmah, Nintud / r, Belet-ili e Nin e Ninhursag)#Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo#Salto de Sete Quedas – SALTOS DEL GUAIRÁ – O fim das maiores cachoeiras do mundo#Meses da árvore celta – 13/treze divisões lunares#Plantas harmonização hormonal#Magia, Magia Cerimonial e Teurgia#A Mãe Divina#Shakti – Na astrologia oriental e numerologia#Planetários e quadrados mágicos –#Artes divinatórias e práticas mânticas#Tarot: A Rota ou Roda das Experiências das civilizações antigas#Deusa Asherah – Representação Feminina do Sagrado, a Deusa de Israel#A Grande Deusa – Histórico#A Mais Antiga Oração Dirigida à Maria Datada Do Ano 250 d.C#Áreas reflexas femininas do corpo físico-etérico#Lilith#A Humanização do Parto e do Nascimento#Nomes Xamãs#Animais com fêmeas dominantes#Uma não definição de “xamã”#Enheduanna – A poeta e Alta Sacerdotisa acadiana#O Panteão da Mesopotâmia – Mitologia Mesopotâmia#Tiamat#Lista de ocultistas e escritores ocultistas#Plantas e seus benefícios#Reflexões de uma antropóloga e mãe: ‘O que aprendi com índios sobre educação infantil’#As “Montanhas Sagradas”, o Centro das Montanhas Mágicas da Mantiqueira – Aiuruoca#Serra do Roncador#Instrumentos Musicais Indígenas#O poder das raízes: As plantas falam umas com as outras pelas suas raízes#As mulheres e produção de óvulos: mulheres nascem com óvulos em seus ovários#Escritos e Evangelhos Apócrifos#Astarte, Astoreth, Ashtarot, a verdadeira origem de Venus e Afrodite#Deusas em Transformação:#Exercícios Kegel: Exercícios Musculares Pélvicos#Alquimia Feminina: Cultivo Feminino#Hypatia de Alexandria#Sírius, a estrela da realeza#Quem é Baphomet?#Maquiagem com produtos naturais (maquiagens veganas, naturais e caseiras)#Ēostre – A Deusa da Origem da Páscoa#Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia#Inanna – Ishtar – Astart (Ashtoreth)#Apsaras#Sobre a Frequência 432 e afins#A Era de Aquário#Evangelho de Maria#Quando Deus era mulher: A civilização das deusas gordas#Aradia#Porque precisamos de energia feminina no mundo#Mudanças no campo magnético da Terra#Associações de apoio às mulheres pelo mundo#Como a sabedoria das mulheres estava perdida#Ondas Cerebrais e Meditação#O Movimento do Sagrado Feminino ou Divino Feminino#A lenda de Mulan: a jornada da mulher e do feminino#Jornada de Cura – integrado as jornadas dos heróis e heroínas#Marija Gimbutas e a Deusa#Jornada da heroína: a narrativa mítica da mulher#Diferenças entre Signos e Constelações#Centro Galáctico#108 Siddhas Femininas, Dakinis, Yoginis e tântricas#Mulheres nas religiões#Casa da Virgem Maria na Turquia#As Mulheres na Cultura Védica#A Jornada da heroína e os ciclos de morte e vida#Elementos da meditação ativa:#Shakti Sadhana – Disciplina espiritual hindu (combinação de prática védica e tântrica)#Fases da Lua de 1900 a 2060#Informações básicas e interessantes da Astronomia#Locais importantes relacionados ao Caminho Evolutivo da civilização Ária#Samhain#Deusas da Mitologia no Brasil#A Centralidade da Feminina Divina – Shakti – no Sufismo#LILITH, O grande misterio do feminino selvagem#O que é Ginecosofia / Ginecosophia – Ginesofia / Ginesophia#Pleiades – pela Teosofia#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (ciganas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (indianas)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (orientais, árabes)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (flamenco e salsa)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (brasileiras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (hawaianas, polinesia, tailandesas, chinesas outras)#Vídeos de Danças Femininas Étnicas (árabes – dança do vente, orientais tribais, indianas fusion e afins)#Mandala#Grupo Mawaka#Outras Músicas#Sarasvati, Lakshmi, Parvati – As Três deusas, Shaktis supremas do induísmo#Yasodhara#Yasodhara#Céu Real – Céu Astronômico do momento (Efemérides Astronômicas)#Beltane#Mulher Shaman / Mulheres Xamãs#Maha Devi – Lalitha Sahasranamam – Os 1000 nomes de Lalitha / Lalita#Dança Duende – Danza Duende e ‘El Duende’#Mulheres Heroínas Indígenas#Apu (divindade) – Os Espíritos da Montanha do Peru#Mitos e lendas: Paititi, uma importante cidade perdida dos Incas#Caminho do Peabiru – Caminho utilizado pelos nativos ancestrais sul-americanos, ligando o litoral ao interior#SHAKTI-SHIVA e a Cosmogênese – Os mistérios da origem do humano e do universo#Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca#Ginecologia Natural – Naturologia Feminina: Saúde da Mulher#NEFERTITI, a Bela e Poderosa Rainha do Egito – A Grande Rainha do Nilo#Recebemos as mitocôndrias de nossas mães: maioria dos seus genes são oriundos de sua mãe.#Mulheres Incas#Hello world!#Deusas indianas e o significado de suas imagens#História das mulheres#Musicas Danças#RECONEXÃO Caminho Sagrado Feminino: Práticas Essenciais#O que é o Feminicídio ou femicídio#Gênero Feminino#Políticas públicas de combate à violência contra a mulher#Movimentos pelos Direitos da Mulher#Atos Internacionais – convenções que se referem às mulheres (Diretos da Mulher 2)#Direitos da Mulher#Helena Blavatsky#Mulheres em luta: Mulheres revolucionárias#Sobre o Útero – O Cálice Sagrado (pela abordagem do xamanismo tolteca contemporaneo)#Sobre Alquimia Interior – Alquimia Feminina – Respiração Ovariana – (pela abordagem do Tao Universal)#Tambores Xamânicos Sagrados#Xamanismo Huna (Hawai) e o Ho'oponopono#Atlantida, uma civilização matriarcal esquecida#Elementais da Natureza#Pedras de Poder#Os cristais e o ventre#Equilíbrio hormonal da mulher 2 – A importância da Progesterona#Equilíbrio Hormonal da Mulher#Por que nem todas as fêmeas menstruam? ….#Shakti#O Sagrado Feminino e a Deusa Gaia Manifestada#Os Mistérios de Vila Velha (Ponta Grossa – PR – Brasil)#Mistérios Brasileiros Famosos#As Deusas Védicas#O Poder das Plantas#Pesquisa revela o poder das mulheres Incas#Profecias dos Incas Q’ero#Mulheres da Floresta#ZENEIDA, A PAJÉ DO MARAJÓ#Mulheres Pajes – As xamas nativas brasileiras#A Sabedoria dos Incas e Andina e os resquícios de uma sabedoria sagrada feminina#A CHAKANA – A Cruz Andina ou Cruz Quadrada – a ponte entre os mundos#Acllas, as Sacerdotisas do Sol – Mulheres Sagradas dos Andes (sacerdotisas incas)#Princípios dos Povos Andinos#Pachamama#Herbologia mística – o poder das ervas e plantas#O Poder dos Cristais#O Poder das Flores – O Povo Flor#A Lenda das 13 Matriarcas#O Poder das Árvores: O Povo em Pé#Purificação com ervas – por método xamânico#Plantas de Poder#Catal Hoyuk – Anatólia (atual Turquia) e a arte da deusa e do feminino#Símbolos minóicos do culto a Deusa#Animais de poder – As ‘Criaturas’ ou ‘Criaturas Animais’ – Totens (Xamanismo)#Animais de poder – As 'Criaturas' ou 'Criaturas Animais' – Totens (Xamanismo)#Mix de ervas emagrecedoras – também diminui a barriga (perde gordura abdominal)#Shakti Mantras: os mantras de poder e graça potencializando outros mantras#Oração (ou contemplações) às Marias Navegantes – das Sacerdotisas de Maria#Theotokos – Maria como a 'Mãe de Deus'#Theotokos – Maria como a ‘Mãe de Deus’#Coliridianismo#A TERRA OCA – Mistérios milenares da Terra#Sara La Kali ou Santa Sara Kali – O Sagrado Feminino e o Sincretismo religioso#Segredos do Sagrado Feminino Cristão – As Marias do Mar#O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino#Sagrado Feminino: Brasil, ÍSIS, N.Srª Aparecida, o poder da Deusa#Sobre o Sagrado Feminino, as Abelhas e o mel, A Deusa Abelha#Shaktis – As mulheres Yoginis, Dakinis e Sacerdotisas#Shakti – A importância de seu reconhecimento pela mulher#Shaktis dos Nakshatras#Shakti – Poder Cósmico e Universal#Shakti : A Mãe do Mundo 1#Shakti: O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria#Shakti: O Poder, a Força Divina Cósmica, Planetária e Pessoal#Shakti, kundalini e Tantra#Cariatides – Sacerdotisas de Artemis#Piramides na Bosnia e China#A história das coisas, pelas pessoas e pela Terra#Os Mistérios da Serra do Roncador#Avatara ou Avatar e o Kalki Avatar ou Maitreya#Links Astrologia Sideral e Astrologia Védica#O que são formas pensamento, egregoras e tulpa?#Estátua de Maitreya: uma imagem que a mente pode fazer dela uma ponte!#Allamirah – Uma Encarnação da Divina Mãe, do Feminino Sagrado#Oricalco: o metal desaparecido usado na Atlântida#Especiarias#Sacerdotisas Sumérias#Ervas Medicinais, Especiarias e Temperos#Shakti#Srichakra – representação de Shiva-Shakti no macrocósmico e microcósmicos#Dharma e Sanatana Dharma – As Leis Universais e o Sistema de Sabedoria da Índia para estar em sintonia com essas leis#A Filosofia Yoga Shakti – por Sri Swami Sivananda#Samantabhadri, Prajnaparamita, Vajravarahi e Arya Tara (As Grandes Shaktis do dharmakaya, sambhogakaya e Nirmanakaya)#Kurukulla: Lalitavajra ou Vajratara (ou Tara Vermelha)#Vajravahari e Vajrayogini#As ‘Deidades’ do Bardo (estágio intermediário)#Aditi – Devamatri, expansão cósmica, espaço; mãe de todas as coisas#Adi Parashakti (Adi Shakti) – Param Prakriti, o Poder do Para Brahman#Lokapalas ou Maharajas#Shri Yantra – Um dos mais conhecidos e poderosos Yantras#Lalita Tripurasundari – A origem dos 3 mundos#Filmes Indicados#Bibliografia: Livros – Indicação para o estudo da Espiritualidade e Sabedoria Feminina#Glossário de Deusas#Glossário Indígena e Xamânico#Músicas de Marcus Viana e Sagrado Coração#Links para as constelações e estrelas fixas: Pleiades, Orion/Tres Marias, Sirius, Algol, Cruzeiro do Sul, Pleiades do Sul, Cão e Ursa Maior, Coroa Austral e Boreal, Spica, Sadalmelik#Conjunções de Vênus (de 1900 a 2050) – Trânsitos e Ciclos de Venus (1032 a 2255)#Estações do Ano de 1900 a 2099#O Céu do Momento#Leis Herméticas – Leis ou Princípios Existenciais ou Leis que regem o Universo#As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam#Matrikas (Mães Protetoras e Purificadoras) e as 64 Dakinis#As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas#Pleroma – A Plenitude#Aeon – Emanações Supremas do Pleroma#Os conceitos de Self, Individuação e Iluminação#Os estágios-níveis de desenvolvimento humano e os domínios transpessoais#Meditação e o despertar do Poder e da Sabedoria Interior#Qual a diferença, entre os gêneros, que interferem nos métodos de despertar? (resumo síntese)#Como se dá a exploração energética direta da mulher? (resumo síntese)#O que é o ‘processo evolucional’ ou despertar da consciência? (resumo síntese)#Porque esta urgência de despertar? (resumo síntese)#Protegido: Sonhos lúcidos – teoria e prática#O que são Elementos Vibracionais?#Porque um sistema iniciático (de despertar) específico para as mulheres? (resumo síntese)#Crianças / Humanos Índigo e Cristais#Anjos e Devas#Porque muitas mulheres se sentem insatisfeitas nos seus relacionamentos? (Parte 1)#Dualismo e não dualismo#O que é Magia, Teurgia e Teurgia Natural?#Sobre as mulheres – pensamentos e frases#Hildegard de Bingen#O que significa Shekinah (Shekhinah ou Shechiná)#Shakti – O poder interior humano, planetário e cósmico: O Grande Feminino#Fenícios no Brasil muito antes dos portugueses#Ilha Brasil – Hy Brazil a ilha mítica, a ilha afortunada#Roda do Ano – Os 8 Festivais Celtas – As 8 fases da Deusa#Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune#Sobre o significados de Sacerdotisa#Mata Amritanandamayi Devi, Ammachi ou Amma – A Shakti Mãe que distribui o Poder do Amor pelo abraço#Ma Yoga Shakti – A Shakti com realizações materiais e espirituais para o bem comum#Anandi Ma: uma Shakti oferecendo Shaktipat no ocidente#Transformando a energia em Shakti – referente aos ensinamentos de Shree Maa#Shee Maa – Uma deusa mãe da Índia para o ocidente#Planetas e Arcanos – para refletir os aspectos arquetípicos#Yeshe Tsogyal: uma Dakini iluminada#Therese Neumann – uma santa cristã#Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia#Mahavidya – As dez grandes Shaktis associadas aos grandes poderes cósmicos para os tântricos#Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada#Alguns mestres orientais e suas Dakinis ou Shaktis – Padmasambhava, Ramamkrishna, Aurobindo#o que significam: Libertação, Iluminação, Auto Realização, Arhat, Nirvana#Nangsa Obum – uma mulher tibetana considerada emanação de Tara#Vajrayogini – A Shakti orientadora e inspiradora no caminho de iluminação#Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado#As 64 Dakinis ou Yoginis#o que significa Prakrit, Mahaprakrit e Purusha#O que significa Kundalini, Fohat e Prana#O que significa Sophia (Sofia)#o que significam Deusas Mães ou Grandes Deusas#O que significa Devi#O que significa Dakini#O que significa Yogini#O que significa diksha, deeksha ou deeksa – ou iniciação espiritual#O que siginifica Shaktismo#O que significa Shaktipat#o que significa SHAKTI#Shakti#As Sacerdotisas da história desta civilização: Pitonisas, Vestais, de Ísis, de Inana, Sibilas#o que é THEASOPHIA (Theasofia, Teasofia) e THEALOGIA (Tealogia)#Gurumayi Chidvilasananda – uma bela e bem aventurada Shakti transmitindo Shaktipat ao ocidente#o que é TEURGIA e TAUMATURGIA#Mirra Alfassa – Shakti ou Companheira espiritual de Sri Arobindo#Ayu Khadro – Uma Grande Dakini manifestada
Antropologia Feminina Espiritualidade Mitologia Feminina Para Práticas e Estudos do Caminho Sagrado Feminino

A Grande Deusa – Histórico

A Grande Deusa

838 best images about idol figürin on PinterestNos pré-históricos e primeiros períodos históricos do desenvolvimento humano, existiam religiões nas quais as pessoas reverenciavam seu supremo criador como mulher.

A Grande Deusa, o Ancestral Divino, era adorada desde o Paleolítico Superior por volta de 25.000 aC – não 7000 aC, como se acreditava anteriormente por arqueólogos e estudiosos baseados em evidências arqueológicas. Os últimos templos da Deusa foram fechados por volta de 500 dC

Pouco tem sido escrito sobre as divindades femininas que foram adoradas nos períodos mais antigos da existência humana e ainda hoje, o material que existe foi quase totalmente ignorado.

A maioria das informações e artefatos relativos à vasta religião feminina, que floresceu por milhares de anos antes do advento da era clássica da Grécia, o judaísmo, o cristianismo, foi desenterrado após a Segunda Guerra Mundial. São essas escavações mais recentes que mudaram nossa visão da nossa história mais antiga.

ADORAÇÃO DE DEUSA

Evidências arqueológicas provam que a religião da Deusa existiu e floresceu no Oriente Próximo e Médio por milhares de anos antes da chegada do patriarcal Abraão, primeiro profeta da divindade masculina Yahweh.

Quem era essa deusa? Por que uma fêmea, em vez de um homem, foi designada como a divindade suprema? Quão influente e significativa era Sua adoração e quando realmente começou?

Embora as deusas tenham sido adoradas em todas as áreas do mundo, vamos nos concentrar na religião que evoluiu no Próximo e no Oriente Médio, o berço da civilização ocidental. O desenvolvimento da religião da divindade feminina nessa área está entrelaçado com os primórdios da religião até agora descobertos em qualquer parte da Terra.

A EVENTOS ARQUEOLÓGICOS

A evidência arqueológica para a existência desta antiga religião vem na forma de estátuas, murais, inscrições, tabuletas de argila e papiros que registraram eventos. Lendas e orações revelaram a forma e as atitudes da religião e da natureza da divindade. Muitas lendas antigas costumam se referir a dramas rituais. Estas foram promulgadas em cerimônias religiosas de festivais sagrados, coincidindo com outras atividades rituais.

Comentários eram freqüentemente encontrados na literatura de um país sobre a religião ou divindades de outro. A maioria das culturas tem mitos que explicam suas origens. No entanto, nem sempre são os mais antigos.

Existem inúmeros relatos das atitudes antagônicas do judaísmo, cristianismo e islamismo em relação aos artefatos sagrados das religiões que os precederam, especialmente no caso da Deusa cultuada em Canaã (Palestina).

A DEUSA EM CADA FORMULÁRIO

Relatos de Deusas do Sol foram encontrados nas terras de Canaã, Anatólia, Arábia e Austrália, entre os esquimós, os japoneses e os khasis da Índia.

O mais espantoso de tudo foi a descoberta de numerosos relatos do Criador feminino de toda a existência, divindades que foram creditadas por trazer não apenas as primeiras pessoas, mas toda a terra e os céus acima. Havia registros de tais deusas na Suméria, Babilônia, Egito, África, Austrália e China.

Na Índia, a Deusa Sarasvati foi honrada como a inventora do alfabeto original, enquanto na Irlanda Celta a Deusa Brigit era considerada a divindade patronal da linguagem. Textos revelaram que foi a Deusa Nidaba na Suméria que foi homenageada como a que inicialmente inventou as tábuas de argila e a arte de escrever.

O mais significativo foi a evidência arqueológica dos primeiros exemplos da linguagem escrita até então descoberta; estes também foram localizados na Suméria, no templo da Rainha dos Céus em Erech, escrito há mais de cinco mil anos atrás.

O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

Ninlil - WikipediaDe acordo com a teoria geralmente aceita de que as mulheres eram responsáveis ​​pelo desenvolvimento da agricultura, como uma extensão de suas atividades de coleta de alimentos, havia divindades femininas em todos os lugares que foram creditadas com esse dom à civilização.

Na Mesopotâmia, onde algumas das primeiras evidências do desenvolvimento agrícola foram encontradas, a Deusa Ninlil foi reverenciada por ter fornecido ao Seu povo uma compreensão dos métodos de plantio e colheita.

Em quase todas as áreas do mundo, divindades femininas eram exaltadas como curandeiras, distribuidores de ervas curativas, raízes, plantas e outras ajudas médicas, lançando as sacerdotisas que frequentavam os santuários no papel de médicos daqueles que ali adoravam.

O Ancestral Divino era conhecido como Astarte – a Grande Deusa, a Rainha do Céu, Innin, Inanna, Nan, Nut, Anat, Anahita, Istar Isis, Au Set, Ishara, Asherah, Ashtart, Attoret, Attar e Hathor. Cada nome denota nos vários idiomas e dialetos daqueles que a reverenciavam, diferentes aspectos da Grande Deusa.

AS RAÍZES DA CIVILIZAÇÃO

Por que tantas pessoas educadas neste século pensam na Grécia clássica como a primeira grande cultura quando a linguagem escrita estava em uso e grandes cidades construídas pelo menos vinte e cinco séculos antes daquela época?

E talvez mais importante, por que é continuamente inferido que a era das religiões “pagãs”, a época do culto das divindades femininas, era sombria e caótica, misteriosa e maligna, sem a luz da ordem e da razão que supostamente acompanhavam a posterior religiões masculinas.

Foi confirmado arqueologicamente que as primeiras leis, governo, medicina, agricultura, arquitetura, metalurgia, veículos sobre rodas, cerâmica, têxteis e linguagem escrita foram inicialmente desenvolvidas em sociedades que adoravam a Deusa.

Podemos nos perguntar sobre as razões da falta de informações disponíveis sobre sociedades que, por milhares de anos, adoraram a antiga Criadora do Universo.

ESCRITOS NÃO GRAVADOS

O período do Paleolítico Superior, embora a maioria de seus locais tenha sido encontrado na Europa, é o fundamento conjetural da religião da Deusa, conforme surgiu na posterior Era Neolítica do Oriente Próximo.

Uma vez que precede o tempo dos registros escritos e não conduz diretamente a um período histórico que poderia ter ajudado a explicá-lo, as informações sobre a existência paleolítica do culto à Deusa devem, nessa época, permanecer especulativas. As teorias sobre as origens da Deusa neste período são fundadas na justaposição de costumes da mãe-mãe ao culto dos ancestrais. Eles são baseados em três linhas separadas de evidência.

O primeiro baseia-se na analogia antropológica para explicar o desenvolvimento inicial das sociedades matrilineares (mãe-parentesco). Os estudos de tribos “primitivas” nos últimos séculos levaram à compreensão de que alguns povos “primitivos” isolados, mesmo em nosso século, ainda não possuíam a compreensão consciente da relação entre sexo e concepção. A analogia é então traçada de que os povos paleolíticos podem ter estado em um nível similar de consciência biológica.

UMA LINHA DE DESCIDA MATRILINEAR

As contas de descendentes da família seriam mantidas através da linhagem feminina, passando de mãe para filha, e não de pai para filho, como é costume hoje praticado. Tal estrutura social é geralmente referida como matrilinear, isto é, baseada na maternidade. Em tais culturas, não apenas os nomes, mas os títulos, posses e direitos territoriais são passados ​​através da linha feminina, de modo que eles podem ser retidos dentro do clã da família.

A segunda linha de evidência diz respeito ao início das crenças e rituais religiosos e sua conexão com a descendência matrilinear. Houve numerosos estudos de culturas paleolíticas, explorações de locais ocupados por essas pessoas e os ritos aparentes relacionados com a eliminação dos seus mortos. Estes sugerem que, como os primeiros conceitos da religião se desenvolveram, eles provavelmente tomaram a forma de adoração ancestral. Uma analogia pode ser traçada entre os povos paleolíticos e os conceitos e rituais religiosos observados entre muitas das tribos aborígines estudadas pelos antropólogos nos últimos dois séculos.

AS FIGURAS Das VENUS PALEOLÍTICAS SUPERIORES

A terceira linha de evidência, e a mais tangível, deriva das numerosas esculturas de mulheres encontradas nas culturas Gravettiano-Aurignacianas da Idade do Paleolítico Superior. Alguns destes datam de 25.000 aC.

Estas pequenas figuras femininas, feitas de pedra e osso e argila e muitas vezes referidas como figuras de Vênus , foram encontradas em áreas onde antes viviam pequenas comunidades assentadas. Eles foram frequentemente descobertos perto dos restos das paredes afundadas do que provavelmente foram as primeiras habitações feitas pelo homem na terra.

Aurignacian culture | prehistoric technology and art ...Nichos ou depressões foram feitos nas paredes para segurar as figuras. Estas estátuas de mulheres, algumas aparentemente grávidas, foram encontradas em todos os locais Gravettian-Aurignacian espalhados em áreas tão distantes como Espanha, França, Alemanha, Áustria, Tchecoslováquia e Rússia. Esses sites e números parecem abranger um período de pelo menos dez mil anos.

Parece altamente provável que as figuras femininas fossem ídolos de um culto de “grande mãe”, praticado pelos caçadores de mamutes Aurignacianos não nômades que habitavam os imensos territórios da Eurásia que se estendiam do sul da França até a área do Lago Baikal, na Sibéria.

A última conquista

“A agricultura primitiva deve ter crescido em torno dos santuários da Deusa Mãe, que assim se tornaram centros sociais e econômicos, assim como lugares sagrados e os germes das futuras cidades”, escreve Mellaart.

Mas assim como as pessoas das primeiras culturas neolíticas podem ter descido da Europa, como os possíveis descendentes das culturas gravettiano-aurignacianas, as ondas posteriores de ainda mais povos do norte desceram ao Oriente Próximo. Tem havido alguma conjectura de que estes eram descendentes das culturas mesolítica (cerca de 15.000 a 8.000 aC), maglemosianas e kunda do norte da Europa. Sua chegada não foi uma assimilação gradual na área, como parece ter sido o povo da Deusa, mas sim uma série de invasões agressivas, resultando na conquista, área por área, do povo da Deusa.

CATAL HUYUK

Catal Huyuk - leopard enthroned goddess | Ancient ...No local que hoje é conhecido como Jericó (em Canaã), por volta de 7000 aC, as pessoas viviam em casas de tijolo rebocadas, algumas com fornos de barro com chaminés e até com tomadas nas portas. Santuários de gesso retangulares já haviam aparecido.

Hacilar, a uns cem quilômetros do sítio Aurignaciano de Antalya, foi habitada por volta de 6000 aC. Aqui, também, figuras da Deusa foram encontradas. E nas escavações em Catal Huyuk, perto das planícies cilianas da Anatólia, perto da atual Konya, Mellaart descobriu nada menos que quarenta santuários, datando de 6500 aC em diante.

A cultura de Catal Huyuk existiu por quase mil anos. Mellaart revela: “As estátuas nos permitem reconhecer as principais divindades adoradas pelos povos neolíticos em Catal Huyuk. A divindade principal era uma deusa, que é mostrada em seus três aspectos, como uma jovem, uma mãe dando à luz ou como uma velha “

Mellaart sugere que pode ter havido uma maioria de mulheres em Catal Huyuk, como evidenciado pelo número de enterros femininos. Em Catal Huyuk, ocre também vermelho estava espalhado nos corpos; quase todos os enterros de ocre vermelho eram de mulheres. A religião estava principalmente associada ao papel das mulheres no desenvolvimento inicial da agricultura, e parece extremamente provável que o culto da deusa fosse administrado principalmente por mulheres.

DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA

Uma das ligações mais significativas entre os dois períodos são as figuras femininas, entendidas nas sociedades neolíticas, através do seu surgimento no período histórico de registros escritos, para representar a Deusa.

As esculturas das culturas paleolíticas e as dos períodos neolíticos são notavelmente semelhantes em materiais, tamanho e, o mais surpreendente, em estilo. Hawkes comentou a relação entre os dois períodos, observando que as figuras femininas paleolíticas “… são extraordinariamente parecidas com as deusas mãe ou terra dos povos agrícolas da Eurásia no período neolítico e devem ser diretamente ancestrais para elas”.

Talvez o mais significativo seja o fato de que os locais Aurignacianos foram descobertos perto de Antalya, cerca de cem milhas da comunidade adoradora da Deusa Neolítica de Hacilar na Anatólia (Turquia), e em Musa Dag no norte da Síria (uma vez uma parte de Canaã).

Essas comunidades neolíticas emergem com as primeiras evidências do desenvolvimento agrícola (que é o que as define como neolíticas). Eles aparecem em áreas mais tarde conhecidas como Canaã (Palestina [Israel], Líbano e Síria); na Anatólia (Turquia); e ao longo do norte dos rios Tigre e Eufrates (Iraque e Síria).

AS INVASÕES INDO-EUROPEIAS

Esses invasores do norte, geralmente conhecidos como indo-europeus, trouxeram consigo sua própria religião, a adoração de um jovem deus guerreiro e / ou um supremo deus paterno. Sua chegada é arqueológica e historicamente atestada por volta de 2400 aC, mas várias invasões podem ter ocorrido ainda mais cedo.

O padrão que surgiu após as invasões foi uma fusão das duas teologias, a força de uma ou outra, muitas vezes visivelmente diferente de cidade para cidade.

Como os invasores ganharam mais territórios e continuaram a crescer mais poderosos nos dois mil anos seguintes, essa religião sintetizada frequentemente justapunha divindades femininas e masculinas não como iguais, mas com o homem como marido dominante ou mesmo como seu assassino. No entanto, mitos, estátuas e evidências documentais revelam a presença contínua da Deusa e a sobrevivência dos costumes e rituais ligados à religião, apesar dos esforços dos conquistadores para destruir ou depreciar a adoração antiga.

A MÃE CLÃ

O paleontólogo russo ZA Abramova, citado no recente livro de Alexander Marshak, Raízes da Civilização, oferece uma interpretação ligeiramente diferente, escrevendo que na religião paleolítica, “A imagem da Mulher-Mãe … era complexa e incluía diversas idéias relacionadas para o significado especial das mulheres na sociedade dos primeiros clãs: ela não era nem um deus, nem um ídolo, nem a mãe de um deus, era a mãe do clã … A ideologia das tribos de caça nesse período do clã matriarcal era refletido nas figuras femininas “.

As conexões entre as figuras femininas paleolíticas e a posterior aparição das sociedades adoradoras da deusa nos períodos neolíticos do Oriente Próximo e Médio não são definitivas, mas são sugeridas por muitas autoridades.

No local Gravettiano de Vestonice, Checoslováquia, onde as figuras de Vênus não eram apenas formadas, mas endurecidas em um forno, o túmulo cuidadosamente organizado de uma mulher foi encontrado. Ela tinha cerca de quarenta anos de idade. Ela recebera ferramentas, cobertas com ossos de omoplatas gigantescos e cobertas de ocre vermelho. Em um sítio proto-neolítico em Shanidar, nos trechos ao norte do rio Tigre, outra sepultura foi encontrada, esta datando de cerca de 9000 aC. Foi o enterro de uma mulher um pouco mais jovem, mais uma vez coberta de ocre vermelho.

LINGUAGEM ESCRITA

Embora os primeiros exemplos de linguagem escrita já descobertos em qualquer lugar da Terra tenham aparecido no templo da Rainha dos Céus em Erech, na Suméria, pouco antes de 3000 aC, escrever naquela época parece ter sido usado principalmente para os relatos comerciais do templo.

Os grupos do norte que chegaram adotaram essa maneira de escrever, conhecida como cuneiforme (pequenos sinais de cunha pressionados no barro úmido) e a usavam para seus próprios registros e literatura. A professora Chiera comenta: “É estranho notar que praticamente toda a literatura existente foi colocada em forma escrita um século ou dois depois de 2000 aC”.

Se isso sugere que a linguagem escrita nunca foi considerada como um meio para mitos e lendas antes desse tempo ou que os tablets existentes foram destruídos e reescritos na época, permanece uma questão em aberto. Mas infelizmente isso significa que devemos confiar na literatura que foi escrita após o início das invasões e conquistas do norte.

A ORIGEM DA CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL

No entanto, a sobrevivência e revitalização da Deusa como suprema em certas áreas, os costumes, os rituais, as orações, o simbolismo dos mitos, bem como a evidência de locais e estátuas do templo, nos fornecem uma grande quantidade de informações sobre a adoração. da Deusa mesmo naquele tempo. E até certo ponto, eles nos permitem, ao observarmos a progressão das transições que ocorreram nos dois milênios seguintes, extrapolar para trás, para entender melhor a natureza da religião, como ela pode ter existido nos tempos histórico e neolítico anteriores.

A deificação e adoração da divindade feminina em tantas partes do mundo antigo eram variações de um tema, versões ligeiramente diferentes das mesmas crenças teológicas básicas, aquelas que se originaram nos primeiros períodos das civilizações humanas. É difícil entender a imensidão e o significado da reverência extrema dada à Deusa durante um período de vinte e cinco mil (como as evidências do Paleolítico Superior sugerem) ou mesmo sete mil anos e mais quilômetros de terra, atravessando fronteiras nacionais e vastas extensões de mar. No entanto, é vital fazer exatamente isso para compreender plenamente a longevidade, bem como o poder e influência generalizados que essa religião já teve.

O culto

A mesma religião que Graves discute existia ainda mais cedo nas áreas hoje conhecidas como Iraque, Irã, Índia, Arábia Saudita, Líbano, Jordânia, Israel (Palestina), Egito, Sinai, Líbia, Síria, Turquia, Grécia e Itália, bem como nas grandes culturas da ilha de Creta, Chipre, Malta, Sicília e Sardenha.

Houve casos de grande adoração nos períodos neolíticos da Europa, que começaram por volta de 3000 aC. Os Tuatha de Danaan traçaram suas origens de volta para uma Deusa que trouxeram consigo para a Irlanda, muito antes da chegada da cultura romana.

Os celtas, que agora compõem uma parte importante das populações da Irlanda, Escócia, País de Gales e Bretanha, eram conhecidos pelos romanos como os gauleses. Eles são conhecidos por terem enviado padres para um festival sagrado para a Deusa Cibele em Pessino, Anatólia, no século II aC. E a evidência de esculturas em Carnac e nos santuários gálicos de Chartres e Mont St. Michel, na França, sugere que esses lugares já foram locais da Grande Deusa.

Fonte: www.mama.org

Deusa mãe

Fonte: Wikipédia english

Uma deusa mãe é uma deusa que representa, ou é uma personificação da natureza , maternidade , fertilidade , criação , destruição ou que incorpora a generosidade da Terra . Quando equacionados com a Terra ou o mundo natural, essas deusas são algumas vezes referidas como Mãe Terra ou como a Mãe Terra .

Há diferença de opinião entre a concepção acadêmica e popular do termo. A visão popular é impulsionada principalmente pelo movimento da Deusa e lê-se que as sociedades primitivas eram inicialmente matriarcais , adorando uma deusa soberana, carinhosa e materna . Isto foi baseado nas idéias do século XIX de evolução unilinearde Johann Jakob Bachofen . De acordo com a visão acadêmica, no entanto, tanto Bachofen quanto as modernas teorias da Deusa são uma projeção das visões de mundo contemporâneas sobre os mitos antigos, ao invés de tentar entender a mentalidade da época. [1] [2] Muitas vezes isso é acompanhado por um desejo de uma civilização perdida de uma era passada que teria sido justa, pacífica e sábia. [3] No entanto, é altamente improvável que tal civilização tenha existido. [4]

Durante muito tempo, autores feministas defenderam que essas pacíficas sociedades agrárias matriarcais foram exterminadas ou subjugadas por tribos guerreiras patriarcais e nômades . Uma importante contribuição para isso foi a da arqueóloga Marija Gimbutas . Seu trabalho neste campo agora é, no entanto, largamente rejeitado. [5] Também com arqueólogos feministas essa visão é hoje considerada altamente controversa. [6] [7]

Desde os anos sessenta do século XX, especialmente na cultura popular , o alegado culto da deusa mãe e a posição social que as mulheres nas sociedades pré-históricas supostamente assumiram estavam ligadas. Isso tornou o debate político. De acordo com o movimento da deusa, a atual sociedade dominada pelos homens deveria retornar ao matriarcado igualitário dos tempos antigos. Que essa forma de sociedade existiu foi supostamente apoiada por muitas figuras que foram encontradas.
Nos círculos acadêmicos, esse matriarcado pré-histórico é considerado improvável. Em primeiro lugar, adorar uma mãe deusa não significa necessariamente que as mulheres governavam a sociedade. [8]Além disso, as figuras também podem retratar mulheres comuns ou deusas, e não está claro se realmente houve uma deusa mãe. [9] [10] [11]

Çatalhöyük 

Mulher sentada de Çatalhöyük

Entre 1961 e 1965, James Mellaart liderou uma série de escavações em Çatalhöyük , ao norte das Montanhas Taurus, em uma fértil região agrícola do sul da Anatólia . Foi marcante as muitas estátuas encontradas aqui, que Mellaart sugeriu representar uma grande deusa, que liderou o panteão de uma cultura essencialmente matriarcal. Uma figura feminina sentada, flanqueada pelo que Mellaart descreve como leoas , foi encontrada em um recipiente de grãos; ela pode ter pretendido proteger a colheita e o grão. [12]Ele considerou os locais como santuários , especialmente com a Mulher Sentada de Çatalhöyük.capturando a imaginação. Havia também um grande número de figuras sem sexo, que Mellaart considerava típicas de uma sociedade dominada por mulheres: a ênfase no sexo na arte está invariavelmente ligada ao impulso e ao desejo masculinos . [13] A idéia de que poderia ter havido um matriarcado e um culto da deusa mãe foi apoiada pela arqueóloga Marija Gimbutas . Isso deu origem a um culto moderno da Deusa Mãe, com peregrinações anuais sendo organizadas em Çatalhöyük.

Desde 1993, as escavações foram retomadas, agora lideradas por Ian Hodder com Lynn Meskell como chefe do Stanford Figurines Project, que examinou as figuras de Çatalhöyük. Esta equipe chegou a conclusões diferentes de Gimbutas e Mellaart. Apenas algumas das figuras foram identificadas como femininas e estas figuras foram encontradas não tanto em espaços sagrados, mas parecem ter sido descartadas aleatoriamente, às vezes em pilhas de lixo. Isso tornou um culto da deusa mãe neste local tão improvável. [14]

Religião Contemporânea 

Hinduísmo 

Deusa Durga é vista como a deusa mãe suprema pelos hindus

No hinduísmo , Durga representa o aspecto feminino e a shakti (energia / poder) do Deus Único (O Brahman ), bem como a natureza fortalecedora e protetora da maternidade. De sua testa surgiu Kali , que derrotou o inimigo de Durga, Shumbh . Kali (a forma feminina de Kaala “ie” tempo “) é a energia primordial como poder do Tempo, literalmente, o” criador ou fazedor do tempo “- sua primeira manifestação. Depois do tempo, ela se manifesta como” espaço “, como Tara , de onde avança a criação do universo material, a Mãe divina, Devi Adi parakti , manifesta-se em várias formas,força criativa . Ela se torna a Mãe Natureza (Mula Prakriti), que dá origem a todas as formas de vida como plantas, animais, e ela própria, e as sustenta e alimenta através de seu corpo, que é a terra com sua vida animal, vegetação e minerais. Em última análise, ela reabsorve todas as formas de vida de volta a si mesma, ou “as devora” para se sustentar como o poder da morte se alimentando da vida para produzir uma nova vida. Ela também dá origem a Maya (o mundo ilusório) e a prakriti , a força que galvaniza a base divina da existência em auto-projeção como o cosmos. A própria Terra é manifestada por Adi parashakti . Adoração Hindu da Mãe divina pode ser rastreada até a pré-védica , Índia pré-histórica.

A forma do hinduísmo conhecida como Shaktismo é fortemente associada ao Samkhya , e as filosofias do Tantra Hindu e, em última instância, são monistas . A energia primordial criativa-preservativa-destrutiva feminina, Shakti , é considerada a força motriz por trás de toda ação e existência no cosmo fenomenal. O cosmos em si é purusha, a realidade imutável, infinita, imanente e transcendente que é o fundamento divino de todo ser, a “alma do mundo”. Esse potencial masculino é atualizado pelo dinamismo feminino, incorporado em numerosas deusas que são, em última análise, todas as manifestações da Única Grande Mãe. Mãe Maya ou Shakti, ela mesma, pode libertar o indivíduo de demônios do ego, da ignorância e do desejo que ligam a alma a maya (ilusão) . Os praticantes da tradição tântricaconcentram-se em Shakti para libertar-se do ciclo do carma .

Novos movimentos religiosos

Alguns membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Igreja SUD) acreditam, mas não adoram, uma Mãe Celestial , ou mães celestiais, a esposa e a contraparte feminina do Pai Celestial. [15] Esta crença não é enfatizada, no entanto, e normalmente, os adeptos rezam para o “Pai Celestial”.

Na Teosofia , a deusa da Terra é chamada de “Logos Planetários da Terra “.

A Deusa Mãe, ou Grande Deusa , é uma composição de várias divindades femininas de culturas do mundo passado e presente, adoradas pela Wicca moderna e outras amplamente conhecidas como Neopagãs. Ela é considerada, às vezes, identificada como uma Deusa Tripla , que assume a forma de arquétipos de Maiden, Mother e Crone . Ela é descrita como Mãe Terra, Mãe Natureza ou a Criadora de toda a vida. Ela está associada à lua cheia e às estrelas, à Terra e ao mar. Na Wicca , a Deusa da Terra é às vezes chamada de Gaia . [16] O nome da deusa mãe varia de acordo com a tradição wiccaniana.

Carl Gustav Jung sugeriu que a mãe arquetípica era parte do inconsciente coletivo de todos os humanos, e vários estudantes junguianos, por exemplo, Erich Neumann e Ernst Whitmont , argumentaram que tais imagens maternas sustentam muitas mitologias e precedem a imagem do “pai paternal”. “, em tais sistemas religiosos. Tais especulações ajudam a explicar a universalidade de tais imagens de deusas mães em todo o mundo.

As figuras de Vênus do Paleolítico Superior foram algumas vezes explicadas como representações de uma Deusa da Terra semelhante a Gaia. [17]

“Mãe Terra” redireciona aqui. Para outros usos, veja a Mãe Terra .

Deusa da terra

Ki e Ninhursag são deusas da terra da Mesopotâmia . Na mitologia grega , a Terra é personificada como Gaia , correspondendo a Terra Romana, Indiana Prithvi / Bhūmi , etc., atribuída a uma ” Mãe Terra ” complementar ao ” Pai Celeste ” na religião proto-indo-européia. A mitologia egípcia tem excepcionalmente uma deusa do céu e um deus da terra .

Outras deusas da Terra incluem:

  • Cibele grego , Deméter
  • Roman Ops
  • Slavic Mat Zemlya
  • Pachamama Andina (Inca)
  • Parvati Hindu

Uma deusa da Terra é uma deificação da Terra . As deusas da terra são freqüentemente associadas às divindades ” ctônicas ” do submundo . [1]

Similar Posts